MINISTÉRIO DO ESPORTE   SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE EDUCACIONALPROGRAMA SEGUNDO TEMPO – UNIVERSITÁRIO              EXTE...
SUMÁRIOI – Programa Segundo Tempo Universitário – Extensão       Apresentação       Justificativa da Proposta       Políti...
Apresentação         A Constituição da República Federativa do Brasil/1988 trata o esporte demodo explícito no artigo art....
São modalidades de projetos:- Projetos de Extensão de Demanda Interna;- Projetos de Extensão Voluntários e- Projetos de Ex...
saberes e as inovações que surgem do trabalho de seus professores, estudantes efuncionários técnico-administrativos.      ...
Os Universitários são os que na sociedade tem maior influência empromover pesquisas sobre este desafio e a conseqüente pro...
Política Nacional do Esporte       O esporte, conforme preconiza o artigo 217 da Constituição Brasileira, édireito de cada...
Linhas Estratégicas   •   Qualificar e ampliar a abrangência do Programa Segundo Tempo;   •   Assegurar a oferta do Progra...
adolescentes em situação de vulnerabilidade social, prioritariamente a da regiãopróxima da Universidade. Estimular profess...
•   Oferta de reforço alimentar, caracterizado por lanche, conforme especificidades    da Portaria nº 230, de 13 de dezemb...
Recursos Humanos        Para o adequado desenvolvimento das atividades e o regular funcionamento do projeto, é fundamental...
Coordenador         de       Núcleo                                                360,00                         20h (Ori...
•   Evitar       que   as    falhas    inerentes      ao     desenvolvimento          do    processo           aconteçam. ...
nas publicações e em trabalhos apresentados em eventos de divulgação.Carga Horária: 20 horas/semanaisAtribuições:   •   Or...
procurando,     inclusive,   encaminhar   todos    os     casos     omissos    com       imparcialidade e cortesia;   •   ...
nos dias e horários estabelecidos, zelando pela sua organização,           segurança e qualidade, de acordo com a Proposta...
bolsa,        sendo         vedada           a       acumulação         com           outra;devolver ao Programa, em valor...
Atribuições Específicas:Nutrição•   Realizar   o   diagnóstico   e   o   acompanhamento       do   estado   nutricional,  ...
8. Interagir com os agricultores familiares e empreendedores familiares             rurais e suas organizações, de forma a...
•   Diagnosticar as dificuldades dos beneficiados e encaminhar, aos serviços de       atendimento      da    comunidade,  ...
Material Esportivo      A   qualidade   de   produção   dos    materiais   esportivos   tem    melhoradosignificativamente...
Os materiais relativos às atividades ofertadas deverão ser armazenados emlocais fechados, livres de umidade e seguros, fic...
Composição: recomenda-se aquisição de, no mínimo, um alimento solido eum líquido e, que a indicação da composição deste la...
Também cabe ao proponente a adaptação regional do cardápio de forma aoferecer aos participantes alimentos de qualidade e e...
Interesse Coletivo do Departamento: Um Projeto de Extensão, aindaque nascido de um anteprojeto individual deva ser aprecia...
e) Comunicar a PROEX a inadimplência dos Bolsistas em relação à ação de       extensão, o desligamento por problemas pesso...
•   O bolsista não pode estar vinculado a mais de um projeto de Extensão, nem       mesmo acumular o benefício com qualque...
Após seis meses de permanência no Projeto, realiza-se um processo deavaliação, quando deve ser apresentado parecer do orie...
DA SUBSTITUIÇÃO DO BOLSISTAO bolsista pode ser substituído, quando:I – Optar por outro tipo de bolsa;II – Não corresponder...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Proposta para a sesu pst universitário

1,173
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,173
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Proposta para a sesu pst universitário

  1. 1. MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE EDUCACIONALPROGRAMA SEGUNDO TEMPO – UNIVERSITÁRIO EXTENSÃO
  2. 2. SUMÁRIOI – Programa Segundo Tempo Universitário – Extensão Apresentação Justificativa da Proposta Política Nacional do Esporte Princípios Objetivos Específicos Linhas EstratégicasII – Diretrizes Público Alvo Objetivo GeralIII – Execução Núcleos Universitários do Programa Segundo Tempo Atividades a serem desenvolvidas Recursos Humanos Materiais e Uniforme Reforço AlimentarIV- Quanto a Operacionalização do PST Critérios de Seleção das Propostas Compromisso da Pró-Reitoria de Extensão Requisitos e Compromissos do Orientador Bolsas de Extensão Acompanhamento Cancelamento da Bolsa Substituição do Bolsista
  3. 3. Apresentação A Constituição da República Federativa do Brasil/1988 trata o esporte demodo explícito no artigo art. 217, garantindo a obrigatoriedade do Estado emfomentar a todos às práticas esportivas formais e não formais. Assim, o esporte oraé concebido como um direito social, direito de todos os brasileiros. Nesse sentido, é necessária a atenção do Governo Federal para a garantiados direitos dos mais diversos setores, possibilitando o acesso ao esporte comoinstrumento de desenvolvimento integral e social. Esta estratégia é parte da PolíticaNacional de Esporte, que delimita o esporte como mecanismo de transmissão dosprincípios de cidadania, de diversidade, de inclusão social e de democracia, porqueeles representam valores, hábitos, atitudes desejáveis e possíveis de seremformados por meio da prática. No esporte educacional - aquele praticado nos sistemas de ensino e emformas assistemáticas de educação, evitando-se a seletividade, a hiper-competitividade de seus praticantes, com a finalidade de alcançar odesenvolvimento integral do indivíduo e a sua formação, para o exercício dacidadania e a prática do lazer. Também o incentivo à prática esportiva nas Universidades deve sertrabalhado de forma articulada às políticas universitárias, sendo a ExtensãoUniversitária um dos alicerces sobre o qual se sustenta o tripé que caracteriza asuniversidades brasileiras. De acordo com a Constituição de 1988, em seu art. 207,“As universidades [...] obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino,pesquisa e extensão.” Diante desta evidência, o Ministério do Esporte, em parceria com o Ministérioda Educação, posicionam-se quanto ao desafio de universalizar a prática esportivaa partir do ensino do esporte a todos, fazendo eco aos anseios dos estudantesatravés de projetos de extensão universitária. Os Projetos de Extensão são atividades, com tempo limitado, que objetivampromover conhecimentos específicos em uma determinada área e que podem ounão estar ligados aos Programas Institucionais.
  4. 4. São modalidades de projetos:- Projetos de Extensão de Demanda Interna;- Projetos de Extensão Voluntários e- Projetos de Extensão de Demanda Externa Pode se definir como “Extensão Universitária”, as ações desenvolvidas sob aforma de programas, subprogramas, projetos e atividades, inseridos nas áreastemáticas (Comunicação, Cultura, Direitos Humanos, Educação, Meio Ambiente,Saúde, Tecnologia, Trabalho, Ciências Agrárias e Veterinárias, Espaços Construídose Política e Economia), conforme previsto nas Pró – Reitorias das Universidades, emconsonância com as orientações do Plano Nacional de Extensão Universitária,visando:I - Integrar o ensino e a pesquisa com as demandas da sociedade, buscandocomprometimento da comunidade universitária com interesses e necessidades dasociedade, em todos os níveis, estabelecendo mecanismos que relacionem o saberacadêmico ao saber popular;II - Democratizar o conhecimento acadêmico e a participação efetiva da sociedadena vida da Universidade;III - Incentivar a prática acadêmica que contribua para o desenvolvimento daconsciência social e política, formando profissionais – cidadãos;IV - Participar criticamente das propostas que objetivem o desenvolvimentoregional, econômico, social e cultural;V - Contribuir para reformulações de concepções e práticas curriculares daUniversidade, bem como para a sistematização do conhecimento produzido.§2º Os Projetos devem ser entendidos como AÇÕES PROCESSUAIS contínuas decaráter educativo, cultural, científico e tecnológico. A partir dessas premissas é que se considera a atividade de extensão, pelopotencial da comunidade universitária (professores, alunos, técnicos), uminstrumento incomparável de mudança nas próprias instituições onde se desenvolvee nas sociedades onde essas instituições estiverem inseridas. Resultado dessas reflexões é que se considera importante consolidar essaprática dentro das instituições de ensino, o que possibilitará a constante busca doequilíbrio adequado entre as demandas que lhe são socialmente exigidas e os
  5. 5. saberes e as inovações que surgem do trabalho de seus professores, estudantes efuncionários técnico-administrativos. O Programa Segundo Tempo Universitário com formato de Projeto deExtensão, é um Projeto Piloto do Ministério do Esporte com parceria dasUniversidades Públicas e Privadas para implantação de projetos esportivos e sociaispara o desenvolvimento de uma proposta de extensão universitária destinadas aocorpo discente por meio de núcleos universitários de esporte. Caracterizadas porsua função predominantemente educativa, as atividades esportivas.JUSTIFICATIVA DA PROPOSTA A Lei de Diretrizes e Bases nº 9.394/96, no seu artigo 43, que trata dasdisposições e finalidades da educação superior, diz que a educação superior tempor finalidade desenvolver o ensino, a pesquisa e a extensão na universidade,objetivando sua integração com a comunidade da qual faz parte, e através destasmesmas ações, desenvolver a ciência e a tecnologia, visando contribuir com aconstrução e reconstrução da sociedade. É à extensão que cabe o papelfundamental de pôr em prática o ensino, a pesquisa e, ao mesmo tempo, darsentido à ação universitária. Ainda no parágrafo VII do artigo 43, que trata exclusivamente da extensãouniversitária, especialmente, esta surge como o elo que liga a sociedade acadêmicaà comunidade em que ela está inserida, tornando-se, assim, o suporte que amparae ao mesmo tempo tem na comunidade o reflexo de sua estrutura institucionalorganizada. Esta visão se deve individualmente às atividades que uma instituição sedispõe a concretizar em suas ações acadêmicas, ou seja, da forma como auniversidade estabelece seus programas/projetos extensionistas dentro do seumodelo institucional e curricular, apresentando-se como disseminadora dodesenvolvimento e produtora de conhecimento sob o prisma das conquistasinovadoras. O presente projeto de atendimento aos beneficiados (esporte universitário)tem como público-alvo crianças, adolescentes e jovens da comunidade,prioritariamente aqueles que se encontram em áreas de vulnerabilidade social,localizada nas proximidades das Universidades, que serão atendidos por meio denúcleos universitários de esporte.
  6. 6. Os Universitários são os que na sociedade tem maior influência empromover pesquisas sobre este desafio e a conseqüente promoção da práticaesportiva para crianças e jovens. O Segundo Tempo é um programa sócio-esportivo idealizado pelo Ministériodo Esporte, destinado a democratizar o acesso à prática esportiva, por meio dadisponibilização das diversas atividades e as modalidades esportivas (individuais ecoletivas) e ações complementares, desenvolvidas em espaços físicos da escola ouem espaços comunitários no contra-turno escolar, tendo como enfoque principal oesporte educacional. Tem por finalidade de colaborar para a inclusão social,promoção e melhoria da qualidade de vida, promoção da saúde e desenvolvimentointelectual e humano, além de assegurar o exercício da cidadania. A Proposta parceria entre o MEC e o Ministério do Esporte visa aimplementação de uma nova proposta do Projeto PST Universitário – visando oatendimento das comunidades próximas as Universidades para implantação deatividades esportivas com o cunho de extensão universitária. Neste sentido, a proposta ora formatada está de acordo com ospressupostos pedagógicos do Programa Segundo Tempo, possibilitando aimplementação de atividades esportivas para o alcance dos objetivos propostos.Devido às particularidades de cada método utilizado deverão ser levados emconsideração os seguintes itens: a) Espaços Físicos disponibilizados; b) Áreas de Atuação ou eixos; c) Quantidade de recursos humanos envolvidos; d) Modelos de relatórios de acompanhamento dos projetos pelos os bolsistas; e) Realidades dos núcleos e entidades participantes; f) Valores financeiros repassados pelo ME ao MEC para projeção inicial dos núcleos de esporte educacional atendidos; g) Tamanho médio dos núcleos para identificar o número de bolsistas envolvidos; h) Ações custeadas: recursos humanos, materiais esportivos, reforço alimentar, transporte, material administrativo e de reparos; i) Elaboração do Edital
  7. 7. Política Nacional do Esporte O esporte, conforme preconiza o artigo 217 da Constituição Brasileira, édireito de cada cidadão e constitui dever do Estado garantir o seu acesso àsociedade, o que contribui para a reversão do quadro de vulnerabilidade social,atuando como instrumento de formação integral dos indivíduos e,conseqüentemente, possibilitando o desenvolvimento da convivência social, aconstrução de valores, a promoção da saúde e o aprimoramento da consciênciacrítica e da cidadania. A Política Nacional do Esporte considera que o esporte é condição essencialpara o desenvolvimento humano, freqüentemente negado, principalmente, àscamadas sociais de baixa renda. Com esse entendimento, por meio do principalPrograma do Ministério do Esporte “Vivência e Iniciação Esportiva Educacional –Segundo Tempo”. A Secretaria Nacional de Esporte Educacional (SNEED/ME) buscaresponder às demandas sociais geradas num momento histórico de garantia e deampliação do conjunto dos direitos constitucionais.Princípios • A reversão do quadro atual de injustiça, exclusão e vulnerabilidade social; • O esporte e o lazer como direito de cada um e dever do Estado; • A universalização e inclusão social; e • A democratização da gestão e da participação.Objetivos Específicos • Oferecer práticas esportivas educacionais, estimulando crianças e adolescentes a manter uma interação efetiva que contribua para o seu desenvolvimento integral; • Oferecer condições adequadas para a prática esportiva educacional de qualidade; • Desenvolver valores sociais; • Contribuir para a melhoria das capacidades físicas e habilidades motoras, qualidade de vida (auto-estima, convívio, integração social e saúde); • Contribuir para a diminuição da exposição aos riscos sociais (drogas, prostituição, gravidez precoce, criminalidade, trabalho infantil e a conscientização da prática esportiva, assegurando o exercício da cidadania).
  8. 8. Linhas Estratégicas • Qualificar e ampliar a abrangência do Programa Segundo Tempo; • Assegurar a oferta do Programa Segundo Tempo voltado ao público do ensino médio e superior; • Oportunizar aos beneficiados do Programa eventos e programações diferenciadas ao longo do ano; • Qualificar e aprimorar a gestão do Programa; • Qualificar o processo de capacitação de gestores, professores e monitores; e • Ampliar ações intersetoriais do Programa Segundo Tempo e da SNEED, formando uma rede de proteção à criança, - Rede Criança.Diretrizes do Programa Segundo Tempo Universitário – Projeto deExtensão Entende-se que a Extensão Universitária é um conjunto articulado de açõespedagógicas, de caráter teórico ou prático, presenciais ou à distância, planejados eorganizados de modo sistemático, com carga horária mínima de 8 horas e processode avaliação. As Linhas de Extensão especificam e detalham os temas para a nucleaçãodas ações de extensão, não sendo necessariamente ligadas a uma área temáticaem especial. Por exemplo, ações relativas à linha de extensão “PRÁTICAESPORTIVA EDUCACIONAL podem ser registradas na Área Temática saúde, oueducação, ou trabalho, ou mesmo tecnologia, dependendo do tema em questão.PÚBLICO ALVO O público alvo do Programa Segundo Tempo – Universitário Extensão sãocrianças, adolescentes e jovens da comunidade, prioritariamente aqueles que seencontram em áreas de vulnerabilidade social, localizada nas proximidades dasUniversidades, que serão atendidos por meio de núcleos universitários de esporteeducacional.OBJETIVO GERAL: O Programa tem por objetivo incentivar a participação dos discentes emprojetos de extensão, despertando a consciência da indissociabilidade entre ensino,pesquisa e extensão e, dessa forma, contribuir para a formação integral douniversitário, promovendo a democratização do acesso ao esporte educacional dequalidade, como forma de inclusão social, ocupando o tempo ocioso de crianças e
  9. 9. adolescentes em situação de vulnerabilidade social, prioritariamente a da regiãopróxima da Universidade. Estimular professores a incluírem alunos de graduaçãonas práticas voltadas para o atendimento de necessidades sociais emergentes comoas relacionadas com as áreas de Comunicação, Cultura, Direitos Humanos,Educação, Meio Ambiente, Saúde, dentre outros; Oportunizar aos bolsistas e seusorientadores a ampliar a oferta de oportunidades para a aprendizagem e melhorara qualidade da Educação, incluindo a Educação Continuada e a Distância;Possibilitar aos bolsistas novos meios e processos de produção, inovação etransferência de conhecimentos, permitindo a ampliação do acesso ao saber e odesenvolvimento tecnológico e social do País; Provocar a produção deconhecimentos científicos a partir das necessidades detectadas na vivência com acomunidade e com o conhecimento popular; Estimular bolsistas e orientadores adesenvolverem atividades que impliquem em relações multi, inter outransdiciplinares e interprofissionais de setores da Universidade e da Sociedade;Proporcionar aos bolsistas e aos orientadores condições para que tenham umarelação bidirecional entre a Universidade e a Sociedade, de tal modo que osproblemas urgentes da sociedade recebam atenção produtiva por parte daUniversidade. EXECUÇÃO NAS UNIVERSIDADESNúcleos Universitários do Programa Segundo Tempo O Núcleo é caracterizado pela composição de um grupo de 100 crianças,adolescentes e jovens, que sob orientação de profissionais de educação física e deoutras área temáticas devidamente habilitados, mediante programação deatividades a serem desenvolvidas em consonância com o projeto pedagógico dasPró – Reitorias de Extensão apresentado e aprovado junto a Comissão compostapor membros do MEC e do Ministério do Esporte tendo como foco:• Atividades no contra-turno escolar para os beneficiados, em espaços físicos específicos às atividades esportivas a serem desenvolvidas no ambiente da Universidade;• Oferta a cada beneficiado de, no mínimo, 03 modalidades esportivas (2 coletivas e 1 individual) até os 14 anos e a partir desta idade a possibilidade de se ofertar apenas uma modalidade, de acordo com o interesse do beneficiado;• Oferta a cada beneficiado de atividades esportivas com freqüência mínima de 03 vezes na semana, e de 2 a 4 horas diárias;
  10. 10. • Oferta de reforço alimentar, caracterizado por lanche, conforme especificidades da Portaria nº 230, de 13 de dezembro de 2007 e suas alterações; e• Recebimento de materiais esportivos/suplementares e uniformes para os profissionais e beneficiados, podendo se dar na forma de kits específicos ou de doações. O Núcleo não se refere ao espaço físico onde são desenvolvidas asatividades, mas à sua composição, podendo funcionar em um ou mais espaçosfísicos, desde que estejam sob a mesma coordenação.Atividades a serem Desenvolvidas As atividades esportivas oferecidas nos núcleos devem ter carátereducacional, tendo como objetivo o desenvolvimento integral da criança e doadolescente, de forma a favorecer a consciência de seu próprio corpo, explorar seuslimites, aumentar as suas potencialidades, desenvolver seu espírito desolidariedade, de cooperação mútua e de respeito pelo coletivo. O processo de ensino-aprendizagem deve estar voltado para estimular acompreensão da convivência em grupo, das regras necessárias à organização dasatividades, da partilha de decisões e emoções, fazendo com que o indivíduo possareconhecer seus direitos e deveres para uma boa convivência social. A definição das modalidades a serem desenvolvidas junto aos beneficiadosdeverá considerar o contexto como um todo: disponibilidade de recursos físicos ehumanos para desenvolvê-las, forma de organização e vigência do Projeto (12meses). • Modalidades coletivas (oferta mínima de 2 modalidades) • Modalidades Individuais (oferta mínima de 1 modalidade)Sugestões de Modalidades: Coletivas Individuais Atletismo, Canoagem, Capoeira, Basquetebol, futebol de campo, Ginásticas (rítmica/ artística/ Futsal, Handebol, Voleibol, entre olímpica), lutas, natação, remo, tênis outras. de mesa, vela náutica, entre outras.
  11. 11. Recursos Humanos Para o adequado desenvolvimento das atividades e o regular funcionamento do projeto, é fundamental que seja assegurada a participação de Recursos Humanos, conforme estabelecido a seguir: Recursos Humanos por Núcleo • 01. Coordenador (Orientador) – 20 horas/semanais • 01. Coordenador de Núcleo (Orientador Adjunto) – 20 horas/semanais; (Facultativo) • 01. Bolsista de Atividade Esportiva – 20 horas/semanais; • 01. Bolsista de Atividades Complementares – 20 horas/semanais Projeto de Extensão caracteriza-se pela concessão de bolsas a alunos da Universidade, indicados por professores, com projetos cadastrados na Pró-Reitoria Acadêmica, não implicando em vínculo empregatício com a Instituição. Referência de Recursos Humanos por Beneficiado Número de Coordenador Coordenador Bolsista de Bolsista Beneficiados Geral de Núcleo Atividades EsportivasAté 1.900 1 1 a 19 1 a19 1 a192.000 a 3.900 1 20 a 39 20 a 39 20 a 394.000 a 5.900 1 40 a 59 40 a 59 40 a 596.000 a 7.900 1 60 a 79 60 a 79 60 a 798.000 a 9.900 1 80 a 99 80 a 99 80 a 9910.000 a 11.900 1 100 a 119 100 a 119 100 a 11912.000 a 13.900 1 120 a 139 120 a 139 120 a 13914.000 a 15.900 1 140 a 159 140 a 159 140 a 15916.000 a 17.900 1 160 a 179 160 a 179 160 a 17918.000 a 19.900 1 180 a 199 180 a 199 180 a 19920.000 a 21.900 1 200 a 219 200 a 219 200 a 21922.000 a 23.900 1 220 a 239 220 a 239 220 a 23924.000 a 25.900 1 240 a 259 240 a 259 240 a 25926.000 a 28.000 1 260 a 280 260 a 280 260 a 280 Referências de valores para os Recursos Humanos Função R$ Carga HoráriaCoordenador (Orientador) 1.800,00 20h
  12. 12. Coordenador de Núcleo 360,00 20h (Orientador Adjunto) Opcional Bolsista de Atividade Esportiva 360,00 20h Bolsista 360,00 20h Obs. Coordenador Adjunto é opcional, podendo esta função ser delegada ao bolsista, conforme fontes MEC. O valor da bolsa de extensão (ORIENTADORES E BOLSISTAS) é de responsabilidadedo MEC, sendo o pagamento condicionado a comprovação de efetividade do aluno. Aeventual concessão de benefícios relacionados a transporte, alimentação e saúde, entreoutros, não caracteriza vínculo empregatício.Quanto à especificação dos Recursos HumanosCoordenador (Orientador)Qualificação: Responsável pela gestão pedagógica e operacional do projeto, possuirexperiência compatível com a função de orientador, que objetive a formaçãoética/política e científico/técnica de futuros profissionais;ser docente Profissional deEducação Física com título de doutor, mestre ou, ainda, mestrando,quando o objeto depesquisa da titulação guardar relação com a atividade extensionista;ser,preferencialmente, docente com contrato em regime de dedicação;apresentar projetode extensão, aprovado na Subunidade e Unidade, e que tenha relação com o projetopedagógico da Subunidade de origem; tenha relevância social e qualidade acadêmica;inclua Plano de Trabalho detalhado de cada bolsista, bem como solicitação do númerode bolsas;orientar e avaliar os bolsistas nos diferentes momentos do projeto, incluindoa elaboração do Relatório Anual e de material para socializar o projeto no SeminárioAnual de Extensão;incluir o nome do(s) bolsista(s) nas publicações e em trabalhosapresentados em eventos de divulgação. Carga Horária: para trabalhar, no mínimo 20 horas/semanais na execução desta proposta, Atribuições: • Participar de todo o processo de decisão. É quem define: objetivo geral do projeto, cronograma de atividades, responsabilidade e responsabilidades e recursos;
  13. 13. • Evitar que as falhas inerentes ao desenvolvimento do processo aconteçam. Deve ser capaz de prever as dificuldades e agir preventivamente assegurando o bom andamento dos trabalhos; • Gerenciar a implementação das ações acordadas no Projeto Básico e Plano de Trabalho, estabelecendo, inclusive o controle total da estrutura administrativa e do orçamento do Projeto; • Desenvolver técnicas e princípios de planejamento descentralizado e gestão articulada, voltados para a criação de um ambiente de trabalho comprometido com o alcance e o resultado do Projeto; • Manter estrutura eficiente de comunicação entre o coordenador de núcleo (orientador adjunto) e bolsistas, possibilitando melhores resultados e qualidade no atendimento aos beneficiados e maior eficiência dos trabalhos realizados em equipe; • Implementar a articulação periódica com os coordenadores de núcleo (orientador adjunto) na busca da alocação e utilização eficiente dos recursos disponíveis, evitando sobreposição de ações, de forma a gerenciar os problemas/dificuldades, em tempo de corrigir rumos; • Supervisionar. Monitorar e avaliar o Projeto, de acordo com o pactuado no convênio, mantendo um esquema de trabalho viável para atingir os objetivos; • Participar da formação continuada oferecida pela SNEED/ME, de encontros com os Colaboradores e Grupos de Estudo sobre desenvolvimento de projetos esportivos sociais; eCoordenador de Núcleo (Orientador Adjunto) OPCIONALQualificação: responsável pela supervisão e acompanhamento dosmonitores/estagiários possuir experiência compatível com a função de orientador,que objetive a formação ética/política e científico/técnica de futurosprofissionais;ser docente Profissional de Educação Física ou de outras áreastemáticas, com título de doutor, mestre ou, ainda, mestrando,quando o objeto depesquisa da titulação guardar relação com a atividade extensionista;ser,preferencialmente, docente com contrato em regime de dedicação;apresentarprojeto de extensão, aprovado na Subunidade e Unidade, e que tenha relação como projeto pedagógico da Subunidade de origem; tenha relevância social e qualidadeacadêmica; inclua Plano de Trabalho detalhado de cada bolsista, bem comosolicitação do número de bolsas;orientar e avaliar os bolsistas nos diferentesmomentos do projeto, incluindo a elaboração do Relatório Anual e de material parasocializar o projeto no Seminário Anual de Extensão;incluir o nome do(s) bolsista(s)
  14. 14. nas publicações e em trabalhos apresentados em eventos de divulgação.Carga Horária: 20 horas/semanaisAtribuições: • Organizar, juntamente com o Coordenador (Orientador), o processo de estruturação dos núcleos (adequação de espaço físico, recursos humanos, materiais esportivos, reforço alimentar, uniformes, etc. • Planejar semanal e mensalmente, juntamente com os monitores, as atividades que estarão sob sua responsabilidade e supervisão, levando em consideração a Proposta Pedagógica aprovada para o Projeto, bem assim, submeter e articular com o Coordenador (Orientador), o planejamento feito, com vistas à melhor forma de adequação das atividades ao processo de ensino-aprendizagem dos participantes; • Desenvolver as atividades esportivas com os beneficiados, juntamente com os monitores, de acordo com a proposta pedagógica do PST, seguindo o planejamento proposto para o Projeto e primando pela qualidade das aulas – ensinar, controlar, corrigir e acompanhar a evolução dos beneficiados; • Supervisionar o controle diário das atividades no núcleo, mantendo um esquema de trabalho viável para atingir os resultados propostos no Projeto, exigindo, inclusive a participação e envolvimento de toda a equipe de trabalho no processo; • Promover reuniões periódicas com os monitores, a fim de analisar em conjunto, o resultado de avaliações internas e/ou externas, elaborando relatórios de desempenho do núcleo, com o objetivo de propor redirecionamento das práticas pedagógicas e/ou inclusão de outras atividades que possam enriquecer o Projeto; • Responsabilizar-se e zelar pela segurança dos participantes, durante todo o período de sua permanência no local de desenvolvimento das atividades do núcleo, bem assim, manter os espaços físicos e as instalações em condições adequadas as praticas; • Manter o Coordenador (Orientador), informados quanto as distorções identificadas no núcleo e apresentar, dentro do possível, soluções para a correção dos rumos; • Comunicar de imediato o Coordenador (Orientador), quaisquer fatos que envolvam membro da equipe ou beneficiado em situação não convencional,
  15. 15. procurando, inclusive, encaminhar todos os casos omissos com imparcialidade e cortesia; • Participar da formação continuada oferecida pela SNEED/ME, de encontros com os Gestores do Projeto, Colaboradores e Grupos de Estudo sobre o desenvolvimento de projetos esportivos sociais; e • Atuar como multiplicador do processo de capacitação do PST, junto aos bolsistas e colaboradores do Projeto.Monitor (Bolsista) de EsporteQualificação: Ser estudante dos cursos ligados aos eixos temáticospreferencialmente aos cursos de EDUCAÇÃO FISICA, estar regularmentematriculado em curso de graduação, com bom desempenho acadêmico expresso nohistórico escolar e aprovação em todas as disciplinas relacionadas com o projeto;demonstrar disponibilidade de tempo para o exercício da extensão; ter cursado oprimeiro semestre do curso de graduação e não concluir o curso no período devigência da bolsa; ser indicado pelo orientador e referendado pela Comissão deExtensão; apresentar o trabalho desenvolvido, sob a forma de exposição oral, noSeminário anual;apresentar Relatório Semestral de Atividade e Relatório Anual dotrabalho desenvolvido, procurando ter como referência o Plano de Trabalhoproposto pelo docente. O Relatório Anual deve ser entregue por ocasião doSeminário Anual; nas publicações e trabalhos apresentados, fazer referência à suacondição de bolsista no Programa de Apoio à Formação Teórico-Prática do Discente;estar recebendo apenas essa modalidade de bolsa, sendo vedada a acumulaçãocom outra; devolver ao Programa, em valores atualizados, a(s) mensalidade(s)recebida(s) indevidamente, caso os requisitos e compromissos estabelecidos nesteitem não sejam cumpridos.Carga Horária de 20 horas/semanais. Atribuições • Desenvolver juntamente com o Coordenador de Núcleo o planejamento semanal e mensal das atividades esportivas, de forma a organizar as praticas relativas ao ensino-aprendizagem dos participantes e o melhor desempenho funcional do núcleo; • Assessorar e apoiar o Coordenador de Núcleo, no desempenho de suas atividades e serviços relativos ao núcleo, bem assim, desenvolver as praticas complementares previstas no plano de aula, sistematicamente
  16. 16. nos dias e horários estabelecidos, zelando pela sua organização, segurança e qualidade, de acordo com a Proposta Pedagógica do Projeto; • Estabelecer, em conjunto com o Coordenador de Núcleo, mecanismos e instrumentos pedagógicos de freqüência e registro das atividades desenvolvidas diariamente, que deverão ser apresentados na forma de Relatórios ao Ministério do Esporte; • Acompanhar a participação dos beneficiados nas atividades esportivas, efetuando o controle de freqüência e sua atualização semanal; • Responsabilizar-se e zelar, juntamente com o Coordenador de Núcleo, pela segurança dos beneficiados durante as praticas esportivas e permanência nas instalações físicas; • Comunicar ao Coordenador de Núcleo, de imediato, quaisquer fatos que envolvam membro da equipe ou beneficiado em situação não convencional, bem assim, elaborar registro documental de cada caso ocorrido; • Viabilizar e operacionalizar a coleta de depoimentos escritos, quanto a execução e satisfação do Projeto/Programa, de pais, beneficiados, responsáveis, professores e entes das comunidades; e • Participar do processo de capacitação oferecido pela Gestão do Projeto e Coordenação local, com base na Capacitação oferecida pela SNEED/ME, bem assim, manter-se atualizado sobre assuntos de interesse sobre a sua área de atuação.Monitor Atividades Complementares (Bolsista)Qualificação: Ser estudante dos cursos ligados aos eixos temáticospreferencialmente aos cursos de Nutrição, Pedagogia, Assistência Social ePsicologia, estar regularmente matriculado em curso de graduação, com bomdesempenho acadêmico expresso no histórico escolar e aprovação em todas asdisciplinas relacionadas com o projeto; demonstrar disponibilidade de tempo para oexercício da extensão; ter cursado o primeiro semestre do curso de graduação enão concluir o curso no período de vigência da bolsa; ser indicado pelo orientador ereferendado pela Comissão de Extensão; apresentar o trabalho desenvolvido, sob aforma de exposição oral, no Seminário anual; apresentar Relatório Semestral deAtividade e Relatório Anual do trabalho desenvolvido, procurando ter comoreferência o Plano de Trabalho proposto pelo docente. O Relatório Anual deve serentregue por ocasião do Seminário Anual; nas publicações e trabalhosapresentados, fazer referência à sua condição de bolsista no Programa de Apoio àFormação Teórico-Prática do Discente; estar recebendo apenas essa modalidade de
  17. 17. bolsa, sendo vedada a acumulação com outra;devolver ao Programa, em valores atualizados, a(s) mensalidade(s) recebida(s)indevidamente, caso os requisitos e compromissos estabelecidos neste item nãosejam cumpridos.Carga Horária: 20h/semanais.Atribuições: • Desenvolver juntamente com o Coordenador de Núcleo o planejamento semanal e mensal das atividades complementares, de forma a organizar as praticas relativas ao ensino-aprendizagem dos participantes e o melhor desempenho funcional do núcleo; • Desenvolver as práticas complementares previstas no plano de aula, sistematicamente nos dias e horários estabelecidos,zelando pela sua organização, segurança e qualidade, de acordo com a Proposta Pedagógica do Projeto; • Assessorar e apoiar o Coordenador de Núcleo, no desempenho de suas atividades e serviços relativos ao núcleo; • Estabelecer, em conjunto com o Coordenador de Núcleo, mecanismos e instrumentos pedagógicos de freqüência e registro das atividades desenvolvidas diariamente, que deverão ser apresentados ao Coordenador (Orientador) na forma de relatórios; • Acompanhar a participação dos beneficiados, efetuando o controle de freqüência e sua atualização semanal; • Responsabilizar-se e zelar, juntamente com o Coordenador de Núcleo, pela segurança dos beneficiados durante as praticas esportivas e permanência nas instalações físicas; • Comunicar ao Coordenador de Núcleo, de imediato, quaisquer fatos que envolvam membro da equipe ou beneficiado em situação não convencional, bem assim, elaborar registro documental de cada caso ocorrido; • Viabilizar e operacionalizar a coleta de depoimentos escritos, quanto a execução e satisfação do Projeto/Programa, de pais, beneficiados, responsáveis, professores e entes das comunidades; e • Participar do processo de capacitação oferecido pela Gestão do Projeto e Coordenação local, com base na Capacitação oferecida pela SNEED/ME, bem assim, manter-se atualizado sobre os assuntos de interesse sobre a sua área de atuação.
  18. 18. Atribuições Específicas:Nutrição• Realizar o diagnóstico e o acompanhamento do estado nutricional, calculando os parâmetros nutricionais dos beneficiados com base na avaliação nutricional, e em consonância com os parâmetros definidos em normativas do FNDE;• Estimular a identificação de indivíduos com necessidades nutricionais específicas, para que recebam atendimento adequado;• Planejar, elaborar, acompanhar sob a supervisão do orientador, e avaliar o cardápio da alimentação dos beneficiados, com base no diagnóstico nutricional e nas referencias nutricionais, observando: 1. Adequação às faixas etárias e aos perfis epidemiológicos das populações atendidas, para definir a quantidade e qualidade dos alimentos; 2. Respeito aos hábitos alimentares e à cultura alimentar de cada localidade, à sua vocação agrícola e à alimentação saudável e adequada; 3. Utilização de produtos da Agricultura familiar e dos Empreendedores Familiares Rurais, priorizando, sempre que possível, os alimentos orgânicos e/ou agroecológicos; local, regional, territorial, estadual, ou nacional, nesta ordem de prioridade; 4. Propor e realizar ações de educação alimentar e nutricional para a comunidade universitária, inclusive promovendo a consciência ecológica e ambiental, articulando-se com a direção e com a coordenação pedagógica da Universidade para o planejamento de atividades com conteúdo de alimentação e nutrição; 5. Elaborar fichas técnicas das preparações que compõem o cardápio; 6. Planejar, orientar e supervisionar as atividades de seleção, compra, armazenamento, produção e distribuição dos alimentos, zelando pela quantidade, qualidade e conservação dos produtos, observadas sempre as boas praticas higiênico-sanitárias; 7. Planejar, coordenar e supervisionar a aplicação de testes de aceitabilidade junto aos beneficiados, sempre que ocorrer no cardápio a introdução de alimento novo ou quaisquer outras alterações inovadoras, no que diz respeito ao preparo, ou para avaliar aceitação dos cardápios praticados freqüentemente.
  19. 19. 8. Interagir com os agricultores familiares e empreendedores familiares rurais e suas organizações, de forma a conhecer a produção local inserindo esses produtos na alimentação dos beneficiados; 9. Participar do processo de licitação e da compra direta da agricultura familiar para aquisição de gêneros alimentícios, no que se refere a parte técnica (especificações, quantitativos, entre outros); 10. Orientar e supervisionar as atividades de higienização de ambientes, armazenamento de alimentos, equipamentos e utensílios da instituição;Psicologia• Promover estudos sobre características psicossociais de grupos étnicos, religiosos, classes e segmentos sociais nacionais, culturais, intra e interculturais;• Atuar junto a organizações comunitárias, em equipe multiprofissional no diagnóstico, planejamento, execução e avaliação de programas comunitários, no âmbito da saúde, lazer, educação, trabalho e segurança;• Pesquisar, analisar e estudar variáveis psicológicas que influenciam o comportamento dos beneficiados;• Desenvolver trabalhos com educadores e beneficiados, visando a explicitação e a superação de entraves institucionais ao funcionamento produtivo das equipes e ao crescimento individual de seus integrantes;• Desenvolver, com os beneficiados e familiares atividades visando a prevenir, identificar e resolver problemas psicossociais que possam bloquear, o desenvolvimento de potencialidades, a auto-realização e o exercício da cidadania consciente;• Elaborar e executar procedimentos destinados ao conhecimento da relação professor-aluno, em situações escolares específicas, visando, através de uma ação coletiva e interdisciplinar a implementação de uma metodologia de ensino que favoreça a aprendizagem e o desenvolvimento;• Planejar, executar e/ou participar de pesquisas relacionadas a compreensão de processo ensino-aprendizagem e conhecimento das características Psicossociais dos beneficiados, relevante para o ensino, bem como suas condições de desenvolvimento e aprendizagem, com a finalidade de fundamentar a atuação crítica do Psicólogo, dos professores e usuários e de criar programas educacionais completos, alternativos, ou complementares;• Participar do trabalho das equipes de planejamento pedagógico;
  20. 20. • Diagnosticar as dificuldades dos beneficiados e encaminhar, aos serviços de atendimento da comunidade, aqueles que requeiram diagnostico e tratamento de problemas psicológicos específicos. Pedagogia • Participar da elaboração e a execução da proposta pedagógica do projeto; • Administrar o pessoal e os recursos materiais e financeiros projeto, tendo em vista atingir seus objetivos pedagógicos; • Assegurar o cumprimento dos dias estabelecidos; • Velar pela participação dos beneficiados no projeto; • Promover a articulação com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com o projeto; • Informar os pais e responsáveis sobre a freqüência dos beneficiados; • Acompanhar o processo de desenvolvimento dos beneficiados, em colaboração com os docentes e famílias; • Elaborar estudos, levantamentos qualitativos e quantitativos indispensáveis ao desenvolvimento do projeto; • Elaborar, acompanhar e avaliar os planos, programas e projetos voltados para o desenvolvimento do projeto, em relação a aspectos pedagógicos, administrativos, financeiros, de pessoal e de recursos materiais; • Estudantes de Assistência Social têm por objetivo: Orientar os beneficiados e suas famílias no sentido de identificar recursos e de fazer uso dos mesmos no atendimento e na defesa de seus direitos; Planejar, executar e avaliar pesquisas que possam contribuir para a análise da realidade social e para subsidiar ações profissionais; Prestar assessoria e apoio aos beneficiados e sua família em matéria relacionada às políticas sociais, no exercício e na defesa dos direitos civis, políticos e sociais da coletividade; • Realizar estudos sócio-econômicos com os beneficiados para fins de benefícios e serviços sociais junto a órgãos da administração pública direta e indireta, empresas privadas e outras entidades.OBS: Outras atribuições poderão ser desenvolvidas, de acordo com anecessidade, complexidade do serviço e disponibilidade da estruturaoperacional da Universidade.QUANTO AOS MATERIAIS E UNIFORMES
  21. 21. Material Esportivo A qualidade de produção dos materiais esportivos tem melhoradosignificativamente nas ultimas décadas. Com isso, a prática esportiva tem setornado mais prazerosa e segura, pois tem aliado tecnologia e eficiência. Atenda aessas mudanças e exigências, o Ministério do Esporte não tem medido esforçospara disponibilizar aos beneficiados do PST materiais de qualidade e que estimulemuma pratica continuada e adequada. Para além da qualidade, existe também a preocupação com a variabilidadedos materiais, disponibilizando aos professores uma gama enorme de opções eadaptações, o que potencializa a chance de termos beneficiados mais satisfeitos evinculados por mais tempo junto aos núcleos do Programa. Assim, para equipar um núcleo do PST, o Ministério do Esporte fornecerá umKit especifico de material esportivo, que atende ao desenvolvimento das atividadespor até 3 Ciclos Pedagógicos, composto de: Item Un. Qtde. Bola de Basquete Adulto Un. 6 Bola de Basquete Infantil Un. 6 Bola de Futebol de Campo Adulto Un. 10 Bola de Futebol de Campo Infantil Un. 10 Bola de Futebol de Salão Adulto Un. 6 Bola de Futebol de Salão Infantil Un. 6 Bola de Handebol Adulto Un. 6 Bola de Handebol Infantil Un. 6 Bola de Vôlei – Oficial Un. 6 Bola de Vôlei – Oficial Infantil Un. 6 Bola de Borracha Un. 10 Rede de Basquete Par 1 Rede de Futebol de Campo Par 1 Rede de Futebol de Salão/Handebol Par 1 Rede de Vôlei Un. 1 Cone Médio Un. 10 Cone Grande Un. 10 Bomba de encher bola Un. 2 Bico para bomba de encher bola Un. 8 Apito para arbitragem de plástico com cordão Un. 4 Bambolê Un. 15 Saco para transportar material esportivo Un. 2 Corda de pular coletiva c/ manoplas Un. 2 Corda de pular Individual c/manoplas Un. 15 Jogos de Dominó Un. 15 Jogo de taco completo de madeira c/ bolinha de Un. 1 borracha Jogos de frescobol Un. 1 Peteca Un. 10 Kit mini-traves de futebol Un. 1 Colete de Identificação c/12 unidades JG. 4 Cadeado 20 mm Un. 2 Caixa plástica com tampa para acondicionar o Un. 2 material
  22. 22. Os materiais relativos às atividades ofertadas deverão ser armazenados emlocais fechados, livres de umidade e seguros, ficando sob a responsabilidade doCoordenador de Núcleo, que também responderá pela conservação, manutenção esolicitação da e posição dos mesmos.Uniformes O uso regular do uniforme está ligado a alguns aspectos importantes para odesempenho do Programa, como disciplina e homogeneidade do grupo;ensinamentos básicos de organização e higiene; fácil reconhecimento deintegrantes do Projeto e valorização do indivíduo; e funcionalidade para execuçãode movimentos específicos. Para estimular ainda mais o processo de ensino-aprendizagem epadronização dos participantes, o Ministério do Esporte, fornecerá um kit deuniforme para cada núcleo do PST que também atende ao desenvolvimento dasatividades composto de: Item Un. Qtde. Camiseta (3 por beneficiado) Un. 300 Bermuda (1 por beneficiado) Un. 100 Camiseta (coordenador) Un. 3 Camiseta (monitor esportivo) Un. 3 Camiseta (Bolsista) Un. 3OBS: A entrega do material esportivo e do uniforme será feita no endereçoindicado pelo Coordenador Geral no sistema informatizado do PST, ficando sob suaresponsabilidade a respectiva distribuição para o núcleo.Reforço Alimentar Considerando a carência do público-alvo atendido, a oferta das atividadesesportivas no contra turno escolar e a característica desta ação no contexto doPrograma Segundo Tempo, tendo seu caráter complementar, considera-seimportante aos participantes um lanche, de forma a oferecer condições mínimaspara sua permanência no local da pratica esportiva, oferecendo, dentro daspossibilidades e do valor de recursos encaminhado, as propriedades mínimas paragarantir sua participação. Esta ação tem como preço Maximo unitário o valor de R$ 1,00 porbeneficiado/dia, estabelecido pelo Ministério do Esporte, por meio da Portaria nº230, de 13 de dezembro de 2007 e suas alterações.
  23. 23. Composição: recomenda-se aquisição de, no mínimo, um alimento solido eum líquido e, que a indicação da composição deste lanche seja elaborada com asorientações de um profissional habilitado, de forma a assegurar o suprimentomínimo das necessidades nutricionais do público-alvo, considerando o valor unitáriorepassado. Apresenta-se abaixo, algumas sugestões de itens que poderão seradquiridos para o atendimento desta ação. Sugestão de alimentos não perecíveis Suco em embalagem tretrapak Biscoito água e sal Achocolatado Bolo industrializado Biscoito recheado Barra de Cereal Frutas com durabilidade maior (maça, banana, etc)Freqüência: Correspondente aos dias em que o beneficiado freqüenta asatividades oferecidas nos núcleos, ou seja: 3 vezes por semana (4 semanas/mês) =12 dias/mês.Forma de distribuição: Fica a cargo das Universidades estabelecerem à logística(compra/preparação e/ou distribuição) do “reforço alimentar”, devendo a formaescolhida atender ao previsto na legislação e no instrumento de convênio, a serapresentada detalhadamente no Projeto Básico e especificada nos RelatóriosTécnicos encaminhados à SNEED/ME, bem como na Prestação de Contas.O cálculo deve levar em consideração: • A quantidade de beneficiados (100 pessoas por núcleo); • A freqüência no atendimento: 12 dias/mês; • O tempo de atendimento do projeto: 12 meses; e • O valor unitário: R$ 1,00 Caberá ao proponente “zelar pela qualidade dos produtos em todos osníveis, desde a aquisição até a distribuição, observando sempre as boas práticashigiênicas e sanitárias”. Nos casos em que a Entidade Convenente complementar o valor repassadopara o lanche, seja com recursos financeiros, seja com parcerias locais, o mesmopoderá oferecer uma refeição a ser especificada no Projeto Básico. Nesse contexto,sugerem-se os alimentos considerados básicos para fins do PNAE/FNDE.
  24. 24. Também cabe ao proponente a adaptação regional do cardápio de forma aoferecer aos participantes alimentos de qualidade e em quantidade adequadas,aproveitando e valorizando as riquezas e os alimentos da culinária local, assimbarateando o custo dos itens que irão compor o lanche/refeição. RESPONSABILIDADES DE CADA MINISTÉRIO MINISTÉRIO DO ESPORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO • Fornecer: Material Esportivo, • Repasse de recursos para as uniformes e Reforço Alimentar; Universidades, para pagamento • Capacitar os Orientadores sobre dos Recursos Humanos a metodologia do Programa envolvidos; Segundo Tempo Universitário – • Formalização dos convênios com Extensão; as Universidades; • Possível Ação de Transporte;QUANTO OPERACIONALIZAÇÃO DO PST UNIVERSITÁRIO EXTENSÃOCRITÉRIOS DE SELEÇÃO DAS PROPOSTAS A aprovação das ações de extensão obedecerá aos seguintes critérios:Clareza dos objetivos e da descrição dos itens do projeto, coerência entre objetivospropostos e resultados esperados. Relevância Social: A ação a ser elaborada deve responder as prioridadessociais do momento que vive o país. Deve explicitar a sua contribuição para asolução de problemas de natureza social. Sendo assim, deve haver compatibilidadeentre o diagnostico das necessidades da população alvo e a proposta do projeto. Relevância Acadêmica: Um projeto de Extensão só se justifica quando aomesmo tempo em que representa melhoria de condições de vida da população,contribui para o avanço da tecnologia, da filosofia, das artes, da cultura e para aformação profissional dos discentes e realiza a interdisciplinaridade entreuniversitários de diversos os cursos. Viabilidade: Na análise da ação deve ser levada em conta a viabilidade doscronogramas propostos e a adequação dos recursos humanos, materiais efinanceiros nas etapas do projeto, e o tempo disponível para desenvolver otrabalho.
  25. 25. Interesse Coletivo do Departamento: Um Projeto de Extensão, aindaque nascido de um anteprojeto individual deva ser apreciado pelo DepartamentoAcadêmico e levar em conta as condições e interesses da sociedade em geral.Dessa maneira, é imprescindível adequação do projeto as linhas de Extensão doDepartamento, que deverá por sua vez observar os subprogramas de Extensãodefinidos pela PROEX, que segue orientação do Plano Nacional de Extensão.COMPROMISSO DA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO a) Divulgar amplamente, no âmbito da Universidade, as datas de inscrições e resultados da seleção das Ações de Extensão; b) Dar apoio logístico para a execução das Ações de Extensão, por intermédio do DEC (Departamento de Educação Continuada) e do DeCult (Departamento de Cultura e Esporte); c) Garantir o funcionamento da Comissão de Extensão para seleção e avaliação dos Projetos e Bolsistas; d) Organizar a apresentação das Ações no Encontro de Extensão – ENEX a ser realizado anualmente; e) Exercer o controle de emissão e registro de certificados e atestados para participantes das atividades de extensão; f) Adotar políticas de interação com os diversos setores da sociedade no sentido de estabelecer ações de interesses mútuos.REQUISITOS E COMPROMISSOS DO ORIENTADOR Possuir experiência compatível com a função de orientador e formador derecursos humanos; Não estar inadimplente com a Pró-Reitoria de Extensão;Orientar o(s) bolsista(s) nas distintas fases da execução do Projeto, incluindo aelaboração dos relatórios e apresentação de resultados. Cumprir as datas estabelecidas pela PROEX referentes à: a) Inscrição das Ações de Extensão; b) Entrega da Ficha Mensal de Avaliação de Bolsistas, impreterivelmente 01 por mês; c) Entrega do Relatório, assim como do Relatório Final das Ações de Extensão; d) Participação no Encontro de Extensão promovida pela Universidade e pelo Ministério do Esporte;
  26. 26. e) Comunicar a PROEX a inadimplência dos Bolsistas em relação à ação de extensão, o desligamento por problemas pessoais ou por colação de grau para que os mesmos sejam substituídos; f) Preparar em conjunto com os Bolsistas, o resumo do Projeto para ser publicado nos ANAIS do Encontro de Extensão da Universidade; g) Incluir o nome do(s) Bolsista(s) nas publicações e nos trabalhos apresentados em Congressos e Seminários, cujos resultados tiveram sua efetiva participação; h) Informar oficialmente a PROEX, através do Departamento a que está vinculado, caso necessite ausentar-se, qual o professor será seu substituto na coordenação da ação de Extensão e pela assinatura da freqüência do bolsista.BOLSAS DE EXTENSÃOa) Origem dos Recursos Financeiros • As bolsas a estudantes são concedidas pela Universidade participantes, sob a forma de cota à Pró-Reitoria de Extensão. • A cada ano, a Pró-Reitoria de Extensão disponibilizará e divulgará o número de Bolsas de Extensão. O valor proposto é de R$ 360,00 (trezentos e sessenta reais), com recursos já assegurados no orçamento da Universidade Federal. • Para recebimento das bolsas, os discentes terão que possuir conta corrente própria.b) Forma de Concessão • Por intermédio de solicitação discriminada no formulário de Ações de Extensão, preferencialmente de natureza interdisciplinar, elaborado pelos docentes da Universidade, devidamente aprovado pelos departamentos e unidades acadêmicas; • O total de bolsas é distribuído levando-se em consideração a demanda apresentada, a disponibilidade de bolsas e a relevância social do projeto; • As bolsas de Extensão são concedidas aos alunos indicados pelos orientadores (professor - coordenador da Ação de Extensão) no momento da inscrição do projeto;
  27. 27. • O bolsista não pode estar vinculado a mais de um projeto de Extensão, nem mesmo acumular o benefício com qualquer outro tipo de bolsa; • É de responsabilidade do coordenador notificar a PROEX a inadimplência do discente.c) Requisitos e Compromissos do Bolsista • Estar regularmente matriculado em curso de Graduação e apresentar desempenho acadêmico compatível com a finalidade da Bolsa; • Dedicar-se integralmente às atividades acadêmicas, incluindo extensão, sendo vedada a concessão de bolsas a acadêmicos que exerçam qualquer atividade incompatível com o horário previsto para as atividades da Universidade; • Possuir um coeficiente acadêmico acima de cinco e não possuir reprovações em disciplinas relacionadas com as atividades do Projeto de Extensão; • Executar o plano de trabalho aprovado sob os auspícios do orientador, com dedicação de 20 horas semanais, devendo também nas publicações e trabalhos apresentados fazer referência à sua condição de bolsista da Universidade; • Estar recebendo apenas esta modalidade de bolsa, sendo vedada a acumulação desta com a de outros programas de outra agência ou da própria instituição (PIBIC, PICI, Monitoria, etc). • Entregar na PROEX, a Ficha Mensal de Avaliação de Bolsistas, impreterivelmente em cada mês devidamente preenchida e assinada pelo Coordenador; • Ter ciência das normas para Bolsas de Extensão e assinar Termo de Compromisso, conforme modelo a ser distribuído pela PROEX.d) Duração da Bolsa O período de duração das Bolsas de Extensão será discriminado em Edital.DO ACOMPANHAMENTO
  28. 28. Após seis meses de permanência no Projeto, realiza-se um processo deavaliação, quando deve ser apresentado parecer do orientador sobre as atividadesdesenvolvidas pelos alunos, destacando o que foi produzido nesse período.DAS COMPETÊNCIASCompete ao orientador:I – enviar, à Pró-Reitoria Acadêmica, o plano de trabalho, o cronograma deatividades do aluno, bem como o relatório da etapa concluída, em caso derenovação da bolsa;II – responsabilizar-se pela orientação, frequência e cumprimento do plano detrabalho do aluno;III – informar à Pró-Reitoria Acadêmica, imediatamente, os casos de desistência oudescumprimento do termo de compromisso, explicitando os motivos e a cargahorária já cumprida pelo aluno;IV – responsabilizar-se pela avaliação do aluno, entrega do relatório final eparticipação no Congresso de Extensão.Compete ao estudanteI – expor os resultados parciais ou finais do projeto no Congresso de Extensão,anualmente organizado e realizado pela Universidade;II – cumprir o plano de trabalho estabelecido;III – apresentar, anualmente, o relatório conclusivo das atividades realizadas noprojeto de extensão;IV – declarar que não tem qualquer vínculo empregatício com a Universidade e comMinistério do Esporte;DO CANCELAMENTO DA BOLSAAs bolsas são canceladas, quando o aluno:I – concluir o curso de graduação;II – não apresentar desempenho satisfatório;III – não entregar relatório;IV – desistir de participar do projeto.** As bolsas podem ser canceladas a critério do orientador, ouvido o Conselho deExtensão.
  29. 29. DA SUBSTITUIÇÃO DO BOLSISTAO bolsista pode ser substituído, quando:I – Optar por outro tipo de bolsa;II – Não corresponder às exigências das atividades previstas no projeto.III - A substituição deve ser feita até o dia 15 de cada mês.IV - O aluno substituto deve satisfazer os requisitos previstos no PROCESSO DESELEÇÃO.V - É vedada a substituição no período de férias acadêmicas.

×