Controle Biológico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Controle Biológico

on

  • 15,986 views

 

Statistics

Views

Total Views
15,986
Views on SlideShare
15,906
Embed Views
80

Actions

Likes
5
Downloads
319
Comments
0

4 Embeds 80

http://www.slideshare.net 46
http://leidyjge89.wordpress.com 32
http://tecnicoemagropecuaria.blogspot.com 1
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Controle Biológico Controle Biológico Presentation Transcript

    • Faculdade de Ciências Agro-Ambientais FAGRAM Zoologia Geral Controle Biológico de Pragas na Agropecuária e na Agricultura Professor: Gláucio Mota Mattos Alunos: João Felix Vieira – Rodrigo Leite Dilly 1º período / 2008
      • O controle biológico consiste no emprego de um organismo
      • (predador, parasita ou patógeno) que ataca outro que esteja causando danos econômicos na agricultura em geral
      • O conceito oficial de praga é estabelecido pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), como sendo: "qualquer espécie, raça ou biótipo de vegetais, animais ou agentes patogênicos, nocivos aos vegetais ou produtos vegetais".
    • Definição
      • O controle biológico é utilizado na agricultura para substituir substâncias químicas (inseticidas e pesticidas), Odum, 1988
      Beauveria bassiana
    • Embora o uso do controle biológico não seja uma prática generalizada entre os agricultores, há avanços significativos em alguns cultivos, devido aos esforços de órgãos estaduais e federais de pesquisa.
    • Controle biológico sistemas Métodos Químico - uso de agrotóxicos - caro e pouco eficiente (50 aplicações de fungicidas por ano) pulverização aérea
    • Atualmente, mais de 87.000 substâncias tóxicas são produzidas pelo homem e, potencialmente, podem atingir os ecossistemas e organismos aquáticos, com impactos para a saúde humana.
    • Pesquisas em laboratórios Estudos e pesquisas Controle Biológico - Combate com inimigos naturais
    • A análises realizadas para determinar se há nematóides na área, qual o nível populacional, para determinar método de combate
      • Esse palavrão é o nome completo de uma substância que a maioria das pessoas já ouviu falar, o pesticida DDT . Quando ele surgiu, em 1939, pensou-se que todos os problemas causados por insetos estivessem resolvidos. Engano, ao longo dos anos, o DDT causou mais danos que benefícios.
      Diclorodifeniltricloetano
      • O surgimento de pragas mais resistentes a inseticidas, eliminam insetos úteis ou dos inimigos naturais de organismos danosos e o envenenamento de rios, colocando em risco a vida do homem e de outros animais.
    • Envolve a coleta de inimigos naturais de uma praga na região onde esta se originou e que aí a atacam e impedem-na de tornar-se daninha. Controle biológico clássico
      • Forma de se aumentar a população de um inimigo natural que ataque uma praga
      Propagação Uma infestação micorrítica em orquídea com fungos Thelephoroides           (Foto Bruns Lab – Universidade da Califórnia - Berkeley)
      • Parte importante de qualquer prática de controle biológico. Isto envolve a identificação de quaisquer fatores que limitam a efetividade de um inimigo natural particular e alterá-los para auxiliar a espécie benéfica
      Conservação de inimigos naturais
    • CIGARRINHAS DAS PASTAGENS Zulia entreriana Deois flavopicta
    • Outras espécies de cigarrinhas
    • Fases das cigarrinhas É uma espécie abundante, facilmente observada em gramíneas e está presente em plantas cítricas Ovos, recobertos com cera ninfas Adulto de Plesiommata corniculata
    • CIGARRINHAS DAS PASTAGENS São consideradas uma das principais pragas das pastagens. População superior a 20 insetos/m² podem reduzir em 50% a capacidade de suporte da pastagem. O ataque se inicia no período chuvoso. Os ovos em diapausa encontrados no solo dão origem a ninfas que iniciam o ataque. As ninfas se envolvem em uma espuma e atacam a base das plantas sugando a seiva até a fase adulta. Os adultos sugam a seiva das folhas injetando toxinas que causam a morte dos tecidos.
    • Imagem microscópica do fungo Metarhizium anisopliae O combatente
    • Resultados no combate as cigarrinhas com o Metarhizium anisopliae
    •  
    • Pastagem recuperada Pastagem degradada Resultados com estudos e pesquisas
    • Moleque-da-bananeira Cosmopolites sordidus
    • Danos provocados pela larva do Moleque ou  broca-do-rizoma da bananeira
    • Danos causado a bananeira pela Broca-do-rizoma
    • Cosmopolites sordidus Fase larval
    • Iscas tipo telha
    • Forma de propagação da praga
      • O fungo é aplicado em forma de pasta em pedaços de bananeira que são colocados ao redor das árvores servindo de isca, controlado assim, o Moleque –da-bananeira
      • ( Cosmopolites sordidus)
      Combate com o fungo Beauveria bassiana
    • Controle biológico com o Beauveria bassiana
    • Agente Biológico O que ele ataca Como se aplica Fungo Metarhizium anisopliae Cigarrinha da folha da cana-de-açúcar O fungo é pulverizado e, em contato com o corpo do inseto, causa doença. Fungo Metarhizium anisopliae Broca dos citrus O fungo é polvilhado nos buracos da planta contaminando a praga. Fungo Beauveria bassiana Besouro "moleque-da-bananeira" O fungo é aplicado em forma de pasta em pedaços de bananeira que são colocados ao redor das árvores servindo de isca. Fungo Insectonrum sporothrix Percevejo "mosca-de-renda" O fungo é pulverizado e, em contato com o corpo do inseto, causa doença. Vírus Baculovírus anticarsia Lagarta da soja Pulverizado sobre a planta o vírus adoece a lagarta que se alimenta das folhas. Vírus Baculovírus spodoptera Lagarta do cartucho do milho Pulverizado sobre a planta, o vírus adoece a lagarta que se alimenta da espiga em formação. Vírus Granulose Mandorová da mandioca Pulverizado sobre a mandioca o vírus é nocivo à praga. Nematóide Deladendus siridicola Vespa-da-madeira Em forma de gelatina, o produto é injetado no tronco da árvore esterelizando a vespa. Bactéria Bacillus thuringiensis (Dipel) Lagartas desfolhadoras Pulverizado sobre a planta o Dipel é nocivo às lagartas.
      • Bibliografias consultadas:
      • www.sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br
      • BATISTA FILHO, A., LEITE, L.G., RAGA, A., SATO, M.E., CRUZ, B.P.B.Pesquisas sobre o controle biológico do “moleque” da bananeira Cosmopolites sordidus Germar, 1824, p. 93-99. In. CRUZ, B.P.B., BATISTA FILHO, A., LEITE, L.G.
      • Elen de Lima Aguiar Menezes - Engenheira Agrônoma, Ph.D. em Entomologia Agrícola, Pesquisadora da Embrapa Agrobiologa. Rodovia BR 465, km 7, Seropédica, Controle Biológico: na busca pela sustentabilidade da agricultura brasileira.
      • Instituto Biológico, APTA/Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Vale do Paraíba, CATI/Casa da Agricultura de São Bento do Sapucaí. E-mail:batistaf@biologico.br
      • Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical
      • Jornal "A Folha de São Paulo", caderno "Agrofolha", 1998.
      • Livro "Crise Socioambiental e Conversão Ecológica da Agricultura Brasileira", Silvio Gomes de Almeida e outros, Rio de Janeiro: AS-PTA, 2001.
      • Marcílio José Thomazini - Eng. agrôn., D.Sc., Embrapa Acre -Caixa Postal 321 - CEP 69908-970 - Rio Branco/AC - E-mail: marcilio@cpafac.embrapa.br
      • Wikipédia -Apostila do Sistema Positivo - Quinta série. Terceiro Bimestre - Ciências
      • Obtido em "http://pt.wikipedia.org/wiki/Praga
      • Alves SB. Controle Microbiano de Insetos (cood.), Editora Manole, SP
      • Schnepf E, Crickmore N, Van Rie J, Lereclus D, Baum J, Feitelson J, Zeigler DR & Dean DH 1998. Bacillus thuringiensis and its pesticidal crystal proteins. Microbiology and Molecular Biology Reviews 62: 775-806.
      • OLIVEIRA, V. B. ; BARROS, S. S. ; ALMEIDA, F.Q. MUARES: Como tema transversal para o ensino médio e técnico em Agropecuária. Rio de Janeiro, RJ. Publit. 2ª ed., 2007. 123 p
      • Formatação: vieira.joaofelix@gmail.com