A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilberto Modollo

486 views
419 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
486
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
16
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilberto Modollo

  1. 1. A Automação dos Processos na Gestão da Performance das Aplicações Adotando mecanismos de baixa intervenção do usuário
  2. 2. Conteúdo <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Uma breve definição da Gestão da Performance da Aplicação ( Application Performance Management- APM) </li></ul><ul><li>Cenários para a Automação dos Processos </li></ul><ul><li>Pontos de automação => Mecanismos automatizados </li></ul><ul><li>Um só negócio: A convergência das tecnologias multi-plataformas </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul>
  3. 3. Onde os Negócios encontram a Infra-estrutura Negócios Suas Aplicações Os negócios de hoje: Infra-estrutura Intranet Extranet
  4. 4. <ul><li>As aplicações modernas seguem as exigências de resposta rápida aos negócios; </li></ul><ul><li>As aplicações modernas se tornam complexas inserindo tecnologias de ponta devido a esta tendência; </li></ul><ul><li>Os negócios estão cada vez mais complexos! </li></ul>As tendências dos negócios
  5. 5. Os negócios de hoje comandam o crescimento dos MIPS * Não é uma escala de tempo histórica COMPLEXIDADE Tecnologias Negócios e TI TI vista como Custo TI vista como Patrimônio TI vista como Patrimonio Custoso Wireless ELAs SLM/SLAs QA 24 x 7 Fusões/Aquisições Conversões de Banco de Dados Contenção de Custos E-business Outsourcing Consultorias Y2K Grandes Projetos Redução de MIPS Enclaves 1980 1990 2000 1985 1995 2007 CICS IMS DB2 Apl. Distribuída WebSphere MQ USS Java COBOL C/C++ Sysplex zSeries “ Tela Verde” PCs Web-Enablement Geradores de Códigos Internet
  6. 6. Onde estão os MIPS? <ul><li>“ Muitos negócios dependem do mainframe. O custo do mainframe é regido pelo consumo de MIPS. O consumo de MIPS é gerado pela utilização da CPU. A utilização da CPU é gerada pelo código da aplicação.” </li></ul>
  7. 7. Hardware 23% Software 18% A distribuição dos custos de TI no mainframe “ MIPS e salários são os meus maiores custos por mês.” – Nancy White, Ex CIO, Certegy Instalações e outros 1% Salários e benefícios dos empregados 30% Fornecedores 4% Serviços 13% Telecomunicações 11% Fonte “U.S. IT Spending and Staffing Survey, 2005,” Gartner
  8. 8. A complexidade desafiadora da atualidade <ul><li>Aplicações de múltiplas camadas lógicas; </li></ul><ul><li>Aplicações novas interagem com as legado; </li></ul><ul><li>Muitas são redesenhadas funcionalmente para uma resposta rápida aos negócios; </li></ul><ul><li>A disponibilidade é garantida com o aumento da capacidade de processamento; </li></ul><ul><li>Ajustes no sistema surtem pouco efeito no uso dos recursos das aplicações; </li></ul>
  9. 9. <ul><li>As aplicações tendem a ser resilientes, ou seja, voltam a consumir após a otimização; </li></ul><ul><li>O processamento das aplicações transcende vários limites: </li></ul><ul><ul><li>Múltiplas regiões de online; </li></ul></ul><ul><ul><li>Múltiplas imagens de sistema: SYSPLEX; </li></ul></ul><ul><ul><li>Múltiplas plataformas: Distribuído e Mainframe; </li></ul></ul><ul><li>O consumo de recursos é “pulverizado” e de difícil monitoração; </li></ul><ul><li>Vários pontos vulneráveis X Vários pontos de Automação. </li></ul>A complexidade desafiadora da atualidade (cont.)
  10. 10. Hoje: Complexidade = pulverização CICSTE1 IMWEBT1 IMWEBT2 IMWEBT3 DB2TDIST DB2STOT1 DB2STOT2 IMSTEST CICSB1 CICSB2 CICSB3 CICSW1 CICSW2 IMWEB1 IMWEB2 DB2STxx IMSPRDxx IMSMSGxx DB2DIST CICSA1 CICSA2 CICSA3 CICST1 JOBBA1 JOBBA2 JOBBA3 OMVS z/OS - SYSPLEX PRODUÇÃO TESTE Adminstração Centrlal dos Recursos SYST2 SYST3 SYST1 PROD VOL 1 VSAM1 DB2TABn Terminais Terminais IMSVnn WRKnnn
  11. 11. A Gestão da Performance da Aplicação (APM) APM é uma disciplina da Gestão da Performance das Aplicações através de métricas sistemáticas e abrangentes permitindo fornecer aplicações eficientes e ágeis com baixo custo ao longo do seu Ciclo de Vida.
  12. 12. Por que automatizar a otimização das aplicações? <ul><li>Para diminuir os custos </li></ul><ul><li>Para aumentar a qualidade e a satisfação do cliente </li></ul><ul><li>Para a melhoria global do Sistema e das Aplicações </li></ul><ul><li>Redução global dos MIPS </li></ul><ul><li>Aumentar a produtividade na administração dos recursos </li></ul>
  13. 13. Estabeleça os Objetivos Gestão da Performance da Aplicação: Inserindo os Pontos de Automação Analise Faça as mudanças Informe e Recompense Escolha dos Candidatos Meça os Candidatos Meça novamente P.A.=Ponto de Automação P.A.=Ponto de Automação P.A.=Ponto de Automação
  14. 14. Um Projeto Modelo de APM “ Uma jornada de 1000 km deve começar com um simples passo - Lao-tzu” “ É tão difícil atingir um destino desconhecido, quanto voltar de um lugar onde você nunca esteve” - Zig Ziglar Estabeleça os Objetivos
  15. 15. No Projeto Modelo de APM - Reduzir o consumo de CPU <ul><li>Reduzir o tempo de sala (batch) ou o tempo de resposta (on-line) </li></ul>- Reduzir todos acima Onde estão os consumidores? WAIT? CPU? I/O? Estabeleça os Objetivos
  16. 16. Escolha automatizada dos candidatos Escolha dos Candidatos Estabeleça os Objetivos “ Computadores são inúteis. Eles só podem te dar as respostas” - Pablo Picasso Então, façamos as perguntas! P.A.=Ponto de Automação
  17. 17. Estabeleça os Objetivos Escolha dos Candidatos Escolha automatizada dos candidatos: batch <ul><li>Pergunte àqueles que sabem </li></ul><ul><ul><li>Produção, Performance, Capacity </li></ul></ul><ul><li>Use registros do SMF </li></ul><ul><li>Uso de processos automatizados </li></ul><ul><ul><li>Os maiores consumidores: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Top 20 CPU, TOP 20 Elapsed Time, TOP 20 EXCP Count </li></ul></ul></ul>P.A.=Ponto de Automação
  18. 18. Escolha automatizada dos candidatos: batch (cont.) <ul><li>Registros do SMF por thresholds com dados simples e precisos: </li></ul><ul><ul><ul><li>Tempo de CPU (TCB); Tempo de sala; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quantidade de EXCPs; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Freqüência de execução semanal; </li></ul></ul></ul><ul><li>Resultado: </li></ul><ul><ul><li>Lista interativa dos jobnames/programas/stepname com capacidade de filtro, classificação e ativação instantânea da medição com: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tempo de CPU, de sala ( elapsed ), EXCPs, data e freqüencia de execução. </li></ul></ul></ul>
  19. 19. <ul><li>Atualização automática da Lista de Candidatos: </li></ul><ul><ul><li>Automaticamente atualiza a lista de candidatos existente ao fim da execução do step que estiver na lista </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Usa a exit de fim de step do SMF IEFACTRT </li></ul></ul></ul><ul><li>Resultado: </li></ul><ul><ul><li>Mantém uma lista atualizada com os dados indispensáveis para a medição da aplicação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Evita procurar os dados dispersos em várias fontes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Minimiza a intervenção do usuário. </li></ul></ul>Escolha automatizada dos candidatos: batch (cont.)
  20. 20. Escolha automatizada dos candidatos: batch ( cont.) <ul><li>Dados simples, precisos, consolidados e indispensáveis </li></ul>JOBNAME STEPNAME PROGRAM DATE/TIME EXCEEDED ELAPSED TCB -------- ----------------- -------- DD/MM/YYYY -------- -(MINUTES)- JOBMD005 JOBMD005.N1902342 WPAGM01 21/05/2008 00:16:21 120 43 CWFTD000 CWFTD000.A1000322 BC12341 27/05/2008 20:00:55 52 34 CWEMM002 CWEMM002.A1140210 CWPGM01 20/05/2008 23:49:58 69 33 JOBMD049 JOBMD049.N2400208 CWPGM02 27/05/2008 01:55:54 134 27 JOBMD049 JOBMD049.N2400408 WPAGM03 22/05/2008 03:52:56 56 16 SNEMM007 SNEMM007.A9560313 WPBGM01 15/06/2008 03:52:30 51 14 JOBMD005 JOBMD005.N1902142 WPBGM03 30/05/2008 23:53:26 66 13 JOBMD051 JOBMD051.E6660104 WPAGM01 31/05/2008 03:47:50 125 11 JOBMD005 JOBMD005.N1902248 WPAGM01 13/06/2008 23:38:38 44 10 CWEMD020 CWEMD020.A9210809 WPAGM01 10/06/2008 22:15:57 62 10 JOBMM034 JOBMM034.A2720914 WPAGM01 31/05/2008 03:48:09 135 9 REVPD001 GD010511 WPAGM10 09/06/2008 19:02:31 53 8 Dos registros do SMF tipo 30 subtipo 4 “ Tudo deveria ser feito o mais simples possível, mas nem um pouco mais simples do que isso” – Albert Einstein
  21. 21. Um cenário de Automação: Mantendo o controle dos ofensores Operação Produção Desenvolvimento Teste Aplicações Risco: 70% das aplicações falham quando vão para a Produção! Mecanismos automatizados Novas aplicações Análise comportamental: as que excedem o uso normal e/ou o tempo de resposta Aplicações que mudam de versão
  22. 22. Inserindo a automação na APM Meça os Candidatos “ Só quando você conseguir medir e expressar em números o assunto em estudo, você sabe algo sobre ele” – Lord Kelvin Estabeleça os Objetivos Escolha dos Candidatos P.A.=Ponto de Automação P.A.=Ponto de Automação
  23. 23. Seleção e medição automática dos ofensores: batch <ul><li>Programas que mudam de versão; </li></ul><ul><li>Aplicações que excedem o comportamento “normal” do uso de recursos: </li></ul><ul><ul><li>Automaticamente: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Por Tempo de CPU, Tempo de Sala, Atividade de I/O; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Exit do SMF IEFACTRT e IEFUSI; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Por valores definidos pelo usuário: thresholds </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tempo de CPU, Tempo de Sala, Atividade de I/O; </li></ul></ul></ul><ul><li>Resultado </li></ul><ul><ul><li>Controle instantâneo dos ofensores; </li></ul></ul><ul><ul><li>Dados de performance do momento crítico disponíveis com a Causa Raiz; </li></ul></ul><ul><ul><li>Sai do “Ponto vulnerável” e vai para o “Ponto de Controle”, automatizado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Alimenta o dashboard: Ponto de controle </li></ul></ul>
  24. 24. Seleção e medição automática dos ofensores: batch (cont.) <ul><li>Novas aplicações: </li></ul><ul><ul><li>Grupo de pedidos de medição reutilizáveis originados no Desenvolvimento/Manutenção </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Todos os programas, transações e regiões online </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Comparar as métricas com as da fases anteriores do Ciclo de Vida da Aplicação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Controle das medições das aplicações ‘pulverizadas’ </li></ul></ul></ul>
  25. 25. <ul><li>Alinha os objetivos das transações-negócio através de limites de gatilho ( thresholds); </li></ul><ul><li>Mantém uma base de aplicações candidatas; </li></ul><ul><li>Lista interativa com o status para consulta, seleção e acompanhamento das importantes; </li></ul><ul><li>Inicia automaticamente uma medição quando os thresholds são atingidos; </li></ul><ul><li>Gera automaticamente os dados de performance. </li></ul>Seleção e medição automática dos ofensores: online
  26. 26. Seleção e medição automática dos ofensores: online (cont.) <ul><li>Disponibiliza os dados de performance a todos envolvidos no Ciclo de Vida da Aplicação; </li></ul><ul><li>Fornece os relatórios com a causa raiz da ocorrência; </li></ul><ul><li>Alimenta o painel de controle para acompanhamento; </li></ul><ul><li>Avalia e compara as métricas multi-plataformas: </li></ul><ul><ul><li>Dados de performance instantâneos tanto do mainframe quanto do ambiente distribuído; </li></ul></ul><ul><li>Visão total do tempo de resposta: </li></ul><ul><ul><li>Tr= Tr distribuido + Tr mainframe. </li></ul></ul>
  27. 27. No Projeto Modelo de APM “ Eles sempre dizem que o tempo muda as coisas, mas, na verdade, você mesmo tem que mudá-las” - Andy Warhol Escolha dos Candidatos Meça os Candidatos Estabeleça os Objetivos Analise Faça as mudanças “ Pense em muitas coisas para fazer, faça uma” provérbio Português P.A.=Ponto de automação P.A.=Ponto de automação
  28. 28. No Projeto Modelo de APM Analise Faça as mudanças Escolha dos Candidatos Meça os Candidatos Estabeleça os Objetivos Meça novamente “ A coisa mais importante é não parar de questionar” - Albert Einstein P.A.=Ponto de automação P.A.=Ponto de automação P.A.=Ponto de automação
  29. 29. Automação nas re-medições <ul><li>Grupos de pedidos medem no Desenvolvimento, Manutenção e Testes os vários componentes das aplicações; </li></ul><ul><li>Inserir grupos de medição das aplicações nos processos de transferência e efetivação ( turnover/roll-out) na Produção; </li></ul><ul><li>Programação antecipada dos ofensores. </li></ul>
  30. 30. No Projeto Modelo de APM Analise os casos Faça as mudanças Escolha dos Candidatos Meça os Candidatos Estabeleça os Objetivos Meça novamente Informe e Recompense P.A.=Ponto de automação P.A.=Ponto de automação P.A.=Ponto de automação
  31. 31. A Automação na APM <ul><li>Conclusão </li></ul><ul><ul><li>Métricas da performance da aplicação garantida no Ciclo de Vida da Aplicação: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Evita o surgimento dos ofensores já no desenvolvimento; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Mitiga o impacto na produção; </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Acesso fácil e democratizado dos dados de performance com a causa raiz do problema; </li></ul></ul><ul><ul><li>Mantém uma visão consolidada da pulverização do uso de recursos; </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tanto no mainframe como no ambiente distribuído; </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Desmistificam e simplificam o controle dos processos complexos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da produtividade operacional saindo do Ponto Vulnerável e indo o Ponto de Controle. </li></ul></ul>
  32. 32. Tendência crescente: Complexidade? CICS COBOL JAVA DB2 WebSphere WebSphere MQ UCW Internet IMS zOS C/C++
  33. 33. Contribuição <ul><li>“ Você não pode controlar aquilo que não pode medir”. - Lord Kelvin </li></ul>“ Automatizar os processos de medição é facilitar, aumentar e propagar os ganhos”. – Gilberto Modollo
  34. 34. Tendência crescente: Simplicidade! CICS COBOL JAVA DB2 WebSphere WebSphere MQ UCW Internet IMS zOS C/C++ Automação Automação Automação Automação Automação Automação Automação Automação Automação Automação Automação
  35. 35. Perguntas?
  36. 36. Muito Obrigado!

×