• Like
Problema do mal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
5,264
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4

Actions

Shares
Downloads
88
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   Problema     do  Mal    Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 2. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   1.  Problema  do  Mal   Será  que  a  existência  de  Deus  é  compa:vel  com   a  existência  do  mal?  §  O   Deus   teísta   é   concebido   como   um   ser   sumamente   bom,   omnipontente   e   criador.   Visto   ser   sumamente   bom,   parece   seguir-­‐se   que   Deus   quis  criar  um  mundo  sem  males.  §  Todavia,   o   mundo   está   aparentemente   cheio   de   males,   o   que   parece   incompaHvel   com   um   deus   teísta.  Será  possível  resolver  este  problema?   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 3. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   2.  Objecção  clássica  à  existência  de  Deus   P1:  Se  Deus  existe,  então  não  pode  exisLr  mal  no   mundo.   P2:  Existe  mal  no  mundo.   Conclusão:  Logo,  Deus  não  existe.  •  Argumento  do  mal  é  uma  prova  da  inexistência  do   Deus   teísta   (omnipotente,   omnisciente   e   perfeitamente  bom).    •  Se   este   Deus   exisLsse,   então   não   haveria   mal   no   mundo.  O  mal  existe,  logo,  Deus  não  existe.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 4. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   2.  Objecção  clássica  à  existência  de  Deus  Este  argumento  é  considerado  por  muitos  como  o  mais  poderoso  argumento  contra  a  existência  de  Deus:  1.   Para   negar   que   o   argumento   seja   aceitável,   os  defensores   da   existência   de   Deus   têm   de   mostrar   que  há   razões   plausíveis   para   considerar   que   todo   o   mal  que  existe  no  mundo  é  necessário.  2.   Para   defender   que   o   argumento   é   aceitável,   os   que  negam     a   existência   de   Deus   têm   de   mostrar   que   há  boas  razões  para  acreditar  que  pelo  menos  algum  mal  existente  no  mundo  é  necessário.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 5. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.  Objecções  ao  argumento  do  mal  3.1)   SANTIDADE   -­‐   O   bem   jusPfica   o   mal:   Deus   permite   o  mal   porque   se   não   houvesse   mal,   as   pessoas   não   se  poderiam  aperfeiçoar  moralmente.  §  Algumas  pessoas  argumentam  que  a  presença  de  mal   no   mundo   se   jusLfica,   apesar   de   não   ser   uma   coisa   boa,  pois  conduz  a  uma  maior  virtude  moral.    §  Sem   a   pobreza   e   a   doença,   por   exemplo,   não   seria   possível   a   virtude   moral   que   a   Madre   Teresa   demonstrava  ao  ajudar  os  necessitados.  Sem  guerra  e   crueldade,  os  santos  e  os  heróis  não  poderiam  exisLr.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 6. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   Objecções  ao  argumento  da  san+dade:  1)  O   grau   e   a   dimensão   do   sofrimento   são   muito   maiores  do  que  seria  necessário  para  permiPr  que   santos   e   heróis   desempenhassem   os   seus   atos   de   bem  moral.  2)  Não  é  óbvio  que  um  mundo  no  qual  exista  muito  mal   seja  preferível  a  um  mundo  no  qual  exisPsse  menos   mal  e,  consequentemente,  menos  santos  e  heróis.  Ø  Iria  realmente  um  deus  sumamente  permiPr  tal  mal   apenas  para  nos  ajudar  a  aperfeiçoar  moralmente?   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 7. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.2)  Analogia  Ar5s+ca    3.2.  Analogia  Ar5s+ca  -­‐  Deus  é  inefável:  dizer  que  Deus  é  bom  é  diferente  de  dizer  que  alguém  é  bom.  Deus  é  uma  enPdade   misteriosa   que   está   para   lá   da   nossa  compreensão.   E   se   não   O   podemos   compreender,   também  não  podemos  falar  Dele.  §  Algumas   pessoas   defenderam   a   existência   de   uma   analogia  entre  o  mundo  e  uma  obra  de  arte.    §  A   harmonia   geral   de   uma   peça   de   música   inclui   geralmente   dissonâncias   que   são   subsequentemente   converLdas  num  acorde;     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 8. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.2)  Analogia  Ar5s+ca    §  Tal   como   uma   pintura   tem,   Lpicamente,   grandes   áreas   de   pigmento   mais   escuro   e   mais   claro,   também  o  mundo  possui  dissonâncias.     §  Este   argumento   defende   que   o   mal   contribui   para   a   harmonia   ou   beleza   geral   do   mundo   e   encontra-­‐se   para   lá   da   compreensão   meramente   humana.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 9. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   Objecções  ao  argumento  da    Analogia  Ar5s+ca:  1)  É   diWcil   de   aceitar   que   o   mal   não   pode   ser   saLsfatoriamente  explicado  e  que  a  harmonia  só  pode   ser  observada  e  apreciada  do  ponto  de  vista  de  Deus.    2)  Um   deus   que   permite   tal   sofrimento   por   moPvos   meramente   estéPcos   ―   para   poder   apreciá-­‐lo   ―   parece  mais  um  sádico  do  que  sumamente  bom.  Se   o   papel   do   sofrimento   é   este,   Deus   está  desconfortavelmente  próximo  do  psicopata  que  põe  uma  bomba  no  meio  da  mulLdão  de  forma  a  poder  observar  os  belos  padrões  criados  pela  explosão  e  pelo  sangue.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 10. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  Livre  arbítrio  3.   Livre   arbítrio:   Por   bondade,   Deus   deu-­‐nos   livre  arbítrio;  e  mais  vale  um  mundo  onde  as  pessoas  tenham  livre  arbítrio,  apesar  de  algumas  delas  poderem  praLcar  o   mal,   do   que   um   mundo   onde   não   exista   livre-­‐arbítrio.Todavia,  o  mundo  está  aparentemente  cheio  de  males,   o   que   parece   incompa:vel   com   um   deus   teísta.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 11. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  Livre  arbítrio  §  A  tentaLva  mais  importante  de  solução  do  problema   do   mal   é   a   defesa   do   livre   arbítrio:   Deus   deu-­‐nos   a   capacidade  para  escolhermos  o  que  queremos  fazer.  §  Para   os   defensores   deste   argumento,   um   mundo   no   qual   os   seres   humanos   têm   livre   arbítrio,   apesar   de     poder  conduzir-­‐nos  ao  mal,  é  preferível  a  um  mundo   no   qual   a   ação   humana   fosse   predeterminada,   no   qual   seríamos   como   robots,   programados   para   praLcar  apenas  boas  ações.  §  Se   fôssemos   programados   desta   forma,   não   poderíamos   sequer   dizer   que   as   nossas   acções   seriam  moralmente  boa.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 12. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus            3.3)  Objecções  à  defesa  do  livre-­‐arbítrio              3.3.1)  Admite  dois  pressupostos  básicos    1)   Será   obviamente   verdade   que   um   mundo   com   livre  arbítrio  e  a  possibilidade  do  mal  é  preferível  a  um  mundo  de  pessoas-­‐robots  que  nunca  pra9cam  más  ações?    •  sofrimento   pode   ser   tão   terrível   que   muitas   pessoas,   perante  a  possibilidade  de  escolha,  preferiam  que  toda   a  gente  Lvesse  sido  pré-­‐programada  para  só  praLcar  o   bem,  em  vez  de  ter  de  passar  por  certos  sofrimentos.    •  Estes  seres  pré-­‐programados  poderiam  mesmo  ter  sido   feitos  de  maneira  a  acreditarem  ter  livre  arbítrio,  apesar   de  não  terem   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 13. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus            3.3.1)  Admite  dois  pressupostos  básicos    2)  Temos  realmente  livre  arbítrio            e  não  apenas  a  ilusão  de  que  o  temos.    Alguns   psicólogos   pensam   que   podemos   explicar   todas  as   decisões   ou   escolhas   que   uma   pessoa   faz   através   de  um   condicionamento   anterior   que   a   pessoa   sofreu,   de  forma  que,  apesar  de  a  pessoa  se  poder  senLr  livre,  a  sua  ação   é   na   realidade   inteiramente   determinada   por   um  condicionamento   anterior.   Não   podemos   ter   a   certeza  de  que  não  é  assim  que  as  coisas  acontecem...   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 14. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  CríPcas  à  defesa  do  Livre-­‐arbítrio            3.3.2)  Livre  arbítrio  sem  mal    §  Se   Deus   é   omnipotente,   é   presumível   que   esteja   dentro  dos  seus  poderes  a  criação  de  um  mundo  no   qual   exisPsse   livre   arbítrio   sem   que   exisPsse   mal   (um  tal  mundo  não  é  muito  diacil  de  imaginar).  §  Apesar  de  a  posse  do  livre  arbítrio  nos  dar  sempre  a   possibilidade  de  fazer  o  mal,  não  há  razão  para  que   esta   possibilidade   se   torne   real.   É   logicamente   possível   que   toda   a   gente   Lvesse   Ldo   livre   arbítrio   mas  Lvesse  decidido  evitar  sempre  a  má  ação.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 15. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   3.3)  CríPcas  à  defesa  do  Livre-­‐arbítrio            3.3.3)  Deus  poderia  intervir      Os   teístas   acreditam,   Lpicamente,   que   Deus   pode  intervir  e  que  intervém  de  facto  no  mundo  (execução  de  milagres).  Se  Deus  intervém  por  vezes,  por  que  razão  não  interveio   Deus   de   forma   a   prevenir   o   Holocausto,   ou  toda  a  segunda  guerra  mundial  ou  a  epidemia  da  SIDA?  Ø  Os   teístas   podem   responder   que,   se   houvesse   intervenção,  não  teríamos  genuíno  livre  arbítrio.  Mas   isto   seria   abandonar   um   aspecto   da   crença   em   Deus   defendido   pela   maioria   dos   teístas,   nomeadamente   que  a  intervenção  divina  ocorre  por  vezes.     Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 16. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus            3.3.4)  Não  explica  o  mal  natural      §  Este  argumento  só  poderá,  na  melhor  das  hipóteses,   jusPficar  a  existência  do  mal  moral  (humanos).  §  Não   se   concebe   qualquer   conexão   entre   a   posse   de   livre  arbítrio  e  a  existência  de  males  naturais,  como   terramotos,   doenças,   erupções   vulcânicas,   etc.,   a   não   ser   que   se   aceite   uma   espécie   qualquer   da   doutrina   do   pecado   original   (ex.   Adão   e   Eva)   que   torna   os   seres   humanos   responsáveis   pelo   mal   existente   no   mundo.   Mas,   tal   doutrina   só   seria   aceitável   para   quem  acredita  no  deus  judaico-­‐cristão.   Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes  
  • 17. Razão  e  Fé:  o  problema  da  existência  de  Deus   FIM   Professora  Joana  Inês  Pontes  Bibliografia  consultada:    Almeida,   A.,   Murcho,   D.,(org.),   (2006)   Textos   e   Problemas   de  Filosofia.  Lisboa:  Plátano.  Nigel   Warburton,   Elementos   Básicos   de   Filosofia,   Gradiva,  Lisboa,  1998,  pp.  45-­‐52.       Filosofia|  Problema  do  Mal|  Professora  Joana  Inês  Pontes