Inteligência ii
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Inteligência ii

on

  • 4,969 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,969
Views on SlideShare
4,969
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
188
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Inteligência ii Inteligência ii Presentation Transcript

  • Os Processos Cognitivos: A Inteligência Parte II Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • ABORDAGENS CONTEMPORÂNEASAs pesquisas mais recentes em desenvolvimento cognitivo e neuropsicologia sugerem que as habilidades cognitivas são mais diferenciadas e mais específicas do que anteriormente se acreditavaAlguns Neurologistas têm documentado que o sistema nervoso humano não é um órgão com propósito único nem tão pouco é infinitamente plástico. Acredita-se, hoje, que o sistema nervoso seja altamente diferenciado e que diferentes centros neurais processem diferentes tipos de informação ( Gardner, 1987). Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 1. A Teoria das Inteligências Múltiplas Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Gardner: Teoria das Inteligências Múltiplas Howard Gardner, psicólogo da Universidade de Harvard, questiona a tradicional visão da inteligência, uma visão que enfatiza as habilidades linguística e lógico-matemética. Para Gardner, todos os indivíduos normais são capazes de uma actuação em pelo menos sete áreas intelectuais diferentes e, até certo ponto, independentes: Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  •  Sugere que não existem habilidades gerais; Questiona a possibilidade de medir ainteligência através de testes de papel e lápis; Atribui enorme importância às diversasactuações valorizadas em culturas diferentes; Define inteligência como a habilidade pararesolver problemas ou criar produtos quesejam significativos em um ou mais ambientesculturais. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • O “g” não é o centro da inteligênciaA Teoria de Gardner é uma alternativa para oconceito de inteligência como uma capacidadeinata, geral e única, que permite aos indivíduosuma performance, maior ou menor, emqualquer área de actuação. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Insatisfeito com a idéia de QI e com visõesunitárias de inteligência, Gardner oferece umnovo contributo ao conceito de inteligênciarepensando-o à luz das origens biológicas dahabilidade para resolver problemas. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • A Origem do conceito de inteligênciaAtravés da avaliação das diferentes condutas deprofissionais em diversas culturas e do conjuntode habilidades dos seres humanos na procura desoluções culturalmente apropriadas para os seusproblemas, Gardner trabalhou no sentido inversoao desenvolvimento, retroagindo paraeventualmente chegar às inteligências quederam origem a tais realizações. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Na sua pesquisa, Gardner estudou também:1. O desenvolvimento de diferentes habilidades em crianças normais e crianças sobredotadas;2. Adultos com lesões cerebrais e como estes não perdem a intensidade da sua produção intelectual, mas sim uma ou algumas habilidades, sem que outras habilidades sejam sequer atingidas; Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 3. Populações ditas excepcionais, tais comoidiot-savants e autistas, sendo que os primeirospodem dispor de apenas uma competência,sendo bastante incapazes nas demais funçõescerebrais, enquanto as crianças autistasapresentam ausências nas suas habilidadesintelectuais;4. Como se processou o desenvolvimentocognitivo através dos milénios. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Influências de Gardner Gardner é um psicólogo construtivista muito influenciado por Piaget. Todavia, enquanto Piaget acreditava que todos os aspectos da simbolização partem de uma mesma função semiótica, Gardner acredita que os processos psicológicos independentes são empregados quando o indivíduo lida com símbolos linguísticos, numéricos, gestuais ou outros. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Influências de Gardner Segundo Gardner uma criança pode ter um desempenho precoce numa área (o que Piaget chamaria de pensamento formal) e estar na média ou mesmo abaixo da média noutra (o equivalente, por exemplo, ao estágio sensório-motor).O desenvolvimento cognitivo é uma capacidade cadavez maior de entender e expressar o significadoem vários sistemas simbólicos utilizados numcontexto cultural, sugerindo a inexistência de umaligação necessária entre a capacidade dedesenvolvimento numa área e noutra. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Influências de Gardner Num plano de análise psicológico, cada área oudomínio tem seu sistema simbólico próprio; numplano sociológico de estudo, cada domíniocaracteriza-se pelo desenvolvimento decompetências valorizadas em culturasespecíficas. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • As Inteligências Múltiplas Gardner identificou as inteligências: linguística,lógico-matemática, espacial, musical, cinestésica,interpessoal, intrapessoal e naturalista (ver livro) Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • As Inteligências Múltiplas Gardner postula que essas competênciasintelectuais são relativamente independentes,têm sua origem e limites genéticos próprios esubstratos neuroanatómicos específicos edispõem de processos cognitivos próprios.Os seres humanos dispõem de graus variados de cadauma das inteligências e maneiras diferentes de ascombinar e organizar: cada um faz uso das capacidadesintelectuais para resolver problemas e criar. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Concluindo Gardner afirma que as inteligências são, até certo ponto, independentes, no entanto, raramente funcionam isoladamente: Embora algumas ocupações exemplifiquem uma inteligência, na maioria dos casos as ocupações ilustram bem a necessidade de uma combinação de inteligências. (Exemplo, um cirurgião necessita da acuidade da inteligência espacial combinada com a destreza da cinestésica.) Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Teoria das Inteligências Múltiplas Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Inteligência e Cultura Gardner propõe que todos os indivíduospossuem, como parte de sua bagagem genética,certas habilidades básicas em todas asinteligências. Todavia, a linha de desenvolvimento de cadainteligência, será determinada tanto por factoresgenéticos e neurobiológicos, como por condiçõesambientais. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Inteligência e Cultura Com a sua definição de inteligência como ahabilidade para resolver problemas ou criarprodutos que são significativos num ou maisambientes culturais, Gardner sugere que algunstalentos só se desenvolvem porque sãovalorizados pelo ambiente. Segundo Gardner cada cultura valoriza certostalentos que devem ser dominados por umaquantidade de indivíduos e, depois, passadospara a geração seguinte. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  •  Qual é a principal diferença da teoria de Gardenface às anterior visão sobre a inteligência? Em que consiste o modelo da teoria deGardner? Em que medida a cultura se apresenta como umconceito central na sua teoria? Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 2. A Teoria Triárquica da Inteligência Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • A Teoria Triárquica da Inteligência Robert Sternberg caracteriza a inteligênciacomo uma capacidade composta porhabilidades analítico-abstractas, práticas ecriativas que nos ajudam a resolver váriosproblemas (ver livro) Sternberg possui igualmente uma visão quecontraria a ideia da existência de um factorhereditário que determine o desenvolvimentoda inteligência. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 1. Inteligência Componencial Capacidade de pensar analítica eabstractamente e de processar informação demodo eficaz. Esta inteligência é composta da capacidade deadquirir, reter, recuperar e transferirinformações, de planear acções e tomardecisões, de resolver problemas abstractos econcrectos baseandose no raciocínio lógico eanalítico e de transformar ideias emdesempenhos. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 2. Inteligência Experiencial Capacidade de formular novas ideias,combinar com rapidez factos e informaçõesaparentemente sem relação. Esta inteligência possui a capacidade deresolver novos problemas: as pessoas capazesde reconhecer os aspectos centrais de novosproblemas possuem intuição. Se apresentamsoluções originais para esses problemasrevelam criatividade. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 2. Inteligência Experencial Sternberg, ao contrário de Gardner, não é contraos testes e QI, apenas considera que estesdeveriam ter em conta:a) Capacidade de encontrar soluções paraproblemas novos - pensamento divergente;b) Resolver problemas de modo rápido eautomático tarefas conhecidas – pensamentoconvergente. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 3. Inteligência Contextual Designa a capacidade de adaptação aocontexto sociocultural, às circunstâncias emque os indivíduos vivem; É próprio das pessoas que sabem funcionaradequadamente no interior do seu meio habitual– adaptação/remodelação. As pessoas exibem diferentes habilidades,possuem um tipo de inteligência contextual:inteligência prática. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Interacção das três Dimensões Sternberg não partilha da ideiasegundo a qual há inteligênciasseparadas: algumas dasinteligências de Gardner sãomeramente talentos que aspessoas possuem de formadiferenciada. Para Sternberg é necessárioatribuir maior importância aostipos de inteligência que nãovariam entre culturas. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • 2. A Inteligência Emocional - Goleman Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Conceito de Inteligência Emocional (IE)“Qualquer um pode zangar-se isso é fácil. Mas, zangar- se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa não é fácil.” ARISTÓTELES, Ética a Nicómaco  A inteligência emocional é um paradigma novo na psicologia contemporânea: não são apenas as capacidades cognitivas que determinam as nossas acções, muitas vezes são guiadas pelas nossas emoções – texto de Punset. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Conceito de IEA inteligência emocional é uma capacidademultifacetada de adaptação e gestão das emoçõesperante situações novas, sendo que a sua mediçãopode ser artificialmente classificado através detestes padronizados para o efeito. (Q.E.) Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • O contributo da IE para o sucesso A pedra basilar da inteligência emocional é aautoconsciência, i.e., o reconhecimento de umsentimento enquanto ele decorre. Os sentimentos aparecem por sinais intuitivos soba forma de impulsos límbicos, vindos dos"balizadores somáticos" (Damásio) - alertam para operigo potencial Segundo Goleman, "a chave para tomar boasdecisões pessoais é ouvir os sentimentos" e nãosuprimi-los, eles possuem significado. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • O contributo da IE para o sucesso Controlar as emoções é a chave para o bem estaremocional. Há sentimentos que destabilizamemocioalmente as pessoas, como raiva, ansiedade oumelancolia e que podem ser combatidos (ex. praticarexercício físico, jogos, etc.) Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • O contributo da IE para o sucesso Uma pessoa com IE é capaz de possuir maiordeterminação e autoconfiança que uma pessoaintelectualmente brilhante. Existem pessoas cognitivamente muito dotadas, masque, por falta de automotivação e de autoconfiança,fracassam na vida real. Conhecer as emoções e saber fazer um usoadequado das mesmas, dimensionando-as paracumprir aos nossos objectivos, é uma das chavespara o sucesso! Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Elementos básicos da IE1. Conhecer os seus sentimentos e saber utilizá-lospara tomar decisões na vida.2. Ser capaz de gerir a sua vida emocional evitandoque seja o domine – ficar paralisado por uma emoção.3. Persistir face a situações adversas direccionado osseus impulsos de modo a atingir os seus objectivos/fins.4. Interpretar e compreender as emoções das outraspessoas antes de estas lhe transmitirem o que sentem.5. Gerir sentimentos nas relações humanas comperícia e harmonia – ultrapassar objstáculos emocionais. Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes
  • Realizado por:Joana Inês Pontes Psicologia 12º Ano| Inteligência | Joana Inês Pontes