• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O trabalho docente e os desafios da educação em contextos de justiça plural
 

O trabalho docente e os desafios da educação em contextos de justiça plural

on

  • 7,759 views

O trabalho docente e os desafios da educação em contextos de justiça plural apresentada em Braga na “53.ª Assembleia Mundial - ICET 2008″

O trabalho docente e os desafios da educação em contextos de justiça plural apresentada em Braga na “53.ª Assembleia Mundial - ICET 2008″

Statistics

Views

Total Views
7,759
Views on SlideShare
7,623
Embed Views
136

Actions

Likes
1
Downloads
114
Comments
0

2 Embeds 136

http://eticadocente.uidce.fpce.ul.pt 81
http://www.slideshare.net 55

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O trabalho docente e os desafios da educação em contextos de justiça plural O trabalho docente e os desafios da educação em contextos de justiça plural Presentation Transcript

    • Não sendo possível apresentar o texto integral por ser propriedade do ICET (entidade organizadora da conferência), apresentamos seguidamente o suporte à comunicação oral.
    • ICET 2008 53.ª Assembleia Mundial 14-17 de Julho Braga, Portugal O Trabalho Docente e os Desafios da Educação em Contextos de Justiça Plural Aline Seiça Escola Secundária D. Pedro V Lisboa
    • Macro contextos de questionamento político e ético da justiça Diversidade e heterogeneidade das sociedades actuais; Subjectivismo axiológico; Coexistência de identidades culturais múltiplas; Reivindicação de que sejam respeitados pelo poder político direitos e diferenças individuais e de grupo; Dinâmicas sociais complexas e contraditórias; Concepções de justiça diferentes e inconciliáveis.
    • As escolas como micro contextos de justiças plurais Estudantes de diversas origens e ambientes sociais e culturais; Desafio às escolas: educação inclusiva e universal e simultaneamente respeito pelas identidades singulares dos estudantes; Consequentes dilemas éticos centrados na justiça.
    • Problemas de justiça na escola Como distribuir de modo justo os bens educativos, entre os quais a atenção e o cuidado dos professores? Como conciliar os ritmos de aprendizagem de cada aluno como trabalho da turma enquanto grupo? Como assegurar a justiça na avaliação e classificação dos alunos? Como lidar com a indisciplina e a violência na escola? Como proporcionar a todos os alunos oportunidades para o desenvolvimento ético e da cidadania?
    • Critérios usuais de justiça distributiva Justiça Critério Igualitária A cada um a mesma coisa Meritocrática A cada um de acordo com o seu mérito Equitativa A cada um de acordo com as suas necessidades Hierárquica A cada um de acordo com a sua posição Legal / Formal A cada um de acordo com o que a lei determina
    • Questões orientadoras da reflexão em torno da justiça Como é que diferentes filosofias éticas e políticas concebem os significados de justiça? De que modo as perspectivas teóricas de justiça contribuem para a resolução de problemas de justiça escolar?
    • Justiça enquanto conceito polissémico Ordem cósmica e harmonia; Valor ético; Princípio normativo orientador da vida social, política e jurídica; Virtude primeira da qual emergem todas as outras virtudes; Epítome da moralidade.
    • Teorias da justiça Perspectiva Teleológica O bem e a vida boa como telos das escolhas e acções humanas. Platão e Aristóteles pensam a justiça como o meio para alcançar a vida boa. Platão: o bem é o fundamento metafísico da justiça; o que significa, o que significa a ordem certa de uma polis idealmente perfeita. Aristóteles: o bem enraíza-se na vida real da polis, dependendo das concepções racionais dos cidadãos; a justiça é a virtude humana entendida como vontade subjectiva de agir para o bem comum.
    • Teorias da justiça Perspectiva Deontológica - modernidade Kant concebe a justiça como um dever, que é obrigante por carrear a ideia de lei universal. É o conceito ético de pessoa, com a sua dignidade intrínseca e vontade racional autónoma, que determina a organização de uma comunidade justa. A justiça torna-se processual: o seu foco é agora a forma como a comunidade distribui e partilha os bens, não a natureza desses bens
    • Teorias da justiça Perspectiva deontológica contemporânea no contexto de liberalismo político e económico As desigualdades sociais são vistas como inevitáveis. A filosofia política pergunta: que formas desiguais de partilha de bens podem ser aceites ainda que injustas? A teoria da justiça de Rawls pretende responder a esta questão, através da procura de princípios gerais consensuais e vinculativos. Estes princípios devem ser partilhados/comuns aos indivíduos numa “posição original”, “sob o véu de ignorância”.
    • Teorias da justiça Perspectivas de equidade no contexto de pluralismo político Outras perspectivas de justiça contestam o ponto de vista de Rawls, sublinhando a diversidade das esferas de justiça. Qualquer discussão sobre a justiça deve radicar nas comunidades e considerar o seu pluralismo axiológico. Os princípios de justiça devem ser fundamentados por meio de questionamento e argumentação racionais.
    • Teorias da justiça Perspectivas de equidade no contexto de pluralismo político As esferas da justiça deWalzer Projecto igualitário: construção de uma sociedade livre da dominação gerada por formas injustas de partilha de bens; procura duma igualdade complexa como efeito da (mais) justa partilha dos bens. Bens diversos e heterogéneos: são valorizados e desejados por diferentes razões de acordo com os contextos políticos e sociais. Assim, os princípios que guiam a partilha dos bens não podem ser universais; diferentes esferas da justiça são determinadas por diferentes princípios de justiça.
    • Teorias da justiça Perspectivas de equidade no contexto de pluralismo político Os mundos de justiça de Boltanski & Thévenot’s O foco do questionamento é o conceito justificação. A justificação como modo de lidar com os conflitos de justiça, uma vez que explicita as razões pelas quais os bens são valorizados e desejados. Os conflitos acontecem sempre que há confusão entre diferentes mundos de justiça e entre justificações que, sendo válidas apenas para um dado mundo, são transportadas para outro. Boltanski & Thévenot pretendem encontrar formas de justificação que sejam válidas em cada um dos diferentes mundos, respeitando ao mesmo tempo as exigências gerais da racionalidade argumentativa.
    • Conclusões Diversos e por vezes contraditórios princípios de justiça são tomados como critério para a tomada de decisão e acção: identificar estes princípios e prever as consequências da sua aplicação pode prevenir o aparecimento de alguns dilemas éticos. Coexistência na escola de diferentes esferas e mundos de justiça: estar consciente deles e das suas lógicas comunicativas pode melhorar o clima de ensino- aprendizagem e contribuir para uma escola mais justa.