As moças pronto
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

As moças pronto

on

  • 757 views

 

Statistics

Views

Total Views
757
Views on SlideShare
757
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As moças pronto As moças pronto Document Transcript

    • Página 1 de 43 AS MOÇAS: O BEIJO FINAL ISABEL CÂMARAPERSONAGENSTEREZA — 30, anos. Reportagens para revistas, jornais, etc...ANA — 22 anos. Atriz de televisão de muito talento que tem tudo para seruma grande estrela.Aliás, tanto uma quanto outra tem tudo para... daí o flash, a explosão, acatarsis... um exercício de atorEste é um ato de suspense, alguma coisa que acontece na vida de duaspessoas que entre outras coisas podem ser grandes amiga um dia. Entreoutras, uma love story.Ana e Tereza se conheceram no Rio e estão começando uma espécie decarreira de Free-Lancers onde tudo é possível. Self-kindness com elas. Háque temer a self-pity também.A situação deve parecer violenta, mas disso não há, sendo-se delicado notratamento dos personagens.E levar em conta que toda ficção ainda é pouco pra tantas realidades.Viram-se pela primeira vez no dia em que Tereza foi escalada paraentrevistar Ana. Dois dias depois Ana estava instalada no apt°. de Tereza.A peça se passa numa noite qualquer; dessa época, 1965-1970.Em caso de ensaios, Domingo, LP de Gal e Caetano Veloso, da Philips é damaior importância para o clima que o espetáculo deve evocar — e mais:um documentário de hospitais (públicos e muitas músicas, todas as que asatrizes tiverem direito.)
    • Página 2 de 43Esta carta faz parte do espetáculo. Será lida pela atriz que representar Tereza quedirá, ser esta, a responsável por toda a farsa que se mostrará a seguir.Araruna, 29-9-1965 Maria Isabel querida, meu abraço de tão longe! Nosso Senhor a abençoe; e a compensação dupla! Com satisfação estou respostando tua amável carta como uma agradávelconversação com tua pobre tia que nunca te esqueceu, e daqui para diante es-pero conversarmos sempre, mesmo privada pelo médico, que fez exame demo-rado em meus olhos e disse-me que se não quiser cegar de vez nem leia, nemescreva, nem faça trabalhos manuais... que necessite não levantar a vista e nemprecise demorar no que estiver fazendo. Mas tudo faço por ter precisão de fazer. Não li bem tua carta, mas lendo quatro vezes sem ser seguidas,compreendi. Se escrevesses a máquina eu gostaria bem, porque letras de meuslivrinhos de oração leio com facilidade. Clarinda estava presente quando o Dr.Alberto, Wanderlei fez o exame prolongadíssimo e disse-lhe que eu desdemenina gostava de trabalhar a noite, e de 1er, e ele acrescentou: cansou a vistade vez, e está com um começo de catarata. Passou a receita mas não sintomelhora. É aquela neve pardacenta e uma água grossa nos olhos, que vezesabro os olhos em água serenada dos depósitos que tenho no quintal, mas ésempre a mesma coisa: a vista turva! Você esteve aqui em minha casa e euestava & demorou horas (fumou seu cigarrinho) e lembro-me bem de você... Como você promete em sua cartinha que de outra vez manda mais e destavez vinha a importância que veio porque gasta com bobagem... vou fazer um pe-dido (se possível for): É você não mandar 10 mil cruzeiros durante 2 meses e
    • Página 3 de 43juntar 20 mil e comprar um relogiozinho de pulso para meu braço já tãoveIhinho... magrinho... mais as mangas dos meus vestidos são compridas, bemacima da mão... e ninguém vê. Não é por vaidade que quero, é porque gosto deconsultar as horas para qualquer coisa. Ao sair de casa para a Igreja, aochegar, ao ir a feira e voltar. Já desejo desde a minha mocidade de ter umrelogiozinho para mim somente e não para mostrar a quem quer que seja quetambém tenho um relógio no pulso. Caso tenha de 20 mil, pois a corrente nãoimporta ser até mesmo de um cordel ou tira de pano quero é pelo relógio, e nãopela corrente: quero é que marque as horas. Quando estive auxiliando papai naagência de correios, que ele exerceu como agente e depois coma tesoureiro, 33anos, eu fiz embalagem de um relogiozinho de pulso daqui para a cidade dePombal (longínquo sertão). Um rapaz daqui noivou lá e mandou preparar umacaxinha de madeira que chamam compensado e colocou o relogiozinho bemforrado e todo calçadinho ao redor com algodão destes que compra-se nasfarmácias e chamam algodão higiênico e veio aqui em minha casa consultar-me se chegaria direito em Pombal. E eu auxiliei na embalagem, que ficasse semo relóginho blazomar-se na caixinha de madeira. E botou registrado, e pagou mais o aviso de recepção e depois chegouuma carta da noiva acusando que recebeu direitinho, e deu corda, e estavafuncionando bem. Portanto, se só for 20 mil você passe 2 meses sem mandar dinheiro e sepuder mande o relóginho para sua velha tia já com 74 janeiros e 5 meses e 23dias de existência e ainda ter, este gosto dado por você. Já estou com a mortalhaprontinha com todas as coisas. Comprei a fazenda em Recife em 1961 porqueaqui não encontrei a cor do traje de Nossa Senhora das Dores, que é lilás.Encontrando em Recife comprei e costurei e aguardo o dia do chamado deNosso Senhor e Nossa Senhora. Pode ser que custe e ainda dá tempo de vocêmandar o rélóginho e eu dizer: foi Maria Isabel que mandou-me. Olha os
    • Página 4 de 43olhões de muitos?!! ... duas coisas tinha vontade de ter, uma já tenho que era um Guarda-Roupas, a minha vizinha mudou-se para Maceió e não podendo levar oGuarda- Roupas deu-me. Que coisa boa hein? Só falta o relóginho. E contocom ele dado por você minha querida: e repetindo ainda — é se for possível. Sefor sacrifício e for mais de 20 mil acabou-se a história viu? As vezes em segundamão, isto é, usado, compram por aqui de 3 mil e tem um senhor aqui queindireita tudo usado, mas eu nunca sei quem quer vender. Encarreguei umaminha amiga e ela só faz dizer-me que tem especulado e não acha quem queiravender. E isto faz é tempo! ... já levantei-me umas dez vezes para descamar a vista, mais vou avanteainda... ATO ÚNICOAna está arrumando um ap. quarto-sala. Livros, posters, flores de papel,cama, guarda- roupa, etc.Ana já está meio de porre. Examina, olha, arruma uma coisa aqui outraali. Pára diante de um poster.Latas de tinta amontoadas num canto.ANA — Gracinha. Você é uma gracinha. E um chato.Senta numa cadeira de balanço e fica pensativa. Levanta. Serve maisbebida, volta, ri, olhando a bagunça que ela mesma fez.Sua barriga é bonita, mas os seios são lindos, ela pelo menos acha.ANA — (música da ópera Carmen).Ela tinha milhões de amantese um elefante pra passear
    • Página 5 de 43O elefante era viciadoe fazia ponto no AlcazarVolta pra cadeira, senta, e fica pensando numa coisa inteiramentediferente.ANA — Que saudade...Do lado de fora, alguém fala com o vizinho do lado, Fada, que adoratelevisão.FADA (explicativa) — Autógrafo... Diz pra ela que é pra minha sobrinha.Ela coleciona...TEREZA — Falo com ela sim, Fada, pode deixar...Ana já sabe que Tereza vem chegando, então corre, pega um livro fingindoque lê; põe disco na vitrola fingindo que ouve; senta/levanta, etc. Barulhode chave, alguém quer entrar, mas passaram o trinco na porta.Campainha.Ana que estava toda pronta pra começar, voa pra porta, uma fúria.TEREZA — Pensei que você tivesse dormindo.ANA — Nem pensar. Espera aí, você só entra de olho fechado, tenho umasurpresa procê.Entram as duas. As mãos de Ana cobrem os olhos de Tereza. Depois elaretira as mãos e a outra começa a olhar em torno.TEREZA — Puxa, ficou bonito mesmo!ANA — Não ficou? Gostou? Daqui pra frente tudo vai ser diferente. Sóque fiquei de tanga.
    • Página 6 de 43TEREZA — Se você não arrumasse ficava do jeito que eu botei, até criarmofo.Silêncio. Ambas não sabem o que fazer com as mãos.TEREZA — Você fez as flores hoje também? Tudo isso?ANA — Tinha muito mais, mas me deu uma sapituca e dei uma porção pravizinha.Ana nota que Tereza viu o poster.ANA — Parece com quem?TEREZA — Com quem?ANA — Não é igualzinho? Eu olhei e disse na hora: Rodrigo!Tereza pega um copo que Ana passa pra ela.TEREZA — Não quero beber (mas bebe) (e desconversa). Que que vocêfez hoje?ANA — Fiquei em casa. Você queria que eu fizesse o quê? Fiquei em casa,mudei sua velharia toda de lugar, fiz flor, não é muito?TEREZA — É...ANA — Escrevi milhões de cartas.TEREZA — Pra Rodrigo?ANA — Rodrigo, santinha? Escrever o quê pro Rodrigo? Ele não estávivendo na mesma cidade que eu? Então?TEREZA — Pensei.
    • Página 7 de 43ANA — Você fez o quê?TEREZA — Trabalhei o dia inteiro sem parar. Escrevi uma porção debobagem pra mandar pro jornal, fui numa reunião chatíssima pra organizarum movimento que já furou na saída, fui ao médico, me enchi, trabalheifeito um mouro, estou exausta, vou dormir ponto final.ANA — Ponto final o escambal. Pensa que vai dormir é?TEREZA — Tenho certeza.ANA — Você disse que não tinha dinheiro pra continuar o tratamento?TEREZA — Disse.ANA — E ele?TEREZA — Disse que não quero fazer o tratamento, por isso não doujeito de arrumar dinheiro. Mandou eu trabalhar mais.ANA — Esses melecas acham que a gente tira dinheiro pra pagar análise,do rabo da mãe deles. Fiz um mexido ótimo quer?TEREZA — Agora não, estou sem fome.ANA serve mais o copo de Teresa.TEREZA — Você não tinha que tirar umas fotografias hoje?ANA — Tinha mas não fui. São uns imbecis .TEREZA — Acontece que estamos quase sem dinheiro e eu estou naquelalonaANA — Es la vida hijita, és la vida. Que se há de fazer?
    • Página 8 de 43TÉREZA — Rodrigo apareceu?ANA — Não.TEREZA — Sei.ANA — Sabe o quê?TEREZA — Nada...ANA — Que mulher chata aquela tal de Arminda. Também com esse nomesó pedindo a Deus que mate.TEREZA — Queria te pedir uma coisa.ANA — Fala.TEREZA — Olha Ana... Nada!ANA — Desembucha, que frescura.TEREZA— (com dificuldade) Não queria que você comentasse o queaconteceu aqui... Sei lá... Esse tipo de coisa é difícil pra mim.ANA — Quer dizer de uma vez?. Claro!?TEREZA — Não agride que é pior.ANA — Eu, agredindo? Cruz!TEREZA — O que aconteceu com Rodrigo. Pra mim é muito difícil. Achobacana tanto pra você quanto pra ele. Vocês são duas pessoas que eu gostomuito... mas mesmo assim... sei lá. Você contou pra Arminda morrendo derir.ANA — Tá bem, já sei, não falo mais.
    • Página 9 de 43TEREZA — Certas coisas eu acho que a gente ainda tem que cuidar delasdireito... Esse negócio do Rodrigo não dormir com ninguém há um ano euacho muito sério.ANA — Seríssimo.TEREZA — Não debocha.ANA — Você contou pra ele?TEREZA — Pra quem?ANA — Ora, pra quem. Pro psicanalista!TEREZA — Contei, mas não quero falar nisso agora.Silêncio.ANA — Conseguiu falar com o cara a meu respeito?TEREZA — Não.ANA — Nem telefonou pra ele nem nada?TEREZA — Não, não tive tempo.ANA — Eu estou péssima, você sabe disso. Bem que podia ter resolvido onegócio pra mim.TEREZA — Acontece que eu também estava péssima.ANA — Eu sei.TEREZA — Sabe o quê?ANA — Que você devia estar na maior fossa do mundo.
    • Página 10 de 43TEREZA — Por quê?ANA — Ora Tereza, por causa de ontem,TEREZA — Sabe...ANA — O quê?TEREZA — Nada, deixa.Silêncio entre elas. Acendem um cigarro. Tereza deita-se na cama e ficaolhando para o teto. Ana para em frente ao poster.ANA — É... igualzinho...TEREZA — O quê?ANA — Rodrigo Ele fechava os olhos de repente. Parecia uma criança.Que aflição. Ficou preocupadíssimo com você. Toda hora ele dizia: peroque locura. Pero que locura!TEREZA — Eu ouvi.ANA — Você não estava dormindo?TEREZA — Quando você viaja?ANA — Nem sei se vou.TEREZA — Por quê?ANA — Não tenho vontade.TEREZA — Mas você pode ser contratada, já pensou?ANA — Mas pra ser contratada vou ter que dar praquele veado.
    • Página 11 de 43TEREZA — Você sabe que não.ANA — Ele está apaixonado.TEREZA — Você sabe que não também.Pausa.ANA — Rodrigo vem aqui amanhã, vamos jantar fora. Você quer ir com agente?TEREZA — Também não.ANA — O mexido tá genial, você jura que, não quer um pouquinho? Temuma pimenta do cacête.TEREZA — Porque vocês não foram pra um hotel?ANA — E você pagava par gente ir prum hotel?TEREZA — Você viu a carta?ANA — Que carta?TEREZA — Da minha tia.ANA — Não.TEREZA — Mas eu dei pra você ler.ANA — Li e joguei por aí.TEREZA — Não guardou nada?ANA — Não.TEREZA — Eu quero ver a carta, de novo.
    • Página 12 de 43ANA — Depois...TEREZA — Agora.ANA — E o filme?TEREZA — Desisti.ANA — Genial.TEREZA — Genial o quê?ANA — Perder um milhão na hora.TEREZA — Não tou aqui pra vender nada pra ninguém. Quem sabe meupreço sou eu!ANA — GenialTEREZA — Genial o quê?ANA — Não estar aí pra vender nada pra ninguém. Mais uma biritamadame Satã?TEREZA — Põe.ANA — Tá azeda hoje hein? Quando é que a boneca aparece?TEREZA — Que boneca?ANA — Tua namorada, ora.TEREZA — Namorada?ANA — Não vai me dizei que não é tua namorada?TEREZA — E mulher namora mulher, menina? Mulher com mulher dá
    • Página 13 de 43jacaré!ANA — Você é fogo. Falsa falsa!TEREZA — Escreveu dizendo que Brasil já era... aqui só pra boi dormir...Que o quente agora é Paris!ANA — Besta ela, né? Você vai ficar triste se eu for embora?TEREZA — Claro.ANA — E se eu não voltar?TEREZA — Volta sim.ANA — Você ficou triste?TEREZA — Com quê?ANA — Porque sua namorada não volta?TEREZA — Deixa de ser boba né Ana? Claro que não.ANA — Rodrigo quer ficar.TEREZA — É mesmo?ANA — Foi convidado.TEREZA — E vai ficar?ANA — Por enquanto não.TEREZA — HummmmmAna serve mais bebida e .muito bem humorada faz um brinde.ANA — A sua saúde, meu prustizinho mineiro
    • Página 14 de 43Tereza aceita o brinde até certo ponto.Violenta.TEREZA — Vocês podiam ter ido pro hotel.ANA — Eu já te perguntei uma vez: você pagava pra gente ir trepar numhotel?TEREZA — Não precisa agredir ouviu?ANA — E trepar, agora é agressão?TEREZA — O modo de você falar é.ANA — (Aos gritos pela sala) Trepar, trepar, trepar.TEREZA — Porque você não foi?ANA — Nem pensei nisso.TEREZA — Sabia que eu estava dormindo... É desagradável Ana. Todomundo pode achar que não tem importância mas pra mim tem.ANA — Porque você não pediu pra gente sair?TEREZA — Também não sei fazer essas coisas.ANA — Acha que a gente ia ficar brocha é?TEREZA — Ana quer parar?ANA — Da próxima vez ninguém vai fazer bobagem aqui não. Ou será quevocê tá apaixonada pelo Rodrigo hein? (Jogando verde). Ah, acho que épor mim.TEREZA — Você parece burra.
    • Página 15 de 43ANA — Claro, você não explica nada direito. Tua cuquinha já fundiuinteira.TEREZA — Olha, eu não estou chateada, nem tou na fossa. Não acreditoem fossa, pronto. Fiquei deprimida, sei lá...ANA — (Bem dramática) Juro, quero que um raio me pique se eu fizeramor de novo com Rodrigo na sua frente pensando que você estádormindo.TEREZA — Amanhã a gente conversa. Estou exausta.ANA — Que conversa amanhã meleca nenhuma. E nem vou fazer amorcom Rodrigo, não gosto.TEREZA — Não começa.Ana pensa de novo numa coisa inteiramente diferente e vai embora.ANA — Que saudade Tê, que saudade.TEREZA — Depois passa. Amanhã você sai, encontra outras pessoas,conversa e aí passa.ANA — Você jura?TEREZA — Juro.Tereza se deita, coloca; o copo no chão, apaga a luz grande. Ana sentaperto da cama. Silêncio absoluto. Tereza virada pra parede. Ana começa achorar baixinho.Como uma criança que quer chamar atenção o choro vai aumentando.Tereza nem se vira.ANA — Conversa comigo Tê. Conversa comigo. (BAIXINHO) Conversa
    • Página 16 de 43comigo. Conversa comigo. Conversa comigo.Vai aumentando até chorar mesmo Tereza se levanta e vai até ela.TEREZA — Que é isso Aninha, eu estou aqui, fica calma...Ana vai se acalmando aos poucos até...TEREZA — Agora vou descansar tá bom?ANA — Vou escrever uma carta pra mãe. Posso ficar com a luz acesa?TEREZA — Pode.Ana abre uma máquina de escrever. Tereza relaxa. Ana bate na máquina ebebe. Tereza recita uma poesia de Holderlin.TEREZA — Você e eu, a mesma pessoa Minha vida, minha morte a nossador é a mesma. E mesma a infância e mesma, a dor revelada pela infância.De repente Ana dá a maior gargalhada e joga tudo pro alto, fazendo umbarulho daqueles.TEREZA — Aninha eu estou cansada... Olha os vizinhos, já passa das dezhoras.ANA — Você não imagina que delícia. Uma história horrível que aArminda me contou. (Debochada dá gargalhadas gostosíssimas).TEREZA — Ri baixo, por favor.ANA — Que é isso agora de rir baixo? Esses merdas lá de cima vivemdando porrada um no outro.TEREZA — Por isso mesmo. A gente não precisa fazer o mesmo.
    • Página 17 de 43ANA — E você acha que eu ia dar porrada em você?TEREZA — Que foi que a Arminda contou?ANA — Disse que na sauna onde ela vai tem umas mulheres enormes,gordíssimas, que vão peladonas. A gordura escorre e elas não têm a menorvergonha. Arminda disse que é cada peito que bate na coxa. Sabe do pior?Disse que as gigantas ficam fazendo ginástica e que cada uma tem cadauma... pois é... enorme. Arminda disse que parece planta carnívora. Se agente chega perto NECO! Arrancam a mão da gente. MASTIGAM!TEREZA — Que história nojenta.ANA — Tê, e se eu ficar grávida? O meu Deus, começou tudo de novo...TEREZA — Vou ser madrinha.ANA — Não sua burra, faço aborto.TEREZA — Porque você não toma pílula?ANA — Primeiro porque tou na lona, segundo porque mulher não faz filhoem mulher e terceiro porque o meu caso é mulher, sabia?Tereza finge que não escuta.TEREZA — Vou pegar um pouco do mexido.ANA — Deixa que eu esquento e trago pra você.TEREZA — Não precisa.ANA — Faço questão.Ana vai fazer o mexido no fogão.Tereza fica na frente do espelho.
    • Página 18 de 43Depois grita pra outra.TEREZA — E a carta Ana? Você não leu?ANA — Não amola menina, não sei de carta nenhuma.TEREZA — (no espelho) Ela sabe sim... eu sei que ela sabe. Tô cheia, nãoaguento mais. O quê? Sei lá? Um reloginho de pulso... Você vai ficarigualzinha a ela: feia, solteirona e neurastênica.ANA — Tá falando sozinha é?TEREZA — Tou falando sozinha sim. Você não sabe que eu sempre falosozinha? Que eu adoro falar sozinha?ANA — Você vai comigo tirar fotografia amanhã? .TEREZA — Que fia coisa nenhuma... Não posso... Tenho que trabalhar.Trabalhar. .. E adianta?ANA — O quê?TEREZA — Não estou falando com você. Ana dá um tremendo arroto.TEREZA — Porca! E que Deus te crie também.ANA — Não foi espirro, foi arroto mesmo.TEREZA — E vice versa.Tereza senta pra comer o mexido/ Ana prova/ brincam, etc.TEREZA — Está uma delícia.ANA — Podes crer.Tereza comendo rapidamente.
    • Página 19 de 43TEREZA — Estou cansada.ANA — Eu também.TEREZA — Vontade de dormir por exemplo, você não tem?ANA — A diferença é que eu não preciso dormir, daí não tenho sono.Reportagem.TEREZA — Quantos anos você tem?ANA — 22.TEREZA — É feliz?ANA — Não sei.TEREZA — O que que é felicidade pra você?ANA — Não sei.TEREZA — Morar aqui?ANA — Não sei.TEREZA — Você tem trabalho?ANA — Não.TEREZA — Profissão?ANA — Atriz.TEREZA — Sucesso?Ana faz que sim com a cabeça, gloriosa!
    • Página 20 de 43TEREZA — Os homens gostam de você?ANA — Gostam.TEREZA — E as mulheres?ANA — Gostam.TEREZA —- Dorme com todo mundo?ANA — Durmo.TEREZA — Gosta?ANA — Não sei.TEREZA — Com quantos anos você tentou se matar?ANA — 20.TEREZA — Por quê?ANA — Estava infeliz.TEREZA — Por quê?ANA — Não sei.TEREZA — Profissão do pai.ANA — Funcionário público.TEREZA — Da mãe?ANA — Mulher do pai.TEREZA — Instrução da mãe?
    • Página 21 de 43ANA — Primário.TEREZA — Do pai?ANA — Ginásio.TEREZA — Você viu a carta?ANA — Que carta?TEREZA — Que chegou ontem.ANA — Não. Não vi. Era de quem?TEREZA — Eu li para você.ANA — Não, não leu... bem, acho que leu sim.TEREZA — Li ou não li?ANA — Leu.TEREZA — Você lembra como era?ANA — Falava num relógio num falava?TEREZA — Não tinha nada de engraçado.Ana de repente tem outra sapituca: Dá um pulo, uma fúria.ANA— Porra também! Que merda... E se eu ficar grávida?TEREZA — Já disse repito e trepito: vou ser madrinha.ANA — Não brinca cacete.TEREZA — Pois manda mais um anjinho pro céu... Você não já mandouum?
    • Página 22 de 43ANA — Já tá de porre né sua...TEREZA — Diz logo, você tá morrendo de vontade de dizer: “Já tá deporre né sua vaca!”ANA — Que isso Tê? Você recebeu carta?TEREZA — De quem?ANA — Dela.TEREZA — Minha namorada? Não.ANA — Como é que você aguenta tanto tempo sozinha?TEREZA — Aguenta como? Eu não estou sozinha por causa dela.ANA — É por causa de mim então?TEREZA — Ora menina, é por causa de mim, pronto..ANA — Tê, quantos anos você tem?TEREZA — Trinta, não é engraçado?ANA — Não acho graça nenhuma. Acho muito bacana.TEREZA — Imagina alguém ter 22 anos. É impressionante olhar pra vocêe saber que você só tem 22 anos.ANA — Pois é...TEREZA — Com 22 eu tava no hospital: tentativa de suicídio!ANA — Besta besta minha filha. Eu tentei com 20, todo mundo tentou.TEREZA — Pois é. Escuta... este mês nós dividimos o aluguel.
    • Página 23 de 43ANA — Já sei. Não precisa dizer que eu estou vivendo às suas custas não.Quando começo a ganhar dinheiro eu ganho o triplo de você. Este mêspode deixar que eu pago inteiro.TEREZA — Escuta Ana, eu disse que vamos dividir. Não complica ascoisas... Pra mim é difícil falar em dinheiro.ANA — E daí?TEREZA — A conversa mixou.ANA — A gente divide, pronto... Vou alugar um apartamento pra mim.TEREZA — Mas e se a viagem sair?ANA — Vamos voltar agora pro papo da viagem é? Não se preocupe queeu não demoro muito na sua casa não. Já tou aqui mais tempo do quedevia... Vou mudar amanhã, viajando ou não viajando. Pode deixar que eunão atrapalho mais o teu soninho...TEREZA — Sabe, com 20 anos eu me achava uma velha. Morria dedesespero de não ter mais 17, 18 anos. Quando fiz 19 quase morri. Sabeque no dia que fiz 20 anos mandei um telegrama pra mim mesma dizendoassim: “meus pêsames”?!ANA — Parece maluca, eu hein?TEREZA — Com 30 acho que não vou envelhecer nunca.ANA — Pois eu pareço muito mais velha do que sou.TEREZA — É, tem dias que parece sim.ANA — Merda.
    • Página 24 de 43TEREZA — Que que foi?ANA — Não aguento mais de saudade, não aguento mais.TEREZA — Isso passa logo, não tem a menor importância.ANA — O que que passa e o que que não tem importância?TEREZA — As tuas saudades. Rodrigo não está aqui?ANA — Azar pra Rodrigo, quero que ele faleça. Eu disse que não podiamais de tanta saudade não foi de Rodrigo, você sabe muito bem.TEREZA — O que prova a minha teoria.ANA — Que teoria?TEREZA — Que vocês vieram pra cá pra fazer a brincadeirinha de vocêssó pra me chatear, que você estava mesmo com vontade de sei lá, que vocêqueria uma pessoa que estava na Conxinxina e veio fazer amor na minhafrente, com um sujeito que não tem nada a ver com a história só pradescontar em cima de mim as tuas saudades.ANA — Acabou é?TEREZA — Não sei.ANA — Pois se estiver grávida faço aborto.TEREZA — Longe de mim.ANA — Vai começar com o papo furado é? Olha aqui minha filha, essenegócio de achar que tá matando um anjinho acabou faz muito tempo.TEREZA — E dai?
    • Página 25 de 43ANA — Daí que você fica dizendo essas coisas porque não dá. E quandodá nem pega tá?TEREZA — Sabe o que você é? Uma burra, uma estúpida, uma...ANA — (FURIOSA) E você é uma mofada ouviu? Está coberta de mofodos pés a cabeça.Pensa algum tempo/silêncio.Sabe de uma coisa? Essa vida é uma merda.TEREZA — Outras pessoas já disseram isso melhor e com palavras maissutis.ANA — Pois então merda pra elas também. E sabe de que mais? Estoucheia de você ficar querendo me dar lição ouviu? Não preciso. Ainda maisvindo de quem vem.TEREZA — Explica melhor.ANA — Preciso? Basta você olhar no espelho que você vê. Mofada, malvestida deprimida. Parece uma velha. Chega a ser indecente sabia?TEREZA — Mas foi aqui, na minha frente, na minha casa que você veiodormir com o Rodrigo. Porque não foram pra um hotel? Foi pra se excitarcom meu mofo, foi?ANA — Isso mesmo. Já que você disse que é porque é. Vim dormir embaixo da sua cama pra me excitar, sua moralista de meia tigela. Vim, sabeporque também? Porque tou cheia. Cheia de Rodrigo, de mim, de você dasua casa. Vim porque sabia que você não ir dormir coisa nenhuma, que iaficar aí em cima da cama fingindo que não ouviu nada sem reclamar comovocê faz sempre.
    • Página 26 de 43TEREZA — Cala boca Ana.ANA — Não calo não. E quer saber mais? É bom. É bom fazer amormesmo que a gente não sinta nada. Pelo menos a gente sacode a poeiramenina. Vai lá no espelho e se olhe. Você está um horror. Um horror detanto trabalhar de tanto dar duro o dia inteiro sem conseguir fazer merdanenhuma tá ouvindo? Merda nenhuma. Nem trepar. Isso mesmo, trepar,com todas as letras. É a única coisa que sobra né? Procê é assim não é?Vim, vim dormir com Rodrigo aqui pra te dar uma lição. E outra coisa:escuta bem. Escuta porque dagora em diante você não abre mais aboquinha: se eu estiver grávida você vai comigo pra tirar. Vai pra ver. Nemque seja olhar, ficar com nojo. Ver como é que a gente tira um negócio dedentro da gente até podia gostar, mas não gosta. E nem pode.TEREZA — Cala boca você, tá ouvindo? Já aguentei demais a sujeira quevocê botou aqui dentro.ANA — Agora é sujeira é? Antes você dizia que eu tinha ajudado você abotar um pouco de vida aqui dentro desse museu. Isso aqui antes pareciauma casa de velório.TEREZA — Agora virou zona.ANA — É maravilhoso sabia? Nunca vi uma coisa fazer tão bem prumapessoa. Até ontem você não era capaz de dizer nada disso do que tádizendo. Era sé “desculpa”... “sabe, pode ser que eu esteja errada...” Dói,amizade, uma trepada na cara por exemplo...TEREZA — Tou com sono Ana. SONO. Tenho que acordar amanhã cedo.ANA — Mas eu não tenho que acordar amanhã cedo. Só acordo se quiser.Você não, tá sempre preocupada em arrumar seu dinheirinho pra viver
    • Página 27 de 43como uma moca muito bem comportadinha. Pois eu faço o que quero, nahora que quero e como eu quero.TERESA — E vive na casa dos outros.ANA — Tem sempre um imbecil pra me aguentar.TEREZA — Lésbiquinha de meia tigela. É isso que você é, de meia tigela!Ana olha com toda insolência da raça pra Tereza e começa a arrumar asmalas.TEREZA — Se pelo menos você gostasse do Rodrigo. Mas não. Fez, sópra desforrar do fora que levou.ANA — Vê como fala tá? Eu tou sofrendo.TEREZA — E por acaso você sabe o quanto eu, eu estou sofrendo? Vocêsabe se Rodrigo também não está? Você sabe o quanto ele está sofrendo?Ou você não sabia que a mulher dele se matou?ANA — Não tenho nada com a mulher dele, sabia? Nada. Matou azar dela.Eu não trepei com nenhum defunto. E você Você teria coragem de dar praele se, ele quisesse? Não, nem isso você tem coragem de fazer porque vocêé uma covarde. Uma covarde está ouvindo? Ou você pensa que eu não seique você teve vontade de dormir comigo, de dormir com Rodrigo, dedormir com o Chico e na hora morreu de medo hein?TEREZA — Pára com isso Ana. Você não tem a menor idéia de nada doque está falando e além do mais não tem o direito tá ouvindo? Não tem odireito.ANA — Em compensação os teus amigos são todos uns babacas feito você.O que é que vocês fazem o dia inteiro, a noite inteira? Conversam é? Pra
    • Página 28 de 43salvar o quê? Gente feito eu? Sou vulgar, grossa, suja! Mas tou viva.Vivinha da Silva.TEREZA — Desde que você botou o pé aqui dentro eles sumiram.ANA — Eu sabia, pensa que eu não sabia? Por isso mesmo quando batemeu nem abro. Respondo da janela: Tereza não está e não sei quando volta!Assim dá papo tá sabendo? Pelo menos papo! Devem dizer, “Tereza agoraé outra, está se destruindo mais ainda, deixando aquela mulher morar nacasa dela”.TEREZA — Pois é isso mesmo que eles dizem.ANA — E você deve ficar enroscadinha de alegria não é mesmo? Nadamelhor do que ter uns melecas se preocupando com a gente.Agora ela já está pronta pra sair de mala na mão e, tudo, tem até umagarrafa de champanhe em baixo do braço. Pega a mala empunha a garrafaeANA — Nada melhor do que uns melecas. Era a champanhe do seuaniversário, agora vou levar comigo.TEREZA (Tentando o cinismo) — Não adianta querer fugir não. Vocêsofre de banzo meu amor, não adianta. Um dia vai ficando com saudade,vira o olhinho pro céu e bye bye... você volta.ANA (Da porta) — Você é muito sabida. Muito sabida mesmo. Se vocêdiz que eu volto é porque eu volto. E já que eu volto, eu nem vou. (Volta) Ejá que eu não vou, eu vou ficar. E vou te comer. Você não disse que eu soulésbica?Ana está uma fera
    • Página 29 de 43Tereza, sentada na cadeira de balanço parece até que desistiu. Ana voapra ela.ANA — Hum, vejamos. Mais ou menos um metro e sessenta e umpouquinho. O corpo não é lá dos piores.(Olhando as pernas da outra).Até que não são feias. A coxa está um pouco flácida. E só marchar umpouquinho mais que melhora. Exercício foi feito pra engrossar pernatambém, sabia?Seios pequenos, tai, até que são bonitinhos... Discordo do cabelo, horrível.Não tem jeito de nada. Babosa nele minha filha. Vitamina A. Caspa, olhovermelho, os óculos! Amanhã vamos comprar outros... Tem que ir aooculista, fazer limpeza de pele.Você não é tão ruim assim não. Se cuidar dos olhinhos, do cabelo, daflacidez e da fossa é capaz do mofo cair. Afirmar eu não afirmo nada, toudizendo que, é capaz... Estou fazendo um exame pré-nupcial em você meuamor, pra ver se topo a parada. Pra ver se ponho um pouco de vida, desexo, de loucura até de sacanagem dentro da tua cabecinha... Afinal a , vidanão nasceu só pros seus amiguinhos ficarem pensando nela não. Voutransformar você numa mulher da alta roda, numa senhora, numa moça quedá está ouvindo? Que dá, da cabeça aos pés...TEREZA — (Num desabafo existencial) Já falou tudo que tinha que falartá ouvindo Ana. Você já disse o que tinha que dizer, agora é a minha vez.Estou com os olhos vermelhos sim e sabe por quê? Porque não tenho ondecair morta, não tenho vontade, não tenho coragem e vai ver que eu nemquero.Saber disso, até agora não mudou nada, nada. Onde é que vai me levar tudoisso? Você pode responder? Não. Porque você é melhor do que eu e nempergunta. Você sabia que eu acho você melhor do que eu?
    • Página 30 de 43Tenho até inveja de você, uma inveja... Da sua coragem de nada... é... dasua coragem de nada. Um trapinho. Um trapinho que dá e acha que dar é osuficiente.Pois eu não. Não tenho coragem nem pra isso. E sabe por quê? Porquetenho medo de ter mau hálito, porque não tenho dinheiro pra ir ao dentista,porque meu dinheiro não dá pra nenhuma alegria, porque eu não tenho ne-nhuma alegria trabalhando, porque odeio o meu trabalho, porque tenhomedo quando alguém chega perto de mim e vê que tenho os dentesfalhando... que ouve que eu não tenho nada pra dizer. Que eu vejo queafinal tudo o que eu queria não passa de um montinho de merda... Depoiseu só quero ter o que, vale a pena de ter e aí falta coragem, porque eu nãosei se vale tanto assim.Já imaginou se você chega perto de mim e vê que tenho mau hálito? E sóporque tenho mau hálito desiste de passar a mão na minha cabeça? Jáimaginou? Mau hálito... porque trabalho feito uma doida e não tenhodinheiro pra ir a um dentista. Só por isso Ana. Não é bobagem?As vezes eu chego em casa, olho no espelho e digo pra mim: “Como é que,pode Tereza, como é que pode, você tão merda, tão coisa nenhuma, ter tidovontade de fazer alguma coisa da tua vida."Sabe quantas cartas eu escrevi no ano passado, sabe? 358. Isso mesmo.358. Quase uma carta por dia. E sabe por que eu escrevia cartas? Por medo.Medo de ter de encarar as pessoas que queriam tanta coisa da vida, tanta. Eeu não queria nada.E eu queria que os outros gostassem de mim, gostassem de mim feitoloucos.Todo mundo quer a mesma coisa. Você, eu, todo mundo... e eu não sei sevale a pena querer tanto. Depois eu tava cansada de levar porrada. Issoporrada. Não por causa de Rodrigos, Anas, Abortos. Não. Por causa daminha covardia, só isso, por causa do meu medo. Eu não queria incomodar
    • Página 31 de 43ninguém com minha covardia, meu medo, minha cara. Serve?Ana cai na maior gargalhada.ANA — Ela tinha milhões de amantes e um elefante pra passear o elefante era viciado e fazia ponto no AlcazarCanta até ficar insuportável.TEREZA (Aos berros) — Eu vou dormir ouviu? Eu vou dormir. Estoucansada, com sono. Eu vou dormir. (Apaga a luz. A luz voltaimediatamente).ANA — Dormir o quê minha lindinha? Você até que estava ótimaencenando sua vidinha íntima... Continua. Eu estava começando a meemocionar.Tereza quer desistir.ANA — Continua. Você estava ótima, ótima.TEREZA — Eu estou exausta... pelo amor de Deus, eu nunca fiz isso naminha vida.ANA — Ah, coitadinha! Ela nunca fez isso na vida dela... Está tãocansadinha. Taí, descobri uma coisa: você deve ser péssima de cama. Vivetão cansada que é capaz até de dormir no meio. Até de roncar. Deve ser en-graçado ver você, míope, dormindo no meio. Quando a gente pensa que vaificar bom ela ronca, dorme.Tereza fica muda e não olha para Ana. Ana coloca champanhe na boca efica esguichando champanhe nas paredes até chegar no poster de Rodrigo.
    • Página 32 de 43ANA — Você é um chato. Um chato igual a ela. Dois chatos. Quer saberde uma coisa? O mundo tá todo errado. Quem devia ter ficado com ele eravocê e não eu. Podia funcionar melhor. Afinal os dois são muito parecidos:medrosos e covardes.(Pra Tereza) Sabe que ele não apareceu mais? Nem convidou pra jantarcoisa nenhuma. Vai ver que ficou com medo também.(Aí Ana já não pára mais. — Imitando Tereza Down)“Pára Ana, pára, eu não quero ouvir”. Mas se você não me ouvir quem éque vai me ouvir? Só tenho você no mundo agora. Todo mundo sumiu e sótem você e vocêzinha vai me suportar muitos anos. Muitos séculos. Séculose séculos. Você vai ficar durinha, virar uma pedra de 500 séculos e eu lá teaporrinhando. Te aporrinhando até você ficar menos chata, menos mole. Etem outra coisa que eu quero dizer pra você de uma vez por todas. Nãosuporto os teus gemidinhos, não suporto. Nem tua mania de ficar quieta,quietinha, feito fosse o Juiz do Mundo. Se eu grito, se eu berro, berra vocêtambém... (irritada) Ela não consegue, ela não consegue.(Esquece tudo) Aninha, o que é que você ia dizer pra moça ali? Lembre-se.Concentre-se. Ah, já sei: aquele retrato do cara que você disse que morreunão sei onde (Pega um porta retrato do armário) Pois é, não acredito. Vocêdeve ter inventado até isso só pra ver se eu mostrava o jogo. Aposto quevocê nunca viveu com ele. Aposto que você comprou o retrato só pra dizerque teve um amante, aposto que ele devia ser bicha, aposto!(Imita Tereza) Você não sabe Ana, é uma coisa da gente. Só que o braçonão alcança. Ele morreu longe. Na hora que a gente ia se encontrar..Sua besta, ele nunca existiu!Ana enche novamente a boca com a champanhe e roda pelo quarto. Terezalevanta o rosto e, olha pra ela, fica olhando. Tereza espera que ela acabede esvaziar a boca.
    • Página 33 de 43TEREZA — Ana.ANA — Levantou, meu amor?TEREZA — Me dá um pouco dessa champanhe.ANA — Cadê seu copo?TEREZA — Eu não quero no copo.ANA — Vai de gargalo?TEREZA — Eu quero beber da tua boca.ANA — Tê!TEREZA — Põe champanhe na boca, anda!! Eu quero da boca.Devagarinho, muito devagarinho mesmo. Eu quero saber como você é,sentir pedacinho por pedacinho. Vou ver se vale a pena, se vale a pena aexperiência. Depois que a champanhe acabar vai ser uma delícia. Eu possoaté amar você, deixar você ver os dentes cariados que eu sinto vergonha.Um por um. Você vai passar o rosto no meu rosto, nos meus olhos, eu vouaprender a te ver.Ana põe champanhe na boca, Tereza olha Ana bem de perto.TEREZA — Engraçado, eu sempre pensei que você fosse bonita, mas nãoé. Está com os olhos inchados, a pele cansada, até a boca está machucada,mas não tem importância, eu gosto. Eu gosto de gente esquisita. Você não éhomem, não é mulher, não é lésbica, não é nada. E acha que dar é osuficiente. Você é tão inocente Ana, tão inocente. Anda! Eu quero que vocême dê um beijo e fique sabendo que não é um beijo de sacanagem não. Euquero ouvir você dizer “Olha, Tereza, eu aqui.” Só isso. Isso você nãocompreende está ouvindo? Não compreende. Anda, vem! Não, assim não.
    • Página 34 de 43Deixa eu me arrumar primeiro. Quero ficar esperando e tudo, nada depressa. Quero sentir que você está chegando. Parece um sonho que eu tive:eu olhava pra baixo, pra cima, nada. Agora diferente. Agora eu posso ver oteu rosto chegando perto de mim, vou ficar esperando e vai aparecer o teurosto. Não estou sonhando mais. Estou acordada e vou receber um beijãomaravilhoso de uma criatura esquisita. E vai ser maravilhoso. Porque euvou pegar na tua cabeça, encostar teus cabelos nos meus olhos e vou gostarsó por causa de uma coisa: porque você não lava a cabeça há muito tempo.Ana vai se aproximando, fascinada, de Tereza. A boca está cheia dechampanhe. A garrafa na mão.TEREZA — Pode vir. Eu vou gostar de sentir o teu cheiro. O teu cheirohumano, bom.Vem Aninha, vem.Silêncio, de repente, Ana dá a maior gargalhada. Derruba champanhesobre Tereza, faz a maior lambança/ as duas riem muito.ANA — (canta) Ela tinha milhões de amantes e um elefante pra passear o elefante era viciado e fazia ponto no Alcazar lá lá lá láTereza pára do meio.Ana canta e dança em volta dela.Máscaras mesmo.TEREZA — Ana!Ana não responde mas vai parando de dançar.TEREZA — Não adianta fingir que não tá me vendo. Olha pra mim.
    • Página 35 de 43ANA — Deixa de frescura. Não quero, não olho.Silêncio.ANA — Você tá cansada Tereza, precisa dormir. Amanhã você não vaiacordar cedo?TEREZA — Você sabe que vou.ANA — Pára com isso Tereza. Eu não tenho nada a ver com essa história,pára.TEREZA — Tem sim Aninha. Você pensava que não tinha mas tem. E eusei que tem porque você é igualzinha a mim, só que começou pelo meuavesso... é elementar. E não demora muito a gente troca. Porque você éigual a minha metade, igual a todas as metades que existem no mundo.Você veio trepar aqui com Rodrigo pra me provar uma coisa. Uma coisamínima: que você só aguentava o Rodrigo se eu te ajudasse a aguentar oRodrigo. E ele topou pela mesma razão. Pra gente ficar eternamente numacoisa sem nexo sem sentido, sem sexo! Essa coisa que é feita de umaespécie de esmola, uma esmola que a gente mesmo se dá pra brincar deestar vivo. Inveja, pedaço, culpa. No fundo é ingratidão. Ingratidão com omundo que a gente devia amar e não ama, que devia odiar e, não odeia.Você é igualzinha a mim, igualzinha à minha metade, porque você é tãoinsignificante que tem que vir trepar com Rodrigo aqui e eu sofrer comisso. Com coisas insignificantes... É um modo de ter importância não é?Tanto pra mim quanto pra você. A gente existe e não existe ,a gente quer efinge que não sabe o que quer. Mas aí a gente ama, e aí a gente vê que nofundo continua fazendo careta na frente do espelho.TEREZA — E às vezes eu acho que é só assim que a gente aguenta essacoisa chamada vida que a gente tem, só assim.
    • Página 36 de 43ANA — Quantos anos você tem?TEREZA — Trinta.ANA — Profissão?TEREZA — Não adianta Ana. Você sabe que a profissão não vem aocaso.ANA — Eu sou atriz.TEREZA — E eu sei que você é atriz.ANA — Ô meu Deus, ô meu Deus.TEREZA — Você viu a carta Ana? Viu a carta? Só isso, a carta. Vocêviu?ANA — Que carta?TEREZA — A carta da minha tia, Emília.ANA — A carta da tua tia, Emília.TEREZA — Isso mesmo, a carta da minha tia Emília.ANA — Vi.TEREZA — Repete.ANA — Vi, vi, vi.TEREZA — Quantos anos ela tem?ANA — 74TEREZA — E qual a única coisa que quis ter no mundo?
    • Página 37 de 43ANA — Um relógio de pulso.TEREZA — Por quê?ANA — Porque um dia, em Araruna, quando era muito moça viu um rapazmandar um relóginho de pulso pra noiva que morava muito longe. Elanunca se esqueceu... Passou a vida inteira esperando um relógio de pulso, avida inteira.TEREZA — Repete.ANA — Ela nunca se esqueceu. A vida inteira querendo só um relóginhode pulso.TEREZA — Isso, você viu? Que a minha tia passou a vida inteiraquerendo só um relóginho de pulso?ANA — Ai, merda. A vida inteira querendo só uma merdinha de umrelógio de pulso.TEREZA — Porque que você veio pra cá Ana?ANA — Porque quis.TEREZA — Ganhar dinheiro? Ganhar dinheiro, por exemplo?ANA — Entre outras coisas...TEREZA — Que coisas? Que coisas?ANA — Sair de onde estava, serve?TEREZA — E saiu?ANA — Saí.
    • Página 38 de 43TEREZA — Burra. Você não saiu de lugar nenhum... Nem dinheiro tederam: não é mesmo?ANA — Não amola, Você sabe perfeitamente que não!TEREZA —. Eu também quis sair de onde eu estava.ANA — Eu sei, é sempre a mesma história.TEREZA — Não, é uma história diferente. É a mesma história, só quediferente. E você sabe disso não é? Não sabe?ANA — Você quer contar, conta logo.TEREZA — A morte é sempre o pior exercício. Tem alguma novidadenisso Ana?ANA — Não, não e não.TEREZA — Só que ninguém morreu dessa vez. Nem eu e nem ela. Eninguém quer morrer quando tem 18 anos. Nem eu, nem ela, nem ninguém.Só se não dão outra chance! Ela tomou comprimidos, eu, soda cáustica. Equando a gente toma soda cáustica o esôfago fecha. Não entra ar. Não entraágua e ainda assim é fácil. Foram três anos assim, três anos entre o hospitale a casa. No meio deles, o barbante que eu tinha que engolir pro tratamentofuncionar. Senão morria mesmo. Entrava pela boca, saia pelo estômago, edava milimetricamente certo. No hospital tinha um monte de baratas todasas manhãs quando eu chegava, e junto das baratas muitas camas e nascamas, as velhas. Velhas que riam umas para as outras, contentes, seperguntando: “Passou bem a noite dona fulana?” “Doeu a barriga?” “Ah,coitada!” Estavam contentes, alegres, porque ainda tinham um tempo amais para viver. Porque, tinham um tempo a mais para viver, junto de ummonte de baratas... . E isso não vinha ao caso. Elas não tinham tomado
    • Página 39 de 43veneno nenhum, elas queriam viver. Não eram pela metade como você,como eu... Pelo menos elas sabiam o que queriam.. Mas lá no hospital tinhaoutras pessoas que tinham tomado o mesmo veneno que eu, só que nãotinham nada a ver comigo. Eu lembro que eram sujos, que fediam, mas teveum que perguntou se eu aguentava aquilo porque tinha fé. Ele tinha. E nãopodia entender porque não conseguia engolir o barbante antes de mim.Nem ele nem nenhum dos outros engoliam o barbante antes que euchegasse... Eu. Eram quatro, cinco, seis, dez, sei lá, com os pedacinhos debarbante pendurados no canto da boca esperando a hora de engolir aqueleferro que descia até o estômago para poderem, um dia, ficarem bons eviver. Viver. Eles esperavam por mim e eu tinha medo deles porque sabiaque não podia mais me queixar. Foi assim que eu aprendi o mundo: naponta de um barbante.TEREZA — E de ponta a ponta dele o cheiro era o mesmo: fedia a medo.ANA— (Se, sentindo bem pobre) Lá em casa a gente às vezes não tinhadinheiro pra comer...TEREZA— (Sem emoção) Sabe qual a única coisa boa que eu tenho,sabe? É o meu medo. Medo que aprendi com eles. Medo. Medo do quevocê nem eu a gente é. Tenho medo da tia Emília, que queria uma só coisado mundo, um relóginho de pulso. Aliás queria duas. A outra era umguarda-roupas. Tenho medo porque no fundo eu ainda não quero nada, sópedir que me amem, e até isso está fora da moda. E está fora da modaporque DAR é uma coisa que se aprende!ANA — Eu não tou pedindo nada.TEREZA — Você finge quê não está, só isso. Me mostra uma alegria sua,só sua.
    • Página 40 de 43ANA — Rodrigo.TEREZA — Mentira.ANA — Minha profissão.TEREZA — Mentira.ANA — Eu eu eu.TEREZA — Mentira, mentira tudo. Porque nem você acredita ainda...Nem você. E a única coisa maravilhosa que você tem é seu cabelo imundo,sua cara vulgar, igual a de todo mundo, e sua coragem que nem você sabese tem porque você nunca quis nada que valesse mesmo a pena. Porqueainda falta muito amizade, muito!ANA — E daí? E daí? Você... (Chora) E daí? Você pensa que eu não pensoum pouquinho aqui dentro de mim? Penso sim. E daí? A gente vai tiraralegria de onde?TEREZA — De uma fotografia, serve?Tereza recua de onde estava.Silêncio.ANA — Estou cansada Tê, estou muito cansada.TEREZA — Enquanto você estava aqui com Rodrigo, pensando que euestava dormindo, enquanto eu morria de medo, tia Emília olhava o relógiode pulso que tinha vontade de ter desde que era mocinha.ANA — E tem alguma novidade nisso?TEREZA — Pra mim tem Ana, muita.
    • Página 41 de 43Ana começa a arrumar o apartamento.TEREZA — Deixa isso pra lá. Amanhã a gente arruma as coisas.Enquanto você limpa a casa eu vou falar com o Zé pra ver se arrumodinheiro emprestado pra pagar o apartamento .TEREZA — Você tem que tirar fotografia e, eu tenho que fazer astraduções... Anda, vamos dormir.Tereza vai até Ana.ANA — Amanhã vou lavar a cabeça.TEREZA — E sair um pouco mais. Faz bem. Acho que vou ao oculista.Meus olhos estão vermelhos não estão? Ter os livros nas estantes... osvestidos arrumados pra sair e a máquina dentro de mim, me fabricando, mefabricando...ANA — Um dia você quis muito as coisas não quis?TEREZA — Quis. E meti muito a mão.ANA — Nas baratas que ficavam no hospital?TEREZA — Isso mesmo, nas baratas que ficavam no hospital.ANA — E agora?TEREZA — Não sei, você sabe?ANA — Amanhã vou procurar uma casa pra mim, não precisa sepreocupar. .TEREZA — Eu não estou preocupada. Eu gosto muito de você. Você é apessoa que eu mais gostei até hoje... Depois chega um dia a gente encontra
    • Página 42 de 43outra pessoa e outra, e outra e pode ser que eu até descubra que você Ana eeu Tereza, ou existimos mesmo ou é pura ilusão.ANA — Mas você quis muita coisa, não quis?TEREZÀ — Eu quero e você também quer.ANA — Você conseguiu?TEREZA — Claro.ANA — Você é infeliz?TEREZA — Sou. Você é?ANA — Não sei, vai ver que sou.TEREZA — Que horas você quer acordar amanhã?ANA — Não tenho hora. E que horas você vai acordar?TEREZA — As nove.ANA — Você me chama pra tomar café com você?TEREZA — Chamo.As atrizes se beijam. FIM RIO, 1967
    • Página 43 de 43ELIS REGINA — Bala com balaVida de bailarina AS MOÇAS Sérgio Bandeyra/icno quintal o poçoaonde lavo os olhosno pulso o barbanteonde carrego o tempoescurecendo os olhose eu esquisitana vidavivendoescurecendo os olhose eu esquisitana vidavivendoeu quero que me vejamquero que me amemeu quero o beijoo beijo da criatura bonita