Aprese cbpe jim_v2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aprese cbpe jim_v2

on

  • 937 views

 

Statistics

Views

Total Views
937
Views on SlideShare
937
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aprese cbpe jim_v2 Aprese cbpe jim_v2 Presentation Transcript

  • A CRISE ECONÔMICA E OS PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jim Silva Naturesa Carlos Alberto Mariotoni Márcio H. de Avelar Gomes Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil Arq. Urb. – FEC-DRH/NIPE/UNICAMP Área de Recursos Hídricos, Energéticos e Ambientais Grupo de Planejamento Energético e Sistemas Elétricos – GPESE Departamento de Pós-Graduação e Extensão – Anhanguera Educacional Universidade de Brasília – Campus Gama - UnB-Gama
  • Introdução A apresentação está dividida em três partes: • Aspectos da crise econômica 2008-09; • Os principais dados do Programa Nacional de Energia Elétrica – PROCEL; • Dados sobre a MPMEs (Micros, Pequenas e Médias Empresas).
  • Crise econômica Alguns dados importantes: • O setor de Material Eletrônico e de Comunicações recuou -60,3% no mês de dezembro de 2008 em comparação com o novembro; • Máquinas e Equipamentos, -21,9%; • Metalúrgica Básica, -24,5%.
  • Crise econômica Indicadores Conjunturais da Indústria Geral e da Indústria de Transformação por Intensidade Tecnológica em setembro de 2009 (Fonte: IEDI, 2009). Segmentos Variação % Igual mês ano anterior Acumulado no ano Acumulado em 12 meses Indústria geral - 7,8 - 11,6 - 10,3 Alta intensidade - 3,6 - 5,8 - 3,3 Média-alta intensidade - 12,1 - 19,4 - 17,8 Média-baixa intensidade - 9,2 - 13,2 - 11,6 Baixa intensidade - 3,6 - 4,5 - 4,2
  • Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (PROCEL) A Tabela a seguir mostra os principais resultados do programa. Fonte: www.eletrobras.com/procel, maio de 2010. 1986 / 2004 2005 2006 2007 2003 Investimentos Totais Realizados 666,08 94,15 98,02 113,24 52,78 (R$ milhões) Energia Economizada (bilhões de 17,22 2,373 2,158 2,845 3,930 kWh/ano) Redução de Demanda na Ponta (MW) 4.633 622 585 772 1.357 Usina Equivalente (MW) 4.033 569 518 682 942 Investimentos Postergados (R$ bilhões) 10,65 2,50 1,77 2,23 2,76
  • Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (PROCEL) A Tabela a seguir apresenta os resultados acumulados do programa. Fonte: www.eletrobras.com/procel, maio de 2010. Total Investimentos Totais Realizados (R$ bilhão) 1,02 Energia Economizada e Geração Adicional 28,5 (bilhões de kWh/ano) Redução de Demanda na Ponta (MW) 7.969 Usina Equivalente (MW) 6.841 Investimento Postergado (R$ bilhões) 19,9
  • Micros, Pequenas e Médias Empresas Por que o foco dos programas de eficiência energética deve ser as MPMEs? A Tabela abaixo apresenta o percentual do custo de energia elétrica no faturamento bruto do estabelecimento. Fonte: CNI, 2006. Região / Até 2,5% Acima de 2,5 até Acima de 5 até Acima de 7,5 até Acima de Porcentagem 5% 7,5% 10% 10% de empresas Norte 33,3% 28,6% 14,3% 9,5% 14,3% Nordeste 60,5% 20,9% 4,7% 9,3% 4,7% Centro-Oeste 52,5% 18,6% 16,9% 3,4% 8,5% Sudeste 50,7% 25,6% 9,7% 6,6% 7,5% Sul 61,5% 19,2% 11,5% 5,4% 2,3%
  • MPMEs • Segundo o CNI (2006), o percentual de MPEs que investiu na aquisição de máquinas e equipamentos nacionais em 2003 foi de 78%, acima do percentual de 52% em 1999. • Com relação à pesquisa e desenvolvimento (P&D), o investimento ainda é baixo. Entre as microempresas, 47% não investiram em P&D; entre as pequenas, esse percentual cai para 23,7%.
  • MPMEs • Qual a solução? • Uma das soluções é utilizar recursos dos projetos de inovação tecnológica para projetos de eficiência energética. • Duas fontes principais: Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). • Com relação ao FINEP, merecem destaque os programas: Pró- inovação; PAPPE (Programa de Apoio à Pesquisa na Pequena Empresa) e o Programa Juro Zero. • Os BNDES possui os seguintes programas: Inovação P,D&I e Inovação Produção; FUNTEC; Modermaq; PROSOFT e PROFARMA.
  • MPMEs - Exemplo • Programa Juro Zero (FINEP); • O valor do crédito varia de R$ 100 mil a R$ 900 mil; • O programa contratou, até dezembro de 2007, 46 projetos de inovação, no valor de R$ 26,1 milhões. • A maioria dos projetos pertence ao segmento de software (9 projetos); em seguida está biotecnologia (4 projetos). • Em média, as empresas empregam 25 pessoas e possuem receita média anual de R$ 3.472 mil (MORAIS, 2008).
  • Conclusões • Algumas conclusões: • A crise financeira impactou nos projetos de eficiência energética; • O foco dos projetos de eficiência energética deve ser as MPMEs; • Projetos em eficiência energética devem ser entendidos, para MPMEs, como projetos de inovação tecnológica; • O FINEP e o BNDES deverão ser a principal fonte de recursos para os projetos.
  • Contato Jim Naturesa jim.naturesa@gmail.com www.slideshare.net/jimnaturesa Obrigado.