Sessao1 apresentacao da oficina ciencias preciclo1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Sessao1 apresentacao da oficina ciencias preciclo1

on

  • 314 views

 

Statistics

Views

Total Views
314
Views on SlideShare
286
Embed Views
28

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 28

http://www2.nonio.uminho.pt 28

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sessao1 apresentacao da oficina ciencias preciclo1 Sessao1 apresentacao da oficina ciencias preciclo1 Presentation Transcript

  • Promover o ensino experimental das Ciências no Pré-escolar e 1º Ciclo Oficina de formação Centro de Formação Francisco de Holanda
  • Fase I Organização e planeamento da oficina
  • Objetivos da oficina Aprofundar a compreensão dos docentes do Pré-escolar e do 1º CEB, de modo a mobilizá-los para uma intervenção ativa no ensino das Ciências nas suas escolas; Promover a (re)construção de conhecimento didático de conteúdo, com ênfase no ensino das Ciências de base experimental nos primeiros anos de escolaridade; Promover a exploração de situações didáticas para o ensino das Ciências de base experimental, através do aprofundamento e/ou reconstrução de conhecimento científico e curricular; Proporcionar a oportunidade para os professores inventariarem os recursos didáticos disponíveis nas escolas necessários ao desenvolvimento das práticas laboratoriais e experimentais; Desenvolver uma atitude de interesse, apreciação e gosto pela Ciência e pelo seu ensino; Contrariar a menoridade da área das Ciências no currículo do Pré- escolar e do 1º CEB.
  • Cronograma Sessão Conteúdo Sessão 1 3/out (5ªF) Apresentação. Documentação. A abordagem CTSA. Partilha de experiências. Sessão 2 17/out (5ªF) O ciclo da água. Flutuação. Misturas, soluções e dissolução. Sistemas de vasos comunicantes. Sessão 3 24/out (5ªF) Rochas e Minerais. Sessão 4 14/nov (5ªF) O subsistema Sol-Terra-Lua. O ar.
  • Cronograma Sessão Conteúdo Sessão 5 21/nov (5ªF) Os seres vivos. Sessão 6 28/nov (5ªF) Condutibilidade térmica. Eletricidade. Magnetismo. Sessão 7 12/dez (5ªF) Som e Luz. Sessão 8 23/jan (5ªF) Partilha de resultados e experiências. Avaliação da ação.
  • Regime de avaliação dos formandos Nos termos do artigo 13.º do Regime Jurídico de Formação Contínua, com a redacção dada pelo artigo 4.º do DL n.º 15/2007 de 19 de Janeiro, a avaliação dos formandos é quantitativa de 1 a 10. Este regime respeitará o referencial da escala prevista no n.º 2 do artigo 46.º do Estatuto da Carreira Docente, aprovado pelo DL n.º 15/2007, de 19 de Janeiro, de acordo com a Carta Circular do CCPFC – 3/2007.
  • Critérios de avaliação dos formandos MOTIVAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Assiduidade Faltas às sessões de formação. 5% 25%Participação nas sessões de trabalho Participação ativa nos temas da ação. Partilha de práticas e materiais. 10% Empenho, motivação e participação construtiva nas sessões de trabalho. 10%   TRABALHOS E/ OU MATERIAIS Produção de trabalhos e aplicação em contexto escolar Adequação ao contexto experimental e inovação. 10% 60% Aplicação e adequação das atividades em contexto de sala de aula e análise ao feedback dessa experiência. 30% Construção do kit de material associado à atividade desenvolvida 20%   REFLEXÃO CRÍTICA Documento de Reflexão Crítica Contributo da formação para a atividade docente; novos conhecimentos adquiridos e estratégias de consolidação pós-formação; monitorização do impacto da formação na escola; etc…). 15% 15%
  • Trabalho final Elaborar um guião que facilite a reprodução do trabalho por outros docentes, isto é, devolver ao coletivo informação suficiente para aferir do seu valor didático e potencial formativo e educativo. Construção do kit de material associado à atividade desenvolvida
  • Passos metodológicos Fase I – Organização e planeamento da ação; Fase II – A abordagem CTSA na didática das Ciências; Fase III – Contextualização e realização de atividades práticas; Fase IV – Partilha de resultados e experiências. Avaliação dos formandos e da ação
  • Disciplinas de apoio à oficina Moodle do AETaipas http://www2.nonio.uminho.pt/aetaipas/ Moodle do CFfh http://www.cffh.pt/moodle199/
  • Fase II A abordagem CTSA na didática das Ciências
  • Educação CTSA Valoriza contextos reais dos alunos, a aprendizagem dos conceitos e dos processos decorre de situações-problema cujas soluções se procurem alcançar; Ultrapassa uma lógica estritamente disciplinar uma vez que a diversidade de dimensões a explorar, genericamente contida nos problemas, assim o exige; As situações-problema já não são a chamada “resolução clássica de problemas”, nem simplificações da realidade, em que as variáveis são isoladas umas das outras para aquela ser melhor compreendida; Estuda problemas mais relevantes para o aluno e, por isso, com maiores possibilidades dos saberes construídos serem transferíveis e mobilizáveis para o seu quotidiano.
  • O ensino das Ciências e o trabalho prático “O trabalho prático tem um grande potencial na promoção de capacidades relevantes no contexto da sociedade do conhecimento. Não devemos, por isso, usá-lo nem por tradição nem por obrigação, mas como forma de melhorar verdadeiramente a qualidade de aprendizagem dos alunos.” Laurinda Leite (UMinho 2001)
  • O ensino das Ciências e o trabalho prático Trabalho prático: Conceito mais geral e inclui todas as atividades que exigem que o aluno esteja ativamente envolvido. Trabalho laboratorial: Atividades que envolvem a utilização de materiais de laboratório; Trabalho de campo: Atividades ao ar livre, no local onde os fenómenos acontecem ou os materiais existem; Trabalho experimental: Atividades que envolvem controlo e manipulação de variáveis e que podem ser laboratoriais, de campo ou outro tipo de atividades práticas. Laurina Leite (UMinho 2001)
  • O ensino das Ciências e o trabalho prático
  • Literacia científica dos alunos “A capacidade de usar conhecimentos científicos, de reconhecer questões científicas e retirar conclusões baseadas em evidências, de forma a compreender e a apoiar a tomada de decisões acerca do mundo natural e das mudanças nele efetuadas através da atividade humana.” OCDE, 2002
  • Conceções de ensino de ciências Tradicional - EPT Experimentalista - EPD Social - EPP Construtivista - EMC
  • Obstáculos … Estratégias Extensão das orientações curriculares/programas Que ciência aprendem e que conhecimento adquirem os alunos? Situações problemáticas ideais Manuais escolares Recursos educativos e/ou modo como estão organizados Programas, orientações educativas e metas de aprendizagem História de vida dos professores e mudança individual
  • Alguns desafios CTSA …
  • Alguns desafios CTSA …
  • Alguns desafios CTSA …
  • Alguns desafios CTSA …
  • Resultados da educação CTSA Alunos - Educação de cariz mais humanista; - Melhorar a atitude e o interesse dos alunos; - Literacia científica e tecnológica; - Ensino relevante, contextualizado e significativo. Professores - …