Quantitativa   Ensinando   2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Quantitativa Ensinando 2010

on

  • 4,146 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,146
Views on SlideShare
4,145
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
53
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Quantitativa Ensinando 2010 Presentation Transcript

  • 1. É uma classe de atividades que utiliza seres humanos como unidade de análise, cujo objetivo é desenvolver ou contribuir para o conhecimento que possa ser aplicado em doentes ou indivíduos saudáveis em condições clínicas semelhantes. São pesquisas cujos resultados podem corroborar ou contrariar diretamente a prática clínica e utilizam variáveis clínicas irrefutáveis. PESQUISA CL ÍNICA
  • 2. INCLUI : 1. Estudos de um processo fisiológico,bioquímico ou patológico ou a resposta a uma intervenção específica - seja física , química ou psicológica - em paciente ou participantes sadios (voluntários); 2. Testes controlados de medidas diagnosticas, preventivas ou terapêuticas em grupos maiores de pessoas, desenhados para demonstrar uma resposta generalizável específica àquelas medidas, comparada com os limites da variação biológica individual;
  • 3. 3. Estudos desenhados para determinar as conseqüências, para indivíduos e comunidades, de medidas terapêuticas ou preventivas específicas; 4. Estudos relativos a comportamentos humanos ligados à saúde em várias circunstâncias e ambientes; 5. Observações ou intervenções físicas, químicas ou psicológicas; 6. Registros existentes contendo informações biomédicas identificáveis ou não sobre indivíduos e; 7. Fatores ambientais que possam afetar indivíduos expostos incidentalmente.
  • 4. PESQUISA
    • 1. Formulação do problema
    • 2. Hipóteses para a resolução
    • 3. Coleta de dados
    • 4. Análise dos dados
    • 5. Conclusões
  • 5. A PERGUNTA DA PESQUISA (DÚVIDA) Tipos de estudos Tipo de variáveis Testes mais adequados da análise estatística Tamanho da amostra
  • 6. PESQUISA
      • DELINEAMENTO DA PESQUISA
        • Estudos observacionais
          • exploram ou descrevem fenômenos, sem intervenção ativa do pesquisador
        • Estudos experimentais
          • testam variáveis com intervenção direta ou indireta do pesquisador sobre o evento estudado
  • 7. PESQUISA
    • VARIÁVEL
      • quantidade que pode interpretar diversos valores
    • Variável dependente: Depende de alguma medida
    • Variável independente : Não depende de uma medida
      • Vieira, S. e Hossne, WS , 2001
  • 8. PESQUISA
    • População e Amostra
    • “ É necessário definir, com precisão, a população à qual os resultados se aplicam”
      • Vieira, S. - Metodologia Científica, 1984
  • 9.
    • Amostra
      • casual simples- seleção ao acaso
      • tabela de números aleatórios
      • amostra sistemática- ( 1 a cada 10)
      • amostra estratificada- organizada em diferentes níveis ( idade, sexo, etnia)
    PESQUISA
  • 10. PESQUISA
    • Tamanho da amostra
        • Amplitude do efeito que se quer observar.
        • Quanto menor a amplitude maior o tamanho da amostra.
  • 11. PESQUISA
      • Tamanho da amostra
      • EXPERIMENTO PILOTO
        • a variância da variável que pretende-se analisar, pode ser utilizada para estimar o tamanho da amostra ”
      • Vieira, S. , Hossne, WS, 2001
  • 12. PESQUISA
      • DELINEAMENTO DA PESQUISA
        • Estudo prospectivo
          • dirigido da causa para o efeito
        • Estudo retrospectivo
          • dirigido do efeito para a causa
    • Diferença = direção
  • 13. ESTUDO RETROSPECTIVO hábitos de fumar e problemas respiratórios SELECIONAR GRUPO DE PESSOAS: Com problema respiratório Sem problema respiratório (grupo controle) (com características similares) Calcular a proporção de fumantes em cada grupo OS INDIVÍDUOS SÃO SEGUIDOS DO EFEITO PARA A CAUSA PROCEDIMENTO
  • 14. hábitos de fumar e problemas respiratórios PROCEDIMENTO SELECIONAR GRUPO DE PESSOAS: (com características similares) ESTUDO PROSPECTIVO Constituído por fumantes Constituído por não fumantes (grupo controle) Calcular a proporção de pessoas com problemas respiratórios em cada grupo OS INDIVÍDUOS SÃO SEGUIDOS DA CAUSA PARA O EFEITO DEPOIS DE CERTO TEMPO DE ACOMPANHAMENTO
  • 15. PESQUISA
      • DELINEAMENTO DA PESQUISA
      • Quanto a coleta de dados
        • dados coletados durante a execução da pesquisa = primários
          • estudo contemporâneo
        • dados anteriormente coletados = secundários
          • estudo histórico.
  • 16. PESQUISA
      • DELINEAMENTO DA PESQUISA
      • Quanto à coleta
        • Estudo longitudinal
          • período de tempo específico
          • observação da evolução
          • não há presente ou passado
        • Estudo transversal
          • são determinados pontos no tempo (presente ou passado)
          • observação dos dados sem preocupação com a evolução
          • objetivo: verificar a prevalência ou a freqüência de uma determinada característica.
  • 17. PESQUISA
      • EXPERIMENTO
        • Intervenção ativa do pesquisador
        • Pesquisas mais propensas à análise estatística
        • Realização de diferentes grupos de pesquisa.
  • 18. PESQUISA
    • EXPERIMENTO
      • “ Os experimentos são realizados para responder a uma pergunta em condições específicas e limitadas.”
      • A qualidade da informação depende da precisão das definições ”
      • Vieira, S. - Metodologia Científica, 1984
  • 19. EXPERIMENTO
      • DELINEAMENTO DO EXPERIMENTO
      • 1º Definição da unidade experimental
      • 2º definição da amostra e dos grupos
      • Grupo experimento/tratamento
      • Grupo controle
      • Grupo Sham
    Tratamento: recebe a intervenção
  • 20. EXPERIMENTO
      • Grupo controle
      • grupo testemunha
      • nenhum procedimento relativo a pesquisa
    • Controle positivo: recebe terapia convencional
      • Grupo experimento/tratamento
      • é o objeto da pesquisa
        • Aleatório
        • Procedimento padronizado
      • Grupo Sham
      • o procedimento será simulado
      • realiza-se todo o procedimento, menos o objeto da pesquisa
  • 21. PESQUISA
    • Protocolo
      • registro das informações obtidas
        • dos pacientes, nos prontuários
        • do laboratório
          • com todos os detalhes da pesquisa
    • Da coleta correta dos dados é que se obtém os resultados da pesquisa.
  • 22. PESQUISA
      • “ O ideal é que a pessoa que faz a medida não saiba a que GRUPO pertence o animal . Isto é denominado EXPERIMENTO CEGO”
  • 23. PESQUISA
    • EXPERIMENTO
      • “ Se nenhuma das pessoas envolvidas no experimento sabe a que GRUPO pertence o animal, nem do que se trata, havendo avaliações totalmente alheias ao que se está observando, isto seria um EXPERIMENTO DUPLO CEGO”
  • 24. Paciente do estudo Critério de inclusão e exclusão Randomização POPULAÇÃO Consentimento Tratamento B Tratamento A Desfechos Desfechos
    • DIAGRAMA DE UM ENSAIO CLÍNICO METODOLOGICAMENTE CONSISTENTE
  • 25. PESQUISA
    • ESTUDOS COMPARATIVOS: testam-se 2 ou mais tratamentos
    • Comparar aspirina e novo droga
    • 3 grupos: A - Aspirina
    • N - nova droga
    • NA- aspirina + nova droga
    • Grupo placebo?????
  • 26. PESQUISA
    • ESTUDO DOSE-RESPOSTA
    • testar efeitos de diferentes doses de uma mesma medicação
    • tempo de sono- variável dependente
    • quantidade de sonífero- variável independente
    • Wash-out- remoção dos efeitos residuais
  • 27. Acompanhamento Amostra Randomização Placebo Limpeza Tratamento Placebo Limpeza Tratamento População .
    • Estudo cruzado randomizado (cross over)
    Medicação dos desfechos clínicos
  • 28. Estudos observacionais exploram ou descrevem fenômenos, sem intervenção ativa do pesquisador
  • 29. Número de pessoas não fumantes COMPARA AS PROPORÇÕES ESTUDOS TRANSVERSAIS Amostra da população Contar: Número de pessoas fumantes com problemas respiratórios sem problemas respiratórios com problemas respiratórios sem problemas respiratórios CUIDADOS: Atenção na amostra PROCEDIMENTO Relação observada pode resultar, total ou parcialmente, do fator eleito como causa da doença. Nem doença nem possíveis causas aparecem isoladamente São conseqüência de múltiplos fatores e interações.
  • 30. ESTUDO DE CASO CONTROLE Estudo retrospectivo . Grupo de pessoas com doença – os casos Grupo de pessoas sem doença – os controles Para cada grupo, verifica se cada um dos indivíduos foi exposto à possível causa da doença e comparam-se os resultados observados nos dois grupos. Verificar se as doenças periodontais estão associadas ao hábito de fumar Os casos são pareados com os controles Pequena proporção de pessoas com a doença de interesse . (POUCA FREQUÊNCIA)
  • 31. ESTUDO COORTE Tomar uma amostra da população. Verificar quais pessoas apresentam o fator causal suspeito e quais não apresentam. As que apresentam – grupo experimental As que não apresentam – grupo controle O pesquisador deve seguir os dois grupos por um longo período – observar quantas pessoas adquirem a doença em cada grupo.
  • 32. Acompanhamento Amostra Expostos Não expostos Com o desfecho Sem o desfecho Com o desfecho Sem o desfecho População
    • ESTUDO DE COORTE PROSPECTIVO .
  • 33. PESQUISA
    • EXPERIMENTO
      • “ Estatisticamente significante é a afirmação de que as diferenças observadas não são casuais ”
      • Vieira, S. e Hossne, WS, 2001
  • 34. PESQUISA
    • EXPERIMENTO
      • “ A Estatística responde à pergunta:
        • A diferença é significante?
        • Mas não responde à pergunta:
        • O que causou a diferença? ”
      • Vieira, S
  • 35. Bibliografias de referência
    • TURATO, ER. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes, 2003.
    • Viera, S e Hossne, WS. Metodologia Científica para a área da saúde. Rio de Janeiro: Campus, 2001