Prevenção ao Assédio Moral e Sexual no Trabalho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Prevenção ao Assédio Moral e Sexual no Trabalho

on

  • 148 views

Sobre o assédio moral e sexual no trabalho, conceituação, a problemática do assédio nas relações de trabalho, conscientização e informação para a prevenção, aspectos legais do assédio ...

Sobre o assédio moral e sexual no trabalho, conceituação, a problemática do assédio nas relações de trabalho, conscientização e informação para a prevenção, aspectos legais do assédio moral e assédio sexual.

Statistics

Views

Total Views
148
Views on SlideShare
147
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

1 Embed 1

http://www.linkedin.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Prevenção ao Assédio Moral e Sexual no Trabalho Prevenção ao Assédio Moral e Sexual no Trabalho Presentation Transcript

  • SOBRE O ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO 03/06/2014 1J.Gretzitz
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 2 INTRODUÇÃO Os temas Assédio Moral, Assédio Sexual e Discriminação, envolvem fatores e aspectos de natureza cultural, vez que, em algumas culturas o assédio sexual pode ser definido como “cantada”, um mero chiste, um gracejo. Por esse motivo desenvolver e criar uma legislação mundial, é algo que se torna muito difícil. Em países da Europa e Estados Unidos o Assédio, principalmente de natureza sexual, é tratado com muita seriedade, resultando sempre em processos judiciais e pesadas punições aos culpados por tal prática. Isso fez com que os trabalhadores daqueles países estivessem mais atentos, as agressões inibidas e agressores mais precavidos e cauteloso no tratamento com seu semelhante. Com o avanço da tecnologia da informação e comunicação tais práticas criminosas ganharam maior destaque e passaram a objeto de estudos e intensa divulgação, com um vasto trabalho das organizações não governamentais, que, aliadas a governos e empresas, agem na conscientização de funcionários públicos de diferentes escalões, empregados da esfera privada, gestores, empregadores, sindicalistas, além de tantas outras categorias, com vistas à prevenção de tais ocorrências nos mais diversos ambientes, quer em locais de diversão e lazer, como nas escolas, empresas e também nos lares. Contudo, o trabalho até então desenvolvido, resulta incipiente diante de tamanho desafio, o de informar, conscientizar e prevenir.
  • 03/06/2014 3J.Gretzitz
  • 03/06/2014 4J.Gretzitz
  • CONCEITO DE ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO “O ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO É DEFINIDO COMO QUALQUER CONDUTA ABUSIVA (GESTO, PALAVRA, COMPORTAMENTO, ATITUDE...) QUE ATENTE, POR SUA REPETIÇÃO OU SISTEMATIZAÇÃO, CONTRA A DIGNIDADE OU INTEGRIDADE PSÍQUICA OU FÍSICA DE UMA PESSOA, AMEAÇANDO SEU EMPREGO OU DEGRADANDO O CLIMA DE TRABALHO” – Marie France Hirigoyen, 2006 03/06/2014 5J.Gretzitz
  • O abuso de poder de maneira repetida e sistematizada, independente do ambiente e da idade dos envolvidos é o que caracteriza o assédio, hoje amplamente conhecido como bullying. O bullying, assim entendido como assédio moral. O assédio moral, segundo a definição de Hirigoyen, pode se manifestar sob diversas formas, como as apresentadas a seguir em quatro tipos que representam as situações que ocorrem com maior frequência: 03/06/2014 6J.Gretzitz
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 7
  • 03/06/2014 8J.Gretzitz http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=430
  • 03/06/2014 9J.Gretzitz http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=430
  • 03/06/2014 10J.Gretzitz http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=430
  • 03/06/2014 11J.Gretzitz http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=430
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 12
  • CARACTERIZANDO O ASSÉDIO SEXUAL 03/06/2014 13J.Gretzitz
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 14 “ ASSÉDIO SEXUAL É A CANTADA DESFIGURADA PELO ABUSO DE PODER, QUE OFENDE A HONRA E A DIGNIDADE DO (A) ASSEDIADO (A)” Dr. ERNESTO LIPPMANN
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 15
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 16
  • 03/06/2014 17J.Gretzitz
  • 03/06/2014 18J.Gretzitz
  • O ASSÉDIO MORAL pode ocorrer no TRABALHO, na ESCOLA, na FAMÍLIA ou em qualquer outro grupo social. A desigualdade de poder entre a pessoa intimidada e o intimidador poder ser FÍSICA, PSICOLÓGICA ou SOCIAL, produzida através da ação, gestos ou palavras. Entende-se como assédio moral todo comportamento abusivo (gesto, palavra, atitude ou ação) que ameaça a integridade física ou psíquica de uma pessoa. Por vezes são apenas pequenas agressões, geralmente pouco graves se tomadas isoladamente, mas que por serem SISTEMÁTICAS, REPETITIVAS, tornam-se altamente prejudiciais e destrutivas. 03/06/2014 19J.Gretzitz
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 20
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 21 Os consultores de Allison & Taylor, destacada empresa especializada na checagem de referências, entende que os cenários que constituem a linha que separa o profissionalismo dos comportamentos inaceitáveis dentro de uma empresa são os seguintes, como segue de 20 – 25 (I-II-III-IV-V-VI)
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 22 Fazer referências ou comentários sobre o seu salário diante dos demais funcionários: Esta é uma informação confidencial, privada, que não deve ser do conhecimento público. Os demais funcionários não precisam saber quanto você ganha, independentemente do tipo de comentário que possa ser feito, isto é, tanto faz que o patrão diga que não está lhe pagando o justo ou que diga estar pagando demais. São todos comentários que podem levar o quadro de funcionários a ressentimentos, discriminação e preconceitos, minando seu Conceito e sua posição no grupo... I
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 23 Repreendê-lo diante dos demais empregados. Isto configura o “bullying” e jamais seria aceitável. Mesmo que você tenha cometido uma falha, erro ou engano que mereçam ser discutidos, o bom empregador vai tratar disso de maneira profissional, em privado. O patrão jamais poderá denegrir sua imagem ou colocar em dúvida sua qualificação profissional diante dos demais II
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 24 Criar expectativas que não sejam razoáveis. Os gestores, gerentes ou administradores devem comunicar Suas expectativas quanto à performance de forma clara, deve apoiar os empregados quando necessários e estabelecer prazos razoáveis e coerentes para os projetos sem jamais atribuir tarefas impossíveis de serem cumpridas. Em tais casos cabe ao funcionário saber encaminhar suas inquietações e reclamos aos superiores de forma racional, comedida e polidamente, sem entrar em confronto com a administração. III
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 25
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 26 Compartilhar demasiados detalhes da vida pessoal. Você está em um local de trabalho e não em uma seção de terapia ou couching. Os detalhes da vida pessoal de cada um não devem jamais ser objeto das conversas entre patrão e empregado. Jamais traga seus problemas pessoais para o local de trabalho. IV
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 27 Fazer comentários inapropriados. Quaisquer comentários que possam envergonhá-lo ou constrangê-lo diante dos demais, sobre sua maneira de falar, sua aparência física e suas preferências sexuais, incluindo-se ai qualquer assédio que possa indicar algum interesse do empregador, gestor ou administrador em um relacionamento íntimo, de natureza pessoal, ainda que não seja algo a que você não se opõe completamente. Os romances, ou casos amorosos nos locais de trabalho não são uma boa ideia e, até mesmo qualquer sugestão ou “cantada” são inadmissíveis, altamente anti-profissionais. Isso caracteriza assédio Moral ou sexual previsto em lei e que pode resultar em uma ação trabalhista com graves consequências para a empresa. V
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 28 Não se pode relacionar sexo, raça, idade, orientação sexual ou religião como um fator capaz de determinar a desempenho profissional de alguém Nenhum desses fatores tem a ver com suas habilidades ou capacitação para o trabalho para o qual foi contratado. Qualquer referência nesse sentido é injusta e discriminatória, que exigem o encaminhamento adequado, dentro dos ditames da legislação vigente. VI
  • Diante de qualquer assédio a vítima tende a sentir vergonha, muitas vezes sofre calada, com medo de enfrentar constrangimentos ou de perder o emprego. A vítima do assédio ou bullying perde a confiança nas figuras de autoridade (pais, professores, chefes, etc.) - quanto mais se retrai e evita falar sobre o ocorrido, mais problemas trás para sua saúde. A pessoa em tal situação tende a se isolar, a perder o interesse por coisas que gostava de fazer, com a auto-estima cada vez mais baixa podem surgir problemas físicos e psicológicos, como estresse, depressão, síndrome do pânico, transtorno obsessivo compulsivo, até mesmo o suicídio. 03/06/2014 29J.Gretzitz
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 30 A melhor forma de resolver esses problemas que eventualmente ocorrem na empresas é o diálogo franco e aberto e respeitoso entre empregado e patrão, chefes e subordinados. Mas, se você vem sofrendo com alguma dessas formas de assédio, você deve procurar o seu patrão, o empregador e conversar com ele a respeito. Não é uma coisa de todo fácil de fazer, contudo, imprescindível para que se possa manter boas relações de trabalho. Pode ser que o patrão/empregador nem mesmo perceba que estão lhe importunando, ferindo ou humilhando.
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 31 Uma ótima recomendação é que você procure o patrão num tempo livre, em um momento de calma e faça-o saber que você tem algumas questões a serem resolvidas e, então, calmamente exponha as questões de forma honesta e aberta. Tenha sempre em mente que tendo respeito por você mesmo e pelas suas próprias necessidades você vai permitir ao patrão ver que você está disposto a dar o melhor de si pelo trabalho. Caso a tentativa de diálogo não alcance o resultado esperado procure encaminhar a questão dentro da cadeia de comando da empresa ou busque a ajuda dos profissionais do RH e logo o socorro jurídico.
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 32
  • O problema vem sendo cada vez mais discutido e enfrentado em diversos países, que criminalizam o assédio moral no trabalho. No Brasil, diversos são os órgãos que procuram conscientizar os trabalhadores sobre seus direitos por meio de cartilhas, material de divulgação na imprensa e palestras para o público estudantil e trabalhadores em geral, além de oferecem programas de prevenção nas escolas. 03/06/2014 33J.Gretzitz
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 34 A principal preocupação das organizações de proteção aos direitos humanos e dos direitos do trabalhador está relacionada aos malefícios do assédio moral/sexual para a saúde do trabalhador Pelo mesmo motivo vemos o forte engajamento do Empresariado e governos para o desenvolvimento de práticas preventivas ao assédio moral e sexual – isso em razão dos enormes prejuízos que tal prática criminosa acarreta... Vejamos os dados estatísticos a seguir: ENTENDENDO A GRAVIDADE DO PROBLEMA
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 35 CONSEQUÊNCIAS PARA A SAÚDE DA VÍTIMA
  • 03/06/2014 J.Gretzitz 36 RECOMENDAÇÕES PARA UMA CORRETA POLÍTICA ANTIASSÉDIO NO AMBIENTE CORPORATIVO : Disseminação de informações sobre o assédio moral no trabalho, sua prevenção e gerenciamento nas diversas formas e ocasiões, direcionadas a todos os integrantes da empresa, inserindo questões conceituais e procedimentais para a redução do risco e enfrentamento de casos; e contatos dentro da empresa. Campanhas de sensibilização, newsletter, manuais, palestras, comunicação via intranet, e-mail, textos em revistas e periódicos da empresa, treinamentos, Boletins informativos e etc. Com respeito aos direitos individuais, não é apropriado incluir como exemplo casos específicos do local de trabalho ou resultados de sindicâncias... Fornecer informações sobre as boas práticas e exemplos positivos. Os trabalhadores, funcionários e profissionais em geral devem ser treinados juntamente com gerentes e supervisores sobre como seguir os procedimentos estabelecidos para reduzir o risco de assédio moral/sexual no trabalho. Fonte: European Agency for Safety and Health at Work (2002); Beswick et al. (2006).
  • -Assédio Moral e Sexual na Empresa, Batista N., AG Book, São Paulo - Gestão de Pessoas – Manual de Rotinas Trabalhistas, Pontelo J. e Cruz L., Editora SENAC, Brasília-DF, 2010. -Universidade Federal de Santa Catarina / Núcleo de Estudos do Trabalho e Constituição do Sujeito - http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=430 e www.assediomoral.org Fonte de referência: 03/06/2014 37J.Gretzitz
  • “O grupo é sempre mais forte física, psicológica e socialmente do que um indivíduo isoladamente” 03/06/2014 38J.Gretzitz