PROJETO DE APRENDIZAGEM
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

PROJETO DE APRENDIZAGEM

on

  • 608 views

Projeto de Aprendizagem do Curso de Informatica Educativa - CECIERJ - 2012

Projeto de Aprendizagem do Curso de Informatica Educativa - CECIERJ - 2012

Statistics

Views

Total Views
608
Views on SlideShare
608
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

PROJETO DE APRENDIZAGEM PROJETO DE APRENDIZAGEM Document Transcript

  • Informática Educativa I :: Projeto de AprendizagemTítulo: TRIGONOMETRIA NO MUNDO CONTEMPORÂNEONome do Aluno: JULIO CESAR FACINA NETTO1. Disciplina e anos envolvidos:Razões trigonométricas no Triângulo Retângulo – primeiro ano do ensino médio..2. Tema central :- Utilizar as razões trigonométricas para calcular o valor do seno, co-seno e tangente, dosângulos de 30°, 45° e 60°- Resolver problemas do cotidiano envolvendo as razões trigonométricas.- Utilizar os teoremas do seno e do co-seno para resolver problemas significativos3. Temas de apoio:- Teorema de Pitágoras.- Teorema de Tales- Relações métricas no triângulo retângulo4. Justificativa:Os alunos da primeira série do ensino médio vem com dificuldades imensas em geometria.Contudo, apesar das questões ligadas a área de volume serem importanes fontes deraciocínio, o trabalho algébrico exigido pelos estudos de seno, cosseno e tangente propiciamuma valorização de outras matérias do currículo e montar exemplos com aplicações práticas.5. Objetivos gerais e específicos:A idéia central é mostrar aos alunos a aplicação prática dos conhecimentos geométricos nodia a dia, mostrando que relações métricas do triângulo facilitam a dedução de distâncias,proporções e uso na física. Com relação aos objetivos específicos, buscar-se-á mostrar umuso efetivo da matemática em outras áreas da ciência. Cálculos da velocidade, vetores,cinemática, movimentos circulares, etc, poderão ser melhor entendidos na medida em que osalunos não percam tempo “aprendendo” as leis do seno, cosseno e tangente, voltando seusesforços para compreender os conceitos destacados nas aulas de Cinemática e afins.6. Enfoque pedagógico :Como sabemos, a Trigonometria é um importante estudo relacionado aos princípiosMatemáticos. São muitas leis angulares e trigonométricas, e acaba sendo responsável pelodesinteresse de muitos alunos. Esse desinteresse aumenta na medida em que os professoresnão ensinam os conteúdos trigonométricos, embutindo em seus planejamentos apenassituações básicas. O resultado é uma rejeição dos alunos, que se inicia no ensinofundamental, atravessa o ensino médio e chega aos cursos superiores ligados à área deexatas, com altos percentuais de desistência.O aluno que não se desenvolveu com certa base de estudos sobre esses assuntos, comcerteza terá dificuldades extremas no ensino superior. Diante disso, a escola, juntamentecom o professor de Matemática, precisa criar algum tipo de estrutura de aprendizado capazde reverter esse quadro.O primeiro, que já vem sendo feito, através da implementação do currículo mínimo de 2012,é ensinar a trigonometria a partir do 9º ano do Ensino Fundamental, antecipando osfundamentos básicos sobre seno, cosseno e tangente no triângulo retângulo e, se possível,no círculo trigonométrico.No Ensino Médio, procurar estabelecer uma sequência de estudos, que, de forma eficaz,promoverá com os alunos um excelente entendimento. Estimule os alunos quanto à resolução 1
  • cotidiana de exercícios, uso de tecnologia, softwares educacionais e demonstrando assim aimportância da Trigonometria na Engenharia.7. Recursos tecnológicos:Utilizarei softwares educacionais, tais como Régua e Compasso e Geogebra. Mostrando assimque não é preciso gastar energia com desenhos e verificando que o objetivo é ver o uso eaplicação dos conceitos.Será imprescindível a instalação de Quadro Digital, ou pelo menos Datashow em sala, paraque possa ser apresentado aos alunos situações mais ricas que apenas quadro, giz e pilot.O Vídeo também será utilizado. O vídeo “Pato Donald no mundo da matemágica” é umdaqueles instrumentos que não podem faltar nesta fase do aprendizado.Os alunos precisarão fazer pesquisas na internet, e com Datashow apresentar os resultadosem sala.8. Etapas e suas estratégias de realização:1) Em sala, utilizando aulas padrão farei uma revisão de conceitos básicos, mostrando aosalunos as relações métricas no triângulo retângulo.2) Utilizando os recursos de vídeo, pretendo mostrar alguns filmes que destaquem aaplicação de trigonometria e ângulos na solução de problemas.3) Na sala de informática pretendo introduzir o aluno no mundo dos softwares educacionais.Não pretendo dar aulas de informática, mas, apenas mostrar os conceitos que podem serverificados visualmente utilizando o conceito da suficiência.4) Utilização de lousa digital e datashow pretendo que os alunos montem comigo situaçõesproblema e sua solução.5) Alguns trabalhos com explanação feita pelo aluno, mostrando aplicações da trigonometriano “seu” dia a dia serão explorados. Não vou abandonar a aplicação de provas, assim,aplicarei pelo menos um Teste de aplicação de conceitos.9. Definição de papéis:Seguindo a linha construtivista, o uso de tecnologia, grupos de trabalho e softwareseducacionais, dentro do conceito de Web 2.0 e facilidade de acesso a internet e a redessociais, o professor deixa de ser um “dono” do conhecimento para ser um mediador junto aosalunos. O Aluno por sua vez experimenta uma inversão de seu papel no processo. Com ummaior volume de questionamentos.Podemos citar, para ilustrar:"Temos encontrado que esta inversão de papéis pode ser muito significativa. Quando oaprendiz é desafiado a questionar, quando ele se perturba e necessita pensar para expressarsuas dúvidas, quando lhe é permitido formular questões que tenham significação para ele,emergindo de sua história de vida, de seus interesses, seus valores e condições pessoais,passa a desenvolver a competência para formular e equacionar problemas. Quem consegueformular com clareza um problema, a ser resolvido, começa a aprender a definir as direçõesde sua atividade." (Léa Fagundes, Aprendizes do Futuro) 2
  • 10. Sites e bibliografia de apoio:http://pt.wikipedia.org/wiki/Projeto_de_aprendizagemhttp://programaamigodevalor.ning.com/?utm_source=google&utm_medium=cpc&utm_term=educacao&utm_campaign=amigo_valorhttp://stg2.novoser.com.br/SER_PP%20CDConvSim/000895/trigonometria4.swfhttp://www.serprofessoruniversitario.pro.br/m%C3%B3dulos/metodologia-da-pesquisa/instrumentos-de-coleta-de-dados-em-pesquisas-educacionais#.UHm5N2-jatZhttp://www2.mat.ufrgs.br/~mat01074/20072/grupos/quefren_queops/tutorial_rec.htmhttp://www2.mat.ufrgs.br/~mat01074/20072/grupos/quefren_queops/lista_rec.htm11. Coleta de dados:Para que o projeto tenha o êxito esperado, é importante que sejam feitos levantamentos dequalidade. Existem diversos processos de coleta de dados, seguem alguns que serãoutilizados.a) Questionários.Podem ser desenvolvidos para medir atitudes, opiniões, comportamento, circunstâncias davida do estudante, e outras questões. Quanto à aplicação, os questionários fazem uso demateriais simples como lápis, papel, formulários, etc. Podem ser aplicados individualmenteou em grupos. Pode incluir questões abertas, fechadas, de múltipla escolha, de respostanumérica, ou do tipo sim ou não. Os questionários, aplicados em sala permitirão saber emque contexto o conhecimento será aplicado.b) Entrevistas.É um método flexível de obtenção de informações qualitativas sobre um projeto deaprendizagem. Este método requer um bom planejamento prévio e habilidade do professorpara seguir um roteiro de questionário, com possibilidades de introduzir variações que sefizerem necessárias durante sua aplicação. Tanto alunos como pares e outros professores daescola podem participar das entrevistas. Eventualmente alguns profissionais de outrasescolas também podem ajudar. Em geral, a aplicação de uma entrevista requer um tempomaior do que o de respostas a questionários.O desenvolvimento de questões para entrevista deve considerar alguns aspectos, para queseja efetiva, tais como: (i) adaptar a linguagem ao nível do entrevistado; (ii) evitar questõeslongas; (iii) manter um referencial básico (objetivo) para a entrevista; (iv) sugerir todas asrespostas possíveis para uma pergunta, ou não sugerir nenhuma (para evitar direcionar aresposta).Algumas habilidades desejáveis no entrevistador são: (i) conhecimento do asssunto objetoda entrevista; (ii) capacidade de síntese e decisão; (ii) boa comunicação oral; (iii) colocação 3
  • imparcial perante o entrevistado e (iv) auto-controle emocional. 4
  • c) Observação DiretaEste método de coleta de dados baseia-se na atuação do professor para obter determinadostipos de informações sobre resultados, processos, impactos, etc. Requer um sistema depontuação muito bem preparado e definido.A observação direta depende mais da habilidade do professor em captar informação atravésdos 5 sentidos, julgá-las sem interferências e registrá-las com fidelidade do que dacapacidade das pessoas de responder a perguntas ou se posicionar diante de afirmações. Emgeral, este método é aplicado através de uma atuação fria do professor que avalia o contextoonde os alunos estão inseridos, sua faixa etária, situação dentro do fluxo escolar, etc.d) Registros Institucionais (ou Análise Documental)Uma das primeiras fontes de informação a serem consideradas é a existência de registros naprópria escola, sob a forma de históricos escolares, documentos, fichas, relatórios,planejamentos, provas, trabalhos ou arquivos em computador. O uso de registros edocumentos já disponíveis reduz tempo e custo de pesquisas para avaliação. Além disto, estainformação é estável e não depende de uma forma específica para ser coletada. Deve serobservado que, na maioria das vezes, já existe uma grande quantidade de informação nasescolas e cujo uso para fins de avaliação tem sido muito pouco efetivo.Vou utilizar também os Livros didáticos do primeiro ano do ensino médio do Manoel Paiva,que é o livro atualmente em uso na minha escola. Tenho uma pequena biblioteca com livrosantigos e mais profundos, que pretendo usar em sala para exemplificar as diversas visõessobre o mesmo assunto.Dependendo do desenvolvimento da área de registro da escola e implantação de sistemas deregistro eletrônico de currículos aplicados, pode haver alguma dificuldade com esta técnica,pois: (i) nem todos os dados estão completos (por exemplo: registros de 2 anos atrás nãoestão completos); (ii) os dados disponíveis estão excessivamente agregados, dificultandoseu uso; (iii) mudanças de padrões com o tempo inviabilizam a comparação entre dadosobtidos em épocas diferentes e (iv) Dados só são disponíveis para uso confidencial. 5
  • RESUMO: Técnica de Coleta Pontos Fortes Pontos Fracos Questionário - Garante o anonimato - Baixa taxa de respostas para questionários - Questões objetivas de fácil pontuação enviados pelo correio - Questões padronizadas garantem uniformidade - Inviabilidade de comprovar respostas ou escla- - Deixa em aberto o tempo para as pessoas pensarem recê-las sobre as respostas - Difícil pontuar questões abertas - Facilidade de conversão dos dados para arquivos de - Dá margem a respostas influenciadas pelo computador “desejo de nivelamento social”(*) - Custo razoável - Restrito a pessoas aptas à leitura - Pode ter itens polarizados/ambíguos Entrevista - Flexibilidade na aplicação - Custo elevado - Facilidade de adaptação de protocolo - Consome tempo na aplicação - Viabiliza a comprovação e esclareci mento de res- - Sujeita à polarização do entrevistador postas - Não garante o anonimato - Taxa de resposta elevada - Sensível aos efeitos no entrevistado - Pode ser aplicada a pessoas não aptas à leitura - Características do entrevistador e do entre- vistado - Requer treinamento especializado - Questões que direcionam a resposta Observação Dire- - Capaz de captar o comportamento natural das pes- - Polarizada pelo observador ta soas - Requer treinamento especializado - Minimiza influência do “desejo de nivelamento so- - Efeitos do observador nas pessoas cial” - Pouco confiável para observações com - Nível de intromissão relativamente baixo inferências complexas - Confiável para observações com baixo nivel de infe- - Não garante anonimato rência - Observações de interpretação difícil - Não comprova/esclarece o observado - Número restrito de variáveis Registros - Baixo custo - Dados incompletos ou desatualizados Institucionais - Tempo de obtenção é reduzido - Excessivamente agregados (Análise Docu- - Informação é estável - Mudanças de padrões no tempo mental) - Uso restrito (confidencialidade) - Dados difíceis de recuperar 6
  • Seleção do material:Pretendo usar em maior grau os questionários e a observação direta. Infelizmente asEntrevistas podem não ser possíveis devido a dificuldades de tempo. Quanto aos registrosinstitucionais, é outro problema grave, devido a forma com isto funciona atualmente. A poucotempo a SEEDUC vem montando uma estrutura eletrônica de dados curriculares aplicados.Existem muitas facetas no nosso corpo discente, com alunos que estão agora retornando aosestudos. Assim, espero que nos questionários e em eventuais trabalhos, provas e livroscitados pelos alunos eu possa montar um roteiro próximo do ideal.13. Programação visual:Usando o site da abril educação por exemplo, (http://stg2.novoser.com.br/SER_PP%20CDConvSim/000895/trigonometria4.swf) e softwares de geometria dinâmica, tais como REGUAE COMPASSO e GEOGEBRA, a programação visual fica facilitada, na medida em que não setorna necessária a criação de diversas telas e contextos. O trabalho será interativo, com aparticipação dos alunos nos resultados obtidos. Farei apresentações em sala de aula, comenvolvimento dos alunos.14. Meios para a execução:Uso do Datashow e de projeções. Vou formar grupos com os alunos que apresentarão cadagrupo um trabalho de Trigonometria. Vou dividir o assunto em partes, de forma que cadagrupo mostre uma das partes, assim, de forma concatenada, o que um grupo apresentarservirá de subsídio para o que o próximo grupo vai expor. Este tipo de ferramenta já foiutilizada por mim em outras oportunidades com sucesso. Não vou utilizar o laboratório deinformática.15. Avaliação:Apresentação de Trabalho expositivo utilizando tecnologia = 5,0 pontosTeste = 3,0 pontosDiscussões em sala = 1,0 pontoParticipação nas discussões = 1,0 ponto.16. Cronograma:Discussão em grupo (toda a turma) sobre o projeto de trigonometria – 1 aulaInicio do levantamento da coleta de dados (toda a turma) – 2 aulasAulas expositivas do professor sobre a matéria, utilizando quadro e datashow – 3 aulasExercícios em sala, dividindo a turma em grupos – 2 aulasAplicação dos trabalhos em grupo, com apresentações utilizando recursos de TI – 3 aulasTeste de conhecimento individual – 1 aulaTotal: 12 aulas, ou 3 semanas. 7