Os Média Hoje: História da Blitz

  • 761 views
Uploaded on

Trabalho acerca da magazine BLITZ!

Trabalho acerca da magazine BLITZ!

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
761
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Instituto do Emprego e Formação Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE SINTRA VIVER EM PORTUGUÊS Os Media hojeMEIO DE COMUNICAÇÃO: ESCRITO – REVISTA REVISTA BLITZ!
  • 2. Índice INTRODUÇÃOHISTÓRIA/DEMONSTRAÇÃOPERIODICIDADE/TIRAGEM POPULARIDADE DIRECÇÃO/ECONOMIA EXEMPLOS DE CAPAS DAREVISTA BIBLIOGRAFIA CONCLUSÃO
  • 3. IntroduçãoPretendo, com este trabalho, apresentar um dos meios de comunicação queainda hoje em dia é muito utilizado a nível nacional, independentemente doavanço das novas tecnologias – o meio de escrita – neste caso, a Blitz: Em tempos, um jornal, hoje – uma revista, talvez a mais conhecida e culta na área musical no nosso país.
  • 4. HistóriaA revista intitulada Blitz, sendo anteriormente um jornal, é de origem portuguesa e destina-se a revelar as novidades do mundo da música a nível profissional, sendo forte em termos culturais (quanto à cultura jovem).Durante vários anos até à actualidade, destaca-se a Blitz como sendo o único jornal dedicado à música publicado semanalmente em Portugal. No estatuto editorial, publicado na primeira edição no dia 6 de Novembro de 1984, afirmava-se: “ O nosso projecto baseia-se em fornecer ao leitor o máximo de informação e procurar fazer a divulgação das mais atraentes aventuras da música contemporânea. ” Esta é a capa do primeiro número do Blitz (jornal).
  • 5. Ao BLITZ se deve, em grande parte, a afirmação da juventude como criadora e consumidora de uma culturaautónoma, através da música, do cinema e de muitas outras importantes manifestações estéticas das últimas duas décadas.No que respeita ao seu conteúdo, o BLITZ assume-se comoum jornal do seu tempo e do tempo vindouro, moderno e deleitura fácil, abrangendo os mais diversos géneros musicais de origem nacional e internacional, ao mesmo tempo que dedica parte do seu espaço a outras actividades artísticas que muito tocam a população jovem.
  • 6. Julho de 1992: A Blitz reforça o seu projecto editorial, pois é adquirida pela Controljornal (actual Grupo Impresa), sendo que este proporcionou-lhe uma tecnologia avançada para o tratamento de cor, transportando o jornal para uma nova fase do seu crescimento e a afirmação próxima do seu público-alvo. Abril de 1995: São lançados os Prémios de Música BLITZ, sendo estes uma iniciativa inédita no nosso país, que, pela primeira vez, e até 2001, premiou as melhores edições discográficas e as melhores intervenções artísticas através davotação de um júri constituído por mais de 200 músicos e profissionais da indústria discográfica e dos media.
  • 7. Julho de 2003: A BLITZ deu forma a uma das mais ambiciosas manobras da suaexistência – entrou numa nova fase que passou pela reformulação gráfica e editorial de alguns conteúdos, isto é, passou a estar nas bancas com uma imagem renovada,contemporânea e dinâmica, tudo para ilustrar um conteúdo cada vez mais interessante para o leitor, e com o objectivo de aperfeiçoar uma imagem que parecia relativamente gasta, segundo o director do jornal. Este ano marcou o alargamento significativo da visibilidade do BLITZ, passando oconteúdo do jornal a ser mostrado em antecipação em meios como a rádio e a televisão.
  • 8. 2004: É comemorado o 20º aniversário do jornal.Abril de 2006: O jornal (1984-2006) cessa durante algum tempo, passando depois a ser editado no formato de revista, continuando a ser publicada até hoje.
  • 9. Actualmente, a Blitz está expandida pelos diversos meios de comunicação, não só sendopublicada em revista, mas assim como também é apresentada como programa de rádio,programa televisivo (Blitz TV) e online (site da Blitz: http://blitz.aeiou.pt ). A Blitz TV estreou em Maio de 2010 na SIC Notícias, tendo como foco principal as notíciasdo mundo da música, entrevistas, concertos e destaques musicais. Com periodicidade semanal, o formatotelevisivo tem uma duração entre 15 e 20minutos, produzido pela SubFilmes, e temdireito a quatro repetições ao longo dasemana.
  • 10. Notícias, Fórum, Agenda, Festivais, Artistas de A a Z, Classificados, Galerias, Blitz TV, Edição Impressa, F.A.Q. são as secções e conteúdos que este sítio oferece. Permite ligação aos sítios do Expresso, da Visão, entre outros.
  • 11. Periodicidade/Tiragem Periodicidade: Mensal (a partir de 21 de Junho de 2006) Tiragem: A média de exemplares vendidos por edição é de 13.289.A Blitz, ainda em formato de jornal, cessou em 2005 com uma circulação paga de 6.802 exemplares, menos 1.153 do que em 2004, o que representou uma queda de 14,5%.
  • 12. Popularidade A BLITZ mantém a liderança no segmento Cultura & Espectáculos (2011), sendo a maisvendida, e estando à frente da Time Out e da Première. Os resultados divulgados pela Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem eCirculação - respeitantes ao período entre janeiro de agosto de 2011 apontam para umacirculação paga média (revistas vendidas por edição) acima dos 13 mil exemplares.
  • 13. Com uma certa predominância de leitores do sexo masculino, o público da BLITZ pertencena sua grande maioria à classe C1, sendo estudante, possuindo alguma ligação a actividades musicais e artísticas, e situando-se essencialmente nos grandes centros urbanos, com particular incidência em Lisboa, Porto e Setúbal, estendendo-se ainda a cidades como Coimbra, Braga e Aveiro.
  • 14. Direcção/ A Blitz, enquanto jornal, foi fundado em Novembro de 1984 pelos jornalistas: Manuel Falcão, que foi o seu primeiro director (estando hoje numa agência de meios, aNova Expressão); Rui Monteiro (assumiu o cargo de director em Setembro de 1988; encontra-seactualmente na Time Out); Cândida Teresa (directora gráfica até ao final de 1999); Um profissional da indústria discográfica - João Afonso – o qual abandonou a publicaçãoem 1985, e tinha no seu quadro inicial colaborações de, entre outros, António Pires, LuísPinheiro de Almeida, Luís Vitta, Ana Cristina Ferrão, Rui Neves, e fotografia de AlfredoCunha e Luís Vasconcelos.
  • 15. Actualmente, Miguel Francisco Cadete é o novo director da Blitz desde 2006, após o seudirector interino, Vítor Rainho, ter renunciado ao cargo. Alguns dos seus objectivos, enquanto director, são o reforço da marca Blitz", a reactivaçãodos prémios do jornal e a reformulação do site. Miguel Cadete também é crítico de música no Expresso, sendo que, no passado, já tinhaintegrado a redacção do Blitz (anos 80). Foi também crítico musical do jornal Público. A Blitz é propriedade do grupo Impresa, que também detém o Expresso. "Constatou-se que era inviável um jornal de música semanal em Portugal" , disse Cadete. A decisão desta reformulação deveu-se à quebra de circulação do jornal nos últimos anos e à tentativa de seguir, por outro lado, a tendência dos mercados internacionais.
  • 16. Proprietária/Editora: Medipress - Sociedade Jornalística e Editorial, Lda.Conselho de Gerência: Francisco Pinto Balsemão, Pedro Norton, Francisco Maria Balsemão, José Carlos Lourenço, Mónica Balsemão, Paulo de Saldanha Composição do Capital da Entidade Proprietária: Impresa Publishing, SA - 100% Secretária de Direcção Ana Paula Fernandes Directora Comercial Maria João Peixe Dias Director Coordenador de Publicidade Manuel Geraldes Coordenador de Publicidade Hugo Rodrigues
  • 17. Algumas das publicações da revista:
  • 18. Bibliografia http://pt.wikipedia.org/http://www.facebook.com/blitz.pt?sk=info http://blitz.aeiou.pt/ http://guedelhudos.blogspot.com http://anos80.no.sapo.pt/ http://www.online24.pt/ http://www.ginamacedo.koizo.org/ http://acultura.no.sapo.pt/ http://www.impresapublishing.pt http://jpn.icicom.up.pt
  • 19. Conclusão Após uma viagem ao mundo da Blitz, pode-se ter uma visão positiva a nível de sucesso, no que se refere aos seus objectivos, conteúdos e popularidade. A tal revista, poder-se-á concluir que a esta se deve, maioritariamente, a afirmação da juventude como sendo criadora e consumidora de uma cultura autónoma, através da música e outras artes nos últimos anos.Ler a Blitz é ser transportado para o mundo da música que todos crescemos a ouvir.
  • 20. Trabalho realizado por: Sara Coelho Nº 18 TI28