Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem

on

  • 15,071 views

 

Statistics

Views

Total Views
15,071
Views on SlideShare
15,071
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
279
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Quero saber como faço para salvar este aquivo completo. Tem como você me enviar por Email?
    atenciosamente
    Rayana
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem Prescrição de medicamentos durante a consulta de enfermagem Presentation Transcript

  • Prescrição de Medicamentosdurante a Consulta deEnfermagem
  • Novo contextoO trabalho de enfermagem tornou-se maistécnico e mais especializado e o enfermeiropassou a ter maior destaque como membroda equipe multidisciplinar, com seu própriocorpo de conhecimentos para a prestaçãode cuidados ao cliente.
  • Novo contextoContexto: Contenção de custos para a saúde e, Aumento da demanda para novos edispendiosos tratamentosEnfermeiros vêm desenvolvendo seu papel de formainovadora, ora expandindo ora estendendo suasfunções, e a prescrição de medicamentos pode servista como uma dessas inovações da profissão deenfermagem, que vem sendo implementada na práticados enfermeiros em muitos países, desde o início dadécada de 1990.
  • Modelos de EnfermeirosPrescritores1) Independente, autônomo ou substitutivo;2) Dependente, colaborador, semi-autônomo, complementar ou suplementar;3) Grupo protocolo4) Prescrição alterando horário e dosagem.
  • Independente, autônomo ousubstitutivo O profissional de saúde assume toda a responsabilidadepela avaliação do cliente, usualmente fazendo umdiagnóstico diferencial dentro de uma série depossibilidades sugeridas pelos sinais e sintomas e indicaa medicação e tratamento adequados, efetuando aPRESCRIÇÃO. Essa categoria de prescritor, na maioria dos países, élimitada a médicos, dentistas e veterinários, mas tambémenfermeiros em vários países têm esse direito. Exemplo: muitos estados dos Estados Unidos.
  • Dependente, colaborador, semi-autônomo, complementar ousuplementar O prescritor dependente é aquele que pode prescrever emcolaboração com o prescritor independente, geralmentemédico, mas sem necessidade de supervisão direta. Não assume a responsabilidade pelo diagnóstico ou examede avaliação do cliente. É muito útil nas consultas subseqüentes do cliente, após elejá ter passado por um médico na primeira consulta. Mas, oenfermeiro não deve se limitar a repetir a medicação, poisdeve ter competência para alterar alguns aspectos daprescrição, como dose ou freqüência.
  • Grupo protocolo Segue uma instrução escrita específica para administraçãode determinados medicamentos em uma determinadasituação clínica. Essa instrução pode ser elaborada dentro de qualquerinstituição, pública ou privada, e aprovada pelo dirigentelocal. É aplicado para grupos de clientes ou usuáriospreviamente identificados. Usado no Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia e Brasil. Não deve ser visto como prescrição independente, porqueapenas permite que o enfermeiro prescreva medicamentosdentro dos termos de um determinado protocolo.
  • Prescrição alterando horário edosagem O protocolo é por cliente e não por grupo e admite queenfermeiros alterem o horário e a dose demedicamentos específicos. É modelo comumente usado por enfermeiros atuandocom pacientes psiquiátricos, diabéticos e de cuidadospaliativos. Esse tipo também não é caso de prescriçãoindependente, mas administração de medicação sob aautoridade e responsabilidade do médico.
  • Países e Características Suécia Austrália Canadá Estados Unidos Reino Unido Nova Zelândia África do Sul Botsuana Irlanda Quêniaa) forte liderança e uma organização de enfermagemem nível nacional bem articulada e com experientese ativos lobistas que obtiveram a aprovação de leisb) sistema educacional na enfermagem que deu acapacitação, confiança e competência para assumiro direito de prescrever.c) um sistema de saúde e de enfermagemcomunitária bem estabelecida, com práticas efunções avançadas para enfermeiros.A prescrição de medicamentos por enfermeirosconstituía uma atraente opção para promover aassistência à saúde com recursos existentes econtenção de custos.CIE – Conselho Internacional de Enfermeiras
  • A Prescrição de Medicamentos porEnfermeiros no BrasilCOFEN: Lei do Exercício Profissional nº 7.498/86 Resolução n.º 195, de 18 de fevereiro de 1997 Resolução n.º 271, em 12 de Julho de 2002 Decreto 94.406/97
  • A legislação brasileira do Exercício Profissional deEnfermagem (Lei n.º 7.498, de 25 de Junho de1986) prevê a prescrição de medicamentos porenfermeiros, como integrantes da equipe desaúde, quando previamente estabelecidos emprogramas de saúde coletiva e em rotinaaprovada por instituição de saúde.LegislaçãoLei N.º 7498, em 25 de Junho de 1986
  • Regulamenta ações do enfermeiro: na consulta, prescrição de medicamentos e requisição de exames.O enfermeiro tem autonomia na escolha dosmedicamentos e respectivaposologia, respondendo integralmente pelosatos praticados.LegislaçãoResolução N.º 271, em 12 de Julho de 2002
  • Essa resolução encontra-se respaldada:Programas do Ministério da Saúde: Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS daCoordenadoria de Assistência à Saúde; Viva Mulher; Assistência Integral; Saúde da Mulher e da Criança; Controle de Doenças Transmissíveis, dentre outros.LegislaçãoResolução N.º 195, de 18 de fevereiro de 1997
  • Essa resolução encontra-se respaldada:Manuais de Normas Técnicas publicados pelo Ministério: Capacitação de enfermeiros em Saúde Pública para Sistema Únicode Saúde Controle das Doenças Transmissíveis; Pré-natal de baixo risco (1986); Capacitação do instrutor/supervisor enfermeiro na área de controleda hanseníase (1988); Procedimento para atividade e controle da tuberculose (1989); Normas Técnicas e Procedimentos para utilização dos esquemas depoliquimioterapia no tratamento da hanseníase (1990); Guia de controle de hanseníase (1994); Normas de atenção à saúde integral do adolescente (1995)LegislaçãoResolução N.º 195, de 18 de fevereiro de 1997
  • LegislaçãoPortaria MS n. 648/2006, regulamenta a PolíticaNacional de Atenção Básica e a execução daEstratégia Saúde da Família.Portaria MS 1625/2007
  • Consulta de EnfermagemCompreende: histórico (entrevista), exame físico, diagnóstico de enfermagem, prescrição de enfermagem e evolução de enfermagem.Resolução COFEN N. 272/2002
  • A prescrição de medicamentos porenfermeiros não pode ser vista como umaatividade isolada, mas algo complementar àconsulta de enfermagem, com os objetivos deconhecer e intervir sobre os problemas desaúde/doença, englobando outras ações, taiscomo a solicitação de exames de rotina ecomplementares.Consulta de Enfermagem xPrescrição de Medicamentos?
  • Equipe de Saúde daFamília A Enfermagem tem exercido papel fundamental nodesenvolvimento do processo de cuidar nesta novaestratégia de saúde. Sua função peculiar de prestar atenção à comunidade edesempenhar atividades de promoção e educação emsaúde, manutenção e recuperação da saúde, prevençãoàs doenças, tratamento e reabilitação têm condicionadoaos Enfermeiros, grande autonomia no exercer daAPS, resultando numa significante ascensão social epolítica da profissão.
  •  Se a consulta de enfermagem é realizada como fim emsi mesma, ou seja, se não está inserida visando aobjetivos epidemiológicos e programáticos, torna-sereprodutora do modelo biomédico de assistência. Além disso, se essa consulta se centra namedicalização da assistência de Enfermagem e docliente, transforma-se numa pseudo-consulta médicabaseada no modelo clínicocurativo de assistência àsaúde individual.(XIMENES NETO et al, 2007)
  • PROTOCOLOSMinistério da Saúde
  • SAÚDE DA MULHER
  • PRÉ – NATAL DE BAIXO RISCODoenças e Agravos: Anemia Ferropriva Infecção Urinária IST Escabiose VômitosMedicamentos da Farmácia Básica: SULFATO FERROSO ÁCIDO FÓLICO METROCLOPRAMIDA
  • PRÉ - NATAL Anemia Hemoglobina < 11 g/dl e > 8 g/dl: diagnóstico deanemia leve a moderada. Solicitar exame parasitológico de fezes e tratarparasitoses, se presentes Prescrever sulfato ferroso em dose de tratamento deanemia ferropriva (120 a 240 mg de ferroelementar/dia), de três a seis drágeas de sulfatoferroso/dia, via oral, uma hora antes das principaisrefeições. SULFATO FERROSO: um comprimido = 200 mg, oque corresponde a 40 mg de ferro elementar.
  • RECEITUÁRIOR/1- sulfato ferroso ------ 200mg------ 30cpsUso: 01 comp. Via oral uma horaantes do almoço.2- Ácido fólico ----- ------- 30cpsUso: 01 comp. Via oral antes doalmoço.AssinaturaCorenData
  • PRÉ - NATAL HematêmeseAntiemético Metoclopramida –10 mg de 4/4 h;RECEITUÁRIOR/1- Metroclopramida ------ 10mg------ 10cpsUso: 01 comp. Via oral de 4/4horas.AssinaturaCorenData
  • ABORDAGEM SINDRÔMICAMedicamentos da Farmácia Básica: NISTATINA creme vaginal MICONAZOL creme vaginal METRONIDAZOL creme vaginal METRONIDAZOL comp. 250mg METRONIDAZOL comp. 500mgPreventivo: Processo Inflamatório Gardenerella vaginallis Lactobacilos Cocos
  • Planejamento Familiar Norestin(noretisterona) Ciclo 21(levonorgestrel+ etinilestradiol) Mesigyna ContracepNorestin --------------------------- 1 cxUso: 01 comp. Via oral diariamenteno mesmo horário.Injetável mensalUso: 01 dose com validade de 28 a30 dias.Injetável trimensalUso: 01 dose com validade deaproximadamente 3 meses.OBS: seguir tabela da medicação.
  • ACOPrimeira cartela:Inicia as doses diárias no terceiro ouquarto dia da menstruação; após os 21comprimidos e 21 dias aguarda sete a oitodias para iniciar a próxima cartela;Planejamento Familiar
  • SAÚDE DO ADULTO
  • DiabetesFármaco PosologiaMetformina 500mg a 2550gr, fracionada em 1 a 3 vezes ao dia, nas refeiçõesSulfoniluréiasGlibenclamida 2,5mg a 20mg, 1 a 2 vezes ao dia, nas refeições.Glicazida 2,5 a 20 mg, 1 a 3 vezes ao dia, nas refeições.40mg a 320mg, 1 a 2 vezes ao dia, nas refeições.InsulinaNPH 10 U NPH ao deitar (ou 0,2U/kg), aumento gradual de 2U; reduzirem 4U quando houver hipoglicemia. Se necessário, adicionar 1 a 2injeções diárias.Regular Em situações de descompensação aguda ou em esquemas deinjeções múltiplas
  • HipertensosGrupos e representantes Dose diária(mg)Intervalo dedose (h)RiscosDiuréticosTiazídicosHidroclorotiazidaDe alçaFurosemida12,5 – 5020 - 3202412-24Hipocalemia, hiperuremiaHipovolemia, hipocalemiaAntagonistas adrenérgicosBloqueadores betaPropanolol 80 - 320 6-12Broncoespasmo, doençaarterial periférica,bradiarritmiasAntagonistas do SRAInibidores da ECACaptoprilEnolapril80 – 32012,5 – 1505 – 406-1212-24Tosse, hipocalemia
  • HANSENÍASE
  • HANSENÍASE Paucibacilar : 06 cartelas
  • HANSENÍASE Multibacilar : 12 cartelas
  • TUBERCULOSE
  • SAÚDE DA CRIANÇA
  • Saúde da Criança Febre Tosse Anemia Escabiose Verme de cachorro (bicho geográfico) IRA
  • Medicamentos AmoxilinaCç < 20kg 20 a 50mg/kg/dia 8/8hCç > 20Kg 250 a 500mg/dose 8/8h Cefalexina20 a 50mg/kg/dia 8/8h Eritromicina30 a 50mg/kg/dia 6/6h Nistatina oralLactentes 200.000U de 6/6h400.000 a 600.000U de 6/6h
  • Medicamentos Dipirona6 a 10mg/kg/dose Paracetamol0 a 3 meses 40mg/dose4 a 11 meses 80mg/dose12 a 23 meses 120mg/dose Metroclopramida0,5 a 1mg/kg/dia Diclofenaco resinato> 1 ano 0,5 a 2mg/kg/dose 8/8h e 12/12h
  • Medicamentos Mebendazol100mg de 12/12h por 3 dias consecutivosrepetir após 15 a 20 dias. Iodeto de Potássio SRO
  • “Urge, portanto, que os enfermeiros sedediquem com afinco a sua atividade e secapacitem cada vez mais, não só para umautilização racional de medicamentos, uma vezque a prescrição medicamentosa não é oaspecto essencial da assistência deenfermagem, mas para manter elevados osideais de sua profissão, diante de um cotidianotão desafiador que é o Programa de Saúde daFamília.”
  • É preciso trilhar pelo caminho da PRUDÊNCIA
  • Referências Brasil. Lei n.º 7.498, de 25 de Junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem edá outras providências. In: Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo. Documentos básicosde enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares. São Paulo (SP): COREN-SP; 2001. Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução 271/2002. Regulamenta as ações do enfermeiro naconsulta, prescrição de medicamentos e requisição de exames. Rio de Janeiro (RJ): COFEN; 2002. Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução 195/1997. Dispõe sobre a solicitação de exames de rotinae complementares por enfermeiro. In: Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo.Documentos básicos de enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares. São Paulo (SP): COREN-SP; 2001. Brasil. Decreto-Lei n.º 94.406, de 08 de Junho de 1987. Regulamenta a Lei n.º 7.498, de 25 de Junho de1986, que dispõe sobre o exercício da enfermagem. In: Conselho Regional de Enfermagem do Estado de SãoPaulo. Documentos básicos de enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares. São Paulo (SP): COREN-SP;2001. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações ProgramáticasEstratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada– manual técnico/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de AçõesProgramáticas Estratégicas – Brasília: Ministério da Saúde, 2005. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manualde Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância emSaúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde. 2005. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância emSaúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose / Ministério daSaúde, Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Atenção Básica / - Brasília : Ministério daSaúde, 2007. 199 p. : il. - (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 21)
  • Referências Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensãoarterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção àSaúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2006. 58 p. – (Cadernos deAtenção Básica; 16) (Série A. Normas e Manuais Técnicos) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. DiabetesMellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília :Ministério da Saúde, 2006. 64 p. il. – (Cadernos de Atenção Básica, n. 16) (Série A. Normas e ManuaisTécnicos) Brasil. Ministério da Saúde. Unicef. Cadernos de Atenção Básica: Carências de Micronutrientes / Ministérioda Saúde, Unicef; Bethsáida de Abreu Soares Schmitz. - Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 60 p. - (Série A.Normas e Manuais Técnicos) Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colodo útero e da mama / Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília :Ministério da Saúde, 2006. xx p. : il. – (Cadernos de Atenção Básica; n. 13) (Série A. Normas e ManuaisTécnicos) Carneiro, Alan D.et al. Prescrição de medicamentos e solicitação de exames por enfermeiros no PSF: aspectos, éticos e legais. Rev. Eletr. Enf. 2008;10(3):756-65. Available from:http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a21.htm OGUISSO, Taka; FREITAS, Genival F de. Enfermeiros prescrevendo medicamentos: possibilidades eperspectivas. Rev Bras Enferm, Brasília 2007 mar-abr; 60(2):141-4. XIMENES NETO, FRG et al. Olhares dos enfermeiros acerca de seu processo de trabalho naprescrição medicamentosa na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm, Brasília 2007 mar-abr;60(2):133-40.