• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Redefor-língua portuguesaLp002
 

Redefor-língua portuguesaLp002

on

  • 616 views

Redefor

Redefor

Statistics

Views

Total Views
616
Views on SlideShare
616
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Redefor-língua portuguesaLp002 Redefor-língua portuguesaLp002 Document Transcript

    • 1Disciplina:  Literatura,  Leitura  e  Ensino    Tópicos:    • »  Para  início  de  conversa    o »  Literatura,  Leitura  e  Ensino      Apresentação  ________________________________________________________________________________________    Olá!      Estamos  iniciando  as  disciplinas  do  Módulo  1  do  Curso  de  Língua  Portuguesa.      Na  disciplina  Literatura,  Leitura  e  Ensino,  examinaremos  diferentes  concepções  sobre  literatura,  veremos  como   se   deu   o   ensino   de   literatura   no   Brasil   nos   dois   últimos   séculos   e   abordaremos   a   leitura   literária,  observando  a  existência  de  múltiplas  interpretações.      Ao  final  da  disciplina,  serão  propostos  alguns  temas  que  você  poderá  desenvolver  em  seu  TCC.      Espero  que  você  aproveite  muito  a  disciplina!      Clique  aqui  para  assistir  o  vídeo  de  introdução  da  disciplina.      ________________________________________________________________________________________  
    • 2Disciplina:  Literatura,  Leitura  e  Ensino    Tema:  1.  O  Que  é  Literatura  Tópicos:    • »  Tópico  1  -­‐  Literatura:  um  uso  especial  da  linguagem      Um  início  de  conversa    ________________________________________________________________________________________      Entender  o  que  é  literatura,  muitas  vezes,  causa  grandes  dificuldades  para  os  alunos  (e  para  os  professores  que  têm  que  discutir  com  eles!).          Nessa   unidade   temática,   vamos   conversar   sobre   algumas   definições   de   literatura,   considerando   três  aspectos  centrais:          • a  literatura  como  uso  especial  da  linguagem;  • literatura  e  cânone;    • literatura  e  diversidade  cultural.    Ao  final,  esperamos  chegar  a  uma  compreensão  abrangente  do  que  é  literatura,  deixando  de  lado  muitos  dos  preconceitos  que  esse  tema  costuma  trazer  consigo.      Vamos  lá?      ________________________________________________________________________________________    
    • 3Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________    Em  sua  vida  escolar,  tanto  como  aluno  quanto  como  professor,   você   deve   ter   entrado   em   contato   com  várias  definições  de  literatura.          Em  geral,  os  livros  didáticos  começam  com  um  item  em  que  se  tenta  explicar  quais  são  as  características  linguísticas   que   tornam   um   texto   literário,  desenvolvendo   a   ideia   de   que   são   consideradas  literárias  as  obras  em  que  se  nota  um  uso  especial  da  linguagem  -­‐  como,  por  exemplo,  a  presença  de  rima  nos  poemas.      Mas  será  que  é  mesmo  assim?  Todo  texto  em  que  há  uma  elaboração  sofisticada  da  linguagem  é  literário?    ________________________________________________________________________________________    
    • 4Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________    O  jornal  The  Washington  Post  realizou  uma  experiência,  no  campo  da  música,  que  pode  nos  ajudar  a  pensar  sobre  a  definição  de  literatura  como  uso  especial  da  linguagem.      Um  dos  maiores  violinistas  do  mundo,  Joshua  Bell,  aceitou  tocar  em  uma  estação  de  metrô  de  Washington,  sem  se  identificar.  Na  Europa  e  nos  Estados  Unidos  muitos  artistas  apresentam-­‐se  nas  estações  de  metrô,  para  conseguir  alguns  trocados  dos  transeuntes.  É  possível  ouvir  desde  apresentações  de  obras  clássicas  até  grupos  de  percussão  -­‐  todos  tocando  com  um  chapéu  (ou  uma  sacola,  uma  cesta,  uma  caixa...)  no  chão  para  recolher  as  notas  e  moedas.          A  ideia  do  jornal  era  verificar  se  as  pessoas  reconheceriam  a  extraordinária  qualidade  da  apresentação  de  Joshua  Bell,  que,  dias  antes,  havia  tocado  no  Symphony  Hall  de  Boston,  onde  os  melhores  lugares  custavam  1.000  dólares.          A  experiência  permite  observar  se  a  avaliação  estética  tem  a  ver  apenas  com  a  qualidade  da  produção  ou  se  outros  elementos  interferem  na  apreciação.      Para  ver  o  resultado  clique  aqui.      
    • 5Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Como   você   explica   o   fato   de   milhares   de   pessoas   terem   passado   sem   sequer   olhar   para   um   músico  reconhecido  como  um  dos  melhores  do  mundo?          Você  acha  que  alguém  com  conhecimentos  musicais  deveria  necessariamente  perceber  que  ali  estava  um  dos  maiores  violinistas  do  mundo?          Você  acredita  que  o  lugar  de  apresentação  e  a  aparência  do  músico  interferiram  na  reação  dos  transeuntes?          Será  que  há  alguma  coisa  errada  com  as  pessoas  que  não  prestaram  atenção  a  uma  interpretação  musical  de  tão  alta  qualidade?                Você  deve  ter  percebido  que  a  experiência  proposta  pelo  jornal  coloca  em  xeque  ideias  arraigadas  sobre  qualidade  estética.  Em  geral,  imagina-­‐se  que  uma  obra  de  arte  é  definida  por  suas  características  internas  e  que  qualquer  pessoa  bem  educada  é  capaz  de  reconhecê-­‐las  e  valorizá-­‐las.  Entretanto,  a  excelente  execução  de  uma  peça  clássica,  feita  por  um  grande  músico  erudito,  não  despertou  interesse.          Alguns   elementos   ajudam   a   entender   por   que   isso   aconteceu:   o   local   não   era   uma   sala   de   concertos,   o  artista  não  estava  vestido  a  rigor,  os  transeuntes  não  tinham  expectativa  de  ouvir  uma  apresentação  de  um  músico   consagrado.   Portanto,   não   há   nada   de   errado   no   fato   de   quase   ninguém   ter   parado.   Afinal,   a  percepção  da  qualidade  estética  depende  de  vários  fatores  e  não  apenas  das  características  intrínsecas  à  obra.        
    • 6Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    Com  literatura1  acontece  algo  semelhante,  mas  a  situação  é  um  pouco  mais  complicada...          Em  primeiro  lugar,  nem  todo  texto  em  que  há  um  uso  sofisticado  de  linguagem  é  considerado  literatura.      Basta   pensar,   por   exemplo,   em   slogans   de   publicidade   que   se   esmeram   na   criação   de   ritmo,   no   uso   de  aliterações  e  rimas,  na  criação  de  imagens  surpreendentes  para  atrair  os  consumidores.  Pense,  por  exemplo,  no  slogan  "Se  é  Bayer,  é  bom".  Essa  curta  frase  tem  um  ritmo  marcado,  reforçado  pela  aliteração  do  B.                Mesmo  assim,  ninguém  a  colocaria  entre  as  obras  literárias  da  língua  portuguesa!            Por  outro  lado,  há  textos  muito  semelhantes  a  slogans  que  são  considerados  literários.  Clique  aqui  para  ver  um  exemplo.          Esse  texto,  publicado  por  Décio  Pignatari  em  1957,  parte  de  um  slogan  publicitário  ("Beba  Coca-­‐Cola")  e  utiliza   recursos   frequentemente   empregados   nas   propagandas   (como   a   aliteração,   a   assonância   e   a  repetição).  Mas,  ao  contrário  do  que  acontece  com  os  slogans,  ele  é  considerado  uma  obra  literária.  Mais  do  que  isso:  é  um  clássico  da  poesia  concreta!  Por  que  isso  acontece?        1  No  Caderno  do  Aluno,  1ª  série,  vol.  2,  pág.  27  aborda-­‐se  o  tema  das  definições  de  Literatura.  
    • 7Atividade  dissertativa  individual  ________________________________________________________________________________________    Uma  outra  experiência  realizada  por  um  jornal  pode  nos  ajudar  a  responder.          Em  1999,  a  Folha  de  S.  Paulo  fez  uma  "pegadinha"  com  várias  editoras,  submetendo  para  publicação  um  livro  pouco  conhecido  de  Machado  de  Assis,  sem  revelar  o  nome  do  autor.          Leia  as  matérias  veiculadas  pela  Folha,  disponíveis  na  ferramenta  "Leituras",  no  TelEduc,  e  descubra  qual  foi  o  resultado.          Depois,  acesse  o  espaço  "Atividade"  do  TelEduc,  clique  sobre  Atividade  dissertativa  1  e  realize  a  atividade  proposta.    ________________________________________________________________________________________  
    • 8Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    Muitos  críticos  e  teóricos  da  literatura  dizem  que  a  linguagem  e  a  estrutura  específicas  de  um  texto  é  que  o  fazem  literário,  em  outras  palavras,  é  o  que  constitui  sua  "literariedade".  Os  que  pensam  assim,  em  geral,  enfatizam   existência   de   relações   fortes   (seja   de   reforço   ou   de   contraste)   entre   som   e   sentido,   entre  organização  do  texto  e  tema  apresentado,  etc.  Para  eles,  os  elementos  que  fazem  de  um  texto  qualquer  uma  obra  literária  são  internos  a  ele,  não  tendo  qualquer  relação  com  questões  externas  à  obra.      Essa   visão   está   presente   nas   Orientações   Curriculares   para   o   Ensino   Médio   -­‐   Linguagens,   Códigos   e   suas  Tecnologias,  quando  se  afirma  que  "uma  de  suas  [da  literatura]  marcas  é  sua  condição  limítrofe,  que  outros  denominam  transgressão",  que  pode  levar  "a  limites  extremos  as  possibilidades  da  língua"  (p.  49).          Entretanto,  os  exemplos  apresentados  neste  tópico  deixam  claro  que  a  chamada  "literariedade"  não  está  somente  no  texto  e  que  usos  linguísticos  "transgressivos"  ou  "extremos"  não  garantem  que  uma  obra  seja  considerada  literária.          Além   disso,   obras   não   incluídas   na   designação   literatura   -­‐   ou   incluídas   apenas   quando   o   termo   é  acompanhado  por  um  complemento  como  literatura  popular,  literatura  de  entretenimento,  etc.  -­‐  em  geral  utilizam-­‐se  de  procedimentos  linguísticos  semelhantes  (ou,  às  vezes,  idênticos)  aos  presentes  nas  produções  canonizadas  ou  seja,  naquelas  bem  avaliadas  pela  crítica,  pela  universidade  e  pela  escola.      Mesmo  assim,  não  são  objeto  de  estudo  na  escola  ou,  ainda  pior,  são  alvo  de  crítica  e  de  rejeição.      Vamos  conversar  sobre  isso  no  próximo  tópico!      ________________________________________________________________________________________  
    • 9Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________      Para   saber   mais   sobre   as   diferentes   definições   de   literatura,   você   pode   ler   o  livro  Literatura  Leitores  e  Leitura,  de  Marisa  Lajolo,  em  que  são  apresentadas  e  rebatidas  várias  das  definições  mais  comuns  de  literatura.          O  texto  é  leve  e  se  parece,  muitas  vezes,  com  uma  conversa  da  autora  com  seus  leitores.              ________________________________________________________________________________________    
    • 10Tópicos:    • »  Tópico  2  -­‐  A  literatura  e  o  mercado      Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________    Neste  tópico,  vamos  pensar  sobre  o  trabalho  estético  realizado  em  composições  não  eruditas  -­‐  e,  portanto,  não  inseridas  na  categoria  "literatura"  por  muita  gente.          Essas  obras  não  costumam  ter  lugar  na  escola,  mas  talvez  seja  a  hora  de  começar  a  mudar  isso!                                _____________________________________________________________________________________    
    • 11Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________    Certamente,   você   já   viu   alguém   lendo   um   livro   de   Paulo   Coelho   ou   um  romance  sentimental  como  Sabrina.  Diante  desse  tipo  de  leitura,  é  possível  que   você   tenha   ouvido   alguém   comentar:   "Isso   não   é   literatura!   Ninguém  devia   perder   tempo   com   esse   tipo   de   bobagem!".   Essa   mesma   pessoa,   se  encontrasse  alguém  lendo  A  Viuvinha,  de  José  de  Alencar,  talvez  exclamasse:  "Agora  sim!!".          Como  você  explica  esse  tipo  de  reação?  Que  diferenças  há  entre  A  Viuvinha  e  um  romance  da  série  Sabrina?              Para   pensar   sobre   isso,   você   precisará   ler   (ou   reler)   a   narrativa   de   José   de  Alencar2  e  uma  das  histórias  publicadas  na  série  Sabrina3.                      ________________________________________________________________________________________  2  É  muito  fácil  conseguir  o  livro  A  Viuvinha,  de  José  de  Alencar.  Consulte  a  biblioteca  da  sua  escola  ou  da  sua  cidade.   Se   ele   não   estiver   disponível,   é   possível   comprá-­‐lo   em   livrarias   ou   consegui-­‐los   em   sebos,   por  preços   muito   baixos.   Na   internet,   é   possível   fazer   o   download   do   livro   no   Portal   Domínio   Público:  http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp.  3  Os  romances  da  série  Sabrina  estão  disponíveis  em  bancas  de  jornal  espalhadas  por  todo  o  país.  É  possível  consegui-­‐los  também,  por  um  preço  muito  acessível,  em  lojas  de  livros  usados  e  em  bancas  de  troca.  Na  internet,   é   possível   fazer   o   download   de   alguns   exemplares   em   sites   como:    http://ebooksgratis.com.br/livros-­‐ebooks-­‐gratis/literatura-­‐estrangeira/romance-­‐serie-­‐sabrina-­‐diversos-­‐volumes-­‐para-­‐download/.  
    • 12Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Você   se   lembra   do   texto   "Para   gostar   de   literatura",   apresentado   no  Caderno  do  Professor  da  2ª  série,  volume  1,  Ensino  Médio  (2009)?  Se  você  não   está   com   o   texto   bem   fresco   na   memória,   retome   seu   Caderno   e  releia  as  páginas  29  a  34.          O  propósito  do  texto  é  "conceituar  e  contrastar  os  sistemas  de  arte  e  de  distração"  (p.  31).  Fica  claro  que  os  autores  do  texto  acreditam  que  há  um  antagonismo  entre  o  entretenimento  e  a  arte,  avaliando  positivamente  as  formas  artísticas  e  depreciando  as  obras  voltadas  para  a  diversão.          Nessa   perspectiva,   se   alguém   fosse   responder   a   questão   colocada   há  pouco   -­‐   que   diferenças   há   entre   A   Viuvinha   e   um   romance   da   série  Sabrina?  -­‐  provavelmente  diria  que  a  narrativa  de  Alencar4  é  uma  obra  de  arte   e   que   Sabrina   é   mero   entretenimento.   É   possível   também   que  estimulasse   a   leitura   de   A   Viuvinha   na   escola   como   "leitura   literária"   e  desaconselhasse   o   contato   com   o   romance   de   banca   de   jornal   por   ser  "leitura  de  distração".        As  coisas  não  são  tão  simples  assim  quando  se  conhece  o  contexto  de  produção  dos  livros.    ________________________________________________________________________________________  4  No  Caderno  do  Aluno,  1ª  série,  2ª  série,  vol.  2,  pág.  39,  há  material  sobre  José  de  Alencar.  
    • 13Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    José  de  Alencar  era  um  jovem  escritor  estreante  quando  compôs  A  Viuvinha.  Pouco  antes,  no  final  de  1855,  ele  havia  se  tornado  gerente  e  chefe  de  redação  do  jornal  Diário  do  Rio  de  Janeiro,  e  logo  se  lembrou  de  uma   maneira   de   atrair   os   leitores:   publicar   uma   narrativa   ficcional   aos   pedaços   (mais   conhecida   como  folhetim),  forçando  os  curiosos  a  comprarem  o  próximo  número  ou  a  fazerem  uma  assinatura  do  jornal.                  Alencar   escreveu,   ele   mesmo,   a   história   encarregada   de   fisgar   o   interesse   dos   leitores,   publicando,  anonimamente,  sua  primeira  obra  ficcional,  Cinco  Minutos.      O  sucesso  foi  tanto  que  Alencar  decidiu  investir  ainda  mais  na  história,  lançando-­‐a  num  pequeno  volume,  também  anônimo,  e  oferecendo-­‐a  como  brinde  de  final  de  ano  aos  assinantes  do  periódico.  O  êxito  não  podia  ser  maior,  pois  velhos  e  novos  assinantes  correram  à  redação  para  obter  um  exemplar.      Contente   com   o   sucesso   e   preocupado   em   manter   as   vendas   do   jornal,   José   de   Alencar   mal   acabou   de  publicar  O  Guarani,  em  20  de  abril,  e  logo  deu  início  a  um  novo  folhetim,  no  dia  21.  Era  a  história  de  A  Viuvinha,  publicada  em  capítulos  ao  longo  de  três  meses.      Essas  três  narrativas,  compostas  em  menos  de  um  ano,  contêm  tramas  tão  diferentes  quanto  as  aventuras  de  um  índio  no  século  XVI,  os  sofrimentos  de  uma  moça  tuberculosa  ou  a  fidelidade  de  uma  jovem  viúva.  Mas  têm  algo  em  comum:  o  desejo  de  atrair  leitores,  oferecendo  a  eles  histórias  emocionantes,  enredos  cheios  de  aventura  e  de  suspense,  ou  seja,  entretenimento.  Já  se  vê  que,  sob  esse  ponto  de  vista,  não  há  muita  diferença  entre  essas  produções  de  Alencar  e  os  romances  da  série  Sabrina.      ________________________________________________________________________________________  
    • 14Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  3  ________________________________________________________________________________________  Eles   têm   outro   ponto   em   comum.   Parte   importante   do   estímulo   de   Alencar   para   escrever   vinha   de   seu  interesse   em   aumentar   as   vendas   do   jornal   onde   as   narrativas   eram   publicadas.   A   publicação   em   livro  também   envolvia   um   interesse   pecuniário5,   tanto   que   o   escritor   ficou   indignado   quando   soube   que   O  Guarani  estava  sendo  republicado  por  um  jornal  do  Rio  Grande  do  Sul  sem  pagamento  de  direito  autoral.      Quem   critica   obras   da   série   Sabrina   muitas   vezes   as   caracteriza   como   "sub-­‐literatura",   por   elas   serem  produzidas  com  interesse  mercadológico6.  Se  o  critério  for  esse,  vai  ser  preciso  desqualificar  grande  parte  da  produção  literária  do  século  XIX,  pois  assim  como  José  de  Alencar,  boa  parte  dos  escritores  visava  atingir  públicos  amplos  e  vender  muito.      O  texto  veiculado  no  Caderno  do  Professor  (2ª  série,  volume  1,  2009)  argumenta  que  a  arte  se  diferencia  do  entretenimento,  pois  "permite  que  nos  reconheçamos  como  parte  de  uma  humanidade  que  constrói  sua  identidade   ao   longo   do   tempo"   (p.   32).   Ela   deveria   ser   valorizada   "por   espelhar   aquilo   que   foi   feito   por  outros  ao  longo  do  tempo"  (p.  32)  e  por  visar  a  "perpetuar  a  essência  humana,  emocionando  os  leitores  de  agora  e  das  próximas  gerações"  (p.  29).      Um  dos  focos  principais  de  romances  da  série  Sabrina  é  emocionar  os  leitores,  colocando-­‐os  em  contato  com  questões  centrais  da  "essência  humana":  o  amor,  o  desejo  e  o  temor  da  rejeição.      ________________________________________________________________________________________  5  Em  1873,  José  de  Alencar  escreveu  uma  longa  carta  a  um  amigo,  expondo  seu  percurso  literário.  Depois  de  sua  morte,  o  texto  foi  publicado  em  livro,  com  o  título  de  Como  e  por  que  sou  romancista.  Nele  o  autor  deixa  clara  sua  preocupação  com  as  vendas  e  com  o  retorno  financeiro  obtido  com  seus  livros.  Sobre  O  Guarani  ele  disse:    “A  edição  avulsa  que  se  tirou  d’O  Guarani,  logo  depois  de  concluída  a  publicação  em  folhetim,  foi  comprada  pela  livraria  do  Brandão,  pôr  um  conto  e  quatrocentos  mil  réis  que  cedi  à  empresa.  Era  essa  edição  de  mil  exemplares,  porém  trezentos  estavam  truncados,  com  as  vendas  de  volumes  que  se  faziam  à  formiga  na  tipografia.  Restavam  pois  setecentos,  saindo  o  exemplar  a  2$000.  Foi  isso  em  1857.  Dois  anos  depois  comprava-­‐se  o  exemplar  a  5$000  e  mais.  Nos  belchiores  [vendedores  de  livros  usados]  que  o  tinham  a  cavalo  do  cordel,  embaixo  dos  arcos  do  Paço,  donde  o  tirou  o  Xavier  Pinto  para  a  sua  livraria  da  Rua  dos  Ciganos.  A  indiferença  pública,  senão  o  pretensioso  desdém  da  roda  literária,  o  tinha  deixado   cair   nas   pocilgas   dos   alfarrabistas.   Durante   todo   esse   tempo   e   ainda   muito   depois,   não   vi   na  imprensa  qualquer  elogio,  crítica  ou  simples  notícia  do  romance,  a  não  ser  em  uma  folha  do  Rio  Grande  do  Sul,   como   razão   para   a   transcrição   dos   folhetins.   Reclamei   contra   esse   abuso,   que   cessou;   mas  posteriormente  soube  que  aproveitou-­‐se  a  composição  já  adiantada  para  uma  tiragem  avulsa.  Com  esta  anda   atualmente   a   obra   na   sexta   edição.”  http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000311.pdf.  6  No  Caderno  do  Professor,  na  página  33,  os  autores  do  material  dizem  que  “muitos  textos  literários  são  adaptados  para  a  televisão  e  o  cinema,  sem  que  haja  genuínas  preocupações  com  o  valor  artístico  da  obra,  mas  apenas  em  conseguir  melhores  índices  de  audiência  ou  aumentar  os  números  de  ingressos  vendidos  nas  bilheterias”.      Como  você  viu,  José  de  Alencar  tinha  preocupações  semelhantes  quando  compôs  seus  folhetins  e  quando  os  transformou  em  livros.  
    • 15Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  4  ________________________________________________________________________________________  A   identificação   com   as   situações   apresentadas   e   a   reflexão   causada   por   elas   permite   que   os   leitores   se  "reconheçam   como   parte   da   humanidade"   e   colaboram   para   o   processo   de   "construção   de   identidade"  (coletiva  e  individual).  Assim,  os  livros  de  banca  cabem  perfeitamente  nos  quesitos  definidores  da  "arte",  segundo  a  concepção  expressa  no  Caderno  do  Professor.      O  argumento  do  caráter  duradouro  das  obras  de  arte,  apresentado  nas  páginas  32  e  33  do  Caderno,  precisa  ser  pensado  à  luz  do  diferente  prestígio  atribuído  a  obras  como  Sabrina  e  como  A  Viuvinha.  As  chamadas  "obras  de  arte"  são  conservadas  em  bibliotecas,  estudadas  em  escolas,  exigidas  em  exames  vestibulares  e,  portanto,  têm  melhores  condições  para  "permanecer"  e  chegar  a  uma  "eventual  imortalidade".      A   permanência   histórica   de   romances   de   banca   é   dificultada   pelo   preconceito   que   os   cerca,   já   que  raramente  eles  estão  disponíveis  em  bibliotecas,  não  têm  lugar  na  escola  e  tampouco  em  exames  seletivos.  Mesmo   assim,   permanecem   devido   ao   interesse   dos   leitores   assíduos   (que   os   colecionam,   emprestam   e  trocam)   e   às   possibilidades   abertas   pela   rede   mundial   de   computadores.   Sites   como   Ebooksgratis  disponibilizam  décadas  de  romances  da  série  Sabrina  para  alegria  dos  milhares  de  leitores  que  o  acessam  diariamente.    ________________________________________________________________________________________  
    • 16Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    No  tópico  anterior,  vimos  que  as  características  internas  dos  textos  (usos  de  linguagem,  estruturação  do  enredo,  tipos  de  rima  etc.)  não  são  suficientes  para  definir  o  que  é  literatura,  sendo  necessário  observar  questões  externas  à  obra.      Como  você  percebeu,  os  romances  da  série  Sabrina  têm  fortes  semelhanças  com  A  Viuvinha  tanto  do  ponto  de  vista  do  texto  (trama  simples,  enredo  previsível,  linguagem  coloquial  para  a  época)  quanto  das  condições  de   produção   e   de   primeira   circulação.   Apesar   disso,   as   histórias   de   Sabrina   costumam   ser   consideradas  como  "entretenimento",  "sub-­‐literatura"  ou  "literatura  de  massas",  enquanto  a  narrativa  de  José  de  Alencar  costuma  ser  vista  como  "arte",  como  "literatura  canônica"  ou,  simplesmente,  como  Literatura.      Assim,  a  definição  de  literatura  não  deriva  apenas  do  texto  tampouco  depende  apenas  das  condições  de  produção  e  de  circulação.      A  essa  altura,  você  já  deve  estar  se  perguntando:  afinal,  o  que  define  a  literatura?          É  o  que  veremos  no  próximo  tópico.    ________________________________________________________________________________________  
    • 17Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________    Para  saber  mais  sobre  os  romances  de  série,  como  Sabrina,  e  sobre  a  relação  que  os   leitores   mantêm   com   eles,   você   pode   ler   o   interessante   artigo   de   Simone  Meirelles   Rodriguez,   fruto   de   sua   Dissertação   de   Mestrado,   defendida   na  Universidade  Federal  do  Paraná:  RODRIGUEZ,  Simone  Meirelles  (2005).  Leitoras  com   coração:   usos   de   leitura   dos   romances   sentimentais   de   massa.   Revista  Letras,  n.  65.  Curitiba:  Editora  UFPR,  pp.  23-­‐37,  jan./abr.    O  texto  está  disponível  aqui.          A  Feira  Literária  de  Paraty  (FLIP)  de  2010  causou  espanto  em  certos  setores  ao  convidar   a   escritora   chilena   Isabel   Allende   para   o   evento,   pois   a   FLIP   "não  costuma   mirar   autores   best-­‐sellers,   mas   mais   aqueles   com   boa   reputação   na  crítica",  como  escreveu  Fábio  Victor  para  a  Folha  de  S.  Paulo.  Perguntada  sobre  isso,  a  escritora  não  teve  dúvidas  e  sapecou:  "Há  uma  tendência  de  considerar  que,  quando  um  livro  tem  êxito  de  vendas,  necessariamente  a  qualidade  é  inferior.  Isso  é  subestimar  os  leitores,  não  acha?".  Para  ler  a  entrevista  completa,  acesse  o  "Material  de  Apoio",  no  TelEduc,  e  clique  em  "Folha  de  São  Paulo  -­‐  31  de  julho  de  2010".      O  filme  Misery,  traduzido  no  Brasil  como  Louca  Obsessão  (Rob  Reiner,  1990),  conta  a  história  de  um  autor  de  best-­‐sellers  que  é,  literalmente,  refém  de  sua  "leitora  número  1".  É  um  thriller  emocionante!          Depois  de  assistir  ao  filme,  você  poderá  ler  a  análise  que  fiz  sobre  ele  no  quarto  capítulo  do  livro  Cultura  letrada:  literatura  e  leitura  (São  Paulo:  Ed.  Unesp,  2006).      ________________________________________________________________________________________  
    • 18Tópicos:    • »  Tópico  3  –  Literatura:  cânone  e  valor    Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________      A  essa  altura,  você  deve  estar  se  perguntando  sobre  o  que  ocorre  para  que  uma   obra   seja   considerada   literária,   enquanto   outras,   que   utilizam  procedimentos   linguísticos   semelhantes   e   são   produzidas   em   situações  parecidas,  não  são  tidas  como  literárias.        Se  a  observação  das  características  internas  de  um  texto  não  é  suficiente  para  definir  a  literatura  e  tampouco  basta  observar  questões  externas  para  estabelecer  se  uma  obra  é  literária,  como  se  faz  a  seleção  dos  livros  que  recebem  o  rótulo  de  literatura?          Na   verdade,   a   pergunta   mais   correta   talvez   seja:   quem   tem   o   poder   de  escolher  as  obras  consideradas  literárias?          ________________________________________________________________________________________  
    • 19Mãos  à  obra  1  Em  2000,  a  Faculdade  Coc,  de  Ribeirão  Preto,  incluiu  em  seu  vestibular  uma  questão  que  tratava  da  definição  de  literatura.          Leia  a  questão  e  tente  resolvê-­‐la.    As  Ilusões  da  Literatura          Mario  Vargas  Llosa      Condenados  a  uma  existência  que  nunca  está  à  altura  de  seus  sonhos,  os  seres  humanos  tiveram  que  inventar  um  subterfúgio  para  escapar  de  seu  confinamento  dentro  dos  limites  do  possível:  a  ficção.  Ela  lhes  permite  viver  mais  e  melhor,  ser  outros  sem  deixar  de  ser  o  que  já  são,  deslocar-­‐se  no  espaço  e  no  tempo  sem  sair  de  seu  lugar,  nem  de  sua  hora  e  viver  as  mais  ousadas  aventuras  do  corpo,  da  mente  e  das  paixões,  sem  perder  o  juízo  ou  trair  o  coração.    A  ficção  é  compensação  e  consolo  pelas  muitas  limitações  e  frustrações  que  fazem  parte  de  todo  destino  individual  e  fonte  perpétua  de  insatisfação,  pois  nada  mostra  de  forma  tão  clara  o  quão  minguada  e  inconsistente  é  a  vida  real  quanto  retornar  a  ela,  depois  de  haver  vivido,  nem  que  seja  de  modo  fugaz,  a  outra  vida  -­‐  a  fictícia,  criada  pela  imaginação  à  medida  de  nossos  desejos.  (Folha  de  S.Paulo,14/08/95,  transcrito  de  El  País).          Assinale  a  alternativa  que  contém  um  conceito  sobre  literatura  que  NÃO  combina  com  o  que  diz  o  texto  acima.    a)  Literatura  é  criação  de  uma  supra-­‐realidadade  com  os  dados  profundos  e  singulares  da  intuição  do  artista.    b)  Literatura  é  a  arte  da  palavra  e  existe  para  provocar  o  deleite  e  ampliar  a  visão  de  mundo  do  leitor.    c)  Literatura  é  a  expressão  artística  dos  conteúdos  da  ficção  ou  imaginação  por  meio  da  palavra  escrita.    d)  Grande  Literatura  é  simplesmente  a  linguagem  carregada  de  significado  até  o  máximo  grau  possível.    e)  Ciência  e  Literatura  têm  o  mesmo  objeto  de  estudo,  o  mesmo  método  e  servem  aos  mesmos  fins  da  vida  humana.          ________________________________________________________________________________________  
    • 20Mãos  à  obra  2  ________________________________________________________________________________________    Como  você  viu,  a  questão  pedia  que  o  aluno  assinalasse  a  alternativa  que  não  estava  correta,  portanto,  quatro  das  definições  foram  consideradas  adequadas.          Examine  cuidadosamente  cada  uma  das  alternativas  e  reflita:  todo  texto  que  cria  "uma  supra-­‐realidade"  é  considerado   literário?   A   "intuição   do   artista"   e   sua   "singularidade"   são   suficientes   para   tornar   uma   obra  literária?   Qualquer   texto   que   use   a   palavra   "artisticamente",   que   use   uma   "linguagem   carregada   de  significado  até  o  máximo"  é  literário?  Toda  obra  literária  "provoca  o  deleite  e  amplia  a  visão  de  mundo  do  leitor"?  Toda  produção  ficcional  artística  apresentada  por  escrito  é  literatura?    ________________________________________________________________________________________  
    • 21Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Provavelmente,  você  respondeu  "não!"  a  todas  as  perguntas.          Afinal   telenovelas   criam   uma   realidade   diferente   da   nossa,   provocam   muito   deleite   em   grande   parte   da  população,  ampliam  a  visão  de  mundo  do  telespectador  e,  nem  por  isso,  são  consideradas  literatura.          Da  mesma  forma,  pessoas  como  Chico  Buarque,  por  exemplo,  são  artistas  com  muita  intuição,  criam  letras  de  canções  em  que  as  palavras  são  usadas  artisticamente,  carregando  a  linguagem  de  significados  em  um  alto  grau.  E  nem  por  isso  letras  de  canções  são  consideradas  literatura.          Você   pode   estar   pensando   que   esses   não   são   bons   exemplos,   pois   telenovelas   e   canções   recorrem   a  elementos  audiovisuais  em  sua  composição,  não  sendo,  portanto,  textos  no  sentido  estrito.  Peças  teatrais  também  recorrem  a  elementos  audiovisuais  e  muitas  delas  são  consideradas  literatura.  Por  isso,  não  é  esse  o  problema!        O  pulo  do  gato  está  na  letra  d)  em  que  se  adiciona  o  adjetivo  "Grande"  à  palavra  "Literatura",  grafada  com  L  maiúsculo  para  dar  mais  importância.  Por  trás  da  maior  parte  das  definições  de  literatura  está  subentendida  a  ideia  de  literatura  erudita  canônica,  ou,  dito  simplesmente,  Grande  Literatura.  Trata-­‐se  de  um  conjunto  de  obras  de  diversos  períodos  históricos,  eleitas  como  sendo  as  melhores  produções  literárias  de  determinada  época  ou  país.        É  claro  que,  se  você  estivesse  realizando  esse  exame  vestibular,  você  teria  assinalado  a  alternativa  e),  pois,  obviamente,  Ciência  e  Literatura  não  têm  o  mesmo  objeto  de  estudo,  não  utilizam  o  mesmo  método  e  não  servem  aos  mesmos  fins  da  vida  humana.  Mas  isso  não  ajuda  em  nada  quem  quer  saber  o  que  é  literatura...      ________________________________________________________________________________________    
    • 22Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    Selecionar   um   conjunto   de   obras   como   sendo   as   melhores,   ou   seja,   compor   um   cânone,   não   é  necessariamente  um  problema.  Afinal,  não  há  tempo  para  ler  todos  os  romances  e  cada  um  dos  poemas  já  escritos,   tampouco   é   possível   assistir   a   todas   as   peças   teatrais   já   criadas.   Assim,   essa   seleção   ajudaria   o  leitor  a  ir  direto  ao  que  há  de  melhor.  Da  mesma  forma,  ajudaria  a  escola,  que  poderia  trabalhar  apenas  com  textos  realmente  excelentes.      Entretanto,  essa  seleção  traz  consigo  alguns  problemas    É  preciso  pensar  em  quem  faz  essa  escolha  -­‐  ou  seja,  quem  estabelece  o  cânone.  A  definição  de  um  conceito  de  literatura  e  o  estabelecimento  de  um  cânone  principiou  no  século  XIX,  quando  professores,  críticos  e  membros  de  academias  de  diversas  partes  do  mundo  começaram  a  se  inquietar  com  a  proliferação  de  livros  e  de  leitores.      No  Brasil,  professores  de  colégios  de  prestígio  (dentre  os  quais  se  destacava  o  Colégio  Pedro  II  do  Rio  de  Janeiro)  e  autores  de  manuais  de  retórica  tomaram  a  si  a  tarefa  de  separar  o  (suposto)  joio  do  trigo.      O   retor   Manoel   da   Costa   Honorato,   por   exemplo,   em   um   dos   primeiros   livros   publicados   no   Brasil   para  ensino   de   literatura,   explicava   aos   alunos   que   a   crítica   literária   era   "a   arte   que   ensina   a   distinguir   o  verdadeiro  merecimento  dos  autores",  evitando  a  apreciação  cega,  que  costuma  valorizar  o  defeituoso.  E  arrematava:   a   crítica   não   deveria   sujeitar-­‐se   ao   "sentimento   popular",   que   não   possui   os   necessários  princípios  de  julgamento  das  artes  (ver  fonte7).    ________________________________________________________________________________________  7   HONORATO,   Manoel   da   Costa.   Synopses   de   Eloqüência   e   Poética   Nacional   acompanhadas   de   algumas  noções  de  critica  litteraria  extrahidas  de  vários  autores  e  adaptadas  ao  ensino  da  mocidade  brasileira  por  Manoel   da   Costa   Honorato,   professor   de   Oratória   e   Poética   cônego   honorário   da   Cathedral   e   Capella  Imperial,  bacharel  formado  em  Sciências  Sociaes  e  jurídicas  pela  faculdade  de  Direito  de  Recife  (..)  Rio  de  Janeiro,  Typ.  Americana  de  Eduardo  Augusto  de  Oliveira,  1870,  p.  235.  
    • 23Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  3  ________________________________________________________________________________________    Ele  estava  apenas  fazendo  eco  ao  que  se  dizia  na  Europa.  Veja,  por  exemplo,  o  que  escreveu  o  abade  francês  Trublet8:          O  verdadeiro  belo,  o  verdadeiro  bom,  é  aquilo  que  agrada  àqueles  que  têm  muito  espírito  e  gosto.  [...]  Mas  freqüentemente  aquilo  que  agrada  muito  àqueles  que  têm  muito  espírito  e  gosto,  agrada  menos,  ou  mesmo  não  agrada  absolutamente  àqueles  que  os  têm  em  menor  quantidade,  e  é  bem  natural  que  seja  assim.  O  bom  gosto  em  todas  as  matérias  não  é  de  forma  alguma  o  gosto  da  maioria  em  geral,  é  o  gosto  do  maior  número  daqueles  que  têm  as  qualidades,  os  conhecimentos,  a  experiência  necessária  para  julgar  bem  a  matéria  de  que  se  trata;  é,  se  posso  me  exprimir  assim,  o  gosto  mais  comum  entre  as  pessoas  menos  comuns.      O  que  diferencia  esses  professores  e  críticos  dos  séculos  XVIII  e  XIX  dos  de  hoje  é  que  eles  eram  muito  mais  explícitos!  Eles  estavam  preocupados  com  o  fato  de  haver  cada  vez  mais  livros  no  mercado,  assim  como  se  inquietavam  com  a  existência  de  grandes  massas  (para  a  época)  de  leitores,  que  liam  fundamentalmente  para  se  divertir.      Ao  buscar  criar  diferenças  entre  os  eruditos  e  o  público  em  geral,  entre  as  obras  que  eles  apreciavam  e  as  que  eram  lidas  vorazmente  pela  maioria,  eles  deram  início  a  um  processo  que  culminou  com  a  criação  do  conceito  de  literatura  e  com  a  seleção  de  um  conjunto  de  obras  que  se  tornaram  canônicas.      Obviamente,  eles  selecionaram  as  obras  produzidas  e  apreciadas  por  gente  semelhante  a  eles  -­‐  ou,  como  disse  o  Abade  Trublet,  eles  se  pautaram  pelo  "gosto  mais  comum  entre  as  pessoas  menos  comuns".  Dessa  forma,  a  seleção  do  que  é  literatura  excluiu  (e  exclui)  as  obras  produzidas  fora  do  círculo  restrito  da  erudição  e   as   que   eram   (e   são)   apreciadas   por   muita   gente,   mesmo   que   essas   obras   façam   um   uso   artístico   da  linguagem,  criem  um  universo  ficcional  sofisticado,  propiciem  o  deleite  e  alterem  de  maneira  complexa  a  visão  de  mundo  de  grandes  contingentes  de  leitores.            ________________________________________________________________________________________  8  TRUBLET,  Abbé.  Réflexions  sur  le  gout.  Essais,  tomo  I,  primeira  parte.  Apud:  VIAL,  Francisque  e  DENISE,  Louis.  Idées  et  doctrines  littéraires  du  XVIIIe  siècle  (extrait  de  préfaces,  traités  et  autres  écrits  théoriques.  Paris:  Librairie  Ch.  Delagrave,  1909,  p.  123.  
    • 24Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  4  ________________________________________________________________________________________    Assim,  o  que  se  chama  de  literatura  hoje  é,  na  verdade,  um  conjunto  de  obras  selecionado  por  um  grupo  de  intelectuais  e  letrados.  Ou  seja,  o  que  se  chama  de  literatura  é  aquilo  que  as  comunidades  interpretativas  autorizadas  (ou  seja,  os  professores  universitários,  os  críticos  literários,  os  autores  de  livros  didáticos,  os  formuladores  de  políticas  públicas  etc.)  disserem  que  é  literatura,  pois  eles  ocupam  um  lugar  de  prestígio  intelectual  na  sociedade,  conseguindo  fazer  com  que  seu  modo  de  apreciar  as  obras  e  sua  maneira  de  ver  o  mundo  se  imponham  sobre  os  demais.      Uma  das  maneiras  de  efetivar  essa  imposição  foi  transformar  a  literatura  em  matéria  escolar.  Sem  explicitar  o  fato  de  que  se  trata  de  uma  seleção  de  obras,  feita  por  umas  poucas  pessoas,  a  partir  de  critérios  muito  particulares,  construiu-­‐se,  pouco  a  pouco,  a  ideia  de  que  aquele  conjunto  de  textos  expressava  a  melhor  realização  poética,  ficcional  ou  teatral,  que,  portanto,  deveria  ser  apreciada  igualmente  por  todos.      Como  isso  aconteceu  é  o  assunto  do  próximo  tema:  "O  ensino  da  literatura."      Mas  antes  de  prosseguir,  realize  a  atividade  proposta  a  seguir.        ________________________________________________________________________________________    
    • 25Atividade  autocorrigível  1a  ________________________________________________________________________________________    Uma   proposta   de   discussão   sobre   o   que   é   literatura   e   o   que   é   arte   está   na   "Situação   de   Aprendizagem  39/Lição  de  Casa"  do  Caderno  do  Aluno  da  1ª  série.  Nela,  são  apresentadas  quatro  definições  de  literatura  elaboradas  em  diferentes  épocas,  por  professores  brasileiros  e  estrangeiros.  Leia  as  definições  e  identifique  a  que  melhor  corresponde  ao  ponto  de  vista  defendido  neste  tópico:      Trecho  1  Na  leitura  e  na  escritura  do  texto  literário,  encontramos  o  senso  de  nós  mesmos  e  da  comunidade  a  que  pertencemos.  A  literatura  nos  diz  o  que  somos  e  nos  incentiva  a  desejar  e  a  expressar  o  mundo  por  nós  mesmos.  E  isso  se  dá  porque  a  literatura  é  uma  experiência  a  ser  realizada.  É  mais  que  um  conhecimento  a  ser  reelaborado,  ela  é  a  incorporação  do  outro  em  mim  sem  renúncia  da  minha  própria  identidade.  (COSSON,  Rildo.  Letramento  literário:  teoria  e  prática.  1ª  edição,  2ª  reimpressão.  São  Paulo:  Contexto,  2007,  p.  17).          Trecho  3  [A  literatura],  considerada  aqui  um  sistema  de  obras  ligadas  por  denominadores  comuns,  que  permitem  reconhecer  as  notas  dominantes  duma  fase.  Estes  denominadores  são,  além  das  características  internas  (língua,  tema,  imagens),  certos  elementos  de  natureza  social  e  psíquica,  embora  literariamente  organizados,  que  se  manifestam  historicamente.  (CANDIDO,  Antonio.  Formação  da  Literatura  Brasileira:  momentos  decisivos.  Rio  de  Janeiro:  Ouro  sobre  Azul,  2006).    Trecho  2  A  literatura,  no  sentido  de  uma  coleção  de  obras  de  valor  real  e  inalterável,  distinguida  por  certas  propriedades  comuns,  não  existe.  Os  juízos  de  valor  que  a  constituem  [isto  é,  a  literatura]  são  historicamente  variáveis,  mas  [...]  esses  juízos  têm,  eles  próprios,  uma  estreita  relação  com  as  ideologias  sociais.  Eles  se  referem,  em  última  análise,  não  apenas  ao  gosto  particular,  mas  aos  pressupostos  pelos  quais  certos  grupos  sociais  exercem  e  mantêm  o  poder  sobre  os  outros.  (EAGLETON,  Terry.  Teoria  da  literatura:  uma  introdução.  Tradução  Waltensir  Dutra.  São  Paulo:  Martins  Fontes,  2001,  p.  15  e  22).            Trecho  4  A  literatura,  assim  como  outras  formas  de  manifestação  artística,  preenche  a  necessidade  de  ficção  do  homem,  possibilitando-­‐lhe  por  meio  da  palavra  a  recriação  e  reinvenção  do  universo.  [...]  Observando  e  analisando  a  condição  humana,  através  dos  sentimentos  e  conflitos  existenciais  das  personagens  de  ficção,  [...]  [uma  pessoa  é  levada]  a  refletir  sobre  a  sua  própria  existência,  chegando  a  uma  compreensão  mais  profunda  de  si  mesmo  e  do  homem.  (VIEIRA,  Alice.  O  prazer  do  texto:  perspectivas  para  o  ensino  da  literatura.  São  Paulo:  EPU,  1989,  p.  13  e  26).      ________________________________________________________________________________________  9  Veja  o  Caderno  do  Professor,  1ª  série,  volume  2,  2009,  páginas  26  a  29.  
    • 26Atividade  autocorrigível  1b  ________________________________________________________________________________________    A  concepção  que  melhor  corresponde  ao  ponto  de  vista  apresentado  no  tópico  Literatura:  cânone  e  valor  é:      a)  a  transcrita  no  Trecho  1    b)  a  transcrita  no  Trecho  210    c)  a  transcrita  no  Trecho  3    d)  a  transcrita  no  Trecho  4    e)  nenhuma  delas    ________________________________________________________________________________________  10  A  alternativa  correta  é  a  b)  (Trecho  2),  pois  o  trecho  de  Terry  Eagleton  apresenta  a  ideia  de  que  “a  literatura  é  o  conjunto  de  textos  que  os  poderosos  decidem  que  seja  arte”,  conforme  a  paráfrase  feita  pelos  autores  do  Caderno  (p.  29).  
    • 27Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________    Vários   dos   assuntos   tratados   aqui   são   desenvolvidos   no   meu   livro  intitulado   Cultura   letrada:   literatura   e   leitura   (São   Paulo:   Ed.   Unesp,  2006).   O   livro   discute   os   conceitos   e   definições   de   literatura   e   reflete  sobre   as   maneiras   como   ela   tem   sido   ensinada.   São   debatidos   temas  quentes  como:  há  livros  bons  em  si?  todos  devem  apreciar  o  mesmo  tipo  de  texto?  há  uma  qualidade  estética  objetiva  nas  obras?  há  uma  maneira  correta  de  ler  literatura?  Os  capítulos  em  que  se  discute  o  conceito  de  literatura  estão  disponíveis  em  "Material  de  Apoio",  no  TelEduc.      Você  pode  pensar  sobre  o  ensino  tradicional  de  lite  ratura  assistindo  ao  filme  Encontrando  Forrester,  que  narra  a  história  de  um  aluno  negro  que  é   transferido   para   uma   escola   de   elite   devido   aos   seus   brilhantes  resultados   acadêmicos.   Ali   ele   encontra   um   professor   de   literatura  bastante   tradicional,   que   insiste   na   apresentação   dos   grandes   autores  eruditos  e  na  realização  de  tarefas  convencionais.  Tudo  muda  quando  o  aluno  encontra  o  recluso  escritor  Forrester.    Mas  antes  de  prosseguir,  realize  a  atividade  proposta  a  seguir.            ________________________________________________________________________________________  
    • 28Tema:  2.  O  Ensino  da  Literatura    Tópicos:    • »  Tópico  1  –  O  que  aprendiam  os  nossos  avós  –  o  ensino  de  literatura  no  passado      ________________________________________________________________________________________    Um  início  de  conversa  ________________________________________________________________________________________      O  modo  como  se  ensina  literatura  brasileira  é  bem  recente  e,  sejamos  sinceros,  bastante  confuso.  Os  livros  didáticos,  em  geral,  misturam  correntes  teóricas  e  linhas  críticas  como  se  não  houvesse  entre  elas  qualquer  divergência.   Como   você   verá   nesse   Tema,   o   ensino   atual   conserva   ideias   antigas   de   mais   de   um   século,  apresentando-­‐as,  lado  a  lado,  com  propostas  que  visam  negá-­‐las!          Vamos  acompanhar  algumas  etapas  importantes  da  reflexão  sobre  como  compreender  e  ensinar  literatura  e  vamos   nos   deter   sobre   os   "estilos   de   época"   e   "as   características   de   escolas   literárias",   que,   em   geral,  ocupam  um  lugar  central  nos  programas  de  ensino  e  nos  materiais  didáticos.    ________________________________________________________________________________________    
    • 29Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________          Todos  percebemos  que  o  modo  de  vida,  as  roupas,  os  penteados  mudam   com   o   tempo   e   mudaram   muito   no   último   século.   Mas  temos  a  tendência  a  imaginar  que  produções  do  espírito  -­‐  como  a  literatura   -­‐   e   seu   ensino   sempre   foram   da   maneira   como   os  conhecemos.                  Isso   faz   com   que   muitos   tenham   dificuldades   em   aceitar  mudanças,  pensando  "isso  sempre  foi  assim,  para  que  mudar?"            Neste  (e  no  próximo)  Tópico,  você  vai  ver  que  as  concepções  sobre  como   ensinar   literatura   se   transformaram   de   maneira  impressionante   nos   últimos   séculos   -­‐   e   que,   talvez,   seja   bom  transformá-­‐las  um  pouco  mais...                ________________________________________________________________________________________  
    • 30Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________    Quando  você  era  estudante,  no  Ensino  Médio  (que  se  chamava  Colegial  ou  Segundo  Grau,  conforme  sua  idade...),   você,   provavelmente,   estudou   literatura   de   maneira   histórica,   principiando   pela   produção  medieval   e   evoluindo   até   a   Geração   de   45,   mais   ou   menos.   Possivelmente,   você   estudou   a   literatura  portuguesa   e   a   brasileira   em   paralelo.   Na   universidade,   é   provável   que   você   tenha   visto   tudo   isso  novamente;  talvez,  com  o  acréscimo  de  uma  literatura  de  outra  língua  que  não  a  portuguesa.  Por  isso,  é  possível  que  você  pense  que  sempre  se  ensinou  literatura  assim  e  que  só  há  essa  maneira  de  aprender.          Se  você  conversar  com  sua  mãe  ou  com  sua  avó,  logo  perceberá  que  elas  aprenderam  literatura  de  modo  diferente  no  curso  que,  no  tempo  delas,  se  chamava  "Científico"  ou  "Clássico".  Se  fosse  possível  conversar  com  sua  bisavó,  você  ficaria  espantada  ao  perceber  como  tudo  era  diferente...          Como  não  é  mais  possível  conversar  com  as  pessoas  que  foram  à  escola  no  século  XIX  ou  no  começo  do  XX,  vamos  observar  os  livros  que  elas  usavam  para  descobrir  como  era  o  ensino  de  literatura.          ________________________________________________________________________________________  
    • 31Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    No  século  XIX,  o  ensino  do  que  hoje  chamamos  de  literatura  era  muito  diferente!  Havia  aulas  de  Retórica  e  de  Poética,  concentradas  no  sexto  e  no  sétimo  anos  do  ensino  médio  -­‐  que,  em  colégios  como  o  Pedro  II,  durava  sete  anos  e  era  destinado  à  formação  de  bacharéis.      As   disciplinas   de   Retórica   e   Poética   abrangiam   produções   universais,   sem   nenhuma   preocupação   com   a  nacionalidade   dos   autores   que   produziram   os   textos   e   voltavam-­‐se   à   apresentação   dos   preceitos   que  norteavam  a  composição  de  discursos  e  de  poesias.  Veja,  por  exemplo,  de  que  elementos  se  compunha  o  livro  Postillas  de  Rhetorica  e  Poetica,  escrito  pelo  cônego  Joaquim  Caetano  Fernandes  Pinheiro11  e  publicado  em  1871.      Os  estudantes  do  Colégio  Pedro  II,  para  quem  o  livro  foi  concebido,  aprendiam  um  conjunto  de  regras  que  tornavam  um  discurso  oral  ou  escrito  convincente  (Retórica)  ou  que  tornavam  um  poema  belo  (Poética),  prescrevendo  os  assuntos  e  os  modos  de  tratá-­‐los.  Esse  estudo  tinha  por  objetivo  "conhecer  e  apreciar  o  mérito   dos   escritores   notáveis,   julgar   suas   obras   e   manifestar   a   impressão   que   elas   deixam   em   nosso  espírito"   (p.   8).   O   estudo   da   Retórica,   além   de   capacitar   o   aluno   a   avaliar   as   obras   já   produzidas,   tinha  também   o   propósito   de   ensinar   a   produzir   discursos   persuasivos.   Embora   o   cônego   Fernandes   Pinheiro  oferecesse  um  maior  número  de  exemplos  extraídos  das  literaturas  portuguesa  e  brasileira,  não  havia,  em  sua  obra,  nenhuma  preocupação  nacional.                Clique  aqui  se  quiser  ver  algumas  obras  de  J.C.F.Pinheiro.      ________________________________________________________________________________________    11   Se   você   quiser   conhecer   as   obras   de   Fernandes   Pinheiro,   acesse   o   site    http://www.archive.org/search.php?query=Joaquim%20Caetano%20Fernandes%20Pinheiro.     Lá   estão  disponíveis  versões  digitais  de  seus  principais  livros,  muitos  deles  em  primeira  edição.  Mesmo  que  você  não  queria  ler  toda  a  obra  do  cônego,  vale  a  pena  dar  uma  espiada,  ao  menos  para  ver  como  eram  as  edições  escolares  do  século  XIX.  
    • 32Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    Somente   em   1860,   surgiu   uma   disciplina   específica   destinada   ao   ensino   da   literatura   brasileira   a   ser  ministrada  apenas  no  sétimo  (e  último)  ano  do  ensino  médio.  Embora  a  disciplina  se  chamasse  "literatura  nacional",  seu  conteúdo  abordava  principalmente  a  literatura  portuguesa!  A  disciplina  era  composta  por  30  pontos,   dos   quais   20   tratavam   da   literatura   portuguesa;   oito,   da   brasileira;   um,   da   origem   da   língua  portuguesa  e  outro  da  noção  e  divisão  de  sua  literatura.          Para   dar   conta   desse   programa,   foi   publicado   o   primeiro   livro   escolar   destinado   ao   ensino   da   literatura  brasileira,  também  escrito  pelo  cônego  Januário  Caetano  Fernandes  Pinheiro  e  publicado,  em  1862,  com  o  título  Curso  Elementar  de  Literatura  Nacional.  Veja  como  era  apresentada  a  matéria.      Compare  os  itens  elencados  no  Sumário  com  aqueles  listados  no  índice  do  livro  didático  que  você  costuma  consultar.  Que  diferenças  você  observa?  Anote  os  principais  elementos  que  chamaram  a  sua  atenção.          Provavelmente,  você  percebeu  que  não  há  separação  entre  os  autores  portugueses  e  brasileiros  -­‐  veja,  por  exemplo,  a  lição  XXXI,  em  que  convivem  poetas  portugueses  (Correia  Garção,  Antonio  Diniz  da  Cruz  e  Silva  e  Filinto  Elísio)  com  poetas  hoje  apresentados  como  parte  da  literatura  brasileira  (Tomás  Antonio  Gonzaga  e  Silva  Alvarenga).    ________________________________________________________________________________________    
    • 33Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  3      É  possível,  também,  que  você  tenha  observado  que  a  matéria  é  dividida  em  seis  períodos  históricos  (1140  a  1279;  1279  a  1495;  1495  a  1580;  1580  a  1750;  1750  a  1826  e  1826  em  diante).  Se  você  tivesse  o  livro  em  mãos,   perceberia   que   a   separação   entre   as   épocas   se   faz   ora   por   questões   políticas   -­‐   como   o   início   da  terceira  época,  em  1580,  devido  à  perda  da  autonomia  política  de  Portugal  para  a  Espanha  -­‐  ora  por  eventos  literários  -­‐  como  início  da  última  época  em  1826  devido  à  publicação  do  livro  Camões  por  Almeida  Garrett  (que,  na  verdade,  saiu  em  1825!).          Pode   ser   que   você   tenha   percebido   que,   dentro   dessas   épocas,   a   matéria   é   organizada   em   função   dos  gêneros  convencionais  (lírico,  épico,  dramático,  didático)  e  das  espécies  (bucólica,  lírica,  elegíaca,  didática,  satírica  e  epigramática),  seguidos  de  formas  tidas,  à  época,  como  híbridas  ou  de  difícil  classificação  (como  o  romance)   e   por   gêneros   e   tipos   de   texto   de   menor   destaque   (como   os   diálogos,   a   epistolografia,   a  historiografia,   as   viagens,   a   biografia).   Talvez,   você   tenha   notado   que   são   incluídas   obras   que   hoje   não  consideramos  como  literárias,  como  é  o  caso  da  historiografia.          Mas,   talvez,   o   que   tenha   mais   chamado   a   sua   atenção   tenha   sido   a   ausência   de   referências   a   escolas  literárias   como   "classicismo",   "barroco",   "arcadismo".  Como   você   deve   ter   percebido,   a   única   escola  mencionada  é  a  "escola  romântica".  Se  você  consultar  o  livro,  perceberá  que  o  fato  de  referir  o  movimento  romântico  como  escola  não  torna  a  abordagem  semelhante  à  da  maioria  dos  livros  didáticos  atuais,  pois  o  texto  traz  apenas  uma  apresentação  dos  principais  autores,  com  farta  citação  de  trechos  de  suas  obras,  sem  que  se  faça  qualquer  referência  a  "características  de  época",  que  hoje  recebem  grande  destaque  no  ensino  de  literatura.            
    • 34Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    Como  você  viu,  a  existência  de  uma  "literatura  brasileira"  e  seu  ensino  são  quase  uma  novidade,  já  que,  no  plano  histórico,  150  anos  não  são  grande  coisa!  O  modo  como  ela  é  ensinada  hoje  -­‐  de  maneira  evolutiva,  subdividida  em  "escolas  literárias",  com  características  bem  definidas  -­‐  é  ainda  mais  recente.          No   próximo   Tópico,   vamos   ver   como   isso   aconteceu;   mas,   por   enquanto,   o   que   importa   reter   é   que   a  maneira   pela   qual   se   ensina   literatura   na   maior   parte   das   escolas,   hoje,   não   é   única   nem   inevitável.   Ao  contrário,  ela  é  fruto  de  um  processo,  realizado  nas  últimas  décadas,  que  gerou  sucessivas  e  importantes  modificações.          Antes  de  avançar,  faça  a  atividade  apresentada  a  seguir.  Vamos  ver  se  você  está  entendendo  tudo  mesmo!      ________________________________________________________________________________________    
    • 35Atividade  autocorrigível  2  ________________________________________________________________________________________  professor   Roberto   Acízelo   de   Souza   realizou   um   profundo   estudo   sobre   a   organização   das   disciplinas   no  Colégio  Pedro  II  entre  1850  e  1900  e  as  sintetizou  em  um  quadro  (clique  aqui  para  ver  o  quadro).          A  partir  da  análise  do  quadro  de  distribuição  das  disciplinas,  é  correto  afirmar  que:      I.  a  perspectiva  nacionalista  não  era  predominante  no  ensino  de  literatura  no  século  XIX;  II.  o  ensino  de  retórica  e  de  poética  teve  grande  destaque  até  a  década  de  1880;  III.  o  ensino  de  literatura  nacional  como  disciplina  autônoma  implanta-­‐se  lentamente;  IV.  o  ensino  da  história  literária  reunia  a  literatura  geral,  a  portuguesa  e  a  brasileira  em  vários  momentos;  V.  as  disciplinas  relativas  ao  ensino  de  literatura  não  se  modificaram  de  maneira  significativa.    a)  apenas  as  afirmações  I,  II  e  III  são  corretas  b)  apenas  as  afirmações  II,  IV  e  V  são  corretas  c)  apenas  as  afirmações  I,  II,  III  e  IV  são  corretas12  d)  nenhuma  das  afirmações  é  correta  e)  todas  as  afirmações  são  corretas    ________________________________________________________________________________________  12  A  alternativa  correta  é  a  c),  pois  como  mostra  o  quadro  e  como  você  viu  no  texto  da  aula,  o  ensino  de  literatura  se  modificou  de  maneira  significativa  ao  longo  dos  séculos  XIX  e  XX.  
    • 36Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________    Uma  boa  apresentação  do  processo  de  constituição  da  literatura  como  disciplina  escolar  pode  ser  lida  no  livro  de  Roberto  Acízelo  de  Souza,  intitulado  Introdução  à  Historiografia   da   Literatura   Brasileira   (Rio   de   Janeiro:   EdUerj,   2007).   O   capítulo  "Ao   raiar   da   literatura   brasileira:   sua   institucionalização   no   século   XIX"   é  especialmente  interessante!  Você  pode  encontrá-­‐lo  em  "Material  de  Apoio",  no  TelEduc.      Para  sentir  como  o  universo  escolar  mudou  nas  últimas  décadas,  você  pode  assistir  ao  filme  A  Dúvida  (direção  John  Patrick  Shanley,  2008),  que  apresenta  o  cotidiano  de  uma  escola  religiosa  americana  em  1964.  A  trama  gira  em  torno  da  suspeita  de  que   um   dos   professores,   o   Padre   Flynn,   teria   segundas   intenções   em   seu  relacionamento  com  um  dos  alunos.          Se  você  gosta  de  filmes  de  suspense,  pode  preferir  ver  Piquenique  na  Montanha  Misteriosa  (direção  de  Peter  Weir,  1975).  A  história  é  ambientada  na  Austrália,  em  1900  e  tem  por  assunto  o  misterioso  desaparecimento  de  algumas  alunas  e  de  sua  professora  no  final  de  um  piquenique  realizado  na  montanha  Hanging  Rock.        Nenhum  deles  trata  especificamente  de  literatura,  mas  deixam  bem  claro  como  tudo  era  diferente  -­‐  e,  sendo  assim,  por  que  só  o  ensino  de  literatura  seria    sempre  igual?    ________________________________________________________________________________________  
    • 37Tópicos:    • »  Tópico  2  –  Entre  o  texto  e  o  contexto:  como  apresentar  a  história  da  literatura?        Mãos  à  obra    ________________________________________________________________________________________    O  ensino  de  literatura,  tal  como  se  faz  hoje  na  maioria  das  escolas  de  Ensino  Médio,  é  fruto  de  um  longo  processo  de  reflexão  sobre  a  melhor  maneira  de  compreender  o  fenômeno  literário.  Nos  últimos  cento  e  poucos  anos,  houve  animados  debates  sobre  o  que  seria  mais  importante  destacar  no  estudo  das  obras  literárias.   Isso,   obviamente,   teve   consequências   sobre   a   maneira   de   ensinar   literatura   nos   níveis   pré-­‐universitários.          No  tópico  anterior,  vimos  o  início  dessa  história.  Agora  você  vai  ver  seus  desdobramentos  e  vai  entender  um  pouco  melhor  por  que  os  livros  didáticos  que  você  utiliza  são  como  são.      ________________________________________________________________________________________  
    • 38Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________      Observe  o  livro  didático  que  você  costuma  utilizar  ou   a   que   recorre   na   preparação   de   suas   aulas.  Tome,   por   exemplo,   o   capítulo   relativo   ao  "Barroco".   É   muito   provável   que   ele   traga  informações  sobre  a  Reforma  e  a  Contra-­‐Reforma;  que  estabeleça  conexões  entre  esses  fenômenos  e  a   produção   literária   européia;   que   apresente   a  situação   brasileira,   com   ênfase   na   produção  açucareira   no   Nordeste;   que   faça   uma   lista   das  características   que   as   obras   do   período  manifestam;   e   que,   finalmente,   apresente   os  principais  autores  e  suas  obras,  referindo  o  Padre  Antonio  Vieira  e  Gregório  de  Matos  (ou,  em  alguns  casos,  apenas  Gregório  de  Matos).      Talvez  essa  maneira  de  abordar  a  literatura  pareça  natural  para  você.  É  possível  que  você  julgue  que  esse  é  o  modo  mais  completo  de  compreender  a  produção  literária  do  passado.  Mas,  na  verdade,  trata-­‐se  de  uma  sobreposição  de  teorias  e  modos  de  compreender  a  literatura  que  se  desenvolveram  a  partir  do  final  do  século  XIX.  ________________________________________________________________________________________  
    • 39Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    O  Curso   Elementar   de   Literatura   Nacional,   cujo   índice   você  examinou   no   tópico   anterior,   foi,   por   muito   tempo,   um   dos  principais  livros  adotados  para  o  ensino  de  literatura  nacional,  que  continuava   subordinada   à   literatura   portuguesa   e   concorrendo  com   as   disciplinas   de   Retórica   e   Poética   (cujo   foco   era   pouco  histórico  e  nada  nacionalista).      Somente   no   final   do   século   XIX,   em   1892,   a   literatura   brasileira  passou   a   ocupar   um   lugar   de   relativa   importância   no   Ensino  Médio.   No   Colégio   Pedro   II   (que   tem   servido   de   parâmetro   em  muitos  estudos  para  a  observação  da  história  do  ensino  no  Brasil),  foi   nesse   ano   que   se   passou   a   ensinar   exclusivamente   literatura  nacional,  abrindo  mão  do  ensino  da  retórica  e  da  poética.          Nesse   momento,   o   livro   do   cônego   Fernandes   Pinheiro   foi  substituído  pela  obra  História  da  literatura  brasileira13,  de  Sílvio  Romero.  Este  livro  trazia  muitas  novidades,  a  começar  pelo  fato  de  não  tratar  da  literatura  portuguesa  como  parte  da  literatura  nacional,  mas  mantinha  algumas  características  do  modo  de  ensino  anterior,  por  exemplo,  a  associação  entre  a  vida  do  autor  e  sua  produção,  procurando  na  biografia  traços  para  explicação  dos  textos  -­‐  procedimento  que  permaneceu  no  modo  como  se  ensina  literatura  até  hoje,  em  muitos  livros  didáticos.    ________________________________________________________________________________________    13   ROMERO,   Sílvio.   História   da   literatura   brasileira.   Rio   de   Janeiro:   Garnier,   1888.   A   ortografia   foi  modernizada   nas   citações.   Fragmentos   disponíveis   para   baixar   em   PDF   em  http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=2128,   acesso  em  15/10/2010.  
    • 40Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    A  grande  novidade  do  livro  de  Romero  era  ter  como  objetivo  principal  "mostrar  as  relações  de  nossa  vida  intelectual  com  a  história  política,  social  e  econômica  da  nação"  (p.  9).      Para  chegar  a  isso,  ele  achava  que  era  "preciso  deixar  ver  como  o  descobridor,  o  colonizador,  o  implantador  da  nova  ordem  de  cousas,  o  português  em  suma,  foi-­‐se  transformando  ao  contato  do  índio,  do  negro,  da  natureza   americana,   e   como,   ajudado   por   tudo   isso   e   pelo   concurso   de   ideias   estrangeiras,   se   foi  aparelhando  o  brasileiro."  (p.  9)  Para  ele,  o  que  explicava  a  produção  literária  era  a  ação  da  "raça"  (ou  seja,  da  etnia  a  que  pertenciam  os  autores),  do  "meio"  (ou  seja,  do  contexto)  e  do  "momento"  (ou  seja,  a  época).  (p.  13).      Esse  modo  de  compreender  a  produção  literária  foi  marcante  e  afetou  os  livros  produzidos  nas  décadas  seguintes.   Embora   houvesse   discordâncias   aqui   e   ali   com   o   método   de   Sílvio   Romero,   sua   concepção  historicista  e  sociológica  da  literatura  permaneceu  por  muito  tempo.  A  subordinação  da  literatura  à  história  é  um  traço  ainda  presente  em  muitos  materiais  didáticos,  que  apresentam  as  obras  literárias  como  reflexo  das  atividades  sócio-­‐político-­‐econômicas.      Em   meados   do   século   XX,   entretanto,   surgiram   questionamentos   importantes   a   essa   maneira   de  compreender  a  produção  literária,  pois  muitos  passaram  a  reivindicar  uma  autonomia  da  obra  de  arte  em  relação  a  seu  contexto  de  produção,  afirmando  que  os  elementos  internos  dos  textos  deveriam  ter  primazia.      ________________________________________________________________________________________  
    • 41Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  3  ________________________________________________________________________________________    As  correntes  de  maior  destaque  a  pregar  esse  tipo  de  abordagem  foram  a  dos  formalistas  russos  e  a  dos  estruturalistas,   que   concentravam   sua   atenção   no   funcionamento   do   texto,   evitando   tecer   qualquer  consideração  sobre  sua  ideologia  ou  sua  relação  com  o  contexto.      Obviamente,  eles  estavam  muito  distantes  do  que  faziam  os  historiadores  da  literatura,  mas  tiveram  grande  importância  para  os  que  criticavam  a  periodização  adotada  pelas  histórias  literárias.  Até  então,  a  separação  em   períodos   misturava   critérios   políticos   (início   ou   final   de   reinados,   por   exemplo),   cronológicos  (estabelecimento  de  conjuntos  de  anos  relativamente  arbitrários)  e  literários  (publicação  de  determinada  obra   tida   como   relevante).   A   partir   dos   trabalhos   de   René   Wellek,   muitos   passaram   a   acreditar   que   a  literatura   teria   um   "desenvolvimento   próprio   e   autônomo,   que   não   pode   ser   reduzido   ao   de   outras  atividades",   devendo,   portanto,   ser   subdividida   em   períodos   que   se   caracterizem   por   "um   sistema   de  normas,   padrões   e   convenções   literárias,   cuja   introdução,   alastramento,   diversificação,   integração   e  desaparecimento  podem  ser  traçados."      ________________________________________________________________________________________  
    • 42Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  4  ________________________________________________________________________________________    A  obra  de  René  Wellek  teve  grande  importância  para  os  trabalhos  de  Afrânio  Coutinho14   que,   nos   anos   de   1950,   coordenou   uma   equipe   de   pesquisadores  encarregados   de   escrever   uma   nova   história   da   literatura   brasileira,   a   qual,  entre  outras  novidades,  trazia  a  matéria  subdividida  em  períodos,  marcados  por  diferenças   de   estilos.   Para   ele,   "os   estilos   principais   que   prevaleceram   como  unidades   periodológicas"   no   Brasil   foram   os   seguintes:   "Barroquismo,  Neoclassicismo,   Arcadismo,   Romantismo,   Realismo,   Naturalismo,  Parnasianismo,   Simbolismo,   Impressionismo,   Modernismo"   (pp.   27   e   33)    Sob  sua  orientação  foi  produzida  a  obra  A  literatura  no  Brasil,  publicada  entre  os  anos   de   1955   e   1959,   na   qual   se   buscava   mostrar   que   a   literatura   é   um  "fenômeno  autônomo"  (p.  33),  embora  mantenha  relações  com  outros  setores  da   atividade   humana.   Ela   deveria   ser   estudada   tendo   em   vista   suas  características  internas  e  seu  "desenvolvimento  imanente",  "não  condicionada  por  influências  extraliterárias  de  origem  social  ou  política."  (p.62)      Agora  você  deve  ter  percebido  de  onde  vem  a  divisão  dos  capítulos  dos  livros  didáticos  mais  comuns  e  de  onde  se  originaram  as  famosas  listas  de  características  de  época!      ________________________________________________________________________________________  14  COUTINHO,  Afrânio.  Introdução  à  Literatura  Brasileira.  Rio  de  Janeiro:  Livraria  São  José,  1968.  As  citações  de  Wellek  foram  extraídas  dessa  obra,  à  página  21.  
    • 43Atividade  autocorrigível  3  ________________________________________________________________________________________    Como  você  sabe,  a  internet  está  repleta  de  sites  que  apresentam  conteúdos  escolares  de  forma  menos  ou  mais  animada.  Muitos  deles  trazem  explicações  sobre  escolas  literárias  e  suas  características.  Acesse  o  site  e  leia  o  texto  "Movimento  Barroco".          Observando  a  maneira  de  apresentação  da  matéria,  é  correto  dizer  que:      I.  há  grande  coerência  teórica  no  modo  de  explicar  o  movimento  barroco.  II.  há  uma  justaposição  de  correntes  teóricas,  muitas  das  quais  são  incompatíveis.  III.  há  grande  interesse  no  material  por  trazer  todas  as  informações  necessárias  para  a  compreensão  do  barroco.          Passe  o  cursor  na  letra  da  alternativa  correta:          a)  todas  as  afirmações  são  corretas    b)  apenas  a  afirmação  III  é  correta  c)  apenas  a  afirmação  I  é  correta  d)  apenas  a  afirmação  II  é  correta15  e)  apenas  as  afirmações  I  e  III  são  corretas      ________________________________________________________________________________________  15  A  alternativa  correta  é  a  d),  pois  há  uma  justaposição  de  correntes  teóricas  o  material  apresentado  no  site.  Muitas  delas  são  contraditórias,  portanto  incompatíveis.  O  exercício  é  comentado  no  texto  a  seguir.  
    • 44Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    Os   modos   de   compreender   a   história   da   literatura   brasileira   apresentados   nos   dois   últimos   tópicos  convivem,  de  maneira  pouco  harmônica,  nos  livros  didáticos  atuais.      Como  você  deve  ter  percebido,  no  capítulo  relativo  ao  "Barroco"  examinado  na  questão  anterior,  convivem  informações   sobre   a   história   do   pensamento   religioso   na   Europa   (relato   sobre   a   Reforma   e   a   Contra-­‐Reforma),   articulações   entre   texto   e   contexto   (conexões   entre   história   religiosa   e   produção   literária  européia),  vinculações  entre  a  produção  literária  e  as  condições  sócio-­‐econômicas  (a  produção  açucareira  no  Nordeste  como  pano  de  fundo  da  produção  de  sermões  e  poesias),  descrição  formal  de  elementos  dos  textos   (listas   das   características   de   época),   associação   entre   trajetórias   individuais   e   produção   literária  (apresentação  de  biografias  dos  autores  em  relação  com  as  obras).      Essa  justaposição  de  teorias  é  pouco  consistente,  pois  tenta  conjugar  o  que,  no  plano  teórico,  é,  muitas  vezes,   antagônico   ou   incompatível.   Além   disso,   faz-­‐se,   em   geral,   uma   diluição   das   propostas   e   de   seus  resultados,   transformando-­‐os   em   narrativas   históricas   superficiais,   breves   esboços   biográficos   e   listas   de  características  textuais.      De  todas  essas  maneiras  de  abordar  a  literatura,  a  que  costuma  ter  maior  difusão  escolar  é  a  que  se  centra  em  apresentar  a  "evolução"  das  "escolas  literárias"  e  suas  "características  de  época",  embora  essa  seja  uma  maneira  anacrônica  e  redutora  de  compreender  a  produção  literária.  No  próximo  tópico,  vamos  ver  por  quê.    ________________________________________________________________________________________  
    • 45Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________      Uma   bela   apresentação   dos   temas   tratados   brevemente   nesse   tópico   pode  ser  lida  no  livro  Teoria  da  Literatura,  de  Roberto  Acízelo  de  Souza  (São  Paulo:  Ática,  2007).      Com   grande   poder   de   síntese,   o   professor   apresenta,   em   80   páginas,   a  história   da   reflexão   teórica   sobre   literatura,   referindo   os   debates   mais  importantes   e   esclarecendo   termos   e   conceitos   críticos.   Tudo   isso   em  linguagem  simples  e  agradável!              ________________________________________________________________________________________  
    • 46Tópicos:    • »  Tópico  3  –  História  da  Literatura,  Escolas  Literárias  e  características  de  época    ________________________________________________________________________________________    Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________    O  ensino  de  literatura  como  ensino  de  história  literária,  subdividida  em  "escolas"  com  características  de  época  bem  definidas  é  o  que  prevaleceu  no  Ensino  Médio  nas  últimas  décadas.  Esse  modo  de  ensinar  literatura  é  uma  mistura   de   uma   concepção   historicista-­‐sociológica  (como  a  realizada  por  Sílvio  Romero,  por  exemplo)  com  uma   concepção   imanentista,   que   observa   o  funcionamento   do   texto,   buscando   localizar   suas  características   fundamentais   (como   a   proposta   por  Afrânio  Coutinho,  por  exemplo).      Provavelmente,  você  aprendeu  literatura  desse  modo  e  talvez  acredite  que  essa  maneira  é  a  que  melhor  conduz  os  alunos  à  compreensão  do  fenômeno  literário.        Vamos  pensar  sobre  isso?      ________________________________________________________________________________________  
    • 47Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________    No  quarto  volume  do  Caderno  do  Professor  relativo  à  1ª  série,  há  propostas  de  trabalho  que  visam  ensinar  as   "características   de   estilo   de   época"   e   levar   os   alunos   a   perceber   "os   principais   estilos   de   época   da  literatura  em  língua  portuguesa"  (p.10).          A  Atividade  2  apresenta  "as  principais  características  das  escolas  literárias"  e  propõe  a  tarefa  de  "identificar  a  que  estilo  de  época  pertencem".  A  proposta  consiste  em  relacionar  características  a  nome  de  escolas,  mas  nós  vamos  fazer  um  pouco  diferente!  Vamos  relacionar  as  características  apresentadas  a  obras  literárias.    ________________________________________________________________________________________    
    • 48Atividade  autocorrigível  4  ________________________________________________________________________________________    A   Atividade   2   da   Situação   de   Aprendizagem   1   -­‐   "O   estilo   nosso   de   cada   época"   (Caderno   do   Professor,  volume  4,  2009,  p.  13)  apresenta  as  seguintes  características  como  definidoras  do  "Barroco":      Representa  o  momento  de  crise  do  antropocentrismo,  com  os  valores  religiosos  mascarando  a  visão  do   homem   sobre   si.   O   equilíbrio   apregoado   pelo   Renascimento   é   substituído   pela   expressão  angustiada  do  ser  humano,  que  se  sente  pequeno  diante  da  realidade  em  que  vive.  Por  isso,  fala-­‐se  muito  da  brevidade  da  vida.  O  leitor  é  conduzido  à  confusão  das  coisas,  de  modo  que  os  textos  criam  uma  ideia  de  instabilidade.  Valoriza-­‐se  o  jogo  de  oposições  e  contrastes.      Leia  os  poemas  a  seguir  (clique  aqui)  e  identifique  aqueles  que  pertencem  ao  Barroco,  segundo  a  definição  acima.    Em  seguida,  responda:      Considerando  as  características  apresentadas  no  Caderno  do  Professor,  são  barrocos  os  poemas:      a)  I,  II,  III,  IV,  V,  VI.    b)  I,  II.    c)  IV,  V,  VI.    d)  I,  II,  III,  IV,  V16.    e)  VI.      ________________________________________________________________________________________    16  Você  acertou.  Os  poemas  que  correspondem  às  características  listadas  estão  na  letra  d),  entretanto  eles  não  foram  escritos  no  Barroco.  Apenas  o  poema  VI  foi  produzido  no  período  designado  como  Barroco,  mas  ele  não  apresenta  as  características  listadas.  
    • 49Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Exercícios  de  identificação  de  textos  a  partir  de  características  pré-­‐definidas  são  muito  comuns  no  cotidiano  escolar,  por  isso  essa  tarefa  deve  ter  parecido  familiar  para  você.  O  fato  de  os  poemas  serem  apresentados  sem  indicação  de  autoria  talvez  também  tenha  parecido  habitual,  pois  a  crença  na  ideia  de  que  há  estilos  de  época  e  que  a  eles  correspondem  determinadas  características  muitas  vezes  leva  à  realização  de  exercícios  como  esses.      É  possível  que  você  tenha  observado  que  o  poema  (I)  mantém  relação  com  a  ideia  de  que  "o  equilíbrio  apregoado  pelo  Renascimento  é  substituído  pela  expressão  angustiada  do  ser  humano",  pois  ele  trata  das  dificuldades  experimentadas  pela  persona  lírica  com  seu  próprio  ser,  exprimindo  seus  desentendimentos  internos.  Talvez  você  tenha  associado  o  poema  (II)  à  ideia  de  que  o  Barroco  "representa  o  momento  de  crise  do  antropocentrismo,  com  os  valores  religiosos  mascarando  a  visão  do  homem  sobre  si",  já  que  ele  expressa  a  submissão  do  homem  a  Deus  e  Sua  presença  em  todas  as  coisas.  Já  o  poema  (III)  pode  ter  lembrado  a  você  a  afirmação  de  que,  no  estilo  barroco,  "valoriza-­‐se  o  jogo  de  oposições  e  contrastes",  uma  vez  que  o  poema  joga  com  a  oposição  entre  ausência  e  presença;  vazio  e  completude.      Se  você  pensou  assim,  deve  ter  assinalado  a  alternativa  d),  uma  vez  que  o  poema  (VI)  parece  ser  o  único  que  não  corresponde  a  nenhuma  das  características  apresentadas.      ________________________________________________________________________________________  
    • 50Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    Entretanto,  nenhum  dos  poemas  citados  entre  I  e  V  foi  composto  no  período  tido  como  Barroco.  O  primeiro  deles  é  atribuído  a  Sá  de  Miranda  (1481  -­‐  1558),  que  o  compôs  justamente  no  período  designado  como  "Renascimento",   época   em   que   haveria   "equilíbrio"   e   que   seria   suplantado   pela   "angústia"   barroca.   O  segundo  poema  intitula-­‐se  "Deus  é  a  luz  celestial..."  e  foi  publicado  no  livro  Poesias  (1938),  da  autoria  de  Alphonsus   de   Guimarães   (1870-­‐1921),   poeta   tido   como   "Simbolista".   O   terceiro   poema   é   de   Carlos  Drummond  de  Andrade  e  foi  publicado  em  seu  último  livro  -­‐  Corpo  -­‐  publicado  em  1987,  em  um  período  para  o  qual  os  livros  didáticos  não  estabelecem  escolas  literárias!  Já  o  quarto  poema,  intitulado  "O  meu  impossível"  foi  escrito  pela  poetisa  portuguesa  Florbela  Espanca  (1894-­‐1930),  conhecida  por  seus  sonetos  de   tema   amoroso,   mas   normalmente   não   associada   a   uma   escola   literária   específica.   O   quinto   poema  chama-­‐se   "O   Relógio"   e   foi   escrito   por   Cassiano   Ricardo   (1895   -­‐   1974),   poeta   que   tomou   parte   no  movimento  Modernista  brasileiro.  Ou  seja,  tendo  em  vista  o  momento  de  sua  elaboração,  nenhum  deles  seria   considerado   Barroco,   embora   todos   apresentem   elementos   arrolados   como   característicos   daquele  "estilo  de  época".      Por  outro  lado,  o  poema  (VI),  que  não  apresenta  nenhuma  das  características  arroladas,  é  o  único  que  foi  composto   no   período   designado   como   Barroco.   Ele   é   atribuído   a   Gregório   de   Matos   (1636?   -­‐1696)   e  aproxima  o  amor  à  relação  sexual,  utilizando  uma  linguagem  coloquial  e  debochada.    ________________________________________________________________________________________  
    • 51Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    A  ênfase  sobre  os  estilos  de  época  e  sobre  as  características  de  escolas  literárias,   em   geral,   cria   nos   alunos   a   impressão   de   que   todos   os  autores   que   escreveram   em   determinado   momento   seguiam   uma  mesma  proposta  e  sentiam-­‐se  parte  de  um  grupo  homogêneo  e  coeso.  Isso   é   uma   ideia   falsa,   sobretudo   se   considerarmos   as   composições  realizadas  até  o  final  do  século  XVIII.          Como  você  viu,  as  tais  "características  de  época"  não  são  exclusivas  de  um   determinado   período,   estando   presentes   em   produções   de  momentos   absolutamente   distintos.   Da   mesma   forma,   nem   todos   os  que   escrevem   em   uma   determinada   época   fazem   uso   de   elementos  semelhantes.  Além  disso,  a  ideia  de  que  há  "escolas  literárias"  que  se  definem   por   um   conjunto   de   elementos   comuns   é   bastante   recente,  datando  de  meados  do  século  XX.  Se  fosse  possível  conversar  com  o  poeta  Gregório  de  Matos,  ele  certamente  ficaria  muito  espantado  com  a  ideia  de  pertencer  ao  estilo    "barroco",      pois,      em      seu      tempo,    "barroco"    significava  apenas  um  tipo  de  pérola  mal  formada...      ________________________________________________________________________________________  
    • 52  Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________    Você  pode  ler  o  livro  Teoria  Literária:  uma  introdução,  de  Jonathan  Culler  (São  Paulo:  Becca,  1999).                Jonathan   Culler   apresenta   um   panorama   dos   principais   temas   e   questões  tratados   pela   teoria   literária   ao   longo   do   século   XX   e   fornece   indicações   que  permitem   que   você   continue   acompanhando   a   discussão   em   outras   obras   e  textos.  O  livro  contém  um  precioso  Apêndice,  em  que  se  apresenta  um  pequeno  resumo   das   principais   tendências   teóricas   e   críticas   do   século   passado.   Além  disso,  o  livro  tem  a  virtude  de  ser  claro  e  divertido.            ________________________________________________________________________________________  
    • 53  Tema:   3.   Literatura:   Espaço   da  Multiplicidade    Tópicos:    • »  Tópico  1  –  Gostar  ou  conhecer?        ________________________________________________________________________________________    Um  início  de  conversa    ________________________________________________________________________________________      Até   aqui,   retomamos   a   maneira   pela   qual   você   aprendeu  literatura   e   pensamos   sobre   o   modo   como   você   a   ensina.  Vimos  que  os  livros  didáticos,  muitas  vezes,  tentam  conjugar  teorias  e  propostas  histórica  e  teoricamente  divergentes.      Agora  é  hora  de  pensar  em  uma  proposta  renovada  para  o  ensino  da  literatura.            ________________________________________________________________________________________    
    • 54Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________    O  ensino  de  literatura,  muitas  vezes,  é  associado  à  tarefa  de  difundir  o  gosto  pela  literatura  erudita.      É  verdade  que  ninguém  gosta  daquilo  que  não  conhece  ou  não  compreende.  É  verdade  também  que  a  escola  deve  ser  o  lugar  de  ampliar  as  referências  dos  alunos,  permitindo  que  eles  conheçam  um  amplo  conjunto  de  produções  literárias  bem  como  tomem  contato  com  o  legado  artístico.      Mas  será  preciso  fazer  com  que  os  alunos  gostem  disso?    ________________________________________________________________________________________  
    • 55Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________      Você   se   lembra   de   quando   tentava   fazer   seu   filho  pequeno   (ou   priminho   ou   irmãozinho,   tanto   faz...)  gostar  de  comer  verdura?  Talvez  a  angústia  que  você  sentia  diante  da  sua  veemente  recusa  seja  semelhante  à  que  toma  você  de  assalto  quando  tenta  explicar  para  seus   alunos   que   eles   devem   gostar   de   literatura   -­‐  sendo  literatura  aquele  conjunto  de  obras  canonizadas  e  escolarizadas...      Talvez   seu   filho,   hoje,   adore   comer   acelga,   mas  provavelmente   ele   (e   você!)   recuaria   horrorizado  diante  de  um  prato  de  Sannakji,  preparado  com  filhote  de  polvo  cru  temperado  com  óleo  de  gergelim.  Quando  bem  feito,  os  tentáculos,  cortados  em  pequenos  pedaços,  chegam  ainda  se  mexendo  à  mesa  e,  se  não  forem  bem  mastigados,  podem  ficar  grudados  na  boca  ou  garganta  devido  às  ventosas  ainda  ativas.  Ficou  com  nojo?  Pois  saiba  que  o  Sannakji  é  tido  como  uma  iguaria  fina  na  Coréia!          É  verdade  que  gosto  se  aprende,  mas  é  mais  verdade  ainda  que  o  gosto  é  cultural.      ________________________________________________________________________________________  
    • 56Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Você  percebeu  que  a  definição  do  que  é  literatura  tem,  além  do  componente  estético,  uma  grande  dose  de  disputa   de   poder.   O   que   se   considera   uma   história   bem   narrada   em   uma   tribo   africana   não   é   o   que   se  considera  bem  narrado  em  Paris;  o  enredo  que  emociona  uma  jovem  de  15  anos  não  é  o  que  traz  lágrimas  aos  olhos  de  um  professor  de  60  anos;  o  que  um  crítico  literário  carioca  identifica  como  um  uso  sofisticado  de  linguagem  não  é  compreendido  por  um  nordestino  analfabeto.      O  problema  é  que  o  parisiense,  o  professor,  o  crítico  literário,  o  homem  maduro  têm  mais  prestígio  social  que  o  africano  iletrado,  a  jovem,  o  agricultor.  Por  isso  conseguiram  fazer  com  que  seu  modo  de  ler,  sua  apreciação  estética,  sua  forma  de  se  emocionar,  seus  textos  preferidos  fossem  vistos  como  o  único  (ou  o  correto)  modo  de  ler  e  de  sentir.      Ao   invés   de   tentar   (inutilmente)   disseminar   o   gosto   pela   produção   erudita   entre   pessoas   que   vivem   em  situações  culturais  inteiramente  diversas,  é  mais  produtivo  que  você  favoreça  o  contato  de  seus  alunos  com  múltiplas  produções  culturais  (inclusive  as  canônicas).      Mostre  para  eles  que  a  sofisticação  estética  não  é  privilégio  das  composições  eruditas.  Cada  grupo  social  e,  principalmente,  cada  grupo  cultural  tem  um  conceito  sobre  o  que  seja  literatura  e  tem  critérios  de  avaliação  próprios  para  examinar  histórias  e  poesias.      Muito  melhor  do  que  ter  preconceito  contra  o  gosto  dos  outros  é  conhecer  as  várias  produções  e  entender  como  elas  são  compostas  e  avaliadas  por  seus  autores  e  por  seu  público.      ________________________________________________________________________________________  
    • 57Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    Essa  questão  é  abordada  na  "Situação  de  Aprendizagem  3"  da  1ª  série  (Veja   o   Caderno   do   Professor,   1ª   série,   volume   2,   2009,   páginas   26   a  29),   em   que   se   propõe   uma   discussão   sobre   gosto   e   literatura.   A  proposta   tem   elementos   interessantes,   como   entender   a   literatura  "como  um  conceito  aberto"  (p.  27),  estimulando  o  professor  a  não  ser  "dogmático"  e  abrir-­‐se  "para  a  argumentação  e  para  o  diálogo"  (p.  27).      No   item   "Sondagem",   propõe-­‐se   que   se   peça   aos   alunos   para   trazer  para  sala  de  aula  um  texto  de  que  gostem  e  que  considerem  "bonito"  ou  "belo",  apresentando  "os  motivos  que  os  levam  a  considerar  cada  texto  como  belo"  (p.  27).      Essa   é   uma   excelente   maneira   de   compreender   o   gosto   estético   dos  alunos  e  perceber  as  possíveis  diferenças  dentro  de  uma  mesma  classe.      Depois   de   ouvir   os   alunos,   propõe-­‐se   que   você   apresente   a   eles   um  poema  que  cons  idere  "bonito,  mas  que,  ao  mesmo  tempo,  seja  também  considerado  uma  obra  literária  importante".  Os  autores  do  material  sugerem  a  utilização  de  um  soneto  de  Luís  de  Camões.  ________________________________________________________________________________________    
    • 58Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  3  ________________________________________________________________________________________    Há   aí   alguns   problemas.   Ao   apresentar   o   texto   de   Camões   como   exemplo   de   elaboração   estética   de  qualidade,  é  possível  que  você  passe  aos  alunos  a  ideia  de  que  boa  literatura  é  algo  de  difícil  compreensão  (o  que  não  é  verdade!).  Além  disso,  a  proposta  não  sugere  que  você  explique  aos  alunos  por  que  motivos  esse  poema  é  considerado  um  clássico  da  literatura.  Isso  pode  gerar  a  ideia  de  que  a  qualidade  literária  não  depende  da  época  ou  do  lugar  e  que  ela  deveria  ser  reconhecida  instintivamente  por  qualquer  pessoa  em  qualquer  tempo.      Finalmente,  as  questões  propostas  para  o  debate  também  podem  conduzir  a  desentendimentos,  pois  se  pede  que  o  professor  pergunte:  "Qual  deles  [o  texto  trazido  pelos  alunos  ou  o  soneto  de  Camões]  considera  mais  artístico?  Por  quê?  Qual  deles  permite  que  pensemos  melhor  em  nossa  identidade  e  existência?  Por  quê?"  (p.  27).      Se  sua  sala  de  aula  for  um  espaço  de  sinceridade,  provavelmente  os  alunos  dirão  que  o  texto  trazido  por  eles  é  mais  artístico  e  permite  pensar  melhor  sobre  a  existência.  Se  seus  alunos  acharem  mais  prudente  tentar  adivinhar  o  que  a  escola  gostaria  que  eles  respondessem,  provavelmente  dirão  que  o  melhor  é  o  soneto  de  Camões.  Em  qualquer  uma  das  duas  situações,  o  que  os  alunos  ganham  com  a  atividade?  O  que  ela  ensina  para  eles?      ________________________________________________________________________________________  
    • 59Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    Professores   de   outras   disciplinas,   como   física   ou   biologia,   não   costumam   colocar   entre   seus   objetivos  principais   fazer   com   que   seus   alunos   gostem   de   física   ou   de   biologia.   Eles   querem   que   os   estudantes  conheçam   os   fundamentos   da   disciplina   e   sejam   capazes   de   operar   com   eles,   pelo   menos   com   os   mais  simples.  Alguns  deles  gostarão  disso  e  procurarão  aprofundar  seus  conhecimentos,  fazendo,  quem  sabe,  um  curso  superior  de  Física  ou  de  Biologia.  Os  que  gostarem  muito  disso  talvez  se  tornem  professores  de  Física  ou  de  Biologia,  sem  que  lhes  passe  pela  cabeça  que  sua  missão  na  escola  é  fazer  com  que  os  alunos  sejam  como  eles:  gente  que  gosta  de  Física  ou  de  Biologia.    Nós,  professores  de  Literatura,  nos  atrapalhamos  quando  colocamos  como  meta  fazer  com  que  os  alunos  gostem  do  que  ensinamos.  É  muito  mais  simples  e  mais  eficiente  ensinar  a  eles  quais  são  os  fundamentos  da  literatura   (ou   seja,   quais   são   os   procedimentos   básicos   presentes   em   composições   que   diversas  comunidades   interpretativas   reconhecem   como   obras   literárias),   quais   são   as   convenções   que   regem   as  variadas   elaborações   produzidas   em   diferentes   épocas   e   culturas   e   apresentar-­‐lhes   o   que   de   melhor   se  produziu  ao  longo  do  tempo  e  em  diferentes  grupos  culturais.      Um  programa  como  esse  é  amplo  e  complexo,  mas  é  muito  mais  possível  de  ser  realizado  do  que  fazer  com  que  todo  mundo  goste  da  produção  erudita...    ________________________________________________________________________________________  
    • 60Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________    Os  desentendimentos  entre  o  mundo  erudito  e  o  universo  dos  alunos  de  escolas  de  periferia  são  magnificamente  representados  no  filme  Entre  os  muros  da  escola  (direção  de  Laurent  Cantet,  2008).    Você  pode  ler  uma  boa  resenha  do  filme,  escrita  por  Edilson  Saçashima  aqui  ("‘Entre  os  Muros  da  Escola  expõe  a  visão  francesa  do  choque  de  civilizações").  No  mesmo  endereço,  poderá  ver  fotos  e  assistir  ao  trailler  do  filme.  Clicando  aqui,  você  poderá  ler  uma  entrevista  com  o  diretor  do  filme,   Laurent   Cantet,   realizada   por   Taíssa   Stivanin   ("Diretor   fala   sobre  Entre   os   Muros,   filme   indicado   ao   Oscar   que   retrata   nova   sociedade  francesa").          Para   ver   uma   experiência   inteiramente   diferente   de   contato   com   a  literatura,   assista   ao   vídeo   "Povo   lindo,   povo   inteligente   -­‐   o   sarau   da  Cooperifa".              ________________________________________________________________________________________  
    • 61Tópicos:    • »  Tópico  2  –  E  agora  ?!  O  que  fazer?          Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________  Até  aqui,  vimos  que  o  ensino  de  literatura  mudou  muito  nos  últimos  cento  e  poucos  anos.  Vimos  também  que  a  maneira  como  a  literatura  é  apresentada  na  maioria  dos  livros  didáticos  é  pouco  adequada,  por  se  concentrar  na  produção  erudita  e  por  misturar  posições  teóricas  distintas  e,  às  vezes,  irreconciliáveis.      Provavelmente,  você  está  se  perguntando:  mas,  então,  o  que  devo  fazer?      No   tópico   anterior,   foi   feita   uma   proposta:   ensinar   os   fundamentos   da   literatura;   explicar   quais   são   as  convenções  que  regem  as  variadas  elaborações  produzidas  em  diferentes  épocas  e  culturas;  apresentar  o  que  de  melhor  se  produziu  ao  longo  do  tempo  e  em  diferentes  grupos  culturais.      Vamos  pensar  mais  sobre  isso?        
    • 62Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________    O  que  há  de  comum  entre  o  folheto  de  cordel  A  Força  do  Amor  de  Leandro  Gomes  de  Barros  e  o  Poema  em  Linha  Reta  de  Álvaro  de  Campos  (Fernando  Pessoa)?          Quais   são   as   semelhanças   entre   Grande   Sertão   Veredas  de   Guimarães   Rosa   e   O   Segredo   de   uma   Promessa   de  Danielle  Steel?          O  que  é  similar  entre  Hamlet  de  Shakespeare  e  O  Auto  da  Compadecida  de  Ariano  Suassuna?          Se  você  respondeu:  nada!,  enganou-­‐se.      ________________________________________________________________________________________    
    • 63Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Não  se  encontrou,  até  hoje,  um  grupo  cultural  que  não  contasse  histórias  ou  que  não  cantasse.  As  formas  de  fazer  isso  são  as  mais  variadas,  mas  há  uns  tantos  elementos  recorrentes.      O  poema  de  Fernando  Pessoa  assim  como  o  de  Leandro  Gomes  de  Barros  são  compostos  em  versos,  com  ritmo  e  sonoridade  fortes.  O  romance  de  Guimarães  Rosa,  assim  como  o  de  Danielle  Steel  têm  narradores  e  personagens   que   se   movimentam   em   um   ambiente   e   agem   em   determinado   tempo.   As   peças   de  Shakespeare  e  de  Suassuna  também  têm  personagens  que  vivem  em  determinado  ambiente  e  tempo,  mas,  diferentemente  dos  romances,  pressupõem  a  participação  de  atores,  a  criação  de  figurinos  e  a  elaboração  de  um  cenário.      Esses   são   alguns   dos   elementos   essenciais   da   poesia,   da   ficção   e   do   drama.   Seus   alunos   precisam   saber  disso!  ________________________________________________________________________________________  
    • 64Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________    Ao  entrar  em  contato  com  poesias,  é  importante  que  seus  alunos  tenham  noções  sobre  métrica  (ou  seja,  o  número  de  sílabas  poéticas  por  verso),  rima  (isto  é,  a  disposição  de  sons  semelhantes  no  final  dos  versos)  e  ritmo  (quer  dizer,  a  distribuição  das  sílabas  tônicas  e  átonas  no  verso).          Há  poemas  em  que  não  há  rimas,  nem  um  número  fixo  de  sílabas,  nem  uma  distribuição  regular  das  tônicas  pelos   versos,   mas   há   um   trabalho   especial   com   a   sonoridade   do   texto   pelo   uso   de   aliterações   ou   de  paralelismos  ou  pelo  uso  de  onomatopeias  etc.  Seu  aluno  vai  deixar  de  observar  e  compreender  elementos  essenciais  da  poesia  (seja  ela  erudita  ou  popular)  caso  não  preste  atenção  a  questões  desse  tipo.          Poesias  podem  ou  não  contar  uma  história.  Se  contarem,  será  necessário  observar  os  elementos  essenciais  das  narrativas.  Um  deles  é  a  forma  de  organização  do  enredo,  outros  são  o  comportamento  do  narrador,  a  constituição  do  ponto  de  vista,  a  elaboração  das  personagens,  a  construção  do  cenário  e  do  tempo,  assim  como  o  modo  pelo  qual  a  verossimilhança  é  assegurada.  Obras  ficcionais  eruditas  assim  como  as  destinadas  às   grandes   massas   trabalham   com   esses   elementos   e   seu   aluno   não   pode   se   enganar   diante   deles,  pensando,  por  exemplo,  que  está  lendo  um  relato  sobre  um  fato  verídico  do  passado.      ________________________________________________________________________________________  
    • 65Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  3  ________________________________________________________________________________________    Quando   se   trata   de   narrativas,   é   preciso   prestar   atenção   para   não   confundir   duas   figuras:   o   autor   e   o  narrador!   Ao   ler   ou   ouvir   uma   história   não   entramos   em   contato   com   as   opiniões   do   autor,  necessariamente,  pois  ele  pode  expressar  ideias  totalmente  distintas  das  que  verdadeiramente  tem,  criando  um  narrador  inteiramente  diferente  de  si.  Por  isso,  a  partir  da  leitura  de  um  texto  ficcional,  nunca  pergunte  aos  seus  alunos  "o  que  o  autor  quis  dizer"  em  determinada  passagem  ou  "qual  é  opinião  do  autor"  sobre  determinado  assunto!      Já   os   textos   dramáticos,   como   o   de   Suassuna   e   o   de   Shakespeare   apresentam   sua   história   por   meio   de  personagens  e  diálogos  e  foram  concebidos,  principalmente,  para  serem  vistos  e  não  lidos.  Por  isso,  são  importantes   o   figurino,   a   sonoplastia,   os   jogos   de   luz,   a   caracterização   do   cenário   e   sua   movimentação,  assim  como  os  recursos  empregados  para  indicar  a  passagem  ou  a  mudança  de  tempo.  Diante  de  uma  peça  teatral,  seus  alunos  não  podem  se  queixar  porque  não  há  comentários  do  narrador,  por  exemplo,  pois  eles  precisam  saber  que  textos  dramáticos  não  se  utilizam  desse  recurso.      Antes  de  mais  nada,  é  preciso  ter  certeza  de  que  seus  alunos  entenderam  o  que  leram  e  que  percebem  quais   são   os   elementos   constitutivos   daquele   texto.   Ler   um   poema   sem   prestar   atenção   ao   ritmo   e   à  sonoridade;  ler  um  romance  sem  se  importar  com  o  narrador  e  as  personagens;  assistir  a  uma  peça  teatral  sem  ligar  a  mínima  para  os  diálogos  é  deixar  de  perceber  boa  parte  da  graça  dos  textos.      ________________________________________________________________________________________  
    • 66Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    Embora   haja   elementos   básicos   que   costumam   estar   presentes   nas   composições   poéticas,   dramáticas   e  ficcionais,  eles  são  trabalhados  de  maneiras  muito  diferenciadas  em  grupos  culturais  diversos  e  em  tempos  passados.  Nesse  sentido,  há  enormes  diferenças  entre  A  Força  do  Amor  e  o  Poema  em  Linha  Reta;  entre  Grande  Sertão:  Veredas  e  O  Segredo  de  uma  Promessa;  entre  Hamlet  e  O  Auto  da  Compadecida.                                                    Se  você  tiver  se  convencido  de  que  é  importante  ampliar  os  horizontes  para  além  das  obras  canônicas  e  eruditas,   será   interessante   mostrar   aos   alunos   como   as   pessoas   de   outras   épocas   e   de   outras   culturas  pensaram  e  pensam  sobre  as  composições  literárias  e  como  eles  as  avaliavam  e  avaliam.      ________________________________________________________________________________________  
    • 67Atividade  autocorrigível  5a  ________________________________________________________________________________________    Você   viu   que   uma   boa   leitura   literária   passa   pela   percepção   e   compreensão   de   recursos   utilizados   na  composição  de  poesias,  narrativas  e  peças  teatrais.  Para  relembrar  o  que  você  aprendeu  sobre  os  elementos  essenciais  da  narrativa  e  da  poesia,  quando  estava  no  colégio  e  na  Faculdade,  leia  os  itens  "O  que  é  um  poema",  "De  que  é  feito  o  poema"  e  "Do  que  se  faz  uma  narrativa"  do  livro  Leitura,  Literatura  e  Ensino  (Campinas:   Cefiel,   2009).   O   livro,   escrito   por   Orna   Messer   Levin   e   por   mim,   está   disponível   no   item  "Leituras",  no  TelEduc.      Para   retomar   seus   estudos   sobre   teatro,   leia   o   capítulo   "Apagam-­‐se   as   luzes,   abrem-­‐se   as   cortinas"   do  fascículo  Primeiro  ato:  uma  introdução  ao  teatro  em  cinco  cenas.  O  fascículo,  elaborado  por  um  grupo  de  alunos  de  Licenciatura  em  Letras  da  Unicamp,  também  está  no  item  "Leituras".    Não   se   apavore!   Os   capítulos   são   bem   curtos   e   escritos   em   linguagem   acessível   e   agradável!   O   capítulo  sobre  o  teatro  traz  algumas  sugestões  de  atividades,  mas  você  não  precisa  realizá-­‐las.    Depois  de  ler  os  textos,  responda  a  questão    abaixo,  assinalando  verdadeiro  (V)  ou  falso  (F).  Em  seguida,  escolha  a  alternativa  correta  da  atividade  autocorrigível.      I.  Uma  produção  teatral  não  depende  apenas  do  texto;  ela  envolve  a  sonoplastia,  os  figurinos,  a  iluminação  e  a  construção  do  cenário.  (V)  (F)    II.  As  narrativas  costumam  conter  personagens,  que  realizam  ações,  em  determinado  espaço  e  tempo.  (V)  (F)  III.  As  formas  de  encenação  de  peças  teatrais  são  fixas  e  determinadas  pelo  texto  composto  pelo  autor.  (V)  (F)      IV.  Espera-­‐se  que  uma  narrativa  seja  verossímil,  ou  seja,  que  os  acontecimentos  pareçam  plausíveis  dentro  da  lógica  interna  do  enredo.  (V)  (F)  V.  São  elementos  essenciais  da  poesia:  métrica  (número  de  sílabas  por  verso),  ritmo  (distribuição  das  sílabas  tônicas  e  átonas  no  verso)  e  rima  (disposição  de  sílabas  semelhantes  no  final  dos  versos).  (V)  (F)  VI.  As  ideias  apresentadas  pelo  narrador  correspondem  às  opiniões  do  autor.  (V)  (F)  VII.  É  frequente  o  uso  de  figuras  de  linguagem  em  poemas,  narrativas  e  peças  teatrais,  embora  nenhuma  figura  seja  exclusiva  das  composições  literárias.  (V)  (F)  VIII.  Para  que  uma  narrativa  seja  verossímil  é  preciso  apresentar  fatos  verdadeiros,  que  aconteceram  no  mundo  real.  (V)  (F)  IX.  Em  peças  teatrais,  os  cenários  têm  a  função  de  representar  os  locais  onde  se  desenvolve  a  trama.  (V)  (F)    X.  Um  poema  é  uma  composição  verbal  que  ordena  palavras  em  versos,  de  modo  a  criar  uma  medida  métrica  que  produz  ritmo.  (V)  (F)      ________________________________________________________________________________________  
    • 68Atividade  autocorrigível  5b  ________________________________________________________________________________________    Em  relação  às  afirmações  avaliadas  como  verdadeira  ou  falsas,  assinale  a  alternativa  correta:      a)17  Todas  as  afirmações  são  verdadeiras.    b)18  Todas  as  afirmações  são  falsas.    c)19  I,  II,  III,  IV,  V,  VI  são  verdadeiras.    d)20  IV,  V,  VI  são  falsas.    e)21  As  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.    ________________________________________________________________________________________  17Todas  as  afirmações  são  verdadeiras.  As  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.    18Todas  as  afirmações  são  falsas.  Somente  as  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.  19I,  II,  III,  IV,  V,  VI  são  verdadeiras.  As  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.  20IV,  V,  VI  são  falsas.  Somente  as  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.    21As  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.  As  afirmações  III,  VI  e  VIII  são  falsas.  
    • 69Ampliando  o  conhecimento  ________________________________________________________________________________________    Para   realizar   a   Atividade,   você   leu   alguns   capítulos   de   duas   obras.   Para   saber   mais   sobre   os   elementos  essenciais  da  narrativa  e  da  poesia  você  pode  ler  o  livro  todo:  Leitura,  Literatura  e  Ensino.  Orna  Messer  Levin  e  Márcia  Abreu.  Campinas:  Cefiel,  2009.  O  foco  do  livro  é  apresentar  os  impactos  que  esses  elementos  têm  sobre   a   interpretação   e   discutir   a   leitura   literária   na   escola.   Ele   está   disponível   no   item   "Leituras",   no  TelEduc.      Para  aprofundar  seus  conhecimentos  sobre  teatro,  você  pode  ler  o  texto  integral  do  fascículo  Primeiro  ato:  uma  introdução  ao  teatro  em  cinco  cenas,  elaborado  por  um  grupo  de  alunos  de  Licenciatura  em  Letras  da  Unicamp  e  disponível  no  site  Alfa-­‐Letras,  do  Centro  de  Formação  Continuada  de  Professores  (CEFIEL).  Ele  expõe  os  elementos  essenciais  da  dramaturgia,  conta  um  pouco  da  história  do  teatro,  apresenta  alguns  de  seus  gêneros  e  relata  algumas  das  polêmicas  originadas  por  encenações  teatrais.  Além  disso,  traz  uma  série  de  propostas  de  atividades,  que  você  pode  realizar  com  seus  alunos.      Para  consultas  pontuais  sobre  elementos  literários,  você  pode  acessar  o  E-­‐Dicionário  de  Termos  Literários,  organizado  pelo  Professor  Carlos  Ceia.    ________________________________________________________________________________________  
    • 70Tópicos:    • »  Tópico  3  –  A  convenção  e  o  cânone        Mãos  à  obra  ________________________________________________________________________________________    O  ensino  de  literatura,  muitas  vezes,  é  associado  à   tarefa   de   difundir   o   gosto   pela   literatura  erudita.          É   verdade   que   ninguém   gosta   daquilo   que   não  conhece   ou   não   compreende.   É   verd   ade  também  que  a  escola  deve  ser  o  lugar  de  ampliar  as   referências   dos   alunos,   permitindo   que   eles  conheçam   um   amplo   conjunto   de   produções  literárias   bem   como   tomem   contato   com   o  legado  artístico.          Mas  será  preciso  fazer  com  que  os  alunos  gostem  disso?    ________________________________________________________________________________________    
    • 71Ponto  de  partida  ________________________________________________________________________________________      Você   já   observou   que   A   Força   do   Amor   e   o  Poema  em  Linha  Reta;  Grande  Sertão:  Veredas  e  O  Segredo  de  uma  Promessa;  Hamlet  e  O  Auto  da  Compadecida   compartilham   procedimentos  linguísticos   também   empregados   em   muitos  outros  poemas,  narrativas  e  peças  teatrais.      Mas   a   principal   semelhança   entre   eles   não   é  essa!   Eles   fazem   parte   do   cânone   de   diferentes  comunidades   interpretativas,   ou   seja,   são  considerados   realizações   de   excelência   pelas   c  omunidades  culturais  nas  quais  foram  produzidos  e   em   que   circulam   preferencialmente.   Leandro  Gomes   de   Barros,   Fernando   Pessoa,   Guimarães  Rosa,   Danielle   Steel,   Shakespeare   e   Ariano  Suassuana  são  autores  valorizados  nos  grupos  a  que   pertencem   e   são   considerados   escritores  cujas  obras  vale  a  pena  conhecer.      Por  que  não  teriam,  então,  lugar  na  sua  sala  de  aula?      ________________________________________________________________________________________  
    • 72Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  1  ________________________________________________________________________________________    Como   você   já   sabe,   as   produções   literárias   são   muito  variadas   e   são   produzidas   segundo   convenções   distintas.  Portanto,  não  devem  ser  julgadas  por  um  único  critério.          Uma  comparação  com  o  que  acontece  fora  do  mundo  dos  textos  pode  tornar  tudo  mais  claro.  Um  crítico  musical  que  avaliasse  mal  um  samba  devido  à  ausência  de  guitarra  ou  um  rock  pela  falta  de  pandeiro  estaria  fazendo  uma  grande  tolice.   É   óbvio   que   não   se   pode   avaliar   uma   obra   com  elementos  próprios  a  outro  tipo  de  composição  -­‐  guitarras  não   fazem   parte   dos   instrumentos   utilizados   em   sambas,  nem  pandeiros  em  grupos  de  rock.  Da  mesma  forma,  esse  crítico  seria  motivo  de  piada  se  reclamasse  de  um  rap  pela  forma  declamada  de  cantar!  Nesse  caso,  ele  mostraria  que  desconhece   os   critérios   de   composição   próprios   a   esse  gênero  musical,  o  que  também  seria  uma  grande  tolice.                        ________________________________________________________________________________________  
    • 73Colocando  os  conhecimentos  em  jogo  2  ________________________________________________________________________________________      Parece   uma   idéia   bizarra   fazer   cruzamentos   assim,   utilizando  critérios   exteriores   às   produções   que   se   avalia,   mas   é   o   que  acontece   quando   são   empregados   valores   da   cultura   erudita  para  julgar  obras  de  outra  natureza,  como  os  best-­‐sellers  ou  a  poesia  popular.      Por   exemplo,   um   folheto   de   cordel   como   A   Força   do   Amor,  julgado   segundo   os   padrões   de   avaliação   da   crítica   literária  moderna   e   erudita,   pode   ser   considerado   simples   e   pouco  elaborado.   O   mesmo   folheto,   avaliado   pela   comunidade  nordestina   e   por   seus   poetas,   é   considerado   de   excelência  incontestável.   Já   um   poema   moderno,   como   Poema   em   linha  reta,   se   for   julgado   com   os   critérios   compartilhados   pelos  apreciadores   da   literatura   de   folhetos   parecerá   inteiramente  defeituoso.                                Por  isso,  é  preciso  conhecer  a  convenção  na  qual  as  obras  foram  produzidas  e  os  critérios  pelos  quais  são  julgadas.          Os  fãs  de  samba,  de  rock  e  de  rap,  assim  como  os  poetas  populares  e  seu   público,   conhecem   os   elementos   que   os   compõem   e  compartilham   um   conjunto   de   critérios   com   os   quais   julgam   as  composições.  Em  geral,  eles  percebem  que  uns  sabem  fazer  bem   os  versos  enquanto  outros  não  são  bem  sucedidos,  uns  tocam  no  ritmo  e  outros  não.                          ________________________________________________________________________________________  
    • 74Finalizando...  ________________________________________________________________________________________    O  trabalho  realizado  por  você  e  por  seus  colegas  produziu  um  excelente  material  para  uso  em  sala  de  aula.  Com   ele,   você   poderá   ensinar   aos   seus   alunos   como   são   concebidas   obras   de   natureza   muito   diversa   e  sugerir  a  leitura  de  uma  obra  considerada  uma  excelente  realização.      Você  poderá  reproduzir  essa  atividade  com  seus  alunos,  ampliando  ainda  mais  o  conjunto  de  produções  que  você  conhece  e  entrando  em  contato  com  obras  consideradas  de  alto  valor  estético  por  eles.  Aproveite  para  aprender  com  seus  alunos!      Além  de  contar  com  seu  conhecimento  pessoal  e  com  o  de  seus  alunos,  será  preciso  realizar  um  bocado  de  pesquisa  para  conhecer  a  convenção  que  rege  a  elaboração  de  obras  de  diferentes  grupos  culturais  e  por  que  critérios  elas  são  julgadas.  A  internet  facilitará  muito  essa  pesquisa,  pois  ela  disponibiliza  material  de  origem  variada  e  agrupa  pessoas  com  interesses  culturais  semelhantes  em  comunidades  virtuais.      Livre   de   preconceitos   e   com   sua   curiosidade   intelectual   aguçada,   você   certamente   preparará   excelentes  aulas  e  um  ótimo  TCC!  Veja  as  sugestões  que  temos  para  você  abordar  a  literatura  em  seu  TCC,  clicando  aqui.      ________________________________________________________________________________________      
    • 75Ampliando  o  conhecimento  1  ________________________________________________________________________________________    Para   finalizar,   algumas   sugestões   sobre  maneiras   de   construir   conhecimento   sobre  produções  não  eruditas.          Por  exemplo,  caso  você  deseje  discutir  com  seus   alunos   a   Literatura   de   Cordel  nordestina,   você   poderá   aprender   muito  assistindo   a   alguns   documentários   como  "Nordeste:  cordel,  repente  e  canção"  (Tânia  Quaresma,  1975).          Vale  a  pena  conferir  também  "Saudades  do  Futuro"  (César  Paes,  2000).          Os   alunos   do   curso   de   Cinema   da  Universidade   Estácio   de   Sá   também  produziram  um  interessante  documentário  sobre  a  Academia  Brasileira  de  Literatura  de  Cordel.          O   site   da   Academia   Brasileira   de   Literatura   de   Cordel   também   traz   informações   valiosas,   principalmente  sobre   os   preceitos   seguidos   por   quem   escreve   folhetos   de   cordel.   Você   também   poderá   consultar   um  conjunto  de  obras  produzidas  por  teóricos  da  literatura,  por  antropólogos  e  por  sociólogos  a  esse  respeito.          Vai  dar  trabalho,  mas  sua  aula  vai  ficar  espetacular!    ________________________________________________________________________________________  
    • 76Referências  Bibliográficas  ________________________________________________________________________________________    ABREU,  Márcia.  Cultura  letrada:  literatura  e  leitura.  São  Paulo:  Ed.  Unesp,  2006.  (Sinopse22).      COMPAGNON,  Antoine.  "Literatura".  In:  O  demônio  da  teoria  -­‐  literatura  e  senso  comum.  BH:  Editora  da  UFMG,  2003.  (Sinopse23).      CULLER,  Jonathan.  Teoria  Literária:  uma  introdução.  São  Paulo:  Becca,  1999.  (Sinopse24).      EAGLETON,  Terry.  Teoria  da  literatura:  uma  introdução.  São  Paulo:  Martins  Fontes,  2001.(Sinopse25).      LAJOLO,  Marisa.  Literatura:  leitores  &  leitura.  São  Paulo:  Editora  Moderna,  2001.  (Sinopse26).    ________________________________________________________________________________________  22  Com  linguagem  fluente  e  acessível,  sem  prescindir  porém  do  rigor  acadêmico,  a  autora  apresenta  uma  análise   sobre   a   literatura   e   seu   ensino,   procurando   responder   a   questões   como:   há   livros   bons   em   si?  todos   devem   apreciar   o   mesmo   tipo   de   texto?   há   uma   qualidade   estética   objetiva   nas   obras?   há   uma  maneira  correta  de  ler  literatura?  como  definir  literatura?  23  "Neste  livro,  sete  noções  ou  conceitos  literários  são  examinados:  a  literatura;  o  autor  como  autoridade  dando  sua  opinião  (sentido)  ao  texto;  o  mundo  como  sujeito  e  matéria  da  obra;  a  leitura  compreendida  como  conversação  entre  o  autor  e  o  leitor;  o  estilo  como  escolha  de  ma  maneira  de  escrever;  a  história  literária   como   majestosa   procissão   de   grandes   escritores;   o   valor   côo   propriedade   objetiva   do   cânone  literário.".  24  O  autor  apresenta  um  panorama  dos  principais  temas  e  questões  tratados  pela  teoria  literária  ao  longo  do  século  XX  e  fornece  indicações  que  permitem  ao  leitor  continuar  acompanhando  a  discussão  em  outras  obras   e   textos.   O   livro   contém   um   precioso   Apêndice,   em   que   se   apresenta   um   pequeno   resumo   das  principais  escolas  críticas  do  século  passado.  Não  bastasse  sua  precisão  e  utilidade,  o  livro  tem  a  virtude  de  ser  claro  e  divertido.  25  Logo  no  prefácio  à  segunda  edição  inglesa  do  livro,  Terry  Eagleton  deixa  claro  seu  objetivo:  "este  livro  é  uma   tentativa   de   tornar   a   teoria   literária   moderna   inteligível   e   atraente   ao   maior   número   possível   de  leitores."  Ele  faz  interessantes  questionamentos  sobre  os  limites  das  definições  de  literatura,  mostrando  em  que  medida  estas  definições  podem  variar  conforme  o  momento  histórico,  cultural  e  ideológico.  Caso  você  deseje  prosseguir  suas  leituras  na  área,  poderá  se  valer  da  boa  bibliografia  apresentada  ao  final  do  livro,  ordenada  por  correntes  teóricas  e,  internamente  a  cada  corrente,  por  ordem  de  dificuldade.  Terry  Eagleton  é  bem  humorado  eescreve  de  forma  bastante  compreensível.  26   Marisa   Lajolo   percorre   a   história,   sobretudo   a   brasileira,   mostrando   como   os   sentidos   atribuídos   ao  literário  variaram  e  trazendo  para  o  primeiro  plano  não  apenas  os  autores  e  obras  canônicos,  mas  também  os  não-­‐canonizados.  No  capítulo  "Leituras  de  torna-­‐viagem",  há  um  roteiro  comentado  de  indicações  de  leitura  para  quem  quer  pensar  sobre  "o  que  é,  como  se  faz  e  para  que  serve  literatura".