Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Lp aaa1

on

  • 870 views

 

Statistics

Views

Total Views
870
Views on SlideShare
870
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
31
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Lp aaa1 Lp aaa1 Presentation Transcript

  • PROGRAMA GESTÃO DAAPRENDIZAGEM ESCOLARGESTAR ILÍNGUA PORTUGUESAATIVIDADES DE APOIO À APRENDIZAGEM 1LINGUAGEM, LÍNGUA,DISCURSO E TEXTO
  • MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAFUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃODIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAISPROGRAMA GESTÃO DAAPRENDIZAGEM ESCOLARGESTAR ILÍNGUA PORTUGUESAATIVIDADES DE APOIO À APRENDIZAGEM 1LINGUAGEM, LÍNGUA,DISCURSO E TEXTOBRASÍLIA2007
  • © 2007 FNDE/MECTodos os direitos reservados ao Ministério da Educação - MEC.Qualquer parte desta obra pode ser reproduzida desde que citada a fonte.DIPRO/FNDE/MECVia N1 Leste - Pavilhão das Metas70.150-900 - Brasília - DFTelefone (61) 3966-5902 / 5907Página na Internet: www.mec.gov.brIMPRESSO NO BRASIL
  • SumárioLinguagem, Línga, Discurso e TextoApresentação.......................................................................................................................................................7Introdução ao Caderno 1 de Atividades de Apoio à Aprendizagem de Língua Portuguesa ...................................9Unidade 1: Utilização, adequação da linguagem em função da intenção comunicativa, do contexto e dos interlocutores aquem o texto se dirigeAula 1 ...............................................................................................................................................................15Aula 2 ...............................................................................................................................................................18Aula 3 ...............................................................................................................................................................21Aula 4...............................................................................................................................................................23Aula 5 ...............................................................................................................................................................25Aula 6 ............................................................................................................................................................ 27Aula 7 ...............................................................................................................................................................30Aula 8 ...............................................................................................................................................................33Unidade 2: Utilização, reconhecimento dos recursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Aula 1 ...............................................................................................................................................................39Aula 2 ...............................................................................................................................................................42Aula 3 ...............................................................................................................................................................46Aula 4...............................................................................................................................................................49Aula 5 ...............................................................................................................................................................51Aula 6 ...............................................................................................................................................................54Aula 7 ...............................................................................................................................................................56Aula 8 ...............................................................................................................................................................58Unidade 3: Atividades que levam o aluno a estruturar/organizar frases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoAula 1 ...............................................................................................................................................................63Aula 2 ...............................................................................................................................................................65Aula 3 ...............................................................................................................................................................67Aula 4...............................................................................................................................................................69Aula 5 ...............................................................................................................................................................71Aula 6 ...............................................................................................................................................................73Aula 7 ...............................................................................................................................................................76Aula 8 ...............................................................................................................................................................78
  • ProfessorVocê está recebendo o primeiro caderno de Atividades de Apoio à Aprendizagem em Língua Portuguesa, elaboradopara ajudá-lo a desenvolver o trabalho, em sala de aula, de rever, aprofundar e/ou ampliar a aprendizagem de conceitos,procedimentos, atitudes, relativas a essa área de conhecimento.Este caderno, como os demais, está organizado em três unidades. Cada unidade é composta de 8 aulas, nas versõesdo aluno e do professor. A versão do professor, além de apresentar as atividades propostas para o aluno, desenvolvetambém orientações de encaminhamento do trabalho a ser realizado em sala de aula.A partir da avaliação da aprendizagem de seus alunos, você poderá organizar o conjunto de aulas a seremdesenvolvidas em sua classe para retomar as aprendizagens não ainda realizadas.Para isso, é preciso que você conheça bem as atividades sugeridas em cada unidade, a que habilidades se refereme as necessidades de seus alunos.Os cadernos de Atividades de Apoio à Aprendizagem estão atrelados aos de Teoria e Prática. Este primeiro serelaciona ao de Teoria e Prática 2, que trata de Linguagem, Língua, Discurso e Texto.A observação da freqüência com que os alunos, durante os quatro primeiros anos do Ensino Fundamental,apresentam dificuldades no domínio de algumas habilidades, norteou a seleção dos objetivos das atividades.Cada conjunto de oito aulas, como vimos, desenvolve atividades para apoiar a aprendizagem de determinadosconteúdos e possibilitar o domínio das habilidades associadas a eles. Fica, no entanto, a possibilidade de rearranjaras aulas, em outras seqüências didáticas, a partir das necessidades de apoio que você observa em seus alunos. Paratanto, cada aula é identificada em nota de rodapé — a unidade em foco e número da aula — o que facilita seu trabalhode rearranjo.A seguir, estão detalhados os conteúdos/habilidades a serem desenvolvidos nesse primeiro volume.Apresentação
  • Introdução ao Caderno 1 de Atividades deApoio à Aprendizagem de Língua PortuguesaNeste caderno propomos uma série de atividades para apoiar a aprendizagem dosalunos em relação ao• reconhecimento e utilização, em textos, das variações lingüísticas, de seus níveisde prestígio social e de sua adequação à situação de uso;• reconhecimento e utilização dos fatores de textualidade (coesão e coerência).Em geral, as dificuldades relativas a esses temas, nos anos iniciais do ensinofundamental, podem revelar-se tanto em processos de leitura quanto em produção detextos.Em processos de leitura de texto, essas dificuldades referem-se à• nãorecuperaçãodosreferentespormeiodainterpretaçãodoselementoscoesivos;• falta de observação da continuidade de sentido do texto e do reconhecimento dafunção do título;• falta de percepção das variações lingüísticas e de sua adequação àintencionalidade do texto.Em processos de produção de texto, essas dificuldades referem-se à falta de• adequação ou ausência de elementos coesivos como pronomes, sinônimos,advérbios e artigos;• coerência, como reflexo da ausência de coesão;• organização/estruturação de frases;• segmentação do texto em frases e parágrafos inadequados etc.Nessa perspectiva, as atividades sugeridas na unidade 1 referem-se à adequação dalinguagem à intenção comunicativa, ao contexto e aos interlocutores a quem o texto sedirige.É muito comum encontrarmos, por exemplo, alunos que produzem textos nos quaisnão houve a preocupação com a intenção comunicativa, ou seja, definição de para quemescrevo,por que escrevo, como escrevo etc., como se pode observar no exemplo abaixo.A professora fez uma lista, na lousa, das pessoas que deveriam serconvidadas para a festa junina que seria realizada na escola. Na listaconstavam os nomes de algumas autoridades locais (prefeito, delegadode polícia etc.), pais e amigos. Cabia aos alunos produzir os convites eenviá-los a essas pessoas. Foram produzidos convites comoA festa de são João é no dia 24 na escola. Todo mundovai estar lá para se divertir. Eu e meus pais vamos a festatodo ano. A festa é muito legal. Esse ano a gente vaitambém.O autor desse texto não atingiu os objetivos da proposta de produção, pois não
  • considerou a situação comunicativa: a quem se escreve; por que se escreve; sobre oque se escreve; como se escreve.Assim, a unidade 1 sugere atividades que dão apoio à aprendizagem aos alunos quenão dominam as habilidades de• utilizar diferentes registros, sabendo adequá-los às circunstâncias da situaçãocomunicativa de que participa;• adequar a linguagem em função da intenção comunicativa, do contexto e dosinterlocutores a quem o texto se dirige;• comparar diferentes registros em diferentes situações comunicativas.O desenvolvimento dessas habilidades se dará a partir da identificação,reconhecimento da norma e das variações lingüísticas na estruturação dos discursos.Na unidade 2, as sugestões propõem-se a analisar a utilização/reconhecimento dosrecursos coesivos oferecidos pelo sistema de pontuação e pela introdução de conectivosmais adequados à linguagem escrita.Evidentemente, o tema é amplo e não é possível esgotá-lo em apenas uma unidade.Mas é possível trabalhar algumas das muitas dificuldades apresentadas pelos alunoscom referência a esse tema.Durantealeituradaunidade,vocêperceberáquehouveapreocupaçãoemapresentaras dificuldades gradativamente, partindo de atividades que levam os alunos a refletirsobre• a pontuação (que aparecerá em todas as aulas): seu uso e valor para construçãode sentido do texto;• a utilização, nos textos escritos, de conectivos próprios da língua oral como então,aí, daí etc.;• a utilização, adequada, de advérbios, pronomes, artigos e sinônimos.É muito comum encontrarmos alunos de 2º ano do ensino fundamental, por exemplo,produzindo textos nos quais encontramos o uso excessivo de recursos próprios da línguaoral como o que se segue abaixo.Os catadores de papel foram expulsos de suas casasem Brasília. Eles não tinham para onde ir, ai foram paradebaixo da ponte. Ai apareceu uma pessoa que queriaajudar eles. Daí eles foram para um abrigo...
  • Ou, ainda, alunos de 3º e 4º anos que desconhecem recursos de substituição, ou seja,que repetem em excesso um mesmo substantivo, quando poderiam substituí-lo por umpronome, ou mesmo omitindo o nome sem prejuízo de sentido para o texto. Como oexemplo abaixo.Os catadores de papel foram despejados de suas casas.Os catadores de papel saíram tristes, chorando. Oscatadores de papel não tinham para onde ir.O desenvolvimento de atividades de reflexão sobre essa produçãodeve levar os alunos à revisão, que permitirá a reescrita do trecho. Umexemplo de reescrita é:Os catadores de papel foram despejados de suascasas. Eles saíram tristes, chorando, pois não tinham paraonde ir.É bom lembrar, entretanto, que estamos falando de atividades de reflexão, que nãopodem ser confundidas com mera substituição de palavras. A coesão é um dos fatoresde textualidade e, portanto, deve ser trabalhada para que o aluno compreenda que o usoadequado de elementos de coesão auxiliam na compreensão do texto.A unidade sugere atividades de apoio aos alunos que não dominam as habilidades de• utilizar recursos coesivos oferecidos (pelo sistema de pontuação; pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita e de expressões que marcamtemporalidade e causalidade; por substituições lexicais; pela manutenção dotempo verbal);• perceber a coesão estabelecida no texto através de pronomes, advérbios,sinônimos e artigos;• manter a coerência textual, observando a articulação entre as frases e osparágrafos.O desenvolvimento das habilidades se dará a partir do reconhecimento da coerênciae a coesão na leitura e na produção de textos.Finalmente, na unidade 3, são sugeridas atividades que levam o aluno a estruturar/organizar frases e a segmentar o texto em frases e parágrafos, observando a continuidadede sentido do texto.Evidentemente, o tema é amplo e não é possível esgotá-lo em apenas uma unidade.Mas é possível trabalhar algumas das muitas dificuldades apresentadas pelos alunoscom referência a esse tema.Em geral, os alunos sentem dificuldade em estruturar frases e parágrafos queapresentem uma unidade de sentido; frases articuladas entre si por meio, principalmente,do uso de conectivos.
  • Desse modo, a unidade sugere atividades de apoio aos alunos que não dominam ashabilidades de• perceber a coesão estabelecida no texto através de pronomes, advérbios,sinônimos e artigos;• estruturar frases;• segmentar o texto em frases e parágrafos, observando a continuidade de sentidodo texto.O desenvolvimento das habilidades se dará a partir do reconhecimento da coerênciae a coesão na leitura e na produção de textos, assim como na unidade 2.
  • Linguagem, Língua,Discurso e TextoUnidade1○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○Utilização, adequação da linguagemem função da intenção comunicati-va, do contexto e dos interlocutores aquem o texto se dirige
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 115Atividade 1Leia com atenção o texto abaixoAgora, junto com seus colegas de grupo, responda as perguntas abaixo.Não se esqueça de fazer as anotações em seu caderno.a) Quem são os personagens que aparecem no primeiro quadrinho? Só pelaleitura desse quadrinho é possível saber o nome deles? Por quê?________________________________________________________________________________________________________________b) Onde eles estão? Como você pode afirmar isso?________________________________________________________________________________________________________________c) A fala do menino que está dentro do rio é dita com calma, tranqüilidade?Por quê?________________________________________________________________________________________________________________Esta atividade deve ser trabalhada coletiva eoralmente. Promova a participação de todos.O objetivo é contextualizar o que será lido, afim de que os alunos possam antecipar idéi-as e obter informações que irão auxiliar suacompreensão.Leve para a aula algumas revistas do ChicoBento.s Vocês gostam de histórias em quadri-nhos? Por quê?s Já leram alguma? Qual? Como era a his-tória?s Que personagens de histórias em qua-drinhos vocês conhecem? Como são es-ses personagens?s Escreva em seu caderno os nomes dospersonagens que você conhece. Ao ladode cada nome, escreva as característicasdesses personagens.s Chico Bento é um personagem bastanteconhecido das histórias em quadrinhos.Você o conhece?s Todas as histórias de Chico Bento se pas-sam no campo, área rural. Ele é apaixo-nado por uma linda menina que sempreaparece em suas histórias. Você sabe onome dela?s Nas histórias de Chico Bento sempre apa-rece, também, um grande amigo de dele.Qual é o nome do amigo do Chico?Atividade 1Professor, antes de iniciar as atividades pro-postas na aula, procure explorar bem o co-nhecimento que as crianças já trazem a res-peito desse tipo de texto:s converse com os alunos sobre as históriasem quadrinhos, seu suporte, elementosconstituintes, organização etc.;s Pergunte-lhes onde costumam aparecerpublicadas essas histórias, quais jáconhecem, quais as últimas que leram, oque os levou à leitura, de que histórias,personagens mais gostam etc..s A seguir, explore com a classe o perso-nagem Chico Bento: pergunte-lhes se oconhecem, quem é ele, onde vive, quaisas suas principais características.s Solicite, então, uma leitura silenciosa dotexto.s Permita que os alunos conversem a res-peito, troquem idéias.s Converse com a classe sobre o que en-tenderam;s Formule algumas perguntas como:Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirige1AulaOrientações para o professorAula 1
  • 16 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1d) Zé Lelé relacionou a fala de Chico Bento à situação em que os dois esta-vam envolvidos, ou seja, ao fato de o Chico Bento estar dentro do rio,com água até o pescoço, com expressão de desespero?________________________________________________________________________________________________________________e) Se os papéis estivessem invertidos — Zé Lelé no lugar do Chico Bento— ele teria falado a mesma coisa que o Chico falou? Por quê?________________________________________________________________________________________________________________f) Que comportamento de Zé Lelé, no 3º quadrinho, indicaria que elecompreendeu o pedido de Chico Bento?________________________________________________________________________________________________________________Atividade 2Agora, você e seus colegas vão conversar sobre as respostas que deram.Mas, para que todos possam falar e ser ouvidos, é necessário que vocêouça com atenção as respostas de seus colegas;compare as respostas de seus colegas com as suas;peça permissão para expor a sua opinião, se não concordar com a opiniãode seu colega.Atividade 3Leia novamente os dois primeiros quadrinhos da história de Chico Bento.Agora, observe os dois quadrinhos abaixo. Depois escolha aquele que podecompletar a história acima de acordo com o que o Chico Bento pretendiaque o Zé Lelé fizesse.v Vocês entenderam a história conta-da nos quadrinhos?v Quem gostaria de contar com suaspalavras o que aconteceu?s Depois de ter chegado com as crianças auma compreensão geral do texto, dividaa classe em grupos.A seguir, você tem algumas questões propos-tas nesta atividade que servem para orientara leitura, permitir que o aluno vá, progressi-vamente, construindo o significado do texto.Mas, para que ele possa compreender a his-tória e responder às seis perguntas, é preci-so fazer uma leitura cuidadosa de cada qua-drinho.1º quadrinhoO que podemos ver no 1º quadrinho? Duascrianças – Chico e Zé Lelé. O primeiro estádentro do rio, e, pela expressão do seu rosto,a posição do braços e pela sua fala, percebe-se que ele não está se divertindo, maspedindo ajuda. O segundo, que está àmargem do rio, observa o outro com umaexpressão de quem não está entendendo oque Chico está querendo, ou de que Chico ofez lembrar-se de algo importante.2º quadrinhoPela posição dos pés, a poeirinha, as gotasde suor no rosto, a idéia é de que o meninoestá apressado; o que pode indicar, sem aleitura do outro quadrinho, que ele vai buscaro que o Chico está pedindo. Há, entretanto,um dado na expressão do rosto de Zé Leléque pode levar o leitor mais atento a inferirque o menino já está pensando na comida: alíngua entre os lábios, que faz lembrar aexpressão “lambendo os beiços” só depensar no que o espera.3º quadrinhoObservar que muda o lugar: o menino, agora,está, provavelmente, na cozinha de sua casa,e a outra personagem é sua mãe (chamar aatenção para os olhos e o cabelo: são iguaisaos do menino).s Quando o aluno sentir dificuldade pararesponder alguma questão, tentereformulá-la, forneça pistas que possamauxiliá-lo.s Durante a análise das questõesrespondidas pelos alunos, é importanteque eles percebam que Zé Lelé não levouem consideração o contexto em que apalavra bóia estava sendo usada.Aula 1
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 117ResumindoA aula terminou, mas o que você aprendeu continuará com você. Escrevaabaixo o que você não sabia e descobriu sobre os personagens das históriasem quadrinhos, o porquê de o Zé Lelé não ter atendido o pedido do Chico, oque faz a história ficar engraçada.____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Agora, releia as duas histórias. De qual você gostou mais? Por quê?________________________________________________________________________________________________________________Atividade 2Promova a participação de todos. É impor-tante que o aluno fale; seja ouvido; saiba ou-vir. Nesse momento, cabe a você organizaros turnos de fala; solicitar a participação,quando perceber que alguns alunos estãopassivos (isso pode significar que eles nãoentenderam o texto e, por isso, não se sen-tem à vontade para falar); sistematizar as res-postas dadas pelos alunos. Aproveite para tra-balhar as respostas na lousa. Escreva da for-ma como os alunos escreveram. Solicite queleiam, pergunte se acham que a resposta estáclara, ou se gostariam de mudar alguma coi-sa. O quê? Por quê?Como os grupos responderam às mesmasseis perguntas, esse trabalho de “ajuste” naescrita das respostas deve levar em conta aopinião de cada grupo. Aliás, nesta atividadeé que se completará o processo de leiturarealizado.Atividade 3Os alunos, após a releitura dos dois primeirosquadrinhos da história, deverão escolher,dentre outros dois, qual o quadrinho final queatenderia ao pedido do Chico Bento.A seguir, são solicitados a comparar as duashistórias e a resumir o que aprenderam comesta aula.Observação: O quadrinho final, que deve tersido descartado na construção da 2ª história,também pode estabelecer coerência com osdois primeiros quadrinhos do texto-fonte e,com isso, dar origem a outra história tambémengraçada.Aula 1
  • 18 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Atividade 1Observe a foto.Agora,juntocomseuscolegasdegrupo,tenteresponderàsquestões abaixo.1. O que você vê na foto?________________________________________________________________________________________________________________2. Você sabe quem é a pessoa que aparece na foto?________________________________________________________________________________________________________________3. Onde ela está e o que ela está fazendo?________________________________________________________________________________________________________________4. O que ela tem em suas mãos?________________________________________________________________________________________________________________5. Por que a pessoa está nessa posição?________________________________________________________________________________________________________________Antes de dar início às atividades propostasna aula, converse com os alunos sobre o quefarão nesta aula. A conversa inicial tem comoobjetivo contextualizar o que será lido, a fimde que os alunos possam antecipar idéias eobter informações que irão auxiliar suacompreensão.Nesse momento, seu papel é organizar asidéias levantadas por eles, além de transmitirnovas informações e sistematizar osconhecimentos que eles forem demons-trando e adquirindo.Atividade 1A leitura da foto deve ser uma atividadecoletiva (compartilhada), mediada peloprofessor, que deve instigar os alunos aobservarem os detalhes da foto. Sugerimosalgumas questões que poderão surgir a partirda leitura.1. O que você vê na foto? um homem...um tenista... o Guga... o Gustavo Kuerten2. Você sabe quem é a pessoa que aparecena foto? ... o Guga... o Gustavo Kuerten...3. Onde ela está e o que ela está fazendo?O lugar pode ser deduzido se levarmosem conta a composição da foto: aspessoas que aparecem atrás do tenista,a camiseta (parte do uniforme) que eleestá usando, a taça que ele estásegurando... tudo isso leva à idéia de queele está em uma quadra de tênis.4. O que ela tem em suas mãos? Uma taça,um caneco, um troféu...5. Por que a pessoa está nessa posição?Para mostrar a taça ao público, confir-mando sua condição de vencedor/campeão.6. O que você observa no rosto da pessoa?ela parece muito feliz, satisfeita, realizada.Após o processo de leitura coletiva, os alunos,em grupos, escreverão as respostas dasperguntas para, então, comentarem com aclasse o modo como responderam.Aula 2Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor2Aula
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1196. O que você observa no rosto da pessoa?________________________________________________________________________________________________________________Você e seus colegas vão conversar sobre as respostas que deram. Mas,para que todos possam falar e ser ouvidos, é necessário que vocêouça com atenção as respostas de seus colegas;compare as respostas de seus colegas com as suas;peça permissão para expor sua opinião, se não concordar com a opiniãode seu colega;ao dar sua opinião, utilize todas as informações que tiver sobre o assunto.Atividade 2Leia o texto abaixo.Em jogo de final dramático, brasileirovence e alcança topo do rankingNa marra, Kuerten é o nº 1Gustavo Kuerten obteve ontem um duplo triunfo emParis: conquistou pela segunda vez o título de Roland Garros,um dos quatro mais importantes do tênis, e se tornou o nú-mero um do mundo.Ao vencer a final contra o sueco Magnus Norman,tomou do adversário a liderança da corrida dos campeões.Kuerten, 23, é o primeiro brasileiro a se tornar o número umdo tênis.Norman e Kuerten chegaram a disputar 11 matchpoints na decisão, um recorde para ambos. O último set teveainda pontos polêmicos e só acabou no tie-break.O brasileiro recebeu o troféu de campeão, a Taça dosMosqueteiros, das mãos do ex-tenista alemão Boris Becker.Na comemoração, perguntou onde estavam as TVs, olhou paraas câmeras e mandou um recado para a mãe, Alice, que ficouem Florianópolis: “Um beijo para você, mãe.”Folha de São Paulo/folha esporte – segunda-feira, 13 de junho de 2000Saiba o que é...match point: ponto que permite encerrar a partida.set: parte da contagem do tênis. A série, ou set, termina quando umdos tenistas atinge seis games (jogadas) vencidos, desde quehaja dois games de diferença. Há jogos em melhor de três oucinco sets.tie-break: disputa de saques alternados usada para definir os setsempatados em 6 a 6. Termina quando um dos tenistasconsegue marcar ao menos sete pontos, estando doispontos à frente do adversário.Atividade 2Professor,Inicie a atividade por uma leitura prévia,individual, e, a exemplo das atividadesanteriores, promova uma conversa com/entreos alunos, para que troquem idéias a respeitodo que leram.Proponha, então, uma releitura (parágrafo aparágrafo) compartilhada, com questões oraisque promovam a compreensão mais geral dotexto.1º parágrafos O que se entende por “obteve um duplotriunfo”? O que significam as palavrasobteve e triunfo?s Qual o valor dos dois pontos? Para queservem no texto? (Os dois pontos tem afunção de sinalizar a introdução de umaexplicação, que remete ao triunfo deGustavo Kuerten).s Onde ocorreu o fato? Paris? RolandGarros?s Qual a relação entre esses dois lugares?2º parágrafos A que corrida de campeões se refere otexto? Quem são os campeões?s Qual o significado de tomou doadversário a liderança da corrida?Quem tomou? De que adversário? Ondeencontramos essa informação?Professor, retome a cada questão proposta,na conversa com os alunos, elementos quepermitam a recuperação de informaçõesimportantes para a construção do sentido dotexto.Exemplo: no 2º parágrafo, ao perguntar quemvenceu quem, proponha aos alunos que leiamAula 2
  • 20 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1novamente o 1º parágrafo do texto.3º parágrafos De que recorde se fala no texto?s Qual a função da vírgula nesse parágra-fo? (Observar que depois da vírgula vemuma explicação, mostrando que tantopara um quanto para outro tenista, dispu-tar 11 match points representa um re-corde — nunca, antes uma disputa che-gou a tanto)s O que significa pontos polêmicos?v Pontuação na disputa que provocadiscussão, ouv Aspectos do jogo que causaramdiscussão, que não ficaram claros.4º parágrafos O que é a Taça dos Mosqueteiros? Quala relação com troféu dos campeões?s Quem perguntou onde estavam as tvs?Quem mandou recado para a mãe? Ondeencontramos essa informação no texto?Professor, depois disso, passe à atividadeescrita.Divida a classe em duplas. Depois solicite quecada uma leia o texto e responda às questões.Enquanto estiverem realizando a tarefa,circule pela classe a fim de observar comoos alunos lêem o texto, como buscam neleas informações, como elaboram as respostas,se apenas copiam trechos do texto, ou se apartir do que lêem elaboram respostas comsuas próprias palavras.Quando for conferir as respostas dadas pelosalunos, preocupe-se em dar espaço para quetodos falem, mas que obedeçam aos turnosde fala: é preciso falar e saber ouvir. Após aresolução de cada questão, escreva aresposta na lousa, peça para que leiam epergunte se a resposta atende ao que foipedido na pergunta. Se desejarem fazeralguma modificação, peça para irem à lousae proceder às modificações que julgaremnecessárias. Nesse momento, o processo denegociação é importante para que você possaavaliar se os alunos de fato compreenderamo texto. Se você perceber algum aluno ematitude passiva, pouco participativa, instigue-o a participar. O silêncio muitas vezes é sinalde que ele não entendeu o texto, ou o que foiproposto para fazer; por isso fica alheio àatividade. Se isso acontecer, retome aproposta de trabalho, encaminhe de umaoutra forma, a fim de que todos possamparticipar.Após a leitura do texto, você e seus colegas de grupo saberiam dizerquem escreveu o texto que você leu?qual o título do texto?o texto foi escrito no mesmo dia em que ocorreram os fatos? E comovocê sabe disso?sobre que acontecimento o texto informa?o que significa duplo triunfo?quem são Magnus Norman e Boris Becker?para quem o texto foi escrito?por que o texto foi escrito?onde e quando o texto foi publicado?Aula 2
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 121Na aula anterior, você conversou com seus colegas sobre o tenistabrasileiro Gustavo Kuerten (o Guga) e sua vitória em Roland Garros.Hoje, você vai ler e conversar sobre algumas cartas que Guga rece-beu após sua vitória em Roland Garros.Atividade 1Depois da vitória de Guga (Gustavo Kuerten) em Roland Garros, muitaspessoas resolveram cumprimentá-lo pela conquista.Leia abaixo duas das correspondências recebidas pelo tenista. Elas foramescritas por Rafael, irmão de Guga, e Fernando Henrique Cardoso, presidentedo Brasil.Brasília, 13 de junho de 2000.Caro Gustavo KuertenO Brasil mais uma vez está em festa, graças à suainigualável capacidade de ser o melhor em Roland Garros.Sinto-me honrado em poder, em nome do povo brasileiro,parabenizá-lo pelo feito extraordinário.A França se curvou diante de um tenista brilhanteque elevou o nome do Brasil e fez tremular as cores da ban-deira nacional.CongratulaçõesFloripa, 13 de junho de 2000.Valeu cara! Agora o tênis brasileiro já tem rei: você. Suaspancadas de direita deixaram o cara maluco, ele não con-seguia nem chegar na bola. Ficou tonto, você estava de-mais, manero mesmo.Olha, foi fantástico ouvir a torcida gritando Guga, Guga,Guga... fiquei todo arrepiado. A mãe, é claro, só chorava; ea vó, então, não largou o terço; pediu ajuda a todos os san-tos. Só faltou ela chamar São Guga. Vê se chega logo!s Divida a classe em duplas. Depois soliciteque cada uma leia os textos e respondaàs questões. Enquanto estiveremrealizando a tarefa, circule pela classe afim de observar como os alunos lêem ostextos, como buscam neles asinformações, como elaboram asrespostas, se apenas copiam trechos dotexto ou, se a partir do que lêem,elaboram respostas com suas própriaspalavras.s Quando for conferir as respostas dadaspelos alunos, preocupe-se em dar espaçopara que todos falem, mas que obedeçamaos turnos de fala: é preciso falar e saberouvir. Após a resolução de cada questão,escreva a resposta na lousa, para queleiam e pergunte se a resposta atendeao que foi pedido na pergunta. Sedesejarem fazer alguma modificação,peça para irem à lousa e proceder àsmodificações que julgarem necessárias.Nesse momento, o processo denegociação é importante para que vocêpossa avaliar se os alunos de fatocompreenderam o texto. Se vocêperceber algum aluno em atitude passiva,pouco participativa, instigue-o a participar.O silêncio muitas vezes é sinal de queele não entendeu o texto, ou o que foiproposto para fazer; por isso fica alheio àatividade. Se isso acontecer, retome aproposta de trabalho, encaminhe de umaoutra forma, a fim de que todos possamparticipar.s Essa atividade permite que os alunosobservem a adequação da linguagem adiversas situações de interação verbal ea diferentes interlocutores; como aimagem dos interlocutores foi construídapelos locutores; observem, ainda, otratamento dispensado, a linguagemutilizada a partir dessa imagem que secriou.Na comparação entre as duas cartas, éimportante que os alunos percebam que anecessidade de estabelecer umacomunicação com um interlocutor, no casoGuga, determinou que Rafael e FernandoHenrique escolhessem o tipo de texto (carta),a variante lingüística (mais ou menos formal),a seleção vocabular, a estruturação das frases,parágrafos.Chame a atenção, por exemplo, para como,na saudação, Rafael e F.H.C. já sinalizam paraa forma como vão escrever, revelando aimagem que cada um tem do seu interlocutor(Guga).Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor3AulaAula 3
  • 22 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Após a leitura das cartas, responda às questões.Quem escreveu o texto 1? E o texto 2?________________________________________________________________________________________________________________No texto 2, encontramos a expressão “Valeu cara!” A quem a palavracara se refere?________________________________________________________________________________________________________________Nas duas vezes em que a palavra cara aparece no texto 2, ela se refere àmesma pessoa?________________________________________________________________________________________________________________O que o autor do texto 2 quis dizer com a frase “Suas pancadas de direitadeixaram o cara maluco...”?________________________________________________________________________________________________________________O que o autor do texto 1 quis dizer com “O Brasil mais uma vez está emfesta, graças à sua inigualável capacidade de ser o melhor em RolandGarros.”?________________________________________________________________________________________________________________Agora, compare as duas cartas.ComoRafaeltrataoirmãoGuga?Eopresidente,comosedirigeaotenista?________________________________________________________________________________________________________________Por que Rafael não se dirigiu ao irmão como Caro Gustavo Kuerten? E opresidente, por que não disse cara?________________________________________________________________________________________________________________Você acha que a linguagem usada por Rafael e pelo presidente éapropriada para falar com o tenista? Por quê?________________________________________________________________________________________________________________Valeu cara, por exemplo, mostra uma lingua-gem característica de pessoas da idade deGuga e Rafael; mostra, ainda, o tipo de rela-ção entre os irmãos: pessoas que se conhe-cem bem e que, por isso, se tratam informal-mente.Já Caro Gustavo Kuerten, mostra umtratamento cordial, entre pessoas que nãotêm uma relação mais estreita de parentescoou amizade.Aula 3
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 123Na aula anterior, você e seus colegas descobriram que, dependendodasituaçãoedapessoacomaqualfalamos,ouparaquemescrevemos,é preciso usar uma linguagem mais formal ou informal. Se a pessoa énossa amiga, ou parente, por exemplo, podemos usar uma linguagemmais informal, como o irmão de Guga fez. Outras situações exigem umalinguagem mais formal, como fez o presidente Fernando HenriqueCardoso, que falou em nome do povo brasileiro e que não tem umaligação mais estreita de amizade ou parentesco com o tenista.Vamos continuar nossas descobertas? Hoje vamos falar sobre um assuntomuito interessante, e, com certeza, você tem muitas informações parapassar aos colegas.Atividade 1João e Romilda são primos. Ambos nasceram no mesmo estado, na mesmacidade. Agora, Romilda está morando em um lugar bem longe do primo. Paranão perderem o contato e saber o que está acontecendo um com o outro, secomunicam por meio de cartas. Leia abaixo uma das cartas que Romildaenviou ao primo.Recife, 10 de junho de 2000.Oi João!Não é fácil mudar de casa, muito menos quando se mudapara uma casa que fica em outro estado. Faz uma semanaque estou indo na escola nova. Aqui é tudo muito diferente!A professora e os meus colegas de classe às vezes falamumas coisas que eu não entendo direito.Ontem foi um dia daqueles. A professora perguntou pramim porque eu tava chegando na escola agora. Eu respondique era porque meu pai queria começar a vida em outro lugar,uai. Pra quê... foi só eu dizer uai que a turma caiu em cima demim. Foi só gozação. Parece até que todos já sabiam de ondeeu vinha. Na hora eu fiquei com raiva, mas logo passou, por-que a professora disse que essa palavra é comum nas MinasGerais: todo mineiro fala uai, uai!Mas isso não foi nada. Ontem, mamãe e eu fomos fazerumas comprinhas. Quando a gente chegou no lugar, oguardabelo veio correndo; um cara desengonçado, manjolãoque nem você, pegou a chave do carro (o fusquinha 68 dopapai, ele também veio) e disse que ia estacionar. Não deuoutra: PUM! Bateu. Mamãe deu um berro daqueles de arra-sar quarteirão. O guardabelo desceu do carro, calmo, queaté parecia mineiro e disse: “Oxente, madame! Não se avexenão, foi só um xeleléu.” Entendeu? Não? João, isso éBrasiiiiiiil! Eu tô adorando.Um abraço da prima (preferida)RomildaContinuamos, nessa aula, a tratar de variaçãolingüística. É sempre bom lembrar que alíngua portuguesa não é falada do mesmomodo por todas as pessoas que a utilizam.Já sabemos que não temos uma línguauniforme no Brasil, sem variações; pelocontrário, há variedades de todo tipo:regionais, sociais, de faixa etária,profissionais, escrita/oral e até mesmohistóricas... Em uma mesma época, região,cidade, podemos observar a presença demuitos falares da língua portuguesa, que vãovariar conforme os interlocutores e o contextoem que se dá a interação verbal.É importante que os alunos compreendamque as variedades de uso da língua sãoresultantes das próprias situações em queestão envolvidos os falantes. E que, por isso,devem ser encaradas como legítimasmanifestações de linguagem, desde queadequadas aos contextos em que sãoenunciadas.Cabe, nessa aula, analisar com os alunoss por que o texto foi escrito: devendo-seprever a necessidade de haver um motivopara o estabelecimento de comunicaçãoentre os sujeitos (Romilda – João);s a quem se escreve: a imagem que olocutor (Romilda) construiu do seuinterlocutor (João) – a construção dessaimagem determina a adequação dalinguagem à intenção comunicativa.Instigue os alunos a refletirem sobre o porquêde Romilda ter escrito para o primo; sobre ofato de ter transcrito, literalmente, a fala domanobrista no episódio do supermercado.Qual era a intenção dela com isso?Evidentemente ela pretendia surpreender oprimo usando um vocabulário (varianteregional) que não é próprio da região ondeele mora.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor4AulaAula 4
  • 24 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Depois de ler a carta, você saberia dizeronde Romilda está morando?________________________________________________________________________________________________________________por que ela foi morar nesse lugar?________________________________________________________________________________________________________________para quem Romilda escreveu?________________________________________________________________________________________________________________com quem Romilda mora?________________________________________________________________________________________________________________por que os colegas de Romilda caçoaram dela?________________________________________________________________________________________________________________o que Romilda pretendia ao escrever, para o primo, o que disse omanobrista no episódio do supermercado?________________________________________________________________________________________________________________se João será capaz de entender o que aconteceu com Romilda e suamãe no estacionamento do supermercado? Por quê?________________________________________________________________________________________________________________o que Romilda quer dizer com o trecho final da carta: “Entendeu? Não?João, isso é Brasiiiiiiiiiil! Eu tô adorando!”________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Aula 4Manjolão,guardabeloxeleléu?
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 125Na aula anterior, você leu e conversou sobre a carta que Romildaenviou ao primo. Na leitura, você pôde perceber que ela tinha aintenção de surpreender João contando aquele episódio vivido pelamãe e ela em um supermercado de Recife, mostrando como ela já eracapaz de repetir expressões próprias da região em que acabava dechegar.Romilda fez questão de transcrever a fala do manobrista, usando ovocabulário que ele usou, achando que o primo não seria capaz deentender, já que o jeito de falar em Recife não é o mesmo usado porJoão em Minas Gerais. Será que ela conseguiu confundir João?Naauladehoje,vamosler,conversarsobreacartaqueJoãoescreveuem resposta à carta da prima.Atividade 1Leia, agora, a carta que João enviou à prima.Belo Horizonte, 15 de junho de 2000.A gente pensa que sabe tudo, né? Tá vendo, foi sósair daqui e você descobriu um monte de coisas. Mas sepensa que vai me pegar, caiu do cavalo. Você esqueceuque o Rosalvo é pernambucano? O que você tá passan-do aí, ele passou aqui. A gente aprendeu muito um com ooutro.Ah... eu não fiquei nem um pouco ofendido porque vocême chamou de manjolão. Eu sei que aí, manjolão é umapessoa muito alta, boba! E eu sou mesmo. A mamãe sem-pre fala: “Esse minino parece uma vara de apanhá coco.”JoãoVamos falar sobre a carta que João escreveu para a prima?Onde a pessoa que escreveu a carta mora? Como foi possível obter essainformação?________________________________________________________________________________________________________________Observe na carta o uso das palavras daqui, aí, aqui. A que lugar(es) elasse referem?________________________________________________________________________________________________________________Pela leitura do texto é possível saber o que João quis dizer quando usoua expressão caiu do cavalo?________________________________________________________________________________________________________________Antes de iniciar a atividade proposta nestaaula, retome, rapidamente, o que foi discutidona aula anterior. Faça a leitura da carta deRomilda, a fim de que os alunos possamrelembrar o conteúdo da carta.Em seguida proponha a leitura, individual esilenciosa, da carta de João. Não os deixe,nesse momento, preocupados com asquestões sobre o texto. Insista apenas naleitura.Para a resolução das questões, divida a classeem pequenos grupos e solicite querespondam. Não se esqueça de que asperguntas servem apenas para orientar aleitura/compreensão do texto, por isso, deixe-os à vontade para fazerem os registros damaneira como julgarem necessário. Oimportante, nesse momento, é que elesusem algum tipo de registro que lhespossibilite, na hora da análise coletiva, exporsuas idéias, opiniões. O registro, por exemplo,pode ser feito no próprio texto, assinalandotrechos, ou expressões que eles consideremimportantes.Professor, muitas coisas que foram discutidasna aula anterior se repetirão nessa aula.Aproveite o momento para esclarecer pontosque não foram assimilados, reforçarconceitos, desfazer possíveis equívocos.É importante que fique claro para os alunosalguns itens que são propostos nas questões,como:s a manifestação de variantes linguísticasde acordo com as regiões. Ex: Uai,Manjolão(Minas Gerais)/ oxente! (NE).s a possibilidade do uso da modalidadecoloquial da linguagem em algumassituações discursivas; na redação dacarta, por exemplo, crianças da mesmaidade, que mantêm relação de amizadebem próxima, fazem uso, por escrito, deformas usadas na oralidade, e não seestranha. Ex: “tá” por “está”, apesar deser um desvio da norma padrão, ébastante usada, em especial, por crianças(para adultos escolarizados funcionamuito com função fática).s a adequação da linguagem em função dasituação discursiva; a imagem dointerlocutor orienta a forma de seestabelecer a comunicação; as criançastêm a mesma idade, se conhecem muitobem, têm um universo compartilhado deconhecimento. A linguagem é fluente,solta, coloquial e com informação quepara ambos não carecem de maiorexplicações ou detalhes (Rosalvo, p. ex.,quem é?)Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor5AulaAula 5
  • 26 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Na frase “A gente aprendeu muito um com o outro” a expressão a gentese refere a quem? Em lugar de a gente, João poderia ter usado outrapalavra? Qual?________________________________________________________________________________________________________________Você saberia explicar por que João fez a opção por usar uma expressãopela outra?________________________________________________________________________________________________________________Por que João não teve dificuldade para entender o episódio dosupermercado, comentado na carta de Romilda?________________________________________________________________________________________________________________E você, sentiu alguma dificuldade para entender o texto de João e o deRomilda? Qual? De que forma você tentou resolvê-la?________________________________________________________________________________________________________________A convivência com Rosalvo foi uma experiência importante para João?Por quê?________________________________________________________________________________________________________________Pela leitura do texto é possível afirmar que manjolão (palavra usada emRecife para se referir às pessoas muito altas) e “vara de apanhá coco”têm o mesmo significado?________________________________________________________________________________________________________________ResumindoNa aula de hoje, você pôde ampliar seus conhecimentos a respeito da formacomo falamos e escrevemos; além disso, descobriu também que hádiferentes formas de se falar no Brasil. Escreva abaixo o que você aprendeusobre:porque,apesarde,falarmostá,porexemplo,devemosescreverestá?Por que em situações de comunicação, como as acontecidas entre Romildae João, é natural utilizarem-se expressões como você, a gente?______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Na carta de João, observamos o uso depalavras e/ou expressões que mostram afamiliaridade que um tem com o outro. Elese dirige à prima chamando-a de você; sepermite chamá-la de boba; usa expressõesque sabe serão entendidas pela prima como:caiu do cavalo, vara de apanhar coco.Observar, ainda, que a intenção de João é di-ferente daquela apresentada por Romilda. Elenão tem a intenção de surpreendê-la usandoum vocabulário diferente daquele que elaconhece. A intenção dele é mostrar a ela quepara ele, aquele vocabulário usado pelospernambucanos também é familiar.Quanto à convivência de João com Rosalvo,é importante que os alunos percebam que anecessidade de se comunicarem fez com queum e outro tivessem acesso ao falarcaracterístico de Pernambuco e Minas Gerais;na troca, na interação ambos aprenderam eampliaram seus conhecimentos.Aula 5
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 127Atividade 1Observe a capa do livro abaixo.Converse com seus colegas.Quem é o autor desse livro?Você conhece essa autora? Já leu algum livro dela?Qual é o título do livro?Você acha que o título do livro é interessante? Por quê?O que você acha que há em um livro que tem esse nome: Maria vai-com-as-outras?Você acha que Maria é uma personagem da história? Por quê?Você sabe o que significa a expressão vai-com-as-outras? Onde você jáouviu essa expressão? Em que situação?Observe com atenção a ilustração que aparece na capa do livro.O que você vê na ilustração?Você conhece o animal que aparece na ilustração? Sabe alguma coisasobre ele? O quê?Há apenas um animal na ilustração?Você encontrou na capa do livro o nome de quem fez a ilustração?A atividade 1 tem a intenção decontextualizar a atividade de leitura de umahistória, extraída de um livro de literaturainfantil; por isso, existe a preocupação de setrabalhar a capa do livro para que se saiba oque é um livro de histórias, quem é o autordo livro, quem o ilustrou, quem o editou etc..Na atividade 2, após a leitura, proponhaquestões para serem respondidas oralmentepor duplas de alunos. Essas questões devemexplorar os elementos constitutivos danarrativa: há uma história que está sendonarrada, isto é contada, existe um conflitoque precisa ser resolvido; há quem conta estahistória – narrador; existem personagens;a história se passa em um determinado lugar;os acontecimentos ocorrem num tempo,passado.Leia abaixo questões que podem sercolocadas para os alunos, após a leitura dotexto.Leia novamente o primeiro trecho da história.Era uma vez uma ovelha chamadaMaria. Onde as outras ovelhas iam,Maria ia também. As ovelhas iampra baixo. Maria ia pra baixo.As ovelhas iam pra cima.Maria ia pra cima.Maria ia sempre com as outras.s Que personagens aparecem nesse tre-cho?s Qual é o nome de uma das personagens?s Para onde as ovelhas iam?s O que Maria fazia quando as ovelhas iampara baixo e para cima?s Na frase Maria ia sempre com as outraso que significa a palavra sempre?s A quem se refere a expressão as outrasno trecho acima?s Qual é o nome da ovelha?s Por que Maria ia sempre com as outras?s O que significa a expressão maria vai-com-as-outras?s Maria gostava de jiló?s Quando Maria se sentiu incomodada como fato de estar sempre fazendo aquilo queas outras faziam?s Quando Maria decidiu que não iria maiscom as outras?s O que Maria fez quando decidiu que nãoiria mais com as outras?s Explique o último parágrafo do texto:“Agora, mé, Maria vai para onde caminhao seu pé!”.s Quais as relações que se pode observarentre o texto lido e a capa do livro?Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor6Aula 6Aula
  • 28 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Onde você acha que as ovelhas estão?Você acha que existe alguma relação entre o título do livro e a ilustração?Qual?Atividade 2Leia, agora, a história de Maria vai-com-as-outras.Era uma vez uma ovelha chamada Maria.Onde as outras ovelhas iam, Maria ia também. Asovelhas iam pra baixo. Maria ia pra baixo. As ovelhas iampra cima. Maria ia pra cima.Maria ia sempre com as outras.Um dia, todas as ovelhas resolveram comer saladade jiló. Maria detestava jiló. Mas, como todas as ovelhascomiam jiló, Maria comia também. Que horror!Foi quando, de repente, Maria pensou: “Se eu nãogosto de jiló, por que é que eu tenho que comer salada dejiló?”Maria pensou, suspirou, mas continuou fazendo oque as outras faziam.Até que as ovelhas resolveram pular do alto doCorcovado pra dentro da lagoa.Todas as ovelhas pularam.Pulava uma ovelha, não caía na lagoa, caía napedra, quebrava o pé e chorava: mé!Pulava outra ovelha, não caía na lagoa, caía napedra, quebrava o pé e chorava: mé!E assim quarenta e duas ovelhas pularam,quebraram o pé, chorando: mé! mé! mé!Chegou a vez de Maria pular. Ela deu umarequebrada, entrou num restaurante e comeu uma feijoada.Agora, mé, Maria vai para onde caminha o seu pé!ORTHOF, Sylvia. Maria-vai-com-as-outras. São Paulo: Ática.ConteparaoscolegasoqueaconteceunahistóriaMaria-vai-com-as-outras.Atividade 3Você leu/ouviu uma história muito interessante. Descobriu como e por que aovelha Maria deixou de ser vai-com-as-outras.Agora, você vai contar a história da ovelha Maria, depois que ela descobriuque deveria seguir apenas seus pés. Sua história deve começar assim...Nos campos verdes e floridos da fazenda Liberdade,mora a ovelha Maria. Maria é divertida e diferente - sóvai para onde caminha seu pé!...Antes de começar a escrever, converse com seus colegas sobre o iníciodessa história que vocês vão continuar.Atividade 3Para que os alunos possam dar continuidadeà história, incentive-os a planejar, antes, otexto que irão escrever. Se você sentir queeles têm dificuldade em planejar, por ser umaprática pouco freqüente, inicie a atividade comeles.Enquanto eles estiverem planejando o texto,caminhe pela classe a fim de verificar comocada dupla, na fase de planejamento, tentadecidir como continuar a história. Dê apoio,pistas, novas informações, quando sentir queeles têm dificuldade.É importante que você chame a atenção dosalunos para o fato de que, nesse primeiromomento, eles devem se preocupar apenascom o levantamento das idéias; a escrita dotexto, organizado em frases, parágrafos, coma seqüência dos fatos na ordem em queaconteceram só ocorrerá na etapa seguinte.Quando os alunos começarem a escrever otexto, lembre-lhes que devem usar asanotações que fizeram na fase deplanejamento. Você vai precisar auxiliá-los atodo momento.Como você já sabe, os alunos terão acesso ànorma culta se forem capazes de, por meio douso, observar as diferentes modalidades evariantes e de compreenderem que cadacontextoexigeousoadequadodeumaououtra.A proposta de produção dessa aula pretendedar a você subsídios para, no processo dereescrita, levar o aluno a refletir sobre osdesvios que produz na escrita e que nãopassam de reprodução de sua pronúncia. Épreciso ter presente que esses desviosresultam da diferença entre a modalidadeescrita e a modalidade oral, e só serão“corrigidos” quando os alunos tiveremconsciência dos fatos relativos à variaçãolingüística.Selecione entre as produções da classe 2 ou3 que apresentem esse tipo de manifestação;analise-as e depois proponha a reescrita.É muito comum encontrarmos produçõescomo os exemplos abaixo.Exemplo 1... Ela sai di manhãzinha pra passeae conversa com suas amiga ovelha.As ovelha gosta muito de Maria elaesta sempre alegri e sorridenti...Aqui, você pôde observar que o alunoescreveu exatamente como fala. Em lugar depassear e conversar, escreve passea econversa, suprimindo o r nos infinitivosverbais. Além disso, também, troca e por i enão faz concordância nominal e verbal: suasamiga, as ovelha gosta...Aula 6
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 129Onde a ovelha Maria mora?Como é o lugar, e qual é o seu nome?Por que o lugar chama-se Liberdade? O que isso pode ter a ver a ver coma ovelha Maria?Maria é divertida e diferente. Para você, o que é ser diferente? O queuma pessoa (ovelha) divertida e diferente faz? Ela é calada, quieta,caminha como as outras, se veste como as outras, fala como as outras,se comporta como as outras?O que significa ir apenas para onde caminha seus pés? Que situaçõesvividaspelapersonagempodemmostrarqueelacaminhacomosprópriospés?Lembre-seAntes de começar a escrever, faça um planejamento do seu texto, não seesqueça de que você já tem o início da história, na qual encontramos umpersonagem (a ovelha Maria), o lugar (fazenda Liberdade); um narrador.Exemplo 2As ovelha chegaro correno e gritano:— Maria... Maria!— O que foi! — ela disse.A ovelha chorano falo que o caçadorpego a irmã dela.Nesse exemplo, é possível observar que oaluno, em vários momentos, reduz aterminação própria do gerúndio (correno,gritano, em lugar de correndo e gritando, porexemplo), e redução de ditongos(monotongação: falo, pego, em lugar de falou,pegou).Professor, é importante que as produçõessejam matéria de reflexão; entretanto, não sedeve esquecer de que essas manifestaçõespróprias da fala são resultantes das própriassituações em que estão envolvidos osfalantes e que, por isso, são legítimasmanifestações de linguagem, desde queadequadas aos contextos em que sãoenunciadas. O que o aluno escreveu é umaespecificidade do falar, provavelmente, do seugrupo social, e deve ser respeitado emsituações de informalidade. Cabe aqui, nesseprocesso de ensino e aprendizagem, fazê-lorefletir sobre a adequação dessa linguagemna escrita, já que sabemos que na escrita hánormas para escrever corretamente, queprecisam ser obedecidas.Aula 6
  • 30 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Atividade 1Que jornais circulam na região em que você mora? Quais desses jornaisvocê já teve a oportunidade de folhear, ler? De que parte do jornal você maisgosta? Por quê?O que você acha que vai encontrar em um texto de jornal que tem o seguintetítulo: INFÂNCIA FEITA DE BARRO.Leia o texto abaixo.INFÂNCIA FEITA DE BARROOlarias do Triângulo Mineiro sãoexemplos da exploração de criançasSANDRA KIFFERDE CONCEIÇÃO DAS ALAGOASEmpresários inescrupulosos e fazendeiroscontinuam explorando crianças, que se submetem asalários de fome e trabalho em regime de quase escravidão.No Brasil, existem 2,9 milhões de meninos entre 10 e 14anos trabalhando duro nas mais diversas atividades, sema menor possibilidade de acesso à escola ou a qualquerforma de lazer. A sociedade valoriza o fato de começar atrabalhar cedo e assumir o papel de arrimo da família. Com850 mil menores entre 5 e 17 anos no mercado de trabalho,Minas está atrás apenas de São Paulo e Bahia entre osestados que mais exploram o trabalho infantil. EmConceição das Alagoas, a 50 quilômetros de Uberaba, noTriângulo Mineiro, muitas crianças varam as madrugadasnas olarias para ganhar R$ 2,50 por milheiro de tijolosproduzidos.Estado de Minas. Domingo, 18 de junho de 2000.Após a leitura do texto, responda às perguntas.Pela leitura do texto é possível dizer por que os empresários sãochamados de inescrupulosos?Que estados são citados no texto como aqueles que mais exploram amão de obra infantil? Qual deles está em primeiro lugar?Você sabe o que é uma olaria? O que se produz nesse lugar?Qual é a matéria-prima usada nas olarias?Agora, você seria capaz de dizer por que o título do texto é ”Infânciafeita de barro”? Você acha que o título é coerente com o texto?Antes de apresentar o texto aos alunos,converse sobre o tema que será trabalhadona aula, a fim de que possa descobrir o queeles já sabem sobre o assunto. A partir daleitura do texto e título, e do suporte de texto,o aluno já poderá formular hipóteses sobre oconteúdo do texto a ser lido. Esselevantamento é fundamental para despertara participação da classe, e também ajuda naidentificação de características específicas dotipo de texto.Atividade 1Antes de pedir aos alunos que leiam o texto,pergunte-lhes sobre suas expectativas emrelação à leitura de um texto que tem comotítulo Infância feita de barro. Colha todas asinformações, sempre relembrando que essetexto foi publicado em um jornal. Oconhecimento apresentado pelos alunos emrelação ao tipo de texto pode delimitar asexpectativas em relação ao seu conteúdo. Porexemplo, é improvável que eles tenham aexpectativa de um texto que comece com“era uma vez...”Após a conversa inicial, peça aos alunos paralerem individual e silenciosamente o texto.Nessa leitura, eles poderão confirmar ou nãoas hipóteses que tenham formulados,passando a procurar o sentido global do textoa partir dos objetivos que lhes foramapresentados na atividade 1.Depois, promova uma conversa com/entre osalunos, para que troquem idéias a respeitodo que leram. Isso significa fazer uma releitura(parágrafo a parágrafo) compartilhada, comquestões orais que possibilitem acompreensão mais geral do texto.Linhas 1 a 3s O que se entende por empresáriosinescrupulosos?s O que se entende por submeter-se?Quem se submete? O que significasalário de fome?s O que é trabalhar em regime de quaseescravidão?Linhas 4 a 8s O que significa arrimo da família? O quese entende, então, por assumir o papelde arrimo da família?Linhas 9 a 13s O que significa varar a madrugada?Aula 7Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor7Aula
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 131O texto fala de um lugar em que as crianças são exploradas no trabalhode produção de tijolos. Há, no lugar em que você mora, fábricas, fazendasem que o trabalho infantil também existe? Fale para os colegas sobreesse lugar e sobre as condições de trabalho das crianças.Segundo o autor do texto, as crianças que começam a trabalhar muitocedo têm condições de freqüentar a escola e de se divertir? Por quê?Você sabe o que significa arrimo de família?Atividade 2Imagine que você fez uma pesquisa na região em que mora e teve que fazeralgumas perguntas às pessoas sobre o que elas pensam sobre o trabalhoinfantil (causas) e das possíveis soluções para acabar com o problema.Escreva a conversa que você teve coma) um comerciante (pode ser o dono da padaria, da farmácia, dosupermercado etc.)________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b) uma dona de casa________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________c) um(a) amigo (a)________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Observação: o uso do dicionário deve/podeorientar a compreensão do texto lido. Por isso,providencie alguns ao planejar esta aula.Em seguida, solicite que respondam às per-guntas. A atividade deve ser feita em grupo,a fim de que os alunos possam trocar infor-mações, por meio das versões apresentadaspelos componentes do grupo. Isso permiteque os alunos construam juntos o significadodo texto.É importante que os alunos não se restrinjamàs questões propostas na atividade; sesurgirem outras questões, ouça-as ecompartilhe com a classe para que todospossam ampliar seus conhecimentos sobreo assunto e sobre o texto.Atividade 2É preciso direcionar a análise, a fim de queos alunos percebam as peculiaridades decada texto. Por exemplo: leve-os a refletirsobre a adequação da linguagem à imagemque construíram dos interlocutores; compa-re, por exemplo, os textos nos quais con-versaram com o amigo e com o comercian-te. Pergunte-lhes se a linguagem usada nosdois textos é a mesma, ou se percebem al-guma variação; se houver, peça-lhes paramostrar onde ela aparece: se é na seleçãovocabular, na organização das frases etc.O texto abaixo, escrito por um aluno de 3ªsérie, pode orientar o seu trabalho quando daanálise dos textos dos alunos de sua classe.— Bom dia, seu João! O senhor está muitoocupado?— Por que você está perguntando isso?— É que eu queria conversar com o senhorsobre uma coisa que a gente discutiu naescola.— O que é?— Eu queria saber o que o senhor pensasobre o trabalho infantil.— Como assim?— Ah... se o senhor é contra, ou se achaque as crianças tem que começar a trabalharcedo... essas coisas.— Eu nunca parei pra pensar nisso. Achoque todo mundo tem que trabalhar. Eutrabalho desde pequeno... meus filhostambém começaram cedo.(...)ResumindoA aula acabou! Mas você tem muito o que escrever sobre o que aprendeuhoje, não é verdade? Pois, então, escreva o que você aprendeu sobre:Aula 7
  • 32 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Aula 7trabalho infantil (com a leitura do texto e na conversa com os colegas)________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________o tipo de linguagem que devemos usar com pessoas diferentes (umcomerciante, uma dona de casa, um amigo, etc) quando falamos comeles ou quando escrevemos o que eles disseram.________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 133Atividade: 1Leia o texto abaixo.Era uma vez...Nadador de Guiné Equatorial comove Sydney com “cachorrinho”e prova que ainda há lugar para mortais na festa dos super-homensO estudante Eric Moussambani, 22, da Guiné Equatorial,aprendeu a nadar em janeiro, em uma piscina de 20 metros.Seu país ganhara um convite do Comitê Olímpico Inter-nacional para participar do torneio olímpico de natação, e Eric,entusiasmado, resolveu fundar com amigos uma federaçãolocal para atender os protocolos e aproveitar a oportunidade.Oito meses depois, Eric chegou à Austrália. Foi sua pri-meira viagem internacional. Desembarcou com mais uma mis-são: carregar a bandeira do país na cerimônia de abertura, àfrente de outros oito membros da delegação, cinco deles árbi-tros.Eric mergulhou sozinho, já que os dois rivais de bateriaqueimaram a largada. Após completar sofrivelmente uma pis-cina, sentiu-se exaurido e tentado a parar – afinal, jamais havianadado 100 metros sem intervalo.As testemunhas, 17 mil torcedores que lotavam o ParqueAquático de Sydney, diante do mais insólito espetáculo destaOlimpíada, ficaram sem opção. Com gritos e aplausos, empur-raram o desconhecido pelos 50 metros restantes.Nem a adoção do estilo “cachorrinho”, no final, demoveuo público. E, ao bater a mão na borda da piscina, Eric entroupara a história das Olimpíadas por ter sido o homem que na-dou os 100m livre, a Segunda prova mais rápida da natação,com o incrível tempo de 1min52s72 – 30 segundos mais lentodo que o vencedor dos primeiros jogos, em 1896, que caiu emáguas abertas em uma baía de Atenas.Folha de S. Paulo – Folha Sydney 2000 -Quarta-feira, 20 de setembro de 2000.Após a leitura do texto, tente responder às questões abaixo.Quem é Eric Moussambani?Quando ele aprendeu a nadar?Onde Eric nasceu? Você já ouviu falar desse país? Você saberia localizá-lo no mapa-múndi?Quando e o que Eric foi fazer na Austrália?Por que os torcedores que estavam no Parque Aquático de Sydneyaplaudiram Eric?Você sabe o que significa, na natação, o estilo cachorrinho? Esse estiloé permitido nas olimpíadas?Atividade 1Antes de solicitar que os alunos leiam o texto,converse com eles sobre o tema a sertrabalhado e suas vivências em relação a ele,a fim de que comecem a interagir com oassunto central da aula. Retome, também, acontextualização da atividade feita na aula 7,se necessário.Pergunte-lhes se sabems o que é uma olimpíada;s o que o atleta precisa fazer para participarde uma olimpíada;s que modalidades de esporte fazem parteda olimpíada;s como funciona a natação na olimpíada;s que modalidades existem na natação;s o nome de um nadador conhecido(brasileiro, ou não);Em seguida, como nas aulas anteriores, iniciea atividade por uma leitura prévia, individual,promova uma conversa com/entre os alunos,para que troquem idéias a respeito do queleram.s Do que fala o texto? Qual o assunto dotexto?Proponha então, uma releitura (parágrafo aparágrafo) compartilhada, com questões oraisque promovam a compreensão mais geral dotexto.1º parágrafos Você acha que saber quando Ericaprendeu a nadar é importante paracompreender o texto? Por quê?2º parágrafos Você já ouviu falar de Comitê OlímpicoInternacional? E torneio olímpico denatação?s Você sabe o que significa a palavraprotocolo? O que significa, então,atender os protocolos? Por que Ericprecisava atender os protocolos?3º parágrafos “Oito meses depois, Eric chegou àAustrália.” Oito meses depois do quê?s Além de carregar a bandeira do país, qualera a outra missão de Eric?s Você sabe o que significa cerimônia deabertura? A que cerimônia de abertura otexto se refere?Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, adequação da linguagem emfunção da intenção comunicativa, do contextoe dos interlocutores a quem o texto se dirigeOrientações para o professor8AulaAula 8
  • 34 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 1Atividade 2Imagine que você e alguns amigos brasileiros estavam em Sydney, na ar-quibancada do ginásio onde estavam sendo realizadas as competições denatação e assistiram à apresentação de Eric.Escreva abaixo a conversa que você teve com seus amigos brasileirosdurante e após a apresentação do nadador da Guiné Equatorial.Antes de escrever, pense em...Seu sentimento em relação à situação vivida pelo nadador. Foi dex solidariedade?x tristeza?x decepção?x espanto?x surpresa?Como você expressou seu sentimento? Que palavras usou parademonstrá-lo?Como seus amigos reagiram? Eles sentiram o mesmo que você?Como será essa conversa entre você e seus amigos? Que linguagem vocêvai usar?4º parágrafos A que bateria o texto se refere? O quesignifica rivais de bateria? E queimar alargada?s Por que Eric mergulhou sozinho? Por quefoi tão difícil para ele completar os 100metros? Eric aprendeu a nadar em umapiscina de 100 metros?5º parágrafos Quem assistiu ao drama de Eric? Ondeisso aconteceu?s O que significa a palavra insólito? Por queo que aconteceu com Eric é chamado deinsólito espetáculo?s Qual foi a reação das pessoas queassistiam ao espetáculo?s Quem é o desconhecido?6º parágrafos Por que Eric entrou para a história dasOlimpíadas?s O que significa em uma competição denatação bater a mão na borda dapiscina?Atividade 2s A conversa deve considerar o contextoem que estão os interlocutores;s O conhecimento que eles têmv de um ginásio (pode ser que elesnunca tenham ido a um e, por isso,não tenham idéia da estrutura);v sobre o esporte;v sobre as regras do esporte nasolimpíadas;v a diferença entre os nadadores dospaíses do primeiro mundo em relaçãoaos do terceiro mundo.Aula 8
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 1 s Aula 135No momento da leitura compartilhada dotexto e durante a leitura das produções, éinteressante que você observe se os alunosrefletiram sobre o inusitado doacontecimento. Por exemplo:s Por que o Comitê Olímpico Internacionalconvidou o país sabendo que ele não tematletas com índices/marcas para competircom os atletas dos outros países? Essareflexão pode surgir, na conversa, emfrases como:v Meu Deus! Como esse cara tá aqui?v Eu nado melhor que esse cara, meu!v Mano, será que esse cara temtreinador?v Sacanagem, o que fizeram com ocara!s O que leva uma pessoa, que aprendeu anadar em janeiro, a competir em umaolimpíada oito meses depois?v Esquecero de avisá pra ele que issoé uma olimpíada.v Que coragem, hem!v Coitado, que vexame!s O que leva o torcedor, que espera, emolimpíada, assistir à quebra de recordes,a aplaudir um nadador nitidamenteamador?v Vamos aplaudir pra dar uma força procara completar a prova, gente!v Eric... Eric... Eric...v A culpa não é dele, vamos dar umaforça.ProfessorAs falas propostas acima são apenasexemplos do que pode aparecer nasproduções dos alunos. Evidentemente, osalunos de sua classe podem escrever frasesdiferentes dessas. Toda manifestação porparte do aluno deve ser considerada eanalisada.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Aula 8
  • Linguagem, Língua,Discurso e TextoUnidade2○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○Utilização, reconhecimento dos re-cursos coesivos oferecidos pelo siste-ma de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à lin-guagem escrita
  • 39Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 11Atividade 1Leia o texto.Agora, leia a capa da revista onde a propaganda das sandálias havainas foipublicada.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoUtilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.AulaOrientações para o professorAula 1Professor, solicite que os alunos leiam o texto.E, para levá-los, também, à leitura da imagem,faça perguntas como: vocês acham que essaimagem, ilustração faz parte do texto? Porquê? Por que vocês acham que colocaramessa imagem aí? Qual a função dela?...Na conversa sobre o texto, é importante queeles percebam que há correspondência en-tre o texto escrito e a imagem.Quanto à leitura da capa da revista, faça-acoletivamente, pois esta revista é destinada aum público muito específico e, provavelmente,os alunos não devem conhecê-la. Explore, prin-cipalmente, a frase que aparece abaixo donome da revista: ABAD – Associação Brasileirade Atacadistas e Distribuidores de ProdutosIndustrializados. Pergunte-lhes se sabem aquem essa revista se destina, quem seinteressaria por ela, por quê... Pergunte-lhes,ainda, se sabem o significado da palavraatacadista; se já ouviram a expressãoatacado e varejo, o que ela significa etc.. Essaconversa os auxiliará na compreensão da pro-paganda.No item Converse com seus colegas sobreo texto, as respostas devem girar em tornode...1. Instigue os alunos a conversarem sobre osignificado da palavra impulso. Com cer-teza, muitos levantarão hipóteses sobre osignificado da palavra no contexto em queaparece.2. Observação: provavelmente os alunos te-rão acesso ao texto em preto e branco, oque, em parte, o empobrece. Mas isso nãodeve ser empecilho para o trabalho com otexto em sala de aula, faça com que osalunos falem sobre as havaianas e, princi-palmente, sobre suas cores.a) professor, é importante explorar a idéiade compra por impulso: comprar porimpulso significa comprar sem a ne-cessidade de fazê-lo, ou seja, mesmonão precisando de um par de sandáliasnovo, comprar por não resistir à ten-tação de fazê-lo. Pode-se, inclusive,por impulso, comprar mais de um par,já que há modelos e cores variados.b) chame a atenção dos alunos para ouso do conectivo PORQUE, que é umelemento de coesão, explicando a in-formação dada na frase anterior.
  • 40 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 13.a) a frase iniciada com a expressão porisso conclui a idéia apresentada notrecho que a antecede: se é impossí-vel comprar apenas um par deHavaianas porque elas têm várias co-res e modelos, conclui-se que os do-nos de loja devem deixar as sandáliasexpostas.4. O aluno deve perceber que o pronomevocê, por exemplo, não se refere a umapalavra que já tenha aparecido anterior-mente, mas, sim, ao leitor que é incluídono texto, no caso, um lojista. Já o prono-me elas se refere a Havaianas, denomi-nado anteriormente na frase.5. Esta questão pretende levar o aluno aplicar, em outros contextos, o aprendizadofeito na aula.Converse com seus colegas sobre o texto1. Na frase Para muita gente, as Havaianas são uma compra de impulso, oque você entende por compra de impulso?2. Leia outro trecho do texto.Para muita gente, as Havaianas são uma compra de impulso. Deve serporque com todas essas cores e modelos é quase impossível levar umpar só.Leia esse trecho escrito de uma outra forma.Para muita gente, as Havaianas são uma compra de impulso. Équase impossível levar um par só das Havaianas, porque elas têmvárias cores e modelos.Agora, responda às questões.a) De acordo com o texto, para muita gente as Havaianas são uma com-pra de impulso. E é impossível levar um par só. Qual o motivo de aspessoas comprarem essas sandálias por impulso? Por que é impossí-vel comprar apenas um par?b) Qual é a idéia que a frase porque elas têm várias cores e modelosacrescenta à frase anterior?3. Leia as frases abaixo.Para muita gente, as Havaianas são uma compra de impulso. Deveser porque com todas essas cores e modelos é quase impossívellevar um par só. Por isso, tenha sempre as Havaianas expostascom todos os tamanhos e cores na sua loja.a) Que idéia a expressão por isso estabelece com a frase que a antecede?Ela dá à frase o mesmo sentido que a palavra porque na frase É impossí-vel levar um par só das Havaianas porque elas têm várias cores emodelos?Aula 1
  • 41Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 14. Leia mais uma frase do texto.Você vai ver como todo mundo vai passear com elas pelo seucaixa.s A quem a palavra você se refere? E a palavra elas?s Na expressão seu caixa, seu se refere ao caixa de quem?5. Leia as frases abaixo.O jogo entre o Vasco e o Bahia foi adiado, porque choveu muito eo campo ficou em péssimo estado.É impossível levar um par só das Havaianas, pois elas têm váriascores e modelos.a) Na primeira frase, qual a relação de sentido entre a frase que começacom a palavra porque e a frase anterior?b) Nas duas frases, as palavras pois e porque expressam a mesma idéia.Qual é essa idéia?Aula 1
  • 42 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1O texto a seguir, publicado no ESTADO DE S.PAULO, suplemento ESTADINHO, noSábado, dia 29 de janeiro de 2000, podeauxiliá-lo na conversa sobre a febre amarela.A febre amarelaA febre amarela é uma doença causada porum vírus, que é transmitido ao homem pormeio da picada da fêmea do mosquito AedesAegypti. Ao picar a pessoa para se alimentarde seu sangue, o mosquito passa o vírus paraa corrente sangüínea, iniciando acontaminação. Depois da picada, a doençaleva de 3 a 6 dias para se manifestar.O vírus da febre amarela multiplica-serapidamente dentro do corpo humano, e ossintomas dessa doença são: febre intensa,calafrios, dores de cabeça, fortes dores nofundo dos olhos, nos músculos, nos ossos enas juntas. Em casos mais graves, a doençapode causar hemorragia (sangramentointerno) nas gengivas, na pele e no intestino,o que pode levar o doente à morte em poucosdias.Existem dois tipos de febre amarela: asilvestre, que pode ser contraída nas matase florestas do país por meio de um outromosquito (o Haemagogos) e a urbana, que étransmitida nas cidades pelo Aedes Aegypti.As áreas de nosso país mais atingidas pelafebre amarela são as regiões Norte, Centro-oeste e alguns lugares de Minas Gerais.E SE VOCÊ FICAR DOENTE, O QUE FAZER?Não existe um tratamento específico para afebre amarela, e o jeito mais fácil de curar odoente é tratando dos sintomas comremédios (por exemplo, remédio para diminuira febre, para curar a dor de cabeça, parasuavizar as dores etc.)O modo de prevenir-se contra a febre amarelaé a vacina, que pode ser tomada por pessoasde todas as idades, e protege contra a doençapor dez anos. Mas só a vacina não adianta,porque é necessário combater o mosquitotransmissor da doença, não deixando vasilhascom água parada e quintais sujos, cheios deentulhos que possam acumular água. Nãovamos brincar com a febre amarela, pois éuma doença grave, mas pode ser facilmenteevitada.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoOrientações para o professor2AulaAtividade 1Uma epidemia de febre amarela atingiu a cidade de Jumirim, interior do MatoGrosso. Para prevenir os moradores e evitar, assim, que outras pessoas secontagiassem, uma das escolas da cidade decidiu convidar os pais de alunose moradores para participarem de uma palestra, na qual se falaria sobre ascausas, os sintomas, o tratamento e as formas de prevenção da doença.O convite seria elaborado pelos próprios alunos, em papel ofício (sulfite)para ser afixado na porta dos estabelecimentos comerciais, prefeitura,hospital etc.. E para que eles pudessem fazê-lo a professora deu as seguintesinformações:Você acha que as informações dadas pela professora são suficientes paraque o convite seja escrito? Por quê?____________________________________________________________________________________________________________________Atividade 2Leia o texto do aluno Pedro, e os comentários que a professora fez sobre otexto que ele escreveu.Atividade de Língua PortuguesaProdução de texto: ConviteJumirim, 15 de maioDona Antonia é médica ela vai na nossa escola e elafala da febre amarela 10 hora sabado a cidade vai ve ela falada febre amarela. A febre amarela é pirigoza já mato ummonte de gente fim.Bairro: Santa TerezinhaRua Pedro Bueno, 55 – próximo as su-permercado Bom PreçoPara quem é o convite? Pais e moradores da regiãoPara que se estáconvidando?Para assistir à palestra da Dra. AntôniaMara, médica da universidade de MatoGrosso, sobre a febre amarela (causas,sintomas, tratamento e prevenção)Data Sábado, 20 de maio de 2000Hora Das 10h às 12hEndereçoUtilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Aula 2
  • 43Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1As atividades de reescrita de texto permitemque os alunos (re)leiam o texto buscandomelhorá-lo. Isso é possível a partir domomento em que eles aprendem a detectaros pontos onde o que está dito não é o quese pretendia, isto é, identificar os problemasdo texto e aplicar os conhecimentos sobre alíngua para resolvê-los: acrescentando,retirando, deslocando ou transformando tre-chos do texto, com o objetivo de torná-lo maislegível, claro, fácil de ser entendido.A aprendizagem de reescrita só é possívelquando os alunos participam de situaçõescoletivas, em grupo, em duplas, sob aorientação do professor, a fim de refletir sobrea organização das idéias, os procedimentosde coesão utilizados, a ortografia, a pontuaçãoetc.. Essas situações, nas quais sãotrabalhadas as questões que surgem naprodução, dão origem a um tipo deconhecimento que precisa ir se incorporandoprogressivamente à atividade de escrita, paramelhorar sua qualidade.Além disso, a reescrita de textos, comosituação didática, exige que o professorselecione em que aspectos pretende que osalunos se concentrem a cada vez, pois não épossível tratar de todos ao mesmo tempo.Ou bem se foca a atenção na coerência daapresentação do conteúdo, nos aspectoscoesivos e pontuação, ou na ortografia. Equando se toma apenas um desses aspectospara reescrever, é possível, ao fim da tarefa,sistematizar os resultados do trabalho coletivoe devolvê-lo organizadamente aos alunos.O texto de Pedro apresenta vários problemas;entretanto, sabemos que não é possível, nemprodutivo tratar de todos ao mesmo tempo.Por isso, propõe-se, inicialmente, que areescrita enfatize a organização do textoacrescentando, retirando, transformandotrechos para que ele seja mais fácil de serlido e que, portanto, faça algum sentido paraquem está lendo. No segundo momento, areescrita deve enfatizar o atendimento dotexto à proposta de produção feita. O textode Pedro é um convite? Por quê? O que énecessário fazer para transformá-lo emconvite?Após a leitura do texto, você e seus colegas de grupo vão reescrever o tex-to. Para isso, siga, passo a passo as orientações abaixo.Copie o texto em seu caderno, substituindo as barras ( // ) por ponto final( . ). A palavra que vem depois de cada ponto final deve ser escrita comletra inicial maiúscula.Dona Antônia é médica //ela vai na nossa escola //ela fala da febreamarela 10 hora sábado //Depois de pronto, releia o trecho do texto que diz:Dona Antônia é médica. Ela vai na nossa escola. Ela fala da febre amarela10 hora sábado.Você e seus colegas devem ter notado que Pedro usou duas vezes apalavra “ela”. Você acha que nas duas vezes a palavra “ela” se refere adona Antônia? Como você sabe disso?Observe quantas informações aparecem nesse trecho:Você acha que pode reescrever esse trecho de outra forma, eliminandoa repetição da palavra ela? Como você reescreveria?Depois de pronto, peça à professora para copiar na lousa o trecho daforma como você o reescreveu.Ouça o que os colegas têm a dizer sobre a sua reescrita.Leiaomesmotrechoescritodeoutraforma.Leia,também,oscomentáriosque foram feitos sobre o texto do aluno.É médica.vai na nossa escolavai falar da febre amarela 10h sábado.Dona Antônia{A médica Antônia vai na nossa escola falar da febre amarela 10h sábado.De quem é a escola?De quem a palavranossa está falando?Que escola?Não se esqueça de que osconvidados precisam dainformação sobre o localdo acontecimento.A médica vai falar10 horas seguidas ouela vai falar a partir das10 horas?Que sábado?Pode ser qualquer um?Aula 2
  • 44 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Reescreva o trecho observando os comentários feitos e relendo aproposta de produção.Leia o trecho da produção de Pedro que diz:“A cidade vai vê ela fala da febre amarela. A febre amarela é pirigoza jámato muita gente”.x Você acha que a primeira frase “A cidade vai ve ela fala da febreamarela” pode ser escrita de outra forma, como, por exemplo:x A cidade vai ver a dra Antônia falar da febre amarela.x A cidade vai vê-la falar da febre amarela.x A cidade vai ver a médica falar da febre amarela.x A cidade vai ouvi-la falar da febre amarela.Qual das quatro formas você escolheria? Todas estão corretas? Por quê?E a outra frase? Ela poderia ser escrita de outra forma? O que você achade escrevê-la da seguinte forma:A cidade vai ver a médica falar da febre amarela, que é pirigoza e já matomuita gente.A cidade vai ver a médica falar da febre amarela, doença pirigoza que jámato muita gente.x As duas formas estão corretas? Por quê?x Na primeira, a palavra que se refere a quem?x E na segunda, a quem se refere a palavra doença?Leia, agora, o texto inteiro reescrito pelo grupo em que estavam os alunosPaulo, Marcos, Mateus e Bianca.A médica Antônia vai na escola Ferdinando Albuquerque falar sobrea febre amarela no dia 20 de maio, Sábado. A cidade vai vê-la falar dafebre amarela, que é pirigoza e já mato muita gente.Embora a reescrita do texto que esses alunos fizeram esteja muito boa, ain-da é preciso fazer mais. Você sabe o que ainda precisa ser modificado paraque o texto de Pedro fique melhor?Para que o texto de Pedro fique ainda melhor, é preciso pensar sobre:O texto é um convite?Quem está convidando? Quem está sendo convidado?Aula 2
  • 45Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Na frase “A cidade vai na escola Ferdinando Albuquerque vê-la falarsobre a febre amarela.” É a cidade que vai, ou são os moradores? Sãoeles os convidados?Você acha que a informação que Pedro colocou no final de seu texto éuma importante forma de convencer os moradores a ouvir o que a médicatem a dizer sobre a febre amarela? Por quê?Agora, você e seus colegas de grupo vão fazer uma nova reescrita dessetexto. A tarefa de vocês é reescrevê-lo para que ele seja de fato um convite.Importante: todas as informações que aparecem no texto devem seraproveitadas na reescrita.Aula 2
  • 46 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 13AulaAtividade 1Volte a conversar com os alunos sobre oslivros que já leram, ou de que já ouviram falar.Se possível, selecione alguns livros e leve paraa aula; é possível que, vendo os livros, selembrem de já tê-los visto antes. Faça,mesmo que rapidamente, uma leitura dascapas dos livros, chamando a atenção para onome do autor, do título, da editora; ailustração.O que se propõe no início da aula écontextualizar o que será lido, a fim de queos alunos possam antecipar idéias e obterinformações que irão auxiliar suacompreensão.Chame a atenção dos alunos para o nome dolivro: será que eles imaginam que Maria éuma pessoa? Por quê? Provavelmente elesjá escutaram a expressão Maria-vai-com-as-outras antes, pergunte onde, quando, em quesituação etc..Nesse momento, seu papel é organizar asidéias levantadas por eles, além de transmitirnovas informações e sistematizar osconhecimentos que eles foremdemonstrando e adquirindo.Atividade 2Solicite que leiam o texto, individual esilenciosamente.Atividade 3Peça para que contem a história que leram.Fique atento à reprodução oral que os alunosfarão, grave as informações que conseguiramapreender, qual foi a primeira leitura quefizeram. Durante a análise do texto, aproveitepara explorar aquilo que, na reprodução oral,eles não tenham conseguido apreender.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoEra uma vez uma ovelha chamada Maria.Onde as outras ovelhas iam, Maria ia também. As ovelhasiam pra baixo. Maria ia pra baixo. As ovelhas iam pra cima.Maria ia pra cima.Maria ia sempre com as outras.Um dia, todas as ovelhas resolveram comer salada de jiló.Maria detestava jiló. Mas, como todas as ovelhas comiam jiló,Maria comia também. Que horror!Foi quando, de repente, Maria pensou: “Se eu não gostode jiló, por que é que eu tenho que comer salada de jiló?”Maria pensou, suspirou, mas continuou fazendo o que asoutras faziam.Até que as ovelhas resolveram pular do alto do Corcovadopra dentro da lagoa.Todas as ovelhas pularam.Pulava uma ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra, que-brava o pé e chorava: mé!Pulava outra ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra, que-brava o pé e chorava: mé!E assim quarenta e duas ovelhas pularam, quebraram opé, chorando: mé! mé! mé!Chegou a vez de Maria pular. Ela deu uma requebrada,entrou num restaurante e comeu uma feijoada.Agora, mé, Maria vai para onde caminha o seu pé!ORTHOF, Sylvia. Maria-vai-com-as-outras. São Paulo: Ática.Atividade 1Você já ouviu, leu muitas histórias. As histórias que lemos nos livros falamde muitas coisas: divertidas, emocionantes, assustadoras, tristes, alegres.Hoje você vai ler o livro Maria vai-com-as-outras, de Sylvia Orthof.O que você acha que tem em um livro com esse nome?Você acha que Maria é uma personagem da história? Por quê?Você sabe o que significa a expressão vai-com-as-outras? Onde você jáouviu essa expressão? Em que situação?Atividade 2Leia, agora, a história de Maria-vai-com-as-outras.Utilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Orientações para o professorAula 3
  • 47Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Atividade 3Conte para seus colegas o que aconteceu na história Maria-vai-com-as-outras.Atividade 4Junto com seu colega, você vai ler as perguntas e, depois, respondê-las noseu caderno:Releia a expressão contida na instrução da leitura. Você já leu essaexpressão em outras histórias? Quais?No segundo parágrafo aparece várias vezes o verbo ir, ora se referindoàsovelhas, iam;orasereferindoaMaria,ia.Vocêachaqueoautorrepetiudesnecessariamente o verbo ir? Por quê?Na frase “Onde as outras ovelhas iam, Maria ia também.”, se o autor nãotivesse usado a palavra também, o sentido seria o mesmo? Por quê?Releia outros parágrafos do texto.Um dia, todas as ovelhas resolveram comer salada dejiló. Maria detestava jiló. Mas, como todas as ovelhas comiamjiló, Maria comia também. Que horror!Foi quando, de repente, Maria pensou: “Se eu não gostode jiló, por que é que eu tenho que comer salada de jiló?”Maria pensou, suspirou, mas continuou fazendo o queas outras faziam.Observeafrasequeapareceemdestaquenoprimeiroparágrafodotrechoacima. Qual a relação dela com o que vem antes?Que pergunta Maria fez a si mesma? O que a fez parar e pensar?Qual a relação da frase em destaque no último parágrafo com o que vemantes? É a mesma relação que você observou no primeiro parágrafo?Que sinal de pontuação destaca o pensamento de Maria?Releia mais alguns parágrafos do texto.Até que as ovelhas resolveram pular do alto doCorcovado pra dentro da lagoa.Todas as ovelhas pularam.Pulava uma ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra,quebrava o pé e chorava: mé!Pulava outra ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra,quebrava o pé e chorava: mé!E assim quarenta e duas ovelhas pularam, quebraramo pé, chorando: mé! mé! mé!Chegou a vez de Maria pular. Ela deu uma requebrada,entrou num restaurante e comeu uma feijoada.Agora, mé, Maria vai para onde caminha o seu pé!Atividade 4É importante que a atividade seja realizadaoral e coletivamente. Não se esqueça de queesse é um processo no qual se pretende queos alunos adquiram competência leitora paraobservar, compreender, interpretar textos.Os alunos só poderão adquirir essacompetência, quando conseguirem localizarinformações e “pistas” do autor; construirsignificados colaborativamente; interpretar;reconhecer a unidade temática e a tipologiado texto.No início, é possível que eles sedesconcentrem com facilidade, nãoacompanhem passo a passo o que está sendoproposto para a leitura do texto. Isso éesperado, e cabe a você criar estratégias deencaminhamento que prendam os alunos àleitura do texto. Uma das coisas que, emgeral, causam fastio e desinteresse é o fatode se ficar preso à leitura das questõespropostas na atividade. Não se esqueça deque essas questões servem apenas paraorientar a leitura; você pode explorá-las semprecisar lê-las. O processo de leitura devepartir do texto e não das questões.O processo de leitura precisa ser dinâmico eparticipativo; aluno passivo é aluno que nãoestá acompanhando o processo e, portanto,precisa ser requisitado, evidentemente semcausar constrangimento.s No segundo parágrafo aparece váriasvezes a palavra ir, ora se referindo àsovelhas, iam; ora se referindo a Maria,ia. Você acha que o autor repetiudesnecessariamente a palavra ir. Por quê?A repetição, aqui, tem valor estilístico, ouseja, reforça a idéia dos movimentos dasovelhas e de Maria, indo de um lugar parao outro sem motivo e sem saber por quê.s Na frase “Onde as outras ovelhas iam,Maria ia também.” Se o autor não tivesseusado a palavra também, o sentido seriao mesmo? O uso da palavra marca a idéiade que Maria repetia as ações praticadaspelas outras ovelhas.s No parágrafo “Um dia, todas as ovelhasresolveram comer salada de jiló. Mariadetestava jiló. Mas, como todas asovelhas comiam jiló, Maria comiatambém. Que horror!”, a frase emdestaque é contrária à idéia expressaanteriormente, pois, se Maria detestavajiló, em tese, não havia motivo para comê-lo.s Que pergunta Maria fez a si mesma? Oque a fez parar e pensar?s Qual a relação da frase em destaque noúltimo parágrafo com o que vem antes?Aula 3
  • 48 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1É a mesma relação que você observouno primeiro parágrafo? Aqui, também, aidéia expressa é contrária à idéia anterior.Observe que Maria, embora continue afazer o que as outras fazem, já começa arefletir sobre as ações que pratica.s Observe os trechos em destaque. Semudássemos para Outra ovelha pulava,o sentido seria diferente? Por quê? E seem lugar de pulava o autor tivesse escritopulou, o sentido seria o mesmo? Por quê?A frase na ordem inversa enfatiza a açãoda ovelha. Observar que com a opção porpulava, o autor marca uma ação contínua.s O autor usou algumas vezes o sinal depontuação ( : ). Você sabe por que ele foiusado? Observar que após os dois pontoso autor reproduz o som do choro dasovelhas.s Por que você acha que Maria não puloudo Corcovado como as outras ovelhasfizeram? Maria descobriu, finalmente, quenão precisa fazer o que as outras ovelhasfaziam.Observe os trechos em destaque. Se mudássemos, por ex., para “Outraovelha pulava”, o sentido seria diferente? Por quê? E se em lugar de“pulava” o autor tivesse escrito pulou, o sentido seria o mesmo? Porquê?O que quer dizer, no penúltimo parágrafo, a palavra “assim”? Sesubstituíssemos a palavra “assim” por ...Desse modo. Que modo é esse?O autor usou algumas vezes o sinal de pontuação ( : ). Você sabe por queele foi usado?Por que você acha que Maria não pulou do Corcovado como as outrasovelhas fizeram?Explique o último parágrafo do texto: “Agora, mé, Maria vai para ondecaminha o seu pé!”.Agora, você e seus colegas vão conferir oralmente as respostas que deram.Fale suas respostas e ouça as respostas de seus colegas. Peça permissãopara falar, quando não entender o que o colega disse, ou quando desejarfazer uma observação, ou uma sugestão para melhorar o que foi dito peloseu colega.Aula 3
  • 49Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 14AulaLíngua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoReleia o texto. Depois responda às perguntas:Quem conseguiu desmontar a quadrilha?A quadrilha era composta de que espécie de macaco?O que a quadrilha vinha fazendo em Fernandópolis?Quantos macacos faziam parte da quadrilha?A Polícia Florestal conseguiu prender todos os macacos?Quantos macacos ainda continuam em liberdade?Que informações temos a respeito desses foragidos?Quando os macacos começaram a ser presos (mês e ano)?Como os macacos conseguiam entrar nas residências?Os macacos entravam nas residências no horário em que os moradoresestavam em casa?Onde os macacos viviam antes de começar a invadir as casas?O que aconteceu com o local onde viviam?Quem são Geraldo Pereira de Souza, Jeziel Macedo e Luiz de Souza?Atividade 1Leia o texto.12A GERAL QUINTA-FEIRA, 4 DE MARÇO DE 1999 JORNAL DA TARDE“Quadrilha” de macacos é desmanteladaA Polícia Florestal conseguiu desmontar uma “quadri-lha” de macacos-prego que vinha atacando residências deFernandópolis desde 1991. O líder do grupo, sua companhei-ra e mais quatro “ladrões”, porém, continuam soltos.O bando, com 55 integrantes, roubava alimentos. “Elesconheciam os horários de saída das pessoas, verificavam sehavia um vitrô aberto, entravam e levavam frutas, doces ebolachas”, conta Geraldo Pereira de Souza, funcionário mu-nicipal. No início de janeiro, os membros da quadrilha come-çaram a ser capturados. O diretor de Planejamento da prefei-tura de Fernandópolis, Jeziel Macedo, disse que os seis ma-cacos “foragidos” devem ficar em uma reserva florestal. “Acre-dito que não perturbarão os moradores.”Os macacos viviam até janeiro em uma mata que per-tence ao zoológico, desativado em 1991. A partir daí, o bandopassou a invadir casas. Organizados, mantinham vigias paraobservar o movimento. “Eles assoviavam para denunciar apresença de humanos”, diz o aposentado Luiz de Souza, umadas vítimas do bando.Atividade 1Antes de solicitar que os alunos leiam o texto,transcreva o título na lousa. Pergunte:s Vocês já ouviram falar em quadrilha demacacos?s Quando se usa a palavra quadrilha?s Vocês sabem o que significa desmante-lada?s Que informações vocês esperamencontrar no texto a partir do assuntoindicado no título?Essa conversa inicial propicia a criação de umaexpectativa em relação ao restante do texto.Em seguida peça para os alunos lerem o texto.Depois de lido, solicite que um aluno conte oque leu no texto; se por acaso ele se esquecerde algo e outros alunos quiserem semanifestar, deixe que o façam, mas sepreocupe em sistematizar as informações.Quanto às perguntas, solicite que respondamem seu caderno, individualmente. Depois,devem trocar as respostas entre si, a fim deque um possa ler o que o outro escreveu,sugerir modificações, apontar trechos em queo colega pulou informação etc.Finalmente, você deve, coletivamente,conferir a atividade. Certifique-se de quetodos os alunos conseguiram realizar a tarefa.Caso haja diferenças nas respostas, discuta-as com a classe. É importante que todospossam dar sua opinião, mostrar como foi oprocesso de leitura.É possível que alguns alunos não consigamresponder às perguntas; nesse caso, vocêprecisa retomar o processo, pois, às vezes, adificuldade não está no entendimento dotexto, mas nas perguntas; eles podem nãoentender o que se pede para fazer. Fique maispróximo desses alunos, ajude-os a realizar atarefa: leia a questão junto com eles, peça-lhes que expliquem o que está sendo pedidopara fazer; volte ao texto com eles, peça paramostrar onde podem encontrar a informaçãoetc..A cada questão, solicite que os alunosapontem no texto onde encontraram ainformação, ou conjunto de informações. Éimportante que eles percebam queinformações constam do primeiro parágrafo(lide) e como essas informações aparecemmais detalhadas nos parágrafos seguintes.Utilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Orientações para o professorAula 4
  • 50 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Por que as palavras quadrilha, ladrões e foragidos aparecem, no texto,entre aspas? E “Eles assoviavam para denunciar a presença de huma-nos”?Atividade 2Escreva uma notícia a partir das informações abaixo. Você pode criar,inventar mais fatos para despertar a curiosidade do leitor.Título: País tem o menor macaco do mundoQuem? O pesquisador Marc Roosmalen.Onde? No rio Madeira, no estado do Amazonas.O quê? Descobriu uma nova espécie de macaco que mede, na fase adulta,10 centímetros.Quando? 13 de agosto de 1997.Como? Em uma de suas viagens à região de Novo Ariponã, a 300quilômetros de Manaus. O animal estava dentro de uma lata de leite empó e tinha poucos dias de vida.ImportanteAntes de começar a escrever, pense nas informações que você gostariade acrescentar. Faça todas as anotações no seu caderno.Preocupe-se em escrever primeiro o lide da sua notícia. Não se esqueçade que nele precisam constar as informações: O quê? Quando? Onde?Quem?Peça a um colega para ler o lide que você escreveu; leia o lide que eleescreveu. Ouça os comentários dele sobre o que você escreveu e dê suaopinião a respeito do que ele escreveu.Agora que você já escreveu o lide, escreva os outros parágrafos da suanotícia. Não se esqueça de que eles devem dar mais detalhes sobre asinformações que você colocou no lide.Depois faça uma ilustração para o texto que você escreveu. Não seesqueça, também, de escrever uma legenda para a ilustração.Atividade 2Inicie a atividade, explicando aos alunos o queirão fazer nessa aula.Incentive-os a planejar, antes, o texto que irãoescrever.Se você sentir que eles têm dificuldade emplanejar, por ser uma prática pouco freqüente,inicie a tarefa com eles.Coletivamente, inicie a produção na lousa;pergunte como poderiam começar, queinformação gostariam de colocar primeiro...Você pode dar algumas sugestões de iníciodo texto e perguntar o que eles acham; setodos trazem as informações necessárias; senão, que informações faltam e como sepoderia acrescentá-las. Veja alguns exemplos:Macaco foi encontrado no Amazonaspelo pesquisador Marc Roosmalen.Pesquisador Marc Roosmalen descobriu,no Amazonas, nova espécie de macaco,que mede em torno de 10 centímetros.Macaco que mede em torno de 10centímetros foi descoberto pelopesquisador Marc Roosmalen.Nova espécie de macaco é descobertano Amazonas.Incentive os alunos a lerem as produções doscolegas; verifique como cada um lê o textodo outro e o tipo de comentário que faz.Esses comentários devem auxiliá-lo nomomento em que for trabalhar a produçãodo lide na lousa.Para o aluno que escreveu o lide abaixo, hávárias possibilidades de continuar a notícia.Leia uma delas.Pesquisador Marc Roosmalen descobriu,no Amazonas, nova espécie de macaco,que mede em torno de 10 centímetros.O novo macaco foi descoberto pelopesquisador durante uma viagempela região de Novo Ariponã, a 300quilômetros de Manaus. SegundoMarc Roosmalen, o animal estava emuma lata de leite em pó. “Desconfieilogo que se tratava de uma novaespécie, pois tinha característicasbem diferentes das outras espécies demacaco”, contou o pesquisador.Depois dessa descoberta, MarRoosmalen já voltou várias vezes aolocal à procura de outros animais damesma espécie.Ao final da aula, selecione entre as produçõesda classe aquela que será trabalhadacoletivamente na aula seguinte.Aula 4
  • 51Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 15AulaLíngua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAgora, você e seu colega vão analisar o texto, verificar se há algum trechoque pode ser reescrito para ficar mais claro, mais fácil de ler, de entender.Oriente-se pelas questões abaixo para analisar o texto e propor modifica-ções, quando achar necessário.1. Releia o 1º parágrafo do texto.A Você consegue ter as informações sobre quem é Marc Rossmalen? Comovocê reescreveria o início do parágrado para poder atender à propostade produção?Atividade 1Leia o texto abaixo.s Inicie a aula relembrando a atividade queos alunos desenvolveram na aula anterior:produção de notícia a partir de algumasinformações.s Releia junto com os alunos a proposta deprodução da aula anterior.s Em seguida, explique que na aula de hojeeles vão ler a produção de um aluno;analisar o texto e propor a reescrita dotexto.s É importante que elesv leiam e releiam o texto;v reflitam sobre o que foi escrito;v mudem o que não julgaremadequado;v acrescentem elementos quandoacharem que não está claro osuficiente;v eliminem as repetiçõesdesnecessárias de palavras ouexpressões;v pontuem quando necessário.s Divida a classe em grupos, e proponha areescrita.IMPORTANTE: o texto utilizado nessa aula nãoé, evidentemente, de um aluno de sua classe.Sugerimos que você faça a análise dele, masque, também, selecione um texto de alunoda classe e proceda à análise e reescrita dotexto.As questões propostas na atividade e ostrechos que foram apresentados commodificações servem para orientar os alunosna análise e reescrita do texto. Se sentiremdificuldade, auxilie-os, faça o início daatividade coletivamente.Durante a análise e reescrita do texto, éimportante que os alunos considerem o quesabem sobre os elementos do texto notícia.E ainda observar quanto à escrita:s organização gráfica (título, corpo dotexto...);s articulação entre as partes (coesão);s unidade de sentido (coerência);s convenções da escrita:s paragrafação;s pontuação;s maiúscula e minúscula;s ortografia.Utilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Orientações para o professorAula 5
  • 52 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1B A primeira frase desse parágrafo diz que Mar Rossmalen achou um ma-caco. Você acha que o macaco estava perdido? Que macaco é esse?Pode ser um macaco qualquer? Se ele tivesse escrito “descobriu” emlugar de “achou”, o sentido seria o mesmo? Por quê?C O que falta informar sobre a descoberta do pesquisador?D Observe a palavra ele, que aparece no início da 2ª frase. Quem é esseele que mora no Amazonas, Marc Rossmalen ou o macaco?E E na 3ª frase, a quem a palavra ele está se referindo?F Agora, tente reescrever o parágrafo. Faça as modificações que acharnecessárias.2. Releia o 2º parágrafo do texto.Por enquanto o macaco vai fica na casa dele até ele encontrar umzoologico para cuidar do macaco porque ele é muito pequeno para ficarsozinho. Marc ficava com o macaco se na casa dele tivesse lugar. Meufilho fico muito feliz com o macaco lá em casa falo.A - A palavra dele se refere a quem?B - A palavra ele aparece duas vezes nesse parágrafo. Nas duas vezes apalavra se refere a Marc Rossmalen? Como você sabe disso?C - Há nesse parágrafo a informação de que o macaco é muito pequeno.Isso significa que o macaco é ainda “bebê”, ou que ele é de uma espéciede macacos que são pequenos mesmo?Releia a última frase do parágrafo.D - De quem é o filho? Como você sabe disso?E - No final da frase aparece a palavra falo (falou). Quem falou? Como,então, essa frase deveria aparecer no texto?Leia, agora, esse mesmo parágrafo escrito com algumas modificações.Por enquanto o macaco vai ficar na casa de Marc Rossmalen até que opesquisador encontre um zoológico para cuidar do animal que é muitopequeno para ficar sozinho. Marc ficaria com o bichinho se sua casativesse lugar. “Meu filho ficou muito feliz com o macaco lá em casa”,Marc falou.F - Você acha que as modificações deixaram o parágrafo mais claro, fácilde ler e entender? Essas modificações eliminaram a repetição de algu-ma palavra? Qual?Quanto as questões, as respostas devem girarem torno de…Questão 1A Ao escrever o ínicio do parágrafo, os alu-nos devem introduzir a palavra pesquisa-dor. Essa informação justifica a descober-ta, o interesse de Marc pela pesquisa.B Se possível, peça aos alunos para procura-rem as duas palavras no dicionário. Depoisanote o resultado da pesquisa na lousa epeça para que comparem e definam quepalavra deveria ser usada no texto.v achar 2. V.T.D. 1. Encontrar por acaso ouprocurando; deparar com. 2. Atinar(com); encontrar, descobrir. 3. Obter,conseguir.v descobrir . V.T.D. 1. Tirar a cobertura,véu, qualquer outra coisa que ocultavatotal ou parcialmente. 2. Encontrar pelaprimeira vez.C Deve-se acrescentrar a informação sobrequando o macaco foi encontrado.D O uso do pronome ele, no início da 2ª fra-se, causa abigüidade, pois pode se referirtanto ao pesquisador quanto ao macaco.Peça aos alunos para tentarem desfazer aambigüidade. Exemplo:v Marc Rossmalen achou um macaco. Oanimal mora no Amazonas.v Marc Rossmalen achou um macaco, Obicho mora no Amazonas.E Peça aos alunos para voltarem a ler a fra-se; destacando-a no texto.O macaco tem dez centímetros ele estavaem uma lata de leite.Chame a atenção para o fato de o prono-me só poder se referir ao macaco, pois nãohá outro referente. Sugira também areescrita da frase como no exercícioanterior. Exemplo:s O macaco tem dez centímetros e es-tava em uma lata de leite.s O macaco tem dez dez centímetros,estava em uma lata de leite.Questão 2A Peça aos alunos para relerem o parágrafoanterior a fim de identificarem o referente.B Na 1ª, se refere ao pesquisador; na 2ª, aomacaco.C Em caso de dúvida, solicite que leiam no-vamente o 1º parágrafo; onde podem en-contrar a informação: o macaco tem 10 cen-tímetros.D e E Transcreva a frase na lousa, a fim deque os alunos a reescrevam marcandocorretamente o discurso direto.Aula 5
  • 53Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1G - Você gostaria de fazer outras modificações? Quais? Ou gostaria de es-crever o parágrafo de outra forma? Como?3. Releia o último parágrafo do texto.A - É possível saber de que cidade se fala no parágrafo? Por quê?B - Quem as pessoas vão visitar: o zoológico ou o macaco?C - Você gostaria de fazer alguma modificação nesse parágrafo? Qual?Como, então, você o reescreveria?4. Copie o texto em seu caderno, com as modificações que você e seuscolegas fizeram. Depois, releia-o. O que você achou? Ficou melhor? Porquê?Aula 5Questão 3A Em nenhum momento do texto o nome dacidade é citado.B Novamente a ambigüidade pelo uso do pro-nome ele.Transcreva o parágrafo na lousa, trabalhe comos alunos o porquê da ambigüidade e comodesfazê-la.
  • 54 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 16AulaLíngua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoDepois da leitura do texto, você deve ter percebido que Gabriela se esqueceude alguma coisa. Do que ela se esqueceu?Por ter se esquecido de pontuar o texto, Gabriela acabou causando confu-são. Vamos ver como o pai e a mãe dela leram e entenderam o bilhete?O pai foi o primeiro a ler o bilhete, e chegou à conclusão de que a filha gos-taria de passar as férias na casa de sua tia Ana. Sua esposa, não satisfeitacom essa idéia, resolveu ler o bilhete da filha e confirmou seu desejo pesso-al: Gabriela quer ir para a casa de sua tia Rose.Como você acha que o pai de Gabriela leu/pontuou o bilhete para achar quea menina queria passar as férias na casa de sua tia Ana?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________E a mãe? De que forma pontuou o texto para chegar à conclusão de que afilha queria passar as férias na casa de sua irmã Rose?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Atividade 1Leia abaixo o bilhete que Gabriela escreveu para os pais, a fim de informarsua decisão de passar férias na casa de uma de suas tias.Para mamãe e papaiO que eu quero é passar as férias na casa da tia Ana não na tiaRose de jeito nenhum quero passar as férias na casa da tia LuizaGabrielaA intenção dessa aula é despertar o interessee possibilitar a reflexão sobre a identificaçãoe o uso dos sinais de pontuação.Ao final da aula, espera-se que os alunospercebam que a pontuação de um texto nãose restringe à introdução de marcas gráficasno texto de acordo com regraspreestabelecidas. É importante que elespercebam que pontuar é construir umsignificado, escrever de um certo modopara que o leitor compreenda o quequeremos dizer.O pai chegou à conclusão de que a filhagostaria de passar as férias na casa de sua tiaAna porque leu e pontuou o texto da seguinteforma.“O que eu quero é passar as férias na casada tia Ana. Não na tia Rose. De jeito nenhumquero passar as férias na casa da tia Luiza”.Já a mãe, como o texto permite, por não ternenhum sinal, leu da seguinte forma.“O que eu quero é passar as férias na casada tia Ana? Não. Na tia Rose! De jeito nenhumquero passar as férias na casa da tia Luiza”.Quando os alunos terminarem a atividade,escolha duas ou três (com a leitura que o paifez e com a leitura que a mãe fez), queapresentem pontuação diferente e transcrevana lousa.É importante que se discutam(coletivamente) os sinais de pontuaçãoescolhidos pelos alunos, a justificativapara a escolha. Se usarem apenas o pontofinal, pergunte por que não usaram outrossinais. Pergunte, ainda, se conhecemoutros sinais de pontuação, se costumamutilizá-los etc.Utilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Orientações para o professorAula 6
  • 55Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Compare o que você fez com o que fez o colega do lado. Discutam as dife-renças observadas, se houver.Atividade 2Voltando ao bilhete de Gabriela, podemos dizer que ela atingiu seu objetivo,já que, na verdade, ela gostaria de passar as férias na casa de sua tia Luiza?Se não, como ela deveria, então, ter pontuado seu texto para atingir o fimdesejado?Para mamãe e papaiO que eu quero é passar as férias na casa da tia Ananão na tia Rose de jeito nenhum quero passar as férias na casada tia LuizaGabrielaGabriela deveria ter pontuado o texto assim:“O que eu quero é passar as férias na casada tia Ana? Não. Na tia Rose? De jeito ne-nhum. Quero passar as férias na casa da tiaLuiza”.Quando for conferir essa atividade, enfatizeque os sinais de pontuação não podem serusados aleatoriamente, pois eles servemtanto para marcar os parágrafos em blocosde informações como para marcar suaorganização interna em frases que searticulam e criam entre si uma dependênciagramatical e de sentido.ResumindoO assunto da aula de hoje foi pontuação. Escreva abaixo o que vocêdescobriu e pôde informar aos colegas sobre:Por que é importante, ao lermos ou ao escrevermos, prestar atençãoaos sinais de pontuação?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Aula 6
  • 56 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 17AulaLíngua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoNa aula anterior, você e seus colegas conversaram sobre os sinais depontuação. Descobriram que esses sinais nos auxiliam na compreensãodo texto.Hoje, você vai fazer atividades nas quais precisará pensar sobre quesinais deve usar para que o texto tenha o sentido desejado. Faça osexercícios com atenção e, se julgar necessário, solicite a ajuda doscolegas e da professora.Atividade 1Pontue as frases abaixo e depois leia de acordo com a pontuação que vocêcolocou.— Quantos anos você tem— Tenho 9 anos— Como você se chama— Eu me chamo Lúcia— Em que série você está— Estou na 3ª sérieAtividade 2Imagine que você foi à feira fazer compras e teve que fazer algumasperguntas ao dono de uma barraca sobre o preço e a qualidade dasmercadorias. Escreva abaixo a conversa que vocês tiveram. Atenção àpontuação.________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Agora leia para seus colegas saberem o que vocês conversaram.Antes de dar início às atividades propostasnessa aula, retome, rapidamente, o que foidiscutido na aula anterior sobre pontuação.Atividade 1Nessa atividade, o objetivo é trabalharbasicamente o uso do ponto final e do pontode interrogação. Antes de pedir para os alunospontuarem, solicite que leiam em voz alta otexto; depois pergunte que sinais depontuação usariam, na escrita, para marcar apontuação usada na leitura em voz alta.Atividade 2Essa atividade vai exigir outros movimentos,além da utilização dos sinais de pontuação;por isso, converse com os alunos sobre o quepoderiam estar comprando na feira, queperguntas gostariam de fazer ao feirante. Porexemplo: se for em uma barraca de frutas,as perguntas poderiam ser:s qual o preço de cada fruta,s se a fruta é vendida por unidade, ou não;s se a fruta está boa para consumoimediato;s se pode experimentar a fruta antes delevá-la;s se ele faz desconto etc..Em seguida, peça que escrevam a conversaque tiveram com o feirante. Quando todostiverem terminado a tarefa, convide dois outrês alunos para lerem o que escreveram.Após a leitura, peça a esses alunos para trans-creverem o texto na lousa. Solicite mais umavez que leiam o texto. Depois pergunte à clas-se se eles concordam com os sinais de pon-tuação que foram usados, se esses sinais dãoao texto o sentido pretendido pelo autor dotexto.Se acharem que devem ser feitasmodificações; pergunte quais e peça para quefaçam.Utilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Orientações para o professorAula 7
  • 57Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Atividade 3Leia em voz alta o texto abaixo.Marta estava estudando e sua mãe veio chamá-la para o lanche:— Marta, está na hora do lanche.— O que tem de bom hoje?— Bolo de chocolate.— Oba! Bolo de chocolate!Marta e sua mãe falaram bolo de chocolate de maneiras diferentes. Faleprimeiro como a mãe de Marta disse e depois como Marta disse. Compareas duas frases. O que elas têm de diferente na leitura? E na escrita, comoestá assinalada a diferença entre elas? Discuta com seus colegas e façaabaixo suas anotações.______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Atividade 3Nesta atividade, espera-se que o alunoperceba não só que foram usados sinais depontuação diferentes, mas também que asfrases foram ditas de forma diferente. Mãe efilha não reagem da mesma forma; oentusiasmo da filha é marcado pelo pontode exclamação. O ato de informar é dado pelamãe, por meio do uso do ponto final.Aula 7
  • 58 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 18AulaLíngua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoO objetivo desta unidade é levar os alunos areconhecer e dominar a pontuação naconstrução de sentido do texto, mas essetrabalho só é possível se estiver vinculado àleitura, à compreensão e interpretação detexto.Atividade 1Inicie a atividade por uma leitura prévia,individual. Em seguida, permita que os alunosconversem sobre o texto que leram.Pergunte-lhes ses conhecem alguém que faça tantasperguntas como Marcelo;s gostariam de conhecer alguém como ele;s a convivência com alguém assim seriainteressante;s costumam fazer tantas perguntas quantoMarcelo;s acham que Marcelo tem razão quando dizque está tudo errado etc..Após a conversa inicial, solicite que leiam otexto novamente, e peça para que façamexercícios como:s marcar no texto todas as falas de Marcelo;s dizer que sinais de pontuação aparecemao final de cada fala do menino;s apontar que sinal aparece com maisfreqüência;s justificar por que determinado sinalaparece com mais freqüência;s observar se o ponto de interrogaçãoaparece ao final da fala de outropersonagem, qual; se há diferença,nessas falas, entre a intenção de um eoutro etc..É importante que os alunos percebamque os tipos de frases são definidos deacordo com a intenção comunicativa.É a situação e o propósito decomunicação que servem para definir arelação do falante com o que diz, daí ostipos de frases necessárias para secomunicar.Utilização, reconhecimento dos recursos coesivosoferecidos pelo sistema de pontuação e pela introduçãode conectivos mais adequados à linguagem escrita.Orientações para o professorAula 8Atividade 1Na aula de hoje, você lerá um trecho do livro Marcelo, marmelo, martelo eoutras histórias. A história fala de um menino: Marcelo. Para ele, os nomesdas coisas não são apropriados, e, por isso, vive fazendo perguntas a todomundo.Marcelo vivia fazendo perguntas a todo mundo:— Papai, por que é que a chuva cai?— Mamãe, por que é que o mar não derrama?As pessoas grandes às vezes respondiam. Ás vezes, não sabiam comoresponder.Uma vez, Marcelo cismou com o nome das coisas:— Mamãe, por que é que eu me chamo Marcelo?— Ora, Marcelo foi o nome que eu e seu pai escolhemos.— E por que é que não escolheram martelo?— Ah, meu filho, martelo não é nome de gente! É nome de ferramenta...No dia seguinte, lá vinha ele outra vez:— Sabe, papai, eu acho que as coisas têm nome errado. Por exemplo,por que é que bola chama bola?— Não sei, Marcelo, acho que bola lembra uma coisa redonda, nãolembra?— Lembra, sim, mas... e bolo?— Bolo também é redondo, não é?— Ah, essa não! Mamãe vive fazendo bolo quadrado...O pai ficou meio atrapalhado.E Marcelo continuou pensando. “Pois é, está tudo errado! Bola é bola,porque é redonda. Mas bolo nem sempre é redondo. E por que será quea bola não é mulher do bolo? E bule? E bala? Eu acho que as coisasdeviam ter nome mais apropriado. Cadeira, por exemplo. Devia chamarsentador, não cadeira. E travesseiro? Devia chamar cabeceiro, lógico!Também, agora, eu só vou falar assim.ROCHA, Ruth. Marcelo, marmelo, martelo e outras histórias.Rio de Janeiro: Salamandra, 1976.O que Marcelo vivia fazendo?O menino perguntou à mãe por que se chamava Marcelo e não martelo.O que a mãe respondeu para ele?A explicação do pai do menino para o fato de a bola ter esse nome porquelembra uma coisa redonda convenceu o menino? Por quê?
  • 59Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Quando Marcelo decidiu que as coisas deviam ter nomes mais apropria-dos, o que ele fez?Atividade 2Releia duas perguntas que Marcelo fez: uma para a mãe e outra para o pai.Depois, observe as respostas que eles deram.I. — Mamãe, por que é que eu me chamo Marcelo?— Ora, Marcelo foi o nome que eu e seu pai escolhemos.II. — Papai, por que é que bola chama bola?— Não sei, Marcelo, acho que bola lembra uma coisa redonda, nãolembra?Como mãe e pai reagiram em relação às perguntas do filho?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Releia abaixo o diálogo entre Marcelo e seu pai.No dia seguinte, lá vinha ele outra vez:— Sabe, papai, eu acho que as coisas têm nome errado. Por exemplo,por que é que bola chama bola?— Não sei, Marcelo, acho que bola lembra uma coisa redonda, não lem-bra?— Lembra, sim, mas... e bolo?— Bolo também é redondo, não é?Você acha que o pai de Marcelo respondia as perguntas feitas pelo filho?Por quê?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Atividade 2A resolução da atividade não deve acontecercom base, apenas, na leitura das frases. Peçaaos alunos que releiam o texto e identifiquem,nele, as frases. Assim, dentro do contexto,os alunos poderão perceber mais claramentea intenção de cada ato de comunicação.É importante que os alunos percebam quetanto o ponto final quanto o ponto deinterrogação são usados segundo a situaçãoe o propósito de comunicação.A resposta da mãe é taxativa..., por isso usouponto final.Já o pai, aparentemente, parece não tersegurança na resposta, por isso faz umacomparação entre a palavra e o que elalembra, devolvendo ao filho a pergunta naintenção de ter sua anuência.Aula 8
  • 60 Atividade de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 2 s Aula 1Dica de leituraSe você gostou do trecho queleu, que tal ler o livro inteiro?Procure-o na biblioteca desua escola e boa leitura.Aula 8Qual a intenção dele ao responder as perguntas do filho dessa forma?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  • Linguagem, Língua,Discurso e TextoUnidade3○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○Atividades que levam o aluno aestruturar/organizar frases e segmen-tar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de senti-do do texto
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 163Atividade 1VOCÊ É CURIOSO? COSTUMA FAZER MUITAS PERGUNTAS?Você tem curiosidade de saber, por exemplo, por que a gente chora? Ou porque nossas unhas crescem?Então, leia o texto abaixo para ver se você encontra a resposta.Por que a gente chora?Quando passamos por uma emoção muito forte, essasglândulas podem ser estimuladas e, então, nós choramos. Aslágrimas, no entanto, têm também outra utilidade. Nossos olhospossuem glândulas que produzem lágrimas, as chamadasglândulas lacrimais. Elas lubrificam e limpam os globos oculares.Revista Recreio. São Paulo: Abril, Ano 1. Nº 12 – 1/6/2000.Você conseguiu entender o texto? Provavelmente, não, não é? Sabe por quê?O texto acima é formado por quatro frases. Mas as frases não estão escritasem uma ordem que permitem a você entendê-las com clareza.Veja quais são as frases que compõem esse texto.I. Quando passamos por uma emoção muito forte, essas glândulas podemser estimuladas e, então, nós choramos.II. As lágrimas, no entanto, têm também outra utilidade.III. Nossos olhos possuem glândulas que produzem lágrimas, as chamadasglândulas lacrimais.IV. Elas lubrificam e limpam os globos oculares.Antes de tentar colocar as frases na ordem, a fim de que o texto fique claro,fácil de ser entendido, responda às questões abaixo.Na frase I, a que a palavra essas se refere?Releia, no texto, a frase II. O uso da palavra outra pressupõe que na fraseanterior já se tenha falado sobre uma utilidade?Na frase IV, a palavra elas se refere a algum termo de uma das frasesanteriores. Que termo, e em que frase esse termo aparece?Agora, escreva abaixo o texto organizado de forma clara, coerente.______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Essa atividade tem a intenção de despertar acuriosidade do aluno para o assunto do qualtratará a unidade.Espera-se que o aluno, na leitura do texto,sinta estranheza, pela organização do texto.É comum o aluno produzir textos desse tipo,mas é capaz de perceber com facilidade,quando lê outros textos que são incoerentespor não apresentar uma seqüência lógica.Ao final da atividade, o aluno deve perceberque um parágrafo é coerente quando suasfrases formam um todo ou se encaixamperfeitamente. Se um parágrafo é coerente,o leitor passa de uma frase à outra semvacilações, rupturas ou lacunas.Assim, é importante que o aluno perceba acoerência interna do parágrafo, materializadanas conexões entre as frases e no empregode termos de referência, e a coerência entreos parágrafos, em que se destaca a perfeitaarticulação entre o dado e o novo, ou seja, aapresentação e retomada dos elementos dotexto.Atividade 1O texto da atividade 1 é formado por um únicoparágrafo, no qual se percebe a articulaçãoentre as frases. A frase I não poderia ser aprimeira, pois o pronome essas, em “essasglândulas”, faz referência a um outro termodo texto, que aparece na frase III: glândulaslacrimais.Para ser coerente, o texto deve se apresentarda seguinte forma:Nossos olhos possuem glândulas queproduzem lágrimas, as chamadasglândulas lacrimais. Quando passamos poruma emoção muito forte, essas glândulaspodem ser estimuladas e, então, nóschoramos. As lágrimas, no entanto, têmtambém outra utilidade. Elas lubrificam elimpam os globos oculares.Revista Recreio. São Paulo: Abril, Ano1. Nº 12 – 1/6/2000.Depois que os alunos organizarem o texto daforma que julgarem mais adequada, soliciteque alguns leiam, e que justifiquem aorganização que deram. Uma organizaçãoinadequada mostra a forma como o aluno estálendo o texto; o conhecimento que tem arespeito dos recursos de coesão.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do texto1AulaOrientações para o professorAula 1
  • 64 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Atividade 2Que tal descobrir do que são feitas as unhas?Para isso, você precisa colocar as frases abaixo em ordem a fim de que elasformem um texto coerente.Para facilitar a tarefa, vamos fazer como no exercício anterior.I. Elas crescem porque possuem uma raiz, que está viva.II. As células daquela parte das unhas que enxergamos já estão mortas epor isso não sentimos dor quando as cortamos.III. As unhas são feitas de uma proteína chamada queratina, que tambémforma o nosso cabelo.Agora, tente responder às questões:Na frase I, a quem a palavra elas se refere? Ainda nessa frase, a que apalavra que se refere?Na frase II, no trecho “e por isso não sentimos dor quando as cortamos”a palavra as se refere a que?Na frase III, do que são feitas as unhas?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Atividade 2Você pode usar outras estratégias paratrabalhar a atividade como destacado abaixo:s Converse com os alunos, antes de propora atividade. Pergunte-lhes se sabem doque são feitas as unhas; se já tinhampensado nisso antes; se acham que saberisso é importante.s Anote, na lousa, algumas dasinformações fornecidas pelos alunossobre o assunto.s Em seguida, solicite que tentem organizaras frases. Se possível, você podepreparar, previamente, o material.Entregue aos alunos o texto recortado, afim de que eles possam manusear suaspartes, sem a necessidade de ficarescrevendo.Aula 1
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 165Leia atentamente o texto abaixo. Observe que ele está dividido em trêsparágrafos. Você sabe o que é um parágrafo? Se não souber, não sepreocupe, pois, fazendo os exercícios, em breve você saberá o que é umparágrafo.Sítio do Pica-pau AmareloNuma casinha branca, lá no sítio do Pica-pau Amarelo,mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se Dona Benta.Quem passa pela estrada pode vê-la na varanda, de cestinha decostura ao colo e óculos de ouro na ponta do nariz.Dona Benta vive em companhia de sua encantadoraneta, Lúcia, a menina do Narizinho arrebitado, ou Narizinho, comotodos dizem. Narizinho tem sete anos, é morena como jambo,gosta muito de pipoca e já sabe fazer uns bolinhos de polvilhobem gostosos.Na casa ainda existem duas pessoas: tia Nastácia, quecarregou Lúcia em pequena, e Emília, uma boneca de panobastante desajeitada de corpo.LOBATO, Monteiro. Sítio do Pica-pau Amarelo.1º parágrafo: Apresentação de Dona Bentacomeça em: .................................termina em: .................................2º parágrafo: Apresentação de Narizinhocomeça em: .................................termina em: .................................3º parágrafo: Apresentação de tia Nastácia e Emíliacomeça em: .................................termina em: .................................Observe quea) os três parágrafos começam com um pequeno distanciamento damargem;b) os três parágrafos começam com letra maiúscula e terminam em ponto;c) cada parágrafo forma um conjunto de idéias.Veja que o primeiro parágrafo que você separou é formado por três frases.Lembre-se de como fez na atividade anterior, lendo o parágrafo em voz altae acompanhando a melodia da frase.Aprimeirafrasecomeçacomaspalavras ...............................................eterminacom ................................................. .Nessa aula, espera-se que o aluno amplie aidéia de parágrafo, observando como eles seconstituem em um texto formado por maisde um parágrafo.Faça todos os exercícios propostos na aulasempre voltando ao texto; se possível,transcreva o texto na lousa, a fim de que osalunos possam, coletivamente, ir formulandohipóteses, confirmando ou reformulando-as.É importante ressaltar que o desenvolvimentode atividades voltadas para a construção doconceito de parágrafo não está desvinculadodo processo de leitura do texto. É preciso queo aluno o compreenda para então poderentender o que é parágrafo. Por isso, faça aleitura do texto; formule questões quepermitam ao aluno identificar informações,fazer inferências etc.Para as questões propostas ao lado, vocêpodes pedir a um aluno que leia o parágrafo;s não se limite, apenas, a solicitar que oaluno indique onde começa e termina oparágrafo; explore o conteúdo, aseqüência em que aparecem asinformações, a organização das frasescomo, por exemplo no 1º parágrafo:s onde mora Dona Benta, que carac-terísticas temos do lugar em que ela mora(casinha branca, com varanda; explore,também, o diminutivo “casinha” – seráque o autor fala de uma casa pequena,ou de uma casa simples); como donaBenta é descrita; qual a sua idade etc.s observar que na organização do parágrafo,destaca-se, primeiro, o lugar, para depoisapresentar a personagem.Faça esse trabalho com os 3 parágrafos.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor2AulaAula 2Aula 2
  • 66 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1A segunda frase começa com as palavras ..................................... e terminacom .......................................... .A terceira frase começa com as palavras ......................................... e terminacom ..................................................... .O segundo parágrafo já tem frases maiores. Por isso é formado por ..........frases somente.A primeira começa com as palavras: .................................. e termina com.................................... .A segunda começa com as palavras: ................................................ e terminacom ..................................................... .Observe que o terceiro parágrafo é formado por uma só frase.ATENÇÃOA divisão em parágrafos serve para agrupar váriasfrases que possuem idéias relacionadas entre si.Isso ajuda o leitor a distinguir bem as partes do tex-to e entendê-lo melhor.Aula 2
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 167Naaulaanterior,vocêleuumtrechodolivroSítiodoPica-pauAmarelo,do escritor Monteiro Lobato.Observou que o trecho tem três parágrafos e que em cada parágrafoapresenta-se um personagem.Hoje você vai ler, novamente, esse texto, para conversar sobre outrascoisas, como, por exemplo, a relação de um parágrafo com o outro.Releia o texto.Sítio do Pica-pau AmareloNuma casinha branca, lá no sítio do Pica-pau Amarelo,mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se Dona Benta.Quem passa pela estrada pode vê-la na varanda, de cestinha decostura ao colo e óculos de ouro na ponta do nariz.Dona Benta vive em companhia de sua encantadoraneta, Lúcia, a menina do Narizinho arrebitado, ou Narizinho, comotodos dizem. Narizinho tem sete anos, é morena como jambo,gosta muito de pipoca e já sabe fazer uns bolinhos de polvilhobem gostosos.Na casa ainda existem duas pessoas: tia Nastácia, quecarregou Lúcia em pequena, e Emília, uma boneca de panobastante desajeitada de corpo.LOBATO, Monteiro. Sítio do Pica-pau Amarelo.Na aula anterior, ao analisar o 1º parágrafo, você pôde observar que o autoro organizou apresentando primeiro o lugar – sítio; depois a personagem –Dona Benta. Lugar e personagem são descritos pelo autor, ou seja, podemoster idéia de como é a senhora e o lugar em que ela mora.Agora, leia novamente o texto para responder às questões.Questão 1Vocêachaqueexistealgumarelaçãoentreosegundoparágrafoeoprimeiro?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Questão 2Como o autor inicia o 2º parágrafo? A expressão Dona Benta já tinha sidousada no primeiro parágrafo?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Antes de propor a atividade, retomerapidamente o que foi discutido na aulaanterior, pois essa aula pretende ampliar oconceito de parágrafo.Como os alunos já conhecem o texto, e paraque a atividade, em princípio, não pareçarepetitiva para eles, proponha que osexercícios sejam resolvidos em grupo e,posteriormente, coletivamente, com atranscrição das respostas na lousa, a fim deque todos possam comentá-las e chegar àresposta mais adequada para cada questão.Você pode sugerir para a fase em que foremconferir as respostas coletivamente.s Combinar com os alunos como vai ser odesenvolvimento da atividade: enquantoos alunos estiverem escrevendo suasrespostas na lousa, os outros alunosdevem apenas acompanhar o que estásendo feito, sem interferência; a classesó poderá opinar, expor seu ponto de vistadepois que os colegas terminarem.s pedir para outro aluno ler a resposta quefoi escrita na lousa, e fazer perguntascomo:• O que vocês acharam da resposta,ela atende ao que foi perguntado?• Alguém responderia de uma outraforma, qual e por quê?É importante observar que as questõespropostas levam o aluno a refletir sobre aorganização do parágrafo e a forma como umparágrafo está articulado com o outro. Chamebastante a atenção do aluno para as palavrasque retomam os ingredientes da história(personagem, local, fato) de que se tratou noparágrafo anterior.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor3AulaAula 3Aula 3
  • 68 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1Questão 3Releia a primeira frase do 2º parágrafo.Dona Benta vive em companhia de sua encantadoraneta, Lúcia, a menina do Narizinho arrebitado, ou Narizinho, comotodos dizem.a) Ao começar a frase dessa forma, o autor retomou uma idéia que já tinhaaparecido no primeiro parágrafo?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b) Nessa frase, há alguma idéia nova, que ainda não tinha aparecido? Qual?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Questões 4Releia, agora, o 3º parágrafo do texto.Na casa ainda existem duas pessoas: tia Nastácia, quecarregou Lúcia em pequena, e Emília, uma boneca de panobastante desajeitada de corpo.a) O parágrafo começa com “Na casa...” Que casa é essa?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b) Há informações nos parágrafos anteriores que permitiram a identificaçãodessa casa? Em que parágrafo?___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ATENÇÃOVocê deve ter percebido que não basta dividirmos otexto em parágrafos. É necessário que cada pará-grafo apresente uma unidade de sentido, e que hajarelação entre um parágrafo e outro, como aconte-ceu no texto que você leu.Para começar o 2º parágrafo, o autor retomou umaexpressão que já havia usado no parágrafo anterior.Fazendo isso, ele permitiu que o leitor desse conti-nuidade à leitura....Aula 3
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 169Você já aprendeu o que é o parágrafo. Vamos praticar um pouco mais lendooutro texto?Atividade 1Leia o texto abaixo.A visitante pequeninaSeu rostinho apareceu na abertura da porta: eramanso, louro, com um sorriso discreto. Entrou como napontinha dos pés e disse docemente que era Maria Cândida.Falou-me de Sabará, de Belo Horizonte, do Rio deJaneiro, das coisas de que gosta e não gosta. Falava comsabedoria tranqüila, acompanhando às vezes as palavrascom um pequeno gesto.Conversamos de periquitos, salsichas, pizzanapolitana, e eu me sentia entretida com essas conversaspuras e naturais.Cecília MeirelesEm que parágrafo o autor descreve a chegada de Maria Cândida?____________________________________________________________________________________________________________________Quantos parágrafos tem o texto?__________________________________________________________Releia o parágrafo em que é descrita a chegada da menina. Ele é formadode duas frases:1ª: Seu rostinho apareceu na abertura da porta: era manso, louro, com umsorriso discreto.2ª: Entrou como na pontinha dos pés e disse docemente que era MariaCândida.Agora você vai desmontar o 2º parágrafo do texto nas frases que o compõem(como fizemos anteriormente):______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Faça o mesmo com o último parágrafo.____________________________________________________________________________________________________________________Antes de propor a atividade, retomerapidamente o que foi discutido na aulaanterior.Voltamos a enfatizar que desenvolvimentode atividades voltadas para a construção doconceito de parágrafo não está desvinculadodo processo de leitura do texto. É preciso queo aluno o compreenda para então poderentender o que é parágrafo. Por isso, faça aleitura do texto; formule questões quepermitam ao aluno identificar informações,fazer inferências etc.É interessante conversar com os alunos, porexemplo, sobre a compreensão que tiveramdo 2º e do 3º parágrafo:s Falou-me de Sabará, de Belo Horizonte,do Rio de Janeiro...v Quem falou?v Falou com quem?v Falou sobre o quê?s Conversamos de periquitos,...v Quem conversou ?Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor4AulaAula 4Aula 4
  • 70 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1Aula 4______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Ao fazer esse exercício, o que você pôde observar?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ATENÇÃOVocê pôde observar que um parágrafo pode serformado de várias frases ou de uma única frase.Observe que cada frase começa com maiúscula etermina com um ponto.
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 171Você gosta de animais?Quais são seus animais preferidos?O que você sabe sobre eles?Atividade 1Leia o texto abaixo.Com sua pelagem preta e branca e a curiosa posturaereta, os pingüins vivem nas regiões geladas do continenteAntártico. A pelagem desempenha dupla função: protege ocorpo do frio intenso e os impermeabiliza quando os pingüinsse encontram dentro da água, meio no qual vivem a maiorparte do tempo. Os pingüins andam apoiados apenas emseus pequeninos pés. Os pingüins chocam os ovos em bolsasque possuem no ventre. Esses animais constróem seusninhos em terrenos abertos, em buracos feitos no solo ouem cavernas existentes nas rochas. Existem duas espécies— o pingüim-rei e o pingüim-imperador — que nãoconstróem ninhos. Durante um período de dois meses, afêmea choca com o corpo o único ovo que põe de cada vez;e ela passa todo esse tempo sem se alimentar.Enciclopédia do estudantePense em uma maneira de dividir o texto, que facilite sua leitura ecompreensão. Marque essa divisão, a lápis, com uma barra ( / ).Sente-se com um colega e comparem o que fizeram. Se achar necessário,refaça a divisão.Com a ajuda do professor, conte para seus colegas de classe como e porque vocês dividiram o texto do modo como dividiram.Atividade 2Leia outro texto.Dê um pulo no mundo dos saposApesar da aparência estranha, os sapos sãoimportantes para manter o equilíbrio na natureza. Um sapoadulto come uma quantidade equivalente a três xícarascheias de insetos por dia. Isso se ele não estiver com muitafome! Se não fosse por eles haveria mais mosquitos,moscas e outros bichos desse tipo por aí. Antigamente,muita gente achava que os sapos eram perigosos: bastariaencostar num deles para receber uma boa dose de veneno.Na verdade, não é bem assim. Eles têm mesmo uma bolsaque produz veneno e fica atrás dos olhos. Mas para que eleseja liberado é preciso apertar essa bolsa. Ou seja, o venenoé apenas sua forma de defesa e se torna perigoso se entrarem contato com a boca ou com os olhos do “invasor”.Revista Recreio. Ano 1. N.º 2 – 23/3/200.O que se propõe no início da aula é acontextualização da atividade por meio damobilização dos conhecimentos prévios dosalunos, a fim de que eles possam anteciparidéias e obter informações que irão auxiliarsua compreensão dos textos que serãotrabalhados.Atividade 1As atividades para se trabalhar com os alunosa noção de frase e parágrafo devem, numprimeiro momento, privilegiar textosinformativos ou narrativos em que nãoocorra o discurso direto, pois se trata de umaquestão bastante complexa para se analisarno início do trabalho com frase.O ideal é procurar, primeiramente, textoscurtos e solicitar aos alunos que ossegmentem para perceber que hipóteses elesapresentam sobre a estrutura de frases e deparágrafos.A intenção é verificar como os alunossegmentam o texto e, por conseguinte, o queeles consideram como unidades estruturaisdo texto. Num segundo momento, discutircom os alunos a segmentação que fizeram,problematizando a questão para queformulem as suas hipóteses.O texto sobre o pingüim foi originalmenteescrito assim:Com sua pelagem preta e branca ea curiosa postura ereta, os pingüinsvivem nas regiões geladas docontinente Antártico.A pelagem desempenha duplafunção: protege o corpo do frio intensoe os impermeabiliza quando ospingüins se encontram dentro daágua, meio no qual vivem a maiorparte do tempo.Os pingüins andam apoiadosapenas em seus pequeninos pés. Ospingüins chocam os ovos em bolsasque possuem no ventre. Esses animaisconstróem seus ninhos em terrenosabertos, em buracos feitos no solo ouem cavernas existentes nas rochas.Existem duas espécies — o pingüim-rei e o pingüim-imperador — que nãoconstróem ninhos. Durante um períodode dois meses, a fêmea choca com ocorpo o único ovo que põe de cada vez;e ela passa todo esse tempo sem sealimentar.Atividade 2O texto Dê um pulo no mundo dos saposfoi originalmente dividido assim:Apesar da aparência estranha, os sapos sãoimportantes para manter o equilíbrio nanatureza. Um sapo adulto come umaLíngua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor5AulaAula 5Aula 5
  • 72 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1Novamente, você vaipensar em uma maneira de dividir o texto, que facilite sua leitura ecompreensão. Assinale essa divisão, a lápis, com uma barra ( / ).sentar-se com um colega e comparar o que fizeram. Se achar necessário,refaça a divisão.com a ajuda do professor, contar para seus colegas de classe como epor que vocês dividiram o texto de tal modo.quantidade equivalente a três xícaras cheiasde insetos por dia. Isso se ele não estiver commuita fome! Se não fosse por eles haveriamais mosquitos, moscas e outros bichosdesse tipo por aí.Antigamente, muita gente achava que ossapos eram perigosos: bastaria encostar numdeles para receber uma boa dose de veneno.Na verdade, não é bem assim. Eles têmmesmo uma bolsa que produz veneno e ficaatrás dos olhos.Mas para que ele seja liberado é precisoapertar essa bolsa. Ou seja, o veneno éapenas sua forma de defesa e se tornaperigoso se entrar em contato com a bocaou com os olhos do “invasor”.Aula 5
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 173Atividade 1Leia o texto abaixo.MusgosMusgos são plantas muito pequenas e delicadas,que raramente crescem mais do que 10 centímetros.A grande maioria deles prefere lugares úmidos ecom pouco sol, sendo que alguns tipos morrem quandoocorre uma seca.Eles vivem em vários lugares, mas é preciso nãoconfundi-los, já que muitos se parecem com plantascomuns em miniatura. Podem ser encontrados em lugaresúmidos, como perto de rios, cachoeiras, nas matas, dentrode cavernas, onde a luz é tão fraca, que outras plantas aínão sobrevivem.Na mata, vivem sobre pedras, barrancos, cascas egalhos de árvores, vivas ou não.Na água, ou bóiam, ou ficam mergulhados, presosa pedras e galhos, no fundo dos rios.BERTCHTOLD, Edith. De mãos dadas com a Natureza (Plantas). Rio deJaneiro: Salamandra, 1991, p. 19-20.1. Releia os dois primeiros parágrafos do texto.Musgos são plantas muito pequenas e delicadas,que raramente crescem mais do que 10 centímetros.A grande maioria deles prefere lugares úmidos ecom pouco sol, sendo que alguns tipos morrem quandoocorre uma seca.a) Ao ler o primeiro parágrafo, que informações você encontra quanto:à definição de musgo:________________________________________________________________________ao tamanho do musgo: ______________________________________________________________________b) Lendo o segundo parágrafo, que informações sobre os musgos sãoacrescidas às informações do primeiro parágrafo?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Observe no segundo parágrafo o uso da palavra deles. A que palavrado primeiro parágrafo a palavra deles se refere?Antes de iniciar as atividades propostas, mo-bilize os conhecimentos dos alunos sobreo assunto que será tratado na aula.Em princípio, pode parecer estranho aosalunos o fato de falarem sobre um assuntotão pouco discutido: plantas.Mas o assunto poderá ser atrativo, se elesse sentirem à vontade para falar o que sabem.Pergunte-lhes, por exemplo, se há algumaplanta na casa deles, que tipo de planta; sesão plantas ornamentais, ou se são plantasusadas com fins medicinais. Se forem plantasornamentais, que tipo? Por que se cultiva essetipo de planta na casa deles etc.. Semedicinais, que tipo? Para que são utilizadas?Quem as cultiva? Etc.Pergunte-lhes, também, se já tiveram aoportunidade de falar sobre esse assuntoantes. Quando? Onde? Por quê? Se o assuntojá foi tratado em alguma disciplina na escola,qual?Atividade 1s Divida a classe em grupos de, no máximo,5 alunos (grupos muito grandes sãopouco produtivos).s Peça aos alunos para lerem o textoindividual e silenciosamente, mesmo jáestando divididos em grupos.s Após a leitura individual dos alunos, façauma leitura em voz alta. Depois, peça aum ou dois alunos para falarem para aclasse o que entenderam do texto.Neste momento, fique atento à reproduçãooral que os alunos farão e às intervençõesdos outros alunos da classe. A primeira com-preensão pode demonstrar a forma como osalunos leram o texto.Atividade 2Proponha aos grupos a resolução dasquestões. Deixe-os usar a forma de registroque julgarem mais conveniente. Mas nãoperca a oportunidade de observar asestratégias utilizadas por eles.As questões propostas pretendem levar osalunos a refletirem sobre a organização dosparágrafos e a relação entre um parágrafo eoutro.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor6AulaAula 6
  • 74 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 11.a) ao ler o primeiro parágrafo, queinformações você encontra quantov à definição de musgo:v ao tamanho dos musgos.b) Lendo o segundo parágrafo, verifi-que informações sobre os musgossão acrescidas às informações doprimeiro parágrafo.v A maioria dos musgos preferelugares úmidos e com pouco sol.v Observe no segundo parágrafoo uso da palavra deles. A quepalavra do primeiro parágrafo apalavra deles se refere? O maisimportante aqui é que os alunospercebam que o pronomeretoma o nome, usado noparágrafo anterior, permitindoassim a manutenção do sentido,a articulação entre um parágrafoe outro.v Ainda no segundo parágrafo, otrecho que diz “...sendo quealguns tipos morrem quandoocorre uma seca.” Que termo,citado no parágrafo anterior, aexpressão alguns tipos retoma?A palavra musgos.2.a) O parágrafo começa com a palavraeles. É possível saber a que essapalavra se refere? Por que isso épossível? A palavra se refere à palavramusgos. A identificação só é possívelporque temos um referente noparágrafo anterior: musgos.b) Este parágrafo traz informações novas,que ainda não tinham aparecido nosdois primeiros parágrafos? Quais?Informa sobre o lugar onde os musgospodem ser encontrados.3.a) Que informações novas estesparágrafos acrescentam ao parágrafoanterior? Dá mais detalhes sobre oslugares onde se podem encontrar osmusgos.b) Você saberia dizer por que,respectivamente, estes parágrafoscomeçam com as expressões na matae na água? O que elas indicam? Essasexpressões indicam o lugar em que osmusgos podem ser encontrados,detalhando-os.c) Observe as palavras vivem e bóiamque aparecem, respectivamente, noquarto e quinto parágrafos. A que essaspalavras se referem? O que vive, o quebóia? Os verbos se referem aosmusgos.Ainda no segundo parágrafo, o trecho que diz “...sendo que algunstipos morrem quando ocorre uma seca.” Que termo, citado noparágrafo anterior, a expressão alguns tipos retoma?2. Releia, agora, o terceiro parágrafo.Eles vivem em vários lugares, mas é preciso nãoconfundi-los, já que muitos se parecem com plantascomuns em miniatura. Podem ser encontrados em lugaresúmidos, como perto de rios, cachoeiras, nas matas, dentrode cavernas, onde a luz é tão fraca, que outras plantas aínão sobrevivem.a) O parágrafo começa com a palavra eles. É possível saber a que essapalavra se refere? Por que isso é possível?__________________________________________________________________________________________________________b) Este parágrafo traz informações novas, que ainda não tinhamaparecido nos dois primeiros parágrafos? Quais?__________________________________________________________________________________________________________3. Finalmente, releia os parágrafos quatro e cinco.Na mata, vivem sobre pedras, barrancos, cascas egalhos de árvores, vivas ou não.Na água, ou bóiam, ou ficam mergulhados, presosa pedras e galhos, no fundo dos rios.a) Que informações novas esses parágrafos acrescentam ao parágrafoanterior?________________________________________________________________________________________________________________b) Você saberia dizer por que estes parágrafos começam com asexpressõesnamata ena água respectivamente?Oqueelas indicam?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________c) Observe as palavras vivem e bóiam que aparecem, respectivamenteno quarto e quinto parágrafos. A que essas palavras se referem? Oque vive, o que bóia?________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Aula 6
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 175Atividade 3Agora, junto com os alunos da classe, preencha o quadro abaixo com asrespostas da atividade anterior.Assunto: ________________________________________Definição de musgo: ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Tamanho do musgo: ________________________________________________________________________________Onde vivem: ________________________________________________________________________________Aula 6
  • 76 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1Atividade 1A história que você lerá a seguir fala de um elefante dançarino, que se sentiaenvergonhado por ter que dançar valsa na noite de estréia do circo.O elefante BasílioNa noite de estréia do circo, o elefante Basílioentrou no picadeiro com vergonha porque estava usandoum chapéu de palhaço e tinha no pescoço uma golacolorida. Quando o espetáculo começou, a primeira coisaque Basílio viu foi um menino no camarote nº 5, que batiamuitas palmas para ele.— Senhores e senhoras! — disse “Seu” Matias. —Tenho a honra de vos apresentar um número sensacional.O elefante Basílio dançando uma valsa!Estouraram palmas, gritos e assobios. Basílioestava mais vermelho do que nunca. Sentia o rosto e atromba em fogo. A banda tocou uma valsinha de serenatae Basílio começou a sacudir o corpanzil de um lado para ooutro ao compasso da valsa. Nas bancadas, nas cadeiras enos camarotes, os homens, as mulheres e as criançassoltavam enormes gargalhadas. “Seu” Matias estavacontente da vida. E o pobre Basílio, muito envergonhado,de olhos baixos, pensando assim: “Ora, já se viu? Um bichogrande como eu, fazendo papel ridículo, servindo depalhaço para essa gente!”Aconteceu então uma coisa horrorosa. Por trás dasarquibancadas, no fundo do circo, surgiu um fogaréumedonho. Algumas pessoas gritaram: “Incêndio!” Agritaria depois foi geral. A música parou. “Seu” Matias saiucorrendo. Homens, mulheres e crianças se despencaramdas arquibancadas, procurando a porta da saída. Enquantoisso, o fogo ia comendo todo o pano do circo.Basílio olhou para o camarote nº 5 e viu o meninolouro sozinho, sentadinho em uma cadeira, chorando.Correu para ele, segurou-o com a tromba, ergueu-o no ar ecom o seu corpo e com a sua força foi abrindo caminhopelo meio do povo. Dois minutos depois, estava fora docirco, livre de perigo. E lá no ar, como se estivesse a brincarnum balanço gostoso, o menino sorria.VERÍSSIMO, Érico. Histórias Infantis. Porto Alegre: Globo, 1978Agora, tente responder às questões abaixo.a) Quem era Basílio? O que chamou a atenção dele assim que entrou nopicadeiro?________________________________________________________b) Quem apresentou Basílio para o público?________________________________________________________A leitura e resolução das questões propostastêm como finalidade explorar a noção de or-ganização e interdependência de informaçõesna constituição do discurso e a hierarquizaçãode idéias, bem como as possibilidades de ar-ticulação dessas informações.Você pôde observar que as questõespropostas seguem a organização do texto.Enquanto os alunos estiverem respondendoas questões, circule pela classe, a fim deverificar como eles realizam a tarefa.É possível que, após a leitura das questões,eles não releiam o texto, e tentem pela únicaleitura resolver as questões. Se issoacontecer, oriente-os para que leiam o textonovamente.Você pode, inclusive, fazer as duas primeirasquestões coletivamente.Leia a pergunta e questione se eles sabem aresposta, instigue-os a voltar ao texto, apontarem que lugar podem encontrar asinformações que os ajudaram a responder apergunta. Insista sempre no parágrafo em queessas informações se encontram.Eles podem responder a pergunta oralmentee depois transcrevê-la.Para responder a questão a, o que énecessário fazer?a) Quem era Basílio? O que chamou aatenção dele assim que entrou no pica-deiro?Peça para que voltem ao texto, releiam, a fimde identificar essas informações; que digamem que parágrafo elas se encontram. Peçaainda que marquem no texto as informações.Após a leitura do 1º parágrafo, os alunos de-vem encontrar informações e marcá-las, maisou menos como o exemplo abaixo.Na noite de estréia do circo, o ele-fante Basílio entrou no picadeirocom vergonha porque estavausando um chapéu de palhaço etinha no pescoço uma gola colori-da. Quando o espetáculo come-çou, a primeira coisa que Basílioviu foi um menino no camarote nº5, que batia muitas palmas paraele.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor7AulaAula 7
  • Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 177c) O que Basílio viu quando o espetáculo começou?________________________________________________________d) Qual foi a reação do público quando soube que Basílio dançaria umavalsa?________________________________________________________e) Qual foi a reação dos homens, mulheres e crianças quando Basíliocomeçou a dançar?________________________________________________________f) Seu Matias ficou feliz com a reação do público?________________________________________________________g) Por que Basílio se sentia envergonhado?________________________________________________________h) O que Basílio pensou enquanto dançava?________________________________________________________i) Por que, de repente, a música parou?________________________________________________________j) O que Basílio viu quando olhou para o camarote nº 5?________________________________________________________k) Por que o menino estava chorando?________________________________________________________l) O que Basílio fez para salvar o menino?________________________________________________________m) O que aconteceu com o menino que estava no camarote?________________________________________________________Retome a questão e pergunte aos alunoscomo eles escreveriam a resposta. É impor-tante, desde o início do trabalho, orientar osalunos no sentido de que não é necessáriocopiarem trechos do texto. Se o texto foi com-preendido, eles devem responder com suaspróprias palavras como, por exemplo:Quem era Basílio? Basílio era um elefante.O que chamou a atenção dele assim que en-trou no picadeiro? Às vezes, o comando daquestão é que dificulta a resposta. Pergunteaos alunos a quem a palavra dele se refere.Observar que ela está retomando o referen-te elefante da questão anterior. Os alunospodem dar respostas como:s O que chamou a atenção de Basílio foium menino no camarote que batia pal-mas para ele.s Um menino que batia palmas para Basí-lio.Proceda à resolução das outras questões damesma forma, sempre fazendo com que osalunos voltem ao texto, identifiquem o pará-grafo no qual podem encontrar as informa-ções de que necessitam para responder àsperguntas.Aula 7
  • 78 Atividades de Apoio à Aprendizagem 1Unidade 3 s Aula 1Atividade 1Leia as informações abaixo.O macaco, esperto como é, percebeu que só poderia ser umacilada.A raposa, ouvindo aquilo, levantou-se de olhos fechados, balançoua cabeça e iniciou a andança.Para isso, cavou um buraco fundo como um poço, perto de onde araposa estava deitada.Deu o maior cansaço, mas o macaco pensou:— Vai valer a pena.A raposa tinha esperança de almoçar o macaco. Por isso, ela fezcom que o macaco recebesse a notícia de seu falecimento.Com muita confiança, decidiu pregar uma peça na “amiga”trapaceira.No terceiro passo, a bobalhona caiu no buraco, matando todos osbichos... de tanto rir.Chamou a bicharada e anunciou bem alto:— Raposa quando morre fica cega, levanta-se, balança a cabeçae dá cinco passos. Só depois disso é que morre pra sempre.recorte-as e organize o texto sobre a carteira.Compare o seu trabalho com o de um colega e conversem sobre amelhor forma de organização.Cole, em seu caderno, o texto reorganizado por vocês.Antes de solicitar que os alunos façam aatividade, você deve1. ler o texto em voz alta;A raposa tinha esperança de almo-çar o macaco. Por isso, ela fez comque o macaco recebesse a notícia deseu falecimento.O macaco, esperto, como é, perce-beu que só poderia ser uma cilada.Com muita confiança, decidiu pre-gar uma peça na “amiga” trapaceira.Para isso, cavou um buraco fundocomo um poço, perto de onde a rapo-sa estava deitada.Deu o maior cansaço, mas o macacopensou:— Vai valer a pena.Chamou a bicharada e anuncioubem alto:— Raposa quando morre fica cega,levanta-se, balança a cabeça e dá cin-co passos. Só depois disso é que mor-re pra sempre.A raposa ouvindo aquilo, levantou-se de olhos fechados, balançou a ca-beça e iniciou a andança.No terceiro passo, a bobalhona caiuno buraco, matando todos os bi-chos... de tanto rir.2. conversar com os alunos sobre o texto,tentando recuperar a seqüência dosfatos como, por exemplo;• que personagens aparecem noprimeiro parágrafo;• por que a raposa quis que o macacosoubesse de seu falecimento etc.;3. ler o texto mais de uma vez, se for ne-cessário.Por fim, peça para os alunos fazerem aatividade.divida a classe em grupos;peça aos alunos para mostrarem o textoa você, antes de colá-lo na seqüência quejulgarem adequada;mesmo que o grupo organize o textoadequadamente, faça algumas questõespara problematizar a opção feita pelosalunos como:• “E se eu inverter a ordem dosparágrafos 2 e 3, não fica correto,também?”• Por que vocês colocaram esse comosendo o último parágrafo? Qual é ajustificativa?• Como vocês identificaram a ordemem que devem aparecer as falas dospersonagens?Questões desse tipo permitem aos alunosrefletir sobre os processos pelos quaispassaram, a fim de que possam executar atarefa.Quando não são questionados, perde-se aoportunidade de fazer com que eles estejamsempre atentos às estratégias, aosconhecimentos que usam na execução deuma tarefa.Língua PortuguesaLinguagem, Língua, Discurso e TextoAtividades que levam o aluno a estruturar/organizarfrases e segmentar o texto em frases e parágrafos,observando a continuidade de sentido do textoOrientações para o professor8AulaAula 8
  • PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLARGESTAR IDIPRO / FNDE / MECCONSULTORES DAS ÁREAS TEMÁTICASLíngua PortuguesaMaria Antonieta Antunes CunhaDoutora em Letras - Língua PortuguesaUniversidade Federal de Minas Gerais/UFMGProfessora Adjunta Aposentada - Língua Portuguesa - Faculdade de LetrasUniversidade Federal de Minas Gerais/UFMGMatemáticaCristiano Alberto MunizDoutor em Ciência da EducaçãoUniversidade Paris XIIIProfessor Adjunto - Educação Matemática - Faculdade de EducaçãoUniversidade de Brasília/UnBNilza Eigenheer BertoniMestre em MatemáticaUniversidade de Brasília/UnBProfessora Assistente Aposentada - Departamento de MatemáticaUniversidade de Brasília/UnB
  • PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLARGESTAR IDIPRO / FNDE / MECDiretora de Assistência a Programas Especiais - DIPROIvone Maria Elias MoreyraChefe da Divisão de Formulação e Implementação - DIFIMDébora Moraes CorreiaEQUIPE EDITORIALAssessoria PedagógicaMaria Umbelina Caiafa SalgadoConsultora - DIPRO/FNDE/MECCoordenação GeralSuzete Scramim Rigo - IQECoordenação PedagógicaRegina Maria F. Elero Ivamoto - IQEElaboraçãoMarília Barros Almeida Toledo - Matemática - IQESuzana Laino Cândido - Matemática - IQEMaria Valíria Aderson de Mello Vargas - Língua Portuguesa - IQEKahori Miyasato - Língua Portuguesa - IQEEquipe de Apoio TécnicoMarcelina da Graça S. Peixoto - IQEMaria Christina Salerno dos Santos - IQEProdução EditorialInstituto Qualidade no Ensino - IQE