Eja 6 ano_ingles_v1_23-01-13
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Eja 6 ano_ingles_v1_23-01-13

on

  • 4,912 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,912
Views on SlideShare
4,912
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
138
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Eja 6 ano_ingles_v1_23-01-13 Document Transcript

  • 1. Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Mundo do Trabalho: Arte, Inglês e Língua Portuguesa: 6o ano do Ensino Fundamental. São Paulo: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECT), 2011. il. (EJA – Mundo do Trabalho) Conteúdo: Caderno do Estudante. ISBN: 978-85-65278-00-3 (Impresso) 978-85-65278-08-9 (Digital) 1. Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Ensino Fundamental 2. Artes – Estudo e ensino 3. Língua Inglesa – Estudo e ensino 4. Língua Portuguesa – Estudo e ensino I. Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia II. Título III. Série. CDD: 372 FICHA CATALOGRÁFICA Sandra Aparecida Miquelin – CRB-8 / 6090 Tatiane Silva Massucato Arias – CRB-8 / 7262 A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia autoriza a reprodução do conteúdo do material de sua titularidade pelas demais secretarias do país, desde que mantida a integridade da obra e dos créditos, ressaltando que direitos autorais protegidos* deverão ser diretamente negociados com seus próprios titulares, sob pena de infração aos artigos da Lei no 9.610/98. *Constituem “direitos autorais protegidos” todas e quaisquer obras de terceiros reproduzidas neste material que não estejam em domínio público nos termos do artigo 41 da Lei de Direitos Autorais. Nos Cadernos do Programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Mundo do Trabalho são indicados sites para o aprofundamento de conhecimentos, como fonte de consulta dos conteúdos apresentados e como referências bibliográficas. Todos esses endereços eletrônicos foram verificados. No entanto, como a internet é um meio dinâmico e sujeito a mudanças, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia não garante que os sites indicados permaneçam acessíveis ou inalterados, após a data de consulta impressa neste material.
  • 2. Geraldo Alckmin Governador Paulo Alexandre Barbosa Secretário Luiz Carlos Quadrelli Secretário Adjunto Antonio Carlos Santa Izabel Chefe de Gabinete Juan Carlos Dans Sanchez Coordenador de Ensino Técnico, Tecnológico e Profissionalizante
  • 3. Fundação do Desenvolvimento Administrativo – Fundap Geraldo Biasoto Jr. Diretor Executivo Lais Cristina da Costa Manso Nabuco de Araújo Superintendente de Relações Institucionais e Projetos Especiais Coordenação Executiva do Projeto José Lucas Cordeiro Coordenação Técnica Impressos: Selma Venco Vídeos: Fernando Moraes Fonseca Jr. Equipe Técnica e Pedagógica Ana Paula Lavos, Dilma Fabri Marão Pichoneri, Jossélia Aparecida F. C. de Fontoura, Lais Schalch, Liliana Rolfsen Petrilli Segnini, Maria Helena de Castro Lima, Silvia Andrade da Silva Telles e Walkiria Rigolon Autores Arte: Eloise Guazzelli. Ciências: Gustavo Isaac Killner. Geografia: Clodoaldo Gomes Alencar Jr., Edinilson Quintiliano dos Santos e Mait Bertollo. História: Fábio Barbosa. Inglês: Eduardo Portela. Língua Portuguesa: Walkiria Rigolon. Matemática: Antonio José Lopes. Trabalho: Maria Helena de Castro Lima e Selma Venco Fundação Carlos Alberto Vanzolini Antonio Rafael Namur Muscat Presidente da Diretoria Executiva José Joaquim do Amaral Ferreira Vice-presidente da Diretoria Executiva Gestão de Tecnologias aplicadas à Educação Direção da Área Guilherme Ary Plonski Coordenação Executiva do Projeto Angela Sprenger e Beatriz Scavazza Gestão Editorial Denise Blanes Gestão de Comunicação Ane do Valle Gestão do Portal Luiz Carlos Gonçalves, Sonia Akimoto e Wilder Rogério de Oliveira Equipe de Produção Assessoria pedagógica: Ghisleine Trigo Silveira Editorial: Airton Dantas de Araújo, Célia Maria Cassis, Daniele Brait, Fernanda Bottallo, Mainã Greeb Vicente, Patrícia Maciel Bomfim, Paulo Mendes e Sandra Maria da Silva Direitos autorais e iconografia: Aparecido Francisco, Beatriz Blay, Priscila Garofalo, Rita De Luca e Roberto Polacov Projeto gráfico-editorial: D’Livros Editora e Distribuidora Ltda e Michelangelo Russo (Capa) CTP, Impressão e Acabamento Imprensa Oficial do Estado de São Paulo Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Coordenação Geral do Projeto Juan Carlos Dans Sanchez Equipe Técnica Cibele Rodrigues Silva e João Mota Jr. Concepção do programa e elaboração de conteúdos Gestão do processo de produção editorial
  • 4. Caro(a) estudante, É com grande satisfação que apresentamos os Cadernos do Estudante do Programa Educação de Jovens e Adultos (EJA) – Mundo do Trabalho, em aten- dimento a uma justa reivindicação dos educadores e da sociedade. A proposta é oferecer um material pedagógico de fácil compreensão, para complementar suas atuais necessidades de conhecimento. Sabemos quanto é difícil para quem trabalha ou procura um emprego se dedi- car aos estudos, principalmente quando se retorna à escola após algum tempo. O Programa nasceu da constatação de que os estudantes jovens e adultos têm experiências pessoais que devem ser consideradas no processo de aprendi- zagem em sala de aula. Trata-se de um conjunto de experiências, conhecimen- tos e convicções que se formou ao longo da vida. Dessa forma, procuramos respeitar a trajetória daqueles que apostaram na educação como o caminho para a conquista de um futuro melhor. Nos Cadernos e vídeos que fazem parte do seu material de estudo, você perceberá a nossa preocupação em estabelecer um diálogo com o universo do trabalho. Além disso, foi acrescentada ao currículo a disciplina Trabalho para tratar de questões relacionadas a esse tema. Nessa disciplina, você terá acesso a conteúdos que poderão auxiliá-lo na procura do primeiro ou de um novo emprego. Vai aprender a elaborar o seu currículo observando as diversas formas de seleção utilizadas pelas empresas. Compreenderá também os aspectos mais gerais do mundo do trabalho, como as causas do desemprego, os direitos trabalhistas e os dados relativos ao mercado de trabalho na região em que vive. Além disso, você conhecerá algumas estra- tégias que poderão ajudá-lo a abrir um negócio próprio, entre outros assuntos. Esperamos que neste Programa você conclua o Ensino Fundamental e, pos- teriormente, continue estudando e buscando conhecimentos importantes para seu desenvolvimento e para sua participação na sociedade. Afinal, o conheci- mento é o bem mais valioso que adquirimos na vida e o único que se acumula por toda a nossa existência. Bons estudos! Paulo Alexandre Barbosa Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia
  • 5. Sumário Arte..........................................................................................................................................7 Unidade 1 Leitura de mundo pela arte 9 Unidade 2 Arte, expressão do cotidiano 29 Unidade 3 Arte e meio ambiente 49 Unidade 4 Arte e lixo 61 Inglês................................................................................................................................. 83 Unit 1 I know this word 85 Eu conheço essa palavra Unit 2 First day at work 95 Primeiro dia no trabalho Unit 3 Work and school 109 Trabalho e escola Unit 4 Housing and housework 123 Moradia e trabalho doméstico Língua Portuguesa.........................................................................................135 Unidade 1 Usos da linguagem 137 Unidade 2 Gêneros cotidianos 153 Unidade 3 Jornal: a leitura nossa de cada dia 173 Unidade 4 Jornal: virando as páginas 201 Unidade 5 Jornal: para além da notícia 217
  • 6. Caro(a) estudante, Você está começando agora a disciplina Inglês do Programa EJA – Mundo do Trabalho. Hoje em dia, mesmo quem não sabe falar inglês conhece alguma coisa desse idioma: palavras, trechos de canções, nomes de objetos, de alimentos e de pessoas ou termos da internet. Afinal, as vans, o fast food e os serviços de delivery estão em todo o lugar. Neste Caderno, você terá a oportunidade de utilizar tudo o que já conhece para aprender muito mais da língua inglesa. Vai entrar em contato com textos, imagens e músicas relevantes para o seu aprendizado. Na Unidade 1, você vai conhecer as origens do inglês e discutir a influên- cia dessa língua em várias outras, como o português. Verá até como o inglês é parecido com o português em muitos aspectos. Poderá conversar com seus colegas sobre as palavras inglesas que são familiares a vocês e se preparar para conhecer muitas outras. Na Unidade 2, você vai compreender as razões pelas quais o inglês se tor- nou o idioma mais importante do mundo atual. Verá também as formas mais usuais de cumprimentos e frases importantes para o dia a dia. Trabalhará com números e conhecerá os seus usos mais frequentes. Na Unidade 3, entrará em contato com palavras e expressões ligadas aos ambientes escolar e profissional. Discutirá sobre o papel da escola e do pro- fessor na vida dos estudantes. Por fim, na Unidade 4, o assunto abordado será moradia. Você vai discutir os tipos de moradia no Brasil e em outros países, tendo assim a oportunidade de conhecer mais sobre a cultura e a língua inglesa. Bons estudos! 6 English Inglês
  • 7. Unit Unidade Nesta Unidade, você vai conhecer as origens da língua inglesa e trabalhar com palavras em inglês que você já sabe e com outras que vai aprender. Textos, imagens e músicas vão ajudar no seu aprendizado. Você também vai ver como o inglês, além de estar muito pre- sente no dia a dia, pode também ser bastante interessante e descobrirá como ele é parecido com o português em muitos aspectos. For starters Para iniciar... Em grupo de no máximo quatro pessoas, observem o ambiente ao seu redor. • Procurem por palavras em inglês nos objetos à sua volta. Escre- vam o máximo de palavras que conseguirem. • Ao terminarem, compartilhem as palavras que conseguiram com os demais colegas de grupo. • Aproveitem o momento para discutir: o que vocês acham do uso de palavras estrangeiras no nosso idioma? The English language in the life of Brazilians A língua inglesa na vida dos brasileiros Tanto o português como o inglês são fruto de sucessivas transfor- mações. Diversas palavras estrangeiras foram incorporadas ao nosso vocabulário, e nós as utilizamos normalmente no nosso dia a dia. Veja alguns exemplos de palavras em inglês incorporadas à nossa rotina: 1 I know this word Eu conheço essa palavra hot dog mouse notebook office boy marketing ranking play jeans call center email drink 85
  • 8. O uso de palavras ou expressões estrangeiras na nossa língua é chamado estrangeirismo. Quando a origem da palavra é o inglês, o seu uso pode ser chamado anglicismo. Os exemplos que acabamos de ver representam anglicismos que conservaram a sua grafia origi- nal; outros, no entanto, foram aportuguesados, como bife (de beef), nocaute (de knockout), handebol (de handball) e muitos mais. The origins of the English language As origens da língua inglesa A história do inglês é marcada por sucessivas guerras e invasões envolvendo diferentes povos espalhados pelo continente europeu. Um dos primeiros povos a ocupar a região que hoje conhecemos como Inglaterra foram os celtas, que também ocuparam outros territórios do continente europeu nas atuais França, Espanha e Alemanha. No ano 43 a.C., os celtas foram conquistados pelo Império Romano sob o comando do imperador Júlio César. Os romanos estiveram três séculos e meio na Grã-Bretanha, e o latim, língua oficial do Império, marcou profundamente a fala nessa região. Marcou tanto que a influência celta ficou restrita a nomes próprios relacionados a locais de batalha. Por volta do ano 400 d.C., três tribos germânicas – anglos, jutos e saxões – se estabeleceram nas regiões mais férteis da Grã-Bretanha, expulsando os celtas para os territórios da Irlanda e da Escócia. A lín- gua germânica é considerada a origem do inglês antigo (Old English). Aliás, a palavra Inglaterra vem da tribo germânica dos anglos, que se estabeleceu a oeste da Grã-Bretanha. Rotas de invasão dos anglos, saxões e jutos à Grã-Bretanha, no século V Did you know? Você sabia? A sociedade celta dividia-se em classes sociais: a realeza, composta por reis e líderes espirituais; a nobreza, composta por juízes, guerreiros, druidas (espécie de guias religiosos), bardos (contadores de histórias), ferreiros; e os agricultores livres, que possuíam sua própria terra e rebanho e compunham a maior parte da sociedade celta. Escudo feito por ferreiro celta, século I d.C. Museu Britânico, Londres, Inglaterra. ©RobertHardingPictureLibraryLtd/Alamy/Otherimages 0º 55º N Jutes Saxons Angles Areas of Britain the settlers occupied N 160 km ©PortaldeMapas Fonte: BBC. Primary History. Anglo-Saxons: who were they? Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/ schools/primaryhistory/ anglo_saxons/who_were_ the_anglo-saxons/>. Acesso em: 4 jan. 2012. 86 English – Unit 1
  • 9. Em 1066, os normandos, habitantes do norte da França, invadiram a região após dura batalha contra os anglo- -saxões, na qual o rei Harold foi morto. Ao longo de três séculos, muitas pala- vras francesas foram incorporadas ao inglês antigo, originando o inglês médio (Middle English). A ocupação francesa produziu grandes mudanças na gramá- tica inglesa, que se tornou mais simples para poder receber palavras de outros idiomas. Morte do rei Harold, na conquista da Inglaterra pelos normandos, em 1066. [Tapeçaria de Bayeux (detalhe), c. 1070-1080. Bordado em linho, 69 m x 50 cm. Centro Guilherme, o Conquistador, Bayeux, França. (Atribuída à rainha Matilde de Flandres e suas aias.)] Por incrível que pareça, o latim foi durante três séculos e meio a língua do poder na Grã-Bretanha. É verdade que a grande marca do inglês da atua- lidade foi a língua germânica dos povos invasores, mas o latim teve lugar de destaque na composição da língua inglesa. [...] Palavras de origem latina A influência latina propondo novos hábitos de vida na Grã-Bretanha pode ser vista por meio da presença de termos antigos no inglês atual. É o caso de “cup” (taça), do latim “cuppa” (tonel), de “kitchen” (cozinha), do latim “coquina” (cozinha), de “pillow” (almofada), do latim “pulvinus” (traves- seiro), de “wall” (parede), do latim “vallum” (pali- çada), entre outros. A cristianização da Grã-Bretanha, a partir do século VI, trouxe novos termos latinos para a lín- gua inglesa. Esse processo ocorreu por meio de dois polos: a criação de um mosteiro em 563 por S. Columbano na ilha de Iona de onde partiram missionários para a Escócia e a transformação do mosteiro de Cantuária, em Kent, onde desembar- cou o monge Agostinho, enviado pelo Papa Gregório Magno, em 597. Mosteiros e religião O ensino nos mosteiros era ministrado em latim, e a Inglaterra tornou-se um dos maiores cen- tros eruditos da Europa. Nessa época, surgem e se expandem termos de origem latina relativos à vida religiosa que marcam a língua inglesa até hoje. São exemplos disso: “bishop” (bispo), “pope” (Papa), “monk” (monge), “nun” (freira), entre outros. Percebemos outras influências do latim em algumas abreviaturas. A moeda britânica “pounds” (libras), cuja abreviatura é £, tem origem no termo latino “librae”. São, também, evoluções de expres- sões latinas i.e. (isto é), e.g. (por exemplo) e viz (a saber, nomeadamente). * Celina Bruniera é mestre em Sociologia da Educação pela Universidade de São Paulo (USP) e assessora educacional para a área de linguagem. BRUNIERA, Celina. Latim influenciou língua inglesa. UOL Educação. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/ingles/influencia-do-latim-latim-influenciou-lingua-inglesa.jhtm>. Acesso em: 20 dez. 2011. ©GLArchive/Alamy/Otherimages UOL EDUCAÇÃO Inglês – Ensino Médio Influência do latim Latim influenciou língua inglesa Celina Bruniera* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação English – Unit 1 87
  • 10. area área capital capital date data different diferente direction direção special especial phrase frase equal igual moment momento nation nação profession profissão Fonte: FINKENSTAEDT, T.; WOLFF, D.; NEUHAUS, H. J. (Contribuição); HERGET, W. (Contribuição). Ordered profusion: studies in dictionaries and the English lexicon. Heidelberg: C. Winter, 1973. (Série Annales Universitatis Saraviensis, 13.) Apud AskOxford, 2002. A origem do francês é a mesma do português. Ambas são línguas românicas (também conhecidas como línguas latinas). Esse é um dado importante e favorável para nós, falantes de língua portuguesa que queremos aprender inglês: significa que o inglês é muito mais pare- cido com o português do que podemos imaginar. Observe os exemplos a seguir. As palavras em inglês estão em itálico: The origins of English Derived from Proper Names (4%) Other Languages /Unknown (6%) Greek (6%) Germanic Languages (26%) (Old/Middle English, Old Norse, Dutch) French (29%) (Includes Anglo-French) Latin (29%) A língua inglesa, tal como a conhece- mos hoje, teve origem nos dialetos germâ- nicos, mas, como vimos, foi fortemente influenciada pelo latim e pelo francês. Observe ao lado a porcentagem da pre- sença de cada uma dessas origens no inglês moderno. Observe que aproximadamente um terço do inglês vem do latim e outro terço é de origem francesa. Portuguese and English have much in common Português e inglês têm muito em comum 88 English – Unit 1
  • 11. Activity 1 My glossary Atividade 1 Meu glossário 1. Reserve algumas páginas do caderno para fazer seu glossário in- glês-português. Nele, você poderá registrar as palavras, expressões e frases novas que aprender em inglês para consultá-las quando precisar. a) Para começar, copie dos textos anteriores todas as palavras e expressões em inglês que você ainda não conhecia. Não se es- queça de olhar também para os títulos da Unidade e das ativi- dades, nos quais você encontrará novas palavras e expressões. Escreva do lado direito o significado em português. Exemplos: Activity – Atividade Contact – Contato First – Primeiro(a) Além da tradução, você pode colocar: • exemplos de uso: trechos do próprio texto em que as pala- vras, expressões ou frases foram encontradas; • uma imagem: um desenho ou uma foto; • explicações sobre o significado das palavras, expressões ou frases. Reserve outra parte do caderno para um glossário português- -inglês. Isso facilitará a consulta de palavras no futuro. b) Compartilhe seu glossário com os colegas. c) Sempre que aprender coisas novas em inglês, mesmo que fora da aula, acrescente-as ao seu glossário. 2. Muitos artistas incorporam palavras de outras línguas às suas com- posições. Leia, na próxima página, a letra da canção Babylon, de Zeca Baleiro (Líricas, 2000). Nela o compositor usa palavras e expressões em inglês e em francês. Se possível, ouça essa música. Identifique as palavras em inglês e confira-as com seu profes- sor. Pesquise o significado dessas palavras e adicione-as ao seu glossário. Top tips Fica a dica Para compreender um pouco mais sobre o dinamismo da linguagem e sobre como a necessidade de comunicação faz com que os falantes criem e recriem a própria língua e, assim, criem e recriem a própria identidade, assista ao filme Espanglês (Spanglish, direção de James L. Brooks, 2004). O filme põe em evidência as dificuldades de comunicação e adaptação à nova cultura vivida por uma empregada doméstica mexicana que vai trabalhar nos Estados Unidos da América (EUA) sem saber falar inglês. English – Unit 1 89
  • 12. Babylon Zeca Baleiro Baby I’m so alone Vamos pra Babylon! Viver a pão-de-ló e möet chandon Vamos pra Babylon! Gozar sem se preocupar com amanhã Vamos pra Babylon! Comprar o que houver Au revoir ralé Finesse s’il vous plait mon dieu je t’aime glamour Manhattan by night Passear de iate Nos mares do pacífico sul... Baby I’m alive like a Rolling Stone Vamos pra Babylon! Vida é um souvenir made in Hong Kong Vamos pra Babylon! Vem ser feliz ao lado desse bon vivant Vamos pra Babylon! De tudo provar Champanhe, caviar Scotch, escargot, rayban bye, bye miserê Kaya now to me O céu seja aqui Minha religião é o prazer... Não tenho dinheiro pra pagar a minha ioga Não tenho dinheiro pra bancar a minha droga Eu não tenho renda pra descolar a merenda Cansei de ser duro vou botar minha alma à venda... Eu não tenho grana pra sair com o meu broto Eu não compro roupa por isso que eu ando roto Nada vem de graça nem o pão, nem a cachaça Quero ser o caçador ando cansado de ser caça... Ai, morena! Viver é bom Esquece as penas Vem morar comigo Em Babylon... (4x) Ponto de Bala (Universal Publishing) Shortcuts Atalhos Existem alguns “atalhos” que podem ser úteis para quem está aprendendo inglês. Eles podem ser aplicados em muitos casos, mas é importante lembrar que há exceções. 90 English – Unit 1
  • 13. First shortcut Primeiro atalho Muitas palavras em inglês terminadas em “TION” são bem pareci- das com as palavras em português terminadas em “ÇÃO”. notion noção nation nação revolution revolução intuition intuição interaction interação definition definição condition condição Second shortcut Segundo atalho Muitas palavras em inglês terminadas em “TY” e “ITY” são bem parecidas com palavras em português terminadas em “DADE”. loyalty lealdade complexity complexidade generosity generosidade honesty honestidade longevity longevidade regularity regularidade intensity intensidade specialty especialidade Third shortcut Terceiro atalho Muitas palavras em inglês terminadas em “LY” são bem parecidas com palavras em português terminadas em “MENTE”. logically logicamente comfortably confortavelmente calmly calmamente extremely extremamente firmly firmemente explicitly explicitamente purely puramente rapidly rapidamente English – Unit 1 91
  • 14. Fourth shortcut Quarto atalho Muitas palavras em inglês terminadas em “ENCE” são bem pareci- das com palavras em português terminadas em “ÊNCIA” ou “ENÇA”. difference diferença preference preferência sequence sequência reference referência science ciência evidence evidência sentence sentença presence presença Fifth shortcut Quinto atalho Há ainda palavras que têm a mesma grafia em português e em inglês. Muitas delas são terminadas em “AL”. total total natural natural animal animal federal federal mineral mineral fatal fatal moral moral legal legal (de legalidade) É importante lembrar que os atalhos apresentados não são abso- lutos, ou seja, há palavras terminadas em “ENCE” em inglês e que não são terminadas em “ÊNCIA” ou “ENÇA” em português. Por exemplo, “fence” é “cerca”. Além disso, existem muitas palavras conhecidas como falsos cognatos: palavras que se parecem muito nas duas lín- guas, mas que têm significados diferentes. O termo em inglês para falso cognato é false friend, literalmente “falso amigo” em português. Veja alguns falsos amigos: Falso cognato Parece com... Mas é... actually atualmente na verdade currently correntemente nos dias de hoje attend atender frequentar, comparecer lunch lanche almoço parents parentes pais 92 English – Unit 1
  • 15. Activity 2 Decoding words Atividade 2 Decodificar palavras Tente agora descobrir os significados das palavras a seguir levando em conta aquilo que você acabou de aprender: • ignition: • specifically: • tradition: • simultaneously: • annual: • manually: New friends Novos amigos Leia atentamente o texto a seguir. Nele você conhecerá Gláucia e Anderson, duas personagens que nos acompanharão ao longo do curso. Algumas palavras aparecerão em inglês no texto, sempre em itálico. Procure descobrir os seus significados pelo contexto, isto é, por meio das palavras em português que vêm antes e depois da pala- vra em inglês. Quando tinha 15 anos, Gláucia moved com sua family para os EUA. Seus pais decided deixar o Brasil à procura de uma vida melhor da que levavam aqui. O pai de Gláucia conseguiu um trabalho de pedreiro, enquanto sua mãe e sua irmã mais velha foram tra- balhar de faxineira em casas de North-American families. Por não serem North-Americans e estarem no país de forma irregular, Gláucia e sua family não tinham os mesmos direitos que os cidadãos de lá. Além de estudar, Gláucia também trabalhava como faxineira e babysitter na casa de uma middle-class North- American family. Após 15 anos trabalhando com essa family, Gláucia foi dispensada, pois as crianças das quais cuidava haviam crescido e os seus services já não eram mais necessary. Além disso, uma grave financial crisis impedia que Gláucia e sua family encontrassem trabalho. Por isso, eles optaram por return to Brazil. Anderson tem exactly a mesma idade que Gláucia; ambos frequentaram a mesma school e moravam no mesmo bairro no Brasil quando crianças. Ao contrário de Gláucia, Anderson permaneceu no Brasil. Apesar de saber ler e escrever, ele não terminou o colégio, pois desde cedo começou a trabalhar. Ele já trabalhou como coletor de lixo, varredor, ajudante de pedreiro e office boy. Anderson sabe que, para encontrar melhores salários, precisa concluir o Ensino Médio e, por isso, he returned to school. Hoje, ele está matriculado na Educação de Jovens e Adultos no período noturno. Ele tam- bém quer aprender English, pois sabe que esse é um diferencial importante na hora de obter um trabalho. English – Unit 1 93
  • 16. Time for citizenship Momento cidadania Assim como Gláucia, mais de 800 mil brasileiros vivem nos EUA. Pressionados pelas crises econômicas dos anos 1980 (alta inflação) e dos anos 1990 (altas taxas de desem- prego), os brasileiros decidiram tentar a sorte nesse país. Trabalhando em atividades que exigem pouca ou nenhuma qualificação, eles se mesclam com outros imigrantes vindos do México, Peru, Colômbia etc. nas cidades estadunidenses. Muitos exercem trabalhos domésticos e braçais de baixa remuneração nos EUA. Lá, os imigrantes têm poucos direitos. A maioria deles não tem acesso a serviços básicos, como assistência médica, e muitos deles estão na ilegalidade, isto é, não têm o direito de viver e trabalhar no país, sendo constantemente procurados pelos serviços de imigração. Se puder, assista aos filmes Um dia sem mexicanos (Un día sin mexicanos, direção de Sergio Arau, 2004) e Pão e rosas (Bread and roses, direção de Ken Loach, 2000), que abordam essa temática. You studied Você estudou Nesta Unidade, você percebeu que o inglês não é tão difícil quanto parece ser e que tem muitas semelhanças com o português. Você viu também alguns “atalhos” para a tradução de palavras, bem como a existên- cia dos falsos cognatos, os “falsos amigos”. Você deu início à construção do seu próprio glossário e fez novos amigos: por meio da personagem Gláucia, conheceu um pouco da situação a que muitos brasileiros que vivem no exterior estão sujeitos. Por outro lado, Anderson representa os milhões de bra- sileiros em busca de um emprego aqui no Brasil, mas que tiveram poucas condições para concluir sua escolaridade. Think about it Pense sobre Converse com os colegas sobre o que você aprendeu nesta Unidade. Os conteúdos apre- sentados foram úteis? Em que sentido? Quais atividades lhe ajudaram mais a aprender inglês? Como é a relação entre emprego, salário e escolaridade? Ela é a mesma para todas as pro- fissões e para todas as pessoas, sejam elas imigrantes ou não? 94 English – Unit 1
  • 17. Unit Unidade Nesta Unidade, você vai analisar as razões pelas quais o inglês se tornou um dos idiomas mais falados no mundo atual. Vai ver também as formas mais usuais de cumprimentos e frases importantes para o dia a dia. Você trabalhará, ainda, com números e utilizará os seus conhecimentos de Matemática para aprender inglês. For starters Para iniciar... Debata a seguinte questão em pequenos grupos: • Por que o inglês é uma das línguas mais utilizadas no mundo? Você e o seu grupo devem construir argumentos de forma a con- vencer os colegas da sua opinião. The rise of English A ascensão do inglês Você sabe por que o inglês se tornou o idioma oficial do mundo dos negócios e é falado por pessoas no mundo todo? A língua inglesa surgiu a partir do século V no sul da Inglaterra entre as tribos germânicas anglo-saxãs. 2 First day at work Primeiro dia no trabalho Fonte: BBC. Interactive timeline. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/radio4/ history/empire/map/>. Acesso em: 6 fev. 2012. Império Britânico, 1920Em 1066, no século XI, o inglês antigo (Old English) pas- sou por uma transformação radi- cal, devido à conquista da Ingla- terra pelos normandos, povo do norte da França. No século XVII, a Inglaterra consolidou-se como uma potência econômica e militar. Muitos his- toriadores consideram que esse país constituiu um verdadeiro império. ©PortaldeMapas AMÉRICAS ÁFRICA ÁSIA EUROPA OCEANIA N 4000 km 95
  • 18. Nesse processo, a Inglaterra ocupou muitos territórios, que fica- ram sob seu poder até conquistarem a independência. Nas ex-colô- nias inglesas, o idioma falado era o inglês. Entre essas ex-colônias estão: Índia, África do Sul, Canadá e Egito, com destaque para os Estados Unidos da América (EUA), que no século XVIII declararam sua independência, mas mantiveram o inglês como idioma oficial. Os EUA também se desenvolveram como potência mundial a par- tir do fim do século XIX, reforçando a presença da língua inglesa no mundo. A Guerra Civil Americana (1861-1865) fomentou o surgi- mento de um grande exército. Após a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, os EUA já eram a maior potência econômica e militar do mundo. Hoje, esse país possui cerca de 700 bases militares no mundo, e das 500 maiores empresas existentes, cerca de 140 são estaduniden- ses. O estilo de vida e o padrão de consumo estadunidense exercem forte influência em diversos países, e também no Brasil. As mercado- rias, as propagandas e os filmes que aqui chegam influenciam com- portamentos e repercutem no estilo de vida das pessoas. Activity 1 Sharing opinions Atividade 1 Compartilhar opiniões Forme um grupo e discuta com os colegas o que significa apren- der uma nova língua e quais são os motivos que fazem do inglês uma língua importante a ser aprendida. Enumerem, em uma folha de caderno, as razões que cada membro do grupo encontrou e depois compartilhem as respostas com os demais grupos. Greetings, words and important sentences Cumprimentos, palavras e frases importantes Leia com atenção o seguinte texto: Gláucia e Anderson moravam no mesmo bairro e frequentavam a mesma escola quando crianças. Depois de muitos anos sem contato, encontraram-se por acaso durante uma das etapas do processo seletivo de uma empresa do ramo de serviços gerais, a Star Clean. Gláucia morou nos EUA, e por ter inglês fluente, concorria a uma vaga cujo salário era melhor. Já seu amigo Anderson disputava uma vaga de líder de limpeza. Did you know? Você sabia? Há escritores e artistas brasileiros que defendem a língua portuguesa sem os chamados americanismos (termos tomados do inglês estadunidense). É o caso do pernambucano Ariano Suassuna, autor de O auto da Compadecida. Por que você acha que há brasileiros que são contra os americanismos? 96 English – Unit 2
  • 19. Acompanhe o diálogo a seguir. Veja, neste diálogo e nos próxi- mos, como Gláucia mistura o inglês ao português para auxiliar seu colega Anderson. Observe também como ele vai aos poucos se soltando durante as conversas, produzindo palavras e depois frases. ANDERSON — Nossa! Gláucia, é você? Quanto tempo! Lembra de mim? GLÁUCIA — Lembro sim, você é o Anderson! Como vai? ANDERSON — Tudo ótimo! Está de volta ao Brasil? GLÁUCIA — Sim, finalmente estou de volta ao meu country! I’m so happy! ANDERSON — Espero que a gente passe nesta entrevista de hoje. Seremos colegas como nos velhos tempos! GLÁUCIA — It’s cool! Você está preparado para a interview? ANDERSON — Acho que sim, tenho todas as respostas na ponta da língua. Mas tem uma coisa com a qual estou preocupado. Coloquei no meu currículo que tinha inglês básico, mas na verdade eu tive inglês há muito tempo na escola e não sei se me lembro daquelas frases mais simples... GLÁUCIA — Tive uma ideia! Vamos ensaiar uma interview. Eu vou entrevistar você in English, ok? ANDERSON — Ótima ideia! Como digo isso in English? GLÁUCIA — Excellent idea! ANDERSON — Yes, excellent idea, Gláucia! GLÁUCIA — Ok, so I will start. Ok, então irei começar. “Hello, how are you?” ANDERSON — Essa eu sei! Você disse “Oi, como vai você?”. Como respondo a isso? GLÁUCIA — Você pode dizer: “I’m fine, thank you. And you?” “Eu vou bem, obrigado. E você?”. ANDERSON — Yes, I’m fine, thank you. And you? GLÁUCIA — I’m fine, thank you. What’s your name? ANDERSON — Você quer saber o meu nome, não é? GLÁUCIA — É isso mesmo! What´s your name? ANDERSON — My name is Anderson Silva. GLÁUCIA — Very good, Anderson! Muito bom, Anderson! How old are you? ANDERSON — Quantos anos eu tenho? GLÁUCIA — Yes! How old are you? ANDERSON — Bem, eu tenho 31 anos, mas não me lembro como dizer isso em inglês. GLÁUCIA — I am thirty-one years old. ANDERSON — I am thirty-one years old. GLÁUCIA — Next question, próxima pergunta. Do you have any work experience? ANDERSON — Work experience seria experiência de trabalho? GLÁUCIA — Isso mesmo, Anderson! Do you have any... Você tem alguma... ANDERSON — Já entendi a sua pergunta. Você quer saber se eu tenho alguma experiência de trabalho, expe- riência profissional! GLÁUCIA — Exactly! ANDERSON — Sim, tenho muita experiência! Como digo isso? GLÁUCIA — Yes, I have a lot of experience! ANDERSON — Yes, I have a lot of professional experience! GLÁUCIA — Great, Anderson. I think you are ready! Ótimo, Anderson. Acho que você está pronto! ANDERSON — Thank you, Gláucia! GLÁUCIA — You’re welcome! English – Unit 2 97
  • 20. Meeting a person Conhecer uma pessoa Observe a lista de frases em inglês a seguir e as suas respectivas traduções para o português: Hello, how are you? Olá, como vai você? I’m fine. And you? Eu estou bem. E você? I am fine, thank you. Eu estou bem, obrigado(a). What is your name? Qual é o seu nome? How old are you? Quantos anos você tem? I am ________ years old. Eu tenho ________ anos de idade. See you later. Vejo você mais tarde. Do you speak English? Você fala inglês? Where do you live? Onde você mora? I live in Campo Limpo. Eu moro em Campo Limpo. Leia agora o diálogo da entrevista em inglês de Gláucia na sede da Star Clean. Se precisar, consulte a lista mencionada anteriormente. JOE MACFURLEY — Good morning. Please sit down. GLÁUCIA — Good morning. How are you? JOE MACFURLEY — I’m fine, thank you. How about you? GLÁUCIA — I am fine. A little bit nervous, but fine. JOE MACFURLEY — What is your name? GLÁUCIA — My name is Gláucia Alves dos Santos. JOE MACFURLEY — How old are you? GLÁUCIA — I am thirty-one years old. JOE MACFURLEY — Do you have any experience with cleaning? GLÁUCIA — Yes, I worked as a cleaner and babysitter for fifteen years in the United States. JOE MACFURLEY — Do you speak Portuguese? GLÁUCIA — Yes, I do. I speak Portuguese fluently. JOE MACFURLEY — Where do you live, Gláucia? GLÁUCIA — I live in Campo Limpo. JOE MACFURLEY — Thank you, Gláucia. We will contact you in case you are selected. GLÁUCIA — Thank you. Bye. JOE MACFURLEY — Bye-bye. 98 English – Unit 2
  • 21. Activity 2 Writing a dialogue Atividade 2 Escrever um diálogo Com um colega, crie um diálogo que simule uma entrevista de trabalho: um de vocês será o entrevistado e o outro, o entrevistador. Utilize as frases apresentadas no texto anterior. Vocês também podem inovar e adicionar novas frases com o auxílio do professor. Pratique e apresente o diálogo para os colegas. The routine A rotina Anderson ficou empolgado por ter uma colega de trabalho que fala inglês. Justo ele que estava fazendo um curso de inglês para tentar uma melhor posição no mercado de trabalho. Gláucia já tinha um pouco de experiência com o ensino de línguas; ela havia ensinado português para os filhos da família estadunidense para a qual trabalhava de babá. Anderson espelhou-se na amiga e sentiu-se motivado a continuar estu- dando o novo idioma. Os dois combinaram, então, que, sempre que possível, incorporariam o inglês nas conversas do dia a dia. O primeiro dia de trabalho foi difícil para Anderson. Na primeira parte do dia, ele participou de um treinamento com orientações sobre como fazer a limpeza de escritórios e, logo em seguida, passou à parte prática, colaborando na limpeza de um andar inteiro de um edifício comercial. Depois, regressou à sede da empresa Star Clean para mais uma rodada de orientações gerais. Ao final dessa reunião, encontrou-se com Gláucia e eles tiveram a conversa registrada na próxima página: English – Unit 2 99
  • 22. ANDERSON — Hello, Gláucia! How are you? GLÁUCIA — Hello, Anderson. I’m fine, thank you! How are you? ANDERSON — I’m fine, thank you. GLÁUCIA — How was your day? ANDERSON — Você quer saber como foi o meu dia, não é? Pois bem, foi muito cansativo: participei de treinamento e já fui direto ao trabalho num edifício enorme. E o seu dia, como foi? GLÁUCIA — My day was very good. Não foi tão cansativo quanto o seu. Hoje só tivemos training; ficamos the entire day aqui na sede da company. Aprendemos como falar com os clients pelo telephone. ANDERSON — Achei que você fosse trabalhar com limpeza, assim como eu. GLÁUCIA — Não... Como eu falo English, passei no recruitment process to work na sede da Star Clean contacting clients. ANDERSON — Que bom para você! Posso te perguntar uma coisa? O que você fazia lá nos United States? GLÁUCIA — Bem, eu fui para os United States com os meus parents e com a minha sister. Todos eles worked com cleaning e eu também comecei a to work de cleaner, assim como você. I worked as a cleaner for fifteen years! ANDERSON — Deixe ver se entendi direito: você foi para os United States com os seus pais e com a sua irmã e trabalhou como faxineira por 15 anos? É isso? GLÁUCIA — É isso mesmo! O seu English está melhorando, Anderson. Your English is improving! ANDERSON — Obrigado, Gláucia... quer dizer, Thank you, Gláucia! GLÁUCIA — You are welcome, de nada! ANDERSON — Bem, eu preciso ir agora. Amanhã será um dia puxado. Começarei a trabalhar desde cedo num prédio enorme na região da Paulista. GLÁUCIA — Bye, Anderson. See you tomorrow! ANDERSON — Bye, Gláucia. Vejo você amanhã também! See you tomorrow! Leia agora o relato da rotina de Anderson. Ele mesmo escreveu esse texto com a ajuda de Gláucia, como lição de casa para o curso de inglês que frequenta aos sábados. Ao fazer a leitura, relacione o texto às imagens para melhor compreendê-lo. Depois, anote em seu glossário as palavras e expressões que aprendeu. Every day I wake up at 6 o’clock in the morning. ©LeandroRobles/Pingado 100 English – Unit 2
  • 23. I take a shower and in five minutes I am ready for breakfast. At 6:30 I am ready to take the bus and go to work. At 8 o’clock I arrive at Star Clean and I have training until 10 o’clock. After that I clean big offices on Paulista Avenue and other places. At 12 o’clock I have lunch and at 12:30 I get back to work. I should have one hour for lunch, but I only have 30 minutes. ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado English – Unit 2 101
  • 24. My classes start at 7 o’clock. At 10:30 the classes are over and I finally go back home. I go to bed around midnight after watching the news on TV. At 6 o’clock in the afternoon I take the bus to school. I eat a sandwich in the bus on my way to school. ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado ©LeandroRobles/Pingado 102 English – Unit 2
  • 25. Activity 3 Writing my routine Atividade 3 Escrever a minha rotina Baseie-se no texto de Anderson para escrever, em seu caderno, sua própria rotina. Compartilhe seu texto com um colega de sala. Vocês têm rotinas semelhantes? Presentation letter Carta de apresentação O texto a seguir é uma carta de apresentação que Gláucia enviou para a empresa de limpeza Star Clean no começo do ano, quando teve início o processo seletivo para 50 vagas em várias áreas da empresa. Havia vagas para porteiros, faxineiros, secretárias e auxiliares de escritório. Gláucia procurou se destacar no processo seletivo e, além do cur- rículo, enviou uma carta de apresentação em inglês. Ela sabia que a Star Clean tinha diversas empresas multinacionais como clientes e que necessitaria de profissionais que pudessem lidar com esse público. Leia a carta de apresentação que Gláucia fez para a Star Clean. Após a leitura, acrescente em seu glossário as palavras e expressões que aprendeu. São Paulo, March 10th, 2011 Star Clean Recruitment Division 20, Bonitas Avenue SP – Brazil Dear Sirs, My name is Gláucia Alves dos Santos. I am 31 years old and I worked as a cleaner for fifteen years in the United States. I am fluent in English and in Portuguese. I am a very diligent person and will certainly fulfill your expectations. Regards, Gláucia Alves dos Santos Phone: 55 11 5555-5555 37354, Beleza Avenue Email: glausantos@email.com Campo Limpo – SP – Brazil English – Unit 2 103
  • 26. 1 one 11 eleven 21 twenty-one 31 thirty-one 2 two 12 twelve 22 twenty-two 40 forty 3 three 13 thirteen 23 twenty-three 50 fifty 4 four 14 fourteen 24 twenty-four 60 sixty 5 five 15 fifteen 25 twenty-five 70 seventy 6 six 16 sixteen 26 twenty-six 80 eighty 7 seven 17 seventeen 27 twenty-seven 90 ninety 8 eight 18 eighteen 28 twenty-eight 100 a/one hundred 9 nine 19 nineteen 29 twenty-nine 1,000 a/one thousand 10 ten 20 twenty 30 thirty 1,000,000 a/one million Activity 4 Writing a presentation letter Atividade 4 Escrever uma carta de apresentação Escreva a sua carta de apresentação em inglês. Utilize as palavras e as frases que você aprendeu ao longo desta Unidade. Você pode pedir ajuda ao professor e consultar o seu glossário. Working with numbers Trabalhar com números Observe a tabela com os números em inglês: 104 English – Unit 2
  • 27. plus minus times divided by is equal to comma (equivalente ao nosso “ponto” quando escrevemos numerais) Activity 5 Dealing with numbers Atividade 5 Lidar com números Vamos praticar os números em inglês? Junte-se com outros cole- gas e forme um círculo. Depois, o grupo escolhe um objeto – pode ser uma caneta ou uma borracha, por exemplo – que possa ser passado de mão em mão. O primeiro estudante deverá dizer o número em inglês antes de passar o objeto para o colega ao lado e, assim, sucessivamente até o número 30. Após essa primeira rodada, o grupo passa a contar de 10 em 10 até chegar ao número 200. Na terceira rodada, os números vão avan- çando de 100 em 100 até chegar a 1 000. A little bit of Mathematics Um pouco de Matemática Observe os quadros a seguir: (7 + 9 = 16) Seven plus nine is equal to sixteen. (14 – 10 = 4) Fourteen minus ten is equal to four. (4 × 8 = 32) Four times eight is equal to thirty-two. (15 ÷ 3 = 5) Fifteen divided by three is equal to five. Thirty-three years – trinta e três anos One month – um mês Twenty days – vinte dias Two weeks – duas semanas Forty-eight hours – quarenta e oito horas Sixty minutes – sessenta minutos Fifteen seconds – quinze segundos How many – quantos/quantas (substantivos contáveis; por exemplo: How many days) How much – quanto/quanta (substantivos incontáveis; por exemplo: How much energy) D’LivrosEditorial English – Unit 2 105
  • 28. Anderson e Gláucia desempenham funções diferentes na empresa e, portanto, recebem salários diferentes. Anderson recebe R$ 800,00 como líder de limpeza. Já Gláucia foi contratada como auxiliar de escritório e recebe R$ 1 200,00. Leia o diálogo a seguir e observe como Anderson já está produ- zindo palavras e frases em inglês: GLÁUCIA — Hi, Anderson. How are you? ANDERSON — Hi, Gláucia. I’m fine, thanks. And you? GLÁUCIA — I’m fine. Anderson, can you help me with something? ANDERSON — Eu não entendi... I don’t understand. GLÁUCIA — Eu perguntei se você pode help me com uma coisa. ANDERSON — Te ajudar? Sim, eu posso ajudar você. Yes, I can help you! O que você precisa? What do you need? GLÁUCIA — I need help with numbers. I am not very good at Math... ANDERSON — Então você está falando com a pessoa certa, eu sou ótimo em Matemática. Manda aí! GLÁUCIA — I want to know how much money I make in one hour of work. ANDERSON — Um momento. Você quer saber quanto dinheiro você “faz” em uma hora de trabalho? Ou, como falamos aqui no Brasil, “quanto você ganha por hora de trabalho?”. GLÁUCIA — Yes! Wow, Anderson, your English is really improving! Seu inglês está realmente melhorando! ANDERSON — Thank you, Gláucia! Com relação à sua pergunta, a conta é sim- ples! Você deve pegar o total do seu salary and divide it by the total of hours you work during the month, ou seja, seu salário divi- dido pelo total de horas que você trabalha no mês. GLÁUCIA — Bem, I work eight hours a day. Como calcular quantas horas eu trabalho in one month? ANDERSON — It’s simple! Eight hours a day TIMES twenty days of work IS EQUAL TO one hundred and sixty hours of work in one month! (8 × 20 = 160). GLÁUCIA — And now? ANDERSON — E agora? Now, divide your salary (R$ 1 200,00) by one hundred and sixty hours. This is EQUAL to seven reais and fifty cents (1 200 ÷ 160 = 7,50). GLÁUCIA — Now I understand. I make seven reais and fifty cents an hour! Thank you, Anderson. You were very helpful! ANDERSON — You are welcome, Gláucia. 106 English – Unit 2
  • 29. Activity 6 Answering questions Atividade 6 Responder questões 1. Responda às seguintes perguntas em inglês. Observe o exemplo: Question – How many hours do you work in one day? Answer – I work eight hours in one day. a) How many months do you work in one year? b) How many days do you work in one month? c) How much money does Anderson make in one hour? d) How much money does Gláucia make in one year (twelve months)? 2. Gláucia recebia, enquanto morava nos EUA, 1 000 dólares por mês, sendo 800 dólares como babysitter (babá) e mais 200 dóla- res como cleaner (faxineira). Considerando o valor do dólar como 1,70 real (US$ 1 = R$ 1,70), qual a diferença entre o salário que Gláucia recebia nos EUA e o que recebe no Brasil? English – Unit 2 107
  • 30. Think about it Pense sobre Pesquisadores calculam que, antes da chegada dos portugueses à América, existiam cerca de 1 300 línguas indígenas faladas no Brasil. Atualmente, sobrevivem cerca de 180. Para você, quais são as causas dessa redução? Como a história do Brasil pode auxiliá-lo a pensar sobre esse fenômeno? You studied Você estudou Nesta Unidade, você trabalhou com palavras e expressões utilizadas em inglês para cumprimentos e apresentações, além de ter lidado com números e algumas operações matemáticas. A língua inglesa tem sido considerada universal, ou seja, o idioma falado nas negociações entre países, por exemplo, é o inglês. Esse lugar ocupado pelo idioma inglês tem rela- ção direta com o poder econômico e político que o Império Britânico e, em seguida, os EUA exerceram e ainda exercem em todo o mundo. O processo de valorização, ou não, de cer- tas línguas é determinado pelo peso político e econômico que cada país possui no cenário mundial. 108 English – Unit 2
  • 31. Unit Unidade Nesta Unidade, você entrará em contato com o inglês referente ao ambiente escolar e ao ambiente de trabalho. Poderá refletir tam- bém sobre o papel da escola e do professor na vida dos estudantes. For starters Para iniciar... Converse com os colegas e com o professor sobre o papel da escola. Ela colabora para a melhor inserção no mercado de traba- lho? No que mais a escola pode contribuir? Por que aprender um segundo idioma na escola? Como o professor pode ajudar nesse pro- cesso? Quais são as melhores formas de aprender outro idioma, no caso o inglês? Education in Brazil A educação no Brasil Antes da chegada dos portugueses, os índios que aqui viviam eram instruídos pelos pais, tios e avós, além dos pajés – líderes espiri- tuais responsáveis pelo ensino dos valores culturais das tribos. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, trouxeram com eles um padrão de ensino tipicamente europeu. No período colonial, esse ensino era ministrado pelos padres jesuítas e tinha um objetivo prá- tico: a catequização, ou seja, a conversão de índios para a religião católica. A educação dada pelos jesuítas perdurou por 210 anos, de 1549 a 1759, quando eles foram expulsos do País pelo Marquês de Pom- bal. Porém, somente com a chegada da família real ao Brasil, em 1808, é que foram criados os primeiros cursos superiores. A cria- ção desses cursos, no entanto, tinha o objetivo de proporcionar educação para a elite aristocrática e nobre que compunha a corte portuguesa. 3 Work and school Trabalho e escola 109
  • 32. As mulheres só tiveram acesso à educação 20 anos depois, com a criação da primeira Lei Geral de Ensino, em 1827. Quase 70 anos depois, a Constituição de 1890 separou a Igreja do Estado. E, com o processo de industrialização no Brasil, o ensino tornou-se fundamental. Em 1900, 65% da popu- lação brasileira não era alfa- betizada (IBGE, 1995). Em 2010, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 9,8% da população ainda se encontra nessa condição. Pode parecer pouco, mas isso significa que mais de 14 milhões de pes- soas no País não sabem ler nem escrever. Paulo Freire’s biography We cannot talk about education without men- tioning Paulo Freire. This educator and philosopher was born on September 19, 1921, in Recife (Pernambuco, Bra- zil). He had an important role in popular educa- tion, developing an innovative method for literacy instruction. The group of educators led by Paulo Freire was responsible for the literacy of 300 workers from sugarcane plantations in only 45 days. This work was recognized by then president João Goulart, who asked him to organize the National Literacy Plan with the goal of teaching two million people how to read and write. With the military coup in 1964, the project was aborted. Paulo Freire, considered as subversive, was arrested and then exiled. Estudantes e professor em sala de aula, 1908. Arquivo Público do Estado de São Paulo. A biografia de Paulo Freire Não podemos falar sobre educação sem men- cionar Paulo Freire. O educador e filósofo nasceu em 19 de setem- bro de 1921 no Recife (PE, Brasil). Ele teve papel importante na educação popular, desenvolvendo um método inovador de alfabetização. O grupo de educadores liderados por Paulo Freire foi responsável pela alfabetização de 300 trabalhadores de lavouras de cana-de-açúcar em apenas 45 dias. Esse trabalho foi reconhecido pelo então presidente João Goulart, que lhe pediu para organizar o Plano Nacional de Alfabetização, com o objetivo de alfabetizar dois milhões de pessoas. Com o golpe militar de 1964, o projeto foi abortado. Paulo Freire, considerado subversivo, foi preso e depois exilado. ArquivoPúblicodoEstadodeSãoPaulo 110 English – Unit 3
  • 33. Activity 1 Research activity Atividade 1 Atividade de pesquisa Pesquise mais sobre a vida e a obra de Paulo Freire. Há inúme- ros sites com informações em inglês sobre esse importante educador brasileiro. Use as seguintes palavras-chave para fazer sua pesquisa: “Paulo Freire” + “Brazilian educator”; “Pedagogy of the opressed”; “Paulo Freire” + “Critical Pedagogy”. Escreva um breve relato em inglês do que você encontrou e compartilhe com os colegas. Time for citizenship Momento cidadania A Constituição brasileira de 1988, também conhecida como Constituição cidadã, ampliou significativamente os direitos dos cidadãos e consolidou o direito à educação para todos. A partir daquele ano, os cidadãos brasileiros têm assegura- dos não somente os direitos civis (que garantem sua liberdade civil), mas também os políticos (de votar e ser votado) e os so- ciais (direito a condições de vida dignas). O artigo 6o do capítulo II da Constituição, que trata dos di- reitos sociais dos brasileiros e das brasileiras, afirma que: Art. 6o . São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desampara- dos, na forma desta Constituição. O artigo 205 do capítulo III define as responsabilidades pela educação: Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. English – Unit 3 111
  • 34. Cabe ao Estado, portanto, assegurar que todos tenham acesso à educação básica, independentemente da idade. Os direitos dos brasileiros à educação foram regulamentados em 1996 pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), que define responsabilidades, competências e formas de financiamento das políticas de educação no Brasil. Referências BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional da República Federativa do Brasil de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 20 dez. 2011. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm>. Acesso em: 20 dez. 2011. Book Notebook Pencil Pen Eraser Ruler Backpack Dictionary Pencil case School supplies Material escolar Um dos fatores que contribuíram para que Anderson abando- nasse a escola quando mais jovem foi o fato de ele não ter os mate- riais necessários para a conclusão dos estudos. Hoje, anos mais tarde, Anderson vive uma situação diferente e conta com diversos materiais escolares que são essenciais para a sua formação. Veja a seguir os materiais que fazem parte da vida escolar de Anderson: ©AlexanderBryljaev/123RF©ManavLohia/123RF ©IngvarBjork/123RF ©WuttichokPanichiwarapun/123RF ©Picsfive/123RF ©SebastianCrocker/123RF ©MaximKazmin/123RF©ManavLohia/123RF©VassiliyMikhailin/123RF 112 English – Unit 3
  • 35. Leia agora um diálogo que Anderson teve com Gláucia sobre por que ele parou de estudar quando criança. Caso você não se lembre de alguma palavra, consulte o professor ou o seu glossário. GLÁUCIA — Hi, Anderson. How are you? ANDERSON — I’m fine, Gláucia, thank you. How about you? GLÁUCIA — I’m fine too, thank you. Anderson, may I ask you a delicate question? ANDERSON — Você quer saber se pode me fazer uma pergunta delicada? GLÁUCIA — Yes, exactly. ANDERSON — Claro, Gláucia, você pode perguntar. Nós somos amigos! Como digo isso em inglês? GLÁUCIA — Of course, Gláucia, you may ask. We are friends! ANDERSON — Of course, Gláucia, you may ask. We are friends! GLÁUCIA — I want to know why you stopped studying. ANDERSON — Você quer saber por que eu parei de estudar? GLÁUCIA — Yes, Anderson! ANDERSON — Bom, vou tentar responder em inglês. I stopped studying for many reasons... GLÁUCIA — Entendi. For many reasons... por muitas razões... Mas quais? ANDERSON — I stopped studying because I needed to work. Eu não tinha dinheiro nem para comprar material escolar... GLÁUCIA — How sad! Que triste! Você parou de estudar porque precisava trabalhar! ANDERSON — Yes, Gláucia, it was very sad. Foi muito triste... GLÁUCIA — What about now? Do you have all the necessary materials to study? ANDERSON — Yes! Hoje eu tenho todos os materiais necessários para estudar: I have books, notebooks, pencils, pens... GLÁUCIA — Great! What about a backpack? Do you need one? ANDERSON — No, thank you, Gláucia. I don’t need a backpack because I have one! English – Unit 3 113
  • 36. Time for citizenship Momento cidadania Assim como Anderson, muitos estudantes precisam interrom- per ou mesmo abandonar completamente os estudos durante a educação básica. Um levantamento realizado com dados do Cen- so Escolar pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, vinculado ao Ministério da Educação) indica que, em 2007, 4,8% dos alunos abandonaram o Ensino Fun- damental. Pode parecer pouco, mas é quase um milhão e meio de estudantes. No mesmo ano, 13,2% dos estudantes do Ensino Médio abandonaram os estudos, o que equivale a quase três mi- lhões de estudantes. Entre as causas citadas como motivos para o abandono estão, no caso do Ensino Fundamental, a dificuldade de acesso à escola, por ser longe de casa, por não ter quem leve a criança à escola, por falta de transporte público escolar, doença e desinteresse pelos estudos. Nas séries finais do Ensino Funda- mental e do Ensino Médio, são citadas a necessidade de traba- lhar, de ajudar os pais em casa ou mesmo a proibição dos pais. Referência PACIEVITCH, T. Evasão escolar. InfoEscola – Navegando e aprendendo. Disponível em: <http://www.infoescola.com/educacao/evasao-escolar>. Acesso em: 20 dez. 2011. Activity 2 The cost of studying Atividade 2 O custo de estudar Elabore uma lista em inglês de materiais escolares necessários para um ano letivo indicando os respectivos preços aproximados. 1. Calcule o custo total em materiais para o ano. 2. Em grupo, discuta: além dos custos com material escolar, quais são os outros possíveis custos que envolvem a decisão de estudar? 114 English – Unit 3
  • 37. Places at school Lugares na escola A escola onde Anderson estuda fica na periferia da cidade de São Paulo (SP). Você conhecerá agora alguns lugares dessa escola: Classroom Bathroom/Restroom Corridor Principal’s office Sport court Cafeteria ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila©LuísDávila ©LuísDávila English – Unit 3 115
  • 38. Parking lot Reception Teacher’s office Library Science lab Video room Computer lab Infelizmente, nem todas as escolas contam com essa estrutura. ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila 116 English – Unit 3
  • 39. Activity 3 My favorite places at school Atividade 3 Meus lugares favoritos na escola Escreva, em seu caderno, um breve relato em inglês sobre os luga- res da sua escola de que você mais gosta. Não se esqueça de explicar o porquê. Escreva sobre os sentimentos que esse lugar desperta em você. Fale também sobre lugares de que você não gosta. Se preferir, utilize os modelos de frases a seguir: • I like the because it is . • Eu gosto do(a) porque ele(a) é . • I don’t like the because it isn’t . • Eu não gosto do(a) porque ele(a) não é . • I feel in the because it is . • Eu sinto no(a) porque ele(a) é . • I like to go to the when I am . • Eu gosto de ir ao(à) quando eu estou . Você pode utilizar as seguintes palavras para falar dos seus senti- mentos e para descrever os espaços de uma escola. good bom(boa) bad mal/mau(má) afraid com medo cold com frio hot com calor tired cansado(a) hungry com fome big grande small pequeno(a) clean limpo(a) dirty sujo(a) organized organizado(a) unorganized desorganizado(a) light claro(a) dark escuro(a) School workers Trabalhadores da escola A escola que Anderson frequenta conta com diversos trabalhado- res que atuam em diferentes áreas. English – Unit 3 117
  • 40. Activity 4 Work at school Atividade 4 Trabalho na escola Debata com os colegas: como seria trabalhar nesta escola? Quais os pontos positivos e os pontos negativos de cada uma dessas ocupa- ções existentes na escola? Enumere-os em uma lista. Por fim, partilhe suas ideias com a turma toda e responda: Há semelhanças entre as percepções de seu grupo e as dos demais colegas da turma? The teacher O professor Leia atentamente o diálogo a seguir entre Anderson e seu English teacher. The doorkeeper controls the entrance and exit of students, teachers and school workers. The cleaner cleans the school. The cook prepares food for students and school workers. The coordinator coordinates the activities of teachers at school. The principal leads and directs; this person is the head administrator of the school. The teacher helps students to learn and improve their knowledge in all subjects (Art, Science, Math, Portu- guese, English, Geography, History, and Physical Education). ARI — Hi, Anderson! ANDERSON — Hi, teacher! ARI — What can I do for you? ANDERSON — Well, teacher, I need help. ARI — Of course, Anderson! How may I help you? ANDERSON — Bom, vou falar em português. Estou pensando em fazer uma faculdade quando terminar o curso da EJA e gostaria da sua opinião. Como pergunto “Que carreira devo escolher”? ARI — “What career should I choose?” ANDERSON — Pois bem, teacher, what career should I choose? ARI — Only you can answer this question, my dear Anderson. Só você pode responder essa pergunta, meu caro Anderson. ANDERSON — É verdade, teacher... It’s true. Mas me diga uma coisa, tell me something: você gosta do seu emprego? Do you like your job? ARI — Yes, Anderson, I like my job very much. Sim, apesar das dificuldades, gosto muito do meu trabalho. ANDERSON — Eu sei que o trabalho do professor não é fácil... It´s not easy to be a teacher... Falei certo? ARI — Yes! Very good, Anderson! Leia atentamente a explicação para cada profissão a seguir e procure desvendar o seu significado com base nas palavras que você já conhece: 118 English – Unit 3
  • 41. Activity 5 Working as a teacher Atividade 5 Trabalhar como professor Veja a seguir algumas atividades características do ofício de professor: • Prepare classes. • Grade exams. • Check extra-class activities. • Talk to students/students’ parents. • Attend pedagogical meetings. • Teach classes. • Study. Converse com um colega sobre como vocês imaginam que seja a programação de um professor ao longo da semana. Em seguida, preencham o “semanário” abaixo, distribuindo as diversas atividades que um professor desempenha em sua rotina de trabalho. Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday MorningAfternoonEvening English – Unit 3 119
  • 42. A veterinarian A dressmaker A metalworker A photographer A journalist A biologist An architect A doctor ©BlajGabriel/123RF©Diomedia ©LucianaWhitaker/OlharImagem©LeungChoPan/123RF ©AlexanderPodshivallov/123RF ©JasonDoucette/Alamy/Otherimages ©StockConnectionBlue/Alamy/Otherimages ©WavebreakMediaLtd/123RF More professions Mais profissões 120 English – Unit 3
  • 43. A nurse A computer technician ©GersonGerloff/PulsarImagens ©Diomedia An engineer A lawyer ©PhotoResearchers/GettyImages A salesperson A waiterA telemarketing operator ©PaulVasarhelyi/123RF ©LuísDávila/PulsarImagens ©BernhardClassen/Alamy/Otherimages ©ImageSource/GettyImages Activity 6 Necessary skills Atividade 6 Qualificações necessárias Observe a lista de qualificações a seguir. Pesquise e acrescente as palavras que não souber ao seu glossário. • Reading. • Writing. • Listening. • Problem solving. • Computation. • Communication. • Teamwork. • Organization. English – Unit 3 121
  • 44. • What are the necessary skills to be a ? What are the necessary skills to be a waiter? • Quais são as qualificações necessárias para ser um(a) ? Quais são as qualificações necessárias para ser um garçom? • Some necessary skills to be a are: . Some necessary skills to be a waiter are: reading, writing and communication. • Algumas qualificações necessárias para ser um(a) são: . Algumas qualificações necessárias para ser garçom são: leitura, escrita e comunicação. • Would you like to be a ? • Você gostaria de ser um(a) ? • Yes, I would like to be a . • Sim, eu gostaria de ser um(a) . • No, I wouldn’t like to be a . • Não, eu não gostaria de ser um(a) . Converse com um colega. Quais são as qualificações necessárias para cada tipo de trabalho? Você pode utilizar o modelo a seguir: You studied Você estudou Nesta Unidade, você trabalhou com temas relacionados à escola e aos diversos tipos de trabalho que os profissionais de- senvolvem nas escolas. Também aprendeu mais sobre o papel do professor e dos outros funcionários da escola. Você viu ainda al- gumas profissões e algumas qualificações necessárias para exercer cada uma delas. A questão da evasão escolar – alunos que abandonam os es- tudos – foi abordada, e a Unidade apresentou alguns fatores que contribuem para esse fenômeno. Think about it Pense sobre Por que algumas crianças e adultos abandonam a escola? O que acontece quando elas não conseguem completar a sua trajetória de estu- dos? Existem alternativas para contornar esse problema? Quais são elas? Pensando nas pessoas com quem você convive: quais estudaram ou estudam? Como se deu a trajetória profissional e educacional delas? 122 English – Unit 3
  • 45. Unit Unidade Nesta Unidade, falaremos sobre moradia, lar e trabalho domés- tico. Você aprenderá o vocabulário referente aos diversos tipos de moradia, profissões e tipos de trabalho doméstico. For starters Para iniciar... Enumere as características que você considera importantes para que uma casa seja considerada digna e adequada para viver. Compar- tilhe sua lista com os colegas. Housing: a citizen’s right Moradia: um direito do cidadão Casa, lar ou moradia não podem ser definidos simplesmente como lugares para morar. Esses termos incluem elementos que vão para além da construção de um prédio ou de uma casa, pois estão ligados a um direito social garantido por lei a todo cidadão. A Constituição brasileira promulgada em 1988 e a Organização das Nações Unidas (ONU) afirmam que todas as pessoas têm direito à moradia, mesmo que não sejam proprietárias de nenhum imóvel. No entanto, sabemos que para muitas famílias brasileiras esse direito ainda não foi atendido. 4 Housing and housework Moradia e trabalho doméstico Did you know? Você sabia? No Brasil, faltam moradias adequadas para cerca de 5,8 milhões de pessoas. Mas, segundo informações do último Censo realizado em 2010, existem mais de 6 milhões de moradias desocupadas (incluindo as que estão sendo construídas). Fonte: PORTAL BRASIL. Número de casas vazias supera déficit habitacional do País, indica Censo 2010. Agência Brasil, 13 dez. 2010. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2010/12/13/numero-de-casas- vazias-supera-deficit-habitacional-do-pais-indica-censo-2010>. Acesso em: 20 dez. 2011. O acesso à moradia adequada está intimamente ligado a vários direitos humanos, como saúde, privacidade e segurança. Apesar disso, aproximadamente um bilhão de pessoas no mundo vivem em condições precárias, sem segurança e dignidade a seus habitantes. 123
  • 46. Types of housing Tipos de moradia House Apartment buildings Camp Shanty Mansion Cabin ©GregSalibian/Folhapress©AlexandreTokitaka/PulsarImagens©GaborNemes/Kino©JoãoPrudente/PulsarImagens ©LiliMartins/Folhapress©JoãoPrudente/PulsarImagens Did you know? Você sabia? Nos Estados Unidos da América (EUA), morar em um trailer, também denominado motorhome, é considerado uma condição precária de vida. Slum Trailer home Stilt house ©JuvenalPereira/PulsarImagens ©Diomedia ©StefanKolumban/PulsarImagens 124 English – Unit 4
  • 47. Activity 1 What do you see? Atividade 1 O que você vê? Convide um colega para fazer esta atividade com você. Aponte para uma das ilustrações mostradas anteriormente e pergunte a ele o que vê. Veja a seguir exemplos de perguntas e respostas que podem ser feitas sobre as imagens. Você também pode criar suas próprias perguntas. What do you see? I see a big house. I see a house made of wood. small bricks. temporary fabric. comfortable steel. Who do you think lives in it? I think a rich poor family lives in it. I think a family of two three four people live in it. Would you live there? Yes, I would certainly live there. Yes, I would. No, I would never live there. No, I wouldn´t. English – Unit 4 125
  • 48. Home sweet home Lar doce lar Leia a seguir alguns fatores que devem ser levados em conta para que uma moradia seja considerada adequada, segundo o Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais da ONU: The right to adequate housing – United Nations (UN) Security of tenure: guarantees juridical protection against forced eviction, harassment and other threats. Availability of services, materials, facilities and infrastructure: an adequate housing must have cer- tain essential facilities for health, safety, comfort and nutrition. Affordability: the costs associated to the house cannot compromise access to other basic needs. Habitability: a housing must provide to the resi- dents protection against cold, rain and other climatic phenomena. Accessibility: people with special needs must have their access to housing guaranteed and ensured. Location: housing is not adequate if it is far from employment opportunities, health-care services, schools, childcare centers and other basic social ser- vices. Cultural adequacy: housing is not adequate if it does not respect and take into account the expression of local cultural identity. O direito à moradia adequada – Organização das Nações Unidas (ONU) Segurança de posse: garante proteção jurídica con- tra a desocupação forçada, o assédio e outras ameaças. Disponibilidade de serviços, materiais, instalações e infraestrutura: uma moradia adequada deve conter certas instalações essenciais para a saúde, segurança, conforto e nutrição. Custeável: os custos associados à casa não devem comprometer o acesso a outras necessidades básicas. Habitável: uma moradia deve proporcionar aos residentes proteção contra frio, chuva e outros fenô- menos climáticos. Acessível: pessoas com necessidades especiais devem ter seu acesso à moradia garantido e assegurado. Localização: a moradia não é adequada se esti- ver longe de oportunidades de emprego, serviços de saúde, escolas, creches e outros serviços sociais básicos. Adequação à cultura local: a moradia não é adequada se ela não respeita nem leva em conta a expressão da identidade cultural local. ©FabioColombini A oca, por exemplo, que é a habitação do índio, pode parecer, para quem não é índio, pouco confortável, mas é a expressão da identidade cultural da tribo. Fonte: ONU. The right to adequate housing. Fact sheet, 21/1. Disponível em: <http://www.ohchr.org/ Documents/Publications/FS21_rev_1_Housing_en.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2011. 126 English – Unit 4
  • 49. Activity 2 Noticing the differences Atividade 2 Perceber as diferenças Observe a foto a seguir: Vista aérea do bairro do Morumbi mostra prédio de apartamentos de luxo que faz divisa com a favela de Paraisópolis, São Paulo (SP), 20 jan. 2004. Coleção Pirelli/Masp. O que você vê? Relate em voz alta para um colega. Procure utili- zar frases e palavras em inglês. Peça ajuda ao professor e consulte o seu glossário se necessário. Depois, faça o registro das suas opiniões de forma escrita. Você pode utilizar as seguintes estruturas e palavras, além das que você pesquisar no seu glossário: I see Eu vejo there is/there is not há/não há (para o singular) there are/there are not há/não há (para o plural) there is much há muito(a) (incontável) there are many há muitos(as) (contável) next to ao lado de roofs telhados plants plantas sport courts quadras de esportes swimming pools piscinas balconies sacadas green verde gray cinza white branco(a) brick houses casas de tijolos building prédio ©TucaVieira/Folhapress English – Unit 4 127
  • 50. Parts of the house Partes da casa 1. Fence 2. Lawn 3. Living room 4. Doorstep 5. Pathway 6. Door 7. Kitchen 8. Laundry 9. Garage 10. Bathroom 11. Bedroom 12. Roof Time for citizenship Momento cidadania Nas grandes cidades brasileiras, cada vez mais deparamos com realidades como a da foto publicada anteriormente. A qualidade das moradias e da urbanização dos bairros é muito desigual. Nesse sentido, ela reflete em parte a desigualdade social bra- sileira. Mais do que refletir, ela reproduz essa desigualdade social. Problemas como ur- banização precária, péssima qualidade dos transportes públicos e moradias insalubres são, infelizmente, muito comuns e convivem com bairros repletos de prédios e casas de alto padrão, que têm custos muito altos. Ao mercado imobiliário interessa lucrar com os negócios, e não tanto saber se a qua- lidade do trânsito vai piorar no bairro, ou se o bairro tem estrutura de esgoto e energia elétrica suficientes para o crescimento do número de habitantes. Você já reparou que nos bairros que crescem com o mercado imobiliário os preços das mercadorias e serviços também crescem, fazendo com que os antigos moradores sejam praticamente “expulsos”? Para tentar reorientar o crescimento das cidades, pensando numa urbanização que considere todos os bairros, não apenas os que interessam ao mercado imobiliário, foi criado um instrumento chamado Plano Diretor. O Plano Diretor é obrigatório para todas as cidades com mais de 20 mil habitantes; é nele que se determina o que se pode ou não fazer em termos de construções na cidade. Quando o Plano Diretor é feito com a participação da sociedade civil e dos gover- nos, a tendência é que ele procure atender aos interesses dos grupos da cidade: empre- gadores, trabalhadores, comerciantes, estudantes etc. ©LeandroRobles/Pingado 128 English – Unit 4
  • 51. • What is your house like? • My house is . • My house has ? • How many people live in your house? • There are people living in my house. • Como é a sua casa? • Minha casa é . • Minha casa tem ? • Quantas pessoas moram na sua casa? • Há pessoas morando na minha casa. Housework and houseworkers Trabalho de casa e trabalhadores domésticos Leia atentamente o exemplo a seguir. The cook’s job is to cook for the residents of a house. O trabalho de cozinheiro é cozinhar para os moradores de uma casa. His workplace is the kitchen of a house. Seu local de trabalho é a cozinha de uma casa. Activity 3 Talk about your house Atividade 3 Fale sobre sua casa Compartilhe com um colega algumas características da sua casa. Observe alguns modelos de perguntas e respostas: Agora leia as próximas descrições em inglês. O formato é o mesmo do exemplo. Utilize as imagens para deduzir o significado. The babysitter’s job is to take care of the children. Her/his workplace is the house, specially the children’s room. The maid’s job is to do housework, including washing and ironing. Her/ his workplace is the laundry. ©BewAuthors/Easypix The guard’s job is to protect the residents and their house. His/her workplace is the security cabin. ©LuísDávila ©LuísDávila English – Unit 4 129
  • 52. The cleaner’s job is to clean houses. Her/his workplace is the entire house. The driver’s job is to transport the residents of a house. His/her workplace in the house is the garage. The gardener’s job is to take care of plants and flowers in the garden. His/her workplace is the garden of a house. The elderly companion’s job is to accompany and take care of the elderly. Her/his workplace is variable, always close to the elderly. ©LuísDávila ©LuísDávila ©LuísDávila ©Dave&LesJacobs/Easypix Types of housework Tipos de trabalho doméstico Veja agora alguns verbos novos relacionados ao trabalho doméstico: To clean the bathroom To wash the dishes DreamPictures/Vstock/Easypix To wash the windows ©MykolaVelychko/123RF ©WestCoastSurfer/Easypix 130 English – Unit 4
  • 53. To polish the furniture To sweep the floor ©LuísDávila ©LuísDávila To wax the floor To vacuum the floor To make the bed To iron the clothes To look after a child To cook To mop the floor ©AlexeyStiop/Alamy/Otherimages ©Diomedia ©JanMika/123RF ©RobertNystrom/123RF ©Diomedia ©WoodyStock/Alamy/Otherimages ©Diomedia Activity 4 Do you do any kind of housework? Atividade 4 Você faz algum tipo de trabalho doméstico? Pergunte a um colega sobre os tipos de trabalho doméstico que ele faz. Exemplos: Estudante 1 – Do you sweep the floor? Estudante 2 – Yes, I do. / No, I don’t. English – Unit 4 131
  • 54. Activity 5 Information in graphs Atividade 5 Informação em gráficos 1. Observe alguns gráficos sobre gênero e trabalho doméstico no Brasil: Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores – 2009. Disponível em: <http:// www.ibge.gov.br/home/ estatistica/populacao/ trabalhoerendimento/pnad2009/ pnad_sintese_2009.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2011. Male (6,4%) House workers by gender, 2008 Male (6,4%) Female (93,6%) Work inside and outside the house (double shift), 2008 0 20 40 60 80 100 Male (45,3%) Female (86,3%) (%) Fonte: IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira – 2009 (Série Estudos e Pesquisas, 26). Disponível em: <http://www. ibge.gov.br/home/estatistica/ populacao/condicaodevida/ indicadoresminimos/ sinteseindicsociais2009/indic_ sociais2009.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2011. Fonte: IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira – 2009 (Série Estudos e Pesquisas, 26). Disponível em: <http://www. ibge.gov.br/home/estatistica/ populacao/condicaodevida/ indicadoresminimos/ sinteseindicsociais2009/indic_ sociais2009.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2011. Hours per week Time spent in housework, 2008 Male 9,7 Female 23,9 0 5 10 15 20 25 30 132 English – Unit 4
  • 55. Observe agora o correspondente em português para as seguintes palavras e expressões: gender gênero double shift dupla jornada (trabalho fora e dentro de casa) male homem, sexo masculino female mulher, sexo feminino man homem men homens woman mulher women mulheres What is the percentage of male house workers in Brazil? The percentage of male house workers in Brazil is 6,4%. Responda as seguintes perguntas por escrito de forma completa. Observe o exemplo: a) What is the percentage of female house workers in Brazil? b) What is the percentage of men that have a double shift? c) What is the percentage of women that have a double shift? d) How many hours do men spend with housework a week? English – Unit 4 133
  • 56. e) How many hours do women spend with housework a week? 2. Complete as frases a seguir: a) work more hours per week than . b) More than have a double shift. c) There are more house workers than there are house workers. You studied Você estudou Nesta Unidade você trabalhou o vocabulário relacionado à moradia e aos diversos tipos de trabalho doméstico. Você co- nheceu tanto as palavras em inglês para os diferentes tipos de moradia como as palavras para cada parte de uma casa. A Unidade abordou a questão de gênero relacionada ao tra- balho doméstico. Você viu que a maior parte dos trabalhado- res domésticos no Brasil é composta por mulheres, muitas delas cumprindo, além da jornada regulamentar de trabalho, outra atividade: a doméstica. Think about it Pense sobre Quais são os motivos que explicam esse quadro? O que fazer para que homens e mulheres compartilhem das atividades domésticas de uma forma mais igualitária? 134 English – Unit 4