• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Auto Avali Be
 

Auto Avali Be

on

  • 531 views

Modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar

Statistics

Views

Total Views
531
Views on SlideShare
527
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

3 Embeds 4

http://palavraslocas.blogspot.com 2
http://www.palavraslocas.blogspot.com 1
http://palavraslocas.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Auto Avali Be Auto Avali Be Presentation Transcript

    • AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MACEIRA MODELO DE AUTO – AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Avaliar “para validar o que fazemos, como fazemos, onde estamos e até onde queremos ir, mas sobretudo o papel e intervenção, as mais-valias que acrescentamos.” Helena Silva
    • “ A BIBLIOTECA constitui um instrumento essencial do desenvolvimento do currículo escolar e as suas actividades devem estar integradas nas restantes actividades da escola e fazer parte do seu projecto educativo. Ela não deve ser vista como um simples serviço de apoio à actividade lectiva ou um espaço autónomo de aprendizagem e ocupação de tempos livres.” Veiga (2001) “ A ligação entre a biblioteca escolar, a escola e o sucesso educativo é hoje um facto assumido por Organizações e Associações Internacionais que a definem como um núcleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola.” “ Os caminhos percorridos no âmbito tecnológico e digital introduziram mudanças significativas (…) na forma de acesso, produção e comunicação da informação, novas estruturas e novos espaços de aprendizagem (…) As bibliotecas enfrentam , neste novo contexto e na sua relação com a escola, novos desafios que obrigam à redefinição de práticas e a uma liderança e demonstração do seu valor que as integrem na estratégia ensino/aprendizagem da escola e nas práticas de alunos e professores.” BE no contexto escolar…
    • “ À biblioteca escolar cabe, neste contexto, um papel de liderança, assumindo-se como um recurso indutor de inovação, um recurso que contribua e tenha um papel activo e de resposta às mudanças que o sistema introduz, trazendo valor à escola no cumprimento da sua missão e no cumprimento dos objectivos de ensino/aprendizagem” “ A invisibilidade do professor coordenador deve dar lugar a uma acção integradora de objectivos e práticas que se adaptem à mudança e ao link considerado vital para a sobrevivência e para a qualidade da biblioteca escolar: a ligação ao currículo e ao sucesso escolar dos alunos.” Um dos desafios actuais das bibliotecas escolares é ultrapassar o modelo centrado na oferta de um espaço equipado a que é possível e onde é possível aceder a um conjunto de equipamentos e de recursos de informação. É neste contexto que surge a necessidade de avaliar a acção e o contributo das bibliotecas escolares . Daí a pertinência do Modelo de Auto-Avaliação das BEs, do Gabinete da Rede de Bibliotecas escolares.
    • Agrupamento de Escolas de Maceira Avaliar a biblioteca? Para quê? ● Para aferir a eficácia dos serviços e identificar as áreas de sucesso e as áreas que necessitam de intervenção; ● Para aferir o impacto da BE no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos e na literacia; ● Para potenciar pontes fortes e oportunidades; ● Para detectar debilidades e sucessos com vista a adopção de novas práticas que conduzam à melhoria; ● Para aferir o grau de satisfação dos utilizadores, ● Para ajustar continuamente as práticas com vista à melhoria dos resultados; ● Para planear para o desenvolvimento, transformando boas ideias em boas práticas e para definir metas. ● Para promover o benchmarking ; ● Contribuir para a afirmação e reconhecimento da BE.( interno e externo). “ Para validar o que fazemos, como fazemos, onde estamos e até onde queremos ir, mas sobretudo o papel e intervenção, as mais-valias que acrescentamos.”
    • Avaliar o quê? O Modelo construído para a avaliação das BEs é constituído por QUATRO DOMÍNIOS , divididos em SUBDOMÍNIOS , procurando reflectir as áreas-chave de actividades da BEs, enquanto espaços disponibilizadores de recursos ( materiais, humanos, financeiros e de informação9 e estruturas formativas de aprendizagens relacionadas com o currículo e a promoção da leitura e das literacias no contexto escola e comunidade educativa. A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular. A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes A.2 Desenvolvimento da literacia da informação B. Leitura e Literacias C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade C.1Apoio a actividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular C.2 . Projectos e Parcerias D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE D.2 Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços D.3Gestão da colecção Estrutura do Modelo
    • Cada domínio inclui: Indicadores ou critérios – apontam para aspectos nucleares de intervenção inerentes a cada subdomínio; permitem a aplicação de elementos de mediação.. Factores críticos de sucesso – exemplos de situações, ocorrências ou acções que demonstram sucesso e são valorizadas na avaliação de cada indicador. Recolha de evidências – exemplos de elementos, fontes e instrumentos de recolha de dados, através dos quais será possível apurar a que nível de performance corresponde a prática da biblioteca em relação com os indicadores. Acções de melhoria – propostas de iniciativas variadas a realizar no caso de ser necessário melhorar o desempenho da BE em relação com aquele indicador.;
    • Fazem ainda parte do Modelo, estabelecidos para os diferentes subdomínios, um conjunto de PERFIS DE DESEMPENHO . 4 níveis de performance Fraco Satisfatório Bom Excelente O seu objectivo é ajudar a escola a identificar qual o nível que melhor corresponde à situação da biblioteca em cada subdomínio e perceber, de acordo com o nível atingido, o que é necessário ser alterado para melhorar para o nível seguinte.
    • METODOLOGIA E APLICAÇÃO DO MODELO: CONCEITOS IMPLICADOS A implementação do Modelo de Auto-Avaliação implica: Motivação e compromisso institucional da Direcção da escola e dos órgãos de gestão pedagógica com o processo de auto-avaliação da escola; A participação da BE em reuniões de docentes para a recolha de informação; Definição de formas de colaboração com os docentes na recolha de evidências sobre os alunos; A aceitação e reconhecimento dos resultados por todos e o envolvimento na subsequente promoção de um plano de melhoria e desenvolvimento; A aferição da qualidade e eficiência da biblioteca escolar e não do desempenho individual do coordenador e elementos da equipa;
    • A apresentação e discussão de resultados: ● Junto dos órgãos de decisão pedagógica sob a forma de relatório final; ● Junto de toda a comunidade escolar através dos Coordenadores de departamento e da publicação on-line para todo o Agrupamento; A integração de uma síntese dos resultados no relatório da avaliação da escola, permitindo à Equipa de Avaliação Externa a avaliação do impacto da BE na escola. O envolvimento de toda a Comunidade Escolar e a procura de melhoria através da acção colectiva.
    • As execução do Modelo de Auto-Avaliação Adequação do modelo à realidade da Escola / Agrupamento; Selecção do domínio a avaliar ( “A escolha do domínio a avaliar deve partir do professor coordenador/ equipa, mas deve resultar de uma decisão fundamentada, por forma a ser validamente justificada junto dos órgãos executivos e de decisão pedagógica.”); Selecção da amostra; Calendarização do processo; Diagnóstico e delineação de um Plano de Acção com as prioridades a desenvolver; Divulgação da aplicação do modelo à Comunidade Educativa; Definição dos instrumentos de recolha a utilizar para cada indicador temático; Produção de instrumentos necessários ( Questionários, entrevistas, grelhas de observação; ETAPAS
    • Recolha de evidências ( questionários, materiais de apoio produzidos; Grelhas de observação; estatísticas; planificações…; Análise dos dados recolhidos; Determinação dos perfis de desempenho; Perspectivação de acções de melhoria; Elaboração do Relatório de Auto-Avaliação; Apresentação / análise do relatório em Conselho Pedagógico; Delineação de um Plano de Acção, onde são estabelecidas as prioridades e objectivos de melhoria; Comunicação dos resultado da avaliação e medidas de melhoria a empreender através do site da BE; Jornal Impacto on-line…), a integrar no Relatório de Avaliação Interna da escola / Agrupamento. ETAPAS ( Continuação)
    • “ O Relatório de Auto-Avaliação da BE é o instrumento de descrição dos resultados da auto-avaliação, de identificação do conjunto de acções a ter em conta no planeamento futuro e de difusão desses resultados e acções junto da escola / Agrupamento e dos seus órgãos de gestão.” Nota : Apesar de em cada ano ser apenas avaliado um Domínio através do recurso ao modelo de Auto - Avaliação da RBE, deve ser feita referência aos restantes domínios da BE no Relatório Anual da BE.
    • Agrupamento de Escolas de Maceira IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO Toda a Comunidade educativa é envolvida no processo Critérios a ter na implementação do Modelo ● Abranger a diversidade de alunos da escola: os vários níveis de escolaridade, as várias origens/nacionalidades; rapazes e raparigas; alunos com necessidades educativas especiais e outros; ● Abranger a diversidade de professores da escola, aplicando os questionários aos diferentes Departamentos; ● Recolher dados em diferentes momentos do Ano Lectivo ( através de inquéritos e/ ou grelhas de observação), para poder verificar se existe alguma evidência de progresso;) “ O processo de auto-avaliação deve enquadrar-se no contexto escola e ter em conta as diferentes estruturas com as quais é necessário interagir . O director (…) deve envolver-se desde o primeiro momento, ser líder coadjuvante no processo e aglutinar vontades e acções, de acordo com o poder que a sua posição lhe confere. Mas existem ainda os professores, alunos e pais (…) “
    • Mais valias decorrentes da Auto-avaliação da BE … ● Reconhecimento da BE como espaço de recurso, de formação, de aprendizagem intrinsecamente relacionada com a escola, com o processo de Ensino / Aprendizagem, com a leitura e literacia; ● Reflexão sobre o papel da BE no processo de Ensino / Aprendizagem, no desenvolvimento curricular e no sucesso educativo; ● Análise do impacto da implementação do Modelo de Avaliação da BE na escola, isto é, aferição das modificações positivas ao nível das atitudes, dos valores e conhecimento dos seus utilizadores; ● Reconhecimento de que o recurso ao modelo de auto-avaliação é o ponto de partida para a gestão participada das mudanças que a sua aplicação impõe; ● Contribuição para a elaboração de um novo plano de desenvolvimento com vista a melhoria; ● Articulação, colaboração e comunicação em permanência na escola e com outros stakeholders;
    • Agrupamento de Escolas de Maceira “ A auto-avaliação deve ser encarada como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE” “… a recolha de evidência, ajudará cada BE a identificar o caminho que deve seguir com vista à melhoria do seu desempenho. A auto-avaliação deverá contribuir para a elaboração do novo plano de desenvolvimento, ao possibilitar a identificação mais clara dos pontos fracos e fortes, o que orientará o estabelecimento de objectivos e prioridades, de acordo com uma perspectiva realista face à BE e ao contexto em que se insere” RBE, Modelo de Auto-Avaliação , 2008 Auto - avaliação… que caminho? “ Attributes of a positive attitude include passion, enthusiasm, optimism and energy. Successful school librarians are often characterized by their positive can do attitudes” Ergenberg e Miller, 2002, “This Man Wants to Change your Job” “… a avaliação não constitui um fim, devendo ser entendida como um processo que deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças concretas na prática.”
    • Agrupamento de Escolas de Maceira Bibliografia… ● Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (2008). Disponível em: http:// www.rbe.min-edu.pt /np4/np4/31.html ● Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares – Instrumentos de recolha de dados (2008). Disponível em: http://www.rbe.minedu.pt/np4/np4/31.html ● Texto da sessão “O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola / Agrupamento” (disponibilizado na plataforma) ● Todd, Ross (2002) “Schooç librarian as teachers learning outcomes and evidence - based partice” 68th IFLA Council and general Conference August