Your SlideShare is downloading. ×
0
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Introdução ao P2P
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Introdução ao P2P

1,817

Published on

Peer-to-peer, o que é?

Peer-to-peer, o que é?

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,817
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Segurança em Sistemas de Computação Redes Peer-to-Peer (P2P) Jean Pimentel Rafael Lima
  • 2. Introdução ● O que é P2P? ● Sistemas Distribuídos. ● Descentralização.
  • 3. Contexto ● Estimativas para Dezembro/2010 ● População mundial: 6,76 bilhões ● Usuários: 1,802 bilhões – Fonte: internetworldstats.com ● Servidores centralizados podem ser gargalos. ● P2P é fundamental para acompanhar o ritmo.
  • 4. Princípios ● Auto-organização ● Compartilhamento de recursos ● Nós participantes: ● possuem o mesmo nível de importância ● diretamente conectados uns aos outros ● atuam como cliente e servidor.
  • 5. História ● O conceito é antigo. ● USENETS – UUCP: Unix-to-Unix Protocol ● (RFC 976, 1986 – RFC 1137, 1989) – NNTP: Network News Transfer Protocol ● (RFC 997, 1986 – RFC 3977, 2006) ● DNS – (RFC 920, 1984 – ....)
  • 6. Arquiteturas ● Até que surgiu o NAPSTER: ● Compartilhamento de Arquivos ● Junho de 1999 ● Tornou o termo P2P conhecido. ● Nó se conecta a rede e envia para um servidor central (Farm) o seu índice de MP3s. ● Nós requisitam ao Farm determinado arquivo. ● Farm retorna uma lista de nós que o possuem. ● Nó requisitante se conecta diretamente para transferência.
  • 7. Arquiteturas ● NAPSTER ● Ponto Forte: – Busca rápida e eficiente. ● Ponto Fraco: – Farm é ponto de falha e de alto custo de manutenção.
  • 8. Arquiteturas ● Então veio a Gnutella: ● Março de 2000 ● Verdadeira rede P2P – Não há servidor central. ● Nó (A) deve conhecer no mínimo um nó (B) conectado à rede. ● A conecta-se a B, que retorna uma lista de outros nós ativos. ● A repete o processo até atingir n conexões. ● A requisita arquivo aos seus nós, que propagam a requisição. ● Com o retorno, A se conecta diretamente para transferência. ● Ao sair, A salva suas conexões ativas para o regresso.
  • 9. Arquiteturas ● Gnutella ● Ponto Forte: – Totalmente distribuída, elimina pontos de falha. – Protocolo aberto. ● Ponto Fraco: – Busca ineficiente, mensagens duplicadas na rede, nós inalcançáveis.
  • 10. Arquiteturas ● KaZaA: ● Março de 2001 ● Combina o melhor do NAPSTER e Gnutella. ● Organização hierárquica com super nós. ● Nó deve conhecer um super nó da rede. ● Nó requisita arquivo ao super nó, que busca em seus filhos e propaga a requisição à outros super nós. ● Com o retorno, o nó se conecta diretamente para transferência.
  • 11. Arquiteturas ● KaZaA ● Ponto Forte: – Totalmente distribuída, elimina pontos de falha. – Busca melhor e mais rápida. ● Ponto Fraco: – Busca ainda assim não cobre todos os nós. – Cria-se pontos de ataque (super nós).
  • 12. Arquiteturas ● Enfrentaram problemas de copyright. ● Os proprietários responsabilizavam os serviços e não os usuários. (É mais fácil? Os serviços têm culpa?) ● Usuários buscam a anonimidade. ● Ideia de rotear o tráfego por nós intermediários – Não é eficiente. Lento e com muita sobrecarga.
  • 13. Arquiteturas ● BitTorrent ● 2001 ● Nova abordagem para compartilhamento ● Objetivo: replicar rapidamente um arquivo na rede. ● “Distribuidor de Conteúdo” ao invés de “Compartilhador de Arquivos” ● Arquivos são divididos em partes (64kb à 4Mb) e que independem da ordem de transferência.
  • 14. Arquiteturas ● BitTorrent ● Protocolo não indexa arquivos, isentando-o de responsabilidades judiciais com conteúdo ilegal. ● Usuário deve buscar um “torrent” em algum lugar. – Torrent: arquivo de metadados: nome, tamanho, hash e endereço do tracker. ● Nó se conecta com tracker, obtendo a lista de nós que possuem partes do arquivo. – Trackers são servidores que auxiliam a conexão inicial entre os nós. ● Nós se conectam diretamente para transferência de arquivos, priorizando partes mais raras na rede. ● Política Tit-for-Tat: prioriza nós que contribuem mais.
  • 15. Arquiteturas ● BitTorrent ● Ponto Forte: – Alta distribuição de conteúdo. – Força a contribuição. ● Ponto Fraco: – Para arquivos grandes.
  • 16. Revisão P2P File Listing Node Connections Centralized Decentralized Structured Unstructured NAPSTER Gnutella HyperCup Gnutella BitTorrent
  • 17. Desafios de Segurança ● Direitos autorais (?) ● Vírus, malwares, spywares ● Anonimidade ● Controle de Acesso ● Negação de Serviço ● Integridade e Autenticação dos Dados ● Pontuações dos Usuários ● Consumo de Tráfego

×