Plano Diretor Jica 2011

  • 4,818 views
Uploaded on

 

More in: Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,818
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Estudo Preparatório para o Projeto de Medidas dePrevenção e Mitigação dos Desastres na Bacia do Rio ItajaiElaboração do Plano Diretor – Base conceitual de medidas para enchentes Equipe de Estudos da JICA 8 de junho de 2011
  • 2. 1. Desastres naturais ocorridos recentementeDesastres ocorrem quando cai no esquecimento.Prevenção evita aborrecimento futuro. Ações para construir cidades resistentescontra os desastres Ocorrências de terremoto no nordeste do Japão e enchente do Rio MississipiLições aprendidas: Desastres que ocorrem compouca frequência também ocorrerão novamente comcerteza 2
  • 3. 1.1 Terremoto no nordeste do Japão (11/03/2011) Fonte: Boston.com 3
  • 4. 1.1 Terremoto no nordeste do Japão (11/03/2011)Fonte: Boston.com 4
  • 5. 1.1 Terremoto no nordeste do Japão (11/03/2011)Fonte: Boston.com 5
  • 6. 1.1 Terremoto no nordeste do Japão (11/03/2011)Fonte: Sankei News 6
  • 7. 1.2 Inundação do Rio Mississipi (05/2011)Fonte: Boston.com
  • 8. 1.3 Inundação do Rio Itajaí (11/2008)Inundação de 70% da área urbana 8
  • 9. 1.4 Inundação do Rio Itajaí (7/1983 e 8/1984) Foto : Desastre de 2008 no Vale do Itajaí 9
  • 10. 2. Princípios básicos de medidas para enchentesa. Rio Itajaí é rio natural, deverão ser considerados os aspectos ambientais, incluindo a preservação da mata ciliar.b. Evitar efeito adverso a jusante, causado pelo aumento da vazão de enchentes com a adoção de medidas.c. Elevar a capacidade de contenção na bacia e retardar ao máximo de escoamento ao Rio Itajaí-açu.d. Promover uso múltiplo das instalações ou espaços existentes na bacia. 10
  • 11. 2.1 Diretrizes básicas para medidas de enchentesElaborar as medidas, retardando o máximo de escoamento utilizandoefetivamente o efeito de armazenamento temporário nas margens dos rios,planícies aluviais, áreas de pastagens, etc (espalhar enchentes dentro da sub-bacia). Controle de Enchentesa. Medidas de contenção na bacia, armazenando as águas de chuvas nas arrozeiras e pequenas barragens.b. Uso efetivo das instalações de barragens existentes: aumento capacidade de contenção, com a sobre-elevação das barragens contenção de cheias e uso barragens hidrelétricas para o controle de cheias (alteração nofunciona/to).c. Manutenção do efeito de retardamento das áreas de pastagens e de agricultura (efeito de redução do escoamento de enchente a jusante)d. Fortalecimento do sistema de alerta de enchentes para atenuar os danos e salvar a vida das pessoas.e. Será avaliado a criação da planície de inundação, alargamento dos leitos e canal extravasor para o controle de enchentes de grau de segurança mais 11 elevado, pois os efeitos das medidas nas bacias são limitados.
  • 12. 2.2 Plano Integrado do GTC 12 12
  • 13. 2.3 Elaboração do Plano Diretor, alinhado com o princípio básico do Plano Integradoa. A água é parte do todo as medidas de enchentes serão consideradas para a bacia como um todo.b. A água deve ser armazenada tanto quanto possível Retardar o escoamento de enchente para o Rio Itajaí-açu, contendo máximo dentro da bacia.c. Deve-se respeitar a dinâmica natural do rio o rio por natureza alaga, deve permitir a inundação na enchente.d. Os riscos existem e é preciso aprender e lidar com eles o aprendizado com as inundações e danos decorrentes deverão servir para construir cidades mais resistentes contra desastrese. O sucesso do plano depende que todas as ações sejam integradas e articuladas Controle abrangente de medidas de enchentes 13
  • 14. 2.4 Adoção de medidas, considerando o princípio básico do Plano Integrado Cidade A Cidade BCondição 100 100 100atualMelhora/to 100 120 120FluvialContenção 100 80 100 100na BaciaO aumento da vazão a jusante, é compensado com asmedidas adotadas na montante (medida abrangente nabacia) 14
  • 15. 2.5 Medidas de enchentes aplicáveis na Bacia do Rio Itajaí Reforma de barragens existentes, Medidas no canal de rio diques de contenção, canal (medidas estruturais) extravasor, diques em anel, novas barragens de contenção, etc Contenção de águas, Contenção das águas de chuva nas aumento/manutenção do arrozeiras e pequenas barragens efeito de retardamento, (lago de contenção), Plano da (CRAVIL)Propostas alternativas demedidas de enchentes para Medidas na baciaa Bacia do Rio Itajaí Regularização do uso de solos, Gerenciamento das planícies de gerenciamento de desenvolvimento inundação (desenvolvimento das áreas de inundação, mudança de urbano resistentes a estrutura da construção, inundações) fortalecimento das APP Medidas para ações de Fortalecimentos das estruturas do emergências durante sistema de /alarmealarme, grupo de enchentes ação de contingência, evacuação, etc. 15
  • 16. 3. Conteção de água de chuvas nas arrozeirasCRAVIL tem plano para a contenção de água de chuvas nas arrozeirasnuma área de 22.000 hectares na Bacia do Rio Itajaí. As alturas dastaipas das quadras de 10cm serão elevadas para 30cm. Possibilidadede contenção de águas de chuvas de 42.000.000m3 no máximo. 16
  • 17. 4.Sobre-elevação das Barragens Oeste e SulAlteamento de 2m da Barragem Oeste. Alteamento de 2m dovertedouro da Barragem Sul. Com isso, possibilitará aumento de33.000.000m3 de contenção nos reservatórios aproximadamente. Barragem Oeste Barragem Sul 17
  • 18. 5. Uso da barragem hidrelétrica de acumulação para contenção de cheias2 barrragens da CELESC (Rio Bonito e Pinhal), existentes na montante do Rio dosCedros, serão utilizadas para o controle de enchentes, realizando a descargapreventiva antes da enchente. Vazão afluente da Vazão Volume de contenção barragem cheias Volume descarga Descarga preventiva Volume descarga preventiva Tempo Barragem Pinhal Barragem Rio Bonito 18
  • 19. 6.1 Acumulação temporária de cheias na planicíe de retardamento- Desviar enchentes de Rio Itajaí-açu de forma planejada para a planíciede retardamento, reduzindo a vazão de enchentes. Em período normal Durante inundação 19
  • 20. 6.2 Ilustração do efeito de retardamento Volume de inundação (controle de enchente)Alagamento de 0.5m nas margens dos rios e áreas de pastagens e delavouras (+- 50.000 ha), o volume de inundação (contenção) é? 50,000ha x 100m x 100m x 0.5m = 250.000.000m3 Volume de contenção:Barragem Oeste = 83.000.000m3, Barragem Sul = 93.500.000m3, Barragem Norte = 357.000.000m3 20 20
  • 21. 6.3 Efeito de inundação na jusante do Rio Itajaí-açu Município de Gaspar Montante do Município de ItajaiA inundação ocorrida entre Gaspar e Itajaí possivelmente tenha evitado ainundação do Rio Itajaí-açu na cidade de Itajaí, devido ao seu efeito dearmazenamento temporário. 21
  • 22. 6.4 Atenuação das enchentes com o efeito da Bacia de Retardamento Condição Normal Condição de alagamentoPlanície de inundação Fonte: Iwate Office of River and National Highway, Ministry of Land, Infrastructure and Transport 22
  • 23. 6.5 Importância da preservação (controle dedesenvolvimento) da planície de inundação que exerce afunção de retardamento (Arrozeiras, áreas de lavouras epastagens) 23 23
  • 24. 6.5 Importância da preservação (controle de desenvolvimento) da planície de inundação que exerce a função de retardamento (Arrozeiras, áreas de lavouras e pastagens) Cidade A Cidade B 10 Situação 100 100 80 80 atual 10 Retarda/to 20Melhoramento 100 120 80 80fluvial e 20planície deretardamento Desenvolvimento na planície de retardamentoDesenvolvimento 100 120 100 100da planície deretardamento 20 24
  • 25. 7.1 Uso da APP com transformação do leito em seção compostaPreservar a mata ciliar no leito de inundação (aproveitamento do espaçoem forma de parque público), transformando a avenida em dique(elevando a altura) ou construir diques para utilizar como avenida. 25 25
  • 26. 7.2 Uso da APP e transformação do leitoem seção composta (exemplo do Japão)Source: Arakawa RiverLower Reach Office, Ministry of Land, Infrastructure and Transport 26
  • 27. 7.2 Uso da APP e transformação do leitoem seção composta (exemplo do Japão) 27
  • 28. 7.2 Uso da APP e transformação do leitoem seção composta (exemplo do Japão) 28
  • 29. 8.1 Barragens de pequeno porte (Não éobjeto de Estudo de Viabilidade) Volume de contenção necessária e localização proposta Plano de 5 anos 9.000.000m3 (2 locais) Plano de 10 anos 28.000.000m3 (5 locais) Plano de 25 anos 41.000.000m3 (7 locais) Plano de 50 anos 41.000.000m3 (7 locais) 29
  • 30. 8.2 Proposta alternativa da barragem de pequeno portePlano de enchentes de 5 anos necessita de 9.000.000m3 decontenção. Se considerar barragem de pequeno porte namicrobacia…. V=100m x 100m x 1m = 10000 m3 Necessidade de 900 barragens desse porte V=10m x 10m x 1m = 100 m3 Necessidade de 90.000 barragens desse porte. 30
  • 31. Muito obrigado por sua atenção ! Equipe de Estudo da JICA 31 31