Your SlideShare is downloading. ×
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Fuga para a felicidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Fuga para a felicidade

1,675

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,675
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Fuga para a felicidade IAmélia está saindo da estalagem quando encontra Beatriz:- Oi, Amélia! Faz tempo que você não aparece no salão.- São tantos problemas que nem tenho conseguido cuidar de mim direito. Masfoi bom te encontrar, Beatriz. Será que podemos conversar um pouco?- Claro, vamos entrar, peço para a Terê trazer um suco para nós.Elas sentam numa das mesinhas da estalagem. Amélia pergunta:- Você sabe muita coisa sobre o passado do Max, né?- Infelizmente. Às vezes as mulheres como eu fui um dia acabam ouvindo maisconfissões que um padre.- Então você o ouviu falar sobre a explosão da mina? Escutei sem querer umaconversa entre a Manu e o Solano.- Mais do que falar, o Max se vangloriava disso... ria contando da bolada dedinheiro que ganhou do seguro.- Meus Deus, como pude ficar tanto tempo ao lado desse homem? Sinto atévontade de vomitar - diz Amélia, com uma expressão de náusea.- Eu imagino - devolve Beatriz, compreensiva.- Não, você não pode imaginar o que tem sido a minha vida - desabafa Amélia,com uma sombra no olhar - Eu preciso achar uma saída, tenho que deixaraquela casa.- Mas o que lhe impede de se separar do Max?- O medo. Não por mim, mas por uma pessoa maravilhosa que entrou naminha vida e a encheu de amor... - ela sorri por um instante, mas logo pareceangustiada - Tenho certeza que no momento em que eu sair daquela casa, oMax manda matar essa pessoa. Eu não posso perdê-lo, não posso...Amélia respira fundo, tentando não chorar.- Você encontrou um novo amor, Amélia?- Eu finalmente encontrei um amor, como eu nunca tive.- Que bom! Fico feliz por você.- Mas você não pode comentar isso com ninguém. Só com a Terê, ela sabetambém.- Claro, da minha boca ninguém vai saber - Beatriz pega as mãos de Amélia -Conte comigo para o que você precisar, viu?- Obrigada.Ao chegar em casa, Veloso relata a Max que Amélia encontrou com Beatriz.Amélia está na sala, desenhando novas peças para a Rurbano, quando Max aaborda:- O que andastes conversando com aquela china, mãe do gaúcho caborteiro?- Não é da sua conta - Amélia responde rispidamente, sem tirar os olhos dopapel.- Já não te disse para ficares longe dela? Mulher minha não tem esse tipo deamizade!Amélia levanta os olhos e devolve com altivez:- Ora, Max, a Beatriz é muito mais decente do que você! Ela nunca cometeunenhum crime. Já você... não tem moral para falar de ninguém.- Que mentiras ela andou te contando?
  • 2. - Está com medo, é? - retruca Amélia, com um sorriso irônico, mas depoisfecha a cara - Quer saber qual dos seus podres ela me revelou? Sabe de umacoisa? Eu tenho é pena da Beatriz, que para ganhar a vida tinha que ouvirtanta sujeira!- Isso não é jeito de falar com teu marido. Me respeita, Maria Amélia! - ele apega pelo braço - Ouviste? Me respeita, ou posso fazer coisas que tu não vaisgostar...- Me larga, Max, já disse pra não encostar em mim! - grita Amélia, tentando sesoltar.Manu entra em casa e grita:- Pai! Que você está fazendo?Max larga Amélia e muda o tom, falando com calma:- Minha filha, estava só tendo uma conversa com sua mãe. Coisa de marido emulher, sabe?- Pára com o teatro, seu Max... não convence mais nem a mim - respondeManu olhando para o pai de um jeito muito desconfiado.- Tudo bem, tudo bem... - ele diz para a filha, depois se dirige à Amélia - Depoisterminamos essa conversa.Max sai da sala, e Manu se aproxima da mãe:- Ele te machucou, mãe?- Não, só tentou me segurar. Ah, uma hora eu... - Amélia se cala antes de dizer"acabo matando o Max" e esconde o rosto com as mãos.Manu a abraça, e elas ficam em silêncio por alguns instantes.- Mãe... você não pode continuar aqui.- Eu sei, mas...- Você teme pelo Vitor, né?- Tem como não temer? Não gosto nem de pensar no que o Max pode fazer...- Você fica aqui, com medo do que possa acontecer a ele, e o Vitor fica lá, nacidade, com medo do que o seu Max possa fazer com você... separados,mesmo morrendo de vontade de estarem juntos.- O que eu posso fazer?- Confia no Vitor. Deixa ele cuidar de você.Amélia suspira, enxugando uma lágrima que quer cair.- Mãe, o casamento do Fred é daqui alguns dias. Aproveita enquanto estivertodo mundo distraído na festa, e vai embora com o Vitor, como ele já sugeriuvárias vezes, que eu sei. Até lá o catálogo das suas jóias vai estar pronto,vocês ficam um tempo fora, divulgando. Eu e a Pérola cuidamos da produção.Quando vocês voltarem, todo mundo já vai estar sabendo que você se separoudo seu Max, que está com o Vitor, e ele não vai ser louco de tentar algumacoisa.- Do jeito que você fala, parece a solução mesmo. Mas esqueceu que seu paicolocou um capanga atrás de mim, vigiando todos os meus passos?- A gente dá um jeito nele – Manu ri – Coragem, dona Amélia! Vou falar com oVitor e o Fred, combinar tudo com eles, tá bem?- Tá – Amélia responde, botando as mãos no rosto.Manu a abraça com carinho.Chega o dia do casamento de Fred e Janaína. Como não foi convidado, Maxfica na fazenda. Veloso segue Amélia, e durante a festa fica num canto da casade shows. Manu se aproxima de Lurdinha carregando um caneco de chope.
  • 3. - Lurdinha, você conhece aquele sujeito ali, no canto? Ele não trabalha pro meupai?- É o Veloso, peão lá da fazenda.- Ah... Oferece uma bebida pra ele, diz pra aproveitar a festa.- Eu?- É, Lurdinha. Ó, pega esse chope e leva, diz que uma pessoa mandou pra ele.Só não diz que fui eu.- Então tá – aceita a empregada. Ela puxa papo com Veloso e os dois bebemjuntos, pegando mais chopes depois. Em algum tempo, estão embriagados,dando risada sem nem saber de quê.Manu observa que Veloso está distraído e avisa Amélia.- É agora, mãe. Vá com Deus e seja muito feliz – ela abraça a mãe – Me deemnotícias, tá?- Claro, filha. Assim que a gente chegar em Juruanã eu ligo, pode deixar.- Fica tranquila, Manu. Não vou deixar nada de mal acontecer à Amélia.- Eu sei. Por isso incentivei essa fuga. Mas se cuida, viu? Você não é o super-homem.- Valeu, magrela – ele abraça Manu. IIVitor e Amélia vão para o quarto dele na estalagem.- Agora é só esperar. Quando a cidade toda estiver dormindo, a gente vaiembora.- Ai, Vitor, será que vai dar certo? – pergunta Amélia, torcendo as mãos.- Calma... – ele a abraça e beija os cabelos dela – Vou estar ao seu lado,aconteça o que acontecer.Amélia olha nos olhos dele e diz:- Eu te amo... te amo tanto, mas tanto, que chega a doer aqui dentro.- Também te amo – ele responde com os lábios bem próximos aos lábios dela,e a beija apaixonadamente.Vitor deita Amélia sobre a cama, e tira a blusa dela enquanto beija seu colo.Ela também vai tirando a camisa dele, passando as mãos pelas costas doamado. Ele a beija ainda mais intensamente, e se entregam ao desejo.Um pouco mais tarde, Max telefona para Manu.- Filha, sabes de tua mãe? Ela não voltou ainda, estou tão preocupado.- Ela veio dormir comigo na estância essa noite, não se preocupe – respondeManu com frieza.- Posso falar com ela?- Ela não quer falar com você.- Então diga para tua mãe voltar logo para casa, tá bem? Sinto falta da minhaesposa aqui comigo – alega Max, se fazendo de vítima.- Pode deixar que eu dou o recado. Boa noite – diz Manu, e desliga o telefone.Ela fica parada por alguns instantes, preocupada.Na fazenda, Max tenta localizar Veloso, mas o capanga dorme profundamenteno carro e não atende o telefone.- Por que esse incompetente não atende? – esbraveja Max – Melhor eu tomaroutras providências antes que seja tarde.
  • 4. Ele digita outro número.- Boa noite. Preciso que tu coloques homens em todas as saídas de Girassol.Quando? Ontem! Se minha mulher ou um loirinho de cabelo enrolado tentaremsair, manda segurar os fujões e me chama, entendeste?No meio da madrugada, Amélia e Vitor saem da estalagem com cuidado eentram no carro dele. Mas ao chegar na saída principal de Girassol, Vitor freiaabruptamente e faz o retorno, acelerando em seguida.- O que foi? – pergunta Amélia, apavorada.- Tem gente vigiando a saída. Só pode ser gente do Max.- E agora?- Vamos voltar para a estalagem, e amanhã vemos o que fazer. A uma horadessa, não tem como procurar uma outra saída. Se é que aquele canalha nãocolocou cão-de-guarda em todas as saídas...Ao entrarem na estalagem, eles são recebidos por Terê.- O que aconteceu? Eu senti que vocês iam voltar.Vitor conta tudo.- Tenham fé. Vocês vão conseguir superar tudo isso, tenho certeza – afirma avidente.Logo cedo, pela manhã, Max aparece na estância, desconfiado, e pede parafalar com Amélia. Antes que Aspásia consiga responder, Manu desce asescadas.- Pode deixar que eu converso com meu pai, Aspásia.A empregada vai para a cozinha, e Max avisa:- Vim buscar tua mãe, onde ela está?- Já saiu, deve estar chegando em casa – responde Manu, tentando disfarçar apreocupação.- Ah, é? Que pena esse desencontro. Vou voltar, então – devolve Max,cinicamente.Ao sair da estância, Max liga para Veloso de novo. O capanga finalmenteatende, com voz de ressaca.- Onde estás, infeliz? Estás fazendo teu trabalho?- Seu Max, eu...- Anda, fala logo, onde está minha mulher?- Desculpa, seu Max, mas eu estava esperando ela sair da festa e peguei nosono. Perdi a dona Amélia de vista.- O quê? Incompetente! – Max bate o telefone na cara dele.Enquanto isso, Manu liga para a mãe. Vitor atende:- Oi, Manu. Ainda estamos em Girassol, na estalagem. Tinha uma barreira nasaída da cidade.- Meu Deus! Vocês precisar ir para algum lugar seguro. Meu pai acabou de sairdaqui, está atrás da minha mãe.- Vou achar uma solução. Tenta ficar calma.Vitor desliga o telefone e relata para Amélia o que Manu contou. Amélia oabraça com força:- Ai, Vitor, o que vai ser de nós?Ele acaricia os cabelos dela enquanto responde:- Não sei. Só sei que o Max não vai nos separar. Eu não vou deixar, juro.
  • 5. - Eu não posso perder você... – ela murmura, escondendo o rosto no peitodele.- Nunca, nunca, nunca. Vamos ficar juntos para sempre – ele estreita Amélianos braços dele, e fica pensativo por alguns instantes – Já sei. Vamos para acasa da Janaína.- Mas ela e o Fred estão em Juruanã, só voltam amanhã.- A gente fala com a Nancy, tenho certeza ela vai ajudar.- Você confia nessa menina? – pergunta Amélia, insegura.- Não exatamente. Só nesse caso – ele pondera. IIIEles entram no armazém e Vitor pede:- Nancy, a Amélia precisa ficar lá em cima um pouco, pode ser? Ela se separoudo Max, mas como você deve imaginar, ele não aceita. Quer fazer ela voltarpra casa de qualquer jeito.- Nossa, que babado... Fica à vontade, dona Amélia.- Obrigada.Vitor olha para a rua e depois fala baixinho com Amélia:- Sobe que daqui a pouco te encontro. O Max acabou de entrar na estalagem.Apreensiva, Amélia sobe e fecha a porta. Vitor fica escorado no balcão,cuidando a entrada da estalagem. Lá dentro, Terê diz a Max que ele pode olharo quarto de Vitor se quiser, mas não vai encontrar ninguém lá. O fazendeirosobe e confirma que a vidente fala a verdade.Alguns minutos depois, Max se aproxima do armazém e Vitor finge conversarcom Nancy.- Onde tu a escondeste, moleque? – Max entra perguntando.- Não sei do que você está falando, Max.- Sabes, sim... sabes muito bem.- Se você não percebeu, está atrapalhando minha conversa com a Nancy – eleolha para a moça, fingindo interesse.Max dá uma risada:- Estás passando o rodo na cidade? Primeiro a índia aquela, agora essachinoca...- Mais respeito, a Nancy é uma moça de família!- Pois bien, vou deixar os pombinhos... – diz Max, irônico.Assim que Max se afasta, Vitor agradece:- Valeu, Nancy.- De nada... Pode contar comigo para o que você precisar – ela responde,enrolando uma mecha do cabelo e olhando fixamente para ele.- Não me leve a mal, mas eu só fiz aquela cena para despistar o Max.Desculpa te usar dessa forma.- Ah, tá... não tem problema – ela murmura, decepcionada.- Posso subir, falar com a Amélia?- Claro, vai lá. Aproveita e pede para o Bruno descer?Depois que Bruno assume o balcão, Nancy sobe e flagra Amélia e Vitorabraçados, e diz, sem rodeios:- Bom, já que fui envolvida nessa história, acho que mereço saber o que estáacontecendo de verdade.Amélia e Vitor trocam um olhar cúmplice.
  • 6. - Que vocês estão juntos, eu tô percebendo – acrescenta Nancy.- É isso mesmo. Nos apaixonamos – confirma Vitor.- E o Max jamais vai aceitar ser trocado por outro... ainda mais por um caracomo você, beeem mais jovem – Nancy completa, dando uma risada. Mas elalogo fica séria – Caramba, Vitor, ele é capaz de tentar te matar!- Você imagina o tamanho do meu desespero? O Vitor é o grande amor daminha vida – devolve Amélia, aflita e abraçando Vitor com força.- Calma, dona Amélia... pode passar essa noite aqui, no quarto da Jana e doFred.- Posso ficar também? Não quero deixar a Amélia sozinha nem um minuto –pede Vitor, beijando os cabelos de Amélia em seguida.- Claro – Nancy olha para os dois, comovida – Vocês até parecem um casal defilme... daquelas grandes histórias de amor, sabem?Nancy fica em silêncio por alguns instantes olhando para o casal. De repente,põe a mão na testa, com cara de quem lembrou de algo que a deixaconstrangida:- Ai... a Jana já sabia, né?- É, ela percebeu antes mesmo de eu contar ao Fred – confirma Amélia.- Por isso ela me dizia pra ficar longe do Vitor... desculpa aí... mas como eu iaimaginar? Ah, Vitor... eu te via sempre sozinho, estava certa de que você nãotinha ninguém.- É, deu pra perceber – ele ri.- Olha, Amélia, o Vitor nunca me deu nenhuma condição, nem olhava pra mimdireito. Parece que ele é muito apaixonado por você, não tem olhos pranenhuma outra mulher.Amélia olha para Vitor com um leve sorriso, e ele diz:- Viu, você não tem motivos pra ter ciúmes de mim...- Eu sei – ela garante.Nancy interrompe:- Tô perdoada, então?- Claro, Nancy – assegura Amélia – Você é uma boa menina, eu torço para quevocê encontre um rapaz que te dê muito amor.- Eu acho até que ela já encontrou... Tem um certo palhaço que arrasta umcaminhão por você, sabia? – revela Vitor.- Ah, o Pimpinela é uma gracinha... só tem um defeito: é pobre – retruca amoça.- Nancy, dinheiro não é o mais importante na vida. Quando a gente está numasituação-limite, como eu fiquei, perdido na mata, dinheiro não serve pra nada.O que me manteve vivo foi a certeza de que tinha alguém me esperando aqui –ele envolve Amélia com um braço.- Nossa... vou pensar nisso, prometo – conclui Nancy.Mais tarde, quando deitam para dormir, Vitor começa a descer com beijos pelopescoço de Amélia, chega até o colo dela e tenta descer a camisola.- Aqui não, Vitor... É a cama do meu filho, da minha nora. E com tudo isso queestá acontecendo, como você consegue pensar nessas coisas?- Não estou pensando... Estou sentindo a sua pele, o seu cheiro... é muito difícilresistir. Mas você tem razão. Além disso, precisamos descansar, porqueteremos um longo dia pela frente.
  • 7. - É verdade. Mas ao seu lado eu enfrento tudo que vier – ela acaricia o rostodele.- Eu também. Ninguém vai tirar você de mim – responde Vitor, abraçandoAmélia.Ela se aconchega nos braços dele, e logo estão dormindo, ainda abraçados.Antes do sol nascer, Amélia e Vitor são acordados pelo toque do telefone.- É a Manu – constata Amélia, preocupada.- Atende – diz Vitor, tentando disfarçar que também está preocupado.Amélia obedece.- Oi, filha, aconteceu alguma coisa?- Está tudo bem com você, mãe?- Sim, estamos na casa da Janaína.- Estava pensando, é melhor vocês ficarem aqui na estância. Acho maisseguro. Assim que saírem os primeiros raios de sol, eu pego vocês aí. Deixemo carro do Vitor na cidade, para despistar.- Espera um pouco – Amélia conta para Vitor a proposta de Manu, e ele pede otelefone.- Pode vir, Manu. Agora mesmo, se puder.Eles se trocam e deixam um bilhete para Nancy, agradecendo a ajuda. Depoisdescem a escada com cuidado, para não fazer barulho. E ficam esperandoperto da porta.- Escapando de um lado para outro, se escondendo na madrugada, como doiscriminosos... O que a gente está fazendo, Vitor? – desabafa Amélia,melancólica.- Estamos lutando pelo nosso amor – ele responde, olhando nos olhos dela.- É só por te amar tanto que eu tenho forças – devolve Amélia.Vitor acaricia o rosto dela e depois a abraça com intensidade. Eles não dizemmais nada, apenas esperam, em silêncio e abraçados. IVManuela chega e leva Amélia e Vitor até a estância. Eles entram com cuidadopara não serem vistos e são conduzidos por Manu até o quarto de hóspedes.- Fiquem à vontade. Eu já volto – ela avisa.Manu retorna alguns minutos depois, junto com Solano, que carrega umabandeja de café da manhã. Ele coloca a bandeja sobre a cama e diz:- Sintam-se em casa. Não se preocupem, o Max está proibido de entrar nestaestância.- Obrigada, Solano... mas quando o Max quer alguma coisa, ele vai até asúltimas consequências. Tenho medo de estar colocando vocês em riscotambém – responde Amélia, preocupada.- Buenas, ele já quer me escalpelar de qualquer forma, então um motivo amais, um motivo a menos não vai fazer diferença – devolve Solano.- Não fala assim, meu amor – Manu o abraça, tensa.- Calma, guria, o Max não vai me derrubar, eu te juro.- Mesmo assim, toma cuidado – ela pede, depois olha para a mãe e Vitor –Vocês também... acho melhor não saírem do quarto, seguido vem algum peãofalar com o Solano, alguém pode ver vocês... Pelo menos por hoje, porque
  • 8. vocês não podem ficar escondidos pra sempre, a gente precisa achar umasolução.- Por mim eu já tinha enfrentado o Max – afirma Vitor, com raiva no olhar.- Vitor... pelo amor de Deus... – murmura Amélia, com jeito de quem vai chorar.Ele a abraça com força e diz:- Não vou fazer nada. Você está aqui comigo, e isso é o que importa.Manu olha para os dois, comovida, e interrompe:- Depois eu trago o almoço pra vocês, tá?- Se precisarem de mais alguma coisa, é só chamar – acrescenta Solano.Eles saem. Amélia e Vitor ficam abraçados em silêncio, como que buscandoforças um no outro.Mais tarde, Vitor está recostado na cama com Amélia nos braços dele, ecomenta:- Como é a vida, né? Um dia eu dei um belo soco na cara desse gaúchoporque achava que ele tinha me roubado a Manu... e agora os dois estãofazendo tudo isso por nós.- É, o mundo dá voltas. Mas nem me lembra desse dia... fiquei tão aflita quandovi você todo machucado...- Pois eu faria tudo de novo, só pra ter você cuidando de mim daquele jeito –ele retruca, sorrindo.- Bobo...Ele fica olhando pra ela por alguns instantes, como a contemplando, e derepente começa a rir.- O que foi? – ela pergunta.- Lembrei de uma coisa agora – ele ri mais um pouco e conta – Um dia vocême disse que se estivesse no lugar da Manu não deixaria escapar um homemcomo eu, lembra?- Quando eu disse isso? – ela tenta disfarçar, sem graça.- Quando exatamente não sei, mas foi naquela época que a Manu me trocoupelo gaúcho – Vitor responde ainda achando graça, mas depois fica sério –Você já estava sentindo algo a mais por mim, desde aquele tempo?- Não sei, talvez... – ela devolve, quase gaguejando – Você já era uma pessoaespecial pra mim. Mas era noivo da minha filha, por mais que me sentisse bemna sua companhia jamais passaria pela minha cabeça que viveríamos tudo queestamos vivendo.- Eu te achava uma mulher muito especial, e tinha certeza que jamais te veriacomo mãe. Mas também não imaginava... Como eu fui burro! Fiquei sofrendopor quem não me queria, até brigar eu fui, enquanto a mulher da minha vidaestava bem na minha frente...- A mulher da sua vida, é? – Amélia olha pra ele, sorrindo.Ele traz o rosto dela para perto do dele e a olha nos olhos:- A mulher que eu mais amei, que eu amo, e que sempre vou amar...- Te amo com toda a minha alma, o meu corpo, o meu coração... – ela retribui.Eles colam os lábios num beijo intenso e apaixonado.A noite chega, e Amélia se prepara para dormir.- Eu já disse que você fica linda de camisola? – comenta Vitor, a olhando comdesejo.- Já – ela ri, se deitando na cama ao lado dele.
  • 9. Ele puxa Amélia mais para perto, ficando com o corpo colado ao dela.- Linda... – ele murmura, olhando para os lábios dela, e a beija.Eles se entregam a um beijo ardente, e as mãos de Vitor percorrem o corpo deAmélia, tirando sua camisola. Ele vai descendo com os lábios pelo pescoçodela, indo até o colo. Ela sente seu corpo arrepiar completamente, e pressionaas costas dele com as pontas dos dedos. Entregues ao desejo, eles se amamcomo se não existissem problemas, apenas aquele sentimento que os fazsentir como se fossem um só.Pela manhã, Fred chega de viagem e, avisado por Manu, vai correndo até aestância ver a mãe. Antes de entrar, olha em volta e nota um carro um poucodistante da casa. Manu chega na varanda para o receber e abraça o irmão.- Manu, você conhece aquele carro ali adiante? – ele pergunta preocupado.- É da fazenda. Deve ser um capanga do seu Max – ela responde, apreensiva.Eles entram. Amélia e Vitor, que já esperavam por Fred, estão descendo asescadas. Ao ver o filho, Amélia corre até ele e o abraça.- Mãe... está tudo bem com a senhora?- Está, na medida do possível.Vitor se aproxima, e Fred, ainda abraçando a mãe, lhe estende a mão:- E aí, cara?- Estou cuidando dela, viu? – Vitor avisa.- Tenho certeza disso – responde Fred – Mas as notícias não são boas.A tensão é evidente nos rostos dos quatro.- Tem um carro da fazenda parado aí fora – explica Manu.- E agora? – questiona Amélia, aflita.Vitor segura a mão dela e tenta confortá-la:- A gente vai dar um jeito.- Vocês precisam sair daqui de um jeito que esse capanga não veja – diz Fred,que fica pensativo por alguns instantes, depois acrescenta – Vocês podem seesconder na casa de shows por alguns dias, duvido que o velho pense emprocurar lá.- Boa idéia, Fred. O problema é esse sujeito aí fora – concorda Vitor.- Vamos pensar, tem que ter uma saída – incentiva Manu.Todos ficam em silêncio. De repente, Estela entra na sala.- Desculpa se atrapalhei alguma coisa. Vim visitar a dona Mariquita, a Aspásiame disse que ela está lá cima – ela explica, olhando com estranheza para asmãos dadas de Amélia e Vitor.Manu olha para a índia e sorri como quem acabou de ter uma idéia:- Estela! É de você mesma que a gente precisava.- Como assim?- Minha mãe e o Vitor precisam chegar até a cidade sem que ninguém os veja.Mas tem gente meu pai vigiando aí fora.- Entendi... a gente pode sair pelos fundos e ir pela mata. Pode deixar que euguio eles. Só posso dar um beijo na dona Mariquita antes?- Claro, pode subir – afirma Manu.Depois que Estela sobe, Fred pergunta para a irmã:- Você tem certeza de que podemos confiar nela?- Tenho certeza de que a Estela não vai querer ajudar o seu Max, muito pelocontrário.
  • 10. - Tá bem. Vou indo na frente, pra arrumar tudo na casa de shows. Esperovocês lá – ele dá um beijo na mãe, um tapinha no ombro de Vitor, e sai. VLogo depois, Amélia e Vitor seguem Estela pela mata. Ela os leva até umaporta nos fundos da casa de shows, onde Fred espera.- Valeu, Estela. Ficamos te devendo essa – ele agradece.- De nada. Fico feliz em poder ajudar duas pessoas que se amam – elaresponde, olhando para o casal com um sorriso, e vai embora.Enquanto entram, Fred pergunta:- Vocês contaram pra ela?- Não, não dissemos nada – afirma Amélia.Fred olha para os dois e ri:- Nem precisa, né? Dá pra ver na cara de vocês...Ele os leva até uma salinha reservada.- Aqui é o escritório da casa. Arrumei um colchonete. Tem água, frutas... vocêspodem usar a copa lá embaixo também. Qualquer coisa, liguem para o meucelular.Já sozinhos na casa de shows, Vitor senta na beira do palco e fica olhando aoredor. Amélia senta ao lado dele e comenta:- Ficou distante?Ele a envolve com um braço e responde:- Estava lembrando da festa da colheita. Quando você entrou por aquela porta,estava tão linda... parecia uma visão, sabe? Mas quando vi aquele desgraçadoao seu lado, se transformou num pesadelo. Você ali tão perto, tão linda, e eunão podia me aproximar...- Ah, querido... naquele dia, quando o Max apareceu pronto para meacompanhar, cheguei a pensar em desistir, ficar em casa... mas decidi vir sópra te ver, nem que fosse de longe.- O que importa é que depois a gente até conseguir dançar juntinho... foi tãobom.- Foi sim... foi a melhor dança da minha vida – ela afirma, sorrindo.- É? Vamos repetir, então. Temos o salão só pra nós! – diz Vitor, enquanto selevanta e puxa Amélia pela mão.- Mas sem música?- Qual o problema? A gente dança a música do amor! – ele devolve, levando-aaté o meio do salão. E a conduz pela pista, girando com ela nos braços comose tivessem sendo embalados por um som só deles.Enquanto isso, Max liga para o capanga que mandou para a estância. O rapazrelata que não viu nenhuma movimentação.- Onde será que aqueles dois se acoitaram? – esbraveja Max, sozinho noescritório. Pega o telefone de novo e liga para o delegado.Geraldo está na entrada da mata, escondido com Safira. Eles se beijamapaixonadamente quando o telefone toca.- Geraldo, seu telefone... – diz Safira, quando param para respirar.- Deixa tocar, ninguém é mais importante do que você nesse momento – eleresponde, e a beija novamente.
  • 11. O telefone para, mas logo começa a tocar de novo.- É melhor você atender – ela pede.Geraldo olha na tela no aparelho:- É o Max – ele atende, impaciente – Que você quer, Max?- Estás fazendo o que eu pedi? Encontraste alguma pista da minha mulher?- Ainda não, nada. Tô muito ocupado, agora, preciso desligar.- Está bem, mas trate de me dar notícias logo!Geraldo desliga o telefone e esbraveja:- Que saco! O Max acha que não tenho mais nada pra fazer a não ser atenderas ordens dele?Safira fica preocupada:- O que aconteceu? O que ele queria?- Você está sabendo que a dona Amélia fugiu de casa, né?- Geraldo, você não vai entregar a dona Amélia pro seu Max... se você fizerisso, nunca mais olho na sua cara! Aquele homem é um monstro!- Eu sei, e to cansado dele... cansado de me envolver nas sujeiras dele. Queroser um homem melhor... pra você – Geraldo responde, acariciando o rosto deSafira.- Me promete que você não vai fazer nada que prejudique a dona Amélia?- Prometo... prometo o que você quiser – afirma o delegado, colando seuslábios aos de Safira novamente.Mais tarde, já de noite, Amélia e Vitor estão deitados no colchonete, ela com acabeça sobre o peito dele, ele acariciando os cabelos dela. De repente, Améliadesabafa, com uma lágrima escorrendo por seu rosto:- Não aguento mais ficar fugindo, me escondendo... nós não estamos fazendonada de errado! Não podemos viver assim...- Então vamos sair daqui e assumir nosso amor pra todo mundo – ele afirmatentando demonstrar segurança.Ela esconde o rosto no peito dele por alguns instantes. Depois levanta acabeça, enxuga as lágrimas e olha para Vitor.- Você vai estar sempre ao meu lado, né? – ela pergunta, quase parecendouma criança assustada.- Sempre, cada minuto, cada segundo... O Max não vai mais encostar em você,eu juro.Amélia acaricia o rosto de Vitor com as pontas dos dedos e diz quasesussurrando:- Eu não posso mais viver sem você... eu preciso, eu quero ter forças paraenfrentar tudo que vem pela frente... Me ajuda?Ele entrelaça seus dedos nos dela antes de responder:- Eu estou com você... e sei que você é forte, que vai conseguir.- Então amanhã vamos sair daqui, vamos parar de fugir. Vamos tentar vivernossa vida...- Meu amor... é o que o mais quero.- E que Deus nos ajude – ela conclui, abraçando Vitor de um jeito aflito. Ele aaperta em seus braços, parecendo querer mantê-la protegida.Pela manhã, eles saem da casa de shows e caminham pela rua de mãosdadas. Ao entrarem na estalagem, Terê põe as mãos no rosto, surpresa:- Meu Deus! O que vocês estão fazendo aqui?
  • 12. - Não vamos mais fugir, Terê. Vamos encarar o Max e tudo que vier – explicaVitor.- Estão mesmo dispostos a correr tanto risco?- Não podemos continuar vivendo como se fôssemos dois bandidos, né? –argumenta Amélia.- Tem razão, minha amiga... e que Deus os proteja, porque vocês vão precisar.Vitor abraça Amélia e pergunta de um jeito aflito:- Terê, me diz: quando a gente vai ter paz?- Acho que só no dia em o Max estiver debaixo de sete palmos de terra... –responde a vidente sem pensar. VIAmélia e Vitor vão para o quarto dele.- Enfim, em casa! – ele ri – Afinal, esse quarto tem sido minha casa nos últimostempos.Ela fica pensativa, e sorri. Depois, comenta:- Alguns dos momentos mais lindos da minha vida aconteceram aqui...Ele a abraça por trás e devolve:- Pois, no que depender de mim, você ainda vai viver muitos momentos lindos,viu?Amélia se vira e olha nos olhos dele:- Nós vamos viver... juntos. Não vou deixar mais ninguém me separar de você.Vitor sorri e acaricia o rosto dela, murmurando:- Meu amor... esperei tanto por isso.Os lábios deles se encontram num beijo cheio de esperança.Mais tarde, Amélia toma banho e sai do banheiro com os cabelos molhados.Vitor observa, encantado, enquanto ela penteia os cabelos, coloca os brincos edepois se maquia levemente. Quando termina de se arrumar, ela dá umavoltinha na frente dele.- Que tal?- Linda... muito linda... e minha! – ele responde, olhando para ela comfascinação, e a puxa para os braços dele, terminando num beijo apaixonado.Quando descolam os lábios, Vitor sugere:- Você está tão linda que não é justo ficar trancada nesse quarto. Vamos sair?- Pra onde?- Não sei... não importa o lugar, desde que você esteja ao meu lado – ele sorri– Vamos dar uma volta, tomar um sorvete...- Como dois namoradinhos? – ela pergunta com os olhos brilhando.- É... minha namoradinha... – Vitor ri, transbordando alegria.Eles vão ao armazém de Janaína e pedem dois sorvetes. Sentam numa dasmesinhas e ficam se olhando, enamorados. Vitor pega um pouco de sorvetecom a colher e leva até a boca de Amélia, e ela retribui. Felizes, eles parecemsorrir até com os olhos.Ao terminarem os sorvetes, eles saem de mãos dadas. Enquanto caminham,Vitor pergunta, como se não estivesse conseguindo acreditar:- A gente está fazendo isso mesmo? Andando de mãos dadas, na rua, nafrente de todo mundo?
  • 13. - Estamos sim, meu amor... – Amélia responde, sorrindo.- Então agora eu posso gritar ao mundo todo que te amo?- Você é louco... – ela ri, encantada.Vitor também ri e toma Amélia dos braços, levantando-a do chão e rodopiandocom ela. Quando pára, ele a beija apaixonadamente, ali mesmo, para que todaGirassol veja.Logo depois, o telefone toca na fazenda. Lurdinha atende. É Cotinha, queconta à amiga que viu Amélia e Vitor aos beijos na cidade.- O quê? A dona Amélia, minha patroa, e o Vitor, se beijando no meio da rua?- Isso mesmo.- Ai, minha Nossa Senhora... quando o seu Max ficar sabendo não quero nemver o que ele vai fazer... – diz Lurdinha, aflita.Bem nesse momento, Max entra na sala:- O que tens medo que eu fique sabendo, Lurdinha?A empregada deixa o telefone cair no chão, assustada:- Nada não, seu Max...- Com quem estavas falando?- Com a Cotinha... mas não era nada importante, não – ela dá um passo pratrás na tentativa de voltar para a cozinha, mas o patrão a segura pelo pescoço.- Fala, chinoca de batalhão!- A dona Amélia.. e o Vitor... – diz Lurdinha, com esforço, mas não temcoragem de continuar.Max aperta mais o pescoço dela:- O que tem aqueles dois? Fala antes que tu não consigas falar mais nadanessa vida!A empregada fecha os olhos e revela, com um fio de voz:- Tavam se beijando na rua.Max larga Lurdinha tão bruscamente que ela cai sentada no chão e fica ali,passando as mãos no pescoço dolorido e chorando, enquanto o patrão saibufando de raiva.Amélia e Vitor continuam passeando de mãos dadas. Dão alguns passos,páram para trocar um beijo, continuam andando, trocam mais um beijo...Caminham como se estivessem flutuando. Estão quase chegando naestalagem de volta quando Vitor pára mais uma vez e tenta beijar Amélia.- De novo? – ela questiona, rindo.- Só mais um, meu amor... – ele justifica, colando seus lábios ao dela.Aos risos, eles vão continuar o trajeto, mas dão de cara com Max.- Mas olha quem eu encontro! O casalzinho fujão! Que pena, acabou abrincadeira de vocês... – ele diz com ironia, depois muda para uma expressãode fúria – Vamos, Amélia, você vai voltar para casa agora!Max se aproxima para tentar pegar Amélia, mas Vitor o impede, ficando nafrente dela e gritando:- Você não vai tocar essas mãos imundas na minha mulher!Vitor empurra Max, que dá alguns passos para trás e cai, mas logo se levanta.- Minha mulher, moleque! E sabes o que acontece com quem atravessa ocaminho de Max Martinez, sabes? – ele saca um revólver e aponta para Vitor –Será que eu acabo primeiro contigo, ou com essa vagabunda?Max aponta a arma para Amélia, enquanto os curiosos vão se aproximando.
  • 14. Fred chega correndo e grita:- Pai, pára com isso!- Meu filho... presta atenção, para aprender como um Martinez lava sua honra –avisa Max, visivelmente transtornado, e aponta de novo para Vitor,engatilhando a arma.Geraldo se aproxima cuidadosamente por trás e põe seu revólver na cabeça deMax.- Larga essa arma, Max.- Que pensas que estás fazendo, Geraldo? Sai já daí, não te metas onde nãofoi chamado! - esbraveja Max.- Estou tentando impedir uma tragédia. Largue essa arma, ou vou ser obrigadoa usar a minha.Max ri antes de responder:- Achas que vou matar minha mulher? Não, ela volta comigo para casa, depoisque eu dar cabo desse moleque – Max atira na direção de Vitor, mas Amélianum impulso se põe na frente do amado, e cai nos braços dele, com as mãosna barriga.- Você está preso, Max! – avisa Geraldo.- Ah, é? Quem vai me prender? Tu, delegadinho de bosta? – Max vira a armapara trás e atira em Geraldo, que dispara também, na cabeça de Max, que caiimediatamente no chão. Geraldo põe a mão no pescoço, de onde jorra sangue,e olha para a multidão. Seus olhos encontram os de Safira, e ele desaba.Vitor, desesperado, se ajoelha no chão, segurando Amélia, que mantém asmãos na barriga, e vê sangue escorrer por entre os dedos dela,- Amélia, meu amor... não... – as lágrimas escorrem pelo rosto dele.- Você está bem? – ela pergunta, já respirando com dificuldade.- Estou, mas você...Ela fecha os os olhos, e ele grita:- Não, Amélia, não!!! Não me deixa!Ricardo se aproxima:- Vamos leva-la para a ambulância, ela precisa ir para o hospital de Juruanã.Vou tentar conter a hemorragia até chegar lá.- Ela vai sobreviver, não vai?- Claro que vai, Vitor, ela é forte. Vamos, me ajuda a colocá-la na maca.Vitor ajuda e entra junto na ambulância.- Vou ficar do seu lado, meu amor... – ele diz, segurando a mão dela. VIIFred avisa Manu, que vai para o hospital com Solano, e toma as providênciasem relação ao corpo de Max. Depois disso ele os encontra no hospital, ondeManu chora nos braços de Solano.Vitor está afastado de todos, num canto da sala, com os olhos cheios delágrimas, sem acreditar ainda no que aconteceu. Só de pensar que Améliaestava quase morrendo por sua causa, ele entra em transe, querendo estar nolugar dela.Fred consola a irmã e depois se aproxima de Vitor:- Vitor, como você tá cara?- Fred. Foi minha culpa. Minha...- Pára com isso. Não foi sua culpa, foi do meu pai.
  • 15. - Ele ia me matar, e ela entrou na frente e...- Calma, calma. Vai dar tudo certo, a gente tem que se unir, ficar forte agora.- Eu sei. É que eu não me conformo, eu quero ver a Amélia!- O médico logo vai vir.Os dois se abraçam e vão até Manuela e Solano.- Fred, deu tudo certo com as coisas do pai?- Sim. Já arrumei tudo.Manuela chora e diz:- Como o pai pôde fazer uma coisa dessas? Meu Deus.Solano a consola:- Não pensa nisso, meu amor.- Nossa mãe vai viver, não vai, Fred?- Claro que sim, maninha. Claro! A dona Amélia é uma fortaleza, esqueceu?Fred a abraça com força, Vitor se afasta um pouco deles, cruza os braços e seencosta na parede, com uma tristeza enorme no olhar.Alguns minutos se passam e o médico chega:- E então, doutor, como ela está? – Vitor o aborda imediatamente- A cirurgia transcorreu muito bem e ela agora está em observação. Eu peçoque vocês fiquem calmos e sejam pacientes. Ela vai ser transferida para a UTI,porque precisa ser monitorada por conta da perda excessiva de sangue, mas járetiramos a bala alojada no abdômen, que atingiu apenas o baço, sem riscocom relação à outros órgãos. Está tudo sob controle.- Graças a Deus – Fred diz aliviado.Manuela abraça Solano sem falar nada, chorando, e Vitor, aflito, diz:- Eu quero ver a Amélia.- Sinto muito, mas visitas na UTI não são permitidas por enquanto. Assim queestiver tudo controlado eu chamo vocês.Vitor tenta indagar ainda mais, mas Fred o impede e o leva para mais longe domédico.- Calma, Vitor, depois vamos vê-la.- Eu preciso ver a Amélia, Fred. Preciso ver com os meus olhos que ela estábem.- Eu sei, todos nós queremos, mas calma, já já vamos vê-la. Se acalma.Vitor balança a cabeça negativamente, nervoso, e começa a andar de um ladopara o outro.- Vitor, vamos comer alguma coisa cara, vem comigo...Ele e Fred vão até a cantina.Um tempo se passa e o médico libera a visita somente para parentes. Vitor ficaaflito, pois não poderá ver Amélia. Manuela vê o estado dele e tenta amenizar:- Vitor, amanhã você já pode entrar, nós vamos ficar só alguns minutostambém...Ele não diz nada, senta no banco e abaixa o rosto, cruzando as mãos sobre acabeça.Manuela e Fred voltam do quarto e dizem que ela está com uma aparênciatranqüila, respirando com auxílio dos aparelhos.Vitor fica atento nos detalhes que eles contam e não consegue conter aslágrimas. Ele decide ficar no hospital até a hora da visita.
  • 16. Somente Vitor passa a noite no hospital. Solano e Manuela voltam para aestância, pois não querem deixar dona Mariquita muito tempo sozinha. Fred eJanaína vão para um hotel próximo.Quando amanhece Vitor é liberado para ver Amélia...- Pode entrar. – a enfermeira abre caminho para ele, que fixa o olhar emAmélia deitada na cama.- Amélia... - Ele diz baixinho, chegando mais perto. – Meu amor.Vitor chora e com cuidado pega as mãos de Amélia:- Eu não vou deixar você morrer, eu te prometo. – Vitor beija as mãos deAmélia com carinho – você salvou a minha vida...Ele chora sem controle, beija o rosto dela devagar e o médico chega:- Sinto muito, mas é melhor sairmos, deixá-la descansar.Vitor a olha por mais alguns longos minutos, acaricia seu rosto e sai hesitante.O médico o olha com tristeza, e bate em seu ombro:- Ela vai ficar bem, eu garanto.Ele diz que sim com a cabeça para o médico e sai do quarto com a cabeçabaixa, passando as mãos nos olhos, retirando as lágrimas que não param decair, e se volta para o médico:- Não deixa ela morrer doutor, eu te imploro. Eu não ia aguentar isso. Ela nãopode morrer... por minha causa.- Fica calmo, ela está bem.Algumas semanas se passam e Amélia sai da UTI para o quarto. Vitor passoutodas as noites no hotel próximo ao hospital, esperando esse momento:- Eu vou poder vê-la hoje, não vou?- Sim, dois de cada vez vão poder entrar.Vitor sorri ansioso e Fred diz:- Manu, o que você acha de deixar um certo cara, nervosão, ir antes da gente?Todos começam a rir e ela diz:- Eu acho a ideia ótima, senão já já ele desmaia e vai dar um trabalhão prosmédicos.- Obrigado, gente. Vocês não sabem o quanto eu preciso...- A gente sabe, Vitor, você mais do que ninguém merece. Você esteve ao ladoda nossa mãe todo o tempo, tentando evitar tudo isso... Nós imaginamos oquanto deve estar sendo difícil pra você. – Manuela diz com ternura ecompreensão.- Obrigado, Manu! – Vitor passa as mãos no rosto, sem paciência.A enfermeira chega até eles:- Os primeiros podem vir comigo.- Vai lá, irmão. – Fred o empurra.Vitor a segue com o coração acelerado, a enfermeira mostra a porta e ele aabre devagar. VIIIAmélia está encostada no travesseiro com os olhos fechados. Vitor caminhaaté ela, a olhando fixamente e senta ao seu lado sem dizer nada. Ela percebesua presença, e então abre seus olhos:- Vitor...
  • 17. - Oi, meu amor... – Ele pega suas mãos e a olha sem dizer mais nada.- Que bom... te ver. – Amélia diz com dificuldade e com a voz baixa.- Você está se sentindo bem?Ela diz que sim com a cabeça, com uma das mãos perfaz todo o rosto de Vitorcom os dedos e sorri:- Eu amo você.Vitor começa a chorar:- Amélia, me perdoa. Me perdoa? Você não precisava estar aqui, foi culpa...Amélia cerra os lábios dele com os dedos:- Pára, não diz isso. Eu faria tudo exatamente da mesma forma. Não foi culpanossa, e sim do Max.- Mas eu poderia ter evitado...- Não! Aconteceu como deveria acontecer. Você é minha vida. Vitor, eu nuncadeixaria o Max fazer nada contra você. Ele é meu marido, nossorelacionamento só foi complicado porque eu deixei o tempo passar.- Calma, meu amor. Fica calma. Não é nada disso, a gente não precisa falardisso agora.- Eu só quero que você saiba que eu não me arrependo e que nunca teculparia, entendeu?Vitor não aguenta e a beija nos lábios, não a deixando falar mais nada. Logo sedesprende e diz eufórico:- Eu te amo tanto... Se eu te perdesse eu morreria. Minha vida não tem sentidosem você, Amélia.Ela o beija levemente e sorri, olhando para ele sem parar.- E o Max? O que aconteceu?Vitor fica pensativo mas decide dizer:- O Max morreu, Amélia. Ele e o delegado trocaram tiros, acho que você nãodeve ter visto nada naquele momento. Mas nenhum dos dois resistiu... E ovelório já aconteceu.- Meu Deus, quanta tragédia. – Amélia fica tensa e chora. - O Max por fimconseguiu destruir a própria vida com tudo isso.- Sim. Era o mais provável, mas fica calma, meu amor, agora tudo passou... -Vitor se levanta e a abraça beijando sua testa.- E os meus filhos? Como eles estão com isso tudo?- Eles estão tristes, mas seguraram firme. Estão todos bem e ansiosos pra tever. Vou chamá-los.- Vitor! – Amélia o puxa pela braço e sorri. – Eu estava com muita saudade.- Eu também, eu também. – Vitor beija suas mãos novamente com os olhosfechados. – Agora a gente vai ser feliz, eu te prometo.- Te amo! – Ela diz baixinho e os dois sorriem, aliviados.Manuela, Fred e Janaína visitam Amélia e depois de três dias ela volta paracasa. Vitor e Amélia estão no quarto dela na fazenda e ele pergunta:- O que você pensa em fazer? Sair daqui?- É o melhor. Eu não vou aguentar ficar nessa casa, lembrar de tudo. Passeimomentos lindos com meus filhos aqui, mas prefiro sair, porque predomina apresença do Max.- A missa de um mês é amanhã, não é?- Sim. Está sendo tão difícil pra Manu e pro Fred. As coisas poderiam teracontecido de forma diferente, mas... Deus sabe o que faz.
  • 18. Vitor a abraça e de repente mostra duas passagens com um sorriso de meninolevado no rosto:- Olha! Eu acabei de fazer contato com um pessoal da Ásia pra exportar assuas peças!- Jura? Isso é maravilhoso, Vitor!- Pois é, e nós vamos juntos. Vamos esperar mais algumas semanas pra vocêse recuperar e vamos pra nossa... lua-de-mel! Não fico nem mais um segundolonge de você.- Vitor... – Amélia sorri e o beija com carinho.- Mas e meus filhos? Será...- Amélia, eles mesmos me incentivaram. Fica tranquila.Vitor sorri, a abraça pela cintura e a beija apaixonadamente.Nesse instante, Manuela e Fred chegam na fazenda. Eles batem na porta doquarto e entram:- Mãe, Vitor... E aí, tudo bem? – Manuela diz sorrindo para eles.- Sim, filha, estou aqui arrumando minhas coisas. Acho que vou passar só maisos dias que o médico recomendou aqui na fazenda e depois eu vejo o quefaço.- Certo. Depois a senhora poderia ficar na estalagem com o Vitor, não é? Seique vai ser difícil ficar por aqui.- Pois é. Bem difícil.Vitor sorri e abraça Amélia na cintura, olhando para Fred e Manu:- Eu acho uma ótima idéia ela mudar para o meu quarto!Amélia sorri sem graça e Fred diz brincando:- Olha lá, hein, Vitor. Eu tô de olho em você.Todos começam a rir e parece que a paz em Girassol finalmente está voltando.Amélia dorme na fazenda com Manuela, enquanto Fred e Vitor voltam para acidade. Eles combinam de passar na fazenda logo cedo para irem juntos àmissa de Max e Geraldo.Já é de manhã e todos estão na igreja. O padre diz algumas palavras para Maxe Geraldo, citando a vida desregrada dos dois, porém enfatizando que apesarde tudo eram filhos de Deus, pedindo assim que os dois descansassem empaz.Manuela chora nos braços de Solano enquanto Janaína abraça Fred. Vitorsegura Amélia pela cintura, e ela encosta a cabeça nos ombros dele, fazendocom que todos reparassem que os dois estavam realmente juntos.No final da missa, Amélia encontra Safira e diz:- Safira, vem aqui. – Ela pega em suas mãos. – Queria dizer que eu sinto muitoe que não te julgo por nada. Muito obrigada por interceder por mim com oGeraldo, foi muito corajoso da sua parte. A Pérola me contou tudo.Vitor concorda:- Obrigado, Safira, você ajudou bastante.- Imagina... Eu gosto muito da senhora, dona Amélia. Eu cresci junto com você,a Manu e o Fred. Nunca ia permitir que algo de ruim acontecesse.- Eu sei – As duas se abraçam carinhosamente.- E eu queria desejar muita felicidade pra vocês dois. De verdade.- Obrigada, querida. Eu desejo o mesmo a você. Você é tão linda e jovem, logovai encontrar alguém pra ficar ao seu lado. – Amélia sorri para Safira e tocaseus cabelos.
  • 19. Safira responde com um sorriso triste:- Obrigada, dona Amélia.Logo atrás Nancy aparece e cumprimenta Amélia e Vitor:- Oi, Vitor, oi, Amélia. Espero que agora vocês consigam ficar em paz.Amélia sorri:- Obrigada, Nancy, pela ajuda que você nos deu, nem tive tempo de teagradecer.- Imagina, dona Amélia, podem contar sempre comigo.Vitor concorda e acrescenta:- É, Nancy, você ajudou a praticamente salvar a vida da minha mulher numasituação bem complicada... A gente fica te devendo essa. – Vitor abraça Améliae beija seu rosto, ela retribui tocando o rosto dele e sorrindo levemente.- Até mais – Vitor se despede de Nancy e das “jóias”, e ele e Amélia seguematé o carro, até que avistam Estela de longe e ela se aproxima.- Estela? – Manuela diz, junto com Solano.- Oi, Manuela, vim desejar melhoras a vocês, espero que essa tempestadepasse logo.Manuela olha para Solano e depois para Estela:- Obrigada, Estela. Eu queria te agradecer...- Agradecer?- Sim, você ajudou muito minha mãe e o Vitor, a se esconderem do meu pai.- Imagina, fiz o que achava certo.Nisso, Amélia interrompe e também agradece:- É verdade, Estela, muito obrigada.- Imagina. E eu desejo que vocês sejam muito felizes. – Estela vai embora comtristeza no olhar vendo Manuela e Solano juntos. Os dois a olham com pena.Vitor e Amélia se despedem de Manuela, Solano, Janaína e Fred, entram nocarro e seguem para a fazenda. IXChegando lá, Vitor sobe até o quarto junto com Amélia:- E então? Posso saber o que essa cabecinha está pensando? Você tá tãolonge. – Vitor pega nas mãos de Amélia e depois segura seu rosto.- Nada, só estou me sentindo um pouco estranha com tudo o que aconteceu.Ainda não caiu a ficha.- Meu amor... Isso tudo vai passar... se você deixar eu cuidar de você, prometote fazer a mulher mais feliz desse mundo.Amélia sorri e de repente esquece da sua angústia, enxergando apenas Vitorem sua frente e desejando que o tempo parasse naquele instante:- Sem você aqui comigo eu... eu nem sei. Não sei se aguentaria tudo isso. Eute amo tanto. – Ela diz olhando com tristeza e paixão nos olhos de Vitor, quenão diz nada e a beija intensamente, guiando-a até a cama e se preocupandotodo o tempo em ser cuidadoso. Mesmo sob recomendações médicas para nãose esforçar, Amélia não resiste aos carinhos e confia plenamente nos cuidadosde Vitor, e então os dois se entregam a um amor desesperado, que só se fezaumentar depois de tanto sofrimento.O dia amanhece e Vitor acorda. Ele olha para o lado e fica maravilhado ao verAmélia dormindo abraçada em seu peito, e a beija devagar. Ela então desperta:
  • 20. - Bom dia.- Bom dia, meu amor. Dormiu bem, está tudo bem?- Muito bem! – Amélia sorri e dá um beijo rápido nos lábios de Vitor, que a puxanovamente e a beija com mais intensidade.Depois do beijo, Amélia acaricia o rosto de Vitor, perguntando:- Que horas são? – Vitor pega seu relógio no criado-mudo:- Meio-dia em ponto.- Meu Deus, o que você fez comigo pra eu dormir até essa hora?- Hum, você esqueceu? Eu posso fazer tudo de novo e a gente acorda sómeio-dia do outro dia, o que você acha?- Seu bobo! – Amélia começa a rir e deita no peito de Vitor, o abraçando. –Apesar de tudo eu estou tão feliz, sabia? Já cheguei a pensar que a gentenunca ia conseguir ficar assim algum dia... Juntos.- Eu também! Eu sou o homem mais feliz desse mundo, e agora eu posso sairgritando pra Girassol inteira que você é minha mulher. Só minha!Amélia sorri e Vitor se debruça sobre o corpo dela levemente, ainda cheio decuidados para não machucá-la por conta da cirurgia, beijando-a com paixão.Os dois se amam novamente, sentindo que não havia mais nada além daquelesentimento forte que os devorava cada vez mais.Depois dessa noite e manhã juntos, Amélia e Vitor passam as outras noitesseparados, pois Manuela resolve ficar o tempo estipulado pelo médico,cuidando da mãe. Vitor a visita todo o momento e os dois já vão planejando aviagem, ansiosos.Dois meses se passam e Amélia se recupera totalmente. Vitor passa nafazenda para pegá-la e a ajuda a arrumar as malas:- Amélia, você vai levar tudo isso?- Tudo isso não... São coisas básicas. Vitor começa a rir e a segura por trás pela cintura, beijando sua nuca:- Sabia que eu te amo?- Vitor... pára. Deixa eu arrumar a mala, senão eu não termino hoje!- Mas a gente tem uns bons minutinhos ainda. Eu tô com tanta saudade...Amélia se desprende dos braços dele com dificuldade, tentando resistir aosbeijos, quando se solta, ela beija Vitor fixando com força seus lábios nos dele ediz:- Quando chegarmos no RJ a gente aproveita todo o tempo perdido.- Ah, não acredito. Eu não vou conseguir esperar essa viagem.- Vai sim. Sossega e me ajuda a levar as malas até o carro! – Ela sorri e puxa amão de Vitor, carregando uma das malas.- Não, eu levo todas. – Vitor a beija e carrega as malas para fora do quarto.Os dois se despedem de Manuela e Fred e seguem para Juruanã, pegando umavião até o RJ, onde passam dois dias até seguirem para a Jordânia - principalpaís no qual Vitor conseguiu exportar as bijuterias da “Rurbano”.Chegando no Rio, Vitor e Amélia entram no quarto do hotel, cansados daviagem, porém não resistem um ao outro:- Eu tava contando os minutos, os segundos pra chegar nesse quarto de hotel.– Vitor puxa Amélia pela nuca, olha fixamente nos seus lábios e a beijaapaixonadamente.
  • 21. - Espera, Vitor. – Amélia se esquiva, eufórica com o beijo. – Calma! Precisotomar um banho... A viagem foi cansativa.- Sério? Então eu vou junto. – Ele a puxa novamente e Amélia o repreendecom as mãos:- Você me espera aqui? – Ela dá um selinho em Vitor. – Por favor?Amélia sorri e Vitor a olha desapontado:- Tudo bem, vai. Eu vou arrumando as coisas então.- Ótimo.Ela dá um beijo no rosto de Vitor e toca seu rosto, depois vai até o banheiro.Poucos minutos se passam e Vitor fica olhando para a porta do banheiro, atéque não resiste e resolve entrar. Amélia já estava dentro da banheira, cobertapor espuma:- Vitor! O que você tá fazendo aqui?- Não resisti! Desculpa meu amor... Eu não consigo mais ficar longe de você,nem que seja em outro cômodo. – Ele sorri de um jeito levado.Amélia começa a rir:- Você não tem jeito mesmo!Ele se aproxima da banheira, se abaixa ao lado dela e pega sua nuca, falandobem próximo aos seus lábios:- Meu Deus! Como você tá linda!Amélia fixa seu olhar nos lábios de Vitor, já fechando os olhos e os dois sebeijam. Vitor levanta e tira sua roupa, entrando na banheira junto com Amélia.- Você é maluco mesmo!- Sou! Maluco, doido, alucinado. – Ele puxa o cabelo de Amélia beijando seupescoço e depois seus lábios. E os dois finalmente se amam. XDurante a tarde, Amélia e Vitor vão juntos até a empresa de um dosfornecedores, fazem novas aquisições e resolvem passar o restante do dia e odia seguinte aproveitando os pontos turísticos e as orlas da cidade.Os dois param em uma mureta em frente à Lagoa, Amélia se encosta e Vitorfica de frente para ela, com as mãos entrelaçando sua cintura:- Eu nem acredito que a gente tá aqui... juntos, sozinhos, em paz.Vitor a beija. Depois do beijo Amélia toca o rosto de Vitor com as duas mãos:- Parece um sonho. Eu nunca senti isso na minha vida.- E o que você tá sentindo?- Uma mistura de amor, com paixão, com alívio, carinho, felicidade sem fim.Vitor abre um sorriso imenso e a beija intensamente.- Eu te quero tanto, tanto... Quero te fazer feliz assim, pro resto da vida.Os dois se beijam novamente e seguem caminhando pela Lagoa.No dia seguinte Vitor conversa com Amélia, que está se arrumando nobanheiro:- Amor, pra esse nosso último dia aqui no Rio eu marquei um horário noescritório de um amigo meu. Quero umas opiniões dele sobre o nosso negócio.Amélia sai do banheiro com um vestido longo de verão, colocando os brincos:- Ah é? Você não tinha me falado nada sobre esse seu amigo... Ele trabalhanessa área?
  • 22. - Hum. Mais ou menos. No caminho eu te explico... E você tá pronta? – Vitorvai se aproximando. - Tá maravilhosa...Vitor olha Amélia de cima abaixo, com desejo nos olhos, beija seu pescoço esegura sua cintura. Ela sorri e diz:- Sim. Estou prontíssima. Vamos?Os dois se beijam, Amélia pega sua bolsa e eles saem de mãos dadas.Vitor desconversa o motivo da visita ao amigo durante todo o trajeto atéchegarem no local:- Vitor, você não vai me explicar mesmo qual o motivo desse encontro com seuamigo?- Você vai entender.. .- Ele sorri para ela, animado.- E aí, Gustavo, quanto tempo! Como você tá? – Vitor cumprimenta o amigocom um abraço.- Vitor Villar! Que surpresa, meu amigo... Nem acreditei quando você me ligou.- Pois é cara, a vida anda meio corrida. Mas hoje vou precisar da tua ajuda,espero que não leve em consideração esse tempinho sem nos falarmos.- Que isso, eu achei fantástico esse teu investimento. Só por isso eu relevo!- Deixa eu te apresentar minha mulher... Amélia, Gustavo... Gustavo, Amélia...- Prazer, Gustavo.- O prazer é todo meu... Com todo o respeito, Vitor, você mudou muito. Andamuito esperto, hein, cara... Muito bonita sua esposa.- Ah, obrigada! Mas nós ainda não somos casados... - Amélia sorri sem graça.- Ainda, né, amor... Bom, eu concordo com você. Mulher como essa, meuamigo, não existe igual – acrescenta Vitor.Os dois começam a rir, e Amélia continua sem graça, sorrindo.- Então, vamos indo até o estúdio, pra fazermos as fotos?- Fotos? Que fotos? – Amélia se assusta, sem entender.- Pode ir andando, Gustavo, já te alcanço!O amigo vai até o estúdio enquanto Vitor puxa Amélia para o canto da sala,onde finalmente explica tudo para ela:- Amor, eu te trouxe aqui porque esse meu amigo trabalha com a produção decatálogos, com modelos. Eu achei que seria fantástico se você fotografassedessa vez sozinha, usando suas bijuterias... - Vitor se empolga e volta a falar:- Na realidade eu adorei sua idéia dos catálogos, desde o princípio. E imagina,só você estampada num catálogo, linda... – Ele a olha com paixão e toca seurosto - Vai induzir ainda mais o desejo das mulheres em ficarem parecidas comvocê!- Vitor... Eu...nem sei o que dizer. O Fred fez minhas fotos com as meninas procatálogo aquela vez e foi algo mais familiar... Mas faz tanto tempo que não façonenhum ensaio sozinha, profissional... E eu não tenho mais idade pra fazerisso agora, todo o tempo...- Amélia... Não fala isso de idade, por favor. Você viu o Gustavo falando, teelogiando. Fora que as fotos do catálogo anterior ficaram maravilhosas. E eleentende muito disso. Pode ter certeza... todo mundo confia em você, agora asenhorita – Vitor toca o rosto de Amélia novamente – é que precisa acreditarmais em você... na sua beleza, nos seus múltiplos talentos.Amélia começa a rir com os olhos brilhando e toca também o rosto de Vitor:- Ai, meu querido... Só você pra me motivar desse jeito... a fazer coisas que eununca imaginei que faria de novo.
  • 23. - Eu amo você, Amélia. Eu acredito em você, não porque eu te amo, masporque você é, sempre foi uma mulher especial, cheia de qualidades... enfim,ficaria aqui o dia todo listando tudo isso, mas não temos muito tempo...Vamoslá?- Ai, meu Deus, vamos!Vitor a guia puxando sua mão até o estúdio. Gustavo se aproxima e diz:- E aí, Amélia, vamos pra maquiagem?Amélia olha para Vitor com dúvida, e ele pisca para ela acenandopositivamente com a cabeça, e ela então segue segura até o maquiador.Depois da maquiagem, Amélia nem precisa de um figurino novo, pois seuvestido caiu perfeitamente para as fotos do catálogo: sofisticado e moderno.Vitor olha para ela maravilhado e diz gesticulando:- Você tá linda!Amélia sorri e começa a tirar as fotos, como se estivesse retomando suacarreira de modelo. Ela se sente confortável e fotografa tranquilamente.Terminando a sessão de fotos, Gustavo diz:- Amélia, as fotos ficaram sensacionais. Você por acaso já tirou foto antes? Épraticamente uma profissional!Vitor os interrompe:- Gustavo, você está falando com uma modelo profissional, que estava umtempo inativa, mas que agora voltou com tudo.Amélia balança a cabeça como se achasse exagero da parte de Vitor.- Jura? Então você já foi modelo? Eu sabia! Sempre reconheço esses talentosde longe.- Imagina, faz tanto tempo que isso aconteceu. Nem sei como consegui ficarconfortável nessas fotos. Mas sua equipe é muito boa, me ajudou bastante...- Que isso! Você não precisa de ajuda alguma, Amélia. O Vitor tinha razãoquando me ligou e disse que iria me trazer uma surpresa e tanto. São poucasas mulheres que fotografam tão bem num primeiro ensaio aqui no estúdio.Parabéns!- Obrigada! - Amélia sorri e aperta as mãos de Gustavo, seguindo para ovestiário.- Amor, me espera aqui? Vou tirar a maquiagem.- Claro, te espero! – Vitor sorri e a beija. XIVitor e Gustavo conversam enquanto Amélia não retorna:- Sério mesmo, Vitor, não foi pra puxar seu saco, não, mas tua mulher arrasou.As fotos já ficam prontas hoje mesmo. Passa aqui mais tarde, depois doalmoço.- Valeu cara! Tô ansioso pra ver essas fotos!Os dois se cumprimentam e Amélia chega:- E então? Vamos?- Vamos meu amor. O Gustavo disse que as fotos ficam prontas hoje, depoisdo almoço. Vamos almoçar aqui perto e voltamos.- Tudo bem.Os dois se despedem de Gustavo e saem.Na mesa do restaurante, Amélia diz, segurando as mãos de Vitor:
  • 24. - Nem sei como te agradecer por tudo.- Agradecer?- Foi tudo tão maravilhoso. Eu adorei a surpresa...- Você é perfeita pra ser a modelo da Rurbano. Ou melhor, você é perfeita praser a “minha” modelo!Amélia entrelaça seus dedos nos de Vitor e ele a olha apaixonadamente,sorrindo sem parar.Depois do almoço eles retornam ao estúdio e olham o resultado das fotos juntocom Gustavo:- Olha pra isso, cara, tua mulher é perfeita pra esse catálogo. Com todorespeito, ela ficou maravilhosa.- Menos, cara, você tá muito abusado! – Vitor diz, em tom de brincadeira.Amélia sorri encabulada olhando para as fotos, sem saber o que dizer. Vitor seanima:- Meu Deus, meu amor! Olha essa foto aqui... Tá maravilhosa! Como vocêconseguiu ficar ainda mais linda do que já é?- E olha que a gente aqui não usa Photoshop, hein? – Gustavo ri e Vitor diz:- Nossa, meu amor. Você ficou perfeita. Conseguiu superar todas as minhasexpectativas, olha pra isso!!! – Vitor olha as fotos novamente e dá um beijo deleve em Amélia, sorrindo para ela.- Obrigada, meu amor. Eu nem sei como agradecer vocês. Eu adorei oresultado, ficou mesmo muito bacana. Eu confesso que não imaginava fazerum ensaio profissional depois de tanto tempo... – Amélia olha surpresa e felizpara as fotos.Vitor, Amélia e Gustavo conversam sobre a divulgação do catálogo, que seráimpresso e distribuído em breve. Gustavo comenta que pensa em chamarAmélia para outros tipos de propaganda como outdoors, se o negócio der certoe até mesmo para outras marcas. Amélia diz que irá pensar com calma depoise os dois se despedem de Gustavo, seguindo para o hotel.- Meu amor, agora eu fiquei pensando aqui... Se você retomar sua carreira demodelo, eu não sei se vou aguentar. Acho que vou ficar com ciúmes...Amélia sorri junto com Vitor:- Hum, seu bobo... Se isso acontecer a culpa vai ser só sua!Vitor a pega pela cintura com um abraço:- E eu não gostei do Gustavo ficar te elogiando tanto daquele jeito. Tô quaseme arrependendo dessa idéia das fotos e rompendo a amizade com ele.Amélia sorri e toca o rosto de Vitor com carinho:- Não acredito. Você tá com ciúmes?Vitor sorri e nega com a cabeça. Amélia sorri ainda mais e diz, beijandolevemente seus lábios:- Que bonitinho!Ele se desprende do beijo e segura o rosto de Amélia:- Você é minha, só minha, entendeu?- Claro. Só sua. – Amélia o beija novamente – Completamente e eternamentesua.De repente o celular de Vitor toca:
  • 25. - Ah, não acredito. Logo agora...- Atende. – Amélia ri e se desprende de Vitor para que ele possa atender.- Alô, Gustavo? Sei... eu? Como assim? Não, tudo bem, tô indo praí sim.- O que foi?Vitor desliga, assustado.- O Gustavo... disse que quer fazer mais fotos.- Mais fotos? Por quê? Aquelas não deram certo?- Não, ele disse que quer nós dois juntos.Amélia fica boquiaberta e começa a rir:- Não acredito!- Pois é... Amélia, agora a culpa é toda sua. Como é que eu vou conseguir serum protótipo de modelo? Sem chances...- Meu amor, o que é isso agora? Você me motivou e agora está caindo fora dobarco? Nada disso!- Amélia, é diferente, vai... Não vai dar certo, nunca fiz isso na vida.- Vitor! Vou repetir o que você me disse... Acredita em você.- Ah, não sei não... - Vitor se desprende das mãos de Amélia, que tocava seurosto.- Calma, querido. Se você não quiser, tudo bem. Mas a gente podia tentar...Que tal você se olhar no espelho? Olha que modelo lindo você daria.Amélia o vira de frente para o espelho do quarto, ficando atrás dele. Ela o beijano rosto, olhando para os dois no espelho:- E então? Vamos?Vitor a olha no reflexo do espelho e se vira rapidamente, pegando com forçasua cintura e a beijando intensamente. XIIChegando no estúdio, Vitor também se prepara. Ele é vestido com uma camisapólo azul marinho e calça jeans com customização surrada. Amélia se vestecom um vestido azul em um tom mais claro e sofisticado.Os dois fotografam abraçados. Amélia entrelaça os braços no peito de Vitorfazendo com que a pulseira da Rurbano ficasse em evidência.No final da sessão, Gustavo diz:- Maravilhoso! Ficou fantástico!O amigo de Vitor já havia configurado as fotos no computador enquanto os doisfotografavam e o resultado saiu na hora:- Vitor! Você ficou ótimo! – Amélia diz, deslumbrada.- Você que me encorajou. – Vitor pega na mão de Amélia olhando para a telado computador - Meu Deus, nunca pensei que ia fazer isso um dia, masrealmente ficou muito bom.Os dois se abraçam e saem felizes com o resultado das fotos. Chegando noquarto do hotel, Vitor não resiste mais e beija Amélia com fervor. Os doiscaminham até a cama, tirando suas roupas e se amando, felizes com o diamaravilhoso que tinham passado.Depois do RJ, Amélia e Vitor pegam um avião e partem para a Jordânia.Eles fazem todos os trâmites necessários para a negociação das bijuterias esaem felizes com o sucesso do negócio.
  • 26. - Amélia! Você é espetacular. Com essa sua visão empreendedora, seu talento,a gente vai ganhar o mundo com a Rurbano! – Vitor a pega na cintura e a beijano rosto, animado, caminhando até o hotel.- Ah, até parece. A maior parte você me ajudou, sem você isso tudo não terianem começado.- Não adianta, meu amor. Você é a cabeça da Rurbano, você é o conceito, epor isso é um sucesso. Ponto final.Amélia sorri e os dois seguem de mãos dadas.Eles ficam uma semana na Jordânia, os negócios são resolvidos em poucosdias e eles conseguem a maior parte do tempo só para os dois, visitando osmonumentos do local, tirando fotos, andando de mãos dadas sem que ninguémos condenasse.Vitor havia reservado um Hotel Resort, com todo o tipo de serviço disponível.Todos os dias eles jantavam em restaurantes diferentes com comidas típicasde diversos países. No último dia, Vitor e Amélia vão a um restaurantebrasileiro:- Ai, que saudade desse clima brasileiro... Nada se compara com as comidastípicas da Terê, com as receitas da Lurdinha, mas estou adorando!- Que ótimo, meu amor. – Vitor pega nas mãos de Amélia sobre a mesa. -Acertei então o local pro dia de hoje...- Dia de hoje? Eu esqueci de alguma coisa? – Amélia se assusta.- Não, calma. – Vitor sorri se divertindo. – Vamos pedir a comida.- O que foi, Vitor? – Nesse instante o garçom chega e Amélia não conseguedescobrir nada sobre o assunto.Os dois terminam de jantar e Vitor pede uma garrafa de champagne:- Vitor, eu acabei de beber uma taça inteira de vinho. Não vou te acompanharno champagne.- Ah, vai sim. Nem que seja só um brinde.- Brindar? Ai, Vitor... - Amélia fica curiosa e assustada, pensando no que Vitorestava “aprontando”.Ele chama o garçom, que traz as taças e o champagne. Nisso, Vitor levanta ataça e diz:- Amor, eu queria poder dizer com todas as palavras o quanto eu me sinto feliz,apaixonado, realizado. Mas é tão grande, tão intenso, que eu ficaria umaeternidade só tentando me expressar. – Amélia sorri, maravilhada, e elecontinua – E depois de tudo que nós passamos pra ficarmos juntos, eurealmente acredito que era pra ser, que vai ser, pra sempre. Nós dois juntos,sem impedimentos daqui pra frente.Ele brinda na taça de Amélia e continua:- Quero brindar a nossa felicidade, ao nosso amor, que está apenascomeçando.Amélia fica sem palavras e emocionada com as palavras de Vitor tenta dizer:- Eu... nem sei o que dizer. Eu me sinto exatamente como você. Sonhandoacordada ainda. E é o que eu mais quero... passar o resto da minha vida do teulado, te amando, sendo amada, sem impedimentos.Vitor se levanta um pouco da cadeira alcançando os lábios de Amélia. Depoisque ele retorna, pega algo no bolso.- Espera. Ainda não terminou.- O que?
  • 27. Vitor mostra uma caixinha, e Amélia não acredita no que vê.- Meu Deus, Vitor, o que é isso?- Abre! – Ele sorri, com os olhos brilhando.Amélia abre a caixinha e se depara com um anel de ouro e rústico, assim comoas peças da Rurbano.- Gostou? Eu mandei confeccionar quando estávamos com os fornecedores noRJ. Sem que você percebesse. Eles entenderam bem o seu gosto? Acertei?Ela fica sem palavras durante alguns minutos, só olhando para o anel.- Você não gostou? – Vitor fica preocupado.- Não... não é isso. Pelo contrário. É a coisa mais linda desse mundo. Comovocê consegue?- Consigo...?- Como você consegue ser perfeito em tudo? Quando eu penso que não possomais ter nenhum tipo de felicidade a mais, você aparece com um extra - Améliasorri, emocionada.Vitor fica aliviado e segura as mãos de Amélia, olhando-a fixamente:- Esse anel não foi só um simples presente. Queria algo que pudesserepresentar uma tradição entre casais apaixonados.- Tradição?- Sim. Aquela com anéis de compromisso e um pedido, como esse...Vitor se levanta, pega de volta a caixinha com o anel e vai até a cadeira deAmélia estendendo sua mão à ela.Amélia fica olhando para ele e para os lados, sem entender:- O que é isso, Vitor?- Levanta. Vem comigo.- Pra onde?- Confia em mim. XIIIOs dois deixam a mesa, Vitor pisca para o garçom avisando que já haviadeixado a conta paga. E eles seguem para um jardim atrás do restaurante, aoar livre.- Eu queria que esse momento fosse perfeito, que você se lembrasse prasempre...- Tudo está perfeito... – Vitor cerra os lábios de Amélia com os dedos,delicadamente, e depois retira o anel da caixa, pegando nas mãos dela:- Ainda não está tudo perfeito. Falta uma coisa, uma pergunta. – Ele pegasomente a mão direita de Amélia com o anel nas mãos e diz:- Amélia... Você quer ser minha mulher, oficialmente?Amélia coloca a mão esquerda no rosto, incrédula e sorri.- Meu Deus!- E então? Sendo mais direto... Você aceita se casar comigo, se tornar umaVillar. Maria Amélia Villar?Ela acaricia o rosto de Vitor, sorrindo emocionada, e depois de algum tempoconsegue dizer:- É claro que eu aceito, meu amor. É claro!Vitor coloca o anel no dedo de Amélia e nem a espera falar. Logo a beija comdesejo, como se fosse a primeira vez que estivessem se conhecendo. Como se
  • 28. não houvesse ninguém mais naquele local, além dos dois e a lua - queaparecia no céu para testemunhar o começo de uma nova vida.Depois do pedido de casamento, Vitor e Amélia retornam para o quarto dohotel, onde irão passar a última noite juntos na Jordânia. Quando Amélia entrano quarto, Vitor a olha abrir a porta com um olhar suspeito, de quem haviaaprontado alguma coisa. Amélia estranha e sorri. Ao abrir a porta do quarto elase depara com pétalas de rosas, vermelhas, cor-de-rosa, brancas e amarelas,espalhadas por todo o lugar, fazendo um caminho até a cama, que estavatambém coberta por pétalas. Ao lado da cama um champagne e duas taças.Vitor a pega pelo braço e a leva até a cama, pegando as taças e dando uma aela:- Eu sei que já bebemos muito. Mas é só um último brinde, pra fechar a noite,prometo! Ele brinda no copo de Amélia, que diz:- Meu Deus Vitor! Eu nem sei o que dizer, tá tudo tão lindo... as rosas, tudo...Oque mais pode acontecer? Tenho até medo! – Amélia começa a rir.Vitor chega mais perto dela, tira a taça de sua mão e coloca na mesa ao lado,depois volta e segura sua nuca. Fechando os olhos, ele começa a percorrertodo o rosto e o pescoço de Amélia, sentindo seu perfume, beijando-a devagarpor todas as partes do seu rosto, pescoço, até chegar nos lábios. Os dois sebeijam ardentemente e Vitor a conduz até a cama, debruçando seu corpo sobreo de Amélia, ele beija seu corpo retirando a sua roupa ao mesmo tempo.Ela prende seus dedos com força nos ombros de Vitor, já sem camisa, e osdois se amam a noite toda.Pela manhã, Vitor recebe o café reforçado que já havia encomendado no diaanterior. Antes de Amélia acordar, ele ajeita o café em uma mesa ao lado davaranda, com vista para o mar.Ele toma um banho, veste um roupão e senta na cadeira, admirando Améliadormindo.Quando ela acorda, olha para ele esticando os braços, ainda com sono:- Bom dia.- Bom dia, meu amor.- Nossa, que mesa linda é essa?- Tudo pra você!- Ai, meu Deus! Quando é que você vai parar de me surpreender, hein? E olhaque a gente nem está em lua-de-mel!- Como não? Vamos ter duas! Essa e mais uma em Girassol, já casados. –Vitor vai até a cama e beija Amélia, deitando-se sobre ela.- Vou me levantar. Já já a gente precisa pegar o avião de volta. – Amélia dámais um beijo em Vitor e se desprende dele, indo até o banheiro.- Calma que volto logo pro café. Não come tudo antes de mim!Vitor sorri:- Não demora que eu não deixo nada pra você, hein.Os dois tomam café juntos e terminam de arrumar as malas, seguindo logopara o aeroporto.Chegando em Girassol, Amélia e Vitor vão até a fazenda, onde estão Fred eManu esperando pelos dois.- Olha só! O casalzinho chegou! – Fred diz em tom de brincadeira.
  • 29. Manu corre até a mãe e a abraça:- Mãe, que saudade... Foram quase duas semanas, mas parecia umaeternidade. Preciso te contar tanta coisa.- Ah, essa mulherada. Só quer saber de fofoca. – Fred brinca com as duas.Vitor ri junto com todos e abraça a cintura de Amélia:- Antes de tudo eu tenho que contar uma coisa muito importante.- Ai, meu Deus, o que é? – Manu fica apreensiva.Fred também fica:- Fala cara! Tá me deixando curioso.- É que...Vitor solta da cintura de Amélia e a olha:- Você conta ou eu conto?- Conta você!Manuela acaba ficando nervosa:- Ai, gente, deixa de suspense!- Tá bom! Daqui alguns poucos dias – eu espero – eu e a mãe de vocês vamosestar oficialmente registrados na lei de Deus e dos homens, como sendo um dooutro. Não é mesmo, dona Amélia Villar?Amélia sorri:- Pois é. É isso. Acho que vocês ganharam um padrasto.Manuela começa a rir sem parar:- Gente! Desculpa. É que eu juro, não imagino o Vitor como meu pai. Isso é tãobom e ao mesmo tempo tão engraçado.- Pois é, maninha, acho que vamos ter que acostumar com a idéia, porqueesses dois parecem muito decididos.Vitor os interrompe:- Isso aí, Fred. Vocês vão ter que acostumar com o papai aqui!Amélia começa a rir e dá um beijo no rosto de Manuela que está ao seu lado:- Mas é sério? Vocês não se importam que eu me case de novo?- Claro que não, mãe. Isso é o que a gente mais quer.- Isso mesmo, dona Amélia. Trata de ser muito feliz! E Vitor... juízo hein cara,cuida bem dessa mulher aí, que ela é uma rainha.- Não precisa nem pedir, Fred. Eu prometi e vou cumprir. Vou fazer da mãe devocês a mulher mais feliz desse mundo, assim como ela me faz imensamentefeliz.Manu e Fred olham felizes para o casal que se beija rapidamente.- Bom, vou subir queridos. Estou muito cansada da viagem.- Claro, mãe, descansa bastante.- Tchau, mãe, se cuida. Depois que a senhora descansar e o Vitor também,que tal almoçarmos todos juntos e depois jantarmos aqui na fazenda? Precisomostrar umas coisas pra vocês.- Tudo bem, filho. Ótima idéia! E falando em jantar, onde está a Lurdinha?- Ah, a Lurdinha tá na estância ajudando a Aspásia, porque a Dona Mariquitafoi com o Solano e a Beatriz até Belo Horizonte visitar o Gabriel.- Ah, sim! Pelo jeito o Solano está muito feliz por ter encontrado o avô.- Sim, numa alegria só, precisa de ver. Sobre isso e outras coisas queroconversar com você depois, mãe.- Sim, tenho muito o que contar também e muitos presentes pra distribuir!Manuela sorri:- Oba!
  • 30. - A Amélia comprou tanta coisa que eu nem sei como passamos pelaalfândega. – diz Vitor, brincando.- Exagerado! - Amélia dá um tapa de leve nele. Ela beija os filhos e sobe até oquarto junto com Vitor, que carrega as malas.Chegando no quarto, Vitor coloca as malas no chão e segura Amélia pelacintura:- Feliz?- Muito... muito feliz.Os dois se aproximam mais e se beijam. Até que Amélia se solta de Vitor eolha para ele:- A gente tinha que sair daqui, encontrar um outro lugar pra ficarmos.- É, eu também acho. E o que você, a Manu e o Fred pensam em fazer? Jáfalaram alguma vez sobre isso?- Sabe que nem cheguei a conversar muito a fundo. Foi tudo bem corrido, edepois nós viajamos. A Manu estava com problemas também... Mas o Fredestá administrando bem a fazenda junto com o Solano, apesar de não seinteressar muito por isso.- É, ele comentou algo comigo mesmo. Eu na realidade acho o Solano apessoa ideal pra ficar à frente disso. Se ele e a Manu vão mesmo se casar,seria ótimo.- Sim! Também acho.- E aí, nós vamos ter o nosso lugar, só pra nós dois... – Ele se aproxima deAmélia sorrindo com malícia e a beija no pescoço. Ela sorri e diz:- Nosso lugar? Seria o seu quarto na estalagem?- Tá maluca? Aquela cama me suportou muito bem por uns tempos, mas eunão aguento mais aquele colchão, vou ser sincero. Acho que a gente merecepassar o resto das nossas noites num colchão mais confortável, não acha?Os dois começam a rir e Amélia beija Vitor segurando seu rosto com uma dasmãos:- Sabia que eu amo você?- Hum, acho que não. Fala de novo pra eu acreditar.- Bobo! Eu te amo...- Não ouvi...- Pára, Vitor! - Amélia bate de leve no seu ombro e fala novamente perto doseu ouvido, baixinho: - Eu te...- Vitor a interrompe, puxando o rosto de Améliacontra o seu, a beijando. XIVOs dois arrumam as coisas no quarto e vão almoçar no armazém de Janaína.Amélia e Vitor contam sobre a viagem e distribuem os presentes, contamtambém sobre a sessão de fotos, deixando todos animados.Logo depois do almoço Lurdinha aparece correndo, saindo do carro de Cirso eao mesmo tempo o celular de Vitor toca e ele se afasta para atender.Lurdinha se aproxima ofegante:- Dona Amélia, olha o que chegou pra senhora. Vim correndo!- O que foi, criatura?Amélia olha a pilha de papéis na mão de Lurdinha e percebe que é o catálogo,com sua foto na capa:
  • 31. - Minha nossa, já ficou pronto!Todos se aproximam de Amélia e ficam maravilhados:- Mãe! Ficou pronto o catálogo, nem acredito! Que linda que você ficou!Maravilhosa!Fred olha boquiaberto:- Mãe, como fui seu fotógrafo tenho que dizer que a senhora leva jeito pra isso,não adianta! Deslumbrante!Janaína, Lurdinha e Solano olham o catálogo, impressionados. E quando elesabrem o catálogo, vêem duas fotos de Amélia com Vitor. Solano diz:- Olha pra isso! Vitor também é modelo!Manuela brinca e sorri:- Gente, o Vitor é fotogênico também, né?! Que casal lindo!De repente Amélia percebe a ausência de Vitor e ele aparece com o celular namão, dizendo:- Ótimas notícias!Amélia, empolgada, o interrompe e diz animada, correndo para mostrar asfotos:- Amor, olha só, o catálogo ficou pronto!- É exatamente sobre isso. O Gustavo me ligou agora dizendo que oscatálogos já estão em todos os shoppings do Rio. E se der tudo certo ele já vaidistribuir pra São Paulo e outras capitais, junto com os catálogos anteriorestambém, com a Manu, Estela...- Que maravilha! Nem acredito... – Amélia sorri e abraça Vitor.Eles se sentam à mesa e logo chegam outras pessoas, como Mamede,Caroço, Nancy e Bruno, para verem as fotos de Amélia e Vitor. Todos já logopensam no sucesso da Rurbano e dos modelos.Mais tarde Vitor e Amélia aproveitam e passam na estalagem para pegar orestante das roupas de Vitor e cumprimentam Terê.- Amélia, Vitor! Como estão? Como foi a viagem?- Oi, Terê. Foi ótima! – Amélia diz cumprimentando Terê com um beijo no rosto.Terê nesse momento a toca e tem uma visão.- Que foi, Terê? Algum problema? – Vitor diz percebendo o jeito da vidente.Ela sorri e diz:- Eu acho que finalmente chegou o momento de vocês dois serem mais do quefelizes.- Como assim, Terê? – Amélia diz, sorrindo, olhando também para Vitor.- Em breve vocês vão saber do que estou falando. Não disse, Amélia? Que iachegar o momento em que vocês dois iam finalmente ficar juntos e felizes?- Sim, Terê, e eu te agradeço muito por tudo. Isso sempre me deu muitacoragem pra não desistir dos meus sentimentos.Vitor passa seu braço em torno de Amélia e beija seu rosto de leve:- Bom, eu espero que essa felicidade dure pra sempre, porque eu tô explodindode alegria!- Ah, que maravilha! Eu vejo isso nos olhos de vocês.- A gente pode ir no quarto do Vitor, Terê? Ele precisa pegar algumas roupas,não é, amor?- É, agora ele vai ser meu ex-quarto. Passei momentos emocionantes aqui!Nunca vou esquecer.Todos sorriem e Terê diz:
  • 32. - Claro, meu filho, fiquem à vontade. Vou sentir muito a falta de vocês, mas seique vocês não vão esquecer dessa velha amiga, vão vir me visitar, não é?- Com certeza. Eu não fico sem comer seu Mané Pelado, esqueceu? – Vitor dizbeijando a mão da amiga com carinho.- Ah, que ótimo! Vou fazer sempre que vocês vierem!- Terê, depois que nós voltarmos eu preciso te dar uma lembrancinha, quetrouxemos da viagem. Me espera aqui, tá?- Ah, Amélia, não precisava!Os dois se despedem da amiga e seguem até o quarto.Amélia começa a andar por todo o local, enquanto Vitor separa suas roupas:- O que foi, amor?- Oi? Nada... Estava aqui pensando, em tudo o que a gente passou nessequarto. A primeira vez que entramos aqui, você ainda não tinha sofrido oacidente...- Lembro... foi a primeira vez que testamos a cama!Amélia começa a rir:- Aquele dia foi estranho, não foi? Acho que eu já estava tentando me esquivarde um sentimento totalmente sem controle.- É, a gente foi se descobrindo a partir daquele dia. Nunca mais eu quis ficarlonge de você, dos seus conselhos, da sua ternura. – Vitor chega mais perto deAmélia e pega seu rosto com carinho. – Eu já me sentia atraído pela nossaproximidade, mesmo que ainda impensada, impulsiva.Amélia o beija e olha nos olhos dele:- Tantas lembranças boas, tantas ruins também... Agora eu sinto como seestivesse vivendo de novo. Começando do zero.Vitor se aproxima mais, tocando o rosto de Amélia:- E agora vão ser só momentos bons. A gente deixa pra trás esse quarto,guarda o nosso primeiro encontro, primeiro beijo... esquece os problemas, oMax. E vamos viver, pensar no presente e no futuro...- É. Eu nem acredito ainda.- Hum. Vou fazer você acreditar então... vem aqui. – Vitor a segura ainda maisforte pela cintura, puxa o corpo de Amélia contra o seu e a beija intensamente.À noite, Vitor e Amélia recebem Fred, Janaína, Solano e Manu na fazenda paraum jantar. Depois da refeição, todos conversam animadamente na sala,tomando vinho:- Então, eu quero aproveitar e dizer que meu projeto já fica pronto na semanaque vem.- Projeto, Fred? Que projeto? – diz Manuela, curiosa.- Pois é. Eu não falei pra ninguém, nem pra minha mulher, né, Jana?- É, não estou sabendo de nenhum projeto. O que é isso, meu amor? Conta! –Janaína sorri, também curiosa.- Então... Vou ali pegar uma coisinha. – Fred sai e deixam todos apreensivos,esperando.- Pronto! Aqui está.- Que papel é esse, cara? – Vitor fala olhando para um papel enrolado nasmãos de Fred.- Calma, vou abrir aqui na mesa... Tcharan... Aqui está!- Uma planta? Que lugar é esse, filho?
  • 33. - Adivinha, dona Amélia. Um lugar em frente ao rio, com toques rústicos e aomesmo tempo sofisticado.- Não estou entendendo, Fred. – Amélia diz.- Mãe, Vitor. Essa é a nova casa de vocês. Estive planejando ela desde quandosaí pra lua-de-mel. E fiz tudo no sigilo, pra não estragar essa cara de surpresaque estou vendo nas caras de todos vocês! – Fred começa a rir.- Meu Deus, Fred... Eu não acredito! – Amélia sorri e dá um abraço forte nofilho.- Vocês merecem um lugar só pra vocês... Sair dessa fazenda...Vitor se aproxima de Fred quando ele se desfaz do abraço com a mãe.- Cara, nem sei o que dizer. Muito obrigado, de verdade. – Vitor também dá umabraço em Fred, enquanto Manuela se aproxima:- Maninho, você é um gênio. Tiro o chapéu pra você. XVNo dia seguinte todos vão conferir o término das obras na nova casa de Améliae Vitor, que fica próxima à operadora, de frente para o rio.Todos ficam maravilhados com o bom gosto de Fred. Manuela e Amélia jáplanejam a decoração.Alguns dias se passam e a casa fica pronta, ainda faltando alguns detalhes:- Acho que amanhã a mobília e os eletrônicos já chegam de Juruanã. – DizVitor, animado, para Amélia.- Como assim?- Eu e a Manu fomos ontem ver isso, já que vocês duas haviam escolhido tudocom antecedência pelo catálogo... Só assinei o cheque.- Vitor! Não acredito. Pensei que você tinha ido ver o frigorífico...- Pois é, tive que omitir, por uma boa causa!- Ai, meu Deus! – Amélia pega nas mãos de Vitor. - Você comprou tudo? Eu iaesperar a gente ganhar mais algum dinheiro com a exportação das bijuterias...- Calma, meu amor. Isso é presente meu. Agora com o dinheiro da Rurbanovocê vai comprar seu vestido de noiva, roupas, sapatos... O que você quiser.- Vestido de noiva?- Claro, esqueceu dessa aliança de compromisso no seu dedo, é, dona MariaAmélia Villar?- Mas Vitor... eu já me casei na igreja...- Eu sei, meu amor. Sobre o vestido, eu falei brincando... Você decide tudo.- Não, é que eu fiquei surpresa. Não imaginava que você ia querer tudo isso,vestido, cerimônia...- Você não quer?- Não... Eu quero, eu quero tudo o que você sonha pra você, querido. É que eujá tive isso na minha vida, Vitor, mas você ainda não... - Amélia o olhapreocupada. – Bom, na verdade eu acho que nunca tive uma felicidade assim,porque quando me casei com o Max eu era muito nova e não tinha nemmetade dessa alegria de hoje.Vitor toca o rosto de Amélia e sorri:- É tão bom ouvir isso. Pra mim a gente poderia casar na beira do rio, só nósdois e mais ninguém.Ela retribui o toque de Vitor, segurando em suas mãos:
  • 34. - Você é maravilhoso! Mas sério, eu faço o que você quiser. Se você quer queeu tenha um vestido de noiva, eu providencio! Só não posso usar branco, comose fosse uma garotinha! – explica Amélia, sorrindo.- Olha, eu acho que você ficaria linda até num vestido vermelho se vocêquisesse. Eu não vou opinar sobre isso, quero ser surpreendido. Fica em suasmãos.Amélia morde os lábios sorrindo e dá um selinho em Vitor.- Fechado, meu futuro marido!Vitor a puxa e a beija.Chega o dia do casamento, que acontece na beira do rio Araguaia em umatenda montada especialmente para a ocasião. O padre e o juiz de paz já estãono local para a realização da cerimônia, juntamente com os convidados -sentados em cadeiras brancas enfeitadas com panos bordados com renda.Todo o local foi decorado com flores rosas, amarelas e brancas, dando umtoque suave e discreto. O tapete colocado na areia fazia analogia à grama,com um verde que contrastava com as flores.Vitor estava já posicionado à frente de todos, ansioso e nervoso, com o cabelojogado para trás com gel, vestindo um fraque inteiro branco em um estilo maisdespojado e clean.- Calma, Vitor. Vai dar tudo certo! Já já a dona Amélia chega, toda linda! –Manu tenta acalmar Vitor, sem resultado.De repente, todos ficam quietos olhando para trás. Amélia entra na tenda comFred, com um vestido longo – simples e sem cauda - perolado e devidamentejusto que favorecia muito o seu corpo, ressaltando seu porte esguio e elegante.Detalhes de renda transparente formavam as mangas curtas e delicadas dovestido, que ficavam um pouco abaixo do ombro, quase dando a forma de umvestido tomara-que-caia. No seu pescoço uma pequena pedra de diamantecom uma correntinha de fio de ouro branco e brincos também com umapequena pedra de diamante. A maquiagem era leve e também com tonsperolados, seu cabelo estava mais claro, com tons mais loiros, preso com umapequena flor branca segurando seu cabelo de lado. O buquê era feito comvários tipos de flores brancas e amarelas, amarradas por uma fita delicada decetim.Vitor fica deslumbrado com a imagem de Amélia e sorri, como se estivessevendo um anjo em sua frente.Fred caminha com a mãe, atrás de duas crianças do orfanato do padre Emílio eseguem até o local onde Vitor os espera. Fred passa o braço de Amélia paraele, dizendo:- Cuida bem dela, hein.- Pode deixar. – Vitor diz, segurando com carinho o braço de Amélia, sem tirarsequer um segundo seus olhos dela, maravilhado. Ela sorri e diz um oibaixinho, tocando o rosto de Vitor suavemente.O juiz diz algumas palavras até que os dois confirmam a união, olhandoapaixonadamente um para o outro e trocando as alianças:- Sim!- Sim!Depois que Vitor, Amélia e as testemunhas assinam o livro, o juiz se afasta,dando lugar ao Padre Emílio:
  • 35. - Meus amigos de Girassol, eu queria falar algumas palavras antes deabençoar esse casal. Bom, eu estive acompanhando de perto a dificuldadedessa mulher que aqui está hoje - o padre aponta sua mão para Amélia -dando início a uma nova vida, cheia de felicidade, de conquistas. Uma mulherque fez escolhas na vida como todos nós. Algumas perduraram, outrasgeraram frutos – Padre Emílio olha sorrindo para Fred e Manu, que sorriem devolta – outras não duraram muito e trouxeram infelicidade, angústia... Mastodos nós recebemos de Deus o direito de abdicar, de se arrepender e debuscar um novo sentido... pra uma nova vida. Temos sempre uma segundachance vinda das mãos do Nosso Senhor, e hoje, essa mulher, essa fortemulher nos prova como é possível agarrar com unhas e dentes uma novaoportunidade que Deus nos dá diante das adversidades.E desse outro lado eu vejo um rapaz sorrindo – Vitor sorri ainda mais –querendo viver, querendo construir uma vida com novos valores, ao lado deuma pessoa especial, não é? Eu vejo claramente nos olhos dele o amor, acumplicidade, a amizade. Não porque eu convivo com eles todos os dias aquiem Girassol, mas porque fica evidente para todos nós que esse casal estávivendo uma fase especial, um amor verdadeiro. E é em nome de Deus edesse imenso amor que eu declaro você, Vitor, e você, Amélia, marido emulher. E eu espero que seja pro resto de suas vidas, na saúde e na doença,na alegria e na tristeza! Que Deus os abençoe meus filhos. Vão com Deus!Nesse momento, todos se emocionam. Amélia tenta segurar as lágrimas, emvão. Vitor toca seus olhos suavemente e a beija com carinho. Amélia e Vitorabraçam Padre Emílio e todos vão até eles, felizes com a união.De repente, Aspásia grita:- Dona Amélia, joga o buquê!Amélia olha para Aspásia sorrindo e diz:- É verdade, preciso jogar o buquê, seguir a tradição! – Ela solta a mão de Vitore ele sorri, se afastando.Todas as mulheres solteiras se reúnem no meio da areia e Amélia faz acontagem regressiva, jogando o buquê. Quando ela olha para trás, vê umaconfusão e Nancy com o buquê nas mãos:- Ê fubazada, o buquê é meu!Aspásia e Lurdinha não se conformam e saem reclamando. Pimpinela olhacontente para Nancy que disfarça mas não consegue conter a vontade de olhá-lo também, o que faz o palhaço sorrir mais ainda.Amélia se diverte e abraça Vitor, que a beija apaixonado. XVICom o fim da cerimônia todos seguem para a casa de shows, onde Fredpreparou uma surpresa. O salão estava todo decorado com o conceito daRurbano. Detalhes feitos de capim dourado e artigos imitando as bijuterias tãofamosas desenhadas por Amélia. Ela entra no salão, boquiaberta, semacreditar no que vê:- Meu Deus, que coisa mais linda, Fred!- Gostou? Tem a sua cara, não é? – Ele sorri abraçando a mãe.- Cara, você caprichou! Ficou ótimo tudo isso! – Vitor toca o ombro de Fred,agradecendo e admirando o local.
  • 36. O salão estava cheio de cadeiras enfeitadas com o mesmo material da tenda,com flores por todos os lados, deixando o ambiente delicado e sofisticado.No palco, uma banda formada por músicos conceituados de São Paulo, comtodos os tipos de instrumentos, desde violinos até baixo. Vitor e Améliaconversam com todos, fazendo as “honras da casa”.As músicas se alternavam em vários estilos e quando uma mais lenta começaa tocar, Vitor chama Amélia para dançar, com um olhar cheio de paixão:- Meu amor, me concede essa primeira dança no nosso primeiro dia decasados?Ela sorri e diz:- Claro que sim...Amélia estende suas mãos para Vitor, indo até o meio do salão na qualalgumas pessoas já dançavam. A maioria pára para admirar o casal e depoiscontinuam, enchendo o salão:- Nossa... como você tá linda! Maravilhosa! – Vitor segura em suas mãos e aolha de cima abaixo, com os olhos cheio de paixão e desejo.Ele a segura pela cintura e a conduz na dança. Quase relando seus lábios naorelha de Amélia, ele diz:- Sabia que eu sou o homem mais sortudo desse Araguaia? Ou melhor... dessemundo todo?Amélia sorri e beija suavemente os lábios de Vitor enquanto dança, e com asmãos na sua nuca vai deitando devagar a cabeça em seu ombro - de olhosfechados. Seguindo o ritmo da música e levada por aquele momento, ela diz:- Te amo.Vitor se afasta um pouco dela, fazendo com que ela levante a cabeça e olhepara seus olhos:- Eu também te amo. Hoje é o dia mais feliz da minha vida, Amélia. O dia quevocê passou a ser oficialmente minha... só minha!Nisso, ele segura o rosto de Amélia e pára de dançar, beijando-a diante detodos.Sem medo, sem pudor, eles finalmente conseguem viver aquele amor,compartilhando a felicidade com toda a cidade de Girassol!No decorrer da festa, Amélia e Vitor conseguem sair do salão sem queninguém os visse. Eles vão até a nova casa:- Calma, não entra ainda, Amélia.Amélia pára na porta e fica olhando para Vitor:- O que aconteceu?Vitor sorri e com um olhar apaixonado a pega no colo.- Vitor! Você é maluco. Me coloca no chão!- Calma, meu amor. Eu tinha que fazer isso, é a tradição. Não resisti.Vitor começa a rir, entra com Amélia no colo e fecha a porta com os pés.Amélia não resiste e se entrega aos beijos e carinhos de Vitor, ainda em seucolo.Ele a coloca no chão e os dois olham em volta:- Mas está tudo arrumado... Com os móveis no lugar certo... – Amélia dizincrédula e surpresa, ajeitando seu vestido.- Pois é, a Manuela me disse que ia arrumar tudo antes do casamento e aindaarrumou todas as nossas roupas lá em cima. Sua filha é demais!- Não acredito. Só a Manu mesmo!
  • 37. - Seus filhos são maravilhosos... Puxaram a mãe. – Vitor vai se aproximandode Amélia e a beija novamente.Amélia diz, ainda envolvida pelos beijos:- Vamos subir?Vitor a pega novamente no colo e a beija animado, subindo as escadas. Améliasorri, já achando graça dos impulsos de Vitor e se deixa levar por ele.Os dois chegam no quarto e Vitor a coloca no chão, perto da cama. Eles seolham com paixão e Vitor caminha por trás de Amélia, desabotoando o seuvestido, pérola por pérola. Ele abaixa o vestido delicadamente, fazendo comque caia no chão.Vitor desliza suas mãos nas costas de Amélia, de cima a baixo. Ela, ainda decostas, sente as mãos dele subirem até sua nuca. Ele força com delicadezaseu pescoço para o lado e Amélia sente seus lábios quentes percorrendo todoseu corpo. Ela fecha os olhos e deixa Vitor a conduzir.Ele então desmancha o penteado de Amélia, deixando seus cabelos caíremlevemente. Nisso, Vitor beija cada vez mais a nuca de Amélia e a vira de frentepara ele, alcançado seus lábios e a beijando com intensidade.Os dois se deitam na cama, Amélia tira o terno e depois a camisa de Vitor,ainda o beijando. Vitor a ajuda, retirando sua própria roupa e joga seu corpolevemente sobre o dela, dizendo:- Te amo, Amélia, te amo...Os dois então passam a segunda lua-de-mel na nova casa, se amando atéamanhecer o dia.No dia seguinte, Amélia acorda e não encontra Vitor. Ela se levanta devagar eencosta na cabeceira da cama. De repente Vitor aparece com uma bandeja namão, com tudo que Amélia gosta de comer no café da manhã:- Não acredito nisso!- Viu só como eu sou prendado?Amélia começa a rir sem parar.- Ai, meu amor, eu te amo tanto!Vitor sorri, coloca a bandeja na cama e se debruça com dificuldade sobreAmélia, alcançando seus lábios.- Eu te amo mais ainda. Você fica tão linda quando acorda.- Nossa! Vou fingir que acredito nisso!Amélia se desencosta da cama, beija de leve os lábios de Vitor e se aproximada bandeja, comendo um pedaço de queijo branco e pegando o copo de suco.Vitor a observa e come uma uva, sorrindo para ela. XVIIAlguns dias se passam. Amélia está sentada na mesa da sala de jantar,desenhando algumas peças da Rurbano. Vitor entra em casa sem que elaperceba, coloca as mãos no seu rosto, tapando seus olhos:- Adivinha quem é!- Hum. O homem mais lindo do Araguaia.- Ih, errou! – Ele tira as mãos do rosto de Amélia e fica de frente para ela. – É ohomem mais feliz do Araguaia!Amélia se levanta e o beija com carinho. Ele coloca a sacola de compras emcima da mesa e segura sua cintura com as duas mãos, dizendo:
  • 38. - E então, como vão esses desenhos?- Tudo caminhando perfeitamente.- Que ótimo. – Vitor fala se aproximando dos lábios de Amélia. Quando ele vaibeijá-la, ela sente um forte enjôo, e se desprende dos braços de Vitor.- O que foi?- Nada, eu senti um mal estar de repente.- Sério? Vamos então pro posto médico falar com o Ricardo.- Imagina, meu amor. Já passou... – de repente Amélia tem uma vertigem e seapóia nos braços de Vitor.- Amélia! – Vitor fala assustado segurando Amélia nos braços e a colocando nosofá ao lado. – Senta aqui, calma.- Já está passando. Deve ter sido algo que eu comi.- Vamos pro posto, vem comigo.Amélia nem consegue ir contra a vontade de Vitor, deixando ele a levar até ocarro.Os dois chegam no consultório e Ricardo faz algumas perguntas, depoisexamina Amélia. Ele fica pensativo e olha sorrindo para os dois:- Então, tudo indica que não é nada grave, Amélia. Não foi nenhuma comidaestragada, tenho certeza.Vitor preocupado pergunta:- Mas o que aconteceu, então?- Bom, é o seguinte, Vitor, parece que você vai ser papai.Amélia e Vitor ficam estáticos por algum tempo, até que Vitor diz:- Não... não acredito nisso. Amélia... Você tá... grávida?Ela olha preocupada para Vitor, pensando que talvez a notícia não fosse boa:- Meu Deus. Eu parei de tomar meu anticoncepcional por alguns dias, quando agente viajou. Mas nunca pensei... que isso pudesse...- Pois é, Amélia, veja o caso da Pérola. Ela teve o filho normalmente, seguindotodas as prescrições médicas. Não teve perigo algum. E é normal, sim, vocêsmulheres terem filhos nessa idade. É arriscado, mas se for bem acompanhadaa gravidez, tem tudo pra dar 100% certo. – Ricardo sorri e continua. – Oanticoncepcional serve pra qualquer idade!Amélia não diz nada, apóia seu braço na mesa de Ricardo e coloca a mão natesta sem saber o que pensar. Ricardo então decide sair da sala e deixa ocasal a sós.Vitor finalmente diz, sentando ao lado de Amélia e pegando em suas mãos:- Meu amor, olha pra mim.- Vitor, eu nunca pensei que um dia eu pudesse te dar um filho. Eu devia ter mecuidado e ... me perdoa. Foi tão cedo, ter um filho agora...- Amélia, Amélia... Me escuta. – Vitor cerra os lábios de Amélia com os dedos.– Não é nada disso. Eu fiquei completamente em transe, porque essa é anotícia mais surpreendente e mais maravilhosa da minha vida.Amélia, surpresa com o que Vitor diz, o olha fixamente e ele termina de dizer:- Tem uma notícia melhor do que essa? Saber que a mulher que eu mais amonesse mundo vai me dar um filho? Um filho, Amélia! – Vitor começa a rir, puxaAmélia pelas mãos, fazendo com que ela se levante da cadeira. Ele a olhaapaixonado, segura seu rosto com carinho, com as duas mãos, e a beijadurante longos minutos.Depois, Amélia se afasta e diz:
  • 39. - Você é maravilhoso. Pensei que talvez você achasse que não era a horaainda. Ou que... Meu Deus, eu nem imaginava engravidar. Fiquei preocupadacom duas coisas ao mesmo tempo... não poder te dar um filho e agora, teressa notícia nesse momento, te dando um filho nos primeiros dias decasamento.- Shiu. – Vitor pede para Amélia não dizer mais nada. – Chega depreocupação. Isso tá sendo um sonho pra mim, meu amor. Um sonho! – Ele abeija novamente, até que Ricardo aparece:- E então? Já se acostumaram com a notícia?Os dois sorriem e Vitor diz animado:- Doutor Ricardo, toca aqui. – Vitor cumprimenta Ricardo, apertando sua mão –Nem sei como te agradecer por essa notícia. Você é o cara!Ricardo começa a rir e diz:- Mas a Amélia tem que fazer todos os exames, vamos confirmar certinho, tudobem? Mas tudo indica que você deve estar com algumas semanas de gravidez.- Meu Deus, nem acredito. – Amélia se emociona e Vitor a abraça, beijandosua testa.Depois de uns dias, Amélia confirma sua gravidez com os exames e começa afazer o pré-natal, tomando todos os cuidados necessários.Ela conversa com Pérola, que aconselha a amiga durante toda a gravidez.O tempo passa e Amélia já está com a barriga relativamente grande, aos seismeses de gravidez, porque espera não um, mas dois bebês. Durante todo essetempo Vitor não se desgruda nenhum segundo de Amélia, a mimando o tempotodo.- Amor, a Manuela ligou e disse que está vindo pra cá. Vocês vão sair?Querem que eu leve vocês em algum lugar?- Vitor, calma! Não precisa tanta preocupação assim.- Desculpa, meu amor. Eu sei que eu tô sendo super chato com você. É que eufalo sem pensar, quando vou ver eu já estou sendo pegajoso, deixando vocêsem paz.Amélia sorri e acaricia o rosto de Vitor:- Querido... Você não está sendo chato! Eu juro! Só um pouquinho... hum,preocupado demais.- Desculpa!Amélia beija várias vezes o rosto de Vitor. Ele a beija nos lábios e depois beijasua barriga, passando suas mãos delicadamente sobre ela.- E o ultrassom? Vamos hoje finalmente saber o sexo? – Vitor diz, segurandoseu rosto.- Você quer mesmo saber?- Eu queria deixar um suspense, como tínhamos combinado. Ficar sabendo sóno dia do parto. Mas não vou aguentar Amélia. Quero já conversar com elesdentro da sua barriga!Amélia ri:- Tudo bem. Vamos hoje então. A Manu aproveita e vai com a gente.- Fechado.
  • 40. XVIIIOs dois chegam no consultório junto com Manuela. Doutor Ricardo dizanimado:- Que prazer! Vamos inaugurar o crescimento do nosso posto, com a novamáquina de ultrassom aqui em Girassol, com você, Amélia!- Nossa, que honra a minha. Vamos lá?Todos ficam apreensivos para saber o sexo dos bebês, esperando Ricardofalar.- E então, Ricardo? – Diz Manuela aflita.Vitor fala, ansioso:- Ai, meu Deus, tô nervoso!- Vamos lá, papai, já pensar no nome das crianças! – Ricardo diz animado.Amélia acaricia o rosto de Vitor tentando acalmá-lo.- Bom, vou mostrando aqui na tela pra vocês. Esse aqui, pela marca mais queevidente, é um menino!- Um menino, Amélia! – Vitor diz com os olhos brilhando, quase chorando.Amélia se emociona, olhando a tela fixamente e Manu diz:- Não acredito, vou ter um irmãozinho de novo!Ricardo os interrompe:- Vamos ver agora se o outro é irmãozinho ou irmãzinha...– Ele aponta para atela. – Estão vendo?- O que? O que foi? – Diz Vitor ansioso.- Essa outra pessoinha aqui agora, é... uma menina!Amélia, Vitor e Manuela ficam boquiabertos, sem palavras, até que Améliaconsegue falar:- Um casal!Vitor começa a rir e a chorar ao mesmo tempo e beija Amélia, que tambémchora:- Meu amor, um casal! Não acredito!- Meu Deus do céu... Preciso contar isso pro Fred correndo. – Manuela beija amãe e sai depressa para contar a novidade para Fred.Um mês se passa. Já é noite e Amélia e Vitor estão na sala assistindo umfilme: ela encostada no peito de Vitor e ele sentado, com um dos braços na suabarriga e o outro envolvendo seu pescoço.- Querido, não fica bravo comigo?- Eu, bravo? Por quê?Amélia se levanta e senta de frente para ele.- Você vai ficar, tenho certeza.- Se você não me disser... - Ele começa a rir.- É que... me deu uma vontade imensa de comer aquele bolo de milho quenteda Terê.Vitor ri ainda mais.- Ai, meu amor... Eu pensando que era alguma coisa horrível.- Mas eu estou morrendo de vontade de comer esse bolo e já são 11 horas danoite.- Não tem problema. A Terê é nossa amiga e ela deve entender os desejos degrávida, afinal ela tem um filho também. Amélia sorri e dá um selinho em Vitor, sorrindo:- Você não existe.
  • 41. Ele a puxa para seus braços novamente, a beijando por alguns minutos, depoisse levanta:- Fica quietinha aí, depois me conta o que aconteceu no filme. Vou lá rápidosenão um dos nossos filhos vai nascer com cara de bolo de milho. Não é issoque acontece? – Vitor e Amélia começam a rir.- Tá bem. Desculpa, amor...Ele volta e dá mais um beijo em Amélia, saindo em seguida para buscar o bolode milho na estalagem.Quando Vitor volta, Amélia está encostada no sofá e o olha animada:- E então? Trouxe o bolo? A Terê ficou chateada?Vitor dispara a rir.- Ai, Amélia. Te amo tanto! – Ele a beija e continua - Trouxe sim. Tá aqui. Aliás,tá com uma cara ótima, você me dá um pedaço?- Ai, mas tem tão pouco.Vitor ri ainda mais.- Não precisa, amor, estava brincando. Eu comi um pedacinho lá na estalagem.E falando na Terê, ela não ficou chateada de jeito algum e ainda me contouque naquele dia em que fomos buscar minhas roupas no quarto, ela realmenteteve uma visão, lembra?- Claro! Mas ela não disse o que era...- Pois é. Hoje ela me contou que a visão era justamente você grávida.- Não acredito!- É, ela conseguiu fazer um suspense até sua barriga crescer!Os dois começam a rir e Vitor olha de um jeito apaixonado para Améliacomendo o bolo, como se ela fosse um anjo.Todo o período da gravidez, Vitor não fica um segundo longe, deixando ofrigorífico aos cuidados de pessoas de sua confiança. A Rurbano continuasendo acompanhada por ele e Amélia apenas desenha as peças, deixando orestante do trabalho com Pérola e as outras ajudantes, já que a produçãocresceu e a contratação de novas pessoas foi necessária.Dois meses se passam. São 5 horas da manhã e Amélia e Vitor ainda dormem.De repente Amélia acorda e sente que sua bolsa estourou. Ela acorda Vitordevagar:- Meu amor. Acorda...- Oi... O que aconteceu?- Já está na hora...- O quê?- Eles vão nascer, Vitor!Vitor escuta e finalmente acorda, assustado, entendendo as palavras deAmélia:- Já vão nascer? Meu Deus! Amélia, vem aqui, toma cuidado, se apóia emmim. Vou ligar para o Ricardo.Vitor avisa Ricardo, que segue para o posto junto com a enfermeira. Depois daligação, Vitor carrega Amélia, preocupado, pegando as bolsas já prontas dosbebês. Os dois entram no carro e seguem para o posto médico.
  • 42. XIXChegando no posto, Vitor coloca Amélia numa cadeira de rodas que encontralogo a sua frente e chama por Ricardo, que estava arrumando a sala para oparto:- Ricardo, Ricardo!O médico aparece logo em seguida, levando Amélia – aparentemente calma –até a sala do parto e dizendo:- Vamos lá, Amélia? Assim que vocês me ligaram já chamei o cirurgião deJuruanã. Vamos esperar na sala de cirurgia e preparar sua anestesia.Vitor a acompanha, segurando suas mãos.Manuela, Solano, Fred e Janaína chegam no posto e ficam na sala de espera.Logo em seguida chega o cirurgião e segue para a sala onde Amélia está.Todos aguardam ansiosos por algum tempo, quando escutam um choro e logodepois outro...Na sala ao lado, Amélia já havia passado por uma cesariana, com Vitor ao seulado todo o tempo filmando o momento e segurando sua mão. Ricardo colocaum filho de cada lado para Amélia segurar. Ela olha os filhos, maravilhada,junto com Vitor:- Meus filhos... nossos filhos! – Ela beija a testa de cada um e olha para Vitorcom carinho.- São lindos, meu amor. Eu nem acredito! – Vitor diz tropeçando nas palavras,ainda sem fôlego, acariciando cada um dos bebês, com cuidado.Amélia vai para o quarto ao lado e se recupera do parto, enquanto as criançassão levadas para outro cômodo do posto - já todo reformado e ampliado.A enfermeira que ajuda Ricardo dá um banho nas crianças e logo as leva paraAmélia, avisando que os bebês nasceram no tempo certo, sem nenhumacomplicação.- E então, Amélia, como se sente? – Ricardo entra no quarto junto comManuela e Fred.- Estou ótima!- Perfeito, depois eu volto pra medir sua pressão e acredito que você possa irpra casa depois de amanhã e se recuperar em casa por algumas semanas...Podem ficar à vontade! Com licença.- Obrigada, Ricardo.Manuela se aproxima, se desmanchando com os bebês:- Ai... que lindos, posso pegar?- Claro, filha.Vitor fica olhando, sorrindo:- Eles não são lindos? Se parecem com a mãe.Manuela o interrompe, olhando para o bebê no seu colo:- Ah, Vitor, esse menininho é a sua cara... os olhos são verdes, olha isso!- E os nomes? Já decidiram? – Fred diz, animado.Amélia olha para Vitor, que está segurando um dos bebês, e responde ao filho:- Já decidimos, não é, Vitor?- Sim. Bom, o menino vai chamar Benjamin e a menina, Vitória!- Lindos os nomes, amei! – Manuela adora os nomes dos irmãos e passaBenjamim para Fred segurar, que diz:- Oi, irmãozinho!
  • 43. Manu diz sorrindo:- Ah, eu também quero um desses!Todos começam a rir.Alguns meses se passam, Amélia está com Vitor no quarto dos bebês olhandoos dois dormindo no berço:- Olha só pra eles. Parecem dois anjinhos. O Benjamin é a sua cara, meuamor. Impressionante... Com esses cachinhos loiros, os olhos verdes. – Améliaacaricia os cabelos de Benjamin delicadamente para não acordá-lo.Vitor sorri e diz:- E a Vitória? Tem os olhos puxados como os seus, brilhantes como os seus.Linda! Vou sofrer demais, tô até vendo.Os dois começam a rir, Vitor abraça Amélia por trás com as duas mãos,encaixando seu queixo no pescoço dela e olhando para os filhos:- Nem acredito ainda que você me deu essa felicidade, meu amor...Amélia se vira para Vitor segurando seu rosto com uma das mãos, dando umselinho nele:- Você me deu essa felicidade! Além de várias outras. Nunca imaginei passarpor isso de novo. Uma alegria sem tamanho... Eu amo você!Vitor a olha com amor, segura seu rosto com as duas mãos, beija seus lábios edepois beija levemente seu pescoço:- Eu também te amo... muito!Os dois voltam a olhar Benjamin e Vitória dormindo. Vitor segura a cintura deAmélia novamente e os dois saem do quarto devagar para não acordar osfilhos.Chegando no quarto, Amélia anda na frente de Vitor tirando seu roupão paradormir. Ele a puxa pelo braço e a segura com força, se aproximando de seuslábios:- Sabia que eu sinto saudades de você a cada minuto... cada segundo?Amélia acaricia o rosto de Vitor, passando seus dedos nos lábios dele e jáfechando os olhos. Vitor a beija e os dois caminham até a cama, sentindo quenada mais poderia ser mais perfeito do que aquele momento. Os filhosdormindo em paz no quarto ao lado e os dois podendo matar as saudades acada minuto, a cada segundo, sem que ninguém os impedisse.“Meu Deus, não faz sentido duas pessoas se quererem tanto, e seremobrigadas a ficar longe uma da outra...”“Eu te quero tanto, eu te preciso muito, muito, muito. Todos os dias domeu lado, dia e noite...”“Eu não vou perder você por nada desse mundo.”“Tudo ficou vazio depois que deixei de ouvir a tua voz. Te amo...”“Sou uma mulher amada, finalmente eu sou uma mulher amada! ” FIM

×