A Nossa ApresentaçãO

2,245 views
2,027 views

Published on

Published in: Travel, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,245
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Nossa ApresentaçãO

  1. 1. CENTRO DE FORMAÇÃO DE LOURES ORIENTAL
  2. 2. NÓS GOSTÁMOS DE FAZER!! •
  3. 3. Planificação – Maquete como Estratégia de Aprendizagem em História • Identificação do Monumento/Acontecimento a Explorar Recriar uma anta • Objectivos da Maquete Simplificada Simbólica Motivação/Aprendizagem • Objectivos de Aprendizagem Utilização de unidades de referência temporal Apropriação e emprego de conceitos e vocabulário de suporte às representações e construção de relações de temporalidade Observação, caracterização e interpretação de gravuras, fotografias, vídeo, filme Recriação de uma situação histórica sob a forma plástica • Organização das Aprendizagens Construir uma anta Materiais Utensílios Técnicas
  4. 4. Maquetes
  5. 5. Anta da Rotunda de CARIA
  6. 6. A nossa maquete – Recolha de materiais Pedras e paus
  7. 7. A NOSSA maquete - Construção
  8. 8. A NOSSA maquete - Construção
  9. 9. A NOSSA maquete
  10. 10. A MAQUETE na aula PLANIFICAÇÃO - ACTIVIDADES Fase de identificação e investigação • Localizar no mapa da Europa a região Ocidental, como um dos grandes centros da cultura megalítica; • Observar e explorar documentos iconográficos, informáticos e digitais representativos de aspectos da vida quotidiana das Comunidades Agro-pastoris, nomeadamente o aparecimento das grandes construções megalíticas; • Ler e compreender textos e legendas informativas; • Identificar os diferentes elementos constitutivos dos dólmenes ou antas; • Registar conclusões simples; • Reconhecer os dólmenes ou antas, como manifestações artísticas e religiosas, com finalidade funerária; • Seleccionar o modelo de anta ou dólmen a reproduzir.
  11. 11. A MAQUETE na aula PLANIFICAÇÃO - ACTIVIDADES • Dividir a Turma em grupos de trabalho e distribuir tarefas: • Pesquisar sobre a anta ou dólmen que vão recriar, nomeadamente: número de esteios; tamanho/formato aproximados dos esteios, da câmara, da tampa ou chapéu e do corredor (caso exista); • Fase de execução dos elementos: • Grupo 1- Elaborar a base/suporte; • Grupo 2- Reproduzir os esteios; • Grupo 3- Reproduzir a tampa; • Grupo 4- Reproduzir elementos do corredor ou outros elementos recolhidos; • Grupo 5- Moldar elementos da Comunidade Agro-Pastoril
  12. 12. A MAQUETE na aula PLANIFICAÇÃO - ACTIVIDADES • Fase de montagem e finalização: • Fixar a base no suporte a utilizar; • Fixar os esteios na base, dispondo-os na vertical, de modo a delimitarem interiormente uma pequena câmara, mais ou menos circular; • Recriar a colocação da tampa, fazendo-a deslizar sobre paus redondos; • Fixar os esteios do corredor; • Completar a mamoa, revestindo-a (caso exista); • Dispor os elementos humanos e naturais, que ajudam a recriar o resultado pretendido. • Fase de apresentação e avaliação: • Apresentação do trabalho à turma ; • Avaliação integrando todos os passos seguidos para a elaboração do trabalho, assim, como reflexão • crítica sobre a participação de cada grupo, nas diferentes fases e no resultado final. Esta ponderação deverá incluir os pontos fortes a evidenciar e pistas de superação de dificuldades surgidas.
  13. 13. A MAQUETE na aula PLANIFICAÇÃO - MATERIAIS Fase de identificação e investigação Atlas; Manual de HGP; Atlas de aula; Friso cronológico; Caderno diário; Livros para consulta; Textos; Materiais recolhidos em webliografia; Materiais digitais;
  14. 14. A MAQUETE na aula PLANIFICAÇÃO - MATERIAIS Fase de execução e montagem Plasticina; Barro; Madeira/ cartão/ capaline para base; Pedras; Paus; Corda / cordel / fio; Tintas e pincéis; Terra, cascalho (ou qualquer outro elemento que simule o ambiente natural)
  15. 15. A MAQUETE na aula AVALIAÇÃO • Observação centrada no interesse, participação no diálogo e desempenho das tarefas propostas; • Observação e registo da interpretação dos documentos utilizados; • Registo da concentração e empenho nas actividades; • Observação e registo da consecução do trabalho; • Registo da utilização dos conhecimentos adquiridos.
  16. 16. ACTIVIDADES MATERIAIS AVALIAÇÃO TEMPO Fase de identificação e investigação Localizar no mapa da Europa a região Ocidental, como um dos grandes centros da cultura megalítica; Observar e explorar documentos iconográficos, informáticos e digitais representativos de aspectos da vida quotidiana das Comunidades Agro-pastoris, nomeadamente o aparecimento das grandes construções megalíticas; Ler e compreender textos e legendas informativas; Identificar os diferentes elementos constitutivos dos dólmenes ou antas; Registar conclusões simples; Reconhecer os dólmenes ou antas, como manifestações artísticas e religiosas, com finalidade funerária; Seleccionar o modelo de anta ou dólmen a reproduzir. Dividir a Turma em grupos de trabalho e distribuir tarefas: Pesquisar sobre a anta ou dólmen que vão recriar, nomeadamente: número de esteios; tamanho/formato aproximados dos esteios, da câmara, da tampa ou chapéu e do corredor (caso exista); Fase de execução dos elementos: Grupo 1- Elaborar a base/suporte; Grupo 2- Reproduzir os esteios; Grupo 3- Reproduzir a tampa; Grupo 4- Reproduzir elementos do corredor ou outros elementos recolhidos; Grupo 5- Moldar elementos da Comunidade Agro-Pastoril Fase de montagem e finalização: Fixar a base no suporte a utilizar; Fixar os esteios na base, dispondo-os na vertical, de modo a delimitarem interiormente uma pequena câmara, mais ou menos circular; Recriar a colocação da tampa, fazendo-a deslizar sobre paus redondos; Fixar os esteios do corredor; Completar a mamoa, revestindo-a (caso exista); Dispor os elementos humanos e naturais, que ajudam a recriar o resultado pretendido. Fase de apresentação e avaliação Apresentação do trabalho à turma ; Avaliação integrando todos os passos seguidos para a elaboração do trabalho, assim, como reflexão crítica sobre a participação de cada grupo, nas diferentes fases e no resultado final. Esta ponderação deverá incluir os pontos fortes a evidenciar e pistas de superação de dificuldades surgidas. Atlas; Manual de HGP; Atlas de aula; Friso cronológico; Caderno diário; Livros para consulta; Textos; Materiais recolhidos em webliografia; Materiais digitais; Plasticina; Barro; Madeira/ cartão/ capaline para base; Pedras; Paus; Corda / cordel / fio; Tintas e pincéis; Terra, cascalho (ou qualquer outro elemento que simule o ambiente natural) Ficha de auto e hetero- avaliação Observação centrada no interesse, participação no diálogo e desempenho das tarefas propostas; Observação e registo da interpretação dos documentos utilizados; Registo da concentração e empenho nas actividades Observação e registo da consecução do trabalho; Registo da utilização dos conhecimentos adquiridos; Registo de auto e hetero avaliação 90 45 90 + 45 45
  17. 17. A MAQUETE na aula Instrumentos a utilizar: PLANIFICAÇÃO: Constituição dos grupos Planificação do trabalho Divisão do trabalho AVALIAÇÃO: Avaliação contínua do trabalho (alunos) Avaliação contínua (professora) Auto-avaliação
  18. 18. A NOSSA MAQUETE ESPECIAL

×