Your SlideShare is downloading. ×
Gestão do conhecimento FIA - 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gestão do conhecimento FIA - 2011

4,791

Published on

Curso de MBA em Gestão do Conhecimento. Conceitos Centrais.

Curso de MBA em Gestão do Conhecimento. Conceitos Centrais.

Published in: Business
1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
4,791
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
367
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Gestão do Conhecimento MBA – CTIProf. Dr. José Cláudio C. Terra 2011
  • 2. Livros publicados relacionados à Gestão do Conhecimento •2
  • 3. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 4. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 5. Alguns exemplos de questões estratégicas relacionadas ao conhecimento... Como transferir as boas práticas da unidade X para a unidade Y? Como encontrar rapidamente um especialista no assunto xpto? Como não perder horas e mais horas buscando informação? Como evitar a constante reinvenção da roda? Como usar a experiência, erros e acertos, para aprender coletivamente....? Como saber antes da minha concorrência que....? Como reter conhecimento abc na empresa ? Como proteger informação xyz? Como criar uma cultura global ? Como gerar e implementar novas idéias de forma constante e inovações radicais? Qual é o tipo de conhecimento que me garante vantagem competitiva?
  • 6. Vantagens Competitivas e Conhecimentos Críticos Vantagens Competitivas Ativos Tangíveis Core Competences Ativos Intangíveis DiferenciadosEquipamentos LiderançaLocalização CulturaDireitos Adquiridos Capital Social Know-how Know-how Know-howVantagens Tributárias RelacionamentosCusto de Capital Patentes & Fórmulas Metodologia de Gestão Capital Humano Conhecimentos Críticos 7
  • 7. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 8. ...começando pelo essencial... Qual o tipo de Conhecimento tem valor para as organizações?  Tácito – abstrato  Tácito - procedural  Competências  Metáforas, Valores, Estórias Gestão exige abordagens  Comunicado (“Falado”) absolutamente distintas  Codificado (científico, processos, softwares)  Embutido
  • 9. Categorias de conhecimento organizacionalExplicito •Arquivos Documentos •Relatórios •Vídeos •Procedimentos Métodos •Metodologias •Tecnologias •Contatos Relacionamento •Habilidades interpessoais •Aprendizados Habilidades •Expertises Experiências •Bagagem profissional Talento •DonsTácito natural •Habilidades naturais
  • 10. Como eu aprendo?
  • 11. Como nós aprendemos?
  • 12. Como nós aprendemos?Como eu aprendo?
  • 13. Desafios da Construção Coletiva de Conhecimento Você conhece indivíduos que:  Acreditam tanto no próprio conhecimento e experiência que nunca pedem opinião ou ajuda de outros?  Só conversam com pessoas do seu nível hierárquico?  Raramente saem de suas empresas e mantém um círculo super restrito de contatos ao longo de sua vida profissional?  Estão sempre super atrasados? Nunca tem tempo para conversar com outros?  Têm problema de auto-estima e, portanto, medo de se mostrar incompetentes?  Tentam resolver problemas e desafios até o último momento até os problemas estouram em suas próprias caras?  Tem medo da competição com colegas e não perguntam nada para ninguém por medo de mostrar suas fragilidades?
  • 14. Desafios da Construção Coletiva de Conhecimento Você conhece empresas que:  Os funcionários não têm ambiente ou mecanismos para contribuir com suas ideias?  Raramente pedem opinião para clientes e fornecedores?  Não se dão conta do que a Web 2.0 significa em termos de modelos colaborativos de negócios?  Incentivam a desconfiança de pessoas de fora da empresa?  Acreditam que todos os melhores talentos de seu setor trabalham necessariamente dentro da empresa?  São incapazes de compartilhar qualquer tipo de propriedade intelectual?  Raramente conseguem estabelecer alianças?  Acreditam que todas as boas ideias vem de dentro da empresa?
  • 15. Processo de Compartilhamento de Conhecimentos CONTEXTO E TIPO DE CONHECIMENTO Características Características dos do Indivíduos Ambiente Processos e Infra-estrutura
  • 16. Processo de Compartilhamento de Conhecimentos Contexto e Tipo de Conhecimento Grau de dependência da “experiência” do detentor do conhecimento e do contexto de aplicação do conhecimento Grau de Complexidade do Conhecimento Características Características dos do Indivíduos Ambiente Processos e Infra-estrutura
  • 17. Processo de Compartilhamento de Conhecimentos CONTEXTO E TIPO DE CONHECIMENTO Características Individuais Habilidade de verbalização e documentação do detentor do conhecimento Características Reputação do detentor do conhecimento do Habilidade de absorção por parte do receptor do conhecimento Ambiente Auto-estima, disposição e habilidade de perguntar e personalidade flexível Processos e Infra-estrutura
  • 18. Processo de Compartilhamento de Conhecimentos CONTEXTO E TIPO DE CONHECIMENTO Características do Ambiente Objetivos (“nobres”) comuns Valores comuns Características Linguagem comum Individuais Encontros frequentes e redução de símbolos de status Rotina para “troca de Idéias e Conhecimento Incentivos para colaboração Processos e Infra-estrutura
  • 19. Processo de Compartilhamento de Conhecimentos CONTEXTO E TIPO DE CONHECIMENTO Características Características Individuais do ambiente Processos e Infra-estrutura Estrutura de classificação, publicação, validação e busca do conhecimento Mapas de “Conhecimento” Infra-estrutura: Ambientes virtuais colaborativos (web 2.0)
  • 20. Como os trabalhadores do conhecimento gastam o seu tempo? Atividades administrativas? Atividades exploratórias? Dentro da organização? Fora da organização? Lendo? Escrevendo? Compartilhando com colegas? Ensinando? Sendo mentor? Buscando informação? Organizando informação? Networking?
  • 21. Habilidades para o trabalhador do conhecimento1. Acesso efetivo à informação2. Avaliação e validação da informação3. Produção de (conhecimento) informação4. Organização e proteção da informação5. Atuação em Rede: Colaboração, Publicação e Disseminação da Informação
  • 22. Trabalhador do Conhecimento: como eles aprendem? Sabendo Ensinando o quê aprender Ensino Formal Refletindo Treinamento Escrevendo Corporativo Acesso a Conversando Informações Trabalhando – Fazendo - Querendo Errando Aprender
  • 23. Empresa do Conhecimento: como ela aprende? A organização focada A Organização que no recurso conhecimento ensina! A organização queA Organização que Reflete!aprende! A organização que tem memória! A organização Transparente! A organização que opera em rede! A Organização que experimenta! A organização que inspira!
  • 24. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 25.  Características de Ambientes SEM Gestão do Conhecimento
  • 26. Características de Ambientes sem G.C.1. Falta de relação entre estratégia e conhecimento• Pessoas na organização definem as competências-chave em termos de produtos e serviços. Não há clareza sobre quais os principais ativos intangíveis da organização• Sobre a natureza explícita ou tácita dos conhecimentos estratégicos• As estratégias da empresa não são comunicadas de forma ampla e nem diretamente relacionadas a bases de conhecimento• Não há estratégias sistemáticas para aquisição de conhecimento externo à empresa e inserção em redes externas de aprendizado e colaboração
  • 27. •Características de Ambientes sem G.C. 2. Cultura que não estimula a colaboração • Atitudes colaborativas não são um fator importante para contratação • Não se investe tempo e recursos para transmissão de valores, cultura e formação de redes de contato (particularmente nas primeiras semanas de novos empregados) • Falta de reconhecimento visível por atitudes colaborativas • Sistemas de remuneração focados apenas no desempenho individual • Pessoas não colaborativas são promovidas
  • 28. Características de Ambientes sem G.C.2.1 Cultura que não estimula a colaboração• Ausência de exemplo de compartilhamento e muita coisa “secreta”• Relações muito formais e comunicação através das linhas hierárquicas• Espaços físicos que não facilitam o contato pessoal• Mecanismos de revisão de erros passados com foco no aprimoramento não são amplamente difundidos• Elevado turn-over
  • 29. Características de Ambientes sem G.C.3. Conhecimento disperso e não ordenado• Na cabeça das pessoas• Em papel, gavetas, diskettes (pen drives!!!!)• Em aplicativos que não se comunicam• Em múltiplas Intranets sem responsabilidades muito bem definidas (sem governança)• Ausência ou pouca sistematização de lições aprendidas, metodologias, boas práticas e benchmarking
  • 30. Características de Ambientes sem G.C.4. Infraestrutura• Plataformas e formatos proprietários• Ausência de uma arquitetura corporativa unificada• Dificuldade de integração de dados• Aplicações de TI focada no desktop ou em aplicativos específicos e departamentais
  • 31. Características de Ambientes sem G.C.5. Acesso à Informação• Dificuldade em acessar informações vitais• Informação residente em silos departamentais• Ausência de padrões corporativos para design de informações (sites) departamentais• Redundância e duplicação de informação• Vários métodos e senhas para se buscar e acessar informação e necessidade de Intermediação de TI para acessar informação
  • 32. Características de Ambientes sem G.C.6. Excesso de Informação• Ausência de customização com base no perfil dos usuários• Impossibilidade de personalização• Inexistência de mecanismos de categorização automáticos e/ou semi-automáticos• Muitos aplicativos abertos simultaneamente• Mecanismos de busca bastante limitados
  • 33. Características de Ambientes sem G.C.7. Ausência de informação sobre a informação• Quem criou a informação, seu “background” e como pode ser contactado?• Por quanto tempo a informação será válida, acurada e relevante?• Em quais contextos a informação é relevante?• Quem validou a informação?• Falta de mecanismos amigáveis de feedback
  • 34. Características de Ambientes sem G.C.8. Ausência de políticas explícitas para acesso à informação e para publicação• Qual a política de informação da empresa?• Quem pode publicar?• Que informações precisam ser pré-aprovadas?• Que informação pode ser compartilhada com clientes, parceiros e fornecedores?
  • 35. Características de Ambientes sem G.C.9. Ausência de mecanismos eficientes e distribuídos de publicação e colaboração• Dificuldade para indivíduos em publicar informação para o resto da empresa• Publicação sem validação ou ciclo de vida• Dificuldade na localização de experts• Ambientes virtuais de colaboração limitados• Ausência de mecanismos de colaboração que incluam parceiros externos de forma segura
  • 36. Características de Ambientes sem G.C.10. Ausência de métricas para medir fluxos de conhecimento e satisfação dos usuários• Sistemas com baixo grau de uso e métricas focadas no desempenho técnico• Baixo entendimento do valor e uso de conteúdos estratégicos• Perspectiva dos usuários não avaliada• Ausência de mecanismos de reconhecimento de contribuições individuais ou departamentais
  • 37. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 38. Entendendo a Gestão do Conhecimento Gerenciando Conhecimento  Filosofia  PsicologiaGestão da  AdministraçãoInformação  Sociologia  Economia
  • 39. Entendendo a Gestão do Conhecimento Gerenciando Conhecimento  Filosofia  PsicologiaGestão da  AdministraçãoInformação  Sociologia  Economia
  • 40. Entendendo a Gestão do Conhecimento Gerenciando Conhecimento  Estratégia  Gestão de RH  TIAdministração  Finanças  P&D & Innovação  Marketing
  • 41. Gestão do Conhecimento: para saber como implementar é preciso entender suas origens... Modelos de Negócio Virtuais e Colaborativos Gestão Por Processos & Qualidade (TQM)Gestão daInovação Inteligência Artificial GCInternet Busca Portais Gestão do Capital Intelectual CMS GroupwareWeb 2.0 Gestão da Learningetc Informação Organization © TerraForum Consultores
  • 42. ... e suas metodologias e ferramentas Colaboração com Mapeamento de clientes, fornecedores, etc processosStage-gates SistemasMétodo delphi especialistas GC Internet Busca Portais Conhecimentos críticos, patentes, etc CMS Groupware Web 2.0 Taxonomia Cultura etc organizacional © TerraForum Consultores Slide
  • 43. Objetivos e Escopo da Gestão do Conhecimento Não Prover Integrar Reduzir reinventar Informação Informação e Silos de a Relevante Conhecimento Informação roda J.I.T. Externos Proteger e Mapear Facilitar VenderConhecimento Valorizar o Cap. Intelec. G.C. Competências Contribuição Individuais Individual Aumentar Benchmark Integrar Acelerar Colaboração Interno e Divisões e Aprendizado Com Parceiros Externo Empresas Externos
  • 44. Gestão do Conhecimento Objetivos Empresariais Objetivos dos ProfissionaisAcelerar a geração de novos conhecimentos de valor Maior produtividade competitivo profissional e pessoalTransferir conhecimento entre Acesso à Informação diferentes localidades Gerir excesso de InformaçãoReduzir custos e re-trabalho Aprender ContinuamenteProver informações atualizadas, selecionadas e de valor Manter-se conectado em redesReter conhecimento estratégico relevantesProteger o capital intelectual Desenvolver uma identidade existente na empresa Ser reconhecidoServir melhor os clientes
  • 45. “What Knowledge Management offers us is insightinto aspects of management that we have failed tounderstand properly because of our failure toconsider the nature and characteristics ofknowledge” Professor Robert M. Grant, Georgetown University
  • 46. Neste contexto tão amplo é possívelpensar em alguma definição deGestão do Conhecimento?
  • 47. Gestão do Conhecimento como Processo Direcionamento Estratégico Governança“As iniciativas e processos que lidam Gestão de Mudança – Cultura Organizacionalcom os conhecimentos organizacionaispodem gerar melhores resultados se Codificarcontarem com uma abordagem Criar / Inovarsistêmica de Gestão do Conhecimento” Organizar“Dessa forma, é possível gerar GC Protegerresultados para os profissionais e paraa organização, obtendo o máximo valor Compartilhar © TerraForum Consultoresa partir do conhecimento existente – ou Disseminarmesmo da criação de novosconhecimentos – na organização.” Taxonomia Infraestrutura, Ferramentas, Tecnologia 49
  • 48. Cadeia de Valor da Gestão do Conhecimento Métodos e Objetivos GC Escopo & Desafios do Ferramentas Foco Negócio Estímulo Insight & Cognitivo Inovação Colaboração Aprendizado Ação Geração de & Exercícios Valor Acesso à Reuso Informação Informação Negócio Indivíduos © TerraForum 50
  • 49. Contexto Estratégico para Gestão do ConhecimentoPara estabelecer o Direcionamento CURTO PRAZO MÉDIO PRAZO LONGO PRAZOEstratégico de GC é fundamental Tendências e desafios futurosentender o contexto estratégico daorganização – em seus principaiscenários presentes e futuros. Necessidades e desafios atuaisA partir desse pano de fundo, é possívelestabelecer os principais direcionadorespara GC: Conhecimentos Críticos Conhecimentos Emergentes• Conhecimentos essenciais para Críticos Atuais sustentar a estratégia da organização e alavancar seu desempenho no curto prazo Estratégias e Ferramentas• Estratégias para aquisição, de Gestão do Conhecimento desenvolvimento e compartilhamento desses conhecimentos em contextos e da Inovação específicos• Ferramentas e métodos de Gestão do Estratégia Organizacional Conhecimento (GC) e de Gestão da Inovação (GI) 51
  • 50. Tipologia do Conhecimento Organizacional 52
  • 51. Gestão de Conhecimento pode envolver muitas iniciativas em níveis bastante distintos Inovação e Codificação Organização Compartilhamento Disseminação Proteção criação Aquisição Plano de Comunicação corporativa Sucessão Estratégia Benchmark Hiring Retenção de ‘Storytelling’ Conhecimento Inteligência Competitiva Centros de Mapeamento de processos Competência Memória da Empresa Mapeamento de competências Comunidades de práticaDesenvolvimento Organizacional Lições Memória de projetos Coaching & mentoring aprendidas Processo de inovação Pesquisa de Clima Programa de Plano de carreira idéias Melhores práticas Páginas amarelas de experts Knowledgebases Ferramenta de busca Equipamentos de Portal corporativo e Gestão de Conteúdo Segurança Blogs e WikisTI E-Learning Taxonomia Portais para clientes/fornecedores Gestão de Documentos 53
  • 52. Caracterizando os Conhecimentos Críticos Caracterização do Conhecimento Crítico Detentor Conhecimento Receptor Cargo Dimensões Vida útil Cargo• Operador • Curta • Operador• Coordenação • Média • Coordenação Documentos• Pesquisador Explicito • Longa • Pesquisador• Gerência • Gerência Métodos Suficiência de Localização codificação Localização Relacionamento• Local • Suficiente • Local• Regional Habilidades • Insuficiente • Regional• Entre países • Entre países Experiências Abrangência Tácito Acesso a tecnologia Acesso a tecnologia • Única área• Inexistente Talento natural • Entre áreas • Inexistente• Existente • Entre UN • Existente 54
  • 53. Tipos de Transferência Situação Fonte do Receptores do Contexto de Técnicas Geradora conhecimento Conhecimento aplicação Específicas After Action Review Projeto distinto daProjeto específico Equipe de projeto A mesma equipe situação geradora Lições Aprendidas Boas Práticas Projeto semelhante, em Benchmarking Prática específica Equipe de projeto Outra equipe outra localidade Sistemas de Alerta e Notificações Auxílio à outra equipe naTarefa não rotineira Equipe de projeto Outra equipe interpretação de dados e Peer Review condução das atividades Resolução de Comunidades de problemas Indivíduos Indivíduos Projetos ou Processos Prática Tarefa frequente Indivíduos Indivíduos Tarefa frequente Base de conhecimentos FAQs 55
  • 54. Tipos de métricas de GC Processo ImpactoIndicadores do andamento do processo de Indicadores dos impactos gerados no negócio egestão do conhecimento implementado. resultado da empresa. EFICIÊNCIA EFICÁCIA Participação  Impacto em processos e negócios  Número de acessos e frequência de  Redução de Lead-time participação  Redução de custos  Número de publicações  Aumento da produtividade Aprendizagem e conhecimento  Aumento de capacidade produtiva  Desenvolvimento de competências  Economia com investimentos e  Número de boas práticas contratações compartilhadas e implantadas  Evolução na abordagem de temas específicos 56
  • 55. Na prática como as empresasestão trabalhando com a Gestãodo Conhecimento?
  • 56. Duas abordagens complementares para implementaçãoda Gestão do Conhecimento  Focada em objetivos estratégicos  Mudança de modelo organizacional e modelo mental Slide 58
  • 57. Duas abordagens complementares para implementaçãoda Gestão do Conhecimento  Focada em objetivos estratégicos  Mudança de modelo organizacional e modelo mental Slide 59
  • 58. Gestão do Conhecimento e Objetivos Estratégicos Objetivos Estratégicos $$$$ Recursos Equipamentos Pessoas Competências Conhecimentos Slide 60
  • 59. Desenvolvendo Conhecimentos e Competências Estratégicas 3 PERSPECTIVAS • Foco mais operacional do que estratégico • Foco mais perene do que extemporâneo PROCESSOS Incorporação do Conhecimento • Maior possibilidade de incorporação de conhecimento no processo • Foco mais estratégico do que operacional • Foco maior na criação e extração de Ações podem ser PROJETOS conhecimentos interdependentes • Mais tácito do que explícito • Foco na prática e no aprendizado • Excelente mecanismo para conhecimentos COMUNIDADES emergentes • Pode extrapolar a própria organização Slide 61
  • 60. Desenvolvendo Conhecimentos e Competências Estratégicas 3 PERSPECTIVAS • Foco mais operacional do que estratégico • Foco mais perene do que extemporâneo PROCESSOS Incorporação do Conhecimento • Maior possibilidade de incorporação de conhecimento no processo • Foco mais estratégico do que operacional • Foco maior na criação e extração de Ações podem ser PROJETOS conhecimentos interdependentes • Mais tácito do que explícito • Foco na prática e no aprendizado • Excelente mecanismo para conhecimentos COMUNIDADES emergentes • Pode extrapolar a própria organização Slide 62
  • 61. Impacto da Gestão do Conhecimento nosProcessos Organizacionais Organização de dados, informação ou conhecimento apropriados para cada tarefa dos processos organizacionais. Interação GC e PO:  Quem executa a tarefa?  Que dados, informações ou conhecimento são necessários?  Como prover o conhecimento no momento exato?  Como analisar o que foi aprendido para fazer cada vez melhor?  Como colher o conhecimento para ser utilizado novamente?  Em que estrutura e condições o conhecimento será exigido para executar o processo? Conhecimento movido seletiva e estruturadamente melhora a execução dos processos.
  • 62. O conhecimento precisa ser colocado em prática no contexto dos processosorganizacionais e os resultados estão associados aos resultados do próprio processo Informação Processos Conhecimento Competência Uma abordagem interessante é partir dos processos Slide 64
  • 63. Tornando a Gestão do Conhecimento mais estratégica Cores Competences & Processos-chave de negócio Domínios de Conhecimento Cultura Organizacional Infra-estrutura de TI Fontes de Informação, Conhecimento e Inovação Desafios de Conhecimento Métodos de Gestão do Conhecimento Governança da Gestão do Conhecimento Slide 65
  • 64. Gestão do Conhecimento deve ser tratada no contexto dos processosorganizacionais Processo Desenvolver Produtos Processo Vendas Inovar/criar Proteger Codificar Ciclo de GC Disseminar Organizar Compartilhar Slide 66
  • 65. GC Focada nos Processos CríticosProcessos Sub-Processo Boas Referências DescriçãoBlog Comunidades Riscos Documentos Indicadroes Prática Internas1.0. Visão e Estratégia 5.1. Desenv. Estratégia de Processo Assist. ao Consumidor Gestão das Bases de Conhecimento2.0. Desenv. Produtos e Serviços Definir escopo Definir Elaborar Revisar as Definir das bases Definir formatos e governança comunicação Monitorar taxonomias plataforma Grupo de a serem funcionalidades da base tecnológica e políticas para indicadores gerenciadas de gestão mobilização atividades3.0. Marketing e Vendas 5.2. Gestão de Serviços Fluxos Narrativos Elaborar ao Cliente comunicação para mobilização4.0. Entrega de Tipos de informação e a Produtos e Serviços forma de acesso comunicado aos 5.3. Desempenho após Definição públicos conceitual de Indicadores5.0. Gestão de Serviços Instalação indicador tático e estratégico calculados e colocados no Definir indicadores táticos e formato de tabelas e ao Cliente estratégicos do processo Metas do gráficos definidos processo e dos indicadores Verificar e comparar metas do processo e dos indicadores6.0. Desenvolvimento e 5.4. Avaliação da Indicadores táticos e estratégicos do com os números calculados Gestão Capital Humano Satisfação do Cliente processo definidos Implantação e monitoramento XOR de indicadores Verificar metodologia de Número apurado Números apurados7.0. Gestão de TI coleta e cálculo dos indicadores pelo indicador fora das metas pelos indicadores dentro das metas do do processo processo 5.5. Gestão da Equipe de Serviços ao Cliente Metodologia de coleta e cálculo dos Verificar8.0. Gestão Recursos indicadores necessidade de elaborar plano de verificada ação Financeiros Base de dados Coletar na base de XOR dados os números9.0. Aquisição, Construção que comporão o indicador Plano de ação Plano de ação e Gestão Predial necessário não necessário Números que comporão o indicador coletados V10.0. Gestão da Segurança na base de dados Metodologia de e Saúde Ambiental Coleta e Apuração de Elaborar plano de ação para indicadores, contendo indicadores objetivos, recursos, Calcular indicadores responsáveis e prazo de implementação e colocá-los no formato de tabelas11.0. Gestão de Relacões e gráficos definidos Externas Plano de ação para indicadores, contendo objetivos, recursos, responsáveis e prazo de implementação elaborado12.0. Gestão do Conhecimento, Melhorias e Mudanças
  • 66. Portal Focado nos Processos CríticosProcessos Sub-Processo Descrição Blog Comunidades Processo1.0. Visão e Estratégia Gestão das Bases de Conhecimento Definir escopo Definir Elaborar Revisar as Definir das bases Definir formatos e governança comunicação Monitorar taxonomias plataforma Grupo de a serem funcionalidades da base tecnoló gica e polí ticas para indicadores gerenciadas de gestão mobilização atividades Fluxos Narrativos Elaborar comunicação para mobilização Tipos de informação e a forma de acesso 5.1. Desenv. Estratégia de comunicado aos públicos Definição conceitual de Indicadores indicador tático calculados e e estratégico Definir indicadores colocados no táticos e formato de tabelas e estratégicos do gráficos definidos processo Metas do processo e dos indicadores Assist. ao Consumidor Verificar e comparar metas do processo e dos indicadores Indicadores táticos com os números e estratégicos do calculados processo definidos2.0. Desenv. Produtos Implantação e monitoramento XOR de indicadores Verificar metodologia de Número apurado Números apurados coleta e cálculo dos pelo indicador fora pelos indicadores indicadores das metas dentro das metas do do processo processo e Serviços Metodologia de Verificar coleta e cálculo dos necessidade de indicadores elaborar plano de verificada ação Base de dados Coletar na base de XOR dados os números que comporão o indicador Plano de ação Plano de ação necessário não necessário Números que comporão o indicador coletados V na base de dados Metodologia de Coleta e Elaborar plano de ação Apuração de para indicadores, contendo indicadores objetivos, recursos, Calcular indicadores responsáveis e prazo de implementação e colocá-los no formato de tabelas e gráficos definidos Plano de ação para indicadores, contendo 5.2. Gestão de Serviços objetivos, recursos, responsáveis e prazo de implementação elaborado3.0. Marketing e Vendas ao Cliente4.0. Entrega de Produtos e Serviços Boas 5.3. Desempenho após Riscos Prática5.0. Gestão de Serviços Instalação Riscos ao Cliente Risco Impacto Probabilidade Solução No no no no non non no non Problema de Comunicação Alto Médio no nonononononononononoon Treinamento em período com poucas definições Problema de Comunicação No no no no non non no non Definição da governança do no nonononononononononoon6.0. Desenvolvimento e 5.4. Avaliação da ambiente digital antes da definição da governança da Médio Médio área Gestão Capital Humano Satisfação do Cliente Atraso no Cronograma Dificuldade nas validações Alto Baixo No no no no non non no non no nonononononononononoon técnicas e estratégicas Problema de Comunicação No no no no non non no non Ansiedade da equipe do Baixo Baixo no nonononononononononoon projeto sobre a metodologia de desenvolvimento7.0. Gestão de TI 5.5. Gestão da Equipe de Serviços ao Cliente8.0. Gestão Recursos Financeiros Referências Internas Documentos Indicadroes9.0. Aquisição, Construção e Gestão Predial Exemplo de Indicadores Estratégicos: Implantação de Produtos No período de 1 ano, das 50 empresas (público-alvo) que envolvemos na ação de vendas, 50% implantaram os produtos. A proporção de empresas engajadas que efetivamente implantaram produtos na empresa aumentou no segundo semestre.10.0. Gestão da Segurança Venda e aplicação PJ Venda e aplicação PJ e Saúde Ambiental 40 35 30 25 20 1511.0. Gestão de Relacões 10 5 Externas 0 S em 1 S em 2 P articipantes da Ação Implantadoras de produtos Fonte: Área comercial (Jan a Dez/08) Pesquisa realizada com participantes da ação de vendas 6 meses após a realização (total de respondentes: 50)12.0. Gestão do Conhecimento, Melhorias e Mudanças
  • 67. Discussão 15 minutos Escolha e justifique a escolha de 2 processos organizacionais para trabalhar a gestão do conhecimento em sua organização Slide 69
  • 68. Desenvolvendo Conhecimentos e Competências Estratégicas 3 PERSPECTIVAS • Foco mais operacional do que estratégico • Foco mais perene do que extemporâneo PROCESSOS Incorporação do Conhecimento • Maior possibilidade de incorporação de conhecimento no processo • Foco mais estratégico do que operacional • Foco maior na criação e extração de Ações podem ser PROJETOS conhecimentos interdependentes • Mais tácito do que explícito • Foco na prática e no aprendizado • Excelente mecanismo para conhecimentos COMUNIDADES emergentes • Pode extrapolar a própria organização Slide 70
  • 69. Gestão do Conhecimento e Gestão de Projetos Cliente Interno ou Externo 1 1 Muitas equipes, muitas situações, Muitos meios de Gestão de Projetos comunicação Com clientes 2 2 Transferência de Conhecimento e passagem de bastão entre equipes Gestão do Conhecimento 3 3 Desenvolvimento de ambiente de 4 4 compartilhamento Desenvolvimento e aprendizado de ambiente de no contexto compartilhamento do projeto e aprendizado entre projetos Slide 71
  • 70. Gestão do Conhecimento para Gestão de Projetos © TerraForum
  • 71. Discussão 10 minutos Escolha e justifique a escolha de 2 metodologias para trabalhar a gestão do conhecimento no contexto de projetos em sua organização Slide 73
  • 72. Desenvolvendo Conhecimentos e Competências Estratégicas 3 PERSPECTIVAS • Foco mais operacional do que estratégico • Foco mais perene do que extemporâneo PROCESSOS Incorporação do Conhecimento • Maior possibilidade de incorporação de conhecimento no processo • Foco mais estratégico do que operacional • Foco maior na criação e extração de Ações podem ser PROJETOS conhecimentos interdependentes • Mais tácito do que explícito • Foco na prática e no aprendizado • Excelente mecanismo para conhecimentos COMUNIDADES emergentes • Pode extrapolar a própria organização Slide 74
  • 73. As organizações continuam assim (formalmente)… Slide 75
  • 74. Análise de Redes Sociais - Exemplo RealRelacionamento de pessoas, competências, processos e conhecimentos Slide 76
  • 75. Rede Global AR CO EUA UR BR CH ES CA Slide 77
  • 76. Mas funcionam crescentemente assim… Mercado Aberto de Conhecimento Slide 78
  • 77. Duas abordagens complementares para implementação da Gestão do ConhecimentoFocada em objetivos estratégicosMudança de modelo organizacional e modelo mental
  • 78. Sua organização é um solo árido ou fértil para a Gestão do Conhecimento?
  • 79. Como Implementar Gestão do Conhecimento (GC)?Ambiente Externo Empresa Nível Visão e Estratégia – Alta Gerência EstratégicoFornecedores Clientes Nível Políticas de Cultura Estruturas Organizacional Recursos Organizacional Organizacionais Humanos Parceiros Concorrência MensuraçãoUniversidades Infra- Sistemas de Governo de estrutura Informação Resultados
  • 80. Modelo de Maturidade em Gestão do Conhecimento •Slide 82
  • 81. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 82. Estes objetivos são, por sua vez,perseguidos por meio de umasérie de iniciativas, métodos eferramentas...
  • 83. Gestão de Conhecimento pode envolver muitas iniciativas em níveis bastante distintos •Inovação e •Codificação •Organização •Compartilhamento •Disseminação •Proteção •criação •Aquisição •Plano de •Comunicação corporativa •Estratégia •Sucessão •Benchmark •Hiring •Proteção de •„Story telling‟ Conhecimento •Inteligência Competitiva •Centros de •Mapeamento de processos Competência •Memória da Empresa •Mapeamento de competências•Desenvolvimento •Comunidades de prática Organizacional •Lições •Memória de projetos •Coaching & mentoring aprendidas •Processo de inovação •Pesquisa de Clima •Programa de •Plano de carreira idéias •Melhores práticas •Páginas amarelas de experts •Knowledgebases •Ferramenta de busca •Equipamentos •Portal corporativo e Gestão de Conteúdo de•TI •Blogs e Wikis •E-Learning •Segurança •Taxonomia •Portais para clientes/fornecedores •Gestão de Documentos
  • 84. Típicas estratégias disponíveis para uma área de Gestão do Conhecimento Identificação, Geração e Captura de Idéias Mapeamento de experts internos Mapeamento de experts externos Programas de Idéias Interno espontâneo Programas de Idéias Interno induzido Brainstorm e Ideação Venture Capital Interno Feiras Internas de Inovação
  • 85. Típicas estratégias disponíveis para uma área de Gestão do Conhecimento Colaboração e Aprendizagem Coletiva Comunidades de Prática Storytelling – uso de casos e narrativas Espaço Colaborativo com Clientes, Fornecedores Análise de Redes Sociais (Social Network Analysis) Fortalecimento de Culturas de Inovação e Compartilhamento Revisão de espaços físicos e layouts Mercados Internos de Conhecimento: Ofertantes e Demandantes de conhecimento Uso de Wikis
  • 86. Típicas estratégias disponíveis para uma área de Gestão do Conhecimento Aprendizagem em Projetos After Action Review Storytelling Espaço Colaborativo com Clientes, Fornecedores Revisão e Documentação de Lições Aprendidas (post mortem analysis) Banco de Melhores Práticas Blogs de projetos
  • 87. Típicas estratégias disponíveis para uma área de Gestão do Conhecimento Aprendizado com o Ambiente Inteligência Competitiva Benchmarking Gestão do Relacionamento com clientes Espaço Colaborativo com Clientes, Fornecedores Benchmarking Alianças para desenvolvimento de conhecimento Programas de Idéias para público externo
  • 88. Típicas estratégias disponíveis para uma área de Gestão do Conhecimento Treinamentos & Tranferência de know-how Universidades Corporativas E-learning Mentoring Coaching Storytelling
  • 89. Típicas estratégias disponíveis para uma área de Gestão do Conhecimento Proteção de Conhecimento Mapas de conhecimentos críticos (risk analysis) Mapeamento de processos Gestão de Propriedade Intelectual Comunidades de Prática Storytelling
  • 90. AGENDA Vantagens Competitivas & Conhecimento Definições sobre Conhecimento e Aprendizado Organizacional Empresas sem Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento: definições conceituais e operacionais Métodos e Ferramentas da Gestão do Conhecimento Reflexões Finais
  • 91. Implantação de Gestão do Conhecimento: Lições Aprendidas em Casos Nacionais e Internacionais Variáveis Estratégicas em Projetos de GC  Estratégia  Tecnologia Quais são as  Processos mais importantes?  Pessoas  Organização
  • 92. Gestão do Conhecimento Por que é tão difícil? Envolve necessariamente transdisciplinariedade É preciso de capacidade de abstração para enxergarprocessos “invisíveis” de criação e uso de conhecimento,mas também praticidade para implementar processosvisíveis e que se institucionalizem nas organizações. Se manifesta em muito níveis e áreas. Maisimportante que a definição de responsável é odesenvolvimento de “raciocínio de conhecimento”
  • 93. Gestão do Conhecimento Por que é tão difícil? É preciso ter VISÃO ESTRATÉGICA e desenvolver uma“tipologia” dos conhecimentos organizacionais É preciso pensar em estratégia, gente, cultura,processos e tecnologia ao mesmo tempo. É algo estratégico, mas se manifesta por meio deações que se enraízam no modo de trabalhar daspessoas.
  • 94. Gestão do Conhecimento Por que é tão difícil? Necessita de compartilhamento, mas não pode serdependente de atitudes altruísticas. Assim como na estória do “ovo e da galinha” é difícildizer como começar: as pessoas participam se aGestão do Conhecimento lhes for benéfica, mas aGestão do Conhecimento só lhes será benéfica se asmesmas participarem de forma entusiástica esistemática. Aprender e gerar novos conhecimentos úteis eestratégicos demanda tempo, mas as organizaçõesdemandam resultados (e cálculos do tipo ROI).
  • 95. O imperativo da Gestão do ConhecimentoParadoxoConhecimento não pode ser geridoApenas as pessoas detém conhecimentoGC não é um projeto GC implica centrar processo de gestão na variávelconhecimento. Exige um novo olhar, novos processos eferramentas!!! Coerência e Persistência são os grandes desafios! GC pode levar ao repensar de modelos organizacionaise de negócio
  • 96. Considerações Finais – Dificuldades Específicas do Brasil  Valor dos “intangíveis” é ainda pouco difundido nas organizações  Baixa propensão a investir em Conhecimento, de maneira geral  Projetos com ciclos curtos de financiamento  Falta de disciplina para seguir processos de “conhecimento”  CIOs fazendo transição do mundo dos dados para o mundo da informação e do conhecimento  Dificuldade em “medir” GC  Falta de inserção explícita nos planejamentos estratégicos
  • 97. Considerações Finais Melhorar a produtividade dos trabalhadores do conhecimento é um dos grandes desafios da atualidade A produtividade individual e coletiva depende de processos, valores, habilidade e ferramentas bem articuladas. Nossos modelos gerenciais da Era Industrial estão absolutamente ultrapassados: Gestão do Conhecimento é absolutamente necessária!
  • 98. Muito Obrigado! Dr. José Cláudio Terra jcterra@terraforum.com.br

×