Avaliacao da Gestao Tecnologica na MPE

710 views
645 views

Published on

Apresenta o projeto e metodologia de base em Gestão do Conhecimento da FIA e SEBRAE-SP, para a capacitação tecnológica dos segmentos de MPEs inseridas em setores tecnologicamente estratégicos. www.terraforum.com.br

Published in: Business, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
710
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Avaliacao da Gestao Tecnologica na MPE

  1. 1. AVALIAÇÃO DA GESTÃO TECNOLÓGICA NA PEQUENA EMPRESA1 José Cláudio Terra2 Isak kruglianskas3 Sílvia Novaes Zilber4 1. INTRODUÇÃO Desde Novembro de 1991, a FIA (Fundação Instituto de Administração – USP), com patrocínio do SEBRAE (Serviço de apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo), conduz um projeto de capacitação tecnológica dos segmentos de MPEs inseridas em setores tecnologicamente estratégicos. Dentre os vários resultados do projeto obtidos, até o momento, destaca-se a criação de um instrumento que permite a auto-avaliação da gestão tecnológica da MPE. Este instrumento, mais do que avaliar a atualização tecnológica da empresa, visa dar ao pequeno empresário condições de avaliar suas atitudes para a gestão tecnológicas, as quais, de acordo com as análises da equipe do projeto, são fundamentais para alavancar a competitividade da MPE. O modelo, no qual se baseia, o supra-citado instrumento, foi elaborado a partir da revisão bibliográfica e da experiência adquirida em cerca de 1 ano e meio de contato com pequenas empresas dos seguintes setores: Transformação de Plástico, Embalagens de Papelão, Galvanoplastia, Componentes Eletrônicos e Artefatos de Borracha. O teste deste instrumento foi realizado junto a empresas destes dois últimos setores, utilizando-se uma amostra total de 23 empresas. Os resultados desse teste são apresentados e discutidos neste trabalho, após a necessária revisão bibliográfica e explicitação do modelo. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA “A gestão tecnológica é entendida cada dia mais como a gerência pró-ativa de todas as funções geradoras de conhecimento: o desenho, implantação, promoção 1 Artigo originalmente apresentado no Primeiro Congresso Latino Americano de Engenharia Industrial, Out/1993, Florianópolis, Brazil 2 José Cláudio Terra – Doutorando em Engenharia de Produção pela POLI/USP – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. 3 Isak Kruglianskas – Professor Associado do Departamento de Administração da FEA/USP – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Mestre e Doutor pela FEA/USP. 4 Sílvia Novaes Zilber – Engenheira Elétrica pela POLI/USP – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Mestranda em Administração pela FEA – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. www.terraforum.com.br
  2. 2. e administração de ferramentas e práticas para a captação e ou produção de informação que permita a melhora contínua e sistemática da qualidade e produtividade da empresa”. (Parisca, 1991). Segundo essa definição, a gestão tecnológica prescinde da existência de um departamento de P&D; ela faz parte integrante das funções gerenciais normais da organização. No caso da pequena empresa, tal visão é, pois, bastante útil, uma vez que na maior parte das mesmas a questão tecnológica é tratada concomitantemente às questões produtivas rotineiras; e a fonte básica de inovação interna à empresa reside na capacidade tecnológica embutida.5 A integração da gestão tecnológica com as atividades produtivas rotineiras engendra, todavia, o risco da omissão e o risco de não ser dada à mesma o destaque necessário. Integração não pode ser vista como “fusão”. A gestão tecnológica deve buscar os desvios, involuntários ou provocados através de experimentos, no processo produtivo que conduzem à inovação. Deve assegurar o exercício sistemático das atividades associadas à gestão tecnológica por parte dos funcionários da empresa. Implica na busca contínua de soluções, com recursos internos ou externos à empresa. Alguns estudos (Lehtimaki, 1991; Lefbvre, 1991; Rothwell & Dogson, 1991) mostram a importância da alta gerência para a geração de novas idéias e para a realização de inovações. Parisca (1991) acredita que a gestão tecnológica, particularmente nos países subdesenvolvidos, por não haver aí uma cultura pró- inovação, deve ser destacada e ficar junto à alta administração, de maneira a possibilitar uma ampla visão/perspectiva de todas as áreas da empresa e não sofrer os condicionantes, nem as pressões do dia-a-dia. A idéia básica é ter alguém cuja preocupação básica seja fazer a empresa como um todo se organizar e se sistematizar na captação, análise, difusão e armazenamento de informações relevantes à atividade inovativa. Segundo esta visão, a gestão tecnológica antecede programas de qualidade e produtividade, sendo, na realidade, um pré- requisito para o sucesso destes. A pequena empresa mais adquire do que desenvolve tecnologia. Assim, o processo de transferência de tecnologia é de vital importância para as mesmas. Allen et alii (1983) analisando as fontes externas à firma para a geração de novas idéias para inovação de 102 empresas manufatureiras da Irlanda, México e Espanha chegou a resultados bastante indicativos (quadro 1). As pequenas empresas utilizam muitos poucos documentos e fontes institucionais para se capacitarem tecnologicamente. É através de contatos pessoais e informais, principalmente com elementos de outras empresas, que as PME’s recebem as “mensagens” tecnológicas, que resultam em novos produtos ou na melhoria de processos. 5 Para uma definição de tecnologia embutida ver (Yizhou & Rubenstein, 1986) www.terraforum.com.br
  3. 3. QUADRO 1: Fontes (externas às firmas) para a geração de novas idéias para a inovação. FONTE PROPORÇÃO (%) Fornecedores 28,9 Empresas do mesmo setor 22,9 Empresas de outros setores 2,3 Matriz no exterior 6,4 Cliente 4,6 Consultor Privado 5 Instituto de Pesquisa Governamental 0,9 Outras Agências Governamentais 2,3 Universidades 2,3 Associação de Classe 2,8 Feiras 6,4 Publicações 15,1 TOTAL 99,9 Fonte: Allen. T. et alii Transferring technology to the small manufacturing from: A study of technology transfer in there countries. Research Policy 12 (1983), 199-211 Préfontaine et alii (19..), conseguiram de alguma forma resumir e integrar os vários aspectos da gestão tecnológica na MPE acima citados, analisando três dimensões ou ativos da empresa: o tecnológico, o organizacional e o de interface. Segundo tais autores, enquanto os contatos externos da empresa facilitam a aquisição de “capacidades”, as redes de comunicação interna da empresa favorecem a sua absorção, implementação e integração. 3. METODOLOGIA O modelo utilizado para a elaboração do instrumento de auto-avaliação da gestão tecnológica é explicitado na Fig. 1. Este modelo enfatiza o papel dos dirigentes (donos ou gerentes) de MPEs como captadores de tecnologia e facilitadores da sua absorção, implantação e consolidação na empresa. Cada uma das dimensões indicadas no modelo é desdobrada em vários indicadores, apresentados na forma de questões às quais podem ser associados valores quantificados. O instrumento a ser utilizado pela empresa é, a seguir, apresentado. www.terraforum.com.br
  4. 4. 4. O INSTRUMENTO ROTEIRO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA GESTÃO TECNOLÓGICA O respondente indica o quanto sua resposta é positiva ou negativa em relação a cada questão formulada através de uma nota (variando de 1 a 5) com a seguinte escala: (1) Sofrível; (2) Regular; (3) Bom; (4) Muito Bom; (5) Excepcional. O cálculo da Efetividade da Gestão Tecnológica (EGT) da empresa é dado pela média aritmética das notas. A nota final do processo de auto-avaliação da empresa expressa pelo EGT – Efetividade da Gestão Tecnológica, a ser calculada após respondidas todas as questões do manual, será computada através da seguinte fórmula: EGT = Somatória das notas atribuídas ----------------------------------- 33 De acordo com o valor assumido pelo EGT (Efetividade da Gestão Tecnológica) a empresa poderá obter a seguinte classificação: EGT CLASSIFICAÇÃO 4,0 a 5,0 EXCELENTE 3,0 a 3,9 BOM 2,0 a 2,9 REGULAR 1,0 a 1,9 INSUFICIENTE 1. SISTEMA DE CAPTAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES E OPORTUNIDADES TECNOLÓGICAS6 1.1. Interação com a infra-estrutura tecnológica externa (Institutos de Pesquisas, Universidades, INPI, Associação de classes, SEBRAE, SENAI, etc). 1.1.1. Já utilizou tais instituições para treinamento de mão-de-obra. EGT ( ) ( ) 1.1.2. Mantém um contato permanente, e sistemático com a maioria destas instituições. EGT ( ) ( ) 6 As respostas indicadas nos colchetes correspondem respectivamente às médias das respostas de 13 empresas do setor de Componentes Eletrônicos e de 10 empresas do setor de Artefatos de Borracha. www.terraforum.com.br
  5. 5. 1.1.3. Conhece quais são os serviços prestados por estas instituições. EGT ( ) ( ) 1.2. Concorrência 1.2.1. Acompanha a tecnologia/processo empregados em outras empresas. EGT ( ) ( ) 1.2.2. Mantém contato com empresas do seu setor no exterior. EGT ( ) ( ) 1.3. Fornecedores de Equipamentos/Matéria-Prima 1.3.1. Mantém um contato estreito com fornecedores visando obter informações tecnológicas ou para efetuar desenvolvimentos conjuntos. EGT ( ) ( ) 1.3.2. Conhece os principais fornecedores estrangeiros. EGT ( ) ( ) 1.3.3. Acompanha de perto os últimos lançamentos do mercado nacional e internacional. EGT ( ) ( ) 1.4. Clientes 1.4.1. Procura, também, ter clientes que privilegiam a qualidade/solução de problema/inovação. EGT ( ) ( ) 1.4.2. Tem uma postura pró-ativa na solução dos problemas dos clientes. EGT ( ) ( ) 1.4.3. Se necessário, considera-se apto a realizar desenvolvimentos em conjunto com os clientes. EGT ( ) ( ) 1.4.4. Acompanha evolução dos produtos de seus clientes. EGT ( ) ( ) 1.4.5. Utiliza o cliente como fonte de informações tecnológicas. EGT ( ) ( ) 1.5. Feiras 1.5.1. Tem participado de Feiras no país nos últimos três anos. EGT ( ) ( ) 1.5.2. Tem participado de Feiras no exterior nos últimos três anos. EGT ( ) ( ) 1.6. Seminários Técnicos 1.6.1. Participa de Seminários Técnicos Nacionais. EGT ( ) ( ) 1.6.2. Participa de Seminários Técnicos no Exterior. EGT ( ) ( ) www.terraforum.com.br
  6. 6. 1.7. Publicações Técnicas 1.7.1. Assina e lê as principais publicações nacionais. EGT ( ) ( ) 1.7.2. Assina e lê as principais publicações estrangeiras. EGT ( ) ( ) 1.8. Registro de Informações Tecnológicas 1.8.1. Mantém registro de pessoas/entidades externas à empresa com potencial para resolução de problemas técnicos. EGT ( ) ( ) 1.8.2. Mantém arquivo com catálogos de fornecedores. EGT ( ) ( ) 1.8.3. Mantém arquivo de artigos/trabalhos/revistas relacionados à tecnologia da empresa. EGT ( ) ( ) 1.8.4. Mantém arquivo com resultados de estudos / desenvolvimento / projetos internos / experimentos realizados. EGT ( ) ( ) 2. SISTEMA DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTOS 2.1. Organização 2.1.1. Existe algum esquema organizado (além de uma caixa de sugestões) que permita a todos os funcionários contribuir sistematicamente com idéias e sugestões de melhoria nos processos e produtos. EGT ( ) ( ) 2.1.2. São oferecidas oportunidades de treinamento aos gerentes, supervisores e encarregados. EGT ( ) ( ) 2.1.3. É conduzida, de forma sistemática, uma análise e avaliação do processo produtivo. EGT ( ) ( ) 2.1.4. Existe um espaço para que o pessoal das diferentes áreas da empresa possa interagir visando à resolução de problemas de inovação. EGT ( ) ( ) 2.2. Planejamento/Priorização 2.2.1. Existe um sistema que formalize, documente e priorize as idéias para melhoria. EGT ( ) ( ) 2.2.2. Quando um projeto (de melhoria, de inovação, de investimento, etc) é aprovado, os papéis de cada elemento da empresa no processo de implantação, fica explicitado e documentado. EGT ( ) ( ) www.terraforum.com.br
  7. 7. 3. SISTEMA DE IMPLANTAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONHECIMENTO ADQUIRIDO 3.1. As modificações no processo e no produto são devidamente documentadas. EGT ( ) ( ) 3.2. Os resultados de experimentos que “não deram certo” também são devidamente documentados. EGT ( ) ( ) 3.3. Existem esquemas que incentivam o compartilhamento/difusão dos conhecimentos das pessoas-chave da organização. EGT ( ) ( ) 3.4. Existem esquemas formais de transmissão de informações obtidas externamente à empresa (Ex: em Feiras, visitas à institutos de pesquisas, a concorrentes, etc.). EGT ( ) ( ) 5. RESULTADOS / CONCLUSÕES A amostra analisada, embora relativamente pequena, dada à diversidade e número existente de pequenas empresas no país, indica uma relativa consistência do instrumento utilizado, uma vez que as respostas dos dois setores foram bastante semelhantes, apesar das diferenças marcantes da evolução tecnológica entre os dois setores. A análise das respostas permite, ainda, a formulação de algumas hipóteses a serem futuramente testadas, tais como, as pequenas empresas estão relativamente melhor preparadas e mais atentas à captação e identificação de necessidades e, oportunidades tecnológicas, do que à sua geração, implantação e consolidação. Há de se destacar, ainda, as notas extremamente baixas relativas aos contatos com o exterior. Mais importante, contudo, que estes resultados e análises preliminares do uso do instrumento de auto-avaliação, é a sua utilização pela pequena empresa. Para tanto, o SEBRAE poderá ter um papel fundamental apoiando, cada vez mais, novas iniciativas no sentido da divulgação de instrumentos que venham a sensibilizar o pequeno empresário sobre a importância da gestão tecnológica. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLEN, T. J. et alii – Transferring technology to the small manufacturing from: A study of technology transfer in three contries, 1983. LEFEBVRE, L. A. et alii – Technological experience and the technology adaption decisions in small manufacturing firms, 1991. LEHTIMAKI, A. – Management of the innovation process in small companies in Finland, 1991. PARISCA, SIMON A. – Gestion Technological y manejo de informacion: Un proyecto de assistencia a la pequena y mediana industria, 1991. www.terraforum.com.br
  8. 8. PREFONTAINE, L. et alii – Defining Organizational Assets in Small Firms: A Prerequisite to Successful Technology Adaption. ROTHWELL, R. & DOGSON, M. – External linkages and innovation in small and medium-sized enterprises, 1991. YIU-ZHOU, L. & RUBENSTEIN, A. H. – Imbedded technology capability (ITC) and the Management of Science and Technology in China: A Research Note, 1986. www.terraforum.com.br

×