Uma perspectiva economica

777 views
685 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
777
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Uma perspectiva economica

  1. 1. Jornada de reflexão CasinhaCasinha DesportoDesporto
  2. 2. Jornada de reflexão sobre o desporto no Sal CASINHA
  3. 3. COMO FINANCIAR AS ORGANIZAÇÕES DESPORTIVAS • UMA PERSPECTIVA ECONÓMICA
  4. 4. Desporto (características) • Complexo económico desportivo • Factor dinâmico na industria do entretenimento • Valorização do espectáculo e do ídolo (estrela) desportivo
  5. 5. Complexo económico desportivo • Amplo fenómeno de consumo de massas, com uma dinâmica associada a diferentes mercados: – textil e confecções – equipamentos – fármacos – turismo – lazer – Saúde – Calçado, etc.
  6. 6. Objectivo (complexo económico desportivo) • Comercialização do espectáculo
  7. 7. Factor dinâmico da industria do entretenimento • Entretenimento – maior industria do mundo em volume de negócios e número de emprego • Desporto – é o segundo maior ramo depois da industria do turismo • Futebol – modalidade de maior impacto económico.
  8. 8. A valorização do espectáculo e do ídolo desportivo • É através do ídolo (forma concreta) que o capital investido no espectáculo desportivo tem o seu retorno assegurado. Público + médias popularidade ao espectáculo
  9. 9. Condições: • Desporto precisa de empresas profissionais na organização das competições e na realização dos espectáculos, para que se tenha a valorização económica do ídolo (estrela) e do capital. • Hoje o desporto enquanto espectáculo, indústria, é muito profissionalizado.
  10. 10. • O espectáculo desportivo moderno necessita de estádios e arenas desportivas que possam receber o público, o que inclui: - horários dos jogos - venda antecipada de bilhetes - estacionamento no local - boas condições de transporte - calendário bem organizado
  11. 11. Como financiar as organizações desportivas • Até anos 70 Modelo simples: Cotização Bilheteiras Mecenas
  12. 12. • A partir dos anos 80: Novo modelo (bastante complexo): publicidade merchandising mercado de capitais subsídios Transferência de jogadores
  13. 13. • Bilheteiras: forte quebra nestas receitas Ex: França redução de Bilhetiras 80% (1980) para 20% (1997) • Publicidade e merchandising passam a ser receitas correntes mais imoportantes no financiamento dos clubes desportivos Ex: Manchester, receitas de merchandising representam 40% do total
  14. 14. • Mercado de capitais: o desporto é hoje um dos principais e mais rentáveis produtores de conteúdos para a comunicação social (imprensa, rádio, tv e internet) Muitas empresas investem no mercado do desporto, nomeadamente as empresas de comunicação social.
  15. 15. • Subsídios: directo indirecto doações de terrenos, alterações de PDMs para valorizar activos dos clubes, reconhecendo que a actividade dos clubes/associações desportivas é importante para sociedade. formação + prática desporto melhoria saúde, combate a vícios (droga, alcoolismo, sedentarismo, etc.),
  16. 16. • Transferência de jogadores a maior fonte de receita dos clubes portugueses está relacionada relacionada com: formação prospecção capacidade de negociação
  17. 17. Que caminho para as associações amadoras/semiprofissionais
  18. 18. 1) Manter fiéis às formas e fontes de financiamento tradicionais Consequências Negativas: - ultrapassado pelos adversários. - a sociedade pode virar-lhes as costas
  19. 19. Positivas: Manterão vivos os valores do associativismo e da carolice
  20. 20. 2) Evolução para uma crescente profissionalização da gestão: Consequências Positivas: - atrair investidores - atrair anunciantes - Melhoria das infra-estruturas - Melhoria das prestações competitivas
  21. 21. Negativas: Transformar em entidades que pouco tem a ver com o romantismo e o bairrismo de outrora.
  22. 22. • Caminho: No início do século XXI é a profissionalização dos dirigentes desportivos e e a adopção de um modelo empresarial que resguarda a história dos clubes e permite a modernização da sua gestão. A intervenção do estado não pode ser alheia e será fundamental para acelerar e ajudar nessa transição (ex: Inglaterra 1989, Football Spectators Act. (código de direito dos torcedores)

×