Pressupostos de acção em intervenção precoce

4,471 views
4,351 views

Published on

Texto de Joaquim Colôa elaborado a aprtir da tese de Mestrado

Published in: Education, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,471
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
143
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pressupostos de acção em intervenção precoce

  1. 1. PRESSUPOSTOS DE ACÇÃO EM INTERVENÇÃO PRECOCE Joaquim Colôa Ano de 2010 (Texto feito a partir da tese de Mestrado) A intervenção precoce deve constituir-se, enquanto acção, o mais precoce possível uma vez que ao longo do desenvolvimento da criança existem períodos mais favoráveis para que ocorram determinadas interacções. Uma acção assente na cooperação entre profissionais e família, em relação à qual são identificadas as necessidades e os recursos. Um processo que se baseia nos recursos de uma comunidade concreta com as suas forças e fraquezas mas assumindo-se enquanto rede formal e, ou informal de apoio e resolução de determinados problemas. A intervenção precoce enquanto acção humana, resulta da interacção entre indivíduos e entre estes e os contextos que os rodeiam (Thurman, 1997). Uma perspectiva ecosistémica que defende que a acção humana decorre, de entre outros, dos pressupostos de que é complexa e multidimensional. Assim, as práticas de intervenção precoce devem ser encaradas como uma intervenção, advinda de um conjunto de sinergias, construídas num “espaço social” composto por vários componentes ou “áreas sociais” que se interrelacionam denotando-se interdependentes. Nesta perspectiva, a intervenção dos profissionais centrada, essencialmente, na criança apresenta inúmeras fragilidades. Alguns autores defendem que este tipo de práticas são muito reducionista e que embora apresentem ganhos quanto às competências das crianças também estão mais sujeitas a que estas se diluam com o tempo, uma vez que os contextos em que as crianças interagem estão em continua alteração (Dunst, 1998). Assim, intervenção precoce é actualmente entendida como um serviço que se destina às famílias de crianças em risco ou em situação de deficiência. Um apoio que, normalmente, contempla crianças dos zero aos três anos e que pressupõe tenha um impacto directo e indirecto não só na criança como em todos os sujeitos que com ela interagem (Ruivo & Almeida, 2002). Thurman (1997) referindo Macdonnell & Hardman (1988) sugere alguns parâmetros que, actualmente, devem estar subjacentes a qualquer programa de intervenção precoce: i) integração – contemplando crianças com e sem deficiência; ii) abrangência – oferta de diversidade de serviços integrados e abrangentes; iii) normalização – oferta de intervenção em diversos contextos; iv) adaptação – adopção de procedimentos flexíveis; 1
  2. 2. v) centrado na família enquanto sistema activo – construção de um currículo directamente relacionado com a criança, família e comunidade e vi) centrado nos resultados – enfoque em skills de desenvolvimento funcionais. Deste modo a intervenção precoce deve ser encarada, actualmente, como um conjunto de práticas em rede que equacionam respostas para determinada criança enquanto entidade social. Este paradigma de acção implica que a intervenção precoce seja, cada vez mais, equacionada tendo em conta a seguinte triangulação: uma intervenção centrada na família, baseada nos recursos da comunidade e desenvolvida por equipas interdisciplinares. Uma intervenção centrada na família Uma intervenção centrada na família reconhece que é essencial o desempenho, por parte desta, de um papel activo em todo o processo devendo a sua cooperação ser reconhecida e respeitada. Segundo Dunst & Deal (1994) este pressuposto implica determinados procedimentos como: i) identificação das necessidades da família; ii) localização de suportes e recursos informais e formais, no sentido de responder a essas necessidades e iii) apoiar as famílias de modo a que (re)conheçam e utilizem as suas forças e competências, para poderem ser elas próprias a acederem, de modo autónomo, aos recursos de que necessitam para que “fortaleçam” o seu funcionamento. Estes autores defendem, ainda, que a conceptualização deste tipo de práticas deve ter em conta as seguintes características: • Abrangência e flexibilidade – a intervenção deve ser baseada num processo fluido, de forma a reunir, trocar e utilizar informação com o propósito de identificar as necessidades, as forças e os recursos das famílias e assim se obterem respostas que estejam em consonância com as suas necessidades; • Individualidade – a intervenção deve ser um processo individualizado de forma a respeitar os desejos e prioridades das famílias, relativamente aos seus filhos e à família no seu conjunto; • Respeito pelas diferenças – a intervenção deve ser um processo que aceite os valores da família e as suas convicções culturais. Esta constrói-se no sentido de 2
  3. 3. respeitar a vontade das famílias em partilhar informação e o desejo das mesmas em participar ou não no processo de intervenção. Só a partir da compreensão dos comportamentos específicos de cada elemento da família bem como dos pressupostos de identidade desta, poderemos entender e respeitar o seu funcionamento e intervir de modo a facilitar processos de corresponsabilização e estabelecer entre os vários parceiros implicados uma base de compromissos (Shultz-Krohn, 1997). Esta base de compromisso só é possível se acreditarmos que todas as famílias: i) possuem factores positivos e que estes são o ponto de partida da intervenção; ii) possuem sistemas que lhe permitem (re)transformar as práticas e os recursos em competências e que iii) através do seu envolvimento activo adquirem e transmitem aos profissionais novos conhecimentos e capacidades no sentido de reforçarem competências, responsabilidades e o próprio sentido de confiança. Numa perspectiva de sistemas complexos e multidimencionais, em contínua interacção, não podemos ignorar a comunidade em que a família se insere enquanto quadro de referência mais vasto (Gallagher & Tramill, 1998). Uma vez que a família interage com outros agentes da comunidade, será de toda a conveniência que olhemos para essa comunidade como a maior base de suporte e fonte de recursos para qualquer tipo de intervenção. Uma intervenção baseada nos recursos da comunidade A comunidade no seu todo mas, sobretudo, as `”áreas sociais” mais imediatas ao sistema família e em interacção directa com esta, promovem variadas experiências que constituem a história de vida de cada uma das famílias, sempre vistas como integradas em grupos sociais diferenciados e concretos. No fundo, é a comunidade envolvente que permite a partilha de valores e a integração de determinada identidade cultural que objectiva causas comuns. Nesta perspectiva, a especificidade dos recursos que são alencados para cada criança e família concretas, só serão efectivos se tivermos em conta os ambientes, mais ou menos alargados, que envolvem a criança. Assim, uma intervenção centrada na família fará sentido se esta for baseada nos recursos da comunidade. Uma perspectiva que encara um variado leque de pessoas e organizações da comunidade como fonte de apoio, de modo a satisfazer determinadas necessidades da família e 3
  4. 4. essencialmente da criança. Recursos que são encarados como um potencial ilimitado e amplamente disponível, de modo a serem utilizados sempre que necessário. Uma intervenção baseada nos recursos da comunidade é caracterizada, segundo Trivette; Dunst & Deal (1997) por: • Um enfoque na comunidade – as respostas são definidas tendo em conta o “mapeamento” dos recursos existentes na comunidade, numa perspectiva abrangente dos serviços; • Um paradigma sinergético – os recursos devem ser flexíveis, diversificados, individualizados e adequados às necessidades das famílias; • Uma teia de suportes formais e informais – os esforços para (re)conhecer as necessidades das famílias e intervir implicam a mobilização de suportes formais e informais, de modo a constituir-se na comunidade uma “teia” de suporte e apoio; • Um reconhecimento das “forças” – a intervenção baseia-se nas “forças” individuais e colectivas da família; • Um esforço no sentido das soluções serem equacionadas no interior – Os recursos são organizados e facilitados de modo a responderem ás necessidades e desejos específicos de cada família. Ainda segundo os autores anteriormente referidos as práticas de intervenção precoce baseadas nos recursos da comunidade envolvem: i) identificar as forças da comunidade, grupos e subgrupos; ii) identificar quais dessas forças constituem respostas às necessidades da criança e da família e iii) eliminar barreiras á utilização dos recursos mais próximos da família bem como de outros, numa perspectiva de contextos cada vez mais alargados. Estas práticas encorajam, para além da família e dos profissionais, outros elementos e grupos da comunidade, a interrogarem-se sobre realidades que os envolvem e sobre a natureza dos próprios serviços que são disponibilizados. Este tipo de intervenção promove a mobilização de vários profissionais e a confluência de vários saberes disciplinares. Por este motivo defende-se a criação de estruturas abrangentes, operacionalizadas em equipas interdisciplinares, de forma a responderem de forma mais eficaz e eficiente à diversidade das necessidades das crianças e respectivas famílias (Gallagher & Tramill, 1998), ou seja, à dimensão complexa e multidimensional que caracteriza a intervenção precoce enquanto acção humana. 4
  5. 5. Uma intervenção desenvolvida por equipas interdisciplinares No âmbito da intervenção precoce quando não existe comunicação efectiva e um trabalho cooperativo entre os diversos profissionais assiste-se, muitas vezes, a um sucesso dependente de um sistema de suporte que se desenvolve e organiza (profissionais, serviços e responsabilidades administrativas) baseado numa aproximação à estrutura categorial. Sem um compromisso entre cada um dos profissionais e entre estes e a família os serviços tendem, muitas vezes, a agir de modo fragmentado e inconsistente (Bailey; McWilliam; Winton & Simeonsson, 1992). Assim, pretende-se que o sucesso tenda a depender da capacidade de trabalhar e fomentar a intervenção em conjunto (Gallagher; LaMontagne & Johnson, 1998). A actividade na área da intervenção precoce deve ser assegurada por equipas que envolvam profissionais diferenciados e promovam serviços abrangentes. Como refere Hartford (1983) se para resolvermos determinado problema necessitamos da incorporação do conhecimento, informação e julgamentos que superam o que um único indivíduo pode possuir, então o produto de uma equipa pode ser superior. A equipa interdisciplinar é o modelo, actualmente, defendido. Neste tipo de equipa a comunicação entre os vários profissionais e entre estes e a família é salvaguardado. É fundamental que todos os profissionais trabalhem em conjunto e de modo colaborativo. Weston; Ivins; Heffron & Sweet (1997) referem-se a este enfoque nas relações entre os diversos profissionais, serviços e famílias, numa perspectiva colaborativa, como um novo construto organizacional no âmbito da intervenção precoce. Um construto que denominam de abordagem “centrada nas relações”. Uma colaboração que implica a partilha de objectivos, comunicação aberta e efectiva e a vontade crescente de discutir e resolver problemas como uma verdadeira equipa (Sandall; McLean; Santos & Smith, 2002). A intervenção desenvolvida por equipas interdisciplinares e com cariz interserviços possibilita que: i) sejam rentabilizados recursos; ii) evitem-se sobreposições de respostas, iii) aproximem-se os serviços das famílias e iv) sejam encontradas respostas não fragmentadas. Um modelo organizacional que se centre nas interacções humanas e enfatize a importância da equipa e da interacção dos seus elementos para, entre si, construírem relações e estratégias de trabalho. Esta opção de intervenção revela-se mais complexa, do que à priori pode parecer. O pressuposto de que o simples facto dos profissionais agirem 5
  6. 6. em equipa transforma cada uma das suas acções, em modos bem diferentes aos que se verificariam se cada um desses profissionais pensasse, decidisse e agisse isoladamente, nem sempre é verdadeiro. Ao formarem-se equipas de pendor colaborativo importa equacionar a tarefa a que estas se destinam mas, sobretudo, é importante ter-se em conta: i) os critérios com que são formadas as equipas; ii) o número e tipo de elementos que as compõem; iii) o seu grau de homogeneidade; iv) a motivação e nível de interesse de cada um dos profissionais em desenvolver a tarefa; v) a estrutura das próprias equipas e o tipo e meio de partilha de informação que é desenvolvido intra e interequipas. Estes factores, de entre outros, vão condicionar directa ou indirectamente a qualidade das relações interpessoais. Uma dimensão que condicionará toda a realização da tarefa que é acometida a determinada equipa. Algumas implicações Em qualquer área do conhecimento humano a configuração de novas conceptualizações implica a construção de novas formas de intervenção e, estes dois pressupostos, constituem uma primeira condição para o necessário reajustamento das atitudes e práticas dos profissionais e dos serviços que materializam essa intervenção. Para que na prática existam ganhos é essencial que: i) as políticas preconizadas objectivem claramente as actuais conceptualizações; ii) os normativos legais além de espelharem essas políticas contenham indicadores que operacionalizem, de modo geral, as práticas consonantes; iii) os serviços implicados assumam construtos organizativos ajustados às práticas preconizadas; iv) os serviços tenham condições objectivas de alencar recursos humanos e materiais considerados essenciais; v) os serviços facilitem entre técnicos e entre equipas a circulação da informação tanto na horizontal como na vertical; vi) seja facilitado aos técnicos formação complementar para que, sem desvirtuar o principio da diferenciação de papeis, estes possam adquirir novas competências e assumam comportamentos em consonância com o trabalho cooperativo; vii) a formação facilite aos técnicos a adequação de papeis e o seu ajustamento a novas funções; viii) a composição das equipas tenha em conta, não só o factor diferenciação de técnicos mas também a sua motivação e formação específica. 6
  7. 7. Assumindo estes aspectos, estamos convictos que as equipas interdisciplinares são a forma que garante maior qualidade e eficácia no âmbito da intervenção precoce. Essencialmente, se a perspectiva dessa intervenção tiver subjacente um apoio centrado na família enquanto entidade concreta e multidimensional que interage em contextos físicos, sócio culturais e económicos específicos. Bibliografia de referência Bailey, D. B. McWilliam, P. J. ; Winton, P. J. & Simeonsson, R. J. (1992). Implementing Family-Centered Services in Early Intervention: A Team-Based Model for Change. North Carolina: Brokline Books Dunst, C. J. (1998). Apoiar e Capacitar as Famílias em Intervenção Precoce: O que Aprendemos?. In L. M. correia & A . Serrano (Orgs.), Envolvimento Parental em Intervenção Precoce - das Práticas na Criança às Práticas Centradas na Família (pp.79-92). Porto: Porto Editora; Dusnt, C. J. & Deal, A. G. (1994). A Family-Centered Approach to Developing Individualized Family Support Plans. In C. Dunst; C. Triviette & A. Deal (Eds.), Supporting and Strengthening Families-Methods, Strategies and Practices (pp.73-88). Cambridge: Brookline Books; Gallagher, R. J. & Tramill, J. L. (1998). Para além da parte H: Implicações da Legislação de Intervenção Precoce na Organização de Parcerias de colaboração Escola/comunidade. In L. M. correia & A . Serrano (Orgs.), Envolvimento Parental em Intervenção Precoce - das Práticas na Criança às Práticas Centradas na Família (pp.33-64). Porto: Porto Editora; Gallagher, R. J.; LaMontagne, M. J. & Johnson L. J. (1998). Intervenção Precoce : Um Desafio à colaboração. In L. M. correia & A . Serrano (Orgs.), Envolvimento Parental em Intervenção Precoce - das Práticas na Criança às Práticas Centradas na Família (pp.65-76). Porto: Porto Editora; Hartford, M. E. (1983). Grupos em Serviço Social. São Paulo: Agir Editora; Ruivo, J. B. & Almeida, I. C. De (2002). Contributos para o Estudo das Práticas de Intervenção Precoce em Portugal. Lisboa: ME-DEB-NOEEE; Sandall, S.; McLean, M. E.; Santos R. M. & Smith, B. J. (2002). DEC’s New Recommended Practices: The Context for change. In 7
  8. 8. Schultz-Krohn, W. (1997). Early Intervention: Meeting the Unique Needs of Parent-child Interaction.InfYoung children, 10 (1), 47-60; Thurman, A. K. (1997). Systems, Ecologies, and Context of Early Intervention. In S. K. Thurman; J. R. Cornwell & S. R. Gottald (Eds.), DEC Recommended Practices in Early Intervention/Early Childhood Special Education (pp. 39-46). Longmont, Denver: Sopris West & DEC; Trivette, C. M.; Dusnt, C. J. & Deal, A. G. (1997). Resource-Based Approach to Early Intervention-Systems and Settings (pp.73-92). New York: Paul H. Brookes Publishing Co. Inc.; Wenston, D. R.; Ivins, B.; Heffron, M. C. & Sweet, N. (1997). Formulating the Centrality of Relationships in Early Intervention: an Organizational Perspective. InfYoung Children, 9 (3), 1-12. 8

×