INCLUSÃO É O FUTURO

  • 444 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
444
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
22
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Seminário – Educação sobre Especial Inclusiva – Nós e os LaçosJoaquim ColôaCastelo Branco – 4 de Maio de 2013jJoaquim.coloa@gmail.comInclusão…Inclusão…éé oo Futuro!Futuro!
  • 2. jJoaquim.coloa@gmail.comParafraseando: Uma Declaração de principio…Parafraseando: Uma Declaração de principio…Quando os que têm o poder de nomear econstruir socialmente a realidade escolheremnão nos ver ou ouvir, se algum de nós ficarna penumbra porque é diferente, quandoalguém com a autoridade (e.g. um professor)descrever o mundo e algum de nós nãoestiver nele, há um momento de desequilíbriopsíquico como se olhássemos o espelho enão víssemos nada.(Rich, 1986)
  • 3. jJoaquim.coloa@gmail.comUltrapassar TensõesUltrapassar TensõesMudança esperada noatendimento à diversidadeMudança Real doatendimento à diversidade(Williams; Berger; McClendon, 2005)
  • 4. jJoaquim.coloa@gmail.comUltrapassar TensõesUltrapassar TensõesEficiênciaEficácia
  • 5. jJoaquim.coloa@gmail.comUltrapassar TensõesUltrapassar TensõesRetóricaPráticas(Parrish,1996).Politicas
  • 6. jJoaquim.coloa@gmail.comGuetizaçãoGuetizaçãoDas politicas tanto no que serefere às populaçõesESPECIAIS que focam comono que respeita à legislaçãoque as ORGANIZA /NORMALIZA.
  • 7. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Legislaçãointegrada ouseparada?
  • 8. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Legislação para asNEE ou para adiversidade?
  • 9. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Legislação setorialou transversal?
  • 10. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Estratégias de gestão queprogressivamente se orientem paraa responsabilização daresponsabilização daadministração escolaradministração escolar bem como doenvolvimento da administraçãoenvolvimento da administraçãolocallocal no sentido de efetivo emprojetos de prestação de serviçosapropriados para todos os aluno. (Parrish,1996).
  • 11. jJoaquim.coloa@gmail.comUltrapassar TensõesUltrapassar TensõesEducaçãoEspecialEducaçãoInclusiva(Florian, 2008)
  • 12. jJoaquim.coloa@gmail.comUltrapassar TensõesUltrapassar TensõesEscola doensinoregularEscola deeducaçãoespecialRespostas“especializadas”no ensinoregular(Parrish,1996).
  • 13. jJoaquim.coloa@gmail.comGuetizaçãoGuetizaçãoDa singularidade dosalunos confinando-os atempos, espaços eaprendizagens /currículos ESPECIAIS.
  • 14. jJoaquim.coloa@gmail.comGuetizaçãoGuetizaçãoDas respostas àdiversidade confinando-asa um subsistemaeducativo denominado deESPECIAL.
  • 15. jJoaquim.coloa@gmail.comGuetizaçãoGuetizaçãoDos FINANCIAMENTOS tantono que se refere àincongruência como sãoatribuídos como ao tipo deserviços para quenormalmente são canalizados.
  • 16. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Reestruturação das organizaçõesescolares no sentido de “unificação desistemas de ensino” (McLaughlin &Warren, 1992). Implementando edesenvolvendo um conjunto deprogramas educativos e serviços querespondam às necessidades de todos osalunos.(Parrish,1996).
  • 17. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Currículos abertosou fechados?
  • 18. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Melhoria permanenteda organização
  • 19. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Funcionamento combase em trabalho deequipa
  • 20. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Desenvolvimentode objetivoscomuns
  • 21. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Aprendizagem edesenvolvimento daprofissionalidade dosprofissionais
  • 22. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Análise crítica dasações de rotina
  • 23. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Difusão de boaspráticas
  • 24. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Abertura eexperimentação denovos métodos
  • 25. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Predisposição paraa mudança
  • 26. jJoaquim.coloa@gmail.comCompromisso ativo e critico…Compromisso ativo e critico…(Pérez 2006.Manutenção de fluxosde circulação dainformação tantointernos comoexternos
  • 27. jJoaquim.coloa@gmail.comGuetizaçãoGuetizaçãoDos recursos focando-osem processos deCLASSIFICAÇÃO para aELIGIBILIDADE.
  • 28. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminhos possíveis…Caminhos possíveis…Incidir sobre o processo de ensino eaprendizagem e evitar «categorizações»desnecessárias dos alunos. Se talmudança é aceite, então a informaçãonão é somente utilizada para a tomadade decisões oficiais, mas… os pais,alunos e professores são os«consumidores» dos produtos deavaliação. (European Agency for Development in Special Needs Education 2008)
  • 29. jJoaquim.coloa@gmail.comAvaliação como regulação e autorregulaçãoAvaliação como regulação e autorregulaçãoAvaliação: Regulação e Autorregulação      INTERAÇÕES/COMUNICAÇÃOINTERAÇÕES/COMUNICAÇÃORegulação retroativaprofessoralunosRegulação interativaRegulaçãoproativaCONTEXTOS
  • 30. jJoaquim.coloa@gmail.comIncongruência e BanalizaçãoIncongruência e BanalizaçãoFormaçãoTempo daformação?Populaçãoalvo?Currículo daformação?Competênciasde saída? (Shier, 2002)
  • 31. jJoaquim.coloa@gmail.comTempo de FormaçãoTempo de Formação(Shier, 2002)Formação iniciale formaçãocontínua eespecializada.
  • 32. jJoaquim.coloa@gmail.comPopulação AlvoPopulação AlvoQuanto mais novos são osprofessores maiorespossibilidades há dedesenvolverem atitudes emInclusivas. Mas os professorescom mais experiência podem sermais proativos.(Shier, 2002)
  • 33. jJoaquim.coloa@gmail.comCompetências de SaídaCompetências de SaídaEducação especial destina-se, a apoiaras necessidades específicas dos alunosalunoscom deficiênciacom deficiência. No entanto, é umaparte do todoparte do todo; o sucesso depende daqualidade, da filosofia e da diversidadedo currículo total para satisfazer asnecessidades de todos os alunos. Hoje,a educação especial não pode ser vistaisolada de educação geral.(Wisconsin Department of Public Instruction)
  • 34. jJoaquim.coloa@gmail.comCompetências de SaídaCompetências de SaídaReconhecer eresponder àdiversidade em todaa sua complexidade(Shier, 2002)
  • 35. jJoaquim.coloa@gmail.comCurrículo da formaçãoCurrículo da formaçãoO professor inclusivo é um profissionalem educação com um fortecompromisso com a sua comunidade. Ocurrículo de preparação do professordeve incluir conteúdos sociais,conteúdos sociais,culturais e comunitáriosculturais e comunitários porque elesprecisam ser sensíveis às necessidadesdos alunos por relação com o seuambiente natural. (UNESCO – Inclusive Education in Action)
  • 36. jJoaquim.coloa@gmail.comCurrículo da formaçãoCurrículo da formaçãoO professor inclusivo reconhece asreconhece asdiferenças individuais e implementadiferenças individuais e implementaestratégias de aprendizagem paraestratégias de aprendizagem paratodostodos. A intervenção educativa éorientada para a diversidadediversidade epromove estratégias deaprendizagem para todos (equidade)(UNESCO – Inclusive Education in Action)
  • 37. jJoaquim.coloa@gmail.comCurrículo da formaçãoCurrículo da formação(UNESCO – Inclusive Education in Action)O trabalho colaborativo /trabalho colaborativo /em equipaem equipa entre osdocentes, facilita ainclusão e precisa serpromovido no currículo.
  • 38. jJoaquim.coloa@gmail.comCurrículo da formaçãoCurrículo da formação(UNESCO – Inclusive Education in Action)Todos os currículos deformação inicial econtínua devem basear-se nos paradigmasparadigmasinterpretativo e críticointerpretativo e crítico
  • 39. jJoaquim.coloa@gmail.comCurrículo da formaçãoCurrículo da formação(UNESCO – Inclusive Education in Action)Formação em contexto realFormação em contexto real.Relação com os serviçoseducativos, que permita aidentificação da diversidade, davariedade de contextos e práticase cultura / valores da própriaescola (planificando, criticando erefletindo).
  • 40. jJoaquim.coloa@gmail.comCurrículo da formaçãoCurrículo da formação(UNESCO – Inclusive Education in Action)Transversalidade / formação multiníveisTransversalidade / formação multiníveis. Adiversidade precisa de uma visão global ecomum: filosofia, valores, quadro legal,linguagem e conhecimento partilhado -aprender teorias, necessidades educativasespeciais, sistemas de apoio à intervençãoeducativa; estratégias para grandes epequenos grupos grandes e individualizadas,adaptações curriculares e tutoria.
  • 41. jJoaquim.coloa@gmail.comAmbiguidade e BanalizaçãoAmbiguidade e BanalizaçãoEscola para Todos
  • 42. jJoaquim.coloa@gmail.comCaminho possível...Caminho possível...Há uma diferença entreo direito à educação(acesso) e direitos naeducação (equidade)?(Florian, 2008)
  • 43. jJoaquim.coloa@gmail.comAmbiguidade e BanalizaçãoAmbiguidade e BanalizaçãoInclusãoConceito?Paradigma(s) deenquadramentoteórico?
  • 44. jJoaquim.coloa@gmail.comParadigma: caminho possível...Paradigma: caminho possível...Os outros são percecionadoscomo diferentes porque nóstambém somos diferentes e adiferença está na relação entrediferentes. (Stoer e Magalhães, 2005)
  • 45. jJoaquim.coloa@gmail.comParadigma: caminho possível...Paradigma: caminho possível...(Stoer e Magalhães, 2005)Ao assumirmos que a diferençatambém somos nós (o «nós»transforma-se em «eles»), é a nossaprópria alteridade que se expõe narelação. Recusa da ação unilateral,por mais generosa que seja, sobre aalteridade, como se esta tivesse comonatureza por nós cuidada e agida.
  • 46. jJoaquim.coloa@gmail.comParadigma: caminho possível...Paradigma: caminho possível... O universal não seria, então, asocialização de valores homogéneosou de significados únicos mas sim auniversalização do direito a interpretaras diferenças, de modo a quepossamos dialogar com elas. OUniversal jogar-se-ia na construção deuma cultura escolar que processa asdiversidades. (Duschatzky,1996)
  • 47. jJoaquim.coloa@gmail.comInclusão: caminho possível...Inclusão: caminho possível...(UNESCO – Inclusive Education in Action)O objetivo é eliminar todas as barreiras àaprendizagem (Lipski, 1998). A Inclusão promovea educação de qualidade e equidade para todos,sem qualquer tipo de barreira ou exclusão,incluindo aqueles que podem potencialmente sermarginalizados devido à deficiência, gênero,problemas emocionais / comportamentais,antecedentes familiares, etnicidade,sobredotação, imigrantes, pobreza, deficiênciaauditiva ou visual, atraso de linguagem, entreoutros.
  • 48. jJoaquim.coloa@gmail.comInclusão: caminho possível...Inclusão: caminho possível...Valorizar adiversidadeporque somosdiversos!
  • 49. Marsha Forest, dezembro de 1994jJoaquim.coloa@gmail.comInclusão é o FuturoInclusão é o FuturoInclusão é pertença de uma raça, a raça humana.Inclusão é um direito humano básico.Inclusão é lutar para descobrir como viver com o outro.Inclusão não é algo que faça por alguém ou para alguém.É algo que fazemosum com o outro.Inclusão não é uma pessoa."O rapaz da inclusão".Não é um programa.Não é um adjetivo.Não um complemento.Inclusão é um substantivo.Inclusão não é algo que fazemos um pouco de.Ou é ou não é.Não é uma moda.Não é um movimento.É uma tendência, semelhante à democracia."Com liberdade e justiça para todos"Todos, significa todos.
  • 50. Marsha Forest, dezembro de 1994jJoaquim.coloa@gmail.comInclusão é o FuturoInclusão é o FuturoSem rodeios sobre o assunto!Inclusão é o oposto da exclusão.Inclusão não é exclusão.Inclusão é fair play, bom senso, decência comum, trabalho duro.Inclusão é elegante na sua simplicidade e, como o amor, impressiona nasua complexidade.Inclusão é um grito de guerra, grito de um pai e grito de criança a ser bem-vinda,abraçada,acarinhada, valorizada, amada como um presente, como uma maravilha, umtesouro.Inclusão é não gastar mais dinheiro na construção de mais prisões,hospitais psiquiátricos,lares de idosos, casas para grupos especiais, mas é investir em casas reais,vida real, pessoas reaistodas as pessoas.
  • 51. Marsha Forest, dezembro de 1994jJoaquim.coloa@gmail.comInclusão é o FuturoInclusão é o FuturoInclusão éDorLutaAlegriaLágrimasPerdaLutoCelebração!Inclusão é o navio que ainda não está construído ainda.É um navio novo.Um que nós construímos juntos.Inclusão é como uma boa banda de jazz,como uma orquestra disciplinada para tocar melodia, em harmonia.Inclusão é um caleidoscópio de diversidade.Bits de cor, som, formas e tamanhos.Inclusão é o futuro.
  • 52. Apresentação disponível em:http://proandee.weebly.com/index.htmlwww.slideshare.net/jcoloawww.facebook.com/groups/244591468914345/jJoaquim.coloa@gmail.combembemhajamhajam
  • 53. Duschatzky, S. (1996). De la Diversidad en la Escuela a la Escuela de la Diversidad. In Propuesta Educativa, nº 15, pp. 45 –49European Agency for Development in Special Needs Education (2008b). Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos –Avaliação para a aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais, consultado em www.european-agency.orgEuropean Agency for Development in Special Needs Education (2008d). Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos:Questões-chave para Políticas e Práticas. Odense, Dinamarca: European European Agency for Development in Special NeedsEducation.Florian, L. (2008). Special or inclusive education: future trends. In British Journal of Special Education, Volume 35 · Number 4.pp. 202-208Forest, M. (1994). Inclusion is the future, consultado em http://www.allfie.org.uk/pages/useful%20info/inclusion.htmlNorwich, B. (2008). Dilemmas of Difference, Inclusion and Disability: International Perspectives and Future Directions. NewYork: RoutledgeParrish, T. B. (1996). Special Education Finance: Past, Present, and Future, Policy Paper Number 8. USA: Center for SpecialEducation Finance.Pérez, V. M. O. (2006). Consideraciones Pedagógicas sobre la Comunidad Educativa: el Paradigma de la “EscuelaEducadora”. In Revista Computense de Educación, Vol. 17, nº 1, pp. 51-64.Rich, A. (1986). Blood, Bread, and Poetry: Selected Prose, 1979-1985. New York: W. W.Shier, E. J. (2002). Preparing future Educators to Support Inclusion: College Student´s attitudes Following Pre-ProfessionalPreparation, consultado em http://www2.uwstout.edu/content/lib/thesis/2002/2002shiere.pdfUNESCO – Inclusive Education in Action, consultado em http://www.inclusive-education-in-action.org/iea/index.php?menuid=1Williams, D. A.; Berger, J. B.; McClendon, S. A. (2005). Making Excellence Inclusive: Toward a Model of Inclusive Excellenceand Change in Postsecondary Institutions. USA: Association American Colleges and Universities.Wisconsin Department of Public Instruction, consultado em http://sped.dpi.wi.gov/sped_cross_cFotos retiradas de: https://www.facebook.com/blcetnoir/photos_streamjJoaquim.coloa@gmail.comReferências BibliográficasReferências Bibliográficas