Amigosdavenida Artigo

  • 248 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
248
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Amigosd’Avenida - como pode uma comunidade organizar-se para pensar o seu futuro? Os Amigosd’Avenida são um grupo de cidadãos de Aveiro que se tem vindo a reunir, de forma informal, há mais de sete meses para reflectir sobre o futuro da sua cidade. O grupo teve a sua origem no debate público lançado, em Novembro de 2008, pela autarquia aveirense sobre o futuro da Avenida Lourenço Peixinho. Nessa oportunidade, foi entendido por um grupo de pessoas criar um blogue colectivo (http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/) que tem funcionado como espaço de encontro e debate, com a preocupação de assegurar a pluralidade e o confronto de ideias, de trazer conhecimento (técnico e científico), de apresentar exemplos de boas práticas a nível nacional e internacional, mostrando como noutras realidades se desenvolvem políticas públicas locais de mobilidade, cultura, de economia e urbanismo. Para apoiar a reflexão e criar uma maior interactividade com a comunidade foi criada uma mailing-list que tem funcionado, ainda que de uma forma embrionária, como espaço de interacção entre cidadãos contando, neste momento, com cerca de 180 membros. Um dos temas a que o grupo tem dedicado particular atenção tem sido as comemorações dos 250 anos de Aveiro e a oportunidade que o evento pode ter para ‘afirmar a cultura como um factor de desenvolvimento e de competitividade’ da cidade. A necessidade de qualificar essa aposta motivou a criação de grupos de trabalho sobre duas questões centrais: a questão da “animação e qualificação do espaço público” e o “papel das actividades artísticas, culturais e de criatividade”. A leitura de experiências internacionais inspiradores, nomeadamente a estratégia assumida por Vilnius Capital Europeia da Cultura 2009, que defendia a ideia de "levar a arte para a rua e transformar a face da cidade" e que “investia na participação das pessoas e na vivência da cidade" e a constatação da importância, relevância, dimensão e número de agentes artísticos, culturais e do sector criativo/tecnológico existente em Aveiro motivou o lançamento de um desafio à comunidade aveirense – aproveitar as comemorações como oportunidade para estimular a produção artística, cultural e tecnológica, para intervir na qualificação do espaço público da cidade e para criar uma relação mais próxima dos Aveirenses com a sua cidade. Para apoiar essa reflexão foram organizados vários debates públicos (abertos à participação de todos os interessados), que sistematizaram preocupações/problemas, identificaram princípios de actuação e sugeriram algumas pistas de acção (tendo em conta os escassos meios disponíveis e o curto espaço de tempo para as desenvolver). O ‘caderno de encargos’ obtido neste processo colaborativo foi enviado a todas as instituições da cidade, tendo sido solicitado contributos e avaliado disponibilidades para poderem apoiar a concretizar algumas das ideias presentes. Das várias propostas sugeridas o grupo entendeu desenvolver um projecto-piloto “Se esta praça tivesse 250 anos” (http://programadasfestas.blogs.sapo.pt/), inspirado na estratégia de Vilnius2009, e que surge com o objectivo de motivar a organização de um programa de actividades ‘artísticas’ numa das praças centrais da cidade (Praça Melo Freitas), aos sábados à tarde, mobilizando para a sua concretização os vários agentes culturais da cidade (música, teatro, pintura, dança, poesia, entre outras). Para culminar esse conjunto de actividades foi lançado um último desafio aos cidadãos e agentes culturais, sociais e económicos da cidade e da região para se associarem à organização de um evento que se designou ‘250 Anos de Estórias na Ria' e que não pretende ser mais do que uma 'festa de amigos e vizinhos' para celebrar a nossa cidade e que se irá realizar no Rossio e na Praça Melo Freitas em 19 Setembro (http://festadosamigosevizinhos.blogs.sapo.pt/).
  • 2. A necessidade de articular e coordenar as actividades dos vários agentes artísticos, culturais e criativos da cidade, motivou a proposta de criação da Plataforma de agentes culturais e criativos de Aveiro (http://plataformaculturaveiro.blogs.sapo.pt/) que se pretende venha a assumir a função de programação e divulgação cultural, de gestão dos espaços e equipamentos culturais, de estímulo de desenvolvimento de acções conjuntas, de apoio à inserção em redes nacionais e internacionais, de pesquisa e candidatura a programas de financiamento. Recentemente, foi lançado um manifesto por ‘uma política de qualificação e animação do espaço público da cidade de Aveiro’ (http://manifestopelacidade.blogs.sapo.pt) o qual pretende contribuir para a qualificação das opções de política cultural e urbanística para a cidade de Aveiro. Com base no manifesto está a ser desenvolvido o projecto cinematográfico ‘Aqui! / Here!’, liderado pelos Amigosd’Avenida e pelo Festival AVANCA’09, que se desenvolverá a partir dos dez princípios para criar dez curtas-metragens desenvolvidas em dez cidades dos cinco continentes (http://aqui2009.blogs.sapo.pt). Finalmente, procurando contribuir para a qualificação do debate sobre o futuro da ‘Avenida Lourenço Peixinho’, os Amigosd’Avenida participaram numa sessão pública organizada pela Assembleia Municipal (26JUN) onde procuraram alertar para a necessidade de mudar a perspectiva do debate ‘muito centrada nas questões infra-estruturais – perfil da avenida, estacionamento, sentidos de trânsito’ para uma discussão sobre o modelo conceptual e funcional da Avenida (‘o que queremos que seja a Avenida e áreas adjacentes’). Nesse sentido, defendeu-se, nessa oportunidade, que a intervenção sobre a ‘Avenida’ se constitua como um momento de (re)construção do ‘sentido de lugar e de comunidade’ assumindo-se como prioridade ‘voltar a viver o centro’. Propuseram-se para o efeito seis princípios fundamentais - a Avenida como: i) ‘montra e porta de entrada’; ii) ‘espaço de residência para todos’; iii) ‘passeio público’; iv) ‘palco de actividades de animação’; v) ‘espaço acessível e partilhado’; vi) ‘rótula de ligação’ com outros espaços (http://ideiadeavenida.blogs.sapo.pt/). José Carlos Mota, Aveiro (16 Julho 2009)