Proposta (propaganda) de Trabalho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Proposta (propaganda) de Trabalho

on

  • 902 views

Apoio para Alunos do Ensino Secundário

Apoio para Alunos do Ensino Secundário

Statistics

Views

Total Views
902
Slideshare-icon Views on SlideShare
801
Embed Views
101

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

6 Embeds 101

http://jbarbo00.blogspot.pt 68
http://jbarbo00.blogspot.com.br 12
http://www.aedc.pt 10
http://jbarbo00.blogspot.com 8
http://jbarbo00.blogspot.de 2
http://jbarbo00.blogspot.ch 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Proposta (propaganda) de Trabalho Proposta (propaganda) de Trabalho Document Transcript

    • CIÊNCIA JORGE BARBOSA AULAS PARTICIPETEORIA DE KANT ! S, Q CIÊNCIA E ESTADOEXERCÍCIO PRÁTICO ! S DO MUNDOCIÊNCIA E DETERMINISMO ! QPOPPER E INDETERMINISMO ! S, Q Talvez saibamos donde vimos, mas nãoEXERCÍCIO PRÁTICO ! S sabemos para onde vamos...APROFUNDAMENTO ! QEXERCÍCIO PRÁTICO ! SPERSPETIVA DE KUHN ! Q. ESC SEC DR MANUEL GOMES ALMEIDA
    • aos e nção er m s u alqu de ar- se faz q às gran is, rece não uais, ou o De rio, de, p aber f dá s at er. Po e um s e me acto, e oS ecun entífico re solv ído d erant rec e o ta bel s E nsin ates ci por e xclu dade p fen óm n aNo deb tinu am sinta e liber ima eno ome d teoria des con o se d g s, c uja e teor do Big gran es que úblic privado aqu inária, ia, stõ de p e is res ma ulta ioria é pois a ng não Ba que gran a elite ar, 1991 elem ições ue o m da Físi o de d pu sse se q ado a u astien Ba con entare lib n r v éb side s. C ca d ext ramen ta em rese alistas. S o as rap te cos r o ci mo ável, o ntudo partícu laçõe espe atu s, que , co la s da alm tal co dem nhece s s de ent m son e co o em ons tra um am ho. mp t ort odas a bem od Jacq ues a um s ép que a Lab a en o o eyr ie , 1 991 orm cas, ain ep d arte a Depois, vem o despertar, o Renascimento. As descobertas começam a aparecer em abundância: Assim, ainda no domínio do cosmos: Nicoalu Copérnico - dezassete séculos depois de Aristarco - redescobre que o Sol está no centro do Universo (heliocentrismo). O alemão Johannes Kepler determina as três leis sobre a revolução dos planetas: Galileu, perto de Florença, observa a Lua pela primeira vez e os maiores satélites de Júpiter através de um telescópio; experimenta igualmente as leis da queda dos corpos. Quanto a Isaac Newton, em Londres, compreende que a luz branca é composta por luzes coloridas, mas também que a massa atrai a massa mesmo à distância, o que é uma ideia extraordinária. Olatis Romer, no Observatório de Paris, descobre que a luz tem uma velocidade e consegue medi- la. O francês Pierre Simon de Laplace imagina que o sistema solar é oriundo de uma nuvem de poeira cósmica. Foram todos estes gigantes do pensamento científico que construíram a nossa concepção atual do cosmos… Jacques Labeyrie, 1991
    • Alguns vêem coisas no céu; nós, físicos astrais, vemos céu nas coisas. Michel Cassé, 1991Há uma certa estética no modelo(científico) que, por vezes, leva o físicoa dizer que isto só pode estarcorreto, dado que é demasiado belopara ser falso. Pasquale Nardone, 1991 “Está a fazer-nos sonhar!”: é a exclamação tantas vezes ouvida quando se propõem estes novos horizontes do conhecimento. A realidade assim descoberta, ou construída pelo saber, coloca-se de tal modo fora dos campos da sensibilidade e da imaginação comuns que é imediatamente remetida para o domínio do sonho e, até, do mito. Todavia, esta exclamação nada tem de surpreendente: as imagens do espaço, as dos planetas tão próximos ou as das galáxias tão distantes são perturbadoras de novidade assim que se comentam, pois nelas revelam-se então durações, dimensões, energias absolutamente inconcebíveis por uma intuição constituída pelo quotidiano da experiência humana. (…) a consciência do Homem deve, doravante, imaginar-se dentro de um espaço sem balizas, sem fronteiras, curvado pela gravitação e a presença da matéria, espaço onde a Terra não passa de uma frágil embarcação. À permanência das coisas que nos rodeiam (…) (“Não há nada de novo debaixo do Sol”), todo o nosso saber (atual) vem opor o contrário: desde a noite dos tempos que o universo não pára de estar cheio de novidades. (…) O estado de desequilíbrio, fonte de criatividade, é a lei das coisas por todo o lado. (…) Não surpreende que o cinema se alimente desta queda de perspetiva. Porém, não se pode deixar apenas ao Quinto Elemento ou outras Guerra das Estrelas a tarefa apaixonante, mas temível, de reconstruir pontos de referência para estas novas escalas. Pierre Léna, 1991