Justiça

  • 692 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
692
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
11
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A  JUSTIÇA     Jorge  Barbosa   Setembro  de  2010   h t t p : / / w e b . m e . c o m / j b a r b o 0 0 /  
  • 2.        Introdução      Todos  desejam  um  mundo  mais  justo.  Mas,  em  nome  de  quê?  Da  igualdade?  Do  reconhecimento?  Da  autonomia?   De   facto,   os   princípios   de   justiça   são   contraditórios:   por   exemplo,   será   necessário  privilegiar   a   igualdade   ou   o   mérito?   Existirão   desigualdades   justas?   Será   possível   uma   real   igualdade  de   oportunidades?   As   respostas   a   estas   questões   formam   uma   cacofonia,   por   vezes   difícil   de  suportar.    Quem  não  se  lembra  de  insuportáveis  injustiças,  brutais  ou  não,  vividas  durante  a  infância?  Um  caso  que   ficou   famoso   é   o   de   Jean-­‐Jacques   Rousseau,   erradamente   acusado   de   ter   partido   um   pente   de  Mlle   Lambercier.   Cinquenta   anos   depois,   ainda   sentiu   raiva   disso,   ao   escrever   as   suas   Confessions.  Num  corredor  da  escola,  em  casa,  vítimas  de  colegas  ou  de  adultos,  todas  as  crianças  conheceram  as  suas   injustiças   e   a   cólera   que   elas   geraram.   Será   que   nos   curamos   disso?   Não   é   nada   seguro   que   essa  cura   seja   completa.   Há   sempre   uma   criança   em   nós   que   se   revolta,   apesar   da   desilusão   e   do   realismo  que   são   o   triste   privilégio   do   avançar   dos   anos.   A   injustiça   é   uma   questão   básica   que   não   exige  raciocínios  rebuscados,  nem  grandes  construções  teóricas  para  termos  consciência  dela.    Há   injustiças   gritantes,   incontestáveis.   No   entanto,   a   determinação   do   que   é   justo   ou   não   divide   mais  as   opiniões   das   pessoas   do   que   as   põe   de   acordo.   É   o   caso,   por   exemplo,   da   encantadora   questão   dos  impostos.   Será   desejável   reduzir   as   cargas   fiscais   e   limitar   a   redistribuição   social?   Ou   será   mais   justo  manter  ou  aumentar  as  cargas  fiscais  para  beneficiar  os  mais  desfavorecidos  da  nossa  sociedade?  A  questão   põe   os   interesses   particulares   a   falar   uns   com   os   outros,   sem   grande   proveito   para   um  entendimento   comum.   Os   empresários   consideram,   por   via   de   regra,   injusta   uma   carga   fiscal   pesada,  e  não  concebem  como  aceitáveis  os  argumentos  daqueles  que,  com  reduzidos  rendimentos,  clamam  por   mais   ajudas   sociais   para   remediar   desigualdades   insuportáveis.   Todas   as   pessoas   querem   mais  justiça,  mas,  num  terreno  desta  natureza,  parece  bem  difícil  que  possa  ser  construído  um  consenso.  Teremos,   então,   de   nos   contentar   com   a   habitual   cacofonia   que   os   problemas   da   justiça   geram   nos  debates  públicos?      
  • 3.  Desigualdades  Justas?    O   sociólogo   francês   François   Dubet,   com   os   seus   colaboradores,   decidiu   levar   a   cabo   um   inquérito  sobre   as   injustiças   no   trabalho   junto   de   um   painel   muito   alargado   de   profissões   –   quadros   de  empresa,  auxiliares,  operários  de  construção  civil,  operadores  de  caixa1,  etc.  Todos,  ou  quase  todos  se  queixam  de  injustiças,  de  que  são  objecto  ou  testemunhas.  É  o  caso  da  vendedora,  originária  do  Togo,  vítima   de   discriminação,   do   funcionário   chocado   por   ver   um   colega,   incompetente   e   pouco  empenhado,  receber  o  mesmo  salário,  da  auxiliar  de  cuidados  de  saúde  que  se  queixa  do  desprezo  de  um   sistema   hospitalar   exageradamente   hierarquizado...   Nem   todos   os   trabalhadores   defendem   a  igualdade  –  longe  disso  –  e,  em  geral,  reconhecem  que  há  desigualdades  justas.  Há  quem  considere  normal   ter   um   salário   menos   generoso,   por   não   ter   um   diploma   de   ensino   superior.   Há   quem  considere   justo   o   estatuto   dos   funcionários   públicos   porque   acedem   a   ele   por   concurso.   Mas  praticamente   todos   apontam   o   dedo   acusador   às   promoções   por   cunhas,   castas   ou   privilégios,   e   à  exploração  e  dominação.  Por  outro  lado,  as  vantagens  dos  outros  são  criticadas,  enquanto  as  próprias  são   julgadas   legítimas.   Como   encontrar   um   sentido   em   semelhante   quebra-­‐cabeças?   Por   trás   da  diversidade   das   situações   e   das   explicações   invocadas,   F.   Dubet   salienta   três   princípios   de   justiça  apresentados  pelos  trabalhadores  inquiridos:   • A  igualdade;   • O  reconhecimento  do  mérito;   • O  respeito  pela  autonomia.  Com   efeito,   o   que   indicia   a   denúncia   do   racismo,   do   sexismo,   do   desprezo,   que   não   seja   a   falta   de  igualdade?   Por   seu   turno,   o   não   reconhecimento   do   esforço   contraria   o   princípio   do   mérito.   E   é,   a  título  do  direito  à  autonomia,  que  são  criticados  o  excesso  de  stress,  a  alienação,  a  falta  de  margem  de  manobra   e   de   responsabilidade.   “Quando   deixamos   falar   as   pessoas,   apercebemo-­nos   de   que   elas  mobilizam   categorias   filosóficas   muito   elaboradas   para   sustentar   as   suas   afirmações,   como   se   toda   a  gente   tivesse   lido   Aristóteles,   Kant   ou   John   Rawls”2.   No   entanto,   ao   contrário   dos   filósofos,   que  procuram   articular   os   diferentes   princípios   de   justiça,   os   trabalhadores   inquiridos   opõem-­‐nos   uns  aos  outros,  sem  procurar  hierarquizá-­‐los  ou  compaginá-­‐los.  Toda  a  gente  quer  mais  justiça,  mas  de  acordo  com  princípios  diferentes.  Isto  não  quer  dizer   sequer  que  um  certo  indivíduo  defenda  sempre  o   princípio   de   igualdade   e   que   um   outro   o   do   mérito.   Cada   um   de   nós   faz   apelo   a   diferentes                                                                                                                  1  F.  Dubet  e  al.,  L’Expérience  des  inégalités  au  travail,  Seuil,  2006.  2  Ver  «  La  complainte  des  travailleurs,  entretien  avec  F.  Dubet  »,  Sciences  Humaines,  n°  179,  fevereiro  2007.  
  • 4. concepções   de   justiça   que,   por   vezes,   são   mesmo   contraditórias   entre   si,   mas   coerentes   com   o  contexto  em  que  cada  uma  é  defendida.    Há,   assim,   uma   tensão   inevitável   entre   igualdade   e   mérito,   pois   é   em   nome   do   mérito   que   são  distribuídas   certas   desigualdades,   por   exemplo,   de   salário.   Para   aqueles   que   defendem   a   igualdade,   a  concorrência   dos   méritos   favorece   o   individualismo   desenfreado,   o   egoísmo,   a   corrida   ao   dinheiro,  um  sistema  que  favorece  aqueles  que  tiveram  sorte  na  vida.  Raciocínio  inverso  têm  aqueles  que,  pelo  contrário,   criticam   os   estatutos   abusivos   que   não   reconhecem  o   talento   e  o   esforço  de  cada  um  .   Para  já,   parece,   então,   impossível   renunciar,   nas   nossas   sociedades,   quer   à   igualdade   quer   ao   mérito.   Se  queremos,  portanto,  que  o  termo  justiça  faça  algum  sentido,  temos  necessariamente  de  articular  os  princípios  que  a  definem.  Em   1971,   um   filósofo   americano,   até   então   pouco   conhecido,   decide   com   temeridade   aceitar   este  desafio.   Chama-­‐se   John   Rawls   e   assinou   um   livro,  cujo  título  evidencia  toda  a  sua  ambição:   Teoria  da  Justiça3.    Partindo  do  pressuposto  de  que  a  justiça  deve  mandar  calar  os  interesses  particulares,  Rawls  inspira-­‐se   na   teoria   dos   jogos   para   imaginar   uma   ficção:   uma   posição   original,   em   que   os   indivíduos   são  colocados  sob  um  “véu  de  ignorância”,  isto  é,  numa  situação  em  que  não  soubessem  nada  a  respeito  da  sua  condição  pessoal  –  estatuto  social,  sexo,  religião,  aptidões  físicas,  intelectuais  ou  psicológicas.  Que   princípios   de   justiça   seriam   escolhidos   nesta   situação?   Na   verdade,   o   que   ele   propõe   é   muito  idêntico  à  própria  alegoria  da  justiça,  que  a  representa  com  uma  figura  de  traços  femininos,  com  os  olhos   vendados   e   segurando   uma   balança.   Segundo   Rawls,   a   justiça   deve,   então,   ser   imparcial   na  definição  dos  seus  próprios  princípios  e,  portanto,  também  na  sua  execução,  e  respeitar  os  interesses  pessoais,   que   ele   distingue   dos   interesses   particulares   que   correspondem,   estes,   aos   interesses  pessoais  que  estão  de  acordo  com  a  situação  específica  que  cada  um  ocupa  na  sociedade.  Colocados  sob  um  véu  de  ignorância,  os  indivíduos  segundo  Rawls  seriam  levados  a  definir,  por  consenso,  dois  princípios:  um  “princípio  de  liberdade”  e  um  “princípio  de  diferença”.      O  Reino  da  Equidade    O   primeiro   princípio,   o   da   liberdade,   estabelece   um   igual   acesso   ao   maior   número   de   liberdades  individuais:  direito  de  voto  e  de  elegibilidade,  liberdade  de  expressão,  protecção  da  pessoa,  direito  à  propriedade  privada...  O  segundo  define  as  regras  da  justiça  social:  as  desigualdades  socioeconómicas  só   são   aceitáveis,   se   induzirem   outras   vantagens   compensadoras   para   os   membros   mais  desfavorecidos,   e   se   for   respeitado   o   princípio   de   igualdade   de   oportunidades.   A   justiça   não   é                                                                                                                  3  J.  Rawls,  Théorie  de  la  justice,  1971,  reed.  Seuil,  coll.  «  Points  essais  »,  1997.  
  • 5. sinónimo  de  igualitarismo.  É  a  esta  concepção  que  Rawls  chama  justiça  como  “equidade”  (fairness).  As   desigualdades   podem,   de   acordo   com   esta   concepção,   em   certas   condições,   ter   lugar   numa  sociedade  justa.  A  teoria  de  John  Rawls  despertou  numerosas  críticas:  algumas  reprovam-­‐lhe  o  facto  de   dar   muita   importância   ao   Estado,   outras   de   ter   uma   abordagem   individualista   e   abstracta   da  sociedade,  e  outras  ainda  de  conceber  a  justiça  exclusivamente  em  termos  socioeconómicos.  Apesar  de  tudo,  ela  ajusta-­‐se  razoavelmente  bem  a  sociedades  democráticas  com  uma  perspectiva  igualitária  (todos   os   homens   nascem   livres   e   iguais   em   direitos)   que   se   defrontam   com   uma   realidade   muito  pouco  idílica  que  tem  a  ver  com  facto  de  não  termos  todos  as  mesmas  oportunidades  na  vida.    Igualdade  de  Oportunidades?      Actualmente,   o   problema   central  do  sistema  de  Rawls  é  a  questão  da  igualdade   de   oportunidades.  De  facto,  em  teoria,  a  igualdade  de  oportunidades  é  o  elemento  chave  para  articular  liberdade,  igualdade  e  mérito.  A  igualdade  de  oportunidades  garantiria  que,  a  um  nível  igual  de  talento  e  de  competência,  cada  um  teria  as  mesmas  perspectivas  de  sucesso,  independentemente  do  seu  meio  social  e  familiar  de   origem.   Belo   princípio,   este,   que   ninguém   recusaria,   sobretudo   nas   sociedades   tradicionalmente  ligadas   à   meritocracia   republicana,   como   os   Estados   Unidos   e   a   França,   por   exemplo.   As   coisas   ficam  um   pouco   mais   complicadas   nas   sociedades,   de   menor   tradição   republicana,   como   a   sociedade  portuguesa,  em  que  a  meritocracia  só  passa  a  ser  objecto  de  promoção  sistemática,  quando  os  jovens,  tradicionalmente   favorecidos   pela   sua   origem   social   ou   familiar,   se   confrontam   com   a   redução  generalizada  de  lugares  disponíveis  em  funções  de  maior  relevo  social.  Surgem,  então,  as  denúncias  públicas   de   favorecimento   no   interior   das   famílias   e   grupos   sociais   favorecidos,   e   a   defesa  apaixonada  de  critérios  de  promoção,  que  possam,  se  for  preciso,  retirar  dos  seus  postos  pessoas  que  a  eles  acederam  por  mérito,  numa  fase  anterior  de  expansão  de  sectores  socialmente  valorizados,  e,  portanto,   em   tese,   de   acesso   menos   exigente   do   que   numa   situação   de   recessão.   Estes   súbitos  defensores   da   igualdade   de   oportunidades   comovem-­‐se   até   à   lágrimas   só   de   pensar   nos   valorosos  bolseiros  que,  graças  aos  seus  esforços  e  a  uma  certa  forma  de  solidariedade  social  institucionalizada,  superam   as   limitações   das   suas   origens   sociais   e   alcançam   as   mais   altas   funções   do   Estado   ou   das  empresas.  Estes  relatos  não  comovem,  todavia,  os  sociólogos  mais  exigentes  no  estudo  da  igualdade  de  oportunidades  no  terreno  em  que  se  situa  a  vida  de  cada  um.  Claro,  a  escola  e  as  universidades,  por   direito,   são   acessíveis   a   todos,   mas   as   investigações   mostram   muito   bem   como   as   origens   sociais  desempenham   um   papel   determinante.   Mesmo   nos   países,   de   forte   inspiração   republicana  meritocrática,  como  a  França,  não  é  possível  esconder  a  reduzidíssima  taxa  de  promoção  social  por  
  • 6. mérito  individual.  Por  exemplo,  num  estudo  referido  por  Baudelot4,  as  Grandes  Escolas,  que  formam  a   elite   francesa,   são   frequentadas   por   54%   de   filhos   de   quadros   superiores   ou   de   professores,   contra  15%   de   filhos   de   operários   e   empregados,   que   representam,   no   5º   ano   de   escolaridade,   50%   dos  efectivos.   Como   será   em   Portugal,   já   que   em   França   os   sociólogos   encontram   que   os   filhos   dos  trabalhadores   menos   bem   pagos,   a   frequentar   as   Grandes   Escolas,   as   escolas   superiores   de   elite,   é   só  de   15%?  Que   será,   então   necessário   fazer,   para   que   a   igualdade   de   oportunidades   não   se   limite   a   ser  um  slogan  formal  e  hipócrita?  Em   Repenser   l’égalité   des   chances   (Grasset,   2007),   o   filósofo   Patrick   Savidan   questiona   os   próprios  pressupostos   deste   princípio   consensual:   não   se   limita   a   pôr   em   causa   a   prática   desse   princípio   de  igualdade   de   oportunidades.   Segundo   ele,   a   noção   de   mérito   não   é   tão   transparente   quanto   se   pensa.  O   próprio   John   Rawls   também   não   se   deixou   iludir   por   essa   falsa   transparência.   Não   há   só  desigualdades   sociais:   nós   também   não   temos   todos   as   mesmas   capacidades   e   as   mesmas   limitações.  Por  outro  lado,  que  culpa  tem  alguém  que  seja  desprovido  de  talentos  úteis?  Savidan,  vai,  no  entanto,  um   pouco   mais   longe:   questiona   mesmo   se   é   o   indivíduo   quem   possui   os   talentos.   Segundo   ele,   o  mérito   só   tem   sentido   numa   sociedade   que   valoriza   certas   capacidades   mais   do   que   outras.   Um  indivíduo   tem   capacidades   para   assuntos   de   finanças:   no   capitalismo   financeiro   que   prevalece   nos  dias   de   hoje,   é   uma   óptima   oportunidade,   muito   melhor   do   que   ter   excepcionais   capacidades   em  filologia.  Temos,  então,  segundo  Savidan,  de  ultrapassar  a  concepção  de  uma  “  justice  sociale  capacitaire”  que  imputa   as   desigualdades   aos   indivíduos   e   os   torna   responsáveis   pelas   suas   más   posições   sociais,   isto  é,   por   outras   palavras,   abandonar   uma   perspectiva   hiper-­‐individualista   que,   para   além   do   mais,  culpabiliza  os  menos  favorecidos.  A  justiça  não  é  um  assunto  simples:  não  existe  um  princípio  único  nem  uma  receita  miraculosa.  Pelo  contrário,   exige   uma   lucidez   pela   qual   devemos   lutar,   apesar   de   todas   as   dificuldades,   para   tentar  acalmar  a  criança  que  em  nós  se  insurge  e  reclama  justiça.                                                                                                                      4  Fonte:  C.  Baudelot,  colóquio  em  l’ENS  «  Démocratie,  classes  préparatoires  et  grandes  écoles  ».  Ano  dos  dados:  Maio  2003.  Ver  www.inegalites.fr/spip.php?article162&id_mot=83