Empirismo de Hume
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Empirismo de Hume

on

  • 3,143 views

Texto de apoio para alunos do ensino secundário

Texto de apoio para alunos do ensino secundário

Statistics

Views

Total Views
3,143
Views on SlideShare
3,143
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
31
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Empirismo de Hume Empirismo de Hume Document Transcript

  • JBO EmpirismoPreparado para: Curso de Artes VisuaisPreparado por: Jorge Barbosa16 de Fevereiro de 2013FILOSOFIAJORGE BARBOSAESMGA, 2013
  • JBO EMPIRISMOIntroduçãoO termo “empirismo” deriva da palavra grega que significa “experiência”. Na sua origem histórica, referia-se aodomínio da medicina, que só se apoiava em práticas. Em termos gerais, o empirismo é a doutrina filosófica quedefende que as ideias e o conhecimento provêm da experiência, tanto no sentido psicológico (ou cronológico,temporal: o conhecimento nasce com a experiência), como no sentido epistemológico (ou lógico: oconhecimento é justificado pela experiência). Isto significa que os empiristas defendem que a experiência dossentidos é a única fonte de conhecimento no homem, sendo portanto os adversários mais óbvios dosracionalistas. Não há nada no entendimento que não provenha da experiência sensorial é o seu princípiobásico. Note-se que o empirismo não se refere à experiência, no sentido em que a ela se referem osconstrutivistas. Para os empiristas, a experiência é a experiência sensorial e, portanto, não inclui o conceito deexperiência que inclui as representações mentais (sejam elas sensoriais ou operatórias).Foi Kant quem melhor definiu o conceito atual de empirismo (doutrina que ele critica). Também foi Kant queconsiderou Aristóteles como o principal empirista da história da filosofia, de quem os autores como John Locke(e David Hume) seriam seguidores. Com efeito, com Aristóteles (discípulo de Platão) nasce a primeira correntede pensamento que vincula de forma sistemática o conhecimento humano à experiência sensível (contra oidealismo platónico). No entanto, o empirismo, como doutrina filosófica sistemática, tem origem na filosofiainglesa, a partir dos séculos XVII - XVIII.As Teses Básicas do Empirismo InglêsAs teses básicas, defendidas pelo empirismo de Locke e Hume, podem resumir-se em dez, digamos,mandamentos:1. Não há ideias inatas.2. A origem do conhecimento não está nas ideias (como pensava Descartes), mas no mundo exterior.3. Todo o conhecimento procede da sensação.4. A origem do conhecimento está nos sentidos.5. A experiência é o critério de validade do conhecimento e é também o seu limite. A experiência interna é a “percepção” interna, a própria vida anímica (não é o mesmo que representação mental no sentido construtivista, porque não se refere aos processos de tratamento e de elaboração de informação); a experiência externa é a “percepção” dos objetos físicos externos.Empirismo 1
  • JB6. Não há intuição intelectual; só se admite a intuição sensível, empírica.7. As ciências da natureza são o modelo para todas as ciências.8. Apoia os ideais éticos e políticos do iluminismo.9. A dedução só se aplica aos domínios da lógica e da matemática; o conhecimento do mundo exige sempre processos indutivos.10. Reduz (sobretudo Hume) a objetividade (moral, científica e estética) a atividades psicológicas.O Empirismo de David HumeDavid Hume (1711-1776) desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento de certas modalidades decepticismo e do empirismo.Hume ficou famoso na história da filosofia ao recusar a ideia de causalidade, argumentando que “a razão nuncapoderá mostrar-nos a ligação entre um objeto e outro, se não se apoiar na experiência e na observação da suarelação com situações do passado. Portanto, quando a mente passa da ideia ou impressão de um objeto, paraa ideia ou crença noutro, não se guia pela razão, mas por princípios que associam ambas as ideias dessesobjetos e os relaciona na imaginação”. A recusa da causalidade implica também uma recusa das leis científicas,que se baseiam na premissa de que um fenómeno provoca outro de forma necessária, sendo, por isso,previsível que sempre provocará. Segundo a filosofia de Hume, o conhecimento das causas dos fenómenos éimpossível, embora admita que, na prática, as pessoas têm de pensar em termos de causas e efeitos, e têm deassumir a validade das suas ideias para não enlouquecerem. Admitia, em todo o caso, a possibilidade deconhecimento sobre as relações entre as ideias, que fossem do tipo das relações entre os números nasmatemáticas. O ponto de vista céptico de Hume negava também a existência da substância espiritual, ou desubstância material. Negava, na verdade, a existência de uma identidade do eu, argumentando que, como aspessoas não têm uma percepção constante de si mesmas como entidades em mudança, não são mais do queum conjunto ou colecção de diferentes percepções (aqui, seria interessante reler as críticas de Platão aProtágoras e à influência de Heraclito nos pensadores do seu tempo… Estão no Teeteto).As crenças filosóficas de Hume foram muito influenciadas por John Locke e pelo bispo irlandês GeorgeBerkeley. Tanto Hume como Berkeley distinguiam a razão dos sentidos. Mas Hume foi mais longe e tentouprovar que a razão e os juízos racionais são simples associações, aprendidas por hábito, entre diferentessensações ou experiências. Assume, como ponto de partida, que as ideias são fenómenos da consciência,mas critica não só a ideia de substância externa, mas também a de substância interna, ou eu. Daqui resulta oseu cepticismo, na medida em que considera que o que pensamos está para além do percepcionado, e namedida em que só há certeza do que é percepcionado. Na época de Hume, o modelo científico de Newton jáse tinha constituído como uma ciência empírica de pleno direito, com raízes em Galileu e Descartes (modeloEmpirismo 2
  • JBmatemático da razão) que Hume contesta de alguma forma. No entanto, a grande ambição de Hume será a deconseguir no mundo da moral aquilo que Newton conseguiu no domínio da Física. Hume era, de facto, umempirista; o seu empirismo conduziu-o a uma forma, digamos, suave de cepticismo (como sempre aconteceaos empiristas); mesmo assim, acreditava na ciência do seu tempo. Como arranjaria ele forma de conviver comas leis de Newton (a força da gravidade em particular) sem um modelo teórico (matemático) que desse sentidoàs suas observações?A inovação fundamental de Hume na teoria do conhecimento é a sua distinção entre impressões e ideias, arelação que existe entre elas e a possibilidade de as ideias se associarem entre si.1. Uma impressão é percepção que, por ser imediata e actual, é viva e intensa.2. Uma ideia é uma cópia de uma impressão e, por isso, é uma percepção menos viva e menos intensa, que consiste na reflexão da mente sobre uma impressão. Esta reflexão recorre à memória e à imaginação.As ideias relacionam-se entre si por uma espécie de atracção mútua necessária entre elas:★ Por semelhança★ Por contiguidade, e★ Por causalidadeTal como no universo de Newton a atracção explica o movimento das partículas, no sistema filosófico deHume, as ideias simples relacionam-se e associam-se entre si por uma tripla lei (semelhança, contiguidade ecausalidade) que as une. No conhecimento de questões de facto, a “relação de causalidade” exerce umafunção fundamental: síntese das duas leis anteriores (semelhança e contiguidade) é ambas as coisas aomesmo tempo (tem de haver semelhança entre causa e efeito, e é necessária a contiguidade no espaço e notempo entre causa e efeito. Estas relações, associadas ao costume, ou hábito, de generalizar em forma de lei,ou enunciado universal, as sucessões de fenómenos que se sucedem regularmente no tempo, constituem oseu conceito de causalidade. (Esta é a sua resposta interpretativa à Física de Newton, que ele não conseguiria,por muito que quisesse, deixar de apreciar).A exigência básica de que a toda a ideia tem de corresponder uma impressão para que tenha sentido, ou paraque à palavra corresponda uma ideia com conteúdo verdadeiro, constitui-se no instrumento mais poderoso decrítica a todos os conceitos fundamentais da filosofia tradicional: causalidade, substância, alma, Deus eliberdade. A que impressão corresponde cada uma destas ideias? Esta crítica acaba num certo tipo decepticismo, apesar de tudo, um cepticismo “mitigado”, ou “suave”, na medida em que não deixa deimpulsionar o esforço científico da sua época. O valor histórico do empirismo está justamente nesta sua crítica,que dá origem ao “positivismo lógico”, mas sobretudo ao desenvolvimento de perspetivas razoáveis deconhecimento provável, dados os limites do próprio conhecimento. Esta crítica é, no entanto, de efeitos,Empirismo 3
  • JBtambém eles, limitados, porque, embora ofereça uma alternativa ao racionalismo e ao dogmatismo, nãoconsegue verdadeiramente superar nem um nem outro.Vamos ter de esperar por Kant.Empirismo 4