Biologia A (Volume 03)

13,858 views
13,650 views

Published on

Apostila de Biologia A do Cursinho "Ong Em Ação" do Volume 03.
Essa apostila é oferecida todos os anos para mais de 300 alunos que querem prestar vestibular no final do ano.
Ao todo são 04 volumes das matérias de: Biologia, Espanhol, Filosofia, Física, Geografia, História, Inglês, Matemática, Português, Química e Sociologia.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
13,858
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
78
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Biologia A (Volume 03)

  1. 1. 1 • Tecido epitelial 2 • Tecido conjuntivo 3 • Tecido muscular 4 • Tecido ner voso 5 • Fisiologia humana - nutrição 1 HISTOLOGIA A multicelularidade surgiu dentro dos organismos eucariontes e é característica encontrada nos animais, com exceção das esponjas, em todas as plantas e em alguns grupos de fungos e algas. Diferente dos seres unicelulares, em que uma única célula desempenha todas as funções necessárias para a sua sobrevivência, os organismos multicelulares são formados por um número maior de células, as quais mantêm uma relação de interdependência, podendo atuar de forma diferenciada e especializada. Esta propriedade também permite aos organismos atingirem tamanhos maiores. Nem todas as células dos organismos multicelulares formam tecidos, ou seja, conjunto de células com grande interação e que atuam de forma harmônica a fim de realizar as funções vitais dos organismos. É o que acontece com os fungos e com as algas multicelulares, onde ao conjunto das células dá-se o nome de micélio e de talo, respectivamente, pois não formam tecidos. TECIDO EPITELIAL A Histologia, do grego histo = tecido e logos = estudo, é a parte da Biologia que realiza o estudo dos tecidos. É dividida em: • istologia Vegetal: realiza o estudo dos tecidos das H plantas; • istologia Animal: realiza o estudo dos tecidos aniH mais e será abordada neste módulo, enfatizando a Histologia Humana. Vamos imaginar a célula-ovo, resultante da fecundação do gameta masculino com o gameta feminino: essa célula contém toda a informação genética do organismo e possui uma importante propriedade: totipotência, ou seja, possui potencial para diferenciar-se e formar outros tipos de células. Durante o desenvolvimento embrionário, a célula-ovo sofre sucessivas divisões mitóticas, formando um aglomerado de células. Como cada uma dessas células possui os mesmos genes, cada uma delas passa por um processo de diferenciação celular e consequentemente ocorre a especialização de funções que formarão os tecidos do organismo adulto. EXTENSIVO 1
  2. 2. Biologia – A O que faz com que as células desempenhem funções distintas é o conjunto de genes que se encontram ativos em algumas células e inativos em outras. E é esta atividade gênica que explica a grande diversidade celular dos organismos multicelulares. Nos animais, podemos diferenciar quatro tipos principais de tecidos: Tecido Epitelial, Tecido Conjuntivo, Tecido Muscular e Tecido Nervoso. |Célula-ovo → várias células iguais → diferenciação: tecido epitelial, tecido conjuntivo, tecido muscular e tecido nervoso.| TECIDO EPITELIAL Conhecido também como epitélios, os tecidos epiteliais desempenham diversas funções no organismo, como: proteção, absorção e secreção. São formados por células justapostas, ou seja, dispostas lado a lado e apresentam pouca substância intercelular. São originados dos três folhetos embrionários de acordo com o órgão onde se localizam. Os tecidos epiteliais não possuem vascularização e suas células recebem suprimentos de oxigênio e nutrientes das células de tecido conjuntivo subjacente, por difusão. Resíduos do metabolismo das células epiteliais também se difundem para os capilares existentes entre as células deste tecido conjuntivo. Distinguem-se duas regiões em cada uma das células epiteliais, a região apical, polo voltado para a superfície livre e região basal, polo voltado para o tecido conjuntivo. Entre o tecido conjuntivo e o tecido epitelial existe a lâmina basal, produzida pelas células epiteliais com função de suporte, fixando-o firmemente sob o tecido conjuntivo. ESPECIALIZAÇÕES DAS CÉLULAS EPITELIAIS 1) MICROVILOSIDADES Ocorrem em células com função de absorção, como o epitélio de revestimento do intestino. São projeções da membrana celular, que ampliam a superfície, aumentando a área de absorção. 2 EXTENSIVO 2) INVAGINAÇÕES São dobras internas da membrana, presentes em epitélios específicos, como, por exemplo, nos túbulos renais. A função desta especialização é reabsorver substâncias úteis que não devem ser descartadas na urina. Assim como as microvilosidades, as invaginações também aumentam a superfície das células, ampliando a área de absorção. 3) CÍLIOS Os epitélios ciliados ocorrem, por exemplo, na cavidade interna da traqueia e da tuba uterina. Na traqueia, o batimento ciliar desloca muco, micro-organismos e partículas de poeira, impedindo a penetração de elementos estranhos à região dos alvéolos pulmonares, dificultando a troca de gases. Na tuba uterina, o batimento dos cílios desloca o ovócito II em direção ao útero e também impede a entrada de elementos estranhos nesse órgão. 4) ESTRUTURAS DE ADESÃO Várias são as estruturas que contribuem para a união das células epiteliais. Entre elas, destacam-se a zônula de oclusão, zônula de adesão, desmossomo e junção do tipo gap. A zônula de oclusão é caracterizada pela junção das camadas mais externas da membrana plasmática de células adjacentes e funciona como barreira à entrada de macromoléculas no espaço intercelular. Na zônula de adesão, as células estão unidas por uma substância adesiva, na qual se inserem fila-
  3. 3. 1 • Tecido epitelial mentos de actina, aumentando a adesão entre as células. Os desmossomos são discos de adesão estabelecidos entre as células, formados por um material proteico com filamentos de queratina. Nas junções do tipo gap, as membranas apresentam grupos de proteínas especificas, formando canais que atravessam a bicamada de fosfolipídios e estabelecem canais de comunicação entre as células. CLASSIFICAÇÃO DOS TECIDOS EPITELIAIS Podemos distinguir dois tipos de tecidos epiteliais, de acordo com a função e estrutura: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO São células especializadas no revestimento externo do corpo e no revestimento interno das cavidades de diversos órgãos. Encontram-se dispostas lado a lado, bem encaixadas e coladas umas às outras. As células do epitélio de revestimento podem ser classificadas de acordo com vários critérios: - quanto ao número de camadas celulares: •Epitélio simples ou uniestratificado, do latim uni, que significa um e stratum, que significa camada: quando formado por uma única camada de células. •Epitélio estratificado: quando formado por várias camadas de células. •Epitélio pseudo-estratificado, do grego pseudo, que significa falso: o epitélio é formado por uma única camada, mas as células possuem tamanhos variados, o que dá a falsa impressão de serem várias camadas de células. - quanto à forma das células: •Epitélio pavimentoso: quando as células são achatadas. •Epitélio cúbico: quando as células têm a forma de cubo. •Epitélio prismático: quando as células são alongadas, em forma de coluna. •Epitélio de transição: células que podem mudar a sua forma, quando submetidas à pressão. É o exemplo do epitélio interno da bexiga urinária, que ao acumular urina, o órgão torna-se dilatado e as células cúbicas tornam-se achatadas. Classificação dos epitélios Características e local de ocorrência Epitélio simples pavimentoso Uma única camada de células formada por células achatadas. Ocorre em locais onde há passagem de substâncias. É encontrado nos alvéolos pulmonares e nos vasos sanguíneos e linfáticos. Epitélio simples cúbico Uma única camada de células, formada por células cúbicas. Encontrado nos túbulos renais. Epitélio simples prismático Formado por uma só camada de células altas. Encontrado no endotélio do estômago e do intestino. Epitélio pseudo-estratificado Pavimentoso Formado por uma camada de células com alturas diferentes, dando aspecto de estratificação. Encontrado no endotélio do trato respiratório. Epitélio estratificado Várias camadas de células, das quais pavimentoso apenas as camadas inferiores possuem capacidade de multiplicação. Encontrado na pele, na mucosa bucal e na mucosa vaginal. Epitélio estratificado Tipo especial de epitélio, em que o númede transição ro e a forma das células variam de acordo com a distensão do órgão. Encontrado no revestimento da bexiga urinária. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR O epitélio glandular é originado a partir de células epiteliais com função de revestimento que se diferenciam para formar as glândulas. Sendo assim, este tipo de tecido epitelial é representado pelas glândulas, cuja função é a produção e secreção de substâncias úteis ao organismo. Essas substâncias são denominadas de secreções, que podem ser: serosas, quando rica em proteínas e fluida; mucosa, quando rica em mucopolissacarídeos e espessa; ou mista, quando é serosa e mucosa. Existem glândulas unicelulares, como as células do epitélio da traqueia e do intestino grosso que secretam muco; ou como a maioria, multicelulares. Estas últimas são encontradas inseridas no tecido conjuntivo, recebendo oxigênio e nutrientes. As glândulas podem ser classificadas de acordo com a forma de secretar em: • Glândulas exócrinas: do grego exos, que significa fora, e krinos, que significa secretar; são glândulas que eliminam suas secreções para fora do corpo ou para cavidades internas de órgãos, por meio de ductos. São exemplos de glândulas exócrinas: as sudoríparas, as salivares, as mamárias e as lacrimais. • Glândulas endócrinas: do grego endo, que significa dentro; são glândulas que eliminam suas secreções, denominadas de hormônios, nos vasos sanguíneos, não havendo assim a presença de ductos. São exemplos de glândulas endócrinas: a hipófise (glândula-mestra), a tireoide, o timo, as adrenais. • Glândulas mistas ou anfícrinas: são glândulas que atuam sob as duas formas: podem atuar com a função endócrina e com a função exócrina. São exemplos: o pâncreas, os testículos e os ovários. Podemos classificar as glândulas exócrinas segundo o modo de secretar: • lândula merócrina: células secretoras eliminam G apenas a substância de secreção, sem modificação do tecido glandular. Ex.: glândulas salivares. • Glândula holócrina: células secretoras eliminam todo o citoplasma com a secreção. Ex.: glândulas sebáceas. • Glândula apócrina: células secretoras eliminam parte do citoplasma com as secreções. Ex.: glândulas mamárias. EXTENSIVO 3
  4. 4. Biologia – A | Esquema da origem das glândulas a partir do tecido epitelial | A PELE Considerado o maior órgão do corpo humano, a pele representa aproximadamente 16% do peso de uma pessoa adulta. É responsável por diversas funções fundamentais à vida, entre elas a de proteger o corpo de ação de agentes físicos, químicos e biológicos, a de percepção táctil e a da manutenção da temperatura corpórea. É composta por dois tecidos: a epiderme, tecido de revestimento e o mais externo e a derme, tecido conjuntivo e o interno. A epiderme, do grego epi, que significa sobre e dermatos que significa pele, é um tecido epitelial composto por várias camadas de células bem aderidas umas às outras, classificado como pavimentoso estratificado. A camada mais interna de células que compõem a epiderme é denominada de camada germinativa ou camada basal e é formada por células alongadas e prismáticas, com intensa multiplicação celular, produzindo assim várias células constantemente. À medida que se dividem, as células empurram as células que se encontram acima delas, desenvolvendo um movimento da parte interna à parte mais externa do epitélio. Nesse movimento, as células passam por uma série de modificações, caracterizando, assim, cada uma das camadas que compõem a epiderme, nesta ordem: camada basal, camada espinhosa, camada granulosa e camada córnea. A camada espinhosa é composta por células com muitos prolongamentos que as mantêm firmes entre si, garantindo maior resistência ao epitélio. Na camada seguinte, camada granulosa, as células se modificam e encontram-se achatadas e cúbicas, além disso, apresentam grânulos citoplasmáticos com substâncias precursoras de queratina. À medida que a queratina se acumula no citoplasma, as células se tornam impermeáveis e morrem, formando, então, a camada mais externa, denominada de camada córnea. É constituída por células mortas e queratinizadas e é substituída a cada três semanas, à medida que as células mais externas descamam-se e são eliminadas. 4 EXTENSIVO Associadas às células que compõem o epitélio, encontram-se também outros tipos de células: os melanócitos, as células de Langerhans e as células de Merkel. Os melanócitos são células especializadas na produção de melanina e situadas junto à camada basal. A melanina é um pigmento escuro que dá cor à pele e desempenha duas funções fundamentais ao corpo do organismo: absorve parte da energia contida na radiação ultravioleta e neutraliza compostos prejudiciais que se formam quando a célula é danificada pelos raios ultravioletas, os radicais livres. As células de Langerhans são responsáveis por reconhecer e destruir agentes estranhos que podem invadir o corpo. Além disso, alertam o sistema imunológico para agir contra os invasores. Já as células de Merkel percebem estímulos mecânicos, transmitindo-os às fibras nervosas presentes na derme. São também chamadas de mecanorreceptores. A derme, como dito anteriormente, é um tipo de tecido conjuntivo a fim de garantir suporte e nutrição às células epiteliais. É rica em fibras proteicas, vasos sanguíneos, terminações nervosas e glândulas. A derme é constituída por várias células, os fibroblastos, que produzem as fibras proteicas e a substância fundamental (com função de preenchimento). As fibras podem ser de três tipos: as fibras colágenas, mais espessas e resistentes; as fibras elásticas, mais finas e elásticas; e fibras reticulares, mais finas e entrelaçadas. O conjunto dessas fibras confere à pele resistência e elasticidade. Logo abaixo da epiderme, mais precisamente da camada germinativa, encontramos a primeira camada dérmica, chamada de camada papilar. É denominada assim pela presença das papilas dérmicas que se encaixam à camada epidérmica. É responsável por aumentar o contato e a aderência entre os dois tecidos, pois desta camada partem fibras colágenas que se fixam à epiderme. Abaixo da camada papilar, existe a camada reticular, mais densa e rica em fibras elásticas. Composta por um número menor de células, essa camada contém vasos sanguíneos, va-
  5. 5. 1 • Tecido epitelial sos linfáticos e terminações nervosas. É nessa região também que se localizam as raízes dos pelos e as glândulas sebáceas e sudoríparas. Como continuação do tecido conjuntivo, encontramos logo abaixo da derme a hipoderme, rica em fibras e células que armazenam gordura. As células adiposas atuam como isolante térmico e como reserva de energia. A hipoderme não faz parte da pele, embora haja associação entre elas. | Desenho esquemático da pele humana | Atividades 01. (UEG) Os tecidos de revestimento ou epitélios são formados por células justapostas e apresentam características peculiares nos diferentes grupos animais. Todas as funções relacionadas a seguir podem estar associadas às diferentes funções dos epitélios, exceto: a) Absorção de nutrientes. b) Trocas gasosas com o ambiente. c) Manutenção da temperatura corporal. d) Distribuição de nutrientes para todo o corpo. 02. (UNIMONTES-MG) Em algumas situações de agressão por fatores externos, algumas células podem sofrer alterações e dar origem a um novo tipo de tecido, processo denominado de metaplasia. Um exemplo é quando o epitélio pseudo-estratificado ciliado da traqueia em fumantes crônicos, sob a ação irritante da fumaça de cigarro, transforma-se em epitélio estratificado pavimentoso. Analise as afirmativas abaixo e assinale a que representa alterações decorrentes dessa metaplasia: a) Redução do número de camadas celulares. b) Aumento do número de células ciliadas. c) Diminuição na quantidade e viscosidade do muco. d) Formação de um tecido mais resistente, semelhante ao encontrado na pele. 03. (PUC-PR) A propósito dos tecidos epiteliais, é correto afirmar: a) Na pele, nas mucosas e nas membranas que envolvem os órgãos do sistema nervoso, encontramos epitélios de revestimento. b) O tecido epitelial de revestimento caracteriza-se por apresentar células separadas entre si por grande quantidade de material intercelular. c) As principais funções dos tecidos epiteliais são: revestimento, absorção e secreção. EXTENSIVO 5
  6. 6. Biologia – A d) A camada de revestimento mais interna dos vasos sanguíneos é chamada de mesotélio. e) epitélios são ricamente vascularizados no meio da Os substância intercelular. 04. (UFG-GO) Os tecidos epiteliais de revestimento, assim como os tecidos musculares estriados, têm suas células unidas umas às outras. Tal característica lhes confere resistência como um todo, impedindo que forças mecânicas provoquem sua separação. Esses dois tecidos têm em comum a: a) Presença de junções celulares que se associam ao citoesqueleto proteico para uni-las firmemente; b) Ocorrência de especializações que se projetam na superfície livre das células, coordenando os movimentos em uma só direção; c) Organização de vasos linfáticos que se entremeiam nas células, promovendo reconhecimento e adesão; d) Capacidade de eliminarem partículas estranhas para produzirem substâncias intercelulares de integração; e) Formação de uma rede intracelular esponjosa em que elementos sanguíneos liberam fibrinas para conectar suas células. 2 TECIDO CONJUNTIVO Os tecidos conjuntivos originam-se do folheto germinativo, a mesoderma, e são responsáveis pela sustentação e por unir os outros tecidos que compõem o corpo. Diferente dos tecidos epiteliais, as células não se encontram unidas, justapostas e, sim, separadas umas das outras por um material extracelular, produzido e secretado pelas próprias células, denominado de matriz intercelular. A matriz é formada por uma parte estruturada, composta pelas fibras do conjuntivo e uma parte não estruturada, chamada de substância fundamental amorfa. Uma diferença marcante entre o tecido epitelial e o tecido conjuntivo é a presença de vasos sanguíneos. Quase sempre os tecidos conjuntivos são vascularizados, o que garante a nutrição e a oxigenação das células. O tecido cartilaginoso é o único tecido conjuntivo que não apresenta vasos sanguíneos, pois todos os outros os possuem. A composição da matriz extracelular e o tipo de células caracterizam os diversos tipos de tecidos conjuntivos, os quais se encontram distribuídos pelo corpo e podem desempenhar diversas funções, tais como preencher os espaços entre os órgãos, sustentação, defesa e nutrição, reparo tecidual após lesão e armazenar metabólitos. CLASSIFICAÇÃO DOS TECIDOS CONJUNTIVOS Tecidos conjuntivos |Esquema geral dos tecidos conjuntivos| 6 EXTENSIVO Propriamente dito Frouxo Denso Modelado Não modelado Propriedades especiais Adiposo Cartilaginoso Ósseo Hematopoiético
  7. 7. 2 • Tecido conjuntivo TIPOS DE CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO Tipos de Células Principais características Fibroblastos Possuem forma estrelada e núcleo grande, são responsáveis pela produção das fibras e da substância fundamental amorfa. Quando maduras, encontram-se sob a forma de fibrócitos. Possuem retículo endoplasmático rugoso e complexo de golgi bem desenvolvidos. Secreta moléculas precursoras de colágeno. Mastócitos Possuem forma ovoide, com núcleo central e arredondado e com vários grânulos citoplasmáticos, ricos em heparina e histamina. Atuam nos processos alérgicos. Liberam mediadores quimiotáxicos que atraem monócitos, neutrófilos e eosinófilos. São derivados das células B (linfócitos B). Macrófagos Com forma ameboide e núcleo grande, fagocitam agentes invasores e alertam o sistema imunitário. Adipócitos Possuem forma arredondada e armazenam gordura em seu citoplasma. Plasmócitos Com forma ovoide e núcleo central, são ricos em retículo endoplasmático rugoso e produzem anticorpos que combatem agentes invasores. São derivados das células B (linfócitos B). Leucócitos Células que compõem o sangue, com importante papel nos mecanismos de defesa do corpo. Os tipos mais frequentes são os eosinófilos (defesa contra parasitas), os neutrófilos (fagocitose de elementos estranhos), os linfócitos (tipos B e T) e os monócitos (originam vários leucócitos). Células mesenquimatosas São capazes de originar diversas células do tecido conjuntivo. Condroblastos Possuem forma arredondada e núcleo central. São responsáveis pela produção das fibras e da matriz fundamental cartilaginosa. Quando adultas, transformam-se em condrócitos. Osteoblastos Com núcleo central e com longos prolongamentos citoplasmáticos, são células presentes nos ossos e são responsáveis pela produção das fibras e da substância amorfa óssea. Quando adultas, transformam-se em osteócitos. Osteoclastos Células grandes e multinucleadas, são responsáveis pela degradação da matriz óssea, promovendo a reciclagem do tecido ósseo. LEITURA COMPLEMENTAR LEMBRANDO A vitamina C é importante nas reações de hidroxilação do colágeno, substância fundamental no tecido conjuntivo, que serve como suporte de vasos sanguíneos. Sua deficiência causa escorbuto, ocorrendo sangramentos e hemorragia. CURIOSIDADE O macrófago é derivado de monócito, formado na medula óssea. O monócito vai para o tecido através do sangue, onde se especializa e recebe vários nomes em diferentes tecidos. No osso, é chamado de osteoclasto; no fígado, células de Kupffer a fagocitose de bactérias, apresentação de antígenos e remoção de restos de células mortas. PARA PENSAR Qual organela celular é bem desenvolvida no macrófago? E nos condroblastos? TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO São os tecidos com ampla distribuição no corpo, em que a substância fundamental é viscosa, muito hidratada e rica em proteoglicanas e glicoproteínas. Esta viscosidade atua como barreira contra agentes estranhos no tecido. A água presente na substância amorfa origina-se do sangue e fica associada às proteínas, formando a água de solvatação. É possível distinguir dois tipos principais de tecidos conjuntivos propriamente ditos: Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo: preenche espaços não ocupados por outros tecidos e atua no isolamento de infecções e nos processos de cicatrização. Age também nutrindo as células epiteliais, como visto anteriormente. Envolve nervos, músculos, vasos sanguíneos e linfáticos, e compõe vários órgãos. Possui mais células do que fibras colágenas. Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Denso: ocorre predomínio de fibras colágenas e de fibroblastos. De acordo com a organização das fibras colágenas, este tecido pode ser subdividido em tecido modelado ou tendinoso, encontrado nos EXTENSIVO 7
  8. 8. Biologia – A tendões, pois apresenta fibras dispostas em feixes paralelos e compactos, promovendo resistência à tensão; e tecido não modelado ou fibroso, formado por fibras não dispostas em feixes. São exemplos a derme, a cápsula que envolve alguns órgãos como rim e fígado e os tecidos que recobrem os ossos e a cartilagem. TECIDOS CONJUNTIVOS DE PROPRIEDADES ESPECIAIS TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO Nesse tipo especial de tecido conjuntivo, há predomínio de células adiposas e pouca substância intercelular. É possível encontrar células uniloculares, com citoplasma quase que totalmente preenchido por uma gota de gordura com função de reserva energética, e células multiloculares, com citoplasma com várias gotículas de gordura, com função de liberar calor. O tecido unilocular, conhecido como tecido adiposo branco, está presente no indivíduo adulto, enquanto o tecido multilocular, conhecido como tecido adiposo marrom, é predominante em recém-nascidos, atuando como isolante térmico e produzindo calor. As gorduras armazenadas nos adipócitos são principalmente triglicerídeos, ácidos graxos e glicerol. TECIDO CONJUNTIVO CARTILAGINOSO O tecido cartilaginoso ou cartilagem apresenta consistência firme e é formado por condroblastos e por condrócitos. Possui função mecânica, de sustentação e de revestimento de superfícies articulares a fim de facilitar os movimentos e é fundamental para o crescimento dos ossos longos. As fibras colágenas e reticulares, assim como a substância fundamental cartilaginosa, são formadas pelos condroblastos. À medida que estas células diminuem a sua atividade metabólica, são depositadas em lacunas na matriz cartilaginosa e recebem o nome de condrócitos. Não possui vascularização ou inervação, sendo então considerado um tecido de baixa atividade metabólica. A nutrição e o suprimento de oxigênio destas células dependem das células conjuntivas adjacentes, ocorrendo através de difusão. Envolvendo muitas cartilagens, há uma bainha conjuntiva, denominada de pericôndrio e que se estende ao conjuntivo, rico em vasos sanguíneos. Existem três tipos de cartilagem: • artilagem hialina: com matriz homogênea e com C quantidade moderada de fibras colágenas. É encontrada no nariz, na laringe e nos anéis da traqueia e dos brônquios, além de participar das articulações dos joelhos e dos ombros, sendo assim considerado o tipo mais comum. Em recém-nascidos, o esqueleto é primeiramente formado por esse tipo de tecido, sendo mais tarde substituído pelo tecido ósseo. 8 EXTENSIVO • artilagem elástica: com grande quantidade de fibras C elásticas e menor quantidade de fibras colágenas, sendo assim bastante resistente à tensão. É encontrada no pavilhão auditivo, na tuba auditiva, na epiglote, etc. • artilagem fibrosa: rica em fibras colágenas, esse tipo C de cartilagem ocorre associada a algumas articulações do corpo humano e em pontos onde tendões e ligamentos se fixam aos ossos. TECIDO CONJUNTIVO ÓSSEO Esse tipo de tecido conjuntivo possui consistência rígida e a função de sustentação, proteção e reservatório de cálcio e fósforo. É encontrado nos ossos do corpo e são ricos em vasos sanguíneos. O conjunto de ossos do corpo forma o esqueleto, com função de sustentação e movimentação do corpo, proteção de órgãos internos, armazenamento de minerais e íons e produção de células sanguíneas. É possível distinguir dois tipos de materiais componentes da matriz óssea: o material inorgânico, composto por fosfato e cálcio (na matriz extracelular) e o material orgânico, composto por fibras colágenas. Quando o osso sofre descalcificação, prevalece apenas o material orgânico. Quando prevalece apenas a parte orgânica, resultará na fragilidade e quebra dos ossos. Osteoblastos, osteócitos e osteoclastos são os principais tipos celulares que formam o tecido ósseo. Os osteoblastos são as células mais jovens e são responsáveis pela produção da parte orgânica da matriz óssea. À medida que ocorre a mineralização da matriz, os osteoblastos acabam ficando em lacunas, diminuindo o metabolismo celular e se transformam em osteócitos. Os osteoclastos realizam a reabsorção da matriz óssea, regenerando e remodelando o tecido ósseo. Muitos ossos apresentam unidades microscópicas denominadas de sistemas haversianos, formadas por matriz óssea mineralizada. Essa matriz está disposta em camadas concêntricas ao redor de um canal onde há vasos sanguíneos e nervos. Considerando que os depósitos de sais de cálcio impedem a difusão de solutos, esse tecido é altamente vascularizado. TECIDO CONJUNTIVO HEMATOPOIÉTICO Do grego hematos, que significa sangue, citos, que significa célula e poese, que significa origem; o tecido hematopoiético ou tecido reticular é responsável pela formação dos diversos tipos de células do sangue, também chamados de elementos figurados. É um tecido composto por fibras e células reticulares, exclusivas desse tipo de tecido. Encontra-se presente na medula óssea vermelha e em alguns órgãos como o timo, o baço e os linfonodos. Na medula óssea vermelha, o tecido recebe o nome de tecido mieloide, com células que originam todos os elementos figurados do sangue: hemácias, leucócitos e plaquetas. Nos órgãos linfáticos, o tecido recebe o nome de linfoide e é rico em linfócitos, macrófagos e plasmócitos, importantes células de defesa.
  9. 9. 2 • Tecido conjuntivo O Sangue e a Linfa Definido como o fluido transportado pelo corpo formado pelo coração e pelos vasos sanguíneos, o sangue é uma mistura heterogênea, com uma parte líquida, o plasma, e uma parte sólida, formada pelos glóbulos sanguíneos ou elementos figurados. O plasma sanguíneo é uma solução aquosa com proteínas, sais e outros compostos orgânicos, tais como aminoácidos, vitaminas, hormônios, entre outros. Os glóbulos sanguíneos são as células que compõem o sangue e de acordo com o tipo celular e a função. São classificados em: Glóbulos vermelhos: também chamados de eritrócitos ou hemácias, contêm um pigmento vermelho, a hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio e de gás carbônico. Representam cerca de 45% do volume sanguíneo. Nos mamíferos, as hemácias são anucleadas e não apresentam organelas celulares. Contém citoesqueleto, hemoglobina, membrana plasmática e enzimas glicolíticas. Tem como função transporte de oxigênio e gás carbônico. A célula sobrevive 120 dias, sendo destruída por fagocitose ou hemólise no baço; Glóbulos brancos: também chamados de leucócitos, são células responsáveis pela defesa do nosso corpo e representam apenas 1% do volume sanguíneo; Plaquetas: são fragmentos anucleados, que participam dos processos de coagulação do sangue. Os leucócitos podem ser classificados em dois grupos: os granulócitos e os agranulócitos, de acordo com a tabela abaixo: Tipos de Leucócito Principais características Neutrófilo Núcleo trilobulado, com função de fagocitar elementos estranhos ao organismo. Eosinófilo Núcleo bilobulado, participa das reações alérgicas e induz à liberação de histamina pelos basófilos. Granulócitos Basófilo (apresentam grânulos no citoplasma) Linfócito Núcleo irregular e participa de processos alérgicos, produzindo histamina e heparina. Núcleo esférico que participa dos processos de defesa, produzindo e regulando a produção de anticorpos. Monócito Núcleo oval, responsável por originar macrófagos. A linfa é um líquido coletado pelo sistema vascular linfático e que provém do líquido intersticial que banha as células do nosso corpo que não retornou diretamente para o sangue. É transportada para o sangue por capilares, vasos e ductos linfáticos. Veremos mais detalhadamente sobre o tecido linfático quando estudarmos o sistema imunitário, nos próximos módulos. Atividades 05. (UFRPE-PE) O tecido conjuntivo congrega um grupo de tecidos que desempenham diversas funções. Entre os tecidos observados no homem e ilustrados na figura abaixo, quais são tecidos conjuntivos? a) 1, 2, 3 e 4. c) 3 e 4 apenas. e) 1, 2 e 4 apenas. b) 1 e 3 apenas. d) 2 e 3 apenas. 06. (PUC-MG) As defesas inatas dos organismos são geralmente mecanismos de proteção que inibem a entrada ou o desenvolvimento de organismos causadores de doenças. Assinale a alternativa que não apresenta a relação correta entre o fator de defesa e sua função: a) Fagócitos – previnem a entrada de patógenos e substâncias estranhas. b) Secreções mucosas – prendem micro-organismos no trato digestivo e respiratório. c) Lágrima – lubrifica e limpa, contém lisozima, que destrói bactérias. d) Descamar da epiderme – opõe-se à colonização da pele por alguns patógenos. 07. (UFRGS) Considere as afirmações abaixo sobre o tecido conjuntivo adiposo em seres humanos: I. Ele é originado a partir de células da ectoderme do embrião. II. Um súbito emagrecimento provoca a redução do número de adipócitos no corpo. III. Crianças recém-nascidas são protegidas do frio pela presença de um tecido adiposo multilocular, rico em mitocôndrias. Quais estão corretas? a) Apenas I. b) Apenas II. c) Apenas III. d) Apenas I e II. e) Apenas II e III. EXTENSIVO 9
  10. 10. Biologia – A 08. (UEMS) Assinale a alternativa que se refere corretamente ao tecido ósseo: a) Tecido conjuntivo com matriz calcificada composta por fibras orgânicas e sais inorgânicos; vascularizado. b) Tecido de origem mesodérmica, avascular; suas células, os condroblastos, produzem abundante material intercelular. c) Constituído de células arredondadas, com núcleo e grande parte do citoplasma restritos à periferia delas pelo acúmulo de gordura. d) Constituído de células alongadas, plurinucleadas, envolvidas por bainha de tecido conjuntivo; tem origem mesodérmica. e) Pode derivar-se embrionariamente da ectoderme, da mesoderme ou da endoderme e, com algumas exceções, é avascular. 09. (UPE) Assinale a alternativa CORRETA que apresenta um tipo celular, sua respectiva função e o tecido a que pertence: a) Adiposa: acúmulo de gordura – tecido epitelial. b) Plasmócito: defesa por fagocitose – tecido muscular. c) Mastócito: síntese de anticorpos – tecido nervoso. d) Fibroblasto: síntese da substância intercelular – tecido conjuntivo. e) Macrófago: síntese de anticorpos – tecido cartilaginoso. 10. (UFES) Em relação ao tecido ósseo denso, é correto afirmar que ele: 3 Os tecidos musculares possuem origem na mesoderme e a sua principal função é a movimentação. As células desse tipo de tecido são bastante peculiares, possuindo a forma alongada e as organelas recebem nomes específicos, como sarcolema (membrana plasmática); sarcoplasma (citoplasma); retículo sarcoplasmático (retículo endoplasmático rugoso). São ricas em proteínas filamentosas, os miofilamentos, responsáveis pela grande capacidade de contração e relaxamento das fibras musculares, um outro nome dado às células musculares. A contração muscular promove a locomoção e também os outros diversos tipos de movimentos corporais, dos membros e dos órgãos internos. Os músculos representam cerca de 40% da massa corporal. Entre as fibras musculares, ocorrem células de tecido conjuntivo, responsáveis pela oxigenação e nutrição das células 10 EXTENSIVO a) Possui uma matriz parenquimatosa composta de fibroblastos, megacariócitos e fibrina. b) É composto por células conhecidas como condroblastos, que se transformam em condrócitos no tecido ósseo maduro. c) É caracterizado pela presença de tecido mieloide, de caráter hematopoiético disperso no fragmoplasto. d) Possui células conhecidas como osteoblastos, que geram o material intercelular, composto principalmente de quitina mineralizada. e) Apresenta lamelas ósseas concêntricas, dispostas em torno de canais centrais através dos quais nervos e vasos penetram o osso. 11. (UFC) “Durante a infância e adolescência, a formação óssea se processa a uma velocidade maior que a reabsorção, resultando em um aumento da densidade até que os jovens adultos alcancem, por volta dos 18 anos, o pico da massa óssea.” (Scientific American Brasil, abril de 2003, pág. 84). De acordo com o texto, as atividades de formação e reabsorção, responsáveis pelo aumento da densidade óssea, decorrem da ação de dois tipos celulares que são, respectivamente: a) Osteoblastos e osteoclastos. b) Condroblastos e condrócitos. c) Condrócitos e condroblastos. d) Osteoclastos e osteoblastos. e) Condroblastos e osteoblastos. TECIDO MUSCULAR que compõem a musculatura. A atividade do tecido conjuntivo é de fundamental importância para que os vasos sanguíneos e os nervos cheguem às células musculares. A CONTRAÇÃO MUSCULAR A célula muscular possui várias miofibrilas e cada uma delas corresponde a um conjunto de dois tipos de miofilamentos: os mais espessos são os de miosina, e os mais finos, são os de actina. Nas células estriadas, estes miofilamentos estão organizados e formam bandas transversais. Os filamentos de miosina formam bandas escuras (banda A) e os de actina formam bandas claras (banda I). No centro de cada banda I, existe a chamada linha Z, e o intervalo entre as linhas Z formam a unidade contrátil do músculo, denominada de sarcômero.
  11. 11. 3 • Tecido muscular |Esquema contração muscular, ilustrando o sarcômero.| No momento da contração muscular, os sarcômeros ficam mais curtos, pois ocorre o deslizamento dos filamentos de actina sob os filamentos de miosina. Para que a contração ocorra, há necessidade de íons Ca2+ e de energia armazenada na molécula de ATP. Os íons cálcio ficam armazenados no retículo sarcoplasmático (RER) durante o relaxamento da fibra muscular. O estímulo nervoso chega até as fibras musculares e o local de contato é chamado de placa motora. O impulso que chega a esta região provoca a despolarização do sarcolema e se propaga rapidamente por várias fibras musculares. A fibra nervosa e as células musculares por ela inervadas formam um conjunto denominado de unidade motora. Quando a informação chega à membrana do retículo sarcoplasmático, a permeabilidade ao cálcio é alterada, liberando tais íons para o sarcoplasma. Os íons cálcio promovem o deslizamento dos filamentos de actina e a quebra da molécula de ATP, liberando energia necessária para o movimento muscular. CLASSIFICAÇÃO DOS TECIDOS MUSCULARES Existem basicamente três tipos de tecidos musculares: TECIDO MUSCULAR ESTRIADO CARDÍACO É o tipo de tecido encontrado exclusivamente na musculatura cardíaca. As células que compõem o tecido do coração, ou miocárdio, são alongadas e ramificadas irregularmente, unidas por estruturas denominadas de discos intercalares. As células possuem um ou dois núcleos e apresentam estrias também. A contração é involuntária (independente da vontade), rítmica e rápida. O movimento de contração do coração é denominado de sístole e o de relaxamento, diástole. TECIDO MUSCULAR LISO Esse tipo de tecido é formado por células musculares lisas, isto é, não estriadas, além disso, possuem núcleo central e são mononucleadas, com miofilamentos de actina e miosina que se cruzam em todas as direções. São pobres em mitocôndrias e glicogênio e adaptadas para a contração involuntária e lenta. Ocorre nas vísceras e em músculos isolados do corpo, são responsáveis pelo peristaltismo dos órgãos ocos como os do trato digestório. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELÉTICO As células são caracterizadas como miócitos muito longos e multinucleados. Segundo o nome do tecido, é possível identificar estrias representadas pelos miofilamentos organizados. Existem dois tipos de fibras musculares: as fibras lentas (ou vermelhas), muito ricas em mitocôndrias e em mioglobina, adaptadas à realização de movimentos lentos e duradouros, e fibras rápidas (ou brancas), que possuem pouca mioglobina e mitocôndrias e estão adaptadas a contrações bruscas e potentes. Os músculos esqueléticos apresentam contração voluntária, ou seja, dependente da vontade, se prendem aos ossos do sistema esquelético e conjuntamente compõem o aparelho locomotor. Oitenta por cento do sarcoplasma é ocupado por miofibrilas circundadas por mitocôndrias. |Esquemas dos três tipos de tecidos musculares.| EXTENSIVO 11
  12. 12. Biologia – A Atividades 12. (CESGRANRIO-RJ) O Centro de Estudo do Genoma Humano da USP produziu em laboratório células maduras de músculo esquelético a partir de células-tronco de gorduras extraídas em cirurgias de lipoaspiração. Tais células musculares fabricam a proteína distrofina, essencial para manter a integridade dos músculos. A ausência da proteína distrofina causa a degeneração e morte das células musculares, provocando fraqueza muscular e perda dos movimentos, característica da Distrofia Muscular de Duchenne. As células do tecido adiposo e do tecido muscular apresentam em comum o(a): a) Formato cilíndrico e a presença de vários núcleos. b) Acúmulo de lipídios no citoplasma. c) Capacidade de contração, o que depende de proteínas no citoplasma. d) Origem na mesoderme. e) Presença de grande quantidade de matriz extracelular. 13. (UNIFOR-CE) Considere os seguintes conjuntos de características: I. Células com um único núcleo central. II. Células com muitos núcleos periféricos. X. Células com estrias transversais. Y. Células sem estrias transversais. a. Contração involuntária. b. Contração voluntária. A associação que caracteriza o tecido responsável pelos batimentos cardíacos é: a) I – X – a. b) I – X – b. c) I – Y – b. d) II – X – a. e) II – Y – b. 14. (UFRGS) Considere as afirmações abaixo sobre o tecido muscular esquelético. I. Para que ocorra contração muscular, há necessidade de uma ação conjunta dos íons cálcio e da energia liberada pelo ATP, o que promove um deslizamento dos filamentos de actina sobre os de miosina na fibra muscular. II. Exercícios físicos promovem um aumento no volume dos miócitos da musculatura esquelética, através da produção de novas miofibrilas. III. Em caso de fadiga muscular, parte do ácido lático produzido através da fermentação lática passa para a corrente sanguínea e é convertida em aminoácidos pelo fígado. Quais estão corretas? a) Apenas I. b) Apenas II. c) Apenas I e II. 12 EXTENSIVO d) Apenas II e III. e) I, II e III. 15. (UEL-PR) Analise a figura e leia o texto a seguir: (Andreas Vesalius (1514-1564) In: De Humani Corporis Fabrica. Gravura 25, dos músculos, Basileia: 1543.) “Naturalmente, a preocupação maior estava na representação do ser humano. A arte renascentista nunca se distanciou demasiado dessa sua vocação antropocêntrica. Nesse momento, a preocupação com a .guração da imagem humana se concentraria na representação do corpo, percebido em toda a extensão de sua carnalidade, suas formas, seu peso, sua textura, sua ossatura, sua musculatura, sua anatomia, enfim.” SEVCENKO, Nicolau. O Renascimento. São Paulo: Atual, 1994. p. 62. Com base na imagem elaborada por Andreas Vesalius e nos conhecimentos sobre o movimento e o tecido muscular, considere as afirmativas a seguir: I. O movimento do corpo humano resulta do movimento de células organizadas em unidades motoras. II. Os músculos estriados esqueléticos diferem dos músculos lisos quanto à forma, função e localização. III. O movimentos voluntários ocorrem por ação dos tecidos musculares estriados, isolados de outros tecidos. IV. Na imagem está registrada a preponderância dos músculos lisos em relação aos músculos estriados. Estão corretas apenas as afirmativas: a) I e II. b) I e III. c) III e IV. d) I, II e IV. e) II, III e IV. 16. (UFG-GO) Um jovem apresenta cicatriz na coxa, provocada por mordida de cão feroz. A cicatriz no local da lesão deve-se: a) À regeneração do tecido epitelial pseudoestratificado por meio de suas células totipotentes indiferenciadas. b) Ao acúmulo de plaquetas que têm substâncias ativas no processo de conversão de fibrinogênio em fibrina.
  13. 13. 3 • Tecido muscular c) À substituição do tecido muscular por tecido conjuntivo, por meio de fibroblastos e substâncias intercelulares. d) À organização de fibras reticulares que atuam como uma trama de sustentação das células. e) À interação entre filamentos de actina e miosina nos sarcômeros. 17. (UEPG-PR) O tecido muscular apresenta, como propriedade característica e fundamental, a contratilidade, isto é, suas células se contraem quando submetidas a um estímulo. Com relação ao tecido muscular, assinale o que for correto: 01. O tecido muscular é constituído por células altamente especializadas, dotadas de um corpo celular e numerosos prolongamentos. 02. Existem 3 tipos de tecido muscular: liso, estriado esquelético e estriado cardíaco. 04. O corpo celular das células musculares contém um núcleo grande e arredondado e os organoides comuns às células animais. 08. Em situações de intensa atividade, a musculatura esquelética pode não dispor de um suprimento adequado de oxigênio para promover a oxidação da matéria orgânica fornecedora da energia necessária. Nessas condições, as células musculares passam a realizar a fermentação láctica. 16. O acúmulo de ácido láctico provoca a fadiga muscular e lentamente será oxidado até desaparecer, à medida que o músculo recebe oxigênio. Parte do ácido láctico produzido passa para o sangue e o baço promove seu armazenamento temporário. a) Tanto os tecidos musculares esqueléticos, como o tecido muscular liso, estão sujeitos ao controle involuntário do sistema nervoso. b) O tecido muscular cardíaco está sujeito ao controle voluntário do sistema nervoso. c) tecido muscular esquelético é encontrado exclusivaO mente no coração. d) Os tecidos musculares esquelético e cardíaco são classificados como estriados, em razão da perfeita organização dos seus sarcômeros. e) As células do tecido muscular liso são caracterizadas pela grande quantidade de núcleos periféricos que apresentam. 18. (PUC-PR) Com relação aos tecidos musculares, é correto afirmar: EXTENSIVO 13
  14. 14. Biologia – A 4 TECIDO NERVOSO De origem ectodérmica, o tecido nervoso é considerado o tecido mais especializado, tendo como função a coordenação das atividades corpóreas, recebendo e transmitindo as informações para que o organismo funcione de modo saudável e estável. Para compreender o tecido nervoso, é necessário entender de que forma o Sistema Nervoso está organizado. O encéfalo, a medula espinhal, os nervos e os gânglios são as principais estruturas que compõem o Sistema Nervoso. O encéfalo e a medula compreendem o Sistema Nervoso Central, responsáveis pelo processamento e integração de informações; e os nervos e os gânglios formam o Sistema Nervoso Periférico, responsáveis pela condução de informações entre órgãos receptores de informações, o SN Central e os órgãos efetuadores das respostas. O tecido nervoso é composto por neurônios e pelas células da glia. Os neurônios são células especializadas na condução de impulsos nervosos, extremamente especializados, possuem o corpo celular, onde se localizam o núcleo e outras organelas citoplasmáticas; e as fibras nervosas, prolongamentos citoplasmáticos que podem ser de dois tipos: dendritos e axônios. Os dendritos, do grego dendron que significa árvore, são prolongamentos que funcionam na recepção dos estímulos nervosos. Já os axônios são prolongamentos que transmitem o impulso nervoso para outras células. |Esquema Neurônio com as suas partes.| Os neurônios podem ser classificados de acordo com a sua função em: - Neurônios sensitivos: também chamados de neurônios aferentes ou ainda sensoriais, são os que recebem as informações dos órgãos e células sensoriais e as conduzem ao sistema nervoso central. - Neurônios motores: também chamados de eferentes, são aqueles que conduzem os impulsos do sistema nervoso central para os órgãos que efetuam a resposta. - Neurônios associativos: responsáveis pela conexão entre os diversos tipos de neurônios. As células gliais também são constituintes do tecido nervoso e desempenham a função de envolver, proteger e nutrir os neurônios. Por causa da especialização e complexidade dos neurônios, estes tornam-se incapazes de desempenhar as funções básicas celulares, desenvolvidas então por estas células acessórias, células gliais. Vários são os tipos celulares, dentre eles estão os astrócitos, os olingondendrócitos, as micróglias e as células de Schwann. 14 EXTENSIVO Tipo Celular Principais características Astrócitos As maiores células que compõem a glia possuem número grande de prolongamentos. Estabelecem uma espécie de conexão de nutrientes entre tecido conjuntivo e neurônios. Além disso, fornecem sustentação física e participam da recuperação de lesões. Oligodendrócitos Células com menor quantidade de prolongamentos que envolvem os neurônios do SNC. Constituem a chamada bainha de mielina, que protege e auxilia na atividade nervosa dos neurônios. Micróglias Macrófagos especializados que fagocitam detritos e restos celulares presente neste tecido. Células de Schwann Assim como os oligodendrócitos, este tipo celular atua da mesma forma só que no SNP.
  15. 15. 4 • Tecido nervoso O IMPULSO NERVOSO Para entender a transmissão do impulso nervoso, são utilizados conceitos anteriormente estudados, como os tipos de transporte através de membrana. Foi estudado que quando uma célula encontra-se em repouso, o equilíbrio iônico celular é caracterizado por quantidades maiores de íons Na+ no meio extracelular e quantidades maiores de íons K+ no meio intracelular. Esta diferença de concentração faz com que a superfície externa da membrana se mantenha eletricamente mais positiva do que a superfície interna. O mesmo ocorre com as células nervosas: quando um neurônio encontra-se em repouso, a diferença de potencial elétrico entre as duas faces da membrana é de aproximadamente – 70mV (milivolts), sendo chamado de Pontencial de Repouso. Ao ser estimulado, o neurônio passa por uma sequência de transformações, caracterizada como transmissão do impulso nervoso. Ele sempre ocorre em sentido único: a informação é recebida através dos dendritos, transmitida pelo corpo celular ao axônio e em seguida, é passada ou a outros neurônios ou aos órgãos do SNC ou aos órgãos efetores. A primeira modificação que ocorre é a despolarização da membrana, decorrente da chegada do estímulo ao neurônio. Essa despolarização é uma rápida alteração das cargas elétricas na membrana plasmática. A superfície interna da membrana torna-se mais positiva do que a superfície externa, passando para uma diferença de potencial de +40mV. Esta inversão ocorre de forma brusca e rapidamente a membrana volta a seu estado anterior de repouso, fenômeno conhecido como repolarização. A área da membrana que se despolariza estimula a próxima área a se despolarizar e assim, sucessivamente, ao longo de toda a célula nervosa. Esta alteração elétrica é denominada de Potencial de Ação. O que permite a mudança das cargas elétricas é o funcionamento da bomba NaK, que suspende a sua atividade para que ocorra a despolarização da membrana. Como o Potencial de Ação é extremamente rápido, a bomba NaK não deixa de funcionar por muito tempo e rapidamente é restaurada à situação de repouso. ANOTAÇÕES A presença da bainha de Mielina caracteriza os neurônios mielínicos, os quais possuem esta importante camada de lipídios que atua como isolante elétrico. Como se tratam de várias camadas de mielina, há locais onde não se encontram bainha, sendo denominados de nódulos de Ranvier. E é neste local que o impulso é transmitido, de forma saltatória. Onde há mielina, não ocorre a despolarização da membrana, conferindo assim maior rapidez ao processo do impulso nervoso. Dessa forma, a bainha de mielina atua como um acelerador de impulsos nervosos. Os neurônios que não possuem esta substância são ditos neurônios amielínicos. |Impulso saltatório.| AS SINAPSES NERVOSAS |Esquema do impulso nervoso.| O sistema nervoso como um todo atua como uma complexa rede elaborada de células que estão constantemente se comunicando. Quando um estímulo nervoso é recebido por essa rede complexa de células, o impulso nervoso é efetuado e quando ele chega à extremidade final da célula nervosa, normalmente há um espaço entre essa célula e o neurônio seguinte, ou entre a célula e um órgão efetuador, por exemplo. A esse espaço é dado o nome de Sinapse Nervosa. Se as células estiverem bastante próximas, a despolarização do axônio de um neurônio ativa a despolarização da membrana do neurônio seguinte, fenômeno este denominado de Sinapse Elétrica. Mas se a distância for maior, a transmissão do impulso para outra célula deverá ocorrer por meio de neurotransmissores, a chamada Sinapse Química. EXTENSIVO 15
  16. 16. Biologia – A Na sinapse química, mediadores químicos são liberados da terminação axônica de um neurônio para o prolongamento do dendrito do próximo neurônio. Vários são os mediadores químicos ou neurotransmissores que atuam nas sinapses químicas, tais com o a acetilcolina, a adrenalina, a dopamina e a serotonina. d) A estrutura número 4 está no centro metabólico do neurônio, onde também se encontra a maioria das organelas celulares. e) Considerando o sistema nervoso central, a região número 5 está presente na substância cinzenta e ausente na branca. 20. (UEA-AM) Um pesquisador, ao dissecar um rato, observa que da coluna vertebral do animal partem filamentos brancos e resistentes cujas trajetórias são específicas e se dirigem aos vários órgãos do corpo. São nervos que se originam na medula espinhal. A análise microscópica desses filamentos permitirá identificar: a) Somente axônios. b) Somente dentritos. c) Somente axônios e dentritos. d) Somente corpos de neurônios. e) Corpos de neurônios, axônios e dentritos. |Sinapse química.| Atividades 19. (UFPel-RS) O tecido nervoso é um dos quatro tipos de tecidos presentes no corpo humano. Ele é fundamental na coordenação das funções dos diferentes órgãos. As células responsáveis pelas suas funções são os neurônios (Figura 1). |Esquema dos neurônios.| Com base nos textos e em seus conhecimentos, é INCORRETO afirmar que: a) Geralmente o sentido da propagação do impulso nervoso é A para B, e por isso a estrutura 1 é especializada na transmissão do impulso nervoso para um outro neurônio ou para outros tipos celulares. b) Tanto a estrutura representada pelo número 1 quanto 2 são ramificações do neurônio, sendo que geralmente a 2 é única e mais longa. c) estrutura número 3 pode ser formada pela célula de A Schwann. Ela desempenha um papel protetor, isolante e facilita a transmissão do impulso nervoso. 16 EXTENSIVO 21. (UFLA-MG) A condução de um estímulo nervoso é mais rápida nas fibras nervosas que apresentam as seguintes características: a) Amielínicas com axônio de maior diâmetro e nódulos de Ranvier mais espaçados. b) Mielínicas com axônio de menor diâmetro e nódulos de Ranvier mais próximos. c) Amielínicas com axônio de menor diâmetro e nódulos de Ranvier mais próximos. d) Mielínicas com axônio de maior diâmetro e nódulos de Ranvier mais espaçados. e) Mielínicas com axônio de menor diâmetro e nódulos de Ranvier mais espaçados. 22. (UFPR) Em uma ninhada de cães, observou-se que um dos filhotes apresentava severa malformação da medula espinhal. Com base nisso, pode-se supor com alta probabilidade de acerto que houve problema durante o desenvolvimento embrionário: a) Da mesoderme. b) Da notocorda. c) Da endoderme. d) Da ectoderme. e) Do mesênquima. 23. (UFMS) As cinco afirmativas a seguir estão relacionadas às características dos tecidos animais. Assinale a(s) afirmativa(s) correta(s). 01. Os tecidos conjuntivos são constituídos por vários tipos de células, entre as quais se destacam as mesenquimatosas, os fibroplastos, os macrófagos, os mastócitos e os plasmócitos. 02. O tecido nervoso é constituído pelos neurônios (células nervosas) e por uma variedade de células condutoras de impulsos nervosos denominadas neuróglias.
  17. 17. 4 • Tecido nervoso 04. Além de revestir e proteger as superfícies dos organismos, os epitélios têm ainda o papel de secretar determinadas substâncias. Pode-se, então, identificar dois tipos básicos de tecidos epiteliais: os de revestimento ou protetores e os glandulares ou secretores. 08. O tecido ósseo é constituído de uma matriz rígida, formada basicamente por fibras colágenas e sais inorgânicos, e é menos resistente que o tecido cartilaginoso. 16. O tecido muscular estriado esquelético é constituído por fibras cilíndricas com núcleos periféricos que organizam o músculo esquelético. A contração desse tipo de tecido é rápida e voluntária. 32. O tecido responsável pela formação de células sanguíneas vermelhas (tecido hematopoiético mieloide) é o baço. 24. (UEMS) Com base em dados histológicos, são feitas as seguintes afirmações: I. Os glóbulos vermelhos do sangue dos mamíferos são anucleados. II. As fibras musculares estriadas esqueléticas são pequenas e uninucleadas. III. As glândulas e a epiderme são variedades de tecido epitelial. IV. O tecido ósseo apresenta células dotadas de citoplasma abundante e anucleadas. A alternativa correta é: a) I, II e III. b) I e III. c) II, III e IV. d) I, II e IV. e) II e IV. 25. (PUC-MG) A comigo-ninguém-pode é uma planta herbácea muito cultivada nos lares e em outros locais de acesso de pessoas. A mastigação, ainda que em pequenas porções, de folhas ou pecíolos dela causa intensa irritação na boca, faringe e laringe, com inchaço da língua e estreitamento da passagem de ar nas vias aéreas superiores. A irritação e o inchaço são consequências do desencadeamento de um processo alérgico. É uma das plantas mais perigosas no ambiente doméstico. Considere os seguintes tecidos: I. Epitelial II. Conjuntivo III. Muscular IV. Nervoso As ações dessa planta podem atingir direta ou indiretamente os tecidos: a) I e II apenas. b) II, III e IV apenas. c) I, II e IV apenas. d) I, II, III e IV. 26. (UFPR) “... os punhos e os pulsos cortados e o resto do meu corpo inteiro/ há flores cobrindo o telhado e embaixo do meu travesseiro/ há flores por todos os lados/ há flores em tudo que vejo/ a dor vai curar estas lástimas o soro tem gosto de lágrimas/ as flores têm cheiro de morte/ a dor vai fechar esses cortes/ flores, flores, as flores de plástico não morrem...” (Trecho da letra da música Flores, dos integrantes do grupo “Titãs” Charles Gavin, Tony Bellotto, Paulo Miklos e Sérgio Britto). Analisando histologicamente alguns trechos, é correto afirmar: 01. É esperado que após a coagulação do sangue na área da lesão ocorrida (“os punhos e os pulsos cortados”) concentre-se aí grande número de macrófagos, fibroblastos e plasmócitos. 02. Se uma cartilagem hialina for lesada em um indivíduo adulto, a sua regeneração ocorre facilmente, já que ela é um tecido ricamente vascularizado. 04. Quando ocorre um corte profundo na pele, os vasos sanguíneos são lesados e isso ocasiona o extravasamento do plasma, juntamente com células de sangue. 08. O músculo estriado esquelético é um tipo especializado de tecido conjuntivo. 16. Proteínas colágenas são constituintes importantes na matriz extracelular do tecido conjuntivo, sendo necessárias nos processos de reparo e cicatrização. Elas podem ser sintetizadas por osteoblastos, condroblastos e fibroblastos. 32. O tecido ósseo é muito resistente, sem plasticidade e com pouca irrigação sanguínea. 27. (UFPE) Analise as características de um tecido animal: I. Justaposição de células, com pouca substância intercelular. II. Ausência de vasos sanguíneos. III. Primeira barreira contra a penetração de micro-organismos estranhos ao corpo. IV. Resistência a trações e atrito em decorrência de especializações na região de contato entre suas células. V. Apresentação de dupla polaridade: um polo relacionado à membrana basal e outro, à superfície livre das células. Assinale a alternativa que contempla corretamente o tecido descrito: a) Tecido Conjuntivo. b) Tecido Adiposo. c) Tecido Cartilaginoso. d) Tecido Epitelial. e) Tecido Muscular. 28. (UFPR) “(...) Zé-do-Burro... pousa sua cruz, equilibrando-a na base e num dos braços... Está exausto. Enxuga o suor da testa...– Andei sessenta léguas – meu pé tem calo d’água... (Num ricto de dor, despe uma das mangas do paletó.) – Acho que meus ombros estão em carne viva... Eu prometi trazer a cruz nas costas, como Jesus...” (GOMES, Dias. O pagador de promessas. 38. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.) EXTENSIVO 17
  18. 18. Biologia – A Esse texto faz referência a diferentes tecidos que constituem nosso organismo, os quais desempenham funções específicas. Sob o ponto de vista histológico, é correto afirmar: 01. Para Zé-do-Burro poder andar sessenta léguas e carregar a cruz, foi necessária a integração de pelo menos três tipos de tecido: muscular, ósseo e nervoso. 02. As glândulas sudoríparas e sebáceas são responsáveis pela produção do suor. 04. A expressão “em carne viva” significa que ocorreu uma lesão nas camadas da pele (epiderme e derme). 08. Para que Zé-do-Burro pudesse andar as sessenta léguas e carregar a cruz, o tecido muscular liso foi muito exigido. 16. O tecido conjuntivo, responsável pela nutrição do tecido epitelial, é quem faz a reposição das células da epiderme. 29. (UEG) As células que constituem os organismos dos metazoários foram se especializando no decorrer do processo evolutivo, agrupando-se em tecidos e órgãos. Estes, por sua vez, formam os sistemas. Considerando os níveis de organização, analise as seguintes afirmativas: I. Nos animais, os estímulos do ambiente são captados por órgãos sensoriais, como os olhos e os ouvidos. Nesses órgãos encontram-se neurônios sensitivos encarregados de receber os estímulos e transformá-los em impulsos nervosos. II. O revestimento do corpo dos metazoários é denominado tegumento ou pele. Além de proteger órgãos, esse revestimento também pode secretar substâncias e atuar como superfície respiratória. III. Os órgãos como útero e esôfago são constituídos por tecido muscular liso, o que possibilita sua movimentação involuntária. Assinale a alternativa correta: a) Apenas a afirmativa I é verdadeira. b) Apenas a afirmativa II é verdadeira. c) Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras. d) Apenas as afirmativas II e III são verdadeiras. e) Todas as afirmativas são verdadeiras. 30. (UFPR) Células e outras estruturas com funções especializadas formam os diferentes tecidos do organismo. A esse respeito, numere a coluna da direita com base nas informações da coluna da esquerda. 1. Síntese de fibras colágenas. 2. Capacidade fagocitária. 3. Produção de anticorpos. 4. Coagulação sanguínea. 5. Percepção de cores. 6. Sustentação dos neurônios. ( ) Macrófagos 18 EXTENSIVO ( ) Plaquetas ( ) Fibroblastos ( ) Plasmócitos ( ) Células da glia ( ) Cones Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. a) 1, 4, 6, 2, 3, 5. b) 2, 4, 1, 3, 6, 5. c) 3, 2, 1, 4, 5, 6. d) 4, 2, 3, 5, 6, 1. e) 1, 3, 4, 2, 5, 6. 31. (PUC-RIO) Dentre os tecidos animais, há um tecido cuja evolução foi fundamental para o sucesso evolutivo dos seres heterotróficos. Aponte a opção que indica corretamente tanto o tipo de tecido em questão como a justificativa de sua importância: a) Tecido epitelial queratinizado – permitiu facilitar a desidratação ao impermeabilizar a pele dos animais. b) Tecido conjuntivo ósseo – permitiu a formação de carapaças externas protetoras para todos os animais, por ser um tecido rígido. c) Tecido muscular – permitiu a locomoção eficiente para a predação e fuga, por ser um tecido contrátil. d) Tecido nervoso – permitiu coordenar as diferentes partes do corpo dos animais, por ser um tecido de ação lenta. e) Tecido conjuntivo sanguíneo – permitiu o transporte de substâncias dentro do corpo do animal, por ser um tecido rico em fibras colágenas e elásticas. 32. (UFPR) João, rapaz saudável de 28 anos, percebendo que ia perder o ônibus, correu. No percurso, tropeçou e caiu. Ocorreu lesão na cartilagem do nariz, um corte no braço, o qual sangrou muito, e formou-se um edema em sua perna. Com relação às consequências da queda e às características de cada tecido envolvido, é correto afirmar: a) O corte no braço atingiu somente a epiderme. b) O tecido cartilaginoso possui grande capacidade de regeneração. c) A cartilagem é reparada com facilidade por ser ricamente vascularizada. d) No ferimento do braço, passam a concentrar-se macrófagos, fibroblastos e plasmócitos. e) O edema é resultante de lesão no tecido nervoso. 33. (UFRGS) Três amigas colocaram piercings em regiões distintas do corpo. Paula, na porção superior externa da orelha, Jaqueline, na ponta da língua, e Fernanda, no umbigo. Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, referentes aos tecidos que formam as regiões do corpo citadas. ( ) O piercing de Jaqueline perfurou os quatro tipos fundamentais de tecidos: epitelial, conjuntivo, muscular e nervoso.
  19. 19. 4 • Tecido nervoso ( ) O tipo de tecido muscular que forma a língua é caracterizado por fibras musculares mononucleadas, ramificadas e com estrias transversais. ( ) Na área da língua que foi perfurada, estão localizadas predominantemente papilas gustativas para o sabor amargo. ( ) O tecido cartilaginoso perfurado pelo piercing de Paula tem sua origem embrionária na mesoderme. ( ) O tecido epitelial perfurado pelo piercing de Fernanda é do tipo estratificado, enquanto o que reveste a língua é do tipo simples. A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é: a) V - F - F - V - F. b) V - V - V - F - F. c) F - F - V - V - V. d) F - V - F - F - V. e) V - V - F - V - F. 34. (UFPR) Um estudante recebeu de seu professor quatro fichas com as seguintes informações sobre diferentes tecidos: Ficha I Células localizadas em colunas Matriz percorrida por canalículos Matriz constituída por substâncias orgânicas e minerais Canais que contêm vasos sanguíneos Ficha II Células grandes e globosas Constitui reserva de material energético Encontra-se em permanente renovação Desempenha função de proteção contra a perda de calor Ficha III Apresenta numerosos tipos celulares Aspecto de massa esbranquiçada, mais ou menos rígida e fibrosa Muito difundido no organismo Ficha IV Células fusiformes com núcleo central Contração lenta e involuntária Que alternativa apresenta os nomes dos tecidos correspondentes às informações das respectivas fichas? a) I-cartilaginoso; II-adiposo; III-ósseo; IV-muscular esquelético. b) I-ósseo; II-cartilaginoso; III-conjuntivo frouxo; IV-muscular liso. c) I-hemocitopoético; II-cartilaginoso; III-ósseo; IV-muscular cardíaco. d) I-ósseo; II-adiposo; III-cartilaginoso; IV-muscular liso. e) I-ósseo; II–adiposo; III-conjuntivo propriamente dito; IV muscular liso. 35. (UERJ) DROGA ANTICÂNCER É TESTADA COM SUCESSO “Os cientistas Hong Li e He Lu usaram angiostatina, endostatina e a proteína uroquinase geneticamente modificada. Esta última acelera a angiogênese (desenvolvimento de vasos que alimentam as células), mas com a manipulação do gene da proteína, foi possível obter o efeito inverso: a fabricação de uma molécula que bloqueia o tumor.” (O Globo, ago.1998) A ação normal da uroquinase de acelerar a angiogênese se exerce, primordialmente, sobre as seguintes células: a) Musculares. b) Endoteliais. c) Leucocitárias. d) Fibroblásticas. 36. (UFPR) “... Deus me deu mãos de veludo pra fazer carícia/ Deus me deu muitas saudades e muita preguiça/ Deus me deu pernas compridas e muita malícia/ Pra correr atrás de bola e fugir da polícia/ Um dia ainda sou notícia(...) Deus me fez um cara fraco, desdentado e feio/ Pele e osso simplesmente quase sem recheio/...” (Trecho da música “Partido Alto”, de Chico Buarque). Analisando alguns trechos da canção sob o ponto de vista da histologia, é correto afirmar: 01. Considerando que se trate no texto de um indivíduo adulto com idade entre 25 e 30 anos, a utilização do termo “pernas compridas” pode indicar que os ossos das pernas já efetuaram o crescimento longitudinal e que a cartilagem de conjugação já foi totalmente substituída por osso. 02. Para evitar a fragilidade óssea, faz-se necessária, dentre outros fatores, uma dieta alimentar rica em cálcio e proteínas. 04. Os nutrientes chegam a todas as células do organismo pelos vasos sanguíneos. Os nutrientes absorvidos pelo epitélio intestinal penetram nos vasos sanguíneos do tecido conjuntivo adjacente, sendo distribuídos para os outros tecidos vascularizados, como o adiposo, o ósseo e os tecidos musculares. 08. A ação de fazer carícias e de correr atrás da bola ocorre da seguinte maneira: para contrair o músculo liso (contração voluntária), o qual se encontra ligado ao esqueleto ósseo e proporciona movimentos úteis, é necessário haver impulso do Sistema Nervoso Central. 16. A epiderme é uma das camadas da pele que reveste externamente o organismo humano. É responsável pela formação das glândulas sudoríparas, que executam a secreção do suor. 32. A falta de vitamina C pode ser responsável pelo fato de o “eu lírico” da canção ser “desdentado”: essa vitamina atua na síntese do colágeno, fundamental na sustentação dos tecidos conjuntivos através das fibras colágenas. EXTENSIVO 19
  20. 20. Biologia – A 5 A partir de agora, estudaremos o funcionamento e a anatomia dos sistemas que compõem o corpo humano, objetos de estudo da Fisiologia Humana. É importante lembrar que as estruturas e suas funções estão interligadas, atuando cada uma de forma harmônica para que o conjunto funcione de forma estável e saudável. Embora cada um dos sistemas atue de uma maneira, eles não se encontram isolados, sendo necessária a integração de todos eles. O correto funcionamento do corpo tende à estabilidade do meio interno do organismo, o que chamamos de homeostase, do grego hómoios que significa de mesma natureza e stásis, que significa estabilidade. Digestão, Circulação, Respiração, Excreção, Movimento e Sustentação, e finalmente, Integração e Controle Corporal serão os sistemas estudados, iniciando pelo Sistema Digestório. Os próximos sistemas serão explorados no próximo módulo. DIGESTÃO Para manter o perfeito funcionamento do corpo e manter as atividades vitais, o organismo precisa constantemente de energia. Nos módulos anteriores, estudamos o processo através do qual a célula transforma energia contida em moléculas orgânicas como açúcares em energia disponível na forma de ATP, processo denominado de respiração celular. A realização desse processo dependia de fornecimento de alimento e gás oxigênio à célula. Mas esse alimento não é utilizado pela célula da forma como ele é ingerido. Ele precisa sim ser ingerido, porém é necessário também que ele seja digerido e absorvido e só então se torna disponível para as células. A nutrição dos seres vivos pode ser de dois tipos: a autotrófica, quando o ser vivo é capaz de produzir seu próprio alimento, e a heterotrófica, quando o alimento constitui outros organismos. Os seres humanos são organismos heterotróficos, com nutrição onívora (do latim omnis, que significa tudo e voros, que significa comer), pois sua alimentação é variada. Dieta alimentar é definida como os tipos e as quantidades de alimentos que precisamos ingerir e pode ser classificada em dois tipos: - Dieta balanceada, que fornece a quantidade de energia necessária para uma pessoa adulta, normalmente composta por 50% de glicídios, 30% de lipídios e 20% de proteínas. - Dieta protetora, composta pela quantidade mínima de calorias. Caso a pessoa passe a ingerir menos do que a quantidade proposta, entrará em estado de subnutrição. É importante compreender que a dieta varia de acordo com vários fatores, como idade, grau de atividade física, etc. Bom senso é essencial quando o assunto é alimentação! Os nutrientes constituem as fontes de energia e de maté20 EXTENSIVO FISIOLOGIA HUMANA - NUTRIÇÃO ria-prima para o bom funcionamento das células. Existem os chamados nutrientes energéticos, os quais, segundo o próprio nome, são responsáveis por fornecer energia às células: os glicídios (ou carboidratos) e os lipídios (ou gorduras). E há também os nutrientes plásticos, responsáveis por constituir a estrutura corporal: as proteínas, que fornecem os aminoácidos que as células precisam para a síntese de suas próprias proteínas, embora estes também possam fornecer energia em casos especiais. Além desses dois tipos de nutrientes, é necessário também ingerirmos vitaminas, sais minerais e água. As vitaminas auxiliam nas reações químicas que são catalisadas por enzimas. A maior parte das vitaminas é obtida a partir da alimentação, já que não somos capazes de fabricá-las. O estudo das vitaminas, bem como os sintomas apresentados em decorrência da ausência delas no organismo, foi estudado na Biologia D. Os sais minerais são nutrientes importantes para a nossa dieta, pois estão presentes em várias partes do corpo e em várias reações químicas. A água é fundamental à vida, embora não seja propriamente um nutriente, pois todas as reações químicas só ocorrem na presença dela. Durante o processo de ingestão, a água está presente na composição da maioria dos alimentos. Conhecer os alimentos e a sua composição é importante para compor uma dieta saudável e apropriada. SISTEMA DIGESTÓRIO A ingestão e a digestão dos alimentos e a consequente absorção dos nutrientes são realizadas por um conjunto de órgãos que compõem o Sistema Digestório. A digestão é de fundamental importância pois permite que grandes moléculas ingeridas durante a alimentação sejam quebradas em partes menores, absorvíveis pelas células. O processo de digestão envolve fenômenos químicos e físicos: • Fenômenos físicos: trituração dos alimentos em partículas menores e o transporte destas partículas ao longo dos órgãos que compõem o sistema de digestão. • Fenômenos químicos: transformação dos alimentos com a ajuda de enzimas especializadas na digestão das substâncias. O sistema digestório é composto por tubo longo e por glândulas anexas: as glândulas salivares, o pâncreas e o fígado. O tubo digestório com aproximadamente 9 m de comprimento compreende as seguintes partes: boca, faringe, esôfago, estômago, duodeno, intestino delgado, intestino grosso, reto e ânus.
  21. 21. 5 • Fisiologia humana - nutrição |Anatomia do Sistema Digestório Humano.| Agora, vamos compreender a fisiologia do sistema digestório: BOCA A digestão tem início na boca, com o processo mecânico denominado de mastigação e com o processo químico, conhecido como insalivação. Através da mastigação, os dentes reduzem os alimentos ingeridos a tamanhos menores, tornando possível o processo químico, onde enzimas presentes na salivagem sobre as moléculas menores de alimentos. A secreção das enzimas pelas glândulas salivares depende dos sentidos como o da visão, do olfato e do paladar. A saliva é uma substância aquosa que contém a enzima amilase salivar, sais e muco. A amilase salivar ou ptialina atua sobre as moléculas de amido e glicogênio presentes no alimento, quebrando-as em moléculas menores, chamadas dextrinas. A ação continuada da saliva sobre o alimento leva as moléculas de dextrinas a se transformarem em maltose – um dissacarídeo. A ação dessa importante enzima depende do pH próximo à neutralidade e os sais presentes na saliva atuam sob as substâncias ácidas encontradas nos alimentos. O muco torna a saliva viscosa a fim de proteger o epitélio da boca e da faringe do atrito com os alimentos ingeridos. Durante o processo de mastigação realizado pelos dentes, o movimento da língua também possui papel fundamental: mistura o alimento com a saliva, é a chamada insalivação. São encontradas na língua as papilas gustativas, relacionadas ao sentido do paladar, identificando os sabores dos alimentos. O alimento mastigado e insalivado é denominado de bolo alimentar e o processo pelo qual ele é empurrado pela língua em direção ao estômago é chamado de deglutição. FARINGE O bolo alimentar é primeiramente empurrado para a faringe e pelo esôfago, para depois seguir para o estômago. A faringe mede cerca de 13 cm de comprimento e comunica-se com a laringe, um canal pertencente ao sistema respiratório. Durante a deglutição, a epiglote fecha a laringe, evitando que o alimento penetre no trato respiratório e provoque engasgo e tosse. ESÔFAGO O esôfago é um tubo com cerca de 25 cm de comprimento e nele o bolo alimentar é impulsionado por movimentos peristálticos ao estômago. O movimento característico do esôfago é realizado pela parede esofágica que desenvolve contrações, empurrando o alimento. Ao longo de todo o tubo digestório, tais ondas são chamadas de peristaltismo, constituindo o mecanismo de deslocamento do alimento até o ânus. ESTÔMAGO É caracterizado como uma bolsa muscular e glandular que também apresenta movimentos peristálticos, onde o alimento é digerido por enzimas produzidas pela parede estomacal. Quando o bolo alimentar chega ao estômago, ele é mantido “fechado” dentro deste órgão, pois ocorre o fechamento de duas cárdias, o esfíncter da cárdia (na extremidade com o esôfago) e o esfíncter pilórico (na extremidade com o duodeno). É um órgão com forma e volumes variáveis, mas com capacidade média de dois litros, em adultos. Ocorre a liberação do suco gástrico, secretado pela parede estomacal, que contém: EXTENSIVO 21
  22. 22. Biologia – A • A enzima pepsina, que atua sobre as proteínas transformando-as em peptonas; • A enzima renina, produzida em grande quantidade em recém-nascidos e em pequena quantidade no estômago de pessoas adultas, sendo responsável pela coagulação da caseína – proteína do leite; • Ácido clorídrico (HCl), que mantém o pH ácido, necessário para atuação da pepsina. O alimento sofre o processo de digestão química por aproximadamente quatro horas ou mais, sendo transformado em uma massa ácida, denominada de quimo. Os movimentos peristálticos do estômago empurram aos poucos pequenos pedaços do quimo para o duodeno. INTESTINO DELGADO O intestino delgado pode ser divido em três partes, o duodeno, onde o processo de digestão é finalizado com a ação de várias enzimas e, o jejuno e o íleo, onde ocorrem os processos de absorção dos nutrientes. Quilificação é o nome do processo final pelo qual o alimento passa no intestino delgado, ou seja, onde ocorre a transformaçao do quimo em quilo. DUODENO Esta primeira porção do intestino delgado, com cerca de 25 cm, possui ligação com duas glândulas de fundamental importância para o processo de digestão, o fígado e o pâncreas. O fígado é considerado a maior glândula do corpo, com aproximadamente 1,5 kg e desempenha várias funções, entre elas a produção de uma substância que não contém enzimas digestivas, mas que emulsiona as moléculas de gorduras, a bile. Esta atua facilitando a ação das enzimas que atuam sob os lipídios. Além da substância emulsificadora, a bile contém bicarbonato que atua sobre o quimo, neutralizando-o. A bile produzida pelo fígado é armazenada na vesícula biliar e então lançada no duodeno. O pâncreas possui várias funções no organismo, entre elas a produção de bicarbonato e de várias enzimas. O bicarbonato liberado pelo pâncreas e pela vesícula biliar promove o aumento do pH do quimo, tornando o meio ideal para as enzimas que atuam neste órgão. A mucosa do duodeno contém milhares de pequenas glândulas que produzem uma secreção denominada de suco entérico. Portanto, nesta parte do intestino delgado ocorre a atividade do suco entérico, do suco pancreático e da bile. Suco Digestivo Enzima Substrato Produto Local de Ação Saliva Amilase Salivar Polissacarídeos Maltose Boca Pepsina Proteínas Peptonas Estômago Renina Caseína Caseína Estômago Quimiotripsina e Tripsina Proteínas e Peptonas Oligopeptídeos Duodeno Amilase Polissacarídeos Maltose e glicose Duodeno Nuclease Ácidos nucleicos Nucleotídeos Duodeno Lípase Lipídio Ácidos graxos e glicerol Duodeno Peptidases Oligopeptídeos Aminoácidos Duodeno Maltase Maltose Glicose Duodeno Sacarase Sacarose Glicose e frutose Duodeno Lactase Lactose Glicose e galactose Duodeno Suco Gástrico Suco Pancreático Suco Entérico JEJUNO E ÍLEO As moléculas que constituem os nutrientes, após serem transformadas, encontram-se pequenas o suficiente para atravessar a membrana celular da mucosa intestinal e seguirem em direção aos vasos sanguíneos, processo esse denominado de absorção, que tem início já no estômago, com a assimilação direta de água e álcool. Os outros nutrientes são absorvidos nas porções posteriores do intestino delgado, o jejuno, com cerca de 4,5 m de comprimento e o íleo, com cerca de 1,5 m. Da digestão dos carboidratos obtêm-se as moléculas de glicose que atravessam a parede da mucosa intestinal. Da 22 EXTENSIVO mesma forma, as proteínas são digeridas e obtêm-se aminoácidos que também são capazes de atravessar a membrana das células do intestino. Caso haja excesso de açúcares na alimentação, grande parte da glicose é armazenada no fígado, sob a forma de glicogênio. Os ácidos graxos e o glicerol resultantes das moléculas de lipídios ingeridas são convertidos em gotículas de gordura novamente e transportados para o fígado para serem distribuídos pelo corpo. A parede intestinal desta porção final do intestino possui especializações de membrana do tipo microvilosidades, explorado anteriormente neste mesmo módulo. Esse tipo de especialização aumenta a superfície de contato entre as células e as substâncias a serem absorvidas.
  23. 23. 5 • Fisiologia humana - nutrição INTESTINO GROSSO Após nove horas da ingestão do alimento, os restos não absorvidos chegam ao intestino grosso e permanecem no interior dele de um a três dias, onde há intensa proliferação de bactérias e parte da água e dos sais são absorvidos. A porção inicial do intestino grosso, o ceco intestinal, contém a valva ileocecal, responsável por impedir o retorno do quilo para o íleo. Associado ao ceco, existe o apêndice sem função para a espécie humana e a porção final do intestino: cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente e reto. Os cólon ascendente, transverso e descendente medem cerca de 0,5 m de comprimento e a digestão e a absorção de água e sais minerais continuam. Na parte terminal, há grande quantidade de bactérias que aproveitam os resíduos dos alimentos, produzem gases e algumas vitaminas. A atividade dessas bactérias facilita a formação das fezes. Quando as fezes chegam ao reto, este é o estímulo para que ocorra a defecação, e são, então, eliminadas pelo ânus. 01. Digestão química de carboidratos – por lesão no fígado. 02. Digestão química de proteínas – por lesão no estômago. 04. Absorção de nutrientes orgânicos – por lesão no intestino grosso. 08. Controle da glicemia – por lesão no pâncreas endócrino. 16. Crescimento e metabolismo – por lesão na tireoide. 38. (UCG-GO) Observe a figura abaixo: CONTROLE DA DIGESTÃO Hormônio Produzido no Atuação Gastrina Estômago Estimula a secreção de HCl e aumenta a motilidade gástrica. Intestino delgado Estimula a secreção do suco pancreático e inibe a motilidade gástrica e inibe a gastrina. Intestino delgado Estimula a liberação do suco pancreático e da bile e inibe o esvaziamento gástrico. Secretina Colecistocinina Enterogastronas Intestino delgado Inibe a motilidade gástrica Atividades 37. (UFPR) A ocorrência de razoável quantidade de guerras e guerrilhas no mundo atual é bastante preocupante, especialmente quando se considera a possibilidade de serem usadas armas nucleares. A radioatividade produzida por essas armas pode resultar em mutações no material genético dos indivíduos, o que, se ocorresse durante uma gestação, por exemplo, poderia levar a prejuízos futuros na função de diversos órgãos da criança em desenvolvimento. A respeito das funções que poderiam ser prejudicadas em consequência da má-formação de alguns órgãos, é correto afirmar: Assinale a alternativa correta: a) vitaminas são compostos inorgânicos importantes As numa dieta balanceada, apesar de não desempenharem função energética. São micronutrientes e sua deficiência pode acarretar sérios problemas à saúde dos indivíduos. b) Os carboidratos desempenham função energética. O amido, açúcar de reserva vegetal, é encontrado na batata e no arroz, e sua digestão química começa na boca por ação da enzima amilase salivar. c) A desnutrição proteica, durante a infância, não apresenta uma relação direta com o índice de retardo mental na infância e pode ser compensada pela ingestão sistemática de frutas e legumes. d) A digestão química das proteínas ocorre na boca, no estômago e no intestino delgado por ação da maltase, pepsina e tripsina, respectivamente. e) raquitismo é a deposição de cálcio ósseo provocada O pela carência de vitamina D. É responsável pelo aparecimento de deformidades ósseas na criança e pode ser evitada com o “banho de sol”, que estimula a produção desta vitamina pela pele. 39. (ACAFE-SC) É comum as pessoas apresentarem desconforto abdominal ou sentirem cólicas, geralmente chamadas de dores de barriga. Sobre essa questão, a alternativa correta é: a) A dor abdominal cessa quando se toma analgésico, matando a flora bacteriana responsável pelas cólicas. b) Quando as cólicas ficam fortes, têm-se indícios de que sejam causadas por problemas no esôfago. c) Alterações no reto podem provocar dores, mas sempre serão muito fracas. d) O estômago é o único órgão interno que, por ser cheio de terminações nervosas, apresenta sensibilidade à dor. e) As cólicas podem ser decorrentes de acúmulo de gases produzidos por bactérias que habitam o intestino grosso. EXTENSIVO 23
  24. 24. Biologia – A 40. (FUVEST-SP) A ingestão de alimentos gordurosos estimula a contração da vesícula biliar. A bile, liberada no: a) Estômago, contém enzimas que digerem lipídios. b) Estômago, contém ácidos que facilitam a digestão dos lipídios. c) Fígado, contém enzimas que facilitam a digestão dos lipídios. d) Duodeno, contém enzimas que digerem lipídios. e) Duodeno, contém ácidos que facilitam a digestão dos lipídios. 41. (UFMS) Os humanos apresentam tubos digestivo com boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus, ao qual estão associadas as glândulas salivares, fígado e pâncreas (glândulas anexas). Assinale a(s) afirmativa(s) correta(s) sobre a digestão humana: 01. Durante a mastigação, a amilase salivar atua sobre os carboidratos, os quais são os únicos componentes da dieta cuja degradação inicia-se na boca. 02. Mais da metade dos humanos adultos no mundo possui intolerância à lactose, pela perda da capacidade de síntese da renina e da lactase, enzimas necessárias para o metabolismo daquele carboidrato. 04. As principais enzimas do suco pancreático são a pepsina e a quimiotripsina, que digerem proteínas; a lipase pancreática, que digere lipídios, e a amilase pancreática, que digere polissacarídios. 08. Os hormônios gastrina e secretina, produzidos, respectivamente, pelo estômago e pelo intestino, têm a função de estimular a produção do suco gástrico (gastrina) e a liberação de bicarbonato (secretina). 16. O quimo, quando muito rico em gorduras ou carboidratos, estimula o estômago a liberar, no sangue, o hormônio colecistoquinina (CCK), cuja função é diminuir os movimentos peristálticos estomacais, dando mais tempo para a digestão. 32. enzimas maltase, sacarase e lactase, produzidas As pelas glândulas da mucosa intestinal, são responsáveis pela digestão, respectivamente, da maltose, da sacarose e da lactose. 42. (UFMS) Em um experimento, distribuiu-se, em seis tubos de ensaio, o extrato enzimático de um determinado órgão do sistema digestório de cão. Aos tubos I e II acrescentou-se uma porção de batata; aos tubos III e IV, uma porção de carne; e, aos tubos V e VI, uma porção de manteiga. Adicionou--se, em seguida, uma porção de ácido clorídrico aos tubos I, III e V. Os tubos foram mantidos a 38oC durante 4 horas e, decorrido esse tempo, observou-se que só no tubo III houve digestão. O material utilizado nessa experiência foi retirado: a) Do estômago. b) Do intestino delgado. c) Das glândulas salivares. d) Do pâncreas. e) Da vesícula biliar. 24 EXTENSIVO 43. (PUC-MG) A figura abaixo representa alguns órgãos do trato digestivo: Assinale a afirmativa incorreta: a) I é uma glândula que transforma e acumula metabólitos e também neutraliza substâncias tóxicas. b) II é responsável por armazenar e concentrar a bile e secretá-la quando necessário. c) III é responsável pela digestão do alimento, secreção de hormônios e absorção de água e sais. d) IV é uma glândula que secreta enzimas digestivas e hormônios que controlam a glicemia. 44. (UFMG) Leia esta charge: (Folha de S. Paulo, 25 abr. 2004) Tema constante de piadas, a flatulência só não pode ser causada: a) Pelo hábito de falar durante as refeições. b) Pela fermentação de carboidratos por bactérias. c) Pelo costume de andar após as refeições. d) Pela ocorrência de parasitoses intestinais. 45. (MACKENZIE-SP) Num experimento, uma quantidade de margarina foi colocada em um tubo de ensaio contendo soro fisiológico. A esse tubo foi adicionada certa quantidade de uma secreção digestiva. Após alguns minutos, em estufa a 37°C, verificou-se que havia inúmeras gotículas gordurosas, mas não havia ocorrido digestão química. Assinale a alternativa que apresenta o nome dessa secreção e o órgão de onde ela foi retirada: a) Suco gástrico; estômago. b) Saliva; boca. c) Suco entérico; duodeno. d) Suco pancreático; intestino grosso. e) Bile; vesícula biliar.
  25. 25. 5 • Fisiologia humana - nutrição 46. (FUVEST-SP) O esquema representa o sistema digestório humano e os números indicam alguns dos seus componentes: O local onde se inicia a digestão enzimática das gorduras que ingerimos como alimento está identificado pelo número: a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 47. (FTC-BA) Uma das funções do estômago é: a) Sintetizar enzimas que presidem a conversão de polissacarídeos em glicose. b) Secretar hormônios que estimulam a própria secreção gástrica. c) Produzir uma secreção digestiva que atua sobre as gorduras emulsionando-as. d) Liquefazer o alimento ingerido, convertendo totalmente as macromoléculas alimentícias em substâncias solúveis. e) Absorver imediatamente o alimento digerido, transferindo-o para a corrente sanguínea. GABARITO 0 2 3 4 5 6 7 8 9 D 0 1 D C A E A C A D 1 E A D A C A C 10 D A 2 A D D 21 B D 21 D 05 E 3 B C D A E B 55 26 B E 4 E 41 A C C E E B EXTENSIVO 25

×