Your SlideShare is downloading. ×
0
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Gaivota
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gaivota

1,830

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,830
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Fernão Capelo Gaivota Richard Bach
  • 2. Este livro conta a história de uma gaivota que não se conforma em passar a vida em busca de alimento, disputando um peixe com o resto do bando... Fernão quer mais, quer alçar largos vôos, aprender, evoluir... Sendo assim, passa seus dias e noites tentando, e tentando mais uma vez, até a exaustão, a perfeição do vôo... Sendo diferente de todos os outros.....
  • 3. “ A maior parte das gaivotas não se preocupava em aprender mais do que os simples fatos do vôo – como ir à comida e voltar. Para a maioria, o importante não é voar, mas comer. Para esta gaivota, contudo, o importante não era comer, mas voar... - Por que, Fernão, por que? – perguntava-lhe a mãe. – Por que é que lhe custa tanto ser como o resto do bando?... Por que não come?... - ... Eu só quero saber,... é tudo (respondia ele) ... Há tanto que aprender! ... Em vez da monótona labuta de procurar peixes junto dos barcos de pesca, temos uma razão para estarmos vivos! Podemos subtrair-nos à ignorância, podemos encontrar-nos como criaturas excelentes, inteligentes e hábeis. Podemos ser livres! Podemos aprender a voar!
  • 4. Certa vez, as gaivotas reunidas o esperavam, e ele é chamado ao centro, o que poderia significar duas coisas: grande vergonha ou grande honra, e pensava consigo mesmo: “ ... não quero honras... Só quero partilhar o que descobri, mostrar a todos esses horizontes que estão à nossa frente. Mas, o Mais Velho, em nome da dignidade e tradição das gaivotas, profere o veredicto: Fernão é expulso, desterrado para uma vida solitária, acusado de ser irresponsável... Irresponsabilidade? Meus irmãos! Quem é mais responsável do que uma gaivota que descobre e desenvolve um significado, um propósito mais elevado na vida? Passamos mil anos lutando por cabeças de peixe, mas agora temos uma razão para viver, para aprender, para descobrir, para sermos livres!...
  • 5. Mas seus argumentos não surtiram efeito... Fernão Gaivota passou o resto de seus dias sozinho, mas voou muito além dos Penhascos Longínquos. A solidão não o entristecia. Entristecia-o que as outras gaivotas se tivessem recusado a acreditar na glória do vôo que as esperava. Recusaram-se a abrir os olhos e a ver. Aprendia cada vez mais... voou através de nevoeiros cerrados e subiu acima deles para céus estonteantes de claridade... enquanto qualquer outra gaivota ficava em terra, conhecendo apenas neblina e chuva...
  • 6. Tempos depois ... O que outrora desejara para o bando tinha-o agora só para si. Aprendera a voar e não lamentava o preço que pagara por isso. Fernão Gaivota descobriu que o tédio, o medo e a ira são as razões por que a vida de uma gaivota é tão curta, e, sem isso a perturbar-lhe o pensamento, viveu de fato uma vida longa e feliz.
  • 7. ...As duas gaivotas que surgiram junto às suas asas eram puras como a luz das estrelas... - Muito bem. Quem são vocês? - Nós somos do seu bando, Fernão. Somos suas irmãs... Viemos para levar você para mais alto, para levá-lo para casa... E Fernão Capelo Gaivota elevou-se com as duas gaivotas brilhantes como estrelas para desaparecer num céu perfeitamente escuro. ... Enquanto se afastava da terra e ultrapassava as nuvens, em formação com as duas gaivotas, notou que o seu próprio corpo se tornava tão brilhante como os delas. Em realidade, era o mesmo Fernão Capelo Gaivota que sempre vivera por detrás dos olhos dourados. Só a forma exterior se modificara... ...A lembrança da sua vida na terra sumia-se....
  • 8. Nos dias que se seguiram, Fernão verificou que neste lugar havia tanto para aprender acerca do vôo como houvera na vida que deixara para trás. Mas com uma diferença. Aqui as gaivotas pensavam como ele. Para cada uma delas o mais importante na vida era olhar em frente e alcançar a perfeição...
  • 9. - A única resposta que encontro, Fernão, é que você é um daqueles pássaros que se encontram num milhão. Quase todos nós percorremos um longo caminho... - ... milhares e milhares de gaivotas. Eu sei – Henrique abanou a cabeça ... - Onde estão os outros, Henrique?... Por que somos tão poucos aqui? No lugar de onde eu vim havia...
  • 10. E depois mais cem vidas até começar a aprender que há uma coisa chamada perfeição, e ainda outras cem para nos convencermos de que o nosso objetivo na vida é encontrar essa perfeição... escolhemos o nosso próximo mundo através daquilo que aprendemos neste... Mil vidas, Fernão, dez mil! Tem alguma idéia de por quantas vidas tivemos que passar até chegarmos a ter a primeira intuição de que há na vida algo mais do que comer...?
  • 11. Música – Be – Neil Diamond – do filme Fernão Capelo Gaivota Edição - RC Out. 2007 Vê mais longe a gaivota que voa mais alto. ...Nunca deixem de aprender, de treinar e de lutar por compreender cada vez e melhor o perfeito e invisível princípio de toda a vida...

×