Faculdade Cásper Líbero                     Mestrado em ComunicaçãoDisciplina: Poéticas e Estéticas Contemporâneas        ...
1A busca...Como todo fotógrafo que espera a imagem perfeita sob oencontro ideal entre ângulo, luz e objeto... Assim foi mi...
2A pesquisa...
3Diversas possibilidades...                      E veio a dúvida da escolha...
4     “Os olhos amam a beleza e a variedade das formas, o        brilho e a amenidade das cores [...] não me dandodescanso...
5A escolha...               Galeria de trabalhos do fotógrafo lusitano André Brito
6As imagens produzidas por André Brito possuem caráterpublicitário e forte presença de erotismo, ao mesmo tempo que eleatu...
7A proposta do trabalho...Analisar as diversas imagens produzidas pelo fotógrafo que temcomo tema: o corpo, o movimento, a...
8A percepção e imaginação: dualidade semântica da imagem – a           imagem simples e a imagem que pode ser evocada.    ...
9       “Embora toda imagem incorpore uma maneira de ver, nossapercepção ou apreciação de uma imagem depende de nosso próp...
10   “Quanto mais criativa for a obra, mais profundamente ela nospermite compartilhar da experiência que o artista tem do ...
11A fotografia permite a contemplação estética do corpo humano em    todos os seus ângulos, como também sua reprodutibilid...
12As diversas faces de uma imagem...                   Conforme Català:      “Sin más elaboraciones, estas      imágenes t...
13Com a fotografia, não nos  é mais possível pensar aimagem fora do ato que a          faz ser. [...] é umverdadeiro ato i...
14       Para empezar, la imagen ya no existe, en todo caso, las imágenes, siempre no plural... Podemos afirmar que existe...
15  “Toda fotografía es uma ficción que se presenta como verdadera. [...]La fotografía miente siempre [...] es el controle...
16A pose para Barthes (1980) “A imobilidade, fixação de um instante através da pose, é o que constitui a natureza  da foto...
17  O fotógrafo exercita um      trabalho intelectual.Raciocina, sente e produzpor meio de seu intelecto criativo, padrão ...
18
Bibliografia inicial...CATALÀ, Josep M. La imagen compleja: la fenomenologia de las imágens em laera de la cultura visual....
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Seminário Olhares Janaira Franca

775 views
692 views

Published on

Apresentação do seminário da disciplina Poéticas e Estéticas Contemporâneas

Published in: Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
775
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminário Olhares Janaira Franca

  1. 1. Faculdade Cásper Líbero Mestrado em ComunicaçãoDisciplina: Poéticas e Estéticas Contemporâneas Prof. Dulcília Buitoni Aluna: Janaíra França Novembro de 2010
  2. 2. 1A busca...Como todo fotógrafo que espera a imagem perfeita sob oencontro ideal entre ângulo, luz e objeto... Assim foi minha buscapelo objeto deste trabalho...Abandonei a ideia de perfeição do objeto ao perceber que o maisinteressante era a possibilidade de encontrar diversos olharesnuma mesma imagem...
  3. 3. 2A pesquisa...
  4. 4. 3Diversas possibilidades... E veio a dúvida da escolha...
  5. 5. 4 “Os olhos amam a beleza e a variedade das formas, o brilho e a amenidade das cores [...] não me dandodescanso [...] esta luz que se derrama por tudo que vemos e por todos os lugares [...] Se se ausenta por muito tempo, minha alma cobre-se de tristeza” (Santo Agostinho)
  6. 6. 5A escolha... Galeria de trabalhos do fotógrafo lusitano André Brito
  7. 7. 6As imagens produzidas por André Brito possuem caráterpublicitário e forte presença de erotismo, ao mesmo tempo que eleatua com binômio luz e corpo.
  8. 8. 7A proposta do trabalho...Analisar as diversas imagens produzidas pelo fotógrafo que temcomo tema: o corpo, o movimento, a luz e o espaço; sob a óticade alguns autores estudados na disciplina.O desafio... “O olhar apalpa as coisas, repousa sobre elas, viaja no meio delas, mas delas não se apropria. Resume e ultrapassa os outros sentidos porque os realiza naquilo que lhes é vedado pela finitude do corpo, a saída de si, sem precisar de mediação alguma, e a volta a si, sem sofrer qualquer alteração material. É essa imaterialidade da operação visual que a torna tão propícia ao espírito. [...] O espírito dirá que os olhos não sabem ver”. (Novaes, 1988)
  9. 9. 8A percepção e imaginação: dualidade semântica da imagem – a imagem simples e a imagem que pode ser evocada. (SANTAELLA & NOTH, 2008)
  10. 10. 9 “Embora toda imagem incorpore uma maneira de ver, nossapercepção ou apreciação de uma imagem depende de nosso próprio modo de ver”. (BERGER, 1999)
  11. 11. 10 “Quanto mais criativa for a obra, mais profundamente ela nospermite compartilhar da experiência que o artista tem do visível”. (BERGER, 1999)
  12. 12. 11A fotografia permite a contemplação estética do corpo humano em todos os seus ângulos, como também sua reprodutibilidade, é a multiplicação de superfícies, aparências e faces que o fotógrafo propicia pelo seu trabalho. (SANTAELLA, 2004)
  13. 13. 12As diversas faces de uma imagem... Conforme Català: “Sin más elaboraciones, estas imágenes trasmitiríam, como mucho, el conglomerado de visiones que pueden existir sobreuma persona: la visión del autor, la del sujeto sobre sí mismo, la queque el sujeito quiere representar, la visíon social, etc.
  14. 14. 13Com a fotografia, não nos é mais possível pensar aimagem fora do ato que a faz ser. [...] é umverdadeiro ato icônico, doato da produção (gesto datomada), como também o ato de sua recepção e de sua contemplação. (DUBOIS, 1994)
  15. 15. 14 Para empezar, la imagen ya no existe, en todo caso, las imágenes, siempre no plural... Podemos afirmar que existe um conglomerado, prácticamente sin límites, de percepciones, de recuerdos, de ideas.[...] Las imagénes contemporáneas difícilmente se perciben de maneira aislada, ya sea porque ellas mismas se presentam conjuntamente. (CATALÀ, 2005)
  16. 16. 15 “Toda fotografía es uma ficción que se presenta como verdadera. [...]La fotografía miente siempre [...] es el controle ejercido por el fotógrafo para imponer uma dirección ética a su mentira” (FONTCUBERTA,1997)
  17. 17. 16A pose para Barthes (1980) “A imobilidade, fixação de um instante através da pose, é o que constitui a natureza da fotografia. A pose eterniza uma ficção e não uma realidade. A ficção decorre do fato de que a pose do fotografado é uma imagem criada, é a imagem que se quer passar, aquilo que imaginamos ser e não o que somos”.
  18. 18. 17 O fotógrafo exercita um trabalho intelectual.Raciocina, sente e produzpor meio de seu intelecto criativo, padrão cultural, técnica e experiência de vida. A boa fotografia é resultado de árduo projeto e não um mero "acidente fotográfico”. (Prof. Ênio Leite)
  19. 19. 18
  20. 20. Bibliografia inicial...CATALÀ, Josep M. La imagen compleja: la fenomenologia de las imágens em laera de la cultura visual. Barcelona: Servei Publicacions, 2005.BARTHES, Roland. A Câmera Clara. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1980.______________. A Mensagem Fotográfica. Teoria de Cultura de Massas,Adordo et al. Luis Costa Lima, (org) . Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1982._______________. La Torre Eiffel: textos sobre la imagem. Barcelona: Pardóis,2001.BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.DUBOIS, Phillip. O ato fotográfico. Campinas: Ed. Papirus, 1994.FONTCUBERTA, Joan. El bejo de Judas: fotografia y verdad. Barcelona: EditorialGustavo Gili, 1997.NOVAES, Adauto. O olhar. São Paulo: Cia das Letras, 1988.SANTAELLA, Lucia. Corpo e comunicação. São Paulo: Paulus, 2004.________________. Imagem: cognição, semiótica e mídia. São Paulo Iluminuras,2008.Todas as fotos usadas neste trabalho são de autoria de André Brito e estão disponíveis no site:olhares.com/abrito.

×