Your SlideShare is downloading. ×
0
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Audiência pública são leopoldo   18.11.2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Audiência pública são leopoldo 18.11.2011

348

Published on

Plano Diretor Municipal

Plano Diretor Municipal

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
348
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CONTRATO N°. 116/2010 18 de Novembro de 2011 AUDIÊNCIA PÚBLICA
  • 2. 1.APRESENTAÇÃO
  • 3. EDSON MARCHIORO – Arquiteto e Urbanista, registrado no Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia do Rio Grande do Sul – CREA/RS, tendo exercido os seguintes cargos e funções e participado na coordenação de mais de 150 trabalhos no Rio Grande do Sul e São Paulo: ○ Assessoria Habitacional da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul/RS, no período 1983/1984; ○ Assessoria de Saneamento da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul/RS, no ano de 1985; ○ Assessoria técnica de Planejamento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano de Caxias do Sul/RS, no ano de 1986; ○ Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano de Caxias do Sul/RS, no período entre 1987/1988; ○ Vereador de Caxias do Sul/RS por dois mandatos, no período entre 1989/1996; ○ Coordenador do Gabinete Municipal de Administração e Planejamento – GAMAPLAN, da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul/RS, no ano de 1997; ○ Secretário Municipal de Planejamento de Caxias do Sul/RS, no período entre 1998/2000; ○ Secretário Municipal de Transportes e de Mobilidade Urbana de Caxias do Sul/RS, no período entre 2002/2004; ○ Diretor da empresa PRÓCIDADES CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA. , em sociedade com a Arquiteta Ida Marilena Bianchi, que atuou em consultoria a municípios e empresas entre 2005/2010; ○ Diretor da empresa EDSON MARCHIORO ARQUITETURA, URBANISMO E ENGENHARIA SOCIEDADE SIMPLES , em sociedade com o Engenheiro Civil Luiz Candido Kehl, que atua em consultoria a municípios e empresas desde 2007. Neste período, coordenou mais de 150 projetos nas áreas de planejamento urbano, transportes e trânsito nos estados do Rio Grande do Sul e São Paulo. Ο APRESENTAÇÃO
  • 4. • REVISAR, REGULAMENTAR E ATUALIZAR O PLANO DIRETOR MUNICIPAL , A LEI DO PARCELAMENTO DO SOLO E O CÓDIGO DE POSTURAS , DOTANDO A PREFEITURA MUNICIPAL DE INSTRUMENTOS REGULATÓRIOS PARA OS PLANOS, PROJETOS E PROGRAMAS PARA GERIR AS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS. Ο OBJETO DO CONTRATO
  • 5. • LEI MUNICIPAL N◦. 6.125/2006 – PDM – REVISÃO E REGULAMENTAÇÃO, BUSCANDO A ADEQUAÇÃO COM A REALIDADE SOCIAL; • LEI MUNICIPAL N◦. 2.134/1981 – LEI DO PARCELAMENTO DO SOLO – REVISÃO BUSCANDO A ADEQUAÇÃO DE FORMA SATISFATÓRIA A PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO URBANO SEGUNDO PDM; • LEI MUNICIPAL N◦. 1.481/1969 – CÓDIGO DE POSTURAS – REVISÃO BUSCANDO A ADEQUAÇÃO AOS NOVOS COSTUMES DA POPULAÇÃO. Ο OBJETO DO CONTRATO
  • 6. • PLANO DE TRABALHO • LEITURA DA REALIDADE LOCAL – TÉCNICA E COMUNITÁRIA; • DISSEMINAÇÃO DA LEITURA DA REALIDADE LOCAL – TÉCNICA E COMUNITÁRIA; • FORMULAÇÃO DE PROPOSTAS E SUA DISCUSSÃO NO MUNICÍPIO; • PRODUÇÃO DOS PROJETOS-DE-LEIS. Ο OBJETO DO CONTRATO
  • 7.
    • • METODOLOGIA
    • • ESTÁ PREVISTA NA LEI FEDERAL N◦. 10.257 – ESTATUTO DA CIDADE E NAS RESOLUÇÕES DO CONCIDADES – PARTICIPAÇÂO POPULAR, TENDO OS PONTOS ABAIXO:
    • TÉCNICO – ABORDAGEM DOS ASPECTOS FÍSICO, SOCIAL, ECONÔMICO E AMBIENTAL.
    • COMUNITÁRIO – ABORDAGEM DOS MESMOS ASPECTOS JUNTO ÀS COMUNIDADES LOCAIS, INCLUINDO TÉCNICAS DE ABORDAGEM E ENVOLVIMENTO DOS DIVERSOS GRUPOS LOCAIS E ATORES SOCIAIS.
    Ο OBJETO DO CONTRATO
  • 8. • CÓDIGO DE POSTURAS LEI MUNICIPAL N◦. 1.481/1969 • MINUTA PRONTA PARA DISCUSSÃO INTERNA/EXTERNA – PARTICIPAÇÃO ATIVA DA FISCALIZAÇÃO. Ο OBJETO DO CONTRATO
  • 9. Ο OBJETO DO CONTRATO • LEI DO PARCELAMENTO DO SOLO LEI MUNICIPAL N◦. 2.134/1981 • MINUTA PRONTA PARA DISCUSSÃO INTERNA/EXTERNA.
  • 10. URBANIZAÇÃO EXCLUDENTE (conflitos urbano-ambientais ) PRODUTO DE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO EXCLUDENTE E DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO URBANA EXCLUDENTE Ο O PLANEJAMENTO NO BRASIL
  • 11. Ο NOVO MOMENTO NO BRASIL O Estatuto da Cidade ,regulamentou os artigos 182 e 183 da Constituição Federal. Com objetivo de democratizar o espaço no País através de instrumentos urbanísticos, tributários e jurídicos, garantindo efetividade ao Plano Diretor Municipal , responsável pelo estabelecimento da política urbana na esfera municipal e pelo pleno desenvolvimento das funções sociais da Cidade e da propriedade urbana, como preconiza o artigo 182.
  • 12. As inovações do Estatuto da Cidade situam-se em 3 campos: um conjunto de novos instrumentos de natureza urbanística voltado para induzir as formas de uso e ocupação do solo; uma nova estratégia de gestão que incorpora a idéia de participação direta do cidadão em processos decisórios sobre o destino da cidade; e, a ampliação das possibilidades de regularização das posses urbanas. Ο NOVO MOMENTO NO BRASIL
  • 13. Ο NOVO MOMENTO NO BRASIL O Estatuto da Cidade oferece instrumentos de ajuda ao Poder Público para intervir e não apenas normatizar e fiscalizar o uso e a ocupação do solo, a fim de garantir a Função Social da Cidade e da Propriedade. Regulamenta dispositivos que procuram combater a especulação imobiliária na Cidade.
  • 14. 2.QUE CIDADE QUEREMOS?
  • 15. ٠ CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL. Ο QUE CIDADE QUEREMOS?
  • 16. 3. HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 17. DESDE QUE SE TEM INDÍCIOS DE QUE O SER HUMANO ESTÁ NA TERRA, HÁ MILHARES DE ANOS, HÁ TAMBÉM OS SINAIS DE SUA AÇÃO PARA MODIFICAR O MEIO EM QUE VIVE, EM UMA CLARA INTENÇÃO DE TORNAR MENOS INÓSPITO E ADVERSO O GRANDE E DESCONHECIDO PLANETA EM QUE HABITA. NOS ÚLTIMOS CEM ANOS, ENTRETANTO, TEMOS FEITO DE TUDO PARA PIORAR A QUALIDADE DE VIDA NO PLANETA! Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 18.
    • AS CIDADES SEMPRE FORAM ESTE VERDADEIRO CAOS?
    • CERTAMENTE QUE NÃO.
    • HOUVE UM TEMPO EM QUE O SER HUMANO ERA O MAIS IMPORTANTE . E ISSO NÃO FAZ MUITO TEMPO.
    Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 19.
            • As cidades mais importantes do mundo, na maioria dos casos, nasceram na antigüidade ou, pelo menos, na época medieval. Suas ruas estavam concebidas para tráfego predominantemente de pedestres , mas, com o surgimento dos veículos automotores, foram reformadas para incorporar as novas funções e destino.
    Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 20. O APARECIMENTO DO AUTOMÓVEL TRANSFORMOU AS CIDADES, PRIORIZANDO O INDIVIDUAL EM DETRIMENTO DO COLETIVO. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 21.
    • História do Transporte nos EUA (GM)
    • 95% das pessoas utilizavam o TC (bondes e após ônibus) em 1900;
    • Sucateamento bondes/ônibus;
    • Mercado imobiliário (subúrbios);
    • Fabricação maciça de automóveis.
    • INVERSÃO DO MODELO (importado para o Brasil) ESTRADAS – SONHO AMERICANO;
    • Eleição de Presidente/Congresso para garantir recursos para estradas;
    • 5% das pessoas utilizam o TC um século após.
    Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 22.
    • O Governo Federal (WL, GV e JK) adotou o modelo norte-americano, GARANTINDO A CONSTRUÇÃO DE RODOVIAS como CONTRAPARTIDA à vinda de MONTADORAS , com os resultados conhecidos: CAOS NAS CIDADES.
    • E ISSO VAI PIORAR!!!!
    • CONGESTIONAMENTOS;
    • POLUIÇÃO;
    • DESTRUIÇÃO DO PATRIMÔNIO;
    • ACIDENTES.
    Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 23. DESIGUALDADE NOS ESPAÇOS PÚBLICOS Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 24.
    • Tratar de resolver os problemas de congestionamentos com mais infra-estrutura viária é como tratar de resolver a obesidade afrouxando-se o cinto!
    Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 25. O automóvel é ótimo, porém não funciona se todos quisermos utilizá-lo ao mesmo tempo nos horários de pico. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 26. A única solução é o transporte coletivo de qualidade, não apenas para os mais pobres, mas para toda a sociedade. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 27. Os governos devem se expressar de maneira clara: Os congestionamentos vão piorar. A opção inteligente é não construir vias para resolver congestionamentos nas horas/ pico. Os esforços e recursos devem concentrar-se em RESTRINGIR o uso do automóvel privado e melhorar o transporte público. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 28. O problema do transporte não é técnico mas sim político. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 29. 4. O VALOR DA TERRA
  • 30. $ $ $ $ $ $ DOTAÇÃO DE INFRA -ESTR UTURA Distribuição de investimentos públicos em infra-estrutura, equipamentos e serviços públicos: Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 31. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES $ $ $ $ $ $ $ $ REGULAÇÃO URBANÍSTICA Parâmetros de uso, ocupação e parcelamento do solo:
  • 32. As cidades vão crescendo e se transformando em função da ação cotidiana de inúmeras pessoas ou grupos , cada um com seus interesses. Ο A HISTÓRIA DAS CIDADES
  • 33. LOTES EDIFICADOS – Área Urbanizada / Regularizada / Praças / Parques / Institucionais VAZIO CADASTRAL – Quadras s/ edificação / Loteamentos Irregulares / Lotes Irregulares Ο SÃO LEOPOLDO 2006
  • 34. Ο SÃO LEOPOLDO 2011 TABELA DE ÁREAS MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO - RS     AREA EM M² AREA EM KM² AREA EM KM² % DO MUNICÍPIO % DA ÁREA URBANA AREA URBANA AREA MISTA 40312785,00 40,312785 70,049946 39,0709432 57,54863109 PRODUÇÃO (INDUSTRIAL) 12942849,00 12,942849 12,54414246 18,47660097 VAZIOS URBANOS 16794312,00 16,794312 16,27696053 23,97476795 AREA AMBIENTAL LESTE 6952872,00 6,952872 21,315648 6,738687664 0 OESTE 13368952,00 13,368952 12,95711929 0 SUL 993824,00 0,993824 0,963209093 0 INTERESSE AMBIENTAL E INSTITUCIONAL         AREA RURAL   6321715,00 6,321715 6,321715 6,126973557 0 EXPANSÃO URBANA   5491119,00 5,491119 5,491119 5,3219642 0               TOTAL   103178428,00 103,178428 103,178428 100 100
  • 35. Ο SÃO LEOPOLDO 2011 TABELA DE ÁREAS MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO - RS     ÁREA EM KM² % DO MUNICÍPIO % DA ÁREA URBANA ÁREA URBANA ÁREA MISTA 70,049946 39,0709432 57,54863109 PRODUÇÃO (INDUSTRIAL) 12,54414246 18,47660097 VAZIOS URBANOS 16,27696053 23,97476795
  • 36. Ο SÃO LEOPOLDO 2011 MOMENTO SÉRIO DE REFLEXÃO SOBRE O FUTURO!
  • 37. CAPÍTULO VI DA ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO E INTEGRAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL    V - Criar o banco de dados do Patrimônio Natural e Cultural;   VI - Elaborar o Inventário do Patrimônio Cultural e Histórico Municipal;   VII – Elaborar o Plano Municipal de Patrimônio Cultural, integrado ao Sistema Nacional de Cultura;   MINUTA DO BANCO DE DADOS PATRIMONIAL (UNISINOS E PREFEITURA) MINUTA DOS INCENTIVOS E COMPENSAÇÕES (UNISINOS E PREFEITURA)    VIII – Criar o Conselho Municipal de Patrimônio Cultural;   IX – Criar compensações, incentivos, captação de recursos e estímulos à preservação, através da implantação do Fundo Municipal de Patrimônio Cultural;   Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 38. Ο O PLANO DIRETOR 2011 CAPÍTULO VII DA ESTRATÉGIA DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE URBANA V - Criar o Plano Municipal de Transportes, Mobilidade e Acessibilidade Urbana , articulado com a Região; VIII - Consolidar a legislação municipal relativa ao sistema viário e sua hierarquização; LICITADO EM 29/09/2011 - CONTRATO 351/2011 – 18/10/2011 XI - Incentivar o desenvolvimento tecnológico e o uso de energias renováveis e não poluentes;
  • 39. Ο O PLANO DIRETOR 2011 Art. 30. A política de desenvolvimento do turismo visa colocar o Município no mapa turístico nacional, com os seguintes objetivos: I – Criar o Plano Municipal de Turismo; CRIAÇÃO DA SECRETARIA DO TURISMO E DESENVOLVIMENTOS DE PROJETOS PARA POTENCIALIZAR E ESTIMULAR GASTROMINA, LAZER NOTURNO, RELIGIOSIDADE, EVENTOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, TURISMO ECOLÓGICO. AQUISIÇÃO DO CENTRO DE EVENTOS.
  • 40. Ο O PLANO DIRETOR 2011 CAPÍTULO IX DA ESTRATÉGIA DA POLÍTICA DE SANEAMENTO, ENERGIA E COMUNICAÇÃO ● LEI MUNICIPAL 6.463/2007 – CÓDIGO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE ● LEI MUNICIPAL 6.494/2007 – POLÍTICA MUNICIPAL INTEGRADA DE SANEAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL. (REVISÃO)
  • 41. Ο O PLANO DIRETOR 2011 TÍTULO IV DO ORDENAMENTO TERRITORIAL CAPÍTULO I DO MACROZONEAMENTO Art. 40. A delimitar a Macrozona Urbana Art. 42. A delimitar a Macrozona Rural: Art. 43. A delimitar a Macrozona de Proteção Ambiental: DELIMIMITAÇÕES EXECUTADAS E GEOREFERENCIADAS.
  • 42. DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE INSTITUCIONAL E AMBIENTAL – AEIIA Art. 77. As Áreas Especiais de Interesse Institucional e Ambiental – AEIIA, são as áreas públicas ou privadas de uso institucional, tais como as destinadas à implantação de equipamentos de educação, esporte, lazer, recreação com características que exigem a compatibilização do uso com a proteção da flora, da fauna e dos demais elementos naturais. REGRAMENTO CONTRUÍDO PELA SEMMAM/SEPLAN § 1º. As novas AEIIA serão instituídas por lei municipal com definição de limites e regime urbanístico próprios. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 43.
    • COLÉGIO SÃO JOSÉ
    • SOCIEDADE ORPHEU
    • SOCIEDADE GINÁSTICA
    • INSTITUTO SINODAL
    • ÁREA DE TREINAMENTO DO 19 °. BIMTZ
    • SOCIEDADE CAÇA E TIRO
    • CASA ABERTA
    • ÁREA DO MUNICÍPIO – ARROIO DA MANTEIGA
    • ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL VISCONDE DE SÃO LEOPOLDO
    Ο O PLANO DIRETOR 2011 DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE INSTITUCIONAL E AMBIENTAL – AEIIA
  • 44. DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE AMBIENTAL - AEIA Art. 78. As Áreas Especiais de Interesse Ambiental – AEIA, são aquelas destinadas à proteção da flora e da fauna e à perpetuação e sustentabilidade do patrimônio natural, com características naturais diferenciadas que estruturam a paisagem ou constituem ecossistemas importantes, com repercussões em nível macro na cidade. REGRAMENTO CONTRUÍDO PELA SEMMAM/SEPLAN DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE INSTITUCIONAL - AEII Art. 79. As Áreas Especiais de Interesse Institucional – AEII, são aquelas públicas ou privadas destinadas à implantação de equipamentos urbanos e comunitários ou que são objeto de projetos governamentais que, por sua característica, devem ser objeto de regime urbanístico próprio, tais como: REGRAMENTO CONTRUÍDO PELA SEMMAM/SEPLAN Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 45.
    • MATINHO DO Pe. REUS
    • MATA DO DANIEL
    • HORTO FLORESTAL
    • DIQUES DE PROTEÇÃO CONTRA CHEIAS
    • ÁREAS ENTRE OS DIQUES E A CALHA PRINCIPAL DO RIO DOS SINOS
    • FRAGMENTOS DE MATA NATIVA DO BAIRRO PINHEIRO
    • ÁREA REMANESCENTE DO BANHADO DO STEIGLEDER
    • ÁREA DO LOTEAMENTO PADRE ORESTES
    • ÁREA DE COMPENSAÇÃO DA SL AMBIENTAL – BAIRRO ARROIO DA MANTEIGA
    • ÁREA PÚBLICA DA CAMPINA
    • ÁREA DA BASE ECOLÓGICA DO RIO VELHO
    • ÁREA DA RUA POTTENSTEIN
    • ÁREA INSTITUCIONAL DO JARDIM DAS ACÁCIAS
    Ο O PLANO DIRETOR 2011 DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE INSTITUCIONAL E AMBIENTAL – AEIIA
  • 46. SEÇÃO IV DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL – AEIS Art. 80. As Áreas Especiais de Interesse Social – AEIS, são aquelas destinadas à regularização fundiária, produção e manutenção de Habitação de Interesse Social, com normas especiais, nos termos da Lei Municipal n° 5.984, de 26 de junho de 2006, alterada pela Lei Municipal n° 6.072, de 23 de outubro de 2006, compreendendo as seguintes situações: I - AEIS I – regularização de assentamentos auto produzidos por população de baixa renda em áreas públicas ou privadas, aplicando-se o Direito de Superfície, a Concessão do Direito Real de Uso e/ou a Concessão Especial para fins de Moradia, individual ou coletiva, quando se tratar de bens públicos municipais, e o usucapião especial coletivo ou individual quando se tratar de área privada; II - AEIS II - regularização de loteamentos públicos ou privados irregulares ou clandestinos que atendam às condições de habitabilidade. III - AEIS III – para produção de Habitação de Interesse Social, com interveniência do Poder Público em imóveis não-edificados, subutilizados, localizados na Macrozona Urbana. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 47. Art. 81. A instituição de AEIS I e II pelo Executivo municipal será de oficio, por solicitação dos beneficiários ou do empreendedor. § 1º. As áreas instituídas como AEIS I e II integrarão os programas de regularização fundiária e urbanística, com o objetivo da manutenção e regularização de Habitação de Interesse Social, sem a remoção dos moradores, exceção feita às moradias em situação de risco e em casos de excedentes populacionais. § 2º. A instituição de AEIS I e II, regime urbanístico, padrões de parcelamento do solo e delimitação do perímetro serão definidos por decreto do Executivo Municipal. REGRAMENTO POR DECRETO (CASO A CASO ATRAVÉS DE E.V.U.). Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 48. Ο O PLANO DIRETOR 2011 Art. 82. A instituição de AEIS III, por lei municipal específica, deverá ocorrer por iniciativa do Poder Executivo, de oficio, por solicitação dos beneficiários ou do empreendedor. REGRAMENTO POR LEI MUNICIPAL SEMHAB - PARA TODOS OS CASOS. USO MISTO, PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL, COM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE CARACTERÍSTICAS LOCAIS. ÁREA MÍNIMA DE LOTE= 102,00m2 (6,00x17,00). VIA MÍNIMA = 12,00m. TO = 75% IA = PLANO DIRETOR VIGENTE. H MÁXIMA = 9,00m.
  • 49. SEÇÃO V DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE DE ATIVIDADES DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA - AEIATI Art. 84. As Áreas Especiais de Interesse de Atividades de Tecnologia e Informática – AEIATI, são aquelas áreas públicas ou privadas destinadas ao uso prioritário de atividades de Tecnologia e Informática, transformando-as em Atividades de Base Tecnológica, ampliando as atividades relacionadas à nutrição e saúde. § 1º . Entende-se por atividades de tecnologia e informática todas aquelas que envolvam: consultoria, treinamento, desenvolvimento e pesquisa de sistemas, construção e montagem de equipamentos de informática. § 2º. As novas AEIATI serão instituídas por lei municipal com definição de limites e regime urbanístico próprios. LEI MUNICIPAL 7.162/2010. ÁREAS CONSOLIDADAS OK / EXISTE A INTENÇÃO DE PERMUTA DA ÁREA DO HORTO FLORESTAL (ESTADO) POR ÁREA MUNICIPAL. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 50. SEÇÃO VI DAS ÁREAS ESPECIAIS DE INTERESSE CULTURAL – AEIC Art. 85. As Áreas Especiais de Interesse Cultural – AEIC, são aquelas áreas públicas ou privadas que apresentam ocorrência de patrimônio cultural que deve ser preservado, revitalizado ou reciclado a fim de evitar a deterioração, a perda ou o desaparecimento das características que lhe conferem peculiaridade. § 1°. As novas construções, reformas, demolições, serviços, nos prédios e equipamentos, assim como quaisquer intervenções na área definida como entorno do bem tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico do Estado do Rio Grande do Sul - IPHAE, deverão ter prévia autorização deste órgão. § 2°. As novas AEIC serão instituídas por lei municipal com definição de limites e regime urbanístico próprios. COMPLEMENTANDO A PARCERIA MUNICÍPIO/UNISINOS COM O LEVANTAMENTO DAS ÁREAS ATUAIS E POSSÍVEIS NOVAS ÁREAS. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 51. Ο O PLANO DIRETOR 2011 1. PROJETO DE LEI QUE ESTABELECE A CRIAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE INCENTIVO AO PATRIMÔNIO CULTURAL DO MUNICÍPIO. 2. PROJETO DE LEI QUE CRIA DISPOSITIVOS DE INCENTIVO FISCAL À PRESERVAÇÃO DAS EDIFICAÇÔES IDENTIFICADAS COMO PATRIMÔNIO CULTURAL DO MUNICÍPIO (TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR). 3. PROJETO DE LEI QUE DISPÕE SOBRE MANUTENÇÃO/INTERVENÇÃO, ALIENAÇÃO E INCENTIVOS VOLTADOS PARA OS BENS IMÓVEIS QUE COMPÕEM O ACERVO HISTÓRICO-CULTURAL-PATRIMONIAL DO MUNICÍPIO. 4. PROJETO DE LEI DE CRIAÇÃO DO SOLO CRIADO. 5. PROJETO DE LEI PARA RESTAURAÇÃO E EQUIPAMENTO DO MUSEU DO RIO DOS SINOS.
  • 52. TÍTULO V DO USO, OCUPAÇÃO, PARCELAMENTO DO SOLO E REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL CAPÍTULO I DOS USOS SEÇÃO II DOS USOS GERADORES DE INTERFERÊNCIA NO TRÁFEGO Art. 92. Os parâmetros para enquadramento como uso gerador de interferência no tráfego e as exigências da análise técnica serão definidos por decreto municipal. LICITADO EM EDITAL EM 29/09/2011 - CONTRATO 351/2011 – PLANO DIRETOR DE MOBILIDADE URBANA - 18/10/2011. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 53. CAPÍTULO II DOS PARÂMETROS URBANÍSTICOS SECÃO II DO ÍNDICE DE APROVEITAMENTO b) Para edificações cujo projeto e efetiva execução adotem reaproveitamento de águas tanto de chuva como de reuso, será permitido um acréscimo ao índice de aproveitamento de dez por cento, sendo que o regramento do presente dispositivo se dará por decreto municipal; COMPLEMENTANDO INFORMAÇÕES (SEMELHANTE A LEI DE NOVO HAMBURGO, TENDO EM VISTA LEGISLAÇÃO DO VALE DO SINOS). Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 54. SEÇÃO III DA TAXA DE OCUPAÇÃO ART. 96. A Taxa de Ocupação, na Macrozona Urbana, para os usos abaixo é , de: § 1º. No quadrilátero compreendido pela Avenida Don João Becker Avenida Mauá, Avenida Frederico Wolfenbuttel, Avenida Theodomiro Porto da Fonseca, Avenida João Alberto e BR 116, independentemente do uso a Taxa de Ocupação será de 80%. PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA ÁREA DO QUADRILÁTERO PARA REGULAR O VALOR DA TERRA E AMPLIAR A DENSIDADE URBANA. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 55. SEÇÃO IV DA TAXA DE PERMEABILIDADE ART. 97 § 5º. A taxa de permeabilidade poderá ser reduzida em até cinqüenta por cento, desde que o proprietário implante técnica de retenção das águas pluviais, de acordo com a capacidade máxima do imóvel em absorver as águas pluviais, especificada em regulamento próprio. NORMATIVA INTERNA (FORA DO P.D.) ALTERAÇÃO PARA FACILITAR ESTACIONAMENTOS EM EDIFÍCIOS CRIAR PARÁGRAFO PARA VAGAS DE ESTACIONAMENTO Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 56. Art. 104. Os recuos laterais e de fundos, são estabelecidos em conformidade com o uso e pelo regramento abaixo: I - Residencial unifamiliar ou multifamiliar horizontal, para altura igual ou maior que sete metros utiliza-se a fórmula R = H/6 + 2, a partir do segundo pavimento; II - Residencial multifamiliar vertical , para altura maior que sete metros e menor que doze metros utiliza-se a fórmula R = H/8 + 2, exceto nos casos previstos no incisos I, II, III, IV, VI, VII e VIII do artigo 95, que se regerá pela fórmula R = H/12 + 1,5, ambos a partir do segundo; III - Residencial multifamiliar vertical, para altura igual ou maior que doze metros utiliza-se a fórmula R = H/8 + 1,5, exceto nos casos previstos no incisos I, II, III, IV, VI, VII e VIII do artigo 95, que se regerá pela fórmula R = H/12 + 1,5, ambos a partir do quarto pavimento; IV – Não residencial ou misto , para altura menor ou igual a oito metros utiliza-se a fórmula R = H/12 + 1,5, a partir do segundo pavimento; V - Industrial utiliza-se a fórmula R= H/8 + 1,5; ● MUDANÇA DO ÍNCISO VI, IGUALANDO-O AO II ● REGRAMENTO DA DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE PRÉDIOS. ● ACRESCENTAR POSSIBILIDADE DE ISENÇÃO DE RECUOS LATERAIS ATÉ O 5 °. PAVIMENTO PARA EDIFICAÇÃO DE ESTACIONAMENTOS. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 57. CAPITULO II DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Art. 154. O Poder Público Municipal poderá exercer o direito de preempção para aquisição de imóvel urbano, objeto de alienação onerosa entre particulares, conforme disposto nos artigos 25, 26 e 27 da Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Art. 155. Lei Municipal específica delimitará as áreas em que incidirá o direito de preempção, fundamentando a delimitação de cada área em uma ou mais das finalidades previstas no artigo anterior. ELABORAÇÃO DE PROPOSIÇÃO PELA SEPLAN. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 58. CAPITULO III DA OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E DA ALTERAÇÃO DO USO Art. 164. O Município poderá outorgar onerosamente o exercício do direito de construir e de alteração de uso do solo, mediante contrapartida financeira a ser prestada pelo beneficiário, conforme disposto nos artigos 28 a 31 da Lei Federal n° 10.257, de 10 de julho de 2001 – Estatuto da Cidade e de acordo com os critérios e procedimentos definidos em lei municipal específica. PROPOSTA DE LEI DO SOLO CRIADO (BANCO DE ÍNDICES). Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 59. CAPITULO IV DA TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR Art. 167. Lei municipal, baseada no Plano Diretor, estabelecerá as condições relativas à aplicação do presente instrumento, bem como poderá autorizar o proprietário de imóvel urbano, privado ou público, a exercer em outro local, ou alienar, mediante escritura pública, o direito de construir previsto no Plano Diretor ou em legislação urbanística dele decorrente, quando o referido imóvel for considerado necessário para fins de: I – Implantação de equipamentos urbanos e comunitários; II – Preservação, quando o imóvel for considerado de interesse histórico, ambiental, paisagístico, social ou cultural; III – Servir a programas de regularização fundiária, urbanização de áreas ocupadas por população de baixa renda e habitação de interesse social. Parágrafo Único. A mesma faculdade poderá ser concedida ao proprietário que doar ao Município seu imóvel, ou parte dele, para os fins previstos nos incisos I a III do caput. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 60. CAPÍTULO VIII DO CONSÓRCIO IMOBILIÁRIO Art. 174. O Poder Executivo Municipal poderá facultar ao proprietário do imóvel o requerimento para o estabelecimento do Consórcio Imobiliário, como forma de viabilizar a urbanização, edificação ou recuperação ambiental do imóvel. Art. 176. As condições para execução do consórcio imobiliário serão fixadas por lei municipal e contrato firmado entre as partes envolvidas, contendo, no mínimo: I - Interesse público para aplicação do instrumento, com descrição das melhorias que serão executadas, o valor do imóvel, índices e critérios utilizados para a avaliação do empreendimento, bem como da repartição e descrição das partes correspondentes ao Poder Executivo Municipal e ao proprietário do imóvel após a urbanização; II - Destinação que será dada a parcela do imóvel que passará a ser de propriedade pública; III - Projeto de urbanização e/ou edificação da área; IV - Cronograma físico-financeiro das obras. Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 61.
    • TITULO VIII
    • DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS
    • Art. 201. Os planos municipais, a Lei do Parcelamento do Solo, a Lei do Código de Obras, a Lei do Código de Posturas, Lei do Código de Responsabilidade Ambiental, são complementares a este Plano Diretor e deverão ser revistas e encaminhados ao Legislativo Municipal no prazo máximo de trezentos e sessenta dias contados a partir de sua vigência.
    • TABELA SISTEMA VIÁRIO = ATUALIZAÇÃO SEPLAN.
    • USOS E ATIVIDADES/INCOMODIDADES – DETALHAMENTO SEPLAN/SEMEDES.
    • EIV – NOVO REGRAMENTO ATRAVÉS DE LEI ESPECÍFICA.
    • LEI 7. 236 – REGULAMENTA O FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO.
    • LEI 7.737 – CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO.
    Ο O PLANO DIRETOR 2011
  • 62. OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Arquiteto e Urbanista Edson Marchioro [email_address]

×