Your SlideShare is downloading. ×
0
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Empregado DoméStico, Diarista E Direitos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Empregado DoméStico, Diarista E Direitos

2,817

Published on

Opinião pessoal do autor a respeito da conceituação de empregado doméstico, diarista e os direitos do empregado doméstico.

Opinião pessoal do autor a respeito da conceituação de empregado doméstico, diarista e os direitos do empregado doméstico.

Published in: Career
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,817
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Empregado doméstico, diarista e direitos<br />José Augusto de Lima Prestes<br />
  • 2. Avisos<br />Esta apresentação não é um parecer jurídico. Dúvidas devem ser objeto de discussão do leitor com um advogado da sua confiança.<br />Esta apresentação foi elaborada sem qualquer intento lucrativo, única e exclusivamente visando divulgar, entre amigos, colegas e conhecidos, o entendimento pessoal do autor a respeito da legislação e da jurisprudência pertinentes às relações de trabalho entre empregados domésticos e seus empregadores.<br />Todo o conteúdo desta apresentação está licenciado de acordo com os termos da licença “Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela Mesma Licença 2.5 Brasil”, da CreativeCommons. Mais informações podem ser encontradas em http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/.<br />Esta apresentação e seu conteúdo devem ser utilizados única e exclusivamente em conformidade com a licença indicada acima.<br />
  • 3. Introdução e definições<br />A relação existente entre um empregado doméstico e um diarista com o contratante dos serviços é completamente diferente:<br />O doméstico é um empregado, portanto, sujeito a uma legislação específica (Lei Federal nº. 5.859/72) e, no que lhe couber, a CLT;<br />O diarista é um prestador de serviços autônomo, subordinado ao regime civil de prestação de serviços (Código Civil e demais normas aplicáveis).<br />
  • 4. Definição legal do empregado doméstico<br />De acordo com o artigo 1º da lei mencionada, empregado doméstico é “...aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família no âmbito residencial destas...”. Vamos tratar cada termo em separado:<br />Serviços de natureza contínua: significa que o empregado realiza, constantemente, um certo serviço a uma mesma pessoa ou família;<br />Finalidade não lucrativa: por conta do serviço prestado, a pessoa ou família não aufere lucro diretamente;<br />À pessoa ou à família no âmbito residencial destas: limita a prestação dos serviços à residência da pessoa ou da entidade familiar que contratou.<br />
  • 5. Como a jurisprudência entende<br />O Tribunal Superior do Trabalho – TST, instância máxima para decidir sobre assuntos de natureza trabalhista, tem analisado principalmente a quantidade de dias que a pessoa presta os serviços: se ficar comprovada a continuidade, entende tratar-se de empregado doméstico; do contrário, diarista.<br />Não se pode falar em regras e nem em parâmetros fixos para esse tipo de situação, mas numa decisão proferida em 2008, o TST reforçou que “...no caso de diarista doméstica, que labore apenas uma ou duas vezes por semana em residência, não se vislumbra o vínculo de emprego, mas apenas prestação de serviços, que, inclusive, seria paga após o dia de trabalho.” [RR - 1594/2002-034-15-00 (DJ - 25/04/2008)]<br />
  • 6. Definição legal do diarista<br />Não há uma definição legal de diarista, contrariamente do que ocorre com o empregado doméstico.<br />Sendo um prestador de serviços, autônomo e independente do contratante, de acordo com os princípios e normas do Direito Civil, o diarista, portanto, como o próprio nome diz, pode ser entendido como o profissional que executa as suas atividades a alguém e recebe um pagamento no momento da sua conclusão, sem qualquer vínculo ou obrigação de continuidade com o tomador dos seus serviços.<br />
  • 7. Como a jurisprudência entende<br />Novamente de acordo com o TST:<br />“O diarista presta serviços e recebe no mesmo dia a remuneração, geralmente superior àquilo que receberia se trabalhasse continuamente para o mesmo empregador, pois nela estão englobados e pagos diretamente ao trabalhador os encargos sociais que seriam recolhidos a terceiros. Se não quiser mais prestar serviços para este ou aquele tomador, não precisará avisá-lo com antecedência ou submeter-se a nenhuma formalidade, já que é de sua conveniência, pela flexibilidade de que goza, não manter um vínculo estável e permanente com um único empregador, pois mantém variadas fontes de renda provenientes de vários postos de serviços que mantém.” [RR-776.500/2001.7 (DJ - 02/04/2004)]<br />
  • 8. Conclusão<br />Portanto, para que uma pessoa seja considerada empregado doméstico, é necessário que:<br />Preste serviços continuamente a uma pessoa ou família;<br />Os serviços prestados não sirvam para que essa pessoa ou família, diretamente, possa auferir lucro;<br />Os serviços sejam prestados na residência da pessoa ou família; e<br />Por conta do entendimento jurisprudencial, os serviços sejam prestados pelo menos 3 dias na semana.<br />Demais situações, de acordo com as suas características, podem representar caso de diarista, e não de empregado doméstico.<br />
  • 9. Direitos do empregado doméstico 1/2<br />Por força da Constituição Federal de 1988, o empregado doméstico possui os seguintes direitos:<br />Receber, pelo menos, um salário mínimo pelos serviços prestados (atualmente, R$ 465,00);<br />Garantia de salário irredutível, salvo se diferentemente negociado em acordo coletivo ou convenção coletiva de trabalho;<br />13º salário, calculado com base no valor do salário integral ou valor percebido da aposentadoria;<br />Descanso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos;<br />A cada ano, férias remuneradas de 30 dias, devendo receber o salário integral do período e, pelo menos, adicional de 1/3 do valor;<br />Licença-maternidade de 120 dias;<br />Licença-paternidade de 5 dias;<br />Aviso prévio proporcional, não inferior a 30 dias; e<br />Aposentadoria.<br />
  • 10. Direitos do empregado doméstico 2/2<br />Por força da Lei Federal nº. 5.859/72, o empregado doméstico possui os seguintes direitos:<br />Não ter descontados do seu salário valores referentes a alimentação, vestuário, higiene ou moradia (salvo quando a residência for local diverso do da prestação dos serviços e as partes acordarem quanto a isso, por escrito e expressamente);<br />Férias anuais remuneradas de 30 dias, com acréscimo mínimo de 1/3 do salário, a cada período de 12 meses de trabalho prestado à mesma pessoa ou família (ou seja, pode ocorrer de o empregado gozar férias diferentes vezes ao longo do ano, se trabalhar para mais de uma pessoa ou família);<br />Participar do regime da Previdência Social, como segurado obrigatório;<br />Emprego protegido contra a dispensa arbitrária ou sem justa causa no caso de empregada doméstica gestante, desde a confirmação da gravidez até 5 meses após o parto; e<br />Quando dispensado sem justa causa, direito ao seguro-desemprego no valor de um salário mínimo, por um período máximo de três meses, de forma contínua ou alternada.<br />
  • 11. Referências<br />Legais:<br />Constituição Federal de 1988;<br />Consolidação das Leis do Trabalho – CLT;<br />Lei Federal nº. 5.859/72;<br />Decreto Federal nº. 3.361/00.<br />Jurisprudenciais:<br />TST - AIRR - 2693/2006-035-12-40.1;<br />TST – RR – 2111/2006-006-18-00;<br />TST – RR – 1594/2002-034-15-00;<br />TST – RR – 776.500/2001.7.<br />

×