Sobre Felicidade e Milionários
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Sobre Felicidade e Milionários

on

  • 2,296 views

Homem sonhava com a riqueza porém....

Homem sonhava com a riqueza porém....

Statistics

Views

Total Views
2,296
Views on SlideShare
2,293
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
58
Comments
0

2 Embeds 3

http://marcosfarias.meubox.com.br 2
http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sobre Felicidade e Milionários Presentation Transcript

  • 1. SOBRE FELICIDADE E MILIONÁRIOS
  • 2. “ D inheiro não traz felicidade” , diz o provérbio popular. E os ambiciosos imediatamente completam: “não traz felicidade mas ajuda um bocado”.
  • 3. Será mesmo? Vamos ler uma pequena história sobre isso
  • 4. Marcelo vivia sonhando com a fortuna. Todas as semanas separava o dinheiro e passava na lotérica para fazer um jogo.
  • 5. À noite, no barraco pobre, fazia planos para quando se tornasse milionário
  • 6. “ Ah” – pensava ele – “serei um dos felizes da Terra”. Imaginava mansões, carros, roupas elegantes, amigos risonhos. Enfim, uma vida de conforto e alegria.
  • 7. Pela manhã, encaminhava-se para o trabalho, com o bilhete no bolso da calça surrada. O coração palpitava e as mãos tremiam levemente antes de checar o resultado.
  • 8. Negativo! Conferia mais duas ou três vezes e, enfim, descartava o papel, desconsolado. E nessa hora sempre lembrava de Anette.
  • 9. Amava Anette há muito tempo. A moça gostava dele, mas não queria se casar com um pobretão.
  • 10. Os dias passaram. Numa tarde calorenta, um carro caríssimo estacionou diante da casa de Anette.
  • 11. Um homem elegante desceu. Dirigiu-se à moça e entregou-lhe um pequeno pacote. Ela abriu. A jóia a deixou sem fala.
  • 12. Olhou para o homem. Era Marcelo. Havia acertado os números da loteria. Estava rico. Casaram-se. E foram felizes nos primeiros tempos.
  • 13. Décadas depois, Marcelo trazia a alma em frangalhos. Anette tornara-se gastadora, fútil.
  • 14. Nada detinha sua ânsia por perfumes, festas, roupas, bolsas, viagens, sapatos.
  • 15. Os filhos criaram-se educados por babás e professores. Agora adolescentes, passavam noites em boates, consumindo bebidas e drogas, rodeados de amigos irresponsáveis .
  • 16. Mimados, não respeitavam ninguém, zombavam de tudo, riam-se das coisas sagradas.
  • 17. A casa tinha cercas elétricas, alarmes, câmeras, cães ferozes e vigias. Os carros eram blindados. Quanta solidão !
  • 18. Os dias se passavam frios, sem objetivos nobres. Não. Definitivamente, Marcelo não era feliz.
  • 19. Observava a esposa e os filhos desfrutando a riqueza, mas levando uma vida vazia.
  • 20. A história de Marcelo é mais comum do que se imagina.
  • 21. Quantas vezes colocamos a razão de nossa felicidade em valores como dinheiro e bens materiais!
  • 22. O dinheiro é bom quando bem utilizado, quando direcionado para coisas úteis, para o bem ou para a solidariedade.
  • 23. Do contrário, ele apenas serve para uma vida repleta de prazeres, mas sem qualquer significado mais profundo.
  • 24. Observe o que nos revela a vida dos milionários. Será apenas o que aparece nas revistas de celebridades?
  • 25. Será uma existência feita apenas de alegrias? Certamente que não.
  • 26. Um olhar mais atento ao noticiário desvela a dor que visita os ricos. A morte também chega para eles e para seus parentes...
  • 27. Divórcios, escândalos, abandonos, miséria moral, depressão e infelicidade estão presentes em toda parte.
  • 28. Isso sem falar nos que vivem aprisionados em suas casas, reféns do dinheiro, com medo de assaltos
  • 29. Será isso uma vida boa? Vale a pena trocar a tranqüilidade de uma vida simples pelo conforto que custa a paz íntima?
  • 30. E o que dizer dos que perderam a própria vida por causa de dinheiro?
  • 31. Os que foram mortos pelos próprios filhos ou parceiros por causa de heranças? Ou os que foram enganados pelos amigos em quem confiavam?
  • 32. Será este o nosso ideal de vida? Valerá a pena? Certamente que não.
  • 33. Não há riqueza que possa pagar por sentimentos reais, pelas pequenas alegrias da família.
  • 34. Não. A felicidade, definitivamente, não está no dinheiro.
  • 35. Ela está, gloriosa, na consciência tranqüila, nos pequenos prazeres que são fruto do amor, numa vida feita de trabalho e de sonhos.
  • 36. PENSEMOS NISSO!!! Fonte: Site” Momento Espírita” Formatação: jairowildgen2@hotmail.com