• Save
Acessibilidade em produtos digitais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Acessibilidade em produtos digitais

  • 2,877 views
Uploaded on

Considerações sobre a conceção de produtos digitais com acessibilidade....

Considerações sobre a conceção de produtos digitais com acessibilidade.
Porquê e como promover a acessibilidade.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,877
On Slideshare
2,035
From Embeds
842
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
2

Embeds 842

http://cc-crie.dte.ua.pt 813
https://mj89sp3sau2k7lj1eg3k40hkeppguj6j-a-sites-opensocial.googleusercontent.com 29

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Acessibilidade em produtos digitais
    Jaime Ribeiro
    Abril de 2010
  • 2. O que é acessibilidade?
    Para que serve a acessibilidade?
    Porquê falar de acessibilidade?
  • 3. Panorama nacional (2001)
    O número de pessoas com deficiência recenseadas em 12 de Março de 2001 cifrou-se em 634 408, das quais 333 911 eram homens e 300 497 eram mulheres, representando 6,1% da população residente (6,7% da população masculina e 5,6% da feminina).
  • 4. Imaginem que….
  • 5. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Deficiência Visual
    Baixa visão
    Cegueira
    Problemas Perceptivos
  • 6. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Era capaz de trabalhar assim?
    Ou sem ecrã?
  • 7. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Deficiência motora
    Amputados
    Incapacidade temporária

  • 8. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Deficiência Motora
    Paralisia Cerebral
    Traumatismos Crâneo-encefálicos
    Traumatismos vertebro-medulares
  • 9. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Deficiências cognitivas
    Atraso intelectual
    Défice de atenção

  • 10. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Idosos
  • 11. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Crianças
  • 12. Acessibilidade nas TIC para quem?
    Baixa literacia digital
    Receio das tecnologias
  • 13. Acessibilidade é uma característica do ambiente ou de um objeto que permite a qualquer pessoa estabelecer um relacionamento com esse ambiente ou objeto, e utilizá-los de uma forma amigável, cuidada e segura.
    Conceito Europeu de Acessibilidade - Relatório do Grupo de Peritos criado pela Comissão Europeia - 2003
  • 14. Acessibilidade digital
    A acessibilidade digital é a capacidade de um produto ser flexível o suficiente para atender às necessidades e preferências do maior número possível de pessoas, além de ser compatível com tecnologias de apoio usadas por pessoas com necessidades especiais.
  • 15. Acessibilidade na Web
    Acessibilidade na Web significa que qualquer pessoa, utilizando qualquer tipo de tecnologia de navegação - navegadores gráficos, textuais, especiais para sistemas de computação móvel, etc. - deve ser capaz de visitar e interagir com qualquer site, compreendendo inteiramente as informações nele apresentadas
  • 16. Acessibilidade
    • Acessibilidade diz respeito a locais, produtos, serviços ou informações efetivamente disponíveis ao maior número e variedade possível de pessoas, independente de suas capacidades físico-motoras, perceptivas, culturais e sociais;
    • 17. Acesso ao computador sem rato, acesso ao computador sem teclado, acesso ao computador sem monitor, acesso ao computador sem áudio;
    • 18. W3C (World Wide Web Consortium), WAI (Web Accessibility Initiative), WCAG (Web Content Accessibility Guidelines) 1.0 e 2.0
  • Limitações mais frequentes e estratégias de acessibilidade mais comuns
  • 19. Produto de ApoioAjuda Técnica/Tecnologia de Apoio
    Entende-se por tecnologias de apoio os dispositivos facilitadores que se destinam a melhorar a funcionalidade e a reduzir a incapacidade do aluno, tendo como impacte permitir o desempenho de atividades e a participação nos domínios da aprendizagem e da vida profissional e social
    (Artigo 22.º, Decreto-Lei n.º3/2008 de 7 de Janeiro, Diário da República, 1.ª Série, N.º 4, 159:5)”
  • 20. Tecnologias de Apoio
    Permitem:
    Compensar ou substituir funções
    Acesso ao currículo
    Novas formas de comunicar
    Novas formas de participar
    Promoção da autonomia
    Aproveitamento de competências residuais
    Personalizáveis
    Transformam o computador num aliado, numa ferramenta de inclusão
    Derrube de obstáculos
  • 21. Formas de acesso ao computador
    Acesso indirecto
    Através da técnica de varrimento, o computador aponta sequencialmente um conjunto de itens que o utilizador selecciona, usando normalmente um manípulo.
    Varrimento
    Acesso directo
    O utilizador acede aos periféricos para controlar o computador ou introduzir dados.
    Dispositivo apontador
    Teclado
    Impressora
  • 24. Tecnologias de acesso ao computador
    Hardware
    Exemplo
    Periféricos de entrada e de saída adaptados
    Software
    Exemplo
    Programas de ampliação de ecrã
    Sintetizadores de fala
    Hardware+Software
    Exemplo
    - Manípulo (Switch) com programa de varrimento
    - Linha Braille
  • 25. Formas de acesso
    Selecção Directa
    Seleção Indirecta - Varrimento
    Electrónico:
    22
  • 29. Acesso directo
    Teclados
    Ponteiros
    Teclados aumentados
    Grelhas/colmeias de teclado
    Teclado de conceitos
    Teclados reduzidos
    Teclados ergonómicos
    Teclar com o pé
  • 30. Acesso directo
    Braille (entrada e saída)+Software de Leitura de ecrã
    Impressora Braille
    Linha Braille
    Teclado com etiquetagem Braille
    Impressora Braille e relevo
    Impressora de relevo
    MountbattenBrailler
  • 31. Acesso directo
    Síntese de voz (saída)+Software de Leitura de ecrã (texto para fala)
    Fala para texto (ainda não totalmente implementada em português)
    Legendagem de ficheiros com som
  • 32. Acesso directo
    Alternativas ao Rato
    Waferswitch
    Rato com pega de joystick
    Joysticks
    TrackBall
    Sistema com ponteiro óptico
    Dispositivo apontador através
    de movimentos dos olhos
    Ecrã táctil/adaptação para conversão em ecrã táctil
    Dispositivo apontador através
    de movimentos de cabeça
  • 33. Acesso indirectoManípulos/Comutadores/Switch
    Funcionam integrados com software e interface
  • 34. Acesso indirectoManípulos/Comutadores/switches
    Switch elástico (ribbon)
    Switch de pressão
    Switch de preensão (grasp)
    Switch de sopro-sucção
    Switch com sensor de infravermelhos
    Switch de posição
    Switch de queixo
    Switch de fio - puxar
    Switch de som
    Slim Armstrong - Braço articulado
  • 35. Acessibilidade do Sistema Operativo
  • 36. Desenho universal
    Visa a concepção de objectos, equipamentos e estruturas do meio físico destinados a ser utilizados pela generalidade das pessoas, sem recurso a projectos adaptados ou especializados, e o seu objectivo é o de simplificar a vida de todos, qualquer que seja a idade, estatura ou capacidade, tornando os produtos, estruturas, a comunicação/informação e o meio edificado utilizáveis pelo maior número de pessoas possível, a baixo custo ou sem custos extras, para que todas as pessoas e não só as que têm necessidades especiais, mesmo que temporárias, possam integrar-se totalmente numa sociedade inclusiva.
  • 37. 7 princípios básicos do Desenho Universal
    Utilização equitativa: pode ser utilizado por qualquer grupo de utilizadores;
    Flexibilidade de utilização: Engloba uma gama extensa de preferências e capacidades individuais;
    Utilização simples e intuitiva: fácil de compreender, independentemente da experiência do utilizador, dos seus conhecimentos, aptidões linguísticas ou nível de concentração;
    Informação perceptível: Fornece eficazmente ao utilizador a informação necessária, qualquer que sejam as condições ambientais/físicas existentes ou as capacidades sensoriais do utilizador;
    Tolerância ao erro: minimiza riscos e consequências negativas decorrentes de ações acidentais ou involuntárias;
    Esforço mínimo: pode ser utilizado de forma eficaz e confortável com um mínimo de fadiga;
    Dimensão e espaço de abordagem e de utilização: Espaço e dimensão adequada para a abordagem, manuseamento e utilização, independentemente da estatura, mobilidade ou postura do utilizador.
  • 38. 1. Uso equitativo
    São espaços, objectos e produtos que podem ser utilizados por pessoas com
    diferentes capacidades, tornando os
    ambientes iguais para todos.
    Portas com sensores que se abrem sem exigir força física ou alcance das mãos de usuários de alturas variadas.
    Estabelece que os produtos sejam úteis e vendáveis a pessoas com diversas capacidades proporcionando a mesma forma de utilização a todas elas;
  • 39. 2. Flexibilidade no uso
    Design de produtos ou espaços que se ajustam a pessoas com diferentes habilidades e diversas preferências, sendo adaptáveis para qualquer uso.
    Computador com teclado e mouse ou com programa do tipo”Dosvox”
    Tesoura que se adapta a
    destros e canhotos.
    Deve respeitar uma ampla gama de indivíduos, preferências, habilidades e capacidades individuais, possibilitando que se escolha a forma de utilização mais adequada;
  • 40. 3.Uso simples e intuitivo
    De fácil entendimento para que uma pessoa possa compreender, independente de sua experiência, conhecimento, habilidades de linguagem, ou nível de concentração.
    O uso do design deve ser de fácil compreensão independente da experiência, conhecimento do idioma, nível de formação ou da capacidade de concentração do utilizador .
  • 41. 4.Informação perceptível
    Quando a informação necessária é transmitida de forma a atender as necessidades do receptador, seja ela uma pessoa estrangeira, com dificuldade de visão ou audição.
    Estabelece que a comunicação da informação seja eficaz,  através de diferentes modos (pictográfico, verbal ou táctil) para que satisfaça todos;
    Fornece eficazmente ao utilizador a informação necessária, qualquer que sejam as condições ambientais/físicas existentes ou as capacidades sensoriais do utilizador
  • 42. 5.Tolerância ao erro
    Previsto para minimizar os riscos e possíveis consequências de acções acidentais ou não intencionais.
    Elevadores com sensores em diversas alturas que permitam às
    pessoas entrarem sem riscos de a porta ser fechada no meio do
    procedimento e escadas e rampas com corrimão.
    tolerante = que tolera, perdoa.
    Sensibilizado ao erro.
    Determina que se minimize riscos e reacções adversas no caso de acidentes;
  • 43. 6.Baixo esforço físico
    Maçanetas tipo alavanca, que são de fácil utilização,
    podendo ser accionada até com o cotovelo. Esse tipo de
    equipamento facilita a abertura de portas no caso de
    incêndios, não sendo necessário girar a mão
    Para ser usado eficientemente, com conforto e com o mínimo de fadiga.
    Estabelece que os produtos possam ser usados eficiente e confortavelmente com o mínimo esforço, fadiga e operações repetitivas;
  • 44. 7. Tamanho e espaço para aproximação e uso
    Que estabelece dimensões e espaços apropriados para o acesso, o alcance, a manipulação e o uso, independentemente do tamanho do corpo (obesos, anões etc.), da postura ou mobilidade do usuário (pessoas em cadeira de rodas, com carrinhos de bebé, bengalas etc.).
    Poltronas para obesos em cinemas e
    teatros
    Determina que o tamanho e espaço para aproximação, alcance, manipulação e uso sejam adequados,  independente do tamanho do corpo, postura ou mobilidade.
    Banheiros com dimensões adequadas para pessoas em cadeira de rodas ou as que estão com
    bebês em seus carrinhos.
  • 45. O Desenho para Todos assume-se, assim, como instrumento privilegiado para a concretização da acessibilidade e, por extensão,de promoção da inclusão social.
  • 46. Universal Usability
    Acessibilidade
    Usabilidade
    Funcionalidade
  • 47. Níveis de prioridade WCAGna promoção da acessibilidade
    Nível de Prioridade 1: Exigências básicas de acessibilidade. Pontos em que os criadores e adaptadores de conteúdo Web devem satisfazer inteiramente. Se não cumpridas, grupos de utilizadores ficarão impossibilitados de aceder as informações do documento;
    Nível de Prioridade 2: Normas e recomendações de acessibilidade cuja implementação garante o acesso às informações do documento. Se não cumpridas, grupos de utilizadores terão dificuldades para navegar e aceder as informações do documento;
    Nível de Prioridade 3: Normas e recomendações de acessibilidade que sendo implementadas facilitarão o acesso aos documentos armazenados na Web. Se não cumpridas, grupos de utilizadores poderão encontrar dificuldades para aceder as informações dos documentos armazenados na Web.
    Lista de pontos de verificação dos níveis de prioridade WCAG
  • 48. Lista de Referência Rápida WCAG 2.0
  • 49. Acessibilidade aspectos a considerar
    Design compatível com diferentes navegadores e resoluções de ecrã
    Cumprimento da normativa WAI
    Navegação por teclado (navegação por tabs+ teclas de atalho)
    Ajuda para a navegação e compreensão de conteúdos
    Formatos alternativos de apresentação de uma mesma informação (redundância de informação);
    Eliminação de estímulos desnecessários;
    Contraste elevado entre fundo e elementos visuais;
    Configurações de acessibilidade que possibilitem ajustes para pessoas com diferentes restrições de acesso e participação;
    Compatibilidade com Tecnologias de Apoio para pessoas com deficiência.
  • 50. 9 Conselhos para a acessibilidade de um sítio Web (fonte: acessibilidade.net)
    Garanta que todas as imagens se encontram legendadas ou descritas com texto
    Esta medida é essencial para botões e ligações feitas com recurso a imagens. O leitor de ecrã utilizado por um cego irá ler o texto alternativo associado à imagem.
    Garanta que o tamanho do texto pode ser aumentado com as opções do seu navegador
    Esta facilidade é muito utilizada por pessoas idosas com algumas dificuldades visuais.
    Garanta que o comprimento do texto na página se ajusta ao tamanho da Janela
    Esta característica facilita a utilização de software de ampliação
    Garanta a identificação do campos dos formulários
    Coloque etiquetas em todos os campos do formulário identificando a sua funcionalidade. No caso do elemento que executa o envio dos dados do formulário ser uma imagem, não se esqueça de a legendar.
    Permita a ativação dos elementos da página através do teclado
    Pessoas com destreza reduzida ou com incapacidade de ver o cursor do ecrã têm dificuldade em usar um dispositivo apontador como o rato. O teclado pode ser a única alternativa.
  • 51. 9 Conselhos para a acessibilidade de um sítio Web
    Garanta que os textos das ligações sejam compreensíveis fora do contexto
    Use a tecla TAB para saltar de ligação em ligação numa página Web e leia em voz alta o respetivo texto. Um cego usa uma técnica semelhante para navegar recorrendo a um leitor com síntese de fala para substituir a falta de visão. Ligações compostas por "clique aqui" não são esclarecedoras para quem ouve apenas a informação das ligações. Do mesmo modo, se usar várias vezes o mesmo texto para compor ligações diferenciadas gera ambiguidade. As ligações podem ser legendadas com texto alternativo para evitar ambiguidades.
    Forneça uma forma simples para contactar o responsável
    O utilizador poderá comunicar-lhe as dificuldades que sente no acesso aos conteúdos do seu sítio. Facilite o feedback dos utilizadores.
    Utilize ferramentas e serviços automáticos de análise da acessibilidade
    Verifique as funcionalidades de acessibilidade do seu software de criação de conteúdos web
    Use ferramentas de avaliação automática.
    Checklist for Web Content Accessibility Guidelines
    Afixe o símbolo de acessibilidade na Web
    Utilize o Símbolo de Acessibilidade na Web para indicar que o seu sítio contém funcionalidades de acessibilidade para cidadãos com necessidades especiais, para diferentes ambientes, situações, equipamentos e navegadores.
  • 52. Alguns aspetos essenciais a considerar
    Design simples
    Designs simples são mais fáceis de usar e manter. Destacando elementos importantes e usando estruturas simples e de marcação, limpa e baseada em padrões.
    Design para adaptação
    Páginas da Web que se adaptam ao ambiente do utilizador e modificações do usuário. Criar páginas que se adaptam a diferentes condições, tais como texto ampliado ou larguras de janela diferente, mantendo a integridade do projeto.
    Privilegiar o HTML
    HTML é o melhor formato para usabilidade universal. Utilize PDF e Flash, só como uma alternativa ao HTML .
    Desenhar para acesso para teclado
    Alguns utilizadores usam apenas o teclado para navegação:
    Teclas de atalho dos browsers
    Teclas de atalho dos sites
    Teclas de atalho de tecnologias de apoio
  • 53. Alguns aspetos essenciais a considerar
    Imagem
    Fornecer equivalente textual para as imagens (Alt)
    Tabelas
    Leitura linear
    Legendas/labels (links, formulários)
    Indicar claramente
    Links
    Identificar claramente o destino de cada link (com legendas, alternativa “saiba mais”
    Evitar abrir novas janelas
    Se aparecer link para download de ficheiros utilizar função para travar a navegação
  • 54. Análise de acessibilidade
    Conformidade com normas W3C
    Ferramentas de avaliação Gratuitas
    Hera
    DaSilva
    Bobby
    TAW
    Cynthia Says
  • 55. Tarefa
    Abra o Internet Explorer
    Alt+D para aceder à barra de endereço
    Digite www.acessibilidade.net
    Com o TAB avance até
    Clique Enter
    Desligue o seu monitor e ligue as colunas
    Clique ALT+T para ler todo o texto ou
    ALT+L para ler links
    Utilize ALT+X para parar
  • 56. Vídeo - Acessibilidade Web: Custo ou Benefício?
    http://acessodigital.net/video/video_acesso_digital.wmv
  • 57. "O poder da Web está na sua universalidade. O acesso por todas as pessoas, não obstante a sua incapacidade, é um aspecto essencial." (Tim Berners-Lee - Diretor do W3C)
  • 58. “Acessibilidade na web é tornar todos os serviços, assuntos e publicações tão fáceis de serem utilizados por todas as pessoas, que até esqueceremos que há diferenças.”  (Carla Nascimento – frase vencedora do concurso “Jornadas de Conhecimento sobre Acessibilidade na Web”)
  • 59. +
    +
    Acessibilidade
    Web Standards
    Usabilidade
    Acessibilidade de Verdade!
    Fonte: Acesso Digital
  • 60. A chave
    Chegar a um maior número de pessoas
  • 61. Para explorarem
    Manual de Utilização dos Modelos de Páginas Acessíveis
    http://www.inf.pucrs.br/~infee/manual/
    Tutoriais de Acessibilidade Web
    http://www.acesso.umic.pt/tutor/index.htm
    Curso Acessibilidade
    http://internativa.com.br/curso/
    Acessibilidade.net
    http://www.acessibilidade.net/web/
    Acesso digital
    http://acessodigital.net/index.html
    Programa Acesso da UMIC
    http://www.acesso.umic.pt/
    Técnicas de acessibilidade
    http://internativa.com.br/curso/tecnicas-de-acessibilidade.ppt
    HTML com acessibilidade
    http://www.fundacaobradesco.org.br/vv-apostilas/cursoHTML/Sumario.htm
  • 62. Obrigado pela vossa atenção!