Calvinismo como uma força cultural

1,974 views

Published on

Missionário Presbiteriano formado no Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL), Casado com Denise Ávila. Atualmente estudando no Seminário Teológico "Rev. José Manuel da Conceição" em São Paulo - SP. E trabalhando como seminárista na Igreja Evangélica Suíça de São Paulo. www.igrejasuica.com.br Contato: sem.jailson@gmail.com

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,974
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
37
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Calvinismo como uma força cultural

  1. 1. Calvinismo como uma força cultural<br />Sem. Jailson Santos<br />www.jailsonipb.blogspot.com<br />
  2. 2. Calvinismo como uma força cultural<br />INTRODUÇÃO<br />O calvinismo não deve ser apenas como um conjunto de dogmas teológicos que teve influência no meio eclesiástico, mas que tem sido antes de tudo, uma filosofia de vida que tem afetado a sociedade e os indivíduo como um todo. <br />
  3. 3. Calvinismo como uma força cultural<br />INTRODUÇÃO<br />Segundo Kuypera visão calvinista foi fundamental para o avanço do desenvolvimento humano um estágio superior. Ele mostra que aonde o calvinismo chegou com grande força, produziu grandes sociedades. <br />KUYPER, Abraham. Calvinismo. São Paulo: Cultura Cristã, 2002. p. 119.<br /> <br />
  4. 4. Calvinismo como uma força cultural<br />INTRODUÇÃO<br />Calvino e o calvinismo ocupa seu lugar entre as maiores forças que moldaram nossa moderna sociedade Ocidental. <br />
  5. 5. Calvinismo como uma força cultural<br />Calvinismo e sua influência na cultura<br />AlisterMcGrath comenta o impacto de Calvino sobre o ocidente: “Calvino provou ser uma figura de extrema influência na história da Europa, mudando a perspectiva de indivíduos e instituições, no início da era moderna, à medida que a civilização começou a assumir sua forma característica.<br />MCGRATH, Alister E. A Vida de João Calvino, São Paulo: Cultura Cristã, 2004.<br />
  6. 6. Calvinismo como uma força cultural<br />Áreas de influência <br />Trabalho<br />Ciências naturais<br />Retórica<br />Economia <br />Social<br />
  7. 7. Calvinismo como uma força cultural<br />Atitudes positivas do Calvinismo para cultura<br />Calvino foi possui um grande domínio da cultura e sempre lutou pelo seu desenvolvimento. Ele encorajou e legitimou a busca pelo conhecimento da sabedoria do criador através das ciências naturais.<br />
  8. 8. Calvinismo como uma força cultural<br />Atitudes positivas do Calvinismo para cultura<br />O que há de bom na cultura <br />é vem de Deus.<br />...a própria verdade, onde quer que ela apareça, não a rejeitaremos...<br />CALVINO, As Institutas, Livro II. Cap2. §15.<br />Comum<br />
  9. 9. Calvinismo como uma força cultural<br />Atitudes positivas do Calvinismo para cultura<br />Segundo Rev. Hermisten“Calvino dispunha de uma visão ampla da cultura, entendendo que Deus é Senhor de todas as coisas; por isso, toda verdade é verdade de Deus”. <br />Hermisten Maia Pereira da.A reforma calvinista e a educação. Fides Reformata. v.13, n. 2, 2008. p. 34.<br /> <br />
  10. 10. Calvinismo como uma força cultural<br />Atitudes positivas do Calvinismo para cultura<br />“A visão teológica de Calvino permeada pela soberania de Deus, fez com que ele procurasse relacionar a aplicação desta soberania às diversas atividades culturais do ser humano”.<br />KUYPER, Abraham. Calvinismo. São Paulo: Cultura Cristã, 2002. p. 35.<br />
  11. 11. Calvinismo como uma força cultural<br />Atitudes positivas do Calvinismo para cultura<br />Para ele, elas eram fruto da graça comum de Deus e deveriam ser usadas para sua glória. <br />a dicotomia ou polarização delas com a teologia traria grandes prejuízos à sociedade<br />
  12. 12. Calvinismo como uma força cultural<br />Divino e o humano no Calvinismo<br />O calvinismo não faz um dicotomia<br />entre cristianismo e cultura.<br />
  13. 13. Calvinismo como uma força cultural<br />Divino e o humano no Calvinismo<br />A atividade espiritual influência a cultural.<br />Não há distinção entre atividade espiritual e secular.<br />Em tudo Deus teve ser glorificado.<br />
  14. 14. Calvinismo como uma força cultural<br />Divino e o humano no Calvinismo<br />Para Calvino “a cultura popular, em diferentes gerações, precisa ser estimulada” e guiada por uma elite cultural (...) para a expansão de novas formais culturais”.<br />WALLACE, Ronald S. Calvino, Genebra e a Reforma. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2003, p. 93<br />
  15. 15. Calvinismo como uma força cultural<br />Divino e o humano no Calvinismo<br />E uma vez salvos e inseridos na família de Deus ele nos chama para cumprir o seu mandato cultural. Somos chamados para cuidar do mundo que vivemos e uns dos outros. <br />BIÉLER, André. OPensamento Econômicoe Social de Calvino. Trad. Luz, Waldyr Carvalho. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1990, p. 565.<br /> <br />
  16. 16. Calvinismo como uma força cultural<br />O governo de Deus por meio da lei.<br />A Cultura só tem sentido se estive<br />sujeita a Deus e sua Lei.<br />
  17. 17. Calvinismo como uma força cultural<br />Deus sobre tudo e todos<br />
  18. 18. Calvinismo como uma força cultural<br />Vocação calvinista<br />Para Calvino vocação de Deus é global. Deus chamou o homem para ser mordomo do mundo.<br />Qualquer trabalho é entendido, assim, como uma atividade profundamente espiritual, um labor socialmente benéfico.<br />
  19. 19. Calvinismo como uma força cultural<br />O limite da atividade cultural<br />Todavia toda atividade humana só tem sentido ser estive sob a lei de Deus.<br />Por isso, algumas devem ser rejeitadas.<br />
  20. 20. Calvinismo como uma força cultural<br />Considerações finais<br /> <br />“Não um moralista, nem um sociólogo, nem um economista: ele é um teólogo e homem da Igreja, cônscio de todas as implicações humanas do Evangelho, persuadido de que o Conselho de Deus de Quem ele é o ministro, não pode deixar de lado nenhum problema humano”. <br />
  21. 21. Calvinismo como uma força cultural<br />Considerações finais<br />Zuínglio aplicou a mensagem protestante diretamente às condições sócio-políticas de seu tempo. Ele insistiu em que “o reino de Cristo é também externo”. O despertar religioso implicava reforma política.<br />GEORGE, Timothy. Teologia dos reformadores. Trad. Gérson Dudus, Valéria Fontana. São Paulo: Vida Nova, 1993, p. 112<br />
  22. 22. Calvinismo como uma força cultural<br />Considerações finais<br />É preciso resgatar um principio calvinista que tem sido esquecido ao longo dos séculos, a saber: o evangelho traz transformação integral para o homem. <br />É Preciso voltar a ver o ser humano não apenas como uma alma a ser conquistada para o Reino de Cristo. <br />
  23. 23. Calvinismo como uma força cultural<br />Considerações finais<br />A Igreja deve ser a voz do que clama no deserto a fim de fazer a diferença no mundo. Na verdade, a igreja necessita deixar o monte da transfiguração e descer até ao povo sofrido onde se encontram os excluídos da sociedade. Esse envolvimento integral é calvinismo.<br />

×