TRÁGICO x CÔMICO Jamille Rabelo de Freitas Olívia Maria de Santos Lima Paula Silva Borges Thaízze Couto Oliveira
 
<ul><li>“ A tendência ao realismo corresponde a uma necessidade interior do homem e procura satisfazê-la”. </li></ul><ul><...
<ul><li>No caso da história de Medéia e Jasão, exemplo do texto, visualizamos o egoísmo, sentido por todo ser humano, mas ...
<ul><li>Assim, os sentimentos e a noção de destino antes imposta pelos Deuses, agora é fruto das angústias humanas, mas se...
<ul><li>“ E nos dias de CINISMO”.  </li></ul><ul><li>O texto aborda a questão do falso “equilíbrio” da Guerra, que apesar ...
<ul><li>O  realismo absoluto , tem razões de existência diferentes do  realismo psicológico , pois não levava em conta as ...
<ul><li>Logo essa ideia de realismo foi ultrapassada pois a excessiva realidade também era considerada extremamente lírica...
<ul><li>Finalmente, expõe-se que a tragédia clássica esteja ultrapassada em sua própria forma e a rejeição destas formas n...
 
 
<ul><li>“ A cegueira que permitira a nossos amigos esquecer nossos defeitos para identificar-se conosco, quando o destino ...
<ul><li>“ O grito é volta sobre si mesmo, o sorriso é abertura para o outro.  </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 124) ...
<ul><li>“ Parece, portanto, que o riso tem uma espécie de vocação para o coletivo. Exprime-se muito mais francamente, com ...
<ul><li>“ Os homens de teatro sabem o quanto é difícil apresentar uma peça cômica diante de uma platéia de gala. Cada um d...
<ul><li>“ O riso fere, sem dúvida, (...) é muito mais um meio dos fracos terem segurança. Aí reside sua verdadeira utilida...
<ul><li>Cômico Inofensivo: </li></ul><ul><li>“ Suscita um leve sorriso. O prazer que aí se sente é o prazer traduzido pela...
<ul><li>“ (...)A verdadeira comédia é popular. Um público burguês é quase sempre cúmplice. Se a denúncia for excessiva, êl...
<ul><li>“ A mesma situação pode ser cômica ou trágica conforme o clima em que ela se desenvolve; pode ser trágica para que...
<ul><li>“  O herói cômico, apesar de tudo, se dá conta do real; sua última defesa é a fuga, o exílio, não a morte.” </li><...
<ul><li>“  A tragédia me reconforta, permitindo-me fundir meu trágico destino pessoal ao trágico destino comum da humanida...
<ul><li>TOUCHARD, Pierre Aimé.  O teatro e a angústia dos homens.  Duas cidades: São Paulo, 1970. </li></ul>
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Realismo trágico x Realismo Cômico

1,040 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,040
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Realismo trágico x Realismo Cômico

  1. 1. TRÁGICO x CÔMICO Jamille Rabelo de Freitas Olívia Maria de Santos Lima Paula Silva Borges Thaízze Couto Oliveira
  2. 3. <ul><li>“ A tendência ao realismo corresponde a uma necessidade interior do homem e procura satisfazê-la”. </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 111) </li></ul>
  3. 4. <ul><li>No caso da história de Medéia e Jasão, exemplo do texto, visualizamos o egoísmo, sentido por todo ser humano, mas magnificado pela estrutura da tragédia. De algum modo, assistir à tragédia, nos absolve de senti-la, de sentir o egoísmo. </li></ul><ul><li>“ (A Tragédia) Esclarece-nos sobre nós mesmos .” pág. 112 </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Assim, os sentimentos e a noção de destino antes imposta pelos Deuses, agora é fruto das angústias humanas, mas sempre com uma noção de destino, ou seja, o destino antes traçado pelos deuses, agora era traçado pelo homem, mas não deixava de ser DESTINO. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>“ E nos dias de CINISMO”. </li></ul><ul><li>O texto aborda a questão do falso “equilíbrio” da Guerra, que apesar de trazer atrocidades, traz avanços tecnológicos: rádio, transportes, etc. Mas tais reflexões são apenas um DESENCANTAMENTO, pois precisamos do conforto intelectual para aceitar o que nós mesmos causamos, em nome desse “destino”. </li></ul><ul><li>“ Não posso mais me enganar com mentiras” pg. 113. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>O realismo absoluto , tem razões de existência diferentes do realismo psicológico , pois não levava em conta as necessidades do espectador da tragédia, mas sim buscava um OBJETIVIDADE na recriação, inspirada pela descoberta da FOTOGRAFIA. </li></ul><ul><li>Mas a fotografia não influenciou diretamente a arte dramática, ela é mais um MEIO de expressar um desejo de REVELAÇÃO da realidade, um novo jeito de enxergar o que sempre esteve diante de nós . </li></ul><ul><li>Novos ângulos, Novas respostas? </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Logo essa ideia de realismo foi ultrapassada pois a excessiva realidade também era considerada extremamente lírica. (Murger, La Bohême). </li></ul><ul><li>Surgia o Naturalismo, pois foi eclético e acolhedor, reconhecendo em assuntos e objetos simples a beleza em si e abraçando os dilemas de outras escolas, causando a catarse pelo poder do belo, que cessaria com a repetição. </li></ul><ul><li>“ A beleza do realismo é uma dessas fugidias, intermitentes, ligadas ao tempo de vê-las nascer.” pág. 119 </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Finalmente, expõe-se que a tragédia clássica esteja ultrapassada em sua própria forma e a rejeição destas formas no novo realismo. O realismo é antes uma escolha, e o que se pretende “revelar” hoje não pode ser visto com os mesmo olhos de ontem. Há uma angústia pelo engajamento, pelo real, essa é a virtude catártica do real, de qualquer tempo. </li></ul><ul><li>“ O Belo no teatro antes de tudo, é uma bóia que se atira a qualquer que tem medo de se afogar.” pág. 120. </li></ul>
  9. 12. <ul><li>“ A cegueira que permitira a nossos amigos esquecer nossos defeitos para identificar-se conosco, quando o destino nos escolhera como vítima, esta cegueira cede seu lugar a uma objetividade sem caridade; o espectador de tragédia torna-se espectador de comédia – da comédia humana, onde nem os deuses nem as fadas intervêm. É por isso que a comédia nos aparece infinitamente mais próxima do real que a tragédia. “ </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 123) </li></ul>
  10. 13. <ul><li>“ O grito é volta sobre si mesmo, o sorriso é abertura para o outro. </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 124) </li></ul>
  11. 14. <ul><li>“ Parece, portanto, que o riso tem uma espécie de vocação para o coletivo. Exprime-se muito mais francamente, com muito mais vigor e liberdade, se fôr acompanhado por outros risos, isto é, por um consentimento social sem reserva.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 124 - 125) </li></ul>
  12. 15. <ul><li>“ Os homens de teatro sabem o quanto é difícil apresentar uma peça cômica diante de uma platéia de gala. Cada um dos convidados em traje a rigor espia a reação das personalidades presentes para ver se pode permitir-se o riso.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 125) </li></ul>
  13. 16. <ul><li>“ O riso fere, sem dúvida, (...) é muito mais um meio dos fracos terem segurança. Aí reside sua verdadeira utilidade social.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 126) </li></ul>
  14. 17. <ul><li>Cômico Inofensivo: </li></ul><ul><li>“ Suscita um leve sorriso. O prazer que aí se sente é o prazer traduzido pela virtuosidade do autor e suas palavras espirituosas.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 126) </li></ul><ul><li>Cômico Tendencioso: </li></ul><ul><li>“ Resolutamente agressiva, blasfematória e obscena.” </li></ul>
  15. 18. <ul><li>“ (...)A verdadeira comédia é popular. Um público burguês é quase sempre cúmplice. Se a denúncia for excessiva, êle terá um riso amarelo, a purgação será apenas parcial.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 127) </li></ul>
  16. 19. <ul><li>“ A mesma situação pode ser cômica ou trágica conforme o clima em que ela se desenvolve; pode ser trágica para quem a vive; cômica para quem a observa.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 129) </li></ul>
  17. 20. <ul><li>“ O herói cômico, apesar de tudo, se dá conta do real; sua última defesa é a fuga, o exílio, não a morte.” </li></ul><ul><li>( TOUCHARD, 1970, p. 134) </li></ul>
  18. 21. <ul><li>“ A tragédia me reconforta, permitindo-me fundir meu trágico destino pessoal ao trágico destino comum da humanidade, representada pelo que ela tem de mais elevado. A comédia me reconforta, colocando-me acima dos meus semelhantes, cujas medíocres lutas contra perigos que sei imaginários, eu observo de longe.” </li></ul><ul><li>(TOUCHARD, 1970, p. 134) </li></ul>
  19. 22. <ul><li>TOUCHARD, Pierre Aimé. O teatro e a angústia dos homens. Duas cidades: São Paulo, 1970. </li></ul>

×