Your SlideShare is downloading. ×
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
MIÍASE
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

MIÍASE

1,615

Published on

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,615
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
48
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MIÍASES (mye: Moscas; ases: Doenças) Izabella Soares
  • 2. INTRODUÇÃO É considerada uma zoodermatose caracterizada pelo acometimento da pele ou orifícios por larvas de moscas. Classificam-se em: • Obrigatórias (primárias ou biontófagas) • Facultativas (secundárias ou necrobiontófogas) • Pseudomiíase (acidental)
  • 3. ETIOLOGIA • Agente Etiológico: Entre as principais moscas cujas larvas produzem Miíase, estão as dos gêneros: Dermatobia, Cordylobia, Calitroga, Lucilia, Sarcophaga, Chrysomya, Phormya, Gasterophilus, Wohlfahrtia e Cochliomya. As moscas responsáveis por esta condição preferem um ambiente quente e úmido.
  • 4. • Miíase Primária: Causada pela larva de Dermatobia hominis (mosca berneira) ou raramente pela Callitroga americana. • Miíase Secundária: Causada por larvas de Callitroga macelária e espécies do gênero Lucília. • Pseudomiíase (acidental): Ocorre por ingestão de ovo e/ou larvas de dípteros presentes em alimentos contaminados.
  • 5. PATOGÊNESE A mosca (seja qual for a espécie) cresce pelo processo que chamamos de “metamorfose completa”, ou seja, ovo – larvas – pupa e adulto. As moscas preferem um ambiente quente e úmido.
  • 6. Na Miíase primaria a mosca deposita os ovos na pele normal junto às lesões tegumentares, como arranhões, picadas de insetos, escoriações, abrasões, lesões ulcerosas, feridas de pé diabético. Mosca com os ovos da Dermatobia hominis Pele com lesão Lesão furunculóide
  • 7. Na Miíase secundária, os ovos são depositados em ulcerações expostas de pele e orifícios ou cavidades naturais, previamente infectados. Na Pseudomiíase (acidental), os ovos são depositados em alimento, sendo esse alimento contaminado consumido e portanto esses ovos eclodem no intestino, e as larvas liberadas podem migrar e alimentar-se de tecidos internos (intestino ou trato urinário) ou expulsos através das fezes.
  • 8. FISIOPATOLOGIA Configura desde quadros benignos leves e assintomáticos (BHATT; JAYAKRISHNAN, 2000), até formas graves com sérias complicações, até mesmo a morte (MELO et al., 2000). • Obrigatórias (primárias ou biontófagas): A lesão é dolorosa e o paciente sente a sensação de “ferroada”. Como complicações podem surgir abscessos, linfangite e raramente tétano, como são raras no ser humano, sendo ás vezes mortais por hemorragias e comprometimento do sistema nervoso.
  • 9. • Facultativas ou Secundária: Os locais mais atingidos são as fossas e os seios nasais, os condutos auditivos e os globos oculares. Estas podem permanecer localizadas ou ser disseminadas a vários órgãos internos, inclusive o cérebro, incapacitando e ameaçando a vida. No caso de Oftalmomiíase pode ocorrer: conjuntivite, lacrimejamento, hiperemia da conjuntiva, conjuntivite catarral.
  • 10. • Pseudomiíase (acidental): As larvas que passam pelo tubo digestivo sem se desenvolverem, podem ocasionar distúrbios mais ou menos graves. Manifesta um quadro de enterocolite aguda com dor abdominal, diarreia e sangramento anal. O acometimento do trato urinário determina o surgimento de proteinúria, disúria, hematúria e piúria, pode também determinar o priapismo. Resumindo a Miíase pode ocasionar complicações como: infecção secundária, destruição tecidual, fístulas, destruição óssea.
  • 11. CONCLUSÃO As péssimas condições locais de higiene, com ferimentos ou presença de secreções, são fatores favoráveis para que as moscas ou outros insetos que atuem como vetores mecânicos, depositem seus ovos e as moscas se desenvolvam, portanto o paciente seja orientado quanto à adoção de medidas adequadas de higiene pessoal.
  • 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Manfrim A. M., Cury A., Demeneghi P., Jotz G., Roithmann R. Miíase Nasal: Relato de Caso e Revisão da Literatura. Rio Grande do Sul, 2006. • Ministério da Saúde. Dermatologia na Atenção Básica Secretaria de Políticas de Saúde. Ed.1ª . Brasília, 2002. • Fares N. H., Melo D. V., Stucchi N., Carvalhosa A. A., Castro P. H. S., Siqueira C. R. B. Miíase em Paciente com 10 Anos de Idade: Relato de Caso Clínico e Revisão de Literatura. Cuiabá, MT, 2005. • Cavalcanti A. L. Miíase Oral: etiologia, diagnóstico e Tratamento. Porto Alegre, 2008. • Cencil J., Zardo M., Takahashi A., Sá A. C. D., Martins L. D., Gonçalves R. C. G. Miíase Bucal: Revisão da Literatura. Ponta Grossa, 2006.

×