Instalação e configuração de Sistemas Operacionais de Redes         Arquivos de         Inicialização                     ...
Apresentação•   Quando o sistema Linux inicia, existe basicamente duas interações com o    usuário:     • GRUB: onde você ...
ApresentaçãoArquivos responsáveis pela inicialização do sistema:                     GRUB                               /e...
/etc/issue•   No arquivo issue está armazenado a mensagem de boas vindas ao sistema,    ou outras informações que você pod...
/etc/issue•   O issue também é um arquivo onde você pode colocar algumas    informações em forma de variáveis para o getty...
/etc/issue.net•   Este arquivo possui o mesmo formato que o issue, aceitando inclusive,    variáveis para que o getty inte...
/etc/motd•   A sigla motd significa “message of the day” (mensagem do dia). Seu    conteúdo é exibido após o login.•   Em ...
/etc/inittab•   Vimos que, quando a máquina é inicializada, existe primeiro o gerenciador    de boot, que carrega o kernel...
/etc/inittab Níveis de Inicialização do Linux (Debian)  Nível    Função    0      Desliga a máquina    1      Carrega o si...
/etc/inittab•   Agora que já conhecemos os níveis de inicialização que existem, vamos    entrar no arquivo /etc/inittab e ...
/etc/inittab•   Por questões de segurança, não é interessante deixar essa linha de reboot    habilitada. Então, vamos alte...
/etc/inittab•   Neste arquivo também é especificado quantos terminais estão habilitados    para o usuário realizar login n...
/etc/inittab•   No exemplo anterior, deixamos apenas o terminal 1 habilitado para o    login, e, os terminais 2 e 3 não es...
/etc/fstab•   É o arquivo que contém uma tabela de parâmetros para a montagem de    dispositivos (disco rígido, cdrom, dis...
/etc/fstab•   É o arquivo que contém uma tabela de parâmetros para a montagem de    dispositivos (disco rígido, cdrom, dis...
/etc/fstab•   A estrutura do arquivo obedece a seguinte ordem:     /dev/cdrom     /media/cdrom     iso9660    user,noauto ...
/etc/fstabAbaixo algumas opções de montagem da Coluna 4 do arquivo /etc/fstab:   •   defaults – Usa as opões:rw,suid,exec,...
ReferênciasMORIMOTO, Carlos E.. Linux, guia prático. Porto Alegre: Sul Editores, 2009.FERREIRA, Rubem E.. Linux: guia do a...
ReferênciasRIBEIRO, Uirá, Certificação Linux, 1ª Ed, Rio de Janeiro, Axcel Books, 2004.Certificação Linux LPI- Nível 1 Exa...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Arquivos de Inicialização do Linux

2,240

Published on

Material de apoio - Instalação e configuração de sistemas operacionais de redes Linux.

Arquivos de inicialização do Linux

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,240
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
39
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arquivos de Inicialização do Linux

  1. 1. Instalação e configuração de Sistemas Operacionais de Redes Arquivos de Inicialização Profª Ivani Nascimento
  2. 2. Apresentação• Quando o sistema Linux inicia, existe basicamente duas interações com o usuário: • GRUB: onde você escolhe qual sistema irá iniciar em sua máquina; ou seja, imagine que você tenha 2 Sistemas Operacionais. Quando ligar a máquina você terá que optar qual será carregado. • Getty: após o sistema ser iniciado, ele entrará no getty (terminal console), ou seja o login, onde o sistema irá esperar a autenticação de usuário.• Essas interações são configuradas em arquivos, como demonstra a figura a seguir.
  3. 3. ApresentaçãoArquivos responsáveis pela inicialização do sistema: GRUB /etc/inittab /etc/fstab Getty (login) /etc/issue Shell /etc/motd /etc/bashrc /etc/profile
  4. 4. /etc/issue• No arquivo issue está armazenado a mensagem de boas vindas ao sistema, ou outras informações que você pode editar para que os usuários vejam antes do login.• Exemplo:
  5. 5. /etc/issue• O issue também é um arquivo onde você pode colocar algumas informações em forma de variáveis para o getty interpretar: • d – data atual • n – hostname • s – nome do sistema instalado • r – versão do Kernel• Para colocar no arquivo basta acrescentar a (barra invertida) na frente de cada variável: # vi /etc/issue Máquina s - n - l - d
  6. 6. /etc/issue.net• Este arquivo possui o mesmo formato que o issue, aceitando inclusive, variáveis para que o getty interprete.• Sua função é a mesma que o issue, mas a mensagem de boas vindas será somente apresentada para acessos remotos.• Isso quer dizer que, a mensagem editada será vista assim que os usuários se conectarem via rede no seu sistema, ou seja, quando fizerem uma conexão ssh por exemplo.
  7. 7. /etc/motd• A sigla motd significa “message of the day” (mensagem do dia). Seu conteúdo é exibido após o login.• Em sistemas com muitos usuários, este arquivo é utilizado para mandar mensagens a todos os usuários, pois requer muito menos espaço em disco do que enviar e-mail para todos os usuários.• Diferente do issue, esse é um arquivo texto simples, onde só poderemos colocar mensagens textos; ou seja, ele não aceita variáveis.
  8. 8. /etc/inittab• Vimos que, quando a máquina é inicializada, existe primeiro o gerenciador de boot, que carrega o kernel na memória RAM e passa o controle do sistema para ele.• Logo após o kernel controlar a máquina, inicia-se a fase de iniciar os serviços necessários para a utilização do sistema.• O arquivo /etc/inittab, é o responsável por chamar os serviços que serão executados em um determinado nível, assim como, é também nesse arquivo que definimos em qual nível o sistema irá iniciar.• Existem 7 níveis no Linux, veja na tabela a seguir:
  9. 9. /etc/inittab Níveis de Inicialização do Linux (Debian) Nível Função 0 Desliga a máquina 1 Carrega o sistema no modo monousuário (root) 2 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 3 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 4 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 5 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 6 Reinicia o sistema
  10. 10. /etc/inittab• Agora que já conhecemos os níveis de inicialização que existem, vamos entrar no arquivo /etc/inittab e conhecer suas principais linhas! # vi /etc/inittab id:2:initdefault:• Na linha acima, configuramos em que nível o sistema irá iniciar. O padrão do Debian, é iniciar no nível 2. ca:123456:ctrlaltdel:/sbin/shutdown -t1 -a -r now• A linha acima, permite reiniciar o sistema teclando CTRL + ALT + DEL.
  11. 11. /etc/inittab• Por questões de segurança, não é interessante deixar essa linha de reboot habilitada. Então, vamos alterar o conteúdo dessa linha para: ca:123456:ctrlaltdel:/bin/echo “Voce teclou CTRl + Alt + DEL”• Dessa forma, toda vez que alguém teclar CTRL + ALT + DEL, irá aparecer a mensagem “Voce teclou CTRL+ALT+DEL”.
  12. 12. /etc/inittab• Neste arquivo também é especificado quantos terminais estão habilitados para o usuário realizar login no sistema.• Por questão de segurança, é recomendável que em servidores você deixe apenas acesso à um terminal.• Para essa configuração, basta deixar comentadas as linhas que darão acesso a outos terminais, ou seja, colocar “#” na frente da linha:• Exemplo: 1:2345:respawn:/sbin/getty 38400 tty1 #2:23:respawn:/sbin/getty 38400 tty2 #3:23:respawn:/sbin/getty 38400 tty3
  13. 13. /etc/inittab• No exemplo anterior, deixamos apenas o terminal 1 habilitado para o login, e, os terminais 2 e 3 não estão habilitados para o usuário efetuar o login.• Observação: O símbolo “#” nesse arquivo, é tratado como comentário, assim o inittab não irá ler a linha onde está esse símbolo.• Após efetuar as alterações, podemos salvar e sair do arquivo. Para que as alterações já sejam utilizadas, basta reiniciar o sistema ou utilizar o comando abaixo: # init q
  14. 14. /etc/fstab• É o arquivo que contém uma tabela de parâmetros para a montagem de dispositivos (disco rígido, cdrom, disquete, etc.).• Ao montar o dispositivo, com o comando mount, precisamos apenas fornecer o diretório onde o mesmo será montado.• Exemplo: /dev/cdrom /media/cdrom iso9660 user,noauto 0 0• Neste exemplo, apenas especificamos que montaremos o conteúdo do cdrom no diretório /media/cdrom; sendo que, as demais informações, o sistema irá pegar dentro do fstab.
  15. 15. /etc/fstab• É o arquivo que contém uma tabela de parâmetros para a montagem de dispositivos (disco rígido, cdrom, disquete, etc.), de forma, que, ao montar o dispositivo, com o comando mount, precisamos apenas fornecer o diretório onde o mesmo será montado.• Exemplo: /dev/cdrom /media/cdrom iso9660 user,noauto 0 0• Neste exemplo, apenas especificamos que montaremos o conteúdo do cdrom no diretório /media/cdrom; sendo que, as demais informações, o sistema irá pegar dentro do fstab.
  16. 16. /etc/fstab• A estrutura do arquivo obedece a seguinte ordem: /dev/cdrom /media/cdrom iso9660 user,noauto 0 0 1 2 3 4 5 6• Coluna 1 – Especifica o arquivo dispositivo da partição;• Coluna 2 – Ponto de Montagem; (Diretório)• Coluna 3 – Sistema de Arquivo; (ext3,vfat, reiserfs))• Coluna 4* – Opções de Montagem; (rw,ro,auto,user,exec)• Coluna 5 – Backup com o Dump. (0 – Sem Backup, 1 – Backup)• Coluna 7 – Checagem com o fsck. (0 – Não Checar, 1 – checar apenas o /, 2 – checar as demais partições).
  17. 17. /etc/fstabAbaixo algumas opções de montagem da Coluna 4 do arquivo /etc/fstab: • defaults – Usa as opões:rw,suid,exec,auto,nouser,async • rw – Monta em modo read, write (leitura,escrita) • ro – Monta em modo read-only (Somente leitura) • auto – Será montada automaticamente no boot. • noauto – Só poderá ser montado pelo comando mount. • user – Permite que qualquer usuário monte o dispositivo. • nouser – Apenas o root poderá montar. • exec – Permite execução de scripts. • noexec – Partição sem arquivos executáveis. • suid – Permite usar SUID e SGID na partição. • nosuid – Não permite usar as permissões especiais.
  18. 18. ReferênciasMORIMOTO, Carlos E.. Linux, guia prático. Porto Alegre: Sul Editores, 2009.FERREIRA, Rubem E.. Linux: guia do administrador do sistema. São Paulo: Novatec, 2008.MOTA FILHO, João Eriberto. Descobrindo o Linux: entenda o sistema operacional GNU/linux. São Paulo: Novatec, 2007.
  19. 19. ReferênciasRIBEIRO, Uirá, Certificação Linux, 1ª Ed, Rio de Janeiro, Axcel Books, 2004.Certificação Linux LPI- Nível 1 Exames 101 e 102. Vários, 1ª Ed, São Paulo, Alta Books.NORTON, Peter; GRIFFITH, Arthur. Guia Completo do Linux. Tradução Sérgio Facchim – Complete Guide to Linux. São Paulo, Berkeley, 2000.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×