07 Ceaal Trabalho

  • 470 views
Uploaded on

 

More in: Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
470
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. OBJETOS VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE ASTRONOMIA COMO TEMA TRANSVERSAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Ivanderson Pereira da Silva João Pessoa – PB 02 e 03 de maio de 2008
  • 2. Introdução
    • No atual contexto escolar brasileiro, os educadores necessitam de alternativas pedagógicas que auxiliem o processo de ensino/aprendizagem de forma mais eficiente, uma vez que aulas tornam-se a cada dia menos atrativas, o que é um dos principais motivos da evasão escolar. Essa pesquisa tem por objetivo principal testar a eficácia do uso de Objetos Virtuais de Aprendizagem no ensino de Física para o Ensino Médio Noturno, esses OVA serão selecionados do repositório RIVED um projeto da SEED/MEC, através de um estudo de campo com a aplicação de OVA no laboratório de Informática com 5 turmas de segundo ano do Ensino Médio Noturno, turmas essas com 20 alunos em média, onde esses alunos não tiveram a disciplina de Física no primeiro ano do Ensino Médio, devido a carência de professores nessa área.
  • 3. Objetivo
    • A faixa etária desses alunos encontra-se entre 17 e 41 anos, esses alunos, vítimas de um sistema sócio-educacional excludente, estão de volta as escolas em busca de uma nova oportunidade, mas dessa vez estão cansados e outras preocupações que não as educacionais os afligem.
    • O uso de OVA com essas turmas será interessante pois tornam a aula diferente da aula tradicional com quadro e giz, a aula torna-se interativa, multimídiática e o fato de eles próprios poderem construir seu conhecimento eleva sua auto-estima pois eles não se sentirão guiados por um professor, muitas vezes mais novo que eles, eles serão seus próprios professores, autores do próprio conhecimento.
    • Ao final do processo, espera-se que os alunos tenham aprendido de maneira significativa e sejam capazes de fazer associações entre teoria e prática, essa capacidade adquirida será avaliado através de um relatório final elaborado por cada dupla.
  • 4.  
  • 5.  
  • 6. Caracterização do Problema
    • Este trabalho surgiu da necessidade de produzir aprendizagem com significado num curto intervalo de tempo com volume considerável de informações na disciplina de Física em alunos do 1° ano do Ensino Médio da rede estadual de Educação de Alagoas. Baseia-se no uso de ferramentas de software desenvolvidas com o propósito de instruir e produzir conhecimento, os Objetos Virtuais de Aprendizagem. O estudo se desenvolve no contexto da recuperação final que tem por objetivo avaliar a aptidão ou não do aluno que apresentou durante o ano letivo notas insuficientes.
    • No ano letivo de 2007, que teve início em março do mesmo ano, a Rede Estadual de Educação de Alagoas enfrentou duas greves; a primeira, dos professores e teve duração de aproximadamente três meses, a segunda dos servidores técnico-administrativos com duração de um mês. Diante desse quadro, o calendário escolar das turmas se estendeu na Escola Estadual Rosalvo Lobo para meados de abril de 2008.
  • 7.  
  • 8.  
  • 9. Objetos Virtuais de Aprendizagem
    • Os Objetos Virtuais de Aprendizagem podem ser compreendidos como “qualquer recurso digital que possa ser reutilizado para o suporte ao ensino” (WILEY, 2000, p.3). Existe um consenso de que ele deve ter um propósito educacional bem definido, um elemento que estimule a reflexão do estudante e que sua aplicação não se restrinja a um único contexto (BETTIO, MARTINS, 2004). Para Sá Filho e Machado (2003) são como recursos digitais que podem ser reutilizados e combinados com outros objetos para formar um ambiente de aprendizado rico e flexível.
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14. Avaliando Os objetos seriam explorados numa carga horária de 8 horas divididas em dois dias consecutivos, onde o aluno deveria completar as atividades e desafios propostos pelo OVA sob orientação do professor; uma terceira etapa consistiria na elaboração de um relatório descritivo, onde seria avaliado o grau de intimidade com o qual o aluno trataria os conceitos físicos abordados, com finalidade de documentar o processo avaliativo, que deu-se no processo. A última atividade desse circuito seria a proposta do mesmo questionário da etapa 1, com a intenção de verificar possíveis avanços do aluno.
  • 15.  
  • 16. Com relação à aprovação, os alunos que completaram as atividades propostas, avançaram. Dos 20 que foram para a recuperação final, 16 trabalharam com os OVA e foram aprovados e dos outros 4 que optaram pela avaliação tradicional só compareceu e também foi aprovado. O aluno que teve um ano letivo conturbado com greves, ausência de professores e tem necessidade de trabalhar para ajudar nas despesas domésticas, realmente têm sérias dificuldades de entrar no ritmo do Ensino Médio. Apesar disso, os alunos que foram aprovados para o segundo ano, têm plenas condições de estar nessa etapa, pelo menos no que tange à disciplina de Física. Como relatado anteriormente por A1, “Nesses dias não sentimos dificuldades em nenhum assunto dado. O objeto virtual ajudou com certeza nos assuntos para nós”. (A1), e nesse discurso é visível que o conceito estava em sua mente, só não tinha sentido nem significado lógico, agora têm .
  • 17. Referências
    • BETTIO, R. W. de; MARTINS, A. Objetos de aprendizado : um novo modelo direcionado ao ensino a distância. Fica em <http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?id=5938>. Acesso em: 20 mai. 06
    • BRASIL. SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais : Matemática, Brasília: MEC/SEF, 1998
    • CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M. Da educação em ciências às orientações para o ensino das ciências : um repensar epistemológico. Ciência & Educação, v. 2, n. 3, p. 363-381, 2004.
    • MERCADO, L. P. L; CAVALCANTE, M. A. S. (Orgs.); Formação do pesquisador em educação: p rofissionalização docente, políticas públicas, trabalho e pesquisa. Maceió, 18o EPENN, Edufal. 2007
    • MOREIRA, Marco A. A teoria da Aprendizagem Significativa e sua implementação em sala de aula . Brasília: Edunb, 2006
    • PAPERT, S. A máquina das crianças : repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.
    • SÁ FILHO, C. S.; MACHADO, E. C. O computador como agente transformador da educação e o papel do objeto de aprendizagem . 2004.
    • SANTOS, M. E.; PRAIA, J. Percurso de mudança na didáctica das ciências sua fundamentação epistemológica. In: Ensino de ciências e formação de professores . n.1, Projeto MUTARE. Aveeiro: Eduardo & Nogueiro, 1992
    • SCHLÜNZEN, E. T. Mudanças nas práticas pedagógicas do professor : criando um ambiente construcionista contextualizado e significativo para crianças com necessidades especiais físicas. São Paulo: Tese de Doutorado, PUC/SP, 2000.
    • WILEY, D. The instructional use of learning objects . Online version. Disponível em: <http://reusability.org/read/>.2000. Acesso em 20 fev 2007