• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
A webização da comunidade empresarial rumo à internacionalização
 

A webização da comunidade empresarial rumo à internacionalização

on

  • 478 views

 

Statistics

Views

Total Views
478
Views on SlideShare
478
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A webização da comunidade empresarial rumo à internacionalização A webização da comunidade empresarial rumo à internacionalização Document Transcript

    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL A webização da Comunidade Empresarial Agro-Produtiva Numa perspectiva de rentabilização de recursos existente nas novas TI pretendemos complementar a oferta de serviços à comunidade produtiva (rural) e ao comércio e INDUSTRIA, criando mais momentos de contacto com o MERCADO;assim ao modernizaremos a actividade empresarial rural produtiva, através de Postos localizados tipo“QUIOSQUEs” em centros REGIONAIS como por exemplo por exelência os espaços Agriloja´s existentes no OESTE e que com o uso de novas tecnologias criariam ferramentas de interactividade e comunicação entre as comunidades, o comércio envolvente a associações e à administração local . A webização da Comunidade através destes pontos assenta também nas seguintes áreas de intervenção: venda de produtos ; cobrança de facturas ( carregamentos de Pré-comprados); difusão de informação ; rede integrada de logística MARs e retalhistas(rede integrada de pontos de recolha e entrega de produtos)etc,etc. Conta ainda com uma vertente social que permitirá interacções com organismos públicos. Os serviços a implementar visam uma maior comodidade, facilidade e rapidez para a comunidade.
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL Estes Centros de Negócios Regionais tipo, ”CyberLounges” nestas lojas ruraís actuaram como INTERFACES da Produção á Industria da Destribuição ao Comércio e dai ao Consumidor sempre num ambiente empresarial com conforto que qualquer espaço empresarial assim o exige; disponibilizando as novas TI e Comunicação aos sectores agro-produtivos. “ INFOMERCIAIS” que pertendemos que sejam exploradas NESTES centros RURAIS. SIM, são estas as LOJAs ruraís que podem servir de: TradeCentro ás INTERFACE’s (Produção/Industria/Distribuição/Comercio e Consumo) , disponibilizando aos empresários em apoio BACK-OFFICE: PORTAIS – e-procurement leilão,bolsa de produtos,shipping & logistica(export-import) e-governement VORTAÌS/NEWSLETTERs -produção,edição e distribuição (varios supportes) HOT SPOT –WLAN , wi-fi(piconet) WIMAX;WRAN - DMB(DVB) ; IMS (UMTS/CDMA) expositores (fisicos/virtuaís) conferencias/videoconferências/work-shops formação /demonstração/iniciação às TI caixas postais/faxs,emails/web-designer/gestão catalogos/ publicidade/serviços(recp/expt) de embalagens/ documentação/fotos
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL GATEWAYS-pagamentos (serviços/adeministração publica/fiscal/social) GESTÃO SOFTWARE’s - gestão comercial - preparação de encomenda - estatísticas - compras - stocks - cálculos – custos, previsional (badgets) CONTABILIDADE- geral,terceiros,analítica,orçamental PORTAÍS TEMÁTICOS OS CENTROS QUE AQUI APRESENTAMOS PERTENDEM VIR SER PRODUTORES REGIONAÍS DE CONTEÚDOS VORTAÍS TEMÁTICOS QUE ORIENTARÁ O MERCADO AGRO-ALIMENTAR NA TOMA DE DECISÕES APOIADA EM INFORMAÇÕES AGLUTINADAS E GERIDAS NUM FORMATO CORRECTO E NO MOMENTO EXACTO. http://agrobroker.blogspot.com/ TENTO COMO BASE B2B oferecendo
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL BOLSA DE PRODUTOS (COTAÇÕES DE MERCADO) . HORTÍCULTURA . FRUTÍCULTURA . FLORÍCULTURA . CERÍLICULTURA . PECUÁRIA(DERIVADOS) ESTAS INFORMAÇÕES VISAM ABRANGER: . COMERCIO NACIONAL . COMERCIO INTERCOMUNITÁRIO . COMERCIO INTERNACIONAL TRADING VÍRTUAL (PLATAFORMA B2B) (PROCURA/OFERTA) (COMPRA/VENDA) (FACTURAÇÃO) (DISTRIBUIÇÃO) NEWS LETTER A COMPILAÇÃO DE DADOS PERTINENTES AO UNIVERSO AGRO-ALIMENTAR,(PRODUÇAO,LOGISTÍCA E
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL DISTRIBUIÇAO) PERMITINDO A DIGESTÃO QUE LAVERA A COMPILAÇÃO SEMANAL DE INFORMAÇÕES OBJECTIVAS E ADAPTADAS A REAL NECESSIDADE DO NOSSO MERCADO BASE DADOS . INFORMAÇÕES GERAÍS DE ÂMBITO AGRO-ECONÓMICO PÚBLICO E PRIVADO. . COLHEITAS- PREVISÕES/ESTADO SANÍTARIO/PRODUTIVIDADES . PRODUTOS/CARACTERÍSTICAS . PRX CAMPANHA/INTERVENÇÃO/MAJORAÇÕES/AJUDAS . ESTATÍSTICAS . METEOROLÓGIA INTERÀCTIVA . AMBIENTE E OUTROS TÓPICOS RELEVANTES NO CAMPO DA INVESTIGAÇÃO . LEGISLAÇÃO NACIONAL/COMUNITÁRIA/INTERNACIONAL . CONCURSOS PUBLICOS/INTERNACIONAÍS . CONTRATOS COMERCIAÍS /TRANSPORTES E SEGUROS . TEMAS GERAÍS DE CONFLITOS ARBITRAL
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL O Projecto aqui designado por “ TradeCentros” visam favorecer e reforçar a productividade, competividade e participação nos mercados a custos reduzidos às empresas Portuguesas e empresários, e em particular as Agro-alimentares no mercado Global com o apoio online de operadores LOGÍSTICOS com conhecimentos de IMPORTAÇÃO e EXPORTAÇÃO, como é o caso da www.lismaritima.pt. Em SENERGIA com com varios entrevenientes a montante e a jusante do sector produtivo e de SERVIÇOS em Portugal(ver fluxo) criaremos verdadeiros INTERFACES em ambiente empresarial e com as novas TI e Comunicação para os sectores: PRODUÇÃO RURAL – Promovemos a visibilidade das empresas e empresários do sector ,local,nacional e internacionalmente. Apoiaremos e encentivaremos o aparecimento de novas areas de negocio * IGP Apostaremos na diversificação e preveligiaremos os metodos de produção biologica ver http://biologic-food.blogspot.com/ Consolidaremos centros de produção e oferta ** DOP à Internacionalização INDUSTRIA –Iremos promover e desenvolver uma actuação pró- activa,relativamente no acesso a informação, e aos mercados (PALOP) http://agrotvrural.blogspot.com/ SERVIÇOS E DISTRIBUIÇÃO - Promoveremos o surgimento de uma oferta integrada de serviços que aumente a qualidade e diversidade COMERCIO – Assim ao reforçar a competitividade das pequenas e medias empresas.
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL Modernizaremos e denimizaremos o comercio nos centros rurais/urbanos http://mercados-infomerciais.blogspot.com/ Investigamos junto do mercado nacional, actuando como “BROKER” no intuito de procurar conhecer a fundo as necessidades reais do mercado na procura e oferta, prática de busca, contratação, negociação e follow-up do mercado agro-alimentar. Ao oscultar o mercado através de contactos pessoais confirmamos a necessidade permanente de uma fonte de informação privada nacional que chegue junto ao mercado decisor, partilhando informações, produtos e serviços,utilizando como suporte preferencial, (PORTAIS DINÂMICOS e MÓVEIS). http://international-procurement.blogspot.com/ Embora a agricultura constítua um tema importante a montante e ajusante do universo agro- alimentar, é o inclusivamente para o GRANDE PÚBLICO. As sondagens revelam uma necessidade imperiosa de informação acerca dos aspectos internacionaís,nova CAP, alargamento da união, garantias de produções saudáveis,a promoção e respeito do ambiente, adaptação da produção às aspirações do consumidor, protecção de explorações familiares, encorajar e melhorar a vida rural, aumentar a competitividade, encorajar a diversificação da produção, e, previligiar os métodos da produção biológica (proteger o sabor e especificidade dos produtos agrícolas), ”Last but not Least” proteger as disparidades regionais e defender os interesses dos agricultores nas relações com os intermediários e distribuidores. * Indicação Geografica Protegida ** Dominação de origem protegida
    • Um estudo divulgado indica que os empresários em geral não estão perparados para o COMÉRCIO INTERNACIONAL http://international-facilitator.blogspot.com/ A QUESTÃO-- É.... O QUE PODEMOS FAZER POR PORTUGAL.....Não é uma Q....É uma OBRIGAÇÃO http://brokerage-curriculum.blogspot.com/