Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Cafe 13    aula 03 - dra. ana laura - sexualidade e vulvovaginites  1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Cafe 13 aula 03 - dra. ana laura - sexualidade e vulvovaginites 1

  • 721 views
Published

 

Published in Education , News & Politics
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
721
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
9
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. VULVOVAGINITES E SEXUALIDADE Ana Laura Ferreira [email_address]
  • 2. VULVOVAGINITES SEXUAL MENTE CORPO
  • 3. SEXUALIDADE
    • A UTO- ESTIMA
    • A FETIVIDADE
    ENERGIA INTEGRAÇÃO INFLUÊNCIA
  • 4. SINAIS E SINTOMAS DAS VULVOVAGINITES Tempestade de idéias, pensamentos e sentimentos
  • 5. TRAIÇÃO INFIDELIDADE MÁGOA MEDO FOBIA INSEGURANÇA VERGONHA
  • 6. Vergonha Fui promíscua? E O SEXO ORAL?? ESCOLHI O HOMEM ERRADO? Usar camisinha agora?
  • 7. COMO FICA A A UTO- ESTIMA ?
    • Culpa,mágoa,ressentimento
    • Critica, julga e responsabiliza o parceiro pela sua doença
    • Depressão, indiferença
    • Sentimentos de raiva em relação a si mesma
    • Constrói um diálogo interno negativo
  • 8. RECONQUISTAR SUA A UTO- ESTIMA Gostar de si mesma Aceitar-se incondicionalmente Dar atenção as suas novas necessidades
  • 9. COMO FICAM OS SEUS A FETOS ?
    • Dor, sofrimento
    • Sensação de vazio
    • e solidão
    • Tendência ao
    • isolamento
    • Pensamentos ansiogênicos
    • Perda de
    • credibilidade e
    • segurança no outro
    • Sensação de
    • desrespeito, destrato
    • Questiona o
    • parceiro e a
    • finalidade da relação
  • 10. COMO RESGATAR A A FETIVIDADE ?
    • Ajudá-la a fazer novas escolhas , como:
    • Parar de se sentir a vítima
    • Tomar decisões a seu favor
    • Fazer das “lembranças doloridas um aprendizado, e não amarguras
    • Acreditar em sua capacidade de amar-se e amar novamente
  • 11. SEXUALIDADE
    • Diminuição do desejo, excitação e capacidade orgásmica
    • Diminuição da freqüência sexual
    • Repulsa sexual
    • Dúvidas quanto ao tratamento
    • Medo de recomeçar as atividades sexuais
  • 12. CONGRESSO DA FEDERAÇÃO EUROPEIA DE SEXOLOGIA
    • Unidade Laboratorial de Investigação em Sexualidade Humana da Universidade de Aveiro
    • Pedro Nobre
    • 60 portugueses
    • Determinar a influência dos fenômenos de natureza cognitiva e emocional podem ter na resposta sexual
    10.º CONCLUSÃO Os pensamentos e as emoções podem influenciar no funcionamento sexual
  • 13. DIFICULDADE SEXUAL VIVENCIADA POR MULHERES EM CRISE DE HIV-1
    • Objetivo identificar as dificuldades sexuais
    • vivenciadas por mulheres em crise de HIV-1 nos
    • primeiros seis meses após receberem o diagnóstico
    • de HIV-1, .
    • Metodologia pesquisa qualitativa
    • A desorganização que o impacto do HIV- causou na
    • vida sexual dessas mulheres : rebaixamento da auto-estima,
    • dificultando o relacionamento do casal- diminuição do desejo e
    • das atividades sexuais
    • Outros sentimentos vão se incorporando como: culpa e a revolta
    • e outras mudanças psicológicas e sociais .
    FREITAS, M.R.I.de; GIR, E.; RODRIGUES, A.R.F. Rev.latino-Am.Enfermagem, 8( 3),2000; 76-83. CONCLUSÃO
  • 14. PAPEL DO GINECOLOGISTA OBJETIVO GERAL Ajudar a mulher a redefinir o problema de uma NOVA forma, perceber aspectos que não estavam muito claros e que poderiam ser trabalhados com o objetivo de sua reintegração e volta às atividades sexuais
  • 15. O PAPEL DO “NOVO GINECOLOGISTA” NÃO É MAIS APENAS DAR ÊNFASE AO TRATAMENTO DE UMA “DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL” E SIM SER UM AGENTE DE “SAÚDE SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL”,
  • 16. ACONSELHAMENTO
  • 17. PAPEL DO GINECOLOGISTA
    • Cuidados para não “ confluir” ou se “identificar” com a situação da paciente
    • Passar informações precisas, para diminuir os mitos e crenças sobre o que está acontecendo
    • Desestimular questionamentos
  • 18. PAPEL DO GINECOLOGISTA
    • Incentivar o diálogo com o parceiro, a cumplicidade
    • Tranquilizar o casal
    • Ajudá-la a buscar soluções, caso seja necessário encaminhá-la a terapia
  • 19. Obrigada! [email_address]