Cafe 13 aula 03 - dra. ana laura - sexualidade e vulvovaginites 1

1,243 views
1,020 views

Published on

Published in: Education, News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,243
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
34
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cafe 13 aula 03 - dra. ana laura - sexualidade e vulvovaginites 1

  1. 1. VULVOVAGINITES E SEXUALIDADE Ana Laura Ferreira [email_address]
  2. 2. VULVOVAGINITES SEXUAL MENTE CORPO
  3. 3. SEXUALIDADE <ul><li>A UTO- ESTIMA </li></ul><ul><li>A FETIVIDADE </li></ul>ENERGIA INTEGRAÇÃO INFLUÊNCIA
  4. 4. SINAIS E SINTOMAS DAS VULVOVAGINITES Tempestade de idéias, pensamentos e sentimentos
  5. 5. TRAIÇÃO INFIDELIDADE MÁGOA MEDO FOBIA INSEGURANÇA VERGONHA
  6. 6. Vergonha Fui promíscua? E O SEXO ORAL?? ESCOLHI O HOMEM ERRADO? Usar camisinha agora?
  7. 7. COMO FICA A A UTO- ESTIMA ? <ul><li>Culpa,mágoa,ressentimento </li></ul><ul><li>Critica, julga e responsabiliza o parceiro pela sua doença </li></ul><ul><li>Depressão, indiferença </li></ul><ul><li>Sentimentos de raiva em relação a si mesma </li></ul><ul><li>Constrói um diálogo interno negativo </li></ul>
  8. 8. RECONQUISTAR SUA A UTO- ESTIMA Gostar de si mesma Aceitar-se incondicionalmente Dar atenção as suas novas necessidades
  9. 9. COMO FICAM OS SEUS A FETOS ? <ul><li>Dor, sofrimento </li></ul><ul><li>Sensação de vazio </li></ul><ul><li>e solidão </li></ul><ul><li>Tendência ao </li></ul><ul><li>isolamento </li></ul><ul><li>Pensamentos ansiogênicos </li></ul><ul><li>Perda de </li></ul><ul><li>credibilidade e </li></ul><ul><li>segurança no outro </li></ul><ul><li>Sensação de </li></ul><ul><li>desrespeito, destrato </li></ul><ul><li>Questiona o </li></ul><ul><li>parceiro e a </li></ul><ul><li>finalidade da relação </li></ul>
  10. 10. COMO RESGATAR A A FETIVIDADE ? <ul><li>Ajudá-la a fazer novas escolhas , como: </li></ul><ul><li>Parar de se sentir a vítima </li></ul><ul><li>Tomar decisões a seu favor </li></ul><ul><li>Fazer das “lembranças doloridas um aprendizado, e não amarguras </li></ul><ul><li>Acreditar em sua capacidade de amar-se e amar novamente </li></ul>
  11. 11. SEXUALIDADE <ul><li>Diminuição do desejo, excitação e capacidade orgásmica </li></ul><ul><li>Diminuição da freqüência sexual </li></ul><ul><li>Repulsa sexual </li></ul><ul><li>Dúvidas quanto ao tratamento </li></ul><ul><li>Medo de recomeçar as atividades sexuais </li></ul>
  12. 12. CONGRESSO DA FEDERAÇÃO EUROPEIA DE SEXOLOGIA <ul><li>Unidade Laboratorial de Investigação em Sexualidade Humana da Universidade de Aveiro </li></ul><ul><li>Pedro Nobre </li></ul><ul><li>60 portugueses </li></ul><ul><li>Determinar a influência dos fenômenos de natureza cognitiva e emocional podem ter na resposta sexual </li></ul>10.º CONCLUSÃO Os pensamentos e as emoções podem influenciar no funcionamento sexual
  13. 13. DIFICULDADE SEXUAL VIVENCIADA POR MULHERES EM CRISE DE HIV-1 <ul><li>Objetivo identificar as dificuldades sexuais </li></ul><ul><li>vivenciadas por mulheres em crise de HIV-1 nos </li></ul><ul><li>primeiros seis meses após receberem o diagnóstico </li></ul><ul><li>de HIV-1, . </li></ul><ul><li>Metodologia pesquisa qualitativa </li></ul><ul><li>A desorganização que o impacto do HIV- causou na </li></ul><ul><li>vida sexual dessas mulheres : rebaixamento da auto-estima, </li></ul><ul><li>dificultando o relacionamento do casal- diminuição do desejo e </li></ul><ul><li>das atividades sexuais </li></ul><ul><li>Outros sentimentos vão se incorporando como: culpa e a revolta </li></ul><ul><li>e outras mudanças psicológicas e sociais . </li></ul>FREITAS, M.R.I.de; GIR, E.; RODRIGUES, A.R.F. Rev.latino-Am.Enfermagem, 8( 3),2000; 76-83. CONCLUSÃO
  14. 14. PAPEL DO GINECOLOGISTA OBJETIVO GERAL Ajudar a mulher a redefinir o problema de uma NOVA forma, perceber aspectos que não estavam muito claros e que poderiam ser trabalhados com o objetivo de sua reintegração e volta às atividades sexuais
  15. 15. O PAPEL DO “NOVO GINECOLOGISTA” NÃO É MAIS APENAS DAR ÊNFASE AO TRATAMENTO DE UMA “DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL” E SIM SER UM AGENTE DE “SAÚDE SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL”,
  16. 16. ACONSELHAMENTO
  17. 17. PAPEL DO GINECOLOGISTA <ul><li>Cuidados para não “ confluir” ou se “identificar” com a situação da paciente </li></ul><ul><li>Passar informações precisas, para diminuir os mitos e crenças sobre o que está acontecendo </li></ul><ul><li>Desestimular questionamentos </li></ul>
  18. 18. PAPEL DO GINECOLOGISTA <ul><li>Incentivar o diálogo com o parceiro, a cumplicidade </li></ul><ul><li>Tranquilizar o casal </li></ul><ul><li>Ajudá-la a buscar soluções, caso seja necessário encaminhá-la a terapia </li></ul>
  19. 19. Obrigada! [email_address]

×