Your SlideShare is downloading. ×
Impactos antrópicos na localidade do kidezinho, juazeiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Impactos antrópicos na localidade do kidezinho, juazeiro

405
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
405
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Impactos Antrópicos naLocalidade doKidezinho, Juazeiro -BAAiltonDanielleFátimaIaraÍtalo Alan
  • 2. Apresentação• O trabalho buscou apresentar um breve estudo ambiental geomorfológico de um local do bairro Kidezinho da cidade de Juazeiro – BA situada no semiárido nordestino. O estudo procura levantar questões sobre as ações antrópicas na localidade.
  • 3. Metodologia• Revisão bibliográfica sobre a evolução geológica da área no contexto regional;• Análise e caracterização geomorfológica;• O método cientifico de pesquisa utilizado é o fenomenológico, que é defendido pelo filosofo Husserl, esse método consiste em isolar, num fenômeno, influências para estuda-lo e usa-lo, embora essas ligações abandonadas possam, mais tarde ser levadas em consideração. (SOUZA)
  • 4. Localização• O objeto de estudo localiza-se em Juazeiro, o Kidezinho é um bairro de periferia considerado como zona rural. O local da analise está situado entre as coordenadas:• Ponto 1: 9°2549.81"S 40°3213.41"O;• Ponto 2: 9°2546.73"S 40°3212.25"O;• Ponto 3: 9°2542.55"S 40°3219.85"O;• Ponto 4: 9°2547.77"S 40°3221.77"O.
  • 5. Localização aérea do local
  • 6. Condições Morfoclimáticas do semiárido• As condições de semiaridez do Nordeste brasileiro reportam-se aos fins do Terciário e ao inicio do Quaternário, quando alterações bruscas, de origem planetária, provocaram mudanças de grande magnitude, gerando vastos aplainamentos, que deram origens às depressões interplanálticas semiáridas do nordeste. (AB’SABER, 1977)• A geologia no ambiente semiárido é bastante variável, porém com predomínio de rochas cristalinas, seguidas de áreas sedimentares e em menor proporção encontram-se áreas de cristalino com uma cobertura pouco espessa de sedimentos arenosos ou areno-argilosos
  • 7. Classificação do solo semiárido• Segundo JACOMINE (1996) os Vertissolos normalmente variam de pouco profundos a profundos podendo ocorrer solos rasos. São moderados ou imperfeitamente drenados, de permeabilidade lenta ou muito lenta, baixa condutividade hidráulica e horizonte superficial pouco desenvolvido, com baixos teores em matéria orgânica. Esses solos são muito plásticos e muito pegajosos devido ao predomínio de argilas com alta capacidade de contração e expansão. Ocorrem em áreas planas, suavemente onduladas, depressões e locais de antigas lagoas.
  • 8. Relevo• JATOBA & LINS (1998) afirmam que existem três formas de relevo frequentemente encontradas em áreas secas: pedimento, pediplanos e inselbergues.• De acordo com MABESSONE (1978, p. 5 in RIBEIRO 2010), nos sertões semi-áridos do Nordeste brasileiro, “o elemento mais conspícuo dentro das formas do relevo é a extensão enorme das áreas planas ou quase planas”.
  • 9. Análise
  • 10. Comparativo de solo
  • 11. Considerações• Agricultura X Semiaridez• Desertificação• Impactos brandos, mas se não solucionados poderão com o tempo se agravar.• assoreamento.
  • 12. Principais Referencias• AB‘SABER, A. Problemática da desertificação e da sanilização no Brasil intertropical. Geomorfologia. São Paulo: USP/Instituto de Geografia. 1977. 19p• MELO, José Fernandes de Filho; SOUZA, André Leonardo Vasconcelos. O manejo e a conservação do solo no semi-árido baiano: desafios para a sustentabilidade.• PELOGGIA, A. O Homem e o Ambiente Geológico: geologia, sociedade e ocupação urbana no Município de São Paulo. São Paulo, Xamã, 1998. 271 p.• PRESS, Frank; et. AL.. Para Entender a Terra. Tradução: MENEGAT, Rualdo. 4ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.• REBOUÇAS, A. Potencialidade de água subterrânea no semi-árido brasileiro. In. Conferência internacional de captação de água de chuva, Petrolina, 1999.• RIBEIRO, Simone Cardoso; MARÇAL, Mônica dos Santos; CORREA, Antonio Carlos de Barros. Artigo. Geomorfologia de Áreas Semi-Áridas: Uma Contribuição ao Estudo dos Sertões Nordestinos. In Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. 27, n. 1, jan/mar. 2010

×