• Like
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Aula 03 fontes de energia e industria prevupe

  • 624 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
624
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
11
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Smog Fotoquimico No2 UV No + O O + O2 = O3
  • 2. Smog Fotoquímico• Smoke + Fog• Simplificadamente, podemos considerar o smog fotoquímico como sendo uma mistura de O3 e compostos orgânicos• O smog fotoquímico tem sua origem nas reações fotoquímicas entre: • 1) Hidrocarbonetos volateis; • 2) Compostos de Nitrogênio com o Oxigênio NxOy (Principalmente NO2) • 3) O2 da atmosfera
  • 3. Fontes de energia• Energia é a capacidade de realizar trabalho. • Os combustiveis fornecem mais ou menos energia de acordo com seu poder calorifero. Ex.: 1Kg de petroleo fornece cinco vezer mais energia que a mesma quantidade de bagaço de cana, ao passo que 500g de urânio fornecem a mesma quantgidade de energia que 6.000 barris de petroleo (1 barril = 158,00l)
  • 4. Matriz Energetica
  • 5. Classificação das fontes de energia• Fontes Renovaveis – Tem a possibilidade de se renovar. (Se bem cuidada pode durar indefinidamente).• Não-Renovaveis – Se esgotam com o uso.• Antigas ou arcaicas (Força muscular)• Modernas (carvão mineral, petroleo, energia nuclear, hidroeletricidade)• Alternativas (energia solar, eolica, das marés, geotermica e outras)
  • 6. Revoluções industriais e o desenvolvimento da energia• 1ª revolução (movida a carvão)• 2 ª revolução (carvão, petroleo, gás natural e hidroeletrica)• Sec. XX Energia nuclear para fins não pacificos, posteriormente com finalidades pacificas.
  • 7. Hidrocarboneto• Compostos orgânicos formados de carbono e hidrogênio.• Resultam da decomposição de plantas e microrganismos soterrados entre camadas de rochas por centenas de milhares de anos.
  • 8. Hidrocarboneto
  • 9. Carvão mineral• Substancia sólida de origem orgânica, resultante da transformação de restos vegetais soterrados a milhões de anos.• 97% se encontram no hemisfério norte, principalmente na Rússia, Estados Unidos, na Europa e China• Vem sendo usado desde a Revolução industrial.
  • 10. Carvão Mineral• A composição varia conforme a idade geologica da jazida. • Turfa: Possui menos teor de carbono (55%). É o primeiro estágio de desenvolvimentos do carvão. • Linhito: Possui teor de carbono de 65% a 75%. É o segundo estágio. • Hulha: tipo mais abundante e mais consumido, teor de carbono de 75% a 90%. • Antracito: possui de 90% a 96% de carbono. É o melhor e também mais raro. • Junto ao carvão mineral encontramos as águas amoniacas importante para produção de adubos e também o alcatrão matéria prima para o benzeno, antraceno, naftaleno, tolueno, fenol e etc
  • 11. Carvão Mineral
  • 12. Petróleo• Origem ligada ao soterramento e decomposição de animais e vegetais marinhos.• Geralmente é encontrado associado a jazidas de gás natural.
  • 13. Carvão vegetal• Obtido por meio da destilização seca da madeira
  • 14. Hidroeletricidade• No brasil atende a mais de 93,5% das necessidades nacionais.• Brasil 6.000 unsinas• China 20.000 usinas
  • 15. Hidrelétrica
  • 16. Energia Nuclear ou Atômica • Fissão nuclear
  • 17. Energia Nuclear ou Atômica
  • 18. Biogás• É obtido com a decomposição de dejetos orgânicos.
  • 19. Energia alternativa• Solar – Será capas de fornecer energia barata e limpa. EUA, China e Israel• Geotérmica – Calor do interior da terra. EUA, México, Filipinas, Japão.• Eólica – Vento. EUA, Dinamarca, Gracia Holanda.• Marítima – Maremotriz. Noruega, França.• Biomassa
  • 20. O SETOR PRIMÁRIO• As atividades do setor Primário são: • Atividades extrativas • Agricultura • Pecuária.• A Agricultura pode ser dividida em: de subsistência, comercial, especulativa, coletivista, moderna e agroindústria.• No período pré-capitalista, as sociedades eram basicamente agrícolas e não se diferenciavam muito umas das outras.
  • 21. O SETOR PRIMÁRIO• O setor primário, tradicionalmente caracterizado como rural, com pequena participação nos índices nacionais de produção e técnicas rudimentares, passou por uma grande evolução nas últimas décadas. As novas tecnologias permitem realizar melhoramentos genéticos na agropecuária e aumentar a produtividade, imprimindo um ritmo industrial a essa atividade.
  • 22. O campo e a cidade• Nas sociedades antigas, a agricultura era a principal atividade econômica.• O campo constituía o espaço da produção; a cidade, o espaço da circulação e do consumo das mercadorias produzidas.• As civilizações urbanas que se desenvolveram na Mesopotâmia e no Egito eram sustentadas pelo trabalho dos camponeses. O excedente da produção rural se transformava em tributos pagos aos governantes e sacerdotes, habitantes das cidades.• A agricultura também foi a base econômica durante toda a Idade Média. Nesse caso, o trabalho agrícola cabia aos servos, e o excedente da produção alimentava os senhores feudais (inclusive o clero) e seus exércitos.
  • 23. O campo se moderniza - A agropecuária em países desenvolvidos• Países Desenvolvidos: A agricultura e a pecuária são praticadas de forma intensiva, com grande utilização de técnicas biotecnológicas modernas. Em razão disso, é pequena a utilização de mão de obra no setor primário da economia.• Nesses países, além dos elevados índices de produtividade, obtém-se também um enorme volume de produção que abastece o mercado interno e é responsável por grande parcela do volume de produtos agropecuários que circulam no mercado mundial.
  • 24. O SETOR SECUNDÁRIO• INDÚSTRIA: Parte da economia que engloba empresas cujas principais atividades são a industrialização de matérias-primas e a manufatura de bens para consumo ou elaboração adicional.• Quanto a sua evolução histórica, podemos reconhecer três estágios fundamentais: • Artesanato • Manufatura • Maquinofatura.• Com a Revolução Industrial, o homem aumentou a sua capacidade de produção.
  • 25. A Fragmentação do Processo Produtivo• O artesão além de possuir os meios de produção, participava de todo o processo produtivo, assim como os trabalhadores manufatureiros (apesar de não possuírem os meios de produção, mas somente sua força de trabalho). Contudo, mudanças profundas na divisão e nas relações de trabalho ocorrem com o surgimento do taylorismo, fordismo e toyotismo (just-in-time).
  • 26. Taylorismo• Início do século XX• Engenheiro industrial norte-americano Frederick Winslow Taylor.• Objetivo de que o trabalho fosse executado de acordo com uma seqüência e um tempo pré-programados, de modo a não haver desperdício operacional.
  • 27. Fordismo• Henry Ford, outro engenheiro industrial dos Estados Unidos.• Criou a denominada linha de montagem Em vez dos trabalhadores se deslocarem pela fábrica, cada um realizava uma única tarefa repetidas vezes.
  • 28. O Toyotismo (just-in-time)• É um modo de organização da produção que se desenvolveu a partir da globalização do capitalismo na década de 1980. • Mecanização flexível; • Processo de multifuncionalização de sua mão- de-obra; • Implantação de sistemas de controle de qualidade total; • Sistema just in time (menores estoques e maior diversidade produtos).
  • 29. A Automatização da Produção• Algumas características permeiam a automação industrial: A redução de custos de pessoal; Redução de custos do estoque (intermédios e terminais); Aumento da qualidade dos produtos; Maior disponibilidade dos produtos; Ágil desenvolvimento tecnológico; Aumento da flexibilidade da produção.
  • 30. INDÚSTRIA E ORGANIZAÇÃO ESPACIAL
  • 31. INDÚSTRIA E ORGANIZAÇÃO ESPACIAL
  • 32. Estrutura Industrial Brasileira
  • 33. Estrutura Industrial Brasileira
  • 34. Estrutura Industrial Brasileira• Abertura da economia brasileira nos anos 90 – pela inserção da política neoliberal - facilitou a entrada de muitos produtos importados, forçando as empresas nacionais a se modernizarem e a incorporarem novas tecnologias ao processo produtivo para concorrerem com as empresas estrangeiras.
  • 35. Classificação das IndústriasA indústria pode ser de beneficiamento, de construção ou de transformação: Beneficiamento: Consiste em transformar um produto para que possa ser consumido, como descascarem cereais ou refinar o açúcar. Construção: Utiliza diferentes matérias-primas para criar um novo produto, como a construção civil. Transformação: Emprega sistemas, com diferentes graus de sofisticação, nas atividades de reelaboração de uma matéria-prima.
  • 36. Classificação das IndústriasQuanto a destinação de seus produtos: de bens não-duráveis e de bens duráveis.• Indústria de bens não-duráveis: Produz bens que são consumidos num tempo breve, como os produtos alimentares, cigarros, confecções, bebidas, calçados e medicamentos• Indústria de bens duráveis: Que produz bens de longa duração, como eletrodomésticos, máquinas, motores e veículos.
  • 37. Classificação das IndústriasDe uma maneira mais genética:• Indústria de base: Produz bens que servirão de base para outras indústrias, como a metalurgia, a indústria química, fabricação de cimento.• Indústria de bens de produção: Considerada a mais importante, pois é por meio dela que são criadas as condições necessárias a outras indústrias. É a indústria de máquinas e ferramentas, cuja existência determina o caráter da economia de um país: dependente ou independente. Assim, se um país produz seus bens de consumo e de uso, mas não produz os meios com os quais possa realizar tais produções, estará na dependência de outros que lhe forneça os equipamentos indispensáveis.• Indústria de bens de consumo: É aquele que vai, com produtos da indústria de bens de produção (máquina), fabricar aquilo que o mercado consumidor necessita. • Subdivisão: a) Indústria de bens finais: Produz bens prontos para o uso ou consumo. b) Indústria de derivados: É aquela que emprega como matéria-prima bens já beneficiados ou semi acabados, dando-lhes um novo acabamento (exemplo: indústria de confecções).
  • 38. Classificação das IndústriasQuanto a tonelagem de matérias-primas empregadas e à quantidade de energia consumida, a indústria pode ser:• Leve: Produtos alimentares, têxteis, fumo, bebidas, produtos farmacêuticos e calcados• Pesada: Metalúrgica, siderúrgica, fabricação de máquinas, veículos automotores e navios
  • 39. Indústrias tradicionais ou dinâmicas• As indústrias tradicionais são aquelas ligadas às descobertas da Primeira Revolução Industrial. • Utilizam muita mão de obra e pouca tecnologia.• As indústrias de ponta, ao contrário, utilizam muito capital e tecnologia, e pouca força de trabalho (mão de obra).
  • 40. Os fatores de localização industrial • Capital; • Energia; • Mão-de-obra; • Matéria-prima; • Mercado consumidor; • Meios de transportes.
  • 41. OS NICs – NOVOS PAÍSES INDUSTRIALIZADOS• A partir dos anos 50, passou a ocorrer uma intensificação no processo de expansão das multinacionais, em direção a diversas regiões do mundo.• Primeiros países que mais receberam filiais das multinacionais foram Brasil, Argentina, México e África do Sul.• Década de 60, tal processo de expansão das multinacionais e disseminação da atividade industrial atingiu a Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura.• A partir dos anos 80, outros países do sudeste asiático começaram a ter, gradativamente, a indústria como um setor importante da economia. É o caso da Malásia, da Tailândia e da Indonésia
  • 42. NICs Latinos X Asiaticos• NICs latinos: Ofereciam mão de obra barata, investimentos estatais em infraestrutura de transporte, energia e processamento de matérias-primas essenciais à instalação industrial.• Dos incentivos fiscais, a participação nos mercados internos, sem a necessidade de transpor barreiras alfandegárias, e a facilidade de remessa de lucros eram atrativos tentadores às empresas estrangeiras.• NICs asiáticos: A estratégia industrial traçada por Taiwan, Cingapura, Coreia do Sul e Hong Kong apoiou-se na IOE (Industrialização Orientada para a Exportação).• Objetivo principal: o comércio externo. Daí a expressão plataformas de exportação para designar os tigres asiáticos. • Enquanto na ISI foi preponderante a participação do capital norte- americano e do europeu, no caso da IOE, a principal fonte de investimentos foi o capital japonês.
  • 43. AS ZONAS ECONÔMICAS ESPECIAIS• China:• A introdução da economia de mercado está sendo feita pelo próprio Partido Comunista Chinês, em áreas determinadas: ZEEs (Zonas Econômicas Especiais).Idealizadas por Deng Xiaoping e implantadas a partir de 1978• Objetivo de suplantar a estagnação econômica.• Nas cidades escolhidas, abriram-se para o investimento estrangeiro, baixos impostos, isenção total para a importação de máquinas e equipamentos industriais, e facilidades para a remessa de lucros ao exterior.• Mão de obra mais barata do mundo, o que torna os preços dos produtos de baixo aporte tecnológico (têxtil, calçados e brinquedos) imbatíveis no mercado internacional.
  • 44. AS ZONAS ECONÔMICAS ESPECIAIS• Estão situadas próximas às áreas litorâneas, a pouca distância dos outros grandes centros econômicos do Pacífico.• Em 1992, o governo chinês criou 28 novas zonas de livre mercado, mais para o interior, ao longo do rio Yang-Tsé-Kiang.
  • 45. O SETOR TERCIÁRIO• Setor de serviços, encarrega-se de parte da economia.  Comércio  Corretagem de valores  Seguro  Transportes  Serviços de consultoria  Intermediação financeira  Atividades bancárias  Turismo• É o setor que mais cresce. E a principal fonte de renda dos países desenvolvidos.
  • 46. A Expansão Do Setor TerciárioEliminação de empregos nos setores primário e secundário;Diversificação do setor terciário;Novos empregos (atividades que exigem aptidões dos seres humanos e difíceis de serem mecanizadas tais como criatividade, liderança, iniciativa, resolução de situações imprevistas, inteligência emocional, etc)