NR18

18,359 views
17,921 views

Published on

Riscos ambientais na Construção Civil.

4 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
18,359
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
291
Actions
Shares
0
Downloads
939
Comments
4
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

NR18

  1. 1. Riscos Relacionados asCondições e Meio Ambiente da Construção NR-18 1
  2. 2. Acidente na construção sobe I Aula acima da média 2004 (2008-2009) Aumento no ritmo de atividade na construção civil Aumento da contratação de mão de obra (81%) Maior exposição de trabalhadores a risco Aumento no número de acidentes (70%) 2
  3. 3. Principais causas de acidente I Aula na construção Queda  Soterramento  Choque elétrico Curiosidades 3
  4. 4. Construção Civil – NR-18 II AulaA construção civil é um dos ramos de atividade maisantigos do mundo. Ao longo do tempo, passou por umgrande processo de transformação.Em decorrência da evolução por parte das obras, teve-sea perda de milhares de vidas, provocada por acidentesde trabalho e doenças ocupacionais, causadas,principalmente, pela falta de controle do meio ambientedo trabalho, do processo produtivo e da orientação dostrabalhadores.A indústria da construção, considerada atividadeperigosa devida a alta incidência dos acidentes,sobretudo os fatais. 4
  5. 5. Conceitos II AulaDemoliçãoDesmanchar ou derrubar construção previamenteedificada.EscavaçãoÉ a retirada de solo de um dado terreno a fim de seatingir a profundidade ou a cota necessária de umadeterminada construção.FundaçãoÉ o alicerce, o que segura a construção no lugar, podendoser rasas ou profundas.Desmonte de rochasÉ a ruptura da rocha, realizado através de equipamentoscomo rompedores, explosivos, materiais expansivos, etc. 1
  6. 6. Escavação II Aula 6
  7. 7. Fundação II AulaFundação rasa de uma casa emcomparação às fundações profundas deum edifício. 7
  8. 8. Desmonte de Rocha II Aula 8
  9. 9. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoRuptura ou desprendimento de solo e rocha• Operação de máquinas• Sobrecargas nas bordas dos taludes• Execução de talude inadequado• Aumento da umidade do solo• Vibrações na obra e adjacências• Realização de escavações abaixo do lençol freático 9
  10. 10. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoRuptura ou desprendimento de solo e rocha• Realização de trabalhos de escavações sob condiçõesmeteorológicas adversas• Interferência de redes de água potável e sistema deesgoto• Bombeamento de lençóis freáticos• Falta de espaço para operação e movimentação demáquinas 10
  11. 11. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoNos casos de risco de queda de árvores, linhas de transmissão,deslizamento de rochas e objetos de qualquer natureza, énecessário o escoramento, a amarração ou a retirada dosmesmos, devendo ser feita de maneira a não acarretarobstruções no fluxo de ações emergenciais.
  12. 12. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoAs escavações com mais de 1,25 m (um metro e vinte e cincocentímetros) de profundidade devem dispor de escadas deacesso em locais estratégicos, que permitam a saída rápida esegura dos trabalhadores em caso de emergência.
  13. 13. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoAs cargas e sobrecargas ocasionais, bem como possíveisvibrações, devem ser levadas em consideração para adeterminação das paredes do talude, a construção doescoramento e o cálculo dos seus elementos estruturais.O material retirado das escavações deve ser depositado a umadistância mínima que assegure a segurança dos taludes. 13
  14. 14. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoDevem ser construídas passarelas de largura mínima de 0,80 m(oitenta centímetros), protegidas por guarda-corpos comaltura mínima de 1,20 m (um metro e vinte centímetros),quando houver necessidade de circulação de pessoas sobre asescavações. 14
  15. 15. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoDevem ser construídas passarelas fixas para o tráfego deveículos sobre as escavações, com capacidade de carga elargura mínima de 4 m (quatro metros), protegidas por meio deguarda corpo. 15
  16. 16. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavaçãoA estabilidade dos taludes deve ser garantida por meio demedidas de segurança, o responsável técnico deverá buscar aadoção de técnicas de estabilização que garantam a completaestabilidade dos taludes. 16
  17. 17. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasEscavação SinalizaçãoNas escavações em vias públicas ou em canteiros, é obrigatóriaa utilização de sinalizações de advertência e barreiras deisolamento.Outros tipos de sinalização usados, fitas, placas de advertência,bandeirolas, grades de proteção, e tapumes. 17
  18. 18. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundação• Queda de materiais e de pessoas• Fechamento das paredes do poço• Interferência com redes hidráulicas, elétricas,telefônicas e de abastecimento de gás• Inundação• Eletrocussão• Asfixia• Ruído
  19. 19. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundação• Ruptura de cabos de aço• Ruptura de mangueiras e conexões sob pressão• Ruptura de tubulações de cabos elétricos e de telefonia• Vibrações afetando obras vizinhas ou serviços deutilidade pública• Tombamento do bate-estacas• Queda do pilão• Queda do trabalhador da torre do bate-estacas
  20. 20. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundaçãoA execução do serviço deverá ser feita portrabalhadores qualificados.Tubulões, túneis, galerias ou escavações profundas depequenas dimensões, cuja frente de trabalho nãopossibilite perfeito contato visual da atividade e em queexista trabalho individual, o trabalhador deve estarpreso a um cabo-guia que permita, em caso deemergência, a solicitação ao profissional de superfíciepara o seu rápido socorro.
  21. 21. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundaçãoNas escavações manuais de poços e tubulões a céu aberto odiâmetro mínimo deverá ser de 0,60 m (sessenta centímetros).
  22. 22. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundaçãoNa operação de bate-estacas, as operações deinstalação, de funcionamento e de deslocamentodevem ser executadas segundo procedimentos desegurança estabelecidos pelos responsáveis dasreferidas atividades.Em situação específica, na qual o bate-estacas tenhade realizar sua operação próximo à rede de energiaelétrica, o responsável pela segurança na operaçãodeve solicitar orientação técnica da concessionárialocal quanto aos procedimentos operacionais e desegurança a serem seguidos. 22
  23. 23. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundaçãoQuando o topo da torre do bate-estacas estiver num nívelsuperior às edificações vizinhas, o equipamento deve serdevidamente protegido contra descargas elétricas atmosféricas. 23
  24. 24. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundaçãoPara executar serviços na torre do bate-estacas, o trabalhadordeverá, obrigatoriamente, utilizar o cinto de segurança do tipo“pára-quedista”, com trava-quedas. 24
  25. 25. Riscos comuns e medidas II Aula preventivasFundação SinalizaçãoOs buracos escavados próximo aos locais de cravação ouconcretagem de estacas devem ser imediatamente protegidose sinalizados, para evitar riscos de queda de trabalhadores. 25
  26. 26. Riscos comuns e medidas II Aula preventivas Desmonte de rochas com explosivosNas atividades de desmonte de rochas é obrigatória aadoção de “Plano de fogo” elaborado por profissionalhabilitado (Blaster), responsável pelo armazenamento,preparação das cargas, carregamento das minas, ordemde fogo, detonação e retirada de explosivos nãodetonados e providências quanto ao destino adequadodas sobras de explosivos.A quantidade de explosivos e acessórios necessários aodeve ser restrita ao momento de detonação, evitando-sea estocagem próximo à frente de trabalho. 26
  27. 27. Riscos comuns e medidas II Aula preventivas Desmonte de rochas com explosivos SinalizaçãoAs áreas onde se utilizem explosivos deverão ser isoladase sinalizadas, com sinais visuais e sonoros que não seconfundam com os sistemas padronizados deemergência, tais como ambulância, polícia, bombeiro, etc. 27

×