Teologia SistemáticaTeologia Sistemática
Teologia Sistemática.I. A CIÊNCIA TEOLOGICA.1.1 Conceitosa. Conceito Etimológico     O vocábulo teologia vem dois outros d...
Teologia Sistemática 1.2 Métodos de Estudo da Teologia     Toda ciência tem seu próprio método, determinado por sua nature...
Teologia Sistemáticac. Método Indutivo Bíblico:     Segundo esse método, para chegarmos ao verdadeiro conhecimento de Deus...
Teologia Sistemática.II. A BIBLIOLOGIA.2.1 Conceito       É a parte da teologia que estuda a Bíblia como Palavra de Deus; ...
Teologia Sistemática2.3.2 Definição Teológica da Inspiração      Num sentido mais amplo, a inspiração inclui o processo to...
Teologia Sistemática2.3.4 A Natureza da Inspiração       Durante a história da igreja podemos perceber basicamente três co...
Teologia Sistemática2.3.5 Evidências da Inspiração da Bíbliaa. Evidência Interna da Inspiração da Bíblia: É a evidência qu...
Teologia Sistemáticaa. Evidência Externa da Inspiração da Bíblia: É a que surge de fora da Bíblia.d.1 Evidência Baseada na...
Teologia SistemáticaAS VERSÕES DA BÍBLIA E OS LIVROS APÓCRIFOSa. A Septuaginta (LXX): Foi a tradução do Velho testamento h...
Teologia Sistemática       É, então, neste contexto histórico que surge a Reforma Protestante proclamando “Só a Escritura”...
Teologia Sistemática.III. TEONTOLOGIA.3.1 A EXISTÊNCIA DE DEUSa. O Lugar da Doutrina na Dogmática       As obras de dogmát...
Teologia Sistemáticac. Conceitos a Respeito de Deusc.1 ATEÍSMO - Negação da Existência de Deus       Podemos dizer que exi...
Teologia Sistemática         Diante destas correntes teológico-filosóficas podemos destacar, em suma, pelo três idéias bás...
Teologia Sistemáticad. Provas Racionais da Existência de Deus            No transcurso do tempo foram elaborados alguns ar...
Teologia Sistemática3.2 A COGNOSCIBILIDADE DE DEUS     a. Deus Incompreensível e, Contudo, Cognoscível       A igreja cris...
Teologia Sistemáticac. Auto-Revelação, Requisito de Todo Conhecimento de Deus       Deus Transmite Conhecimento de Si Próp...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Teologia Covalidação

3,952

Published on

1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
3,952
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
334
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teologia Covalidação

  1. 1. Teologia SistemáticaTeologia Sistemática
  2. 2. Teologia Sistemática.I. A CIÊNCIA TEOLOGICA.1.1 Conceitosa. Conceito Etimológico O vocábulo teologia vem dois outros do língua grega, a saber: θεος (teos = Deus) + λογος (logos = palavra, discurso).Sendo assim, etimologicamente, teologia é um discurso a respeito de Deus. Orfeu e Homero foram chamados de teólogos entre os gregos, porque seus poemas tratavam da natureza dos deuses.Aristóteles classificou as ciências sob os títulos de física (aquela que se ocupa com a natureza), matemática (aquela que seocupa com os números e da quantidade) e teologia (aquela que se ocupa de Deus). Os pais da igreja se referiam ao apóstolo João como “o teólogo”, porque em seu evangelho e epístolas a divindade deCristo se tornou proeminente.b. Conceito Técnico A definição de teologia mais comum, especialmente em nossos dias, é de que ela é a ciência da religião. Contudo, apalavra religião é ambígua. Sua etimologia é duvidosa. Cícero faz referência a ela como relegere, revisar novamente, considerar.“Religio” é então consideração, observação devota , especialmente do que pertence ao culto e serviço devidos a Deus. Agostinho e Lactânio derivam a palavra de religare, religar. De acordo isso, religio é a base de obrigação. É aquilo que nosliga a Deus. Subjetivamente, é a necessidade interior de união com Deus. Esta diversidade de conceitos quanto ao que significa religião basta para provar quão completamente vaga e insatisfatóriaprecisa ser a definição de teologia como “a ciência da religião”. Além disso, essa definição faz a teologia inteiramenteindependente da Bíblia. Pois como a filosofia moral é a análise de nossa natureza moral, assim a teologia se torna a análise denossa consciência religiosa, justamente com as verdades que essa análise desenvolve. E mesmo a teologia cristã só é análiseda consciência religiosa do cristão. Temos, pois, que restringir a teologia à sua real esfera, como a ciência dos fatos da revelação divina até onde essesfatos dizem respeito à natureza de Deus e à nossa relação com Ele, como suas criaturas, como pecadores e comosujeitos da redenção.
  3. 3. Teologia Sistemática 1.2 Métodos de Estudo da Teologia Toda ciência tem seu próprio método, determinado por sua natureza peculiar. Este métodos são os princípios que devemcontrolar as investigações científicas. Se uma pessoa adota um falso método, ela é semelhante a alguém que toma umaestrada errada que jamais a levará a seu destino. Os dois grandes métodos abrangentes são o a priori [que parte, em suaargumentação, da causa para o efeito] e o a posteriori [que argumenta a partir do efeito para a causa]. Os métodos que se têm aplicado ao estudo da teologia podem ser reduzidos basicamente a três categorias: a Especulativa,a Mística e a Indutiva.a. Método Especulativo: Nesse método a especulação decide sobre toda a verdade, ou determina o que é verdadeiro a partir das leis da mente,ou dos axiomas envolvidos na constituição do princípio imaginativo dentro de nós. Neste método espera-se que o homem creianão na autoridade de Deus, mas na autoridade da razão. Toda a verdade precisa ser descoberta e estabelecida por umprocesso do pensamento. Caso se admita que a Bíblia contém alguma verdade, que seja só até o ponto em que ela coincidecom os ensinos da filosofia.b. Método Místico: Enquanto o processo especulativo busca inteiramente na razão a base de toda sua investigação, argumentação econclusões, o método místico, em direção diametralmente oposta, entende que devemos entender a Deus e os fatos a Eleatribuídos partindo dos sentimentos. Neste método presume-se que Deus, por sua comunicação imediata com a alma, se revelaatravés das emoções e por meio ou na forma de intuições da divina verdade, independente do ensino externo de Sua Palavra; eé essa luz interior, e não as Escrituras, que devemos seguir; ou, através da consciência e sentimentos religiosos, onde, quandomais profundos e mais puros forem estes, mais clara é a percepção da verdade.
  4. 4. Teologia Sistemáticac. Método Indutivo Bíblico: Segundo esse método, para chegarmos ao verdadeiro conhecimento de Deus, é essencial que venhamos a aplicar ométodo de indução como aplicado às ciências naturais, ou seja: c.1 Assim como o cientista se aproxima do estudo da natureza com determinados pressupostos, o teólogo, semelhantemente, deve iniciar seus estudo teológicos com o mesmo princípio, como por exemplo: Deus existe e Ele se manifestou em Sua Palavra. c.2 Como o estudante da natureza passa a perceber, reunir e a combinar os fatos, da mesma forma o teólogo deve se propor a os elementos da revelação divina. c.3 Da mesma forma como o cientista, partindo dos fatos (a posteriori), averiguados e classificados, deduz as leis pelas quais estes são determinados, o teólogo da mesma forma deve ser capaz de perceber as leis que regem os fatos da revelação divina por este mesmo processo de averiguação e classificação. Essas leis ou princípios gerais não derivam da mente e são atribuídos aos objetos externos, mas derivam e deduzem-se dos objetos e são impressos na mente. Estes passos, portanto, devem ser aplicados à revelação divina. A Bíblia é para o teólogo o que a natureza é para ocientista. Ela é seu depósito de fatos; e o seu método de averiguar o que a Bíblia ensina é o mesmos que o filósofo naturaladota para averiguar o que a natureza ensina. Ele se aproxima de sua tarefa com todos os pressupostos acima mencionados. 1.3 Áreas da Teologia Como ciência, no que concerne aos fatos da natureza, tem suas diversas áreas, como a matemática, a química,aastronomia etc., assim a teologia, tendo os fatos da Escritura por seu tema, tem suas áreas distinta e naturais, são elas:. ATeologia Propriamente Dita: b. A Antropologia: c. A Soteriologia d. A Escatologia: e. A Eclesiologia: f. Bibliologia: g.Hamartologia: i. Pneumatologia:
  5. 5. Teologia Sistemática.II. A BIBLIOLOGIA.2.1 Conceito É a parte da teologia que estuda a Bíblia como Palavra de Deus; suas divisões, conceitos como revelação, inspiração eiluminação; o processo e provas da inspiração das Escrituras Sagradas e o processo de canonicidade.2.2 A Inspiração da Bíblia A característica mais importante da Bíblia não é sua estrutura e sua forma, mas o fato de ter sido inspirada por Deus. Equando falamos de inspiração, não nos referimos a uma inspiração poética, mas de autoridade divina.2.3.1 Definição Etimológica de Inspiração Embora a palavra inspiração seja usada apenas uma vez no Novo testamento (II Tm 3:16) e outra no Velho Testamento(Jó 32:8), o processo pelo qual Deus transmite sua mensagem autorizada ao homem é apresentada de muitas maneiras. Assim escreveu Paulo a Timóteo: “Toda Escritura é divinamente inspirada [θεοπνευστος] e proveitosa para ensinar...”(II Tm 3:16). O vocábulo grego θεοπνευστος traduzido como “divinamente inspirado” vem de dois outros vocábulos, a saber: θεος(Deus) + πνηυµα (vento, sopro, espírito), dando-nos, assim, o entendimento que a Bíblia é o registro fiel daquilo que saiu daboca de Deus, uma vez que cada palavra foi “soprada” por Ele. Confirmando este conceito podemos citar os seguintes textos bíblicos: I Co 2:13; II Pe 1:21; Hb 1:1; I Pe 1:11. E fazendouma combinação das passagens, descobrimos que a Bíblia é inspirada no seguinte sentido: Homens, movidos pelo Espíritosanto, escreveram palavras sopradas por Deus, as quais são fonte de autoridade para a fé e para a prática cristã.
  6. 6. Teologia Sistemática2.3.2 Definição Teológica da Inspiração Num sentido mais amplo, a inspiração inclui o processo total pelo qual alguns homens movidos pelo Espírito Santo,anunciaram e escreveram palavras emanadas da boca de Deus; e, por isso mesmo, palavras dotadas de autoridade divina.Esse processo total de inspiração contém três elementos essenciais, a saber:a. Causalidade Divina: Deus é a causa e a fonte primordial da inspiração da Bíblia. O elemento divino estimulou o elemento humano, revelou-lhe certas verdades da fé, e esses homens de Deus as registraram.b. Mediação Profética: Os profetas escreveram segundo a intenção total do coração, segundo a consciência que os movia no exercício normal de sua tarefa, com seus estilos literários e seus vocabulários individuais. As personalidades dos profetas não foram violentadas; Deus utilizou personalidades humanas para comunicar proposições divinas.c. Autoridade Escrita: A Escritura “é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça”. A Bíblia é a última palavra no que concerne a assuntos doutrinários e éticos. Todas as controvérsias teológicas e morais devem ser trazidas ao tribunal da Palavra Escrita de Deus, pois ela recebeu sua autoridade do próprio Deus.2.3.3 Distinções Importantes No processo de inspiração devemos diferenciar alguns conceitos afim de que tenhamos uma visão exata do que sejarealmente a inspiração.a. Revelação: ato pelo qual Deus se manifestou ao homem e deu a este o conhecimento de qual era a sua vontade (sonhos,visões, profecias, teofanias, etc).b. Inspiração: Ato pelo qual o Espírito Santo capacitou santos homens de Deus a escreverem fielmente tudo quanto Deus quisque fosse registrado de suas revelações.c. Iluminação: Ato pelo qual o espírito santo capacita os homens a compreenderem a verdade de Deus nas SagradasEscrituras.
  7. 7. Teologia Sistemática2.3.4 A Natureza da Inspiração Durante a história da igreja podemos perceber basicamente três conceitos diferentes atribuídas a Bíblia em sua relaçãocom a doutrina da inspiração e sua extenção. Vejamos cada uma delas. A Ortodoxia: Pensamento teológico compreendido entre o I século até o século XVIII da era cristã. Para a ortodoxia aBíblia é a palavra de Deus. Em todas as suas partes e palavras ela o registro fiel da revelação divina.a. A Inspiração é Verbal: é verbal no sentido em que todas as palavras contidas no Livro Sagrado são exatamente aquelas que o Espírito Santo queria que estivessem lá. Esta verdade facilmente se comprova nos textos bíblicos. Em II Tm 3:16 temos “toda a Escritura [γραφη] é inspirada por Deus”; em Ex 24:4 “Moisés escreveu todas as palavras do Senhor”; em II Sm 23:2 “o Espírito do Senhor fala por mim e a sua palavra está na minha boca, etc. No Novo Testamento Jesus usa repetidamente a expressão “está escrito” (Mt 4:4,7; Lc 24:27,44); o apóstolo Paulo testemunhou “... falamos, não como palavras de sabedoria humana, mas como as que o Espírito Santo ensina...” (I Co 2:13) e João nos adverte quanto a não “tirar quaisquer palavras do livro desta profecia” (Ap 22:19);b. A Inspiração é Plenária: A Bíblia reivindica a inspiração divina de todas as suas partes. É a inspiração plena, total, absoluta. “Toda [πασα] Escritura é divinamente inspirada...” (II Tm 3:16) Nenhuma parte das Escrituras deixou de receber total autoridade doutrinária. Jesus e todos os autores do Novo Testamento exemplificam sua crença firme na inspiração integral e completa do Antigo Testamento, citando trechos de todas as Escrituras que eram para eles autoridade, até mesmo o que apresentam ensinos fortemente polêmicos como a criação de Adão e Eva, a destruição do mundo pelo dilúvio, o milagre de Jonas etc.c. A Inspiração Atribui Autoridade: uma vez que em todas as suas palavras, conceitos e partes a Bíblia é a inspirada e perfeita revelação de Deus, segue-se disto, portanto, que ela também é autoritativa, única regra de fé e prática. Disse Jesus “...a Escritura não pode ser anulada...” (Jo 10:35). Em numerosas ocasiões Jesus recorreu à palavra de Deus escrita, que ele considerava árbitro definitivo em questões de fé e de prática, para purificar o templo (Mc 11:17), pôr em cheque a tradição dos fariseus (Mt 15:3,4), resolver divergências doutrinárias (Mt 22:29) e defender-se contra as tentações de Satanás (Mt 4:4,7,10). Por fim, o próprio Cristo disse que “é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da lei” (Lc 16:17). Esta sua autoridade é, também, decorrente de sua suficiência, ou seja, do fato de que tudo quanto necessitamos para sermos salvos, conhecermos a Deus e servi-lo está claramente exposto nos seus escritos.
  8. 8. Teologia Sistemática2.3.5 Evidências da Inspiração da Bíbliaa. Evidência Interna da Inspiração da Bíblia: É a evidência que brota da Bíblia.a.1 Evidência da autoridade que se auto-confirma: A Bíblia fala com autoridade própria, cheia de convicção. As multidões se maravilhavam com Cristo pois ele fala com autoridade (Mc 1:22). A expressão “assim diz o Senhor” ressalta a idéia de que os profetas nada falavam de si mesmos, e, sim por determinação, orientação e supervisão de Deus”. As palavras das Escrituras não precisam ser defendidas; precisam apenas ser ouvidas, para que se saiba que são a Palavra de Deus.a.2 Evidência do testemunho do Espírito Santo: A Palavra de Deus confirma-se perante os filhos de Deus através do Espírito Santo. Este é o único que poderosa e eficazmente pode convencer os pecadores sobre a realidade da inspiração verbal e plenária da Bíblia. Ou seja, o mesmo Espírito que inspirou a Bíblia é o mesmo que ilumina os corações para que entendam, creiam e sejam salvos.a.3 Evidência da capacidade transformadora da Bíblia: Há na Bíblia, Pelo Espírito Santo, a capacidade de convencer, converte e edificar o pecador para a vida eterna. Os entristecidos recebem conforto, os pecadores são repreendidos, os negligentes são exortados pelas Escrituras. A evidência de que Deus atribui sua autoridade à Bíblia está em seu poder evangelístico e edificador.a.4 Evidência da unidade da Bíblia: Uma evidência mais formal da inspiração da Bíblia está na sua unidade. Sendo constituída de 66 livros escritos ao longo de 1500 anos, por cerca de 40 escritores, diversas línguas, com centenas de tópicos, é muito mais que mero acidente que a Bíblia apresente espantosa unidade temática – Jesus Cristo; um problema – o pecado; uma solução – o salvador Jesus, unificando as páginas da Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse.d.3 Evidência da Profecia: Até o presente momento nenhuma profecia bíblica ficou sem ser cumprida, cada uma delas de concretizou literalmente. A época do nascimento de Jesus Cristo (Dn 9), a cidade em que ele deveria nascer (Mq 5:2) e a natureza de sua concepção e nascimento (Is 7:14). Outros livros reivindicam inspiração divina, como o Alcorão, todavia, nenhum desses livros contém predições sobre o futuro. A Bíblia, portanto, tem um forte argumento a favor de sua autoridade divina: suas profecias sempre se cumprem.
  9. 9. Teologia Sistemáticaa. Evidência Externa da Inspiração da Bíblia: É a que surge de fora da Bíblia.d.1 Evidência Baseada na Historicidade da Bíblia: Grande parte do conteúdo bíblico é história e, portanto, passível de constatação. Os artefatos arqueológicos, os documentos escritos e nenhuma descoberta arqueológica invalidou um ensino ou relato bíblico. Grande parte da antiga crítica à Bíblia foi firmemente refutada pelas descobertas arqueológicas que demonstraram a existência da escrita no tempo de Moisés, a história e a cronologia dos reis de Israel e até mesmo a existência dos hititas, povo até pouco só mencionado na Bíblia. A Descoberta dos rolos do Mar Morto ilustra que existem milhares de manuscritos tanto do V.T. como do N.T. , o que contrasta com o punhado de originais disponíveis de muitos clássicos seculares de grande importância. Isto significa que a Bíblia é o livro do mundo antigo mais bem documentado que existe.d.2 Evidência do Testemunho de Cristo: Se Jesus possui alguma autoridade ou integridade como mestre religioso, podemos concluir que a Bíblia é inspirada por Deus. O Senhor Jesus ensinou que a Bíblia é a Palavra de Deus. Se alguém quiser provar ser esta assertiva falsa, deverá primeiro rejeitar a autoridade que tinha Jesus de se pronunciar sobre a questão da inspiração. (Mt 4:4)d.4 Evidência da Influência da Bíblia: Nenhum outro livro tem sido tão largamente disseminado, nem exercido tão forte influência como a Bíblia. Esta já foi traduzida em mais de mil línguas, abrangendo 90% da população do mundo. Nenhuma obra religiosa ou de fundo moral do mundo excede a profundidade moral contida no princípio do amor cristão, e nenhum apresenta conceito espiritual mais majestoso sobre Deus. A Bíblia apresenta ao homem os mais elevados idéias que já pautaram a civilização.d.5 Evidência da Manifesta Indestrutibilidade da Bíblia: A despeito de sua tremenda importância, a Bíblia tem sofrido muito mais ataque perversos do que seria de esperar, em se tratando de um livro. No entanto a Bíblia tem resistido a todos os ataques. Até mesma a igreja Católica Romana tentou ocultá-la e até destruiu milhares delas, contudo a palavra de Deus foi livre dos mosteiros e masmorras e entre pela Reforma Protestante aos homens.d.6 Evidência Oriunda da Integridade de Seus Escritores: Os escritores bíblicos não eram meros poetas, historiadores, religiosos,etc., estes homens carregavam com sigo a idéia bem firmada que eles escreviam da parte de Deus, e, portanto, estavam disposta até morrer pela defesa da fé que expunham em seus escritos. Embora estarem distanciados até por séculos, eles sinceramente criam que Deus lhes falava e que era imperioso escrever aos homens a vontade de Deus.
  10. 10. Teologia SistemáticaAS VERSÕES DA BÍBLIA E OS LIVROS APÓCRIFOSa. A Septuaginta (LXX): Foi a tradução do Velho testamento hebraico para o grego em III a.C. na cidade de Alexandria. Foi nesta tradução que pela primeira vez foram postos os livros apócrifos ao lado dos livros inspirados.b. A Antiga Latina: Foi a tradução da Bíblia para o latim antes de 200 d.C, no norte da África. Nesta tradução fez-se uso da Septuaginta como texto base para se traduzir o V.T. ; com isto os livros apócrifos continuaram ao lado dos livros inspirados.c. A Vulgata Latina: Foi a tradução da Bíblia para o latim por volta do ano 382 d.C. Nesta tradução Jerônimo fez uso do texto hebraico (texto massorético – TM). A controvérsia em torno da tradução do V.T. por Jerônimo com base no original hebraico reflete não só os conflitos entre cristãos e judeus, mas a crença mais problemática ainda sustentada por muitos líderes cristãos, dos quais Agostinho, segundo a qual a LXX era verdadeiramente a Palavra inspirada, inerrante, da parte de Deus, em vez de uma mera tradução não-inspirada baseada nos originais hebraicos. Jerônimo considerou que os livros apócrifos não eram de autoridade sobre a igreja, uma vez que eles não eram inspirados. No século XVI, a igreja, tendo se afastado das Escrituras sagradas, veio a ficar comprometida com a devassidão moral,politicagem eclesiástica, paganismo e tantos outros males. A Bíblia foi retirada das mãos do povo comum e aqueles quetentavam mudar tal situação eram presos e até mortos pela própria igreja. Os desvios doutrinários a cada dia apareciam, e para fins da construção da basílica de são Pedro, ao monge Tetzel foidada autoridade para a venda de indulgências que garantiam o perdão dos pecados passados presentes e futuros a quemcomprasse tal documento. Embora tal prática seja absurda até para os católicos hoje, contudo na época tal prática erasancionada pelo papa e estava de acordo com a doutrina do purgatório, da missa de sétimo dia e da autoridade papal sobre aigreja, uma vez que o próprio papa havia reconhecido a existência de um lugar de purificação para aquelas almas que não iamdiretamente para o céu. Tudo de acordo com algumas pouquíssimas passagens dos livros apócrifos.
  11. 11. Teologia Sistemática É, então, neste contexto histórico que surge a Reforma Protestante proclamando “Só a Escritura” como única regra de fée prática. Lutando contra as indulgências os reformadores asseveravam que tal prática não tinha respaldo na Palavra de Deus eque portanto deveria ser rejeitada por todo verdadeiro cristão. Tendo a igreja católica sofrido grandes baixas de membros emvários países, no Concílio de Trento declara canônicos os livros apócrifos pelos seguintes motivos: a. Para confirmar a doutrina do purgatório, missa de sétimo dia e outras afins, que tem sua base no livro de Macabeus. b. Para defender a autoridade papal sobre questões doutrinárias. c. Para não cair em descrédito diante da opinião pública, tendo que se retratar quanto a um erro de doutrina e prática. d. Para continuar levantando recurso para a construção da Basílica de São Pedro Portanto, a acusação que os protestantes retiraram livros da Bíblia não condiz que os fatos históricos, uma vez que estestais, só foram canonizados por motivos espúrios e não por serem verdadeiramente inspirados, pois se o fossem como são oslivros da Bíblia, estes, chamados livros apócrifos, já teriam sido reconhecidos como canônicos, uma vez que por mais de ummilênio e meio já se encontravam pertos dos livros universalmente reconhecidos pelo povo de Deus como inspirados. Os livros apócrifos, embora não serem tidos como inspirados pelos protestantes, eram, contudo, reconhecidos comoobras históricas e testemunhas daquele período compreendido entre Malaquias e Mateus. Eram portanto, até lidos, mas nuncausados como textos inspirados e autoritativos para de fazer doutrina alguma ou se asseverar algo sobre a prática ou crença daigreja cristã.
  12. 12. Teologia Sistemática.III. TEONTOLOGIA.3.1 A EXISTÊNCIA DE DEUSa. O Lugar da Doutrina na Dogmática As obras de dogmática ou de teologia geralmente começam com a doutrina de Deus. Há boas razões para começar coma doutrina de Deus, se partirmos da admissão de que a Teologia é o conhecimento sistematizado de Deus de quem, por meio dequem, e para quem são todas as coisas. Efetivamente iniciamos o estudo da teologia com duas pressuposições básicas, a saber: Deus existe e Ele se revelouem sua Palavra Divina. E por esta razão não nos é impossível começar com o estudo de Deus. Podemos dirigir-nos a Sua Revelação paraaprender o que Ele revelou a respeito de Si mesmo e a respeito de Sua relação para com as Sua criaturas. Até o começo do século XIX era quase geral a prática de começar o estudo da dogmática com a doutrina de Deus, masocorreu uma mudança sob a influência de Scheleiermacher que procurou salvaguardar o caráter científico da teologia com aintrodução de um novo método. A consciência religiosa do homem substituiu a palavra de Deus como a fonte da teologia. A féna Escritura como autorizada revelação de Deus foi desacreditada e a compreensão humana baseada na apreensão emocionalou racional do homem, veio a ser o padrão do pensamento religioso. A religião gradativamente tomou lugar de Deus comoobjeto da teologia. O homem deixou de ser ou de reconhecer o conhecimento de Deus como algo que lhe foi dado na Escritura ecomeçou a orgulhar-se de ter a Deus como seu objeto de pesquisa. Conseqüência natural deste sistema teológico: Deus é criado segundo a imagem e semelhança do homem.b. Prova Bíblica da Existência de Deus Para a teologia cristã a questão da existência de Deus não é apenas de que há alguma coisa, alguma idéia ou ideal,algum poder ou tendência com propósito, a que se possa aplicar o nome de Deus, mas que, de fato, existe um ser pessoal,auto-consciente, auto-existente, que é a origem de todas as coisas e que transcende a criação inteira, mas ao mesmo tempo éimanente em cada parte de criação. O cristão aceita a verdade da existência de Deus pela fé. As provas se achamprimeiramente na Escritura como palavra de deus inspirada, e, secundariamente na revelação de Deus na natureza. Em nenhumlivro da Bíblia algum escritor tenta provar a existência de Deus. Esta verdade, na Bíblia, é apresentada como uma fatonecessário (Gn 1:1).
  13. 13. Teologia Sistemáticac. Conceitos a Respeito de Deusc.1 ATEÍSMO - Negação da Existência de Deus Podemos dizer que existem dois tipos de ateus: o ateu prático e o ateu teórico. Entre os ateus práticos encontramosaquelas pessoas não religiosas que, embora não afirmarem a não existência de Deus, vivem como se Deus não existisse. Já osateus teóricos são aqueles que procuram provar que Deus não existe usando para este fim aquilo que lhes parece argumentosracionais da não existência de Deus. Os Ateus estão classificados da seguinte forma: * Ateus Dogmáticos: São os que negam peremptoriamente a existência de um ser divino. * Ateus Céticos: São os que tem dúvida quanto a capacidade da mente humana de determinar se há ou não um Deus. * Ateus Críticos: São os que sustentam que não há nenhuma prova válida da existência de Deus.c.2 Falsos Conceitos sobre Deus Quando se debate sobre a realidade de Deus, muitos tendem a pensar que somente o ateísmo desponto como elementonocivo a fé cristã. Entretanto, tão prejudicial à alma humana como o ateísmo ( ) são também os falsos conceito a cerca daexistência de Deus. Isto porque estes, sob a aparência de verdade, conduzem a erros grotescos quando atribuem a Deusconceitos humanistas e puramente filosóficos. Analisemos cada um deles a baixo. * Politeísmo: É a crença na existência de vários deuses. * Henoteísmo: É a crença na existência de vários deuses, entretanto apenas um é escolhido como objeto se culto. * Dualismo: É a crença na existência de dois deuses ou forças que são co-eternas, poderosas e que ao mesmo tempo se opõe. * Deísmo: Corrente teológica que afirma a existência de um ser pessoal, criador, poderoso, sábio, etc. que, tendo criado todas as coisas, ausentou-se de sua criação e deixando-a ser dirigida tão somente pelas leis naturais nas quais ela foi posta. Este pensamento enfatiza a transcendência de Deus. * Panteísmo: corrente filosófica que afirma que Deus é tudo e tudo é Deus.
  14. 14. Teologia Sistemática Diante destas correntes teológico-filosóficas podemos destacar, em suma, pelo três idéias básicas a respeito de Deus, asaber: 1. Um Deus Imanente e impessoal: O teísmo sempre acreditou num Deus que é transcendente e imanente. O deísmo retirou Deus do mundo, e deu ênfase à sua transcendência em detrimento da sua imanência. Sob a influência do panteísmo, porém, o pêndulo pendeu noutra direção, pois este identificou Deus com o mundo e não reconheceu um Ser divino distinto da Sua criação e infinitamente exaltado acima dela. 2. Um Deus Finito e Pessoal: A idéia de um Deus finito ou deuses finitos não é nova; é tão antiga como politeísmo e o henoteísmo. Neste sistema encontramos o panteão grego com todos os seus deuses que tinham, via de regra, as mesmas deficiências e dificuldades dos homens.c.3 TEÍSMO – O Pensamento Cristão Sobre Deus O conceito cristão sobre o ser Deus e seu modo de se relacionar com a sua criação esta esboçado no pensamentoteológico denominado de teísmo. Neste, Deus é apresentado como um ser pessoal, sábio, poderoso, criador de todas as coisas,e que através de seu infinito poder e soberania, governa, dirige, dispõe, sustenta todas as coisas conforme o conselho da suavontade. Nisto, então, percebemos que o teísmo tanto enfatiza a transcendência de Deus como a sua imanência.
  15. 15. Teologia Sistemáticad. Provas Racionais da Existência de Deus No transcurso do tempo foram elaborados alguns argumentos em favor da existência de Deus. Alguns deles jáhaviam sido sugeridos por Platão e Aristóteles, e outros foram acrescentados modernamente por estudiosos da filosofia dareligião. Observemos cada um deles.d.1 Argumento Ontológico: O homem tem a idéia de um ser absolutamente perfeito. Esta existência é um atributo de perfeição; portanto, um ser absolutamente perfeito tem que existir. Kant declarou que este argumento era insustentável; todavia, Hegel o aclamou com um grande argumento.d.2 Argumento Cosmológico: Cada coisa que existe no mundo tem que ter uma causa adequada; sendo assim, o universo tem que ter uma causa adequada, isto é, uma causa infinitamente grande.d.3 Argumento Teleológico: Em toda parte o mundo revela inteligência, harmonia , ordem e propósito, a assim implica a existência de um ser inteligente e com propósito, apropriado para a produção de um mundo como ested.4 Argumento Moral: Todo ser humano possui em sua constituição íntima a idéia de certo e errado, uma personalidade ajustada aos valores morais e éticos; portanto deve existir um ser moral e eticamente bom que criou o homem com este atributo; ou seja, o reconhecimento que o homem tem do Sumo Bem e a sua busca de um ideal moral exigem a necessitam a existência de um Deus que concretize este ideal.d.5 Argumento Histórico: Entre todos os povos e tribos da terra há um sentimento religioso que se revela em cultos exteriores. Visto ser um fenômeno universal, deve pertencer à própria natureza do homem. E se a natureza do homem leva naturalmente ao culto religioso, isto só pode achar uma explicação num ser superior que constituiu o homem um ser religioso.
  16. 16. Teologia Sistemática3.2 A COGNOSCIBILIDADE DE DEUS a. Deus Incompreensível e, Contudo, Cognoscível A igreja cristã confessa, por um lado, que Deus é incompreensível, mas também, por outro lado, que Ele pode serconhecido e que conhecê-lo é um requisito absoluto para a salvação (Jó 11:7; Is 40:18; Jo 17:3; I Jo 5:20). Os escolásticos sustentavam que não sabemos o que Deus é em seu Ser essencial, mas podemos saber algo da Suanatureza, daquilo que Ele é para nós, como Ele se revela em seus atributos divinos. Já os Reformadores, embora concordando em linhas gerais com os escolásticos, rejeitaram a idéia de que é possíveladquirir real conhecimento de Deus pela razão humana desajudada, partindo tão somente da revelação geral. Para Calvino,Deus, nas profundezas do seu ser, é insondável. “Sua essência”, diz ele, ”é incompreensível; desse modo, Sua divindadeescapa totalmente aos sentidos humanos”. Os Reformadores não negam que o homem possa aprender alguma coisa danatureza de Deus por meio da Sua obra criadora, mas sustentam que ele só pode adquirir verdadeiro conhecimento de Deus pormeio da revelação especial, sob a influência iluminadora do Espírito Santo.b. A Negação da Cognoscibilidade de Deus Geralmente essa negação se baseia nos supostos limites da faculdade cognitiva humana, segundo a qual a mente éincapaz de conhecer qualquer coisa que esteja além e por trás dos fenômenos naturais, e , portanto, é necessariamenteignorante quanto às coisas supersensoriais e divinas. Huxley foi o primeiro a aplicar àqueles que assumem esta posição, ele próprio incluído, o nome de “agnósticos”. Este nãogostam de ser rotulados de ateus, desde que eles não negam absoluta,mente a existência de Deus, mas declaram que nãosabem se Ele existe ou não e, mesmo que exista, não estão certos de terem algum genuíno conhecimento dele, e, em muitoscasos, negam de fato que possam ter algum conhecimento real dele. Comte, pai do positivismo,era agnóstico em religião e, de acordo com seu pensamento, o homem nada pode conhecer, senão pelos fenômenos físicos e suas leis. Os seus sentidos sãos as fontes de todo verdadeiro pensamento, e ele nada podeconhecer, exceto os fenômenos que os seus sentidos apreendem.
  17. 17. Teologia Sistemáticac. Auto-Revelação, Requisito de Todo Conhecimento de Deus Deus Transmite Conhecimento de Si Próprio ao Homem: Kuyper chama a atenção para o fato de que a teologia,como conhecimento de Deus, difere num importante ponto de todos os demais tipos de conhecimento. No estudo de todas asoutras ativamente extrai dele o seu conhecimento pelo método que lhe pareça mais apropriado; mas, na teologia, ele nãociências, o homem se coloca acima do objeto de sua investigação e pode colocar-se acima, e, sim , sob o objeto do seuconhecimento. Noutras palavras, o homem só pode verdadeiramente conhecer a Deus na medida em que Este ativamente sefaz conhecido. Sem a revelação divina o homem nunca seria capaz de adquirir qualquer conhecimento legítimo de Deus. Todo onosso conhecimento de Deus é derivado da Sua auto-revelação na natureza e na Escritura.d. A revelação divina (Hb 1) Teofanias, sonhos, visões, profecias, urim e tumim, cristofanias, natureza, o homem, milagres, dom de línguas, Cristo,Palavra Escrita.e. As obras de Deus - O relato da criação (Helorim e YHWH); - Criacionismo e evolucionismo (ateu e “cristão”) - Criados à imagem e semelhança de Deus (homens e anjos)
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×