Your SlideShare is downloading. ×
0
Aula2 melliere
Aula2 melliere
Aula2 melliere
Aula2 melliere
Aula2 melliere
Aula2 melliere
Aula2 melliere
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula2 melliere

97

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
97
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Edição AudiovisuAL
  • 2. Período do Cinema Mudo Aula 2 -
  • 3. Geoges MéliésFrança, 1861 –1938Mágico, cineasta, ator.
  • 4. O filme Viagem à Lua, de George Méliès, de 1902,marca o início de um processo de montagem e dosprimeiros efeitos especiais.Méliès era um mágico que ficou fascinado pelocinematógrafo dos Lumiére. Como não conseguiucomprar destes, recorreu a um inglês que construiuuma adaptação do cinematógrafo.É o criador dos efeitos especiais usando múltiplasexposições do filme, alta e baixa velocidade. Produziumais de 500 filmes e foi o primeiro a usar desenhos deprodução, story board e o fundador do primeiro estúdiocinematográfico da Europa.
  • 5. Viagem a Lua (1902), temcerca de 14 minutos e éuma sucessão de planossimples, na verdadequadros filmados de umaencenação. A montagemresume-se a planosenfileirados.
  • 6. A montagem surge a partir do momento em que osfilmes passam a ser mais longos, ou seja, passam acontar com mais de um plano, cada um delescontando uma cena inteira.Os planos contavam a história mas de uma formamuito diferente da qual estamos habituados.É com o trabalho de Edwin S. Porter que amontagem passa a ter uma finalidade narrativa.
  • 7. Fim

×